Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Yellow Days – A Day In A Yellow Beat

Segunda-feira, 21.09.20

Três anos após o EP de estreia Harmless Melodies e o seu primeiro longa duração, Is Everything OK In Your World?, o cantor e multi-instrumentista britânico George van den Broek, de vinte e um anos, natural de Manchester e que assina a sua música como Yellow Days, está de regresso com A Day In A Yellow Beat, um tratado de indie pop de forte toada jazzística, gravado em Los Angeles, com forte influência da soul e do blues e sonoramente bastante eclético, também por causa de uma ilustre lista de convidados especiais, nomeadamente Shirley Jones, Nick Walters, Mac DeMarco e Bishop Nehru.

Yellow Days: A Day In A Yellow Beat — sprawling, ambitious and irritating |  Financial Times

Se nos seus dois primeiros registos, o EP e o álbum, Yellow Days focou-se nas temáticas da ansiedade e da depressão, com uma forte componente auto-biográfica, neste A Day In A Yellow Beat o compositor não deixa de versar sobre os dilemas típicos da entrada na vida adulta, mas logo no orgão buliçoso e na farta seleção de samples que constroem o diálogo que se estabelece na Intro, o autor mostra um lado mais irrequieto, luminoso e optimista, parecendo que deixou de vez a escuridão e o odor bafiento que marcava os seus dias para se encontrar com a luz e passar a viver tempos mais felizes e esperançosos. Não é claro se houve algum evento específico na sua vida que tenha originado tal transformação, mas é um facto que, logo após o rock experimental repleto de groove de Be Free, tema em que a voz de George atinge um registo que não fica a dever nada aos melhores intérpretes da soul americana do último meio século, canções como Getting Closer, uma composição com um clima retro setentista inconfundível, ou Let You Know, tema que também nos remete para a mesma época, mas de um modo mais charmoso, principalmente devido ao modo como o piano se intercepta com vários efeitos percurssivos, mostram um disco de janelas abertas para brisas suaves e aconchegantes e para um sol radioso e retemperador. Quer estas composições, quer, por exemplo, Who´s There?, uma obra-prima de pop funk, ou a sensualidade inconfundível de Keeps Me Satisfied, estão repletas de menções e clichés sobre o amor, do mais romântico ao mais lascivo, mas também sobre a alegria e a positividade. A expressão Put your hate away, que ciranda pelo space funk de Let’s Be Good to Each Other, é, talvez, o exemplo mais paradigmático desta impressão feliz que, a espaços, para ampliar a sensação de festa que Yellow Days certamente procurou incutir num alinhamento longo, mas que nunca satura, obedece a uma lógica sonora próxima do chamado discosound, feita com um elevado toque de modernidade, num ambiente algo psicadélico e que apela claramente às pistas de dança. 

Com nomes tão proeminentes como Howlin’ Wolf e Ray Charles como influências declaradas e repleto de diversos interlúdios feitos apenas à boleia da voz, com destaque para a enigmática Pot Party (The trippers, the grasshoppers, the hip ones, all gathered in secrecy, and flying high as a kite), A Day In A Yellow Beat  proporciona-nos uma experiência sensorial única e até intrigante, já que cada audição é uma janela de oportunidade que se abre para descobrir mais um efeito, uma nuance, um flash, uma corda, um sopro ou uma nota que ainda não tinha sido captada pelo nosso âmago.É um disco criado por uma das personagens mais queridas da indie britânica atual e que se expôe bem menos caótico e confuso do que antes e mais aprumado e organizado, fruto, certamente, de uma nova dinâmica existencial certamente mais feliz e que este A Day In A Yellow Beat claramente exala. Espero que aprecies a sugestão...

Yellow Days - A Day in a Yellow Beat

01. Intro
02. Be Free
03. Let You Know
04. (The Outsider)
05. Who’s There? (Feat. Shirley Jones)
06. Getting Closer
07. Come Groove (Interlude)
08. Keep Yourself Alive
09. Open Your Eyes (Feat. Nick Walters)
10. ! (Feat. Bishop Nehru)
11. (Pot Party)
12. Keeps Me Satisfied
13. You
14. (What Goes Up Must Come Down)
15. The Curse (Feat. Mac Demarco)
16. Let’s Be Good To Each Other
17. Whatever You Wanna Do
18. Something Special (Interlude)
19. So Lost
20. I Don’t Mind
21. (Mature Love)
22. Treat You Right
23. Love Is Everywhere

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 13:21

New Order – Be A Rebel

Terça-feira, 08.09.20

Quase cinco anos depois do registo Music Complete, os míticos New Order de Bernard Sumner, cada vez mais com as agulhas viradas para a eletrónica, principalmente depois da saida do baixista Peter Hook, que já não participou na gravação desse registo de dois mil e quinze, estão de regresso com um novo single intitulado Be A Rebel e que pode muito bem ser um sinal claro de poder estar na forja um novo disco do coletivo de Manchester.

Be A Rebel foi apresentada em primeira mão há poucas horas no programa Breakfast With Zoe The Ball, na BBC Radio 2 e contém aquela matriz identitária que tão bem identifica os New Order e que, no caso deste tema, de elevado travo oitocentista, combinando uma sonoridade pós-punk com elementos da new wave, originou um resultado final bastante dançante, frenético e apelativo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:28

Everything Everything – Arch Enemy

Segunda-feira, 25.05.20

Everything Everything - Arch Enemy

O art rock crescente e explosivo dos britânicos Everything Everything, está de regresso neste verão com Re-Animator, o novo trabalho da banda de Jonathan Higgs, que chega às lojas no dia vinte e um  de agosto.

Do alinhamento do quinto registo do grupo oriundo de Manchester, acaba de ser retirado o single Arch Enemy, uma composição que tem, curiosamente, uma vibe orgânica bastante vincada, nomeadamente no modo exemplar como a bateria conduz o tema e lhe induz uma cadência e um groove deliciosos, mesmo quando guitarras e torrentes sintetizadas tomam conta da canção, principalmente durante o refrão. O resultado final é um rodopio eletrificado, carimbado por uma espécie de anarquia estrutural minuciosamente planeada e pelo falsete único de Higgs. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:38

Courteeners – More. Again. Forever.

Quinta-feira, 23.04.20

Os britânicos Courteeners de Liam Fray estão de regresso aos discos com More. Again. Forever., o sexto álbum da carreira deste projeto oriundo de Middleton, nos arredores de Manchester e sucessor do aclamado registo Mapping The Rendezvous de 2016More. Again. Forever. viu a luz do dia no início do ano à boleia da Ignition Records e Better Man e as dez canções do seu alinhamento oferecem-nos, no seu todo, o registo mais maduro e consistente da trajetória discográfica deste projeto natural de terras de Sua Majestade.

The Courteeners — More. Again. Forever. - You! Me! Dancing! - Medium

A crise da meia idade, a adição aos álcool e as doenças mentais são os temas basilares de More. Again. Forever., um disco incubado por uma das bandas mais proeminentes do outro lado do Canal da Mancha e comercialmente das mais bem sucedidas na última década, nem tanto devido à quantidade de discos vendidos mas, principalmente, por causa da excelente reputação que posssuem como banda ao vivo. E nestas dez canções existem vários temas repletos de potencial para aumentarem ainda mais este estatuto de alto nível de live band de um grupo que olha com intensa gula para a herança da brit pop que nomes como os Blur, os Oasis, os Suede, os Primal Scream, os Pulp e tantos outros levaram ao mundo inteiro na última década do século passado, mas com um travo cada vez mais indie e repleto de nuances típicas do rock alternativo norte-americano.

De facto, se Better Man é um delicioso instante de indie brit rock, que numa espécie de cruzamento assertivo entrer as melhores heranças de nomes ímpares como os The Smiths ou os Doves, nos oferece, à boleia de cordas efusivas e uma percurssão vibrante, uma contundente reflexão pessoal, já a guitarra abrasiva e efusiante de Heart Attack e os acordes sujos de Take It On A Chin piscam o olho ao melhor punk rock nova iorquino e Heavy Jacket tem, no groove melódico e na vastidão de efeitos que cirandam pelo baixo e pela bateria, um clima dançante e vibrante capaz de medir forças com as melhores propostas de cariz lo fi de terras de Tio Sam. Por outro lado, o clima mais radiofónico e contemplativo de canções como Hanging Off Your CloudOne Day At A Time, convidam-nos a embarcar num tempero pop mais límpido e intimista, sem deixarem de ser canções capazes de fazer vibrar arenas, muito por causa das distorções hipnóticas que são incorporadas nos refrões, com o propósito evidente de ampliar o grau de emoção e de sentimentalismo da mensagem que os temas pretendem transmitir.

Disco feito de referências bem estabelecidas e com uma arquitetura musical carregada de emoção e cor, More. Again. Forever. garante a esta banda inglesa a impressão firme da sua sonoridade típica e ainda lhes permite margem de manobra para futuras experimentações. Há neste cardápio sonoro uma intemporalidade que se expressa na forma como os Courteeners plasmam, com elevada dose de criatividade, o que de melhor recria atualmente o rock alternativo de cariz mais comercial. Espero que aprecies a sugestão...

Courteeners - More. Again. Forever.

01. Heart Attack
02. Heavy Jacket
03. More. Again. Forever.
04. Better Man
05. Hanging Off Your Cloud
06. Previous Parties
07. The Joy Of Missing Out
08. One Day At A Time
09. Take It On the Chin
10. Is Heaven Even Worth It?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:40

Courteeners – Better Man

Segunda-feira, 09.12.19

Resultado de imagem para Courteeners Better Man

Os britânicos Courteeners de Liam Fray estão prestes a regressar aos discos com More. Again. Forever., o sexto álbum da carreira deste projeto oriundo de Middleton, nos arredores de Manchester e sucessor do aclamado registo Mapping The Rendezvous de 2016More. Again. Forever., irá ver a luz do dia a dezassete de janeiro próximo à boleia da Ignition Records e Better Man é o mais recente single divulgado do seu alinhamento.

Better Man é um delicioso instante de indie brit rock, que numa espécie de cruzamento assertivo entrer as melhores heranças de nomes ímpares como os The Smiths ou os Doves, nos oferece, à boleia de cordas efusivas e uma percurssão vibrante, uma contundente reflexão pessoal, incubada por uma das bandas mais queridas dos cenário indie de terras de sua majestade e que deverá ter em More. Again. Forever., o alinhamento mais maduro e consistente da sua trajetória discográfica. Confere...

Courteeners - Better Man

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:49

Elbow – Giants Of All Sizes

Quarta-feira, 27.11.19

Já chegou aos escaparates Giants Of All Sizes, o oitavo álbum de estúdio dos britânicos Elbow, um compêndio de nove canções lançado à boleia da Polydor Records. Giants Of All Sizes foi gravado em Hamburgo, na Alemanha, nos estúdios Clouds Hill Studios, com equipamento eminentemente analógico e foi produzido e misturado pelo teclista do grupo, Craig Potter. É um trabalho que conta com as participações especiais de músicos como Jesca Hoop, os The Plumedores e o novato Chilli Chilton e que, de acordo com Guy Garvey, o vocalista e líder do projeto, tem o conceito de luto bastante presente, um luto devido às morte recente do pai de Garvey (On Deronda Road debruça-se sobre este assunto em particular), mas também um mais metafórico devido ao brexit e ao atentado a vinte e dois de maio de dois mil e dezassete em Manchester, terra natal dos Elbow, durante um concerto de Ariana Grande.

Resultado de imagem para Elbow – Giants Of All Sizes

Donos de um som épico, eloquente e que exige dedicação, os Elbow verbalizam sonoramente em Giants Of All Sizes, um distanciamento cada vez maior da faceta rock que sempre marcou o projeto e que teve como clímax o excelente tema Grounds for Divorce, incluído no já clássico The Seldom Seen Kid (2208), para se aproximarem, mais do que nunca, de um som íntimo, polido, de forte pendor acústico, ou seja, um som que tem na pop, na folk e até na própria música de câmara influências mais do que evidentes.

Assim, charme e classicismo são conceitos que assaltam facilmente a mente de quem escuta estas nove composições que, não deixando de ter felizes combinações entre guitarras eletrificadas e uma ímpar imponência percurssiva, como é o caso do single Dexter And Sinister, canção que mistura com ímpar virtuosismo um baixo vibrante, com alguns efeitos sintetizados subtis e uma bateria eloquente, acabam por mostrar todo o seu esplendor em composições que têm como ponto forte instrumentais sofisticados, onde não faltam violinos (Seven Veils) ou orgãos (Empires), como instrumentos de eleição da condução melódica e da indução de alma, caráter e beleza às mesmas e, no cômputo geral, ao registo. No entanto, importa também salientar que a voz de Garvey é, também, um ponto forte do trabalho, funcionando como mais uma espécie de elemento instrumental, com igual importância no arquétipo do registo. O modo como se entrelaça com as cordas em The Delayed é um excelente exemplo dessa constatação, que se tornará óbvia para quem escutar este registo com alguma devoção.

Giants Off All Sizes é o primeiro capítulo de uma espécie de segunda vida dos Elbow, até porque não terá sido por acaso que o grupo editou uma compilação de sucessos há exatamente dios anos. A nova vida da banda britânica é sonoramente mais recatada e charmosa, mas a escrita talvez seja mais efusiva e aprimorada do que nunca. Independentemte disso, o travo mantém-se idêntico; Os Elbow são das melhores bandas do mundo para nos ensinar como enfrentar a habitual ressaca emocional que os eventos familiares menos positivos provocam no equilíbrio emocional de qualquer mortal, mas também servem como odes celebratórias de todo o encanto e alegria que a vida nos oferece. Espero que aprecies a sugestão...

Elbow - Giants Of All Sizes

01. Dexter And Sinister
02. Seven Veils
03. Empires
04. The Delayed 3:15
05. White Noise White Heat
06. Doldrums
07. My Trouble
08. On Deronda Road
09. Weightless

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:20

Horsebeach – The Unforgiving Current

Quarta-feira, 28.08.19

The Unforgiving Current é o título do quarto registo de originais dos britânicos Horsebeach, um quarteto natural de Manchester e formado por Ryan Kennedy (voz) Matt Booth (bateria), Tom Featherstone (guitarra) e Tom Critchley (baixo). Os Horsebeach estrearam-se nos discos há cerca de meia década com um homónimo e este The Unforgiving Current sucede a Beauty & Sadness, um álbum com dois anos e que reforçou a aposta da banda em sonoridades eminentemente etéreas e melancólicas, dentro de um catálogo indie virtuoso, com uma atmosfera particularmente íntima e envolvente.

Imagem relacionada

Uma das boas surpresas da temporada são, claramente, estes Horsebeach, mestres no balanço inspirado entre uma rugosidade bastante vincada e plena de groove, bem patente no baixo que conduz Net Cafe Refuge, uma das canções do ano para esta redação e aquela dream pop de forte cariz lo fi, conduzida por uma guitarra com um efeito metálico particularmente vibrante, acompanhada por um registo vocal ecoante e uma bateria multifacetada e bastante omnipresente, em Dreaming. E é no meio destes dois opostos de The Unforgiving Current, bem explícitos no tema homónimo, conduzido por um baixo e uma guitarra com as diretrizes identificadas nas duas composições acima descritas, mas também no ecoante frenesim de Unlucky Strike e muitas vezes numa filosofia simbiótica de fronteiras que carecem de simples definição e recorte, que escorre um disco bastante homogéneo, uma perfeita banda sonora de um dia de verão, com quarenta e cinco minutos repletos de boas letras e onde abundam, como seria de esperar, arranjos feitos de detalhes típicos da pop e do punk dos anos oitenta.

De facto, se além do protagonismo do baixo e da guitarra, se a bateria e a secção rítmica são também intervenientes preciosos no arquétipo sonoro do registo, com destaque para o excelente exercício rítmico que ambos protagonizam nos avanços e recuos de Trust, ali no meio, quando surge uma espécie de mistura entre surf rock e chillwave na complacência deVanessa, no encanto vintage, relaxante e atmosférico do instrumental Yuuki e no insinuante charme das teclas que adornam Mourning Thoughts, é feito o indispensável contraponto que confere a este alinhamento a tal riqueza estilística que faz de The Unforgiving Current também um claro favorito, caso o objetivo do ouvinte seja recriar e dar vida a um ambiente que também tenha algo de soturno e melancólico.

Disco descontraído, jovial e que carece de audição atenta e dedicada, The Unforgiving Current é um cenário idílico para quem, como eu, aprecia alguns dos detalhes básicos da melhor pop lo fi contemporânea, um oásis de contida elegância que impressiona pelo bom gosto com que cruza vários estilos e dinâmicas sonoras. Espero que aprecies a sugestão...

Horsebeach - The Unforgiving Current

01. Net Cafe Refuge
02. The Unforgiving Current
03. Dreaming
04. Mourning Thoughts
05. Vanessa
06. Yuuki
07. Trust
08. Unlucky Strike
09. Mother
10. Acting

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:55

Liam Gallagher – One Of Us

Quarta-feira, 21.08.19

Liam Gallagher - One Of Us

O ideário sonoro dos gloriosos anos noventa está ainda bem presentes entre nós após duas décadas desse período aúreo de movimentos musicais incríveis como a britpop que, do lado de cá do atlântico, fez na altura frente ao grunge e ao indie rock norte americano, num período temporal que massificou definitivamente o acesso global à música. E os Oasis foram um dos nomes fundamentais da arte musical em Terras de Sua Majestade nessa época, liderados pelos irmãos Gallagher que continuam a fazer questão de alimentar uma relação lendariamente conturbada. E agora fazem-no através das suas carreiras a solo, com ambos a editarem discos em catadupa em nome próprio, nomeamente Liam, o mais novo, que se estreou no ocaso de dois mil e dezassete com o seu registo As You Were. Esse compêndio de doze canções que deveu também parte do seu cunho identitário a Greg Kurstin, produtor que além de ter salvo a carreira dos Foo Fighters, também ajudou a impulsionar nomes como Sia ou Adele e a Dan Grech-Marguerat, que tem nomes como Lana Del Rey ou os The Vaccines no seu currículo, já tem finalmente sucessor, um álbum intitulado Why Me? Why Not., com data prevista de lançamento para vinte de setembro próximo.

Canção sobre a amizade, a família e o sentimento de ertença e com as participações especiais de Gene, filho de Liam, no bongo e Nick Zimmer, guitarrista dos Yeah Yeah Yeahs, One Of Us é o mais recente single divulgado de Why Me? Why Not., uma composição de forte pendor nostálgico e em cujo conteúdo se percebe que o mais novo dos manos Gallagher mantém intacto o modo emotivo como replica algumas das marcas identitárias do indie rock que povoa o nosso subconsciente e que forjaram parte importante da história da música dos finais do século passado. Nesta canção, a luminosidade do timbre das cordas e os diversos arranjos que confererem corpo e emotividade ao tema, assim como o coro gospel, transportam consigo muita dessa herança, mas com um espírito renovado e mais contemporâneo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:11

Horsebeach – Dreaming

Sábado, 01.06.19

Horsebeach - Dreaming

The Unforgiving Current é o título do quarto registo de originais dos britânicos Horsebeach , um quarteto natural de Manchester e formado por Ryan Kennedy (voz) Matt Booth (bateria), Tom Featherstone (guitarra) e Tom Critchley (baixo). Os Horsebeach estrearam-se nos discos há cerca de meia década com um homónimo e este The Unforgiving Current sucede a Beauty & Sadness, um álbum com dois anos e que reforçou a aposta da banda em sonoridades eminentemente etéreas e melancólicas, dentro de um catálogo indie virtuoso, com uma atmosfera particularmente íntima e envolvente.

Dreaming é o primeiro single divulgado de The Unforgiving Current, uma composição assente numa dream pop de forte cariz lo fi, conduzida por uma guitarra com um efeito metálico particularmente vibrante, acompanhada por um registo vocal ecoante e uma bateria multifacetada e bastante omnipresente na condução melódica do tema. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:01

Lamb - The Secret of Letting Go

Sexta-feira, 03.05.19

A dupla de Manchester Lamb, formada por Lou Rhodes e Andy Barlow, já anda por cá desde meados dos anos noventa, altura em que lançaram um disco homónimo de estreia que é um verdadeiro clássico da pop contemporânea. Depois disso, a dupla tem-se mantido sempre à tona, mesmo durante longos hiatos em que Rhodes se dedicou a uma promissora carreira a solo a Barlow à produção de outros artistas.

Resultado de imagem para Lamb The Secret of Letting Go

O último sinal de vida dos Lamb tinha sido em dois mil e catorze com o álbum Backspace Unwind, que tem finalmente sucessor. O sétimo e novo trabalho da dupla chama-se The Secret of Letting Go, viu a luz do dia através da Cooking Vynil e contém um alinhamento que tem no espaço a sua ideia central e que foi gravado entre o estúdio dos Lamb e Ibiza e Goa, na Índia.

The Secret Of Letting Go vive, no seu todo, de uma simbiose feliz entre a pop soturna e clássica, a eletrónica mais sofisticada e um rock eminentemente experimental. Contém um alinhamento suave e bastante adocicado, recheado de composições sustentadas por uma elevada consistência instrumental e melódica, dominado, especialmente, nas últimas canções, por belíssimos acordes de piano, cordas certeiras e sintetizadores cósmicos, detalhes que se acamam com elevada mestria ao registo vocal de Rhodes. Por exemplo, se quase no ocaso do disco, em Silence Inbetween, quase se consegue sentir a ténue vibração das cordas dentro da caixa de um piano tocado com enorme pureza e que se entrelaça com o violino com uma química de uma paixão avassaladoras, já Armageddon Waits, uma composição vibrante, rugosa e evocativa, oferece-nos um feliz exercício de fusão de diversos cânones da eletrónica com um rock de cariz eminentemente progressivo, assente numa percussão bastante ritmada, guitarras planantes e diversos arranjos de sopros.

É, pois, através deste jogo fluído e simbiótico entre dois grandes universos e os diversos mundos de cada um, que The Secret Of Letting Go vai deixando cada vez mais para trás aquela sedutora ingenuidade dos primórdios dos Lamb. Continuam a escutar-se temas mais dançantes, como é o caso de Moonshine e o travo trip-hop de Bulletproof e outros essencialmente introspetivos, nomeadamente One Hand Clapping, uma bonita fusão entre metais, teclas e cordas que nos mostram aquele lado mais romântico e delicado do trio, num resultado final charmoso e sofisticado, como não podia deixar de ser nos Lamb e que deverá ajudar a revitalizar a carreira de um grupo que já estava algo esquecido mas que, pelos vistos, ainda tem muito para oferecer aos apreciadores de um género sonoro pleno de especificidades. Espero que aprecies a sugestão...

Lamb - The Secret Of Letting Go

01. Phosphorous
02. Moonshine
03. Armageddon Waits
04. Bulletproof
05. The Secret Of Letting Go
06. Imperial Measures
07. The Other Shore
08. Deep Delirium
09. Illumina
10. The Silence in Between
11. One Hand Clapping

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:35






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 400


Disco da semana 100#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.