Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Fontaines D.C. – Televised Mind

Quarta-feira, 01.07.20

Um dos discos mais aguardados em dois mil e vinte é, claramente, o novo trabalho dos irlandeses Fontaines D.C., uma das bandas mais excitantes do indie rock atual, um registo intitulado A Hero's Death e que será o segundo da banda de Dublin formada por Carlos O'Connell, Conor Curley, Conor Deegan III, Grian Chatten e Tom Coll, sucedendo ao espetacular registo de estreia do grupo, intitulado Dogrel, lançado o ano passado.

Produzido por Dan Carey, A Hero's Death irá ver a luz do dia no ocaso dia do próximo mês de julho pela Partisan Records e a semana passada, como certamente se recordam, foi destaque neste espaço o single homónimo e o tema I Don't Belong, duas amostras que fizeram por cá adivinhar, desde logo, um disco com onze enraivecidas canções, assentes num punk rock de elevado calibre e com uma forte toada abrasiva, como se exige a um projeto que sempre se fez notar, desde dois mil e dezassete, por uma filosofia estilística de choque com convenções e normas pré-estabelecidas.

Televised Mind, a nova canção que veio a público nas últimas horas do alinhamento de A Hero's Death, confirma e reforça tais impressões. A canção, com o adn típico dos Fontaines D.C., é um convite direto à dança e ao movimento, apelo assente em guitarras combativas e um registo percussivo vibrante e claramente marcado, tema que, de acordo com vocalista dos Fontaines D.C., Grian Chatten, reflete sobre a câmara de eco e como a personalidade é arrancada pela aprovação circundante. As opiniões das pessoas são reforçadas por um acordo constante e somos roubados da nossa capacidade de nos sentirmos errados. Nunca recebemos realmente a educação de nossa própria falibilidade. As pessoas fingem estas grandes crenças para parecerem modernas, em vez de chegarem independentemente aos seus próprios pensamentos.

Numa época do vale tudo, custe o que custar e seja contra quem for, os Fontaines D.C. parecem mais uma vez apostados em fazer mossa e agitar as mentes mais desprevenidas e incautas com composições plenas de chama nas veias e com um travo nostálgico em que a herança de nomes como os The Clash e os Ramones,  mas também os Suicide, os Nirvana e os The Beach Boys, se fazem notar com elevado grau de impressionismo. Confere...

Fontaines D.C. - Televised Mind

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:15

Widowspeak – Money

Terça-feira, 30.06.20

Widowspeak - Money

É na insuspeita Captured Tracks que se abrigam os Widowspeak, projeto sedeado em Brooklyn, Nova Iorque e que flutua abrigado pela incrível e criativa química que se estabeleceu há já uma década entre a cantora e escritora Molly Hamilton e o guitarrista Robert Earl Thomas, dois músicos com raízes em Tacoma e Chicago, mas estabelecidos na cidade que nunca dorme há já algum tempo. Com já quatro extraordinários discos em carteira e o quinto na forja, começaram por viver à sombra daquela pop de finais dos anos oitenta muito sustentada por elementos sintetizados, mas não restam dúvidas que é nas construções musicais lançadas há cerca de três décadas que melhor navegam, nomeadamente a dream pop e a psicadelia sessentistas.

Widowspeak Announce New Album Plum, Share New Single | opera news

No final de agosto chegará aos escaparates Plum, o tal quinto disco dos Widowspeak e Money, canção com um forte cariz bucólico, é o mais recente single de avanço divulgado desse trabalho, que, tendo em conta este tema, surgirá certamente embrulhado por uma melancolia épica algo inocente, mas com uma tonalidade muito vincada, um álbum que soprará na nossa mente de modo a fazer o nosso espírito facilmente levitar e que nos provocará, aposto, um cocktail delicioso de boas sensações.

De facto, uma incrível e sedutora sensação de paz, tranquilidade e amena letargia invade-te logo após os acordes iniciais de Money, canção assente em faustosas cordas vibrantes, num andamento rítmico marcial que nunca definha, acamado por um baixo que acolchoa e na doce e campestre voz de Hamilton, num resultado final que convida a nossa mente e o nosso espírito a se deixarem envolver num clima abstrato e meditativo, com um impacto verdadeiramente colossal e marcante. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:39

Mikal Cronin – Guardian Well (Switched On)

Terça-feira, 23.06.20

Mikal Cronin - Guardian Well (Switched On)

Mikal Cronin, um músico norte-americano natural de Laguna Beach, na Califórnia, regressou  aos discos no último outono com Seeker, dez canções com a chancela da Merge Records e que remataram um ano bastante profícuo do autor, que já tinha no seu historial os registos Mikal Cronin (2011), MCII (2013) e MCIII (2015), além de colaborações importantes com outros músicos, como Ty Segall ou Kim Gordon e que tinha dado o pontapé de saída em dois mil e dezanove com a edição em vinil de sete polegadas de dois temas, Undertow e Breathe, através da iniciativa  de caridade FAMOUS CLASS RECORDS / LAMC 7" SERIES.

Gravado ao vivo nos estúdios Palmetto, em Los Angeles, com a banda que costuma acompanhar Ty Segall e com o produtor Jason Quever, Seeker quebrou uma sequência de títulos homónimos e um hiato de quase meia década desta referência ímpar do indie rock do outro lado do atlântico e que nos tem feito viajar no tempo, disco após disco, à boleia de uma feliz simbiose entre garage rock pós punk.

Para escrever Seeker, Cronin passou um mês numa cabana nas montanhas do sul da Califórnia, com o seu gato como única companhia, um retiro bucólico perfeito, de acordo com o próprio músico, e que acabou por ser essencial para um forte cariz biográfico do disco. O resultado final foi um excitante documento de mudança e de reinvenção, um tomo de canções estilisticamente rico e diversificado, com Seeker a plasmar a necessidade que Cronin tinha se reinventar, erguer e seguir em frente depois de um período atribulado, quer a nível pessoal quer a nível profissional, decorrente de relações falhadas, digressões tremendamente cansativas e os típicos dilemas existências da fase inicial da vida adulta.

Entretanto o mundo ficou a saber que, afinal, existe uma versão alternativa de todo o conteúdo de Seeker. Esse registo chama-se Switched On Seeker, nele encontramos as mesmas canções de Seeker mas gravadas com sintetizadores analógicos antigos e o título é uma referência aos discos  Switched On que o compositor Wendy Carlos burilou há quase meio século e que não eram mais do que de composições de Bach e de outros compositores clássicos.

Um dos momentos altos do alinhamento de Seeker era, claramente, o forte odor nativo do piano e da harmónica de Guardian Well, uma composição agora revista pelo autor de modo, obviamente, menos orgânico, mas igualmente astuto, altivo, deslumbrante e luminoso e, de certo modo, mais borbulhante, charmoso e obviamente retro. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:45

The Killers – My Own Soul’s Warning

Quinta-feira, 18.06.20

The Killers - My Own Soul's Warning

Continuam a ser revelados mais detalhes de Imploding The Mirage, o sexto registo de originais dos The Killers, que tinha edição prevista para o final do passado mês de maio, mas que só verá a luz do dia mais adiante, ainda sem data indicada, por dificuldades e atrasos na conclusão do disco, de acordo com a própria banda liderada por Brandon Flowers. Produzido por Jonathan Rado e Shawn Everett, Imploding The Mirage irá contar com participações especiais de nomes tão proeminentes como Weyes Blood, K.D. Lang, Adam Granduciel, Blake Mills e Lucius, além de Lindsey Buckingham, que teve uma aparição vocal relevante em Caution, o primeiro single revelado do alinhamento do álbum, há algumas semanas. Recordo que Fire In Bone, o segundo single extraído do disco e que foi divulgado neste espaço, chegou aos nossos ouvido no ocaso de abril último.

Agora, no final desta imprecisa primavera, acaba de ser revelado o conteúdo de My Own Soul’s Warning, o terceiro single extraído de Imploding The Mirage, uma daquelas típicas canções de rock de arena, majestosa e teatral, assente numa guitarra efusiante, um registo percurssivo vincado e efeitos sintetizados plenos de charme, num resultado final melodicamente marcante e que se debruça sobre as típicas lutas que muitas vezes travamos no nosso íntimo (If you could see through the banner of the sun, Into eternity’s eyes, Like a vision reaching down to you, Would you turn away?). Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:52

Mando Diao – I Solnedgången

Terça-feira, 16.06.20

Cerca de meio ano após o lançamento de Bang, o registo de originais que os suecos Mando Diao lançaram no outono passado, a banda de rock alternativo formada em dois mil e um, com origem em Borlänge e comandada atualmente por Björn Dixgård, Mats Björke e Carl-Johan Fogelklou, já está de regresso aos lançamentos discográficos com I Solnedgången, o décimo tomo da carreira do projeto e o primeiro álbum em língua sueca dos Mando Diao desde dois mil e doze, ano em que lançaram Infruset, talvez o mais bem sucediddo trabalho deste grupo e que, recordo, utilizava em todas as canções poemas de Gustaf Fröding (1860-1911), um conceituado poeta sueco. I Solnedgången conta com as participações especiais de Karin Boye, Nils Ferlin, Gustaf Fröding e dos pais de Björn Dixgård, Malin e Hans, tendo sido gravado na cidade natal da banda em quatro dias e à moda antiga, apenas com um microfone na sala de gravação.

Mando Diao: ”I solnedgången” - Recension | Aftonbladet

I Solnedgången significa ao pôr do sol e este título serve na perfeição, neste momento, numa banda ainda muito marcada pelo espetacular sucesso que esse registo Infruset obteve, essencialmente no país natal, e que colocou a fasquia do projeto bastante elevada no que concerne à avaliação dos lançamentos posteriores. E essa é uma expressão feliz porque este parece ser, claramente, um trabalho de mudança e de virar de página, de uma abordagem sonora que, na maior parte da carreira, foi muito eletrificada e instrumentalmente abrangente, para pender agora para territórios mais íntimos e reflexivos. O antecessor Bang, um alinhamento muito imediato, cru, estilisticamente parco e conscientemente minimal, já deixava pistas evidentes acerca da vontade dos Mando Diao de deixarem definitivamente para trás a escalada sonora e vertiginosa ao universo indie rock mais pop e até progressivo, para voltarem a colocar as fichas numa estética também plena de adrenalina, mas com maior filosofia orgânica e centrada eminentemente nas cordas, talvez o território onde este quarteto sueco se tem sentido mais confortável ao longo da carreira.

De facto, I Solnedgången materializa esse virar de agulhas definitivo, em onze canções sólidas e uniformes, muito centradas, liricamente, nas fraquezas individuais e na fragilidade própria da existência humana e instrumentalmente assentes na acusticidade das cordas, muitas vezes sobrespostas, quer no timbre, quer na tonalidade, mas sem cairem na tentação de recorrerem aos decibéis. O sintetizador também marca presença, até em determinadas circunstâncias como suporte melódico, mas serve, acima de tudo, como indutor de adornos e de pequenos detalhes, daqueles que enriquecem e dão cor, substância e alma ao grosso das canções.

Disco humano e forte, muito concentrado na moralidade e na emoção, num mundo em que a ganância e o poder são metas cada vez mais irresistíveis para muitos, porque expôe fraquezas, deficiências e atritos, não so filosificamente, mas até sonoramente, já que ao nível da produção, nota-se uma fuga incessante aos cânones essenciais que balizam aquela pop mais límpida e lustruosa, I Solnedgången é um trabalho repleto de emoção e, acima de tudo, infestado de melodias que se perfuram no nosso corpo e que são depois difíceis de delas nos livrarmos, tão evidente e profundo é o brilhantismo de canções como Själens Skrubbsår ou a composição homónima, os temas que melhor personificam a tal viragem sonora que explora novos territórios sonoros e que, servindo-se da língua mãe, eleva a ode dos Mando Diao ao seu país a um patamar elevadíssimo. Espero que aprecies a sugestão...

Mando Diao - I Solnedgången

01. I Solnedgången
02. Kvällstilla
03. Långsamt
04. Stjärnornas Tröst
05. Sparven
06. Sorgen
07. Stigen
08. Själens Skrubbsår
09. Kullen Vid Sjön
10. Vaggvisa Under Stora Björn
11. Tid Tröste

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:14

Michael Stipe And Big Red Machine – No Time For Love Like Now

Segunda-feira, 15.06.20

Michael Stipe And Big Red Machine - No Time For Love Like Now

Um dos melhores discos de dois mil e dezoito para a nossa redação foi o trabalho homónimo de estreia do projeto Big Red Machine encabeçado por Justin Vernon aka Bon Iver e Aaron Dessner, distinto membro dos The National, dois artistas que juntos também já desenvolveram a plataforma PEOPLE, que reúne composições inéditas de mais de oitenta artistas e organizaram festivais (Eaux Claires).

Agora, no ocaso da primavera de dois mil e vinte, os Big Red Machine deram as mãos a Michael Stipe, vocalista dos extintos R.E.M., para muitos a melhor banda do rock alternativo contemporâneo, para juntos assinarem o single No Time For Love Like Now. A versão demo da canção, composta em outubro do ano passado, já tinha sido apresentada por Michael Stipe nas suas redes sociais há agumas semanas, ao vivo no talkshow Late Show With Stephen Colbert, a partir de sua casa, onde esteve de quarentena, e agora chegou a vez da versão final, também já com direito a um vídeo assinado por Michael Brown.

Produzida por Aaron Dessner, orquestrada por Bryce Dessner e com Justin Vernon aos comandos da guitarra elétrica, No Time For Love Like Now é uma daquelas lindíssimas canções que nos colocam na senda de sonoridades eminentemente intimistas e ambientais, uma composição de cariz predominantemente minimal mas que nem por isso deixam de ser intrincada e de conter várias nuances e detalhes que vale bem a pena destrinçar ao longo da sua audição. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:18

Rufus Wainwright – You Ain’t Big

Quarta-feira, 10.06.20

Rufus Wainwright - You Ain't Big

Exatamente daqui a um mês, dia dez de julho, o norte-americano Rufus Wainwright irá regressar aos discos com Unfollow the Rules, um alinhamento de doze canções que irá suceder ao registo Out The Game, que tem já oito anos de existência e que, como se percebe, quebra um longo hiato discográfico do autor, cantor e compositor natural de Nova Iorque.

O charme folk vintage bastante luminoso e apelativo de You Ain't Big, canção que contém sonoramente um forte travo à melhor herança da country no seu estado mais puro, é o mais recente single divulgado de Unfollow The Rules, uma canção bastante atual porque versa sobre o extremismo racial que grassa nos Estados Unidos da América e de costa a costa (You ain’t big if you’re little in Texas, Don’t know who you are unless you’re made it in Lawrence, Kansas, Wait a minute Lawrence, Kansas, Doesn’t really matter at all.). Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:08

Gary Olson - Gary Olson

Terça-feira, 09.06.20

Gary Olson é um notável cantor, compositor, escritor e multinstrumentista, que se destaca, no último atributo referido, aos comandos do trompete. Tem colocado em prática todos estes seus recursos na banda Ladybug Transistor, que lidera e com a qual já editou cinco discos à boleia da conceituada Merge Records. Mas Gary Olson também aposta numa carreira a solo, recentemente materializada num disco homónimo, que viu a luz do dia no final do passado mês de maio à boleia da Tapete Records e que resulta de uma colaboração estreita do músico com dois irmãos noruegueses, Ole Johannes Åleskjær, dono do estúdio Tune-J, situado nos arredores de Oslo e Jorn Åleskjær.

Também produtor e engenheiro de som nos estúdios Marlborough Farms, situados no bairro de Flatbush, em Brooklyn, nos arredores de Nova Iorque, Gary Olson e os irmãos noruegueses começaram a conjurar estes disco há já alguns anos quando a banda Loch Ness Mouse se cruzou com os Ladybug Transistor em digressão. A partir daí, a via de comunicação entre as duas partes ficou aberta, Gary fez algumas incursões à Noruega até ao estúdio dos irmãos para gravar, regressava a Flatbush onde acrescentava a voz e diversos arranjos aos temas, que tinham Ole aos comandos da guitarra e depois as composições iam novamente para a Noruega para serem concluídas.

Contando também com as participações de Håvard Krogedal (baixo, violoncelo), Emil Nikolaisen (bateria), Joe McGinty (arranjos de cordas, piano e órgão) e Suzanne Nienaber (voz), Gary Olson oferece-nos uma coleção de onze canções que impressionam pelo charme algo displicente, mas feliz, como parecem desprezar alguns dos arquétipos fundamentais da música atual, fazendo-o através de um clima sonoro que entre o rock clássico, a folk mais experimental e a pop charmosa, exala um travo algo boémio, fazendo-o com elevada sabedoria interpretativa e um realismo temático ímpar.

De facto, a radiosa luminosidade do timbre das cordas que conduzem e adornam Giovanna Please e, de um modo mais requintado, The Old Twin e o registo mais eletrificado e até algo progressivo de Some Advice, dentro de um indisfarçável espetro rock, são, dentro do registo, alicerces fundamentais de duas pontas do largo leque de influências e confluências que definem o conteúdo de Gary Olson, existindo em todas elas, como ponto comum, a segurar as pontas e a oferecer uma assinatura indistinta, o modo sagaz como o trompete induz vivacidade, cor e lineariedade a um alinhamento que se torna particularmente aprazível em dias festivos e descomprometidos, como seria de esperar num autor que sempre se fez notar por uma filosofia estilística de choque com convenções e normas pré-estabelecidas.

Sem perder tempo com o acessório e claramente a querer celebrar o momento, o imediato e o presente, Gary Olson vai direto ao assunto neste seu novo registo homónimo, fazendo-o com canções complexas e conversacionais e repletas de várias camadas sonoras que refletem uma variedade instrumental imensa, mas que que nos são dadas a apreciar em verdadeira plenitude, nesta contemporaneidade cheia de encruzilhadas e dilemas em que vivemos. Espero que aprecies a sugestão...

1. Navy Boats
2. Giovanna Please
3. Some Advice
4. Postcard From Lisbon
5. All Points North
6. Initials DC
7. Afternoon Into Evening
8. Diego It’s Time
9. A Dream For A Memory
10. Tourists Taking Photographs
11. The Old Twin

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:08

Lonely Tourist – Tom And The Library

Segunda-feira, 08.06.20

Lonely Tourist - Tom And The Library

Natural de Bristol, Paul Terney encabeça o projeto Lonely Tourist, que impressionou a crítica inglesa em fevereiro de dois mil e dezoito com Remuneration, o seu quarto disco, um compêndio de indie folk absolutamente ímpar. Pouco mais de um ano depois, no verão de dois mil e dezanove, Lonely Tourist voltou à carga com a edição de Last Night At Tony's, um dos melhores discos ao vivo que a folk britânica viu chegar ao seu catálogo em dois mil e dezanove.

Agora, quase um ano depois desse delicioso alinhamento, Paul Terney está de volta com um novo tema intitulado Tom And The Library, uma exuberante e luminosa composição, assente em cordas vibrantes, repletas de vivacidade e ritmo, aspetos que conferem à composição, juntamente com a notável performance declamativa vocal de Paul, um inconfundível charme, tipicamente british. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:29

Glen Hansard – Cold Comfort

Domingo, 07.06.20

Glen Hansard - Cold Comfort

O irlandês Glen Hansard é um já velho conhecido do universo musical e com algumas citações por cá desde o início desta década, devido ao seu envolvimento no projeto The Swell Season, onde fazia parceria com Marketá Irglova e de cuja discografia destaco a banda sonora de Once, que lhes valeu um óscar, mas também por causa de Rhythm And Repose álbum de estreia que este ícone da folk contemporânea lançou em dois mil e doze. No início de dois mil e dezoito também mereceu destaque e menção neste espaço com o disco Between Two Shores, dez canções abrigadas pela reputada -ANTI e que começaram a ser incubadas pelo músico logo após a conclusão da gravação de Rhythm And Repose, no estúdio dos Wilco em Chicago.

Agora, em plena primavera de dois mil e vinte, e quase um ano depois da edição de This Wild Willing, o álbum que Glen Hansard editou o ano passado, o músico irlandês está de volta com Cold Comfort, uma nova canção que nos proporciona um delicioso instante folk de filosofia eminentemente acústica, que nos transporta para bem longe, ao mesmo tempo que, havendo predisposição para isso, toca fundo bem aqui, no nosso coração. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 23:19






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 382


Disco da semana 87#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Julho 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.