Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



The Antlers – Familiars

Sexta-feira, 04.07.14

Um dos discos que aguardei nas últimas semanas com maior expetativa foi Familiars, o novo trabalho dos The Antlers, uma banda de Brooklyn, Nova Iorque, liderada por Peter Silberman, a quem se juntam Darby Cicci e Michael Lerner. Familiars viu a luz do dia a dezasseis de junho, por intermédio da ANTI.

 

O último sinal de vida dos The Antlers tinha sido dado pelo EP Undersea, quatro canções que ganharam vida em 2012, cheias de sons aquáticos e claustrofóbicos, sem perder o habitual caráter relaxante. Undersea era uma espécie de retorno à boa forma dos The Antlers e absorvia as mesmas referências exploradas no fantástico Hospice, o anterior disco oficial da banda, fazendo-o de forma extensa e bem produzida. Agora, em Familiars, o grupo chega mais uma vez próximo do post rock e de outras preferências mais etéreas, que passam também pelo jazz e pela música experimental, através da habitual receita  feita de guitarras esvoaçantes e tranquilas, uma bateria que ganha em mestria uma calculada ausência de fulgor e a já imagem de marca que é a presença do trompete, um instrumento que aparece sempre de mãos dadas com alguma dose de reverb e que casa na perfeição com o clima melódico que os The Antlers procuram recriar num disco que pretende contar histórias muito concretas, relacionadas com a vida comum e os conflitos psicológicos que ela frequentemente provoca.

Se por uma lado as canções de Familiars podem ter um cariz algo auto biográfico, relacionado com a dimensão pessoal do próprio Silberman, por outro, às vezes dá a sensação que ele está a visualizar os acontecimentos que as letras narram na terceira pessoal, o que cria uma espécie de ilusão, como se ele fosse um duplo que vive e assiste, numa espécie de diálogo interior, um face to face metafórico que, por exemplo, a canção Doppelgänger claramente exemplifica. Se os versos de cada canção abraçam um contexto particular, em termos de arranjos, Familiars é um disco abrangente, com o cruazamento entre a leveza onírica da dream pop e o cariz mais rugoso que faz parte do rock alternativo a não descurar a presença de outros espetros sonoros, possibilitados não só pela presença já mencionada do trompete, como de alguns metais e de guitarras que não se deixam enlear por regras e imposições herméticas. Bom exemplo disso são os mais de sete minutos de Revisited, uma canção lenta mas cheia de detalhes preciosos, com particular destaque para o violoncelo tocado por Brent Arnold e o trombone de Jon Natchez, dois convidados especiais do disco, que criam uma manta sonora particularmente feliz para o encaixe da voz de Silberman.

Disco muito coeso, maduro, impecavelmente produzido e um verdadeiro manancial de melodias lindíssimas, Familiars é mais um tiro certeiro na carreira deste trio de Nova Iorque e talvez o melhor álbum dos The Antlers até ao momento, não só por causa destas caraterísticas assertivas, mas também por ser capaz de nos transportar para um universo particularmente melancólico, sensível e confessional, metaforicamente mais brando e menos doloroso do que o ambiente das propostas anteriores da banda, apesar de Intruders e Director serem duas canções que abordam diretamente a temática da morte. Espero que aprecies a sugestão...

The Antlers - Familiars

01. Palace
02. Doppelgänger
03. Hotel
04. Intruders
05. Director
06. Revisited
07. Parade
08. Surrender
09. Refuge

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:42






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 423


Disco da semana 117#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.