Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Warpaint – Lilys

Segunda-feira, 03.05.21

Algumas semanas depois de terem divulgado o seu contributo para a coletânea The Problem With Leisure: A Celebration Of Andy Gill And Gang Of Four, disco de tributo a Andy Gill, um dos pilares do mítico projeto britânico Gang Of Four, que partiu do nosso mundo o ano passado, as Warpaint de Theresa Wayman, Emily Kokal, Jenny Lee Lindberg e Stella Mozgawa estão de regresso com novidades. Lilys, o novo tema do quarteto californiano e que faz parte da banda sonora da comédia da HBO Made For Love, é a primeira amostra do próximo álbum do projeto, ainda sem nome ou data de lançamento divulgados e que irá suceder ao já longínquo Heads Up de dois mil e dezasseis.

Warpaint Return with "Lilys", the Band's First New Single in Five Years:  Stream

Lilys é uma canção com um pulsar muito próprio, uma composição com a típica densidade orgânica das Warpaint, harmoniosa e vibrante, criada a partir de uma espécie de cruzamento feliz entre alguns dos detalhes fundamentais da dream pop e do chamado trip-hop que fez escola nos anos noventa, uma combinação em que nostalgia e contemporaneidade conjuram entre si com elevado groove e uma clara sapiência melódica. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:53

Tashaki Miyaki – I Feel Fine

Quarta-feira, 28.04.21

Quatro anos depois do extraordinário registo de estreia The Dream, que fez parte da nossa lista dos melhores álbuns de dois mil e dezassete num honroso décimo quinto lugar, os Tashaki Miyaki de Paige Stark, Luke Paquin e Sandi Denton, estão de regresso aos discos em dois mil e vinte e um com Castaway, o segundo álbum da banda, um alinhamento de onze canções que irá ver a luz do dia a dois de julho próximo e que já está disponível para pré-reserva no bandcamp do grupo. É um regresso que se saúda com enorme entusiasmo nesta redação, porque estamos a falar de uma banda que navega nas águas turvas e profundas da dream pop de pendor psicadélico e que oferece canções que nos embalam e incitam de um modo muito particular e lisérgico, composições que comprovam o quanto este projeto oriundo de Los Angeles é  incomparável e mestre na criação de uma atmosfera densa, mas particularmente sensual e hipnótica.

Tashaki Miyaki unveils their mesmerizing single and evocative visuals for  “I Feel Fine” - Grimy Goods

Castaway deverá ainda obrigar-nos a aprimorar mais as loas aos Tashaki Miyaki, tendo em conta o conteúdo de I Feel Fine, a primeira amostra revelada de Castaway. Trata-se de uma canção que serve-se de guitarras sobriamente eletrificadas e distorcidas para obter uma mistura sem fronteiras definidas, entre os grandes universos sonoros que são o blues e a folk, acrescentando a esta junção um registo vocal sublime, num resultado final tremendamente intimista e reservado, mas sem deixar de conter emoção e fervor.

I Feel Fine também já tem direito a um curioso vídeo filmado e realizado por Paige Stark, no qual a cantora e baterista dos Tashaki Miyaki homenageia os seus filmes sobre vampiros preferidos, nomeadamente as películas Only Lovers Left Alive and A Girl Walks Home Alone at Night. Curiosamente este também é o primeiro vídeo dos Tashaki Miyaki em que aparecem todos os elementos do grupo, neste caso vestidos de vampiros, vagueando pelas ruas de Los Angeles, noite dentro.

During the pandemic, we were working on an instrumental record because I couldn't write words and was kind of going crazy sitting in my apartment alone. I needed to be creative and see my bandmates to preserve my mental health. So we went to our friend Joel Jerome's place and recorded this instrumental record over two weeks in the middle of the summer heat wave, referiu recentemente Stark à imprensa sobre a canção e o vídeo, que ainda acrescentou: With this song, words just came. I hadn't written a word during the pandemic and then I suddenly felt like saying something about it. At first we were going to let it be the one song with a vocal on this otherwise instrumental record, but later we decided it fit more with Castaway, so we added it. We mixed it with the batch of songs from Castaway, so it feels like part of that group sonically now. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:49

John Grant – Boy From Michigan

Quinta-feira, 15.04.21

Pouco mais de dois anos após o excelente registo Love Is Magic, um John Grant enraivecido e profundamente incomodado pela conjuntura atual do seu país natal e do mundo, não só devido à crise pandémica, mas também ao crescimento político dos extremismos, que não abrandam apesar da derrota de Trump e da entrada de Biden na Casa Branca, prepara-se para lançar um novo álbum intitulado Boy From Michigan, que irá ver a luz do dia a vinte e cinco de junho próximo, à boleia do consórcio Partisan/Bella Union.

John Grant anuncia o álbum 'Boy From Michigan' e revela a faixa-título

Boy From Michigan conta com Cate Le Bon nos créditos da produção que, já agora, tem um novo disco intitulado Reward e que a nossa redação recomenda vivamente. Mas voltando ao novo álbum de Grant, depois de em janeiro termos contemplado o single The Only Baby, agora chega a vez de conferirmos o tema homónimo do disco, uma canção com uma toada muito charmosa e onde um delicioso travo psicadélico passeia por um tratado de chillwave intemporal, enquanto Grant disserta sobre algumas memórias que ainda guarda dos seus primeiros anos de vida no Michigan. Confere Boy From Michigan e a tracklist de Boy From Michigan...

Boy From Michigan
County Fair
03 “The Rusty Bull
The Cruise Room
Mike And Julie
Best In Me
Rhetorical Figure
Just So You Know
Dandy Star
Your Portfolio
The Only Baby
Billy

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:52

Cold Cave – Night Light

Quinta-feira, 08.04.21

O projeto Cold Cave, liderado por Wesley Eisold, tem catorze anos de existência e não edita discos há uma década. Mas isso não significa que tenha estado em pousio desde então. De facto Wesley tem-se mostrado bastante ativo, nomeadamente depois de em dois mil e dezasseis nos ter presenteado com The Idea Of Love, um lançamento em formato físico e digital, de duas canções, o tema homónimo e Rue The Day. Esse género de edições pareceu ser, à altura, a filosofia de Wesley para a apresentação das canções dos Cold Cave, com o clássico formato álbum a ser, para o autor, uma realidade do passado. À época, o músico natural de Los Angeles confessou que esse seria um formato demasiado redutor e que pretendia publicar música livremente e sem a obrigatoriedade de o fazer à sombra de um alinhamento longo e definido no tempo, mesmo tendo em conta a excelente aceitação dos discos Love Comes Close (2009) e Cherish the Light Years (2011).

Ouça Cold Cave Channel 80ies Synth-Pop na nova música “Night Light” –  Celebrity Land Brasil

Agora, em dois mil e vinte e um, e depois de ter visto interrompida, devido à pandemia, uma digressão com o seu outro projeto, a banda hardcore American Nightmare e de se ter juntado a Mark Lanegan para produzirem juntos uma espetacular cover do clássico Isolation dos Joy Division, Eisold orientou de novo o seu foco para os Cold Cave e acaba de anunciar um novo EP intitulado Fate In Seven Lessons, um alinhamento que irá ver a luz do dia a onze de junho próximo, via Heartworm Press.

Night Life é o primeiro single retirado do EP, um imponente concentrado lo fi, com elevado pendor oitocentista, um tema em que a vibração da guitarra e um efeito sintetizado futurista suportam com superior magnificiência a voz manipulada de Eisold, uma belíssima caldeirada, feita com várias espécies sonoras, envolvida numa embalagem frenética, com uma atmosfera sombria e visceral, numa espécie de meio termo entre o rock clássico, a eletrónica, o shoegaze e a psicadelia. Confere Night Light e o alinhamento de Fate In Seven Lessons...

01 Prayer From Nowhere
02 Night Light
03 Psalm 23
04 Love Is All
05 Happy Birthday Dark Star
06 Honey Flower
07 Promised Land

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:41

Chad VanGaalen – World’s Most Stressed Out Gardener

Segunda-feira, 29.03.21

Foi há poucos dias e por intermédio da Sub Pop Records que chegou aos escaparates World’s Most Stressed Out Gardenero novo trabalho do canadiano Chad Van Gaalen, um alinhamento de treze canções gravado, misturado e produzido pelo próprio nos seus estudios Yoko Eno Studio em Calgary, Alberta e masterizado por Ryan Morey em Montreal, no Quebeque.

Chad VanGaalen: 5 Albums That Changed My Life | TIDAL Magazine

Antes de tecer considerações sobre o conteúdo do alinhamento de World’s Most Stressed Out Gardener, é, como habitual, importante contextualizar o autor desta magnífica obra musical e esclarecer que Chad é, acima de tudo, um artista que domina diferentes vertentes e se expressa em múltiplas linguagens artísticas e culturais, sendo a música mais um dos códigos que ele utliza para expressar o mundo próprio em que habita e dar-lhe a vida e a cor, as formas e os símbolos que ele idealizou. E basta ouvir World’s Most Stressed Out Gardener para perceber que, realmente, Chad comunica connosco através de um código específico, tal é a complexidade e a criatividade que estão plasmadas nas suas canções, usando como principal ferramenta alguns dos típicos traços identitários de uma espécie de folk psicadélica, com uma considerável vertente experimental associada.

Esta filosofia sonora aventureira começou a ganhar forma sem rodeios em Infiniheart (2004) e Soft Airplane (2008), trabalhos que apostaram numa sonoridade folk eminentemente acústica e orgânica, mas a partir de Diaper Island (2011) e com mais vigor em Shrink Dust (2014) e Light Information (2017), o estilo foi aprimorado com um arsenal sintético cada vez mais diversificado, tendência que se mantém em World’s Most Stressed Out Gardener, um disco eclético, complexo e de audição verdadeiramente desafiante, mas altamente recompensadora.

Se dúvidas ainda existiam, World’s Most Stressed Out Gardener, o oitavo disco do autor e que tem este nome porque o músico gosta de cultivar vegetais no seu quintal e comê-los crus, como um animal no pasto, prova que é mesmo a eletrónica o terreno onde hoje musicalmente VanGaalen se move com maior conforto, utilizando-a até para reproduzir muitos dos sons mais orgânicos que podemos escutar neste álbum. Sintetizadores e teclados são a matriz do arsenal bélico com que o canadiano nos sacode e traduz em grande parte destas treze canções, que materializam, na forma de música, visões alienadas de uma mente criativa que parece, em determinados períodos, ir além daquilo que ele vê, pensa e sente, nomeadamente quando questiona alguns cânones elementares ou verdades insofismáveis do nosso mundo. A visão apocalítica que nos oferece com a sua voz profusa e decadente sobre o futuro do mundo na lindíssima balada Nothing Is Strange, ou o frenesim roqueiro que avalia os diferentes níveis de realismo de alguns pesadelos em Nightwaves, são bons exemplos desta escrita e composição emocionalmente ressonante e que parte também, muitas vezes, de premissas absurdas, como sucede na sua visão de uma pêra mágica em Golden Pear, ou uma curiosa busca por uma espada de samurai perdida, plasmada em Samurai Sword, uma das canções mais bonitas do disco. Aliás, a própria criatura mutante que estampa a capa deste World’s Most Stressed Out Gardener, é também uma representação feliz das diferentes colagens de experiências assumidas por VanGaalen ao longo da sua carreira e que parece ser alvo de uma espécie de súmula neste seu mais recente cardápio, um festim de canções pop ruidosas, exemplarmente picotadas e fragmentadas e que penetram profundamente no nosso subconsciente.

A trama adensa-se à medida que o álbum floresce nos nossos ouvidos, com a fantasia coalhante do rock estridente de Spider Milk, o clima sci-fi oitocentista dos instrumentais Earth From a Distance e Plant Musica energia alienígena positivamente agressiva de Starlight e o krautrock sombrio de Inner Fire, a servirem-se dos sonhos do autor como matéria-prima por excelência, para consolidar um verdadeiro jogo de texturas e distorções, em suma, um notável passeio pela essência da música psicadélica, idealizado por um inventor de sons que nos canta as subtilezas da sua existência pessoal e que nos oferece neste World’s Most Stressed Out Gardener, o disco mais estranho e abrasivo, mas também feliz, da sua carreira. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:34

Real Estate – Half A Human EP

Sexta-feira, 26.03.21

Cerca de um ano após o registo The Main Thing, os Real Estate de Martin Courtney, Alex Bleeker, Matt Kallman, Jackson Pollis e o multi-instrumentista Julian Lynch, que substituiu também o ano passado Matt Mondanile, na altura a contas com a justiça devido a várias acusações de abuso sexual, estão de regresso com um EP intitulado Half A Human, uma coleção de seis canções criadas entre dois mundos diferentes. Enquanto a arquitetura de cada uma foi construída durante as sessões de The Main Thing, as canções ganharam vida quando a banda começou a trocar o material remotamente durante a pandemia.

Real Estate | Artists | Domino - Domino

Half A Human é, à semelhança de tantos outros registos que têm chegado ao nosso ouvido muito recentemente, não só um espelho criativo sonoro da pandemia global que nos assola, mas também a manifestação prática de um novo modus operandi que os Real Estate e muitos outros projetos e artistas tiveram de encontrar devido às restrições impostas. A intimidade é, desde sempre, fator fulcral no processo criativo musical de bandas que congregam diferentes espíritos, sensibilidades, gostos e aptidões e competências, as grandes obras de arte sonoras foram imesnas vezes fruto de longas jam sessions conjuntas e a impossibilidade atual de reunião física levou à busca de novos procedimentos criativos e maneiras de trabalhar. Foi isso o que os Real Estate colocaram em prática, num EP que, já agora prova que tais constrangimentos não são sinónimo de decréscimo qualitativo. De facto, os seis temas do registo, resultando de um conceito de exploração das paisagens emocionais que têm vindo a aperfeiçoar mais de uma década, assente estilisticamente em canções feitas com guitarras levemente distorcidas e harmoniosas, banhadas pelo sol dos subúrbios, repletas de arranjos luminosos e com um certo toque psicadélico e, ao fazer um balanço de si mesmos e da incerteza de seu futuro, ajudaram os Real Estate a chegar a uma espécie de nova declaração de tese para a banda que, na prática, conduz o grupo para a criação de canções sempre acessíveis e com um elevada luminosidade e que façam o ouvinte sorrir sem razão aparente, mas que sejam também e cada vez mais, assentes num rock que não receie nunca se espandir com requinte e majestosidade, enquanto se foca nas habituais questões do amor e de outras miudezas quotidianas.

De facto, canções como Desire Path, intrigante e típica canção de início de alinhamento, curta mas com uma alma e um encanto profundos, a sedutora homónima, que na sobreposição de diferentes timbres e arranjos de cordas capta na perfeição a essência atual dos Real Estate, a mais psicadélica e orgânica Soon, a rugosa D+ e o indisfarçavel travo tropical da climática Ribbon, atestam a tese descrita enquanto conjuram entre si intimamente, num resultado final bastante charmoso e sensorial, que tem a fabulosa voz de Courtney como a cereja no topo do bolo. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:36

The Telescopes - Songs Of Love And Revolution

Sábado, 06.03.21

Com mais de trinta anos de carreira e já descritos pela imprensa musical britânica como uma revolução da psique, os The Telescopes estão de regresso aos discos com Songs Of Love And Revolution, o décimo segundo álbum do quarteto e mais uma explosão solar de ritmos indutores de transe, presa no leme por uma parede de baixo pulsante e mantida no lugar por um enxame de guitarras ao redor, como é apanágio num projeto com um legado cheio de momentos “eureka”, alimentados via intravenosa através de uma racha no ovo cósmico, e que sempre revelou algo novo dentro de um espetro indie de forte cariz lisérgico e amplamente progressivo.

The Telescopes – Songs of Love and Revolution – P3DRO

Neste Songs Of Love And Revolution, em quase quarenta minutos de absoluta hipnose e nebulosa alienação,  temas como Mesmerised, composição assente num registo minimalista e crú, com o vibrante hipnotismo da relação frutuosa que se estabelece entre um repetitivo dedilhar da guitarra e a voz a criarem uma espécie de fuzz acústico psicadélico, ou Strange Waves, tema em que a tónica é colocada, primordialmente, na criação de um ambiente com forte travo lisérgico e cósmico, proporcionado pela eficaz interseção entre um efeito tenebroso de uma guitarra e um efeito reverbante de outra, são pináculos de uma experiência auditiva de forte pendor metafísico e sensorial.

Como se percebe então Songs Of Love And Revolution atiça, enquanto impressiona o ouvinte devido ao modo como se serve das guitarras para construir canções embrulhadas numa espécie de névoa radioativa, que intoxica pela majestosidade e ímpeto, nuances conjuradas com elevada mestria  e que cimentam essa relação simbiótica perfeita entre instrumento e intérprete, oferecida por um projeto sempre visionário, revolucionário e marcadamente experimental. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:29

LNZNDRF – II

Terça-feira, 16.02.21

Depois de cerca de meia década de uma longa e penosa espera, já viu finalmente a luz do dia II, o novo registo de originais do super grupo LNZNDRF, que junta Ben Lanz e Aaron Arntz dos Beirut e Scott e Bryan Devendorf dos The National. Abrigado pela Rough Trade, II é um daqueles excelentes instantes sonoros que merecem figurar em lugar de destaque na indie contemporânea, criado por um quarteto que parece tocar submergido num mundo subterrâneo de onde debita música através de tunéis rochosos revestidos com placas metálicas que aprofundam o eco de composições que impressionam pelo forte cariz sensorial.

Resultado de imagem para LNZNDRF

II abre as hostilidades com um piano tocado em surdina, mas que rapidamente perde a vergonha e se deixa contagiar por uma incontida avidez que sobrevoa um baixo rugoso que vai rodando numa espiral continua e agregando cada vez mais detalhes sonoros, uns sinistros outros reluzentes, das mais diversas proveniências, sejam elas acústicas, percurssivas ou sintéticas. É The Xeric Steppe, uma indisfarçável busca por um clímax que por volta do quarto minuto se manifesta, através da bateria vigorosa de Bryan Devendorf, um baixo corpulento e uma tenebrosa guitarra, numa composição que acaba por nos esclarecer o estilo e marca de um disco que será, até ao seu ocaso, um verdadeiro orgasmo de rock com um cariz fortemente ambiental, mas também amplamente progressivo. Esta receita volta a deslumbrar-nos alguns minutos depois, de forma menos efusiva, mas igualmente burilada, em Cascade, um cenário idílico para os apreciadores do rock progressivo mais climático e lisérgico.

No entanto, o rock alternativo, na sua essência mais pura e imesiva, é um dos pontos mais fortes de II e um claro avanço relativamente ao antecessor homónimo, patente em algumas das melhores canções do registo. Por exemplo, em Brace Yourself debatemo-nos com um rock pleno de personalidade e força, onde é forte a dinâmica entre uma opção percurssiva arritmada exemplarmente acompanhada por um baixo que parece ser brotar da própria natureza e por um registo vocal efusivo, num encadeamento que nos obriga a um exercício exigente de percepção fortemente revelador e claramente recompensador. Uma receita mais nostálgica e na qual uma guitarra de forte cariz oitocentista assume relevância clara, mas mantendo a opção estilística por um registo sempre crescente, aprimora-se em You Still Rip, canção que rapidamente nos envolve numa espiral de sentimento e grandiosidade, patente também no modo como a voz também se assume como membro pleno do arsenal instrumental, não havendo, como se percebe, regras ou limites impostos para a inserção da mais variada miríade de arranjos, detalhes e ruídos. Finalmente, Chicxulub, um instumental que poderia muito bem ter tido a assinatura dos DIIV, é uma verdadeira trip deambulante proporcionada por um baixo pouco meigo no modo como incorpora doses indiscretas de uma pop suja e nostálgica e Ringwoodite ascende, nas asas de guitarras joviais e orgulhosamenre orgânicas, ao éden da melhor pop, que também se embrenha por todos os poros de Glaskiers, duas fabulosas composições que não se envergonham de dar as mãos a alguns dos pilares essenciais daquele krautrock de forte cariz sensorial.

Gravado em inspiradas jam sessions durante o outono de dois mil e dezanove, nos Estúdios Public Hi-Fi, em Austin, no Texas, II navega num universo fortemente cinematográfico e imersivo e aos seu conteúdo deve atribuir-se um claro nível de excelência, não só devido aos diferentes fragmentos que os LNZNDRF convocaram nos vários universos sonoros que os rodeiam e que da eletrónica, à pop, passando pelo rock progressivo criaram uma relação simbiótica bastante sedutora, mas também porque, embarcando nessa feliz demanda, também não deixaram de partir à descoberta de texturas sonoras que se expressaram com intensidade e requinte superiores, nomeadamente num transversal piscar de olhos objetivo aquela crueza orgânica que aqui faz questão de viver permanentemente de braço dado com o experimentalismo e em simbiose com a psicadelia. Para já, o momento discográfico maior de dois mil e vinte um. Espero que aprecies a sugestão...

LNZNDRF - II

01. The Xeric Steppe
02. Brace Yourself
03. You Still Rip
04. Cascade
05. Chicxulub
06. Ringwoodite
07. Glaskiers
08. Stowaway

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:27

Dignan Porch – Pictures

Domingo, 14.02.21

Oriundos de Londres, os britânicos Dignan Porch de Joseph Walsh e Sam Walsh estão de regresso com Pictures, composição que estilisticamente não tem grandes segredos, mas esse acaba por ser um dos maiores elogios que se pode fazer a um tema que aposta numa sonoridade indie rock, próxima de uma pop ligeira e nostálgica e que, com um travo psicadélico ímpar, foi também objeto de um irrepreensível trabalho de produção cuidado e apurado.

Resultado de imagem para Dignan Porch – Pictures

De facto, o rock alternativo dos anos noventa é uma das grandes bitolas que orientam o som dos Dignan Porch, mas uma apimentada lisergia setentista, bem patente no modo como as cordas são eletrificadas e nos efeitos, quase sempre em eco, na voz, são recursos técnicos indispensáveis nesta canção cheia de personalidade e onde todo o cardápio instrumental se interliga numa sequência que flui naturalmente.

Aparentemente sem grandes pretensões mas, na verdade, de forma claramente calculada, Pictures volta a colocar os holofotes sobre estes Dignan Porch já mestres a recriar um som ligeiro, agradável e divertido, simples, mas verdadeiramente capaz de nos empolgar, tendo o louvável intuíto de nos fazer regressar ao passado. Confere...

Dignan Porch - Pictures

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 19:21

Tiago Plutão - Só Para Alguém Gostar

Sexta-feira, 12.02.21

Nascido em Lisboa há quase três décadas, Tiago Plutão mora na Lagoa de Albufeira e aprendeu a tocar guitarra sozinho há já dez anos. Entretanto formou um projeto musical com alguns amigos intitulado Jupiturno, mas no seu projeto a solo decidiu adoptar o nome Tiago Plutão, que se estreou em novembro último com o lançamento de um single intitulado Homem da Montanha, a primeira amostra do disco Relativizar, que vai ver a luz do dia ainda este trimestre e que dará o pontapé de saída no percurso discográfico do músico.

Agora, algumas semanas depois dessa primeira composição, chega hoje aos nossos ouvidos a segunda canção de Tiago Plutão e que também fará parte do alinhamento de Relativizar. Chama-se Só Para Alguém Gostar, foi gravada nos estúdios HAUS pelo Makoto Yagyu e pelo Fábio Jevelim (PAUS, Riding Pânico) e assenta num registo tipicamente rock, mas algo experimental e eminentemente psicadélico, nuances induzidas por um teclado vintage que deambula majestosamente entre diversas sobreposições de efeitos proporcionados por guitarras igualmente enleantes e um registo vocal amplo e intenso.

De acordo com o press release de lançamento, este tema, à semelhança do anterior, volta a girar em torno de questões muito actuais e pertinentes. É uma crítica a quem se encaixa e acomoda só para ser gostado, conforme confessa o próprio Tiago Plutão: Só Para Alguém Gostar é uma visão minha da sociedade que necessita muito da aceitação de terceiros, é uma constatação da observação de pessoas que fazem de tudo para agradar aos outros, consciente ou inconscientemente. Não sei, mas creio que devíamos olhar primeiro para dentro de nós e aprender a gostarmos mais de nós.

Só Para Alguém Gostar também já tem direito a um vídeo realizado por Sofia Rocha, muito cintilante e que espelha precisamente a mensagem plutónica deste single: sejam vocês mesmos, sem medos. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:48






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon -Programa 422


Disco da semana 117#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Maio 2021

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.