Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Total Slacker - Slip Away

Sexta-feira, 21.02.14

Naturais de Brooklyn, Nova Iorque e formados por Emily (baixo e voz), Zoe Brecher (bateria), Tucker Rountree (guitarra e voz) e David Tassy (guitarra), os Total Slacker acabam de editar Slip Away, um álbum que viu a luz do dia a onze de fevereiro por intermédio da Black Bell Records e que sucede a Trashin' , um disco que a banda editou em 2011 e onde a temática girava em redor de algumas das caraterísticas mais emblemáticas dos anos noventa. Entre estes dois discos os Total Slacker perderam Terence Connor, o primeiro baterista do grupo, falecido em dezembro de 2012 devido a um acidente de bicicleta, quando tinha apenas vinte e quatro anos.

Três anos depois de Trashin', os Total Slacker querem mostrar uma nova faceta mais visualmente renovada contemporânea e adulta, certamente também devido ao infortúnio que sofreram. Mas os anos noventa continuam a estar muito presentes, nomeadamente no conteúdo sonoro, com a guitarra agora a ter uma toada mais psicadélica, alongando-se nos solos que terminam quase sempre em enormes quantidades de fuzz e distorção e toda a banda a criar uma massa densa de sons.

Apesar de durar apenas trinta e sete minutos, a verdade é que esta aposta firme no predomínio da guitarra faz com que as canções pareçam um pouco mais longas, com momentos bastante enérgicos e que apostam fortemente numa sonoridade elaborada e a tentar ser comprometida com um indie rock criativo e maduro, sendo Super Big Gulp um excelente exemplo dessa busca de renovação.

Mas é difícil levar estes Total Slacker totalmente a sério quando escrevem depreciativamente sobre o namorado de uma babysitter (Fight the Babysitter Boyfriend) e tocam essa letra sobre um épico solo de guitarra, ou quando repetem a receita numa canção que fala explicitamente sobre as habilidades sexuais que é possível qualquer pessoa praticar a solo (Touch Yrself).

Thighmaster é contida e contêm referências mais nostálgicas e comtemplativas, sem nada de relevante a assinalar em termos liricos, mas depois a polémica regressa quando, em Who Killed Kennedy, os Total Slacker lançam uma teia de novas teorias conspiratórias inusitadas acerca do assassinato de JFK, que envolvem a prória rede social facebook.

Um dos destaques do disco acaba por ser See Right Through, uma canção onde a simbiose entre o baixo e a guitarra é perfeita e as letras encaixam com mestria no registo vocal anasalado de Rountree. Mas também há que ouvir com afinco Keep The Ships At Bay, mais uma canção assente num garage rock lo fi, visceral e vibrante e que mistura elemenos típicos do grunge com a crueza do punk rock.

Os Total Slacker têm um apetite particular pela abordagem a alguns dos aspetos mais icónicos da realidade cultural norte americana e de os cruzar com detalhes surreais, procurando assim convencer que merecem ser levados a sério e tidos em conta no espetro sonoro em que se inserem. E, na verdade, Slip Away é um verdadeiro caldeirão de influências que nos transporta para uma espiral sonora onde a percurssão rápida, uma voz pujante e o fuzz das guitarras fazem destes Total Slacker um dos projetos mais interessantes de seguir no indie rock atual. Confere...

01. Satisfied
02. Who Killed Kennedy
03. Touch Yrself
04. Would If I Could
05. Out of Body Experience
06. Fight the Babysitter Boyfriend
07. Keep The Ships At Bay
08. See Right Through
09. Super Big Gulp
10. Thighmaster
11. Sometimes You Gotta Die

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 13:04






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 382


Disco da semana 87#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.