Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

The Vaccines – Combat Sports

Produzido por Ross Orton, Combat Sports é o novo registo discográfico dos britânicos The Vaccines de Justin Young, Freddie Cowan, Pete Robertson, Árni Árnason, o quarto registo de originais da carreira deste projeto que se estreou em 2011 com o aclamado  What Did You Expect from The Vaccines? e que desde então tem pautado o seu percurso discográfico pela consolidação de uma estética sonora que, numa esfera indie rock, nunca deixou de olhar quer para alguns detalhes do punk, como para certos tiques e arranjos que sobrevivem à sombra da eletrónica.

Resultado de imagem para The Vaccines 2018

Vistos por alguma crítica como a resposta britânica ao nova iorquinos The Strokes, quer na postura, quer na sonoridade rock frenética, livre de constrangimentos e adornos desnecessários e certeiros no modo como adoptam uma estética sonora retro à boleia de riffs de guitarra potentes e uma voz poderosa, os The Vaccines chegam ao quarto tomo do seu percurso discográfico seguros do som que pretendem apresentar que, com um pé na new wave e outro no pós punk, procura atingir uma maior luminosidade e amplitude melódica.

Resistindo teimosamente à passagem do tempo, em Combat Sports os The Vaccines não se desviam muito da habitual bitola e, ao mesmo tempo que apostam nessa coerência, tentam acrescentar alguns detalhes que permita afastarem-se cada vez mais de outros nomes com os quais sempre foram comparados e muitas vezes acusados de apenas replicarem uma fórmula que, por acaso, tem sido bem sucedida desde o início deste século.

A fina fronteira que separa o baixo do sintetizador na oitocentista Your Love Is My Favourite Band, um dos meus temas preferidos de Combat Sports e, numa abordagem mais groove, o indie rock exuberante e irresistível de Put It On A T-Shirt e, principalmente, do extraordinário single I Can't Quit, canção que assenta numa bateria frenética, plena de mudanças ritmicas, que se escuta em sintonia com riffs de guitarra melódicos e uma voz poderosa, mostram a outra face de uma mesma moeda que os The Vaccines cunharam neste disco e que os fará novamente render milhões, pelo modo como é bem explorada.

Até ao ocaso do disco o clima raramente abranda e se no punk cru feito sem rodeios ou concessões, de Surf In The Sky e  se na abordagem ainda mais intensa e rugosa que é feita ao garage em Nightclub, fica explicitado o à vontade com que os The Vaccines também mergulham no rock mais incisivo e direto, já a estética vintage dos elementos sintetizados que deambulam pela luminosidade radiofónica de Maybe (Luck Of The Draw) e a acuidade melódica de Out On The Street, onde aquela pop algo acessível se mascara com ruído e exuberância, sem perder cor e acessibilidade, servem para ampliar o clima de festa e de piscar de olhos que Combat Sports faz às pistas de dança, acabando por ser outros instantes obrigatórios de um álbum que impressiona pelo modo musculado como os The Vaccines abordam diferentes espetros sonoros, com enorme qualidade, jovialidade e bom gosto. Espero que aprecies a sugestão...

The Vaccines - Combat Sports

01. Put It On A T-Shirt
02. I Can’t Quit
03. Your Love Is My Favourite Band
04. Surfing In The Sky
05. Maybe (Luck Of The Draw)
06. Young American
07. Nightclub
08. Out On The Street
09. Take It Easy
10. Someone To Lose
11. Rolling Stones


autor stipe07 às 18:02
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 2 de Maio de 2018

Ulrika Spacek – Suggestive Listening EP

Criadores do melhor disco do ano de dois mil e dezassete para a redação deste blogue, os britânicos Ulrika Spacek de Rhys Edwards e Rhys William, aos quais se juntam Ben White, Callum Brown e Joseph Stone, estão de regresso com Suggestive Listening, um EP de cinco canções gravado, produzido e misturado numa galeria de arte chamada KEN e à qual os Ulrika Spacek chamam de sua casa, a bolha onde se refugiam para compôr, idealizar vídeos e expressar-se através de outras formas de arte além da música.

Resultado de imagem para ulrika spacek band 2018

A filosofia de composição musical destes Ulrika Spacek baliza-se através de um assomo de crueza tingido com uma impressiva frontalidade quer lírica quer sonora. Na complacência enganadora de No. 1 Hum há um timbre metálico de guitarra rugosa, acompanhada por uma bateria em contínua contradição, e esta dupla é a mesma que vai ser depois o grande suporte das canções do EP, em volta da qual gravitarão diferentes arranjos, quer orgânicos, quer sintéticos, geralmente com um teor algo minimal. E se a guitarra nunca perde identidade, a bateria vai-se tornando mais precisa no modo como confere alma e robustez ao ritmo de cada composição. Depois, há um baixo implacável na marcação à zona e todo este arsenal instrumental é rematado por uma voz geralmente reverberizada e que se arrasta. É um rock que impressiona pelo forte travo nostálgico e por aquela sensação de espiral progressiva de sensações, que tantas vezes ferem porque atingem o âmago, bastanto ouvir Freudian Slips para se tomar contacto com esta autenticidade que desmascara quem arrisca entrar no jogo de sedução ímpar que Suggestive Listening proporciona.

Canções do calibre de Wave To Paulo, He’s Not There, pouco mais de quatro minutos de um cósmico devaneio soul onde aquela pop sessentista ácida e psicotrópica, encontra o poiso ideal para se espraiar ou a indulgência acústica intensamente reflexiva da já referida Black Mould, plasmam uma das maiores virtudes destes Ulrika Spacek que é a capacidade de conseguirem divagar por diferentes ângulos e espetros dentro de um universo sonoro bastante específico. Isso sucede porque corre-lhes nas veias aquela atitude claramente experimental e enganadoramente despreocupada, expressa numa vontade óbvia de transformar cada composição numa espécie de colagem de vários momentos de improviso. O modo quase cínico como em Lord Luck os Ulrika Spacek nos levam a abanar a anca ao som de uma canção que se insinua continuamente por causa do modo algo desconexo como se vai desenvolvendo ritmíca e melodicamente, acaba por ser a expressão máxima no EP deste modo bastante textural, orgânico e imediato de criar música e de fazer dela uma forma artística privilegiada na transmissão de sensações que não deixam ninguém indiferente.

Suggestive Listening atesta novamente a segurança, o vigor e o modo criativamente superior como este grupo britânico entra em estúdio para compôr e criar um shoegaze progressivo que se firma com um arquétipo sonoro sem qualquer paralelo no universo indie e alternativo atual. Espero que aprecies a sugestão...

Ulrika Spacek - Suggestive Listening EP

01. No. 1 Hum
02. Black Mould
03. Freudian Slip
04. Lord Luck
05. Wave To Paulo, He’s Not There


autor stipe07 às 17:40
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2018

Insecure Men – Insecure Men

O ano de 2015 estava a ser complicado para Saul Adamczewski, fruto de uma espiral errática de comportamentos relacionados com o consumo de substâncias psicotrópicas que lhe fizeram perder ou colocar em causa, entre outras coisas, o lugar de guitarrista nos carismáticos Fat White Family. A viver em Londres no apartamento de um amigo, acabou por encontrar a salvação num conjunto de canções que foi compondo e que agora vêem a luz do dia através da Fat Possum, através do projeto Insecure Men, que partilha com Ben Romans-Hopcraft, seu amigo de infância e líder dos Childhood.

Insecure Men tem como principal atributo esse curioso travo a uma altiva alienação lisérgica, muito marcada não só nas vocalizações de Saul, mas também, e principalmente, na pafernália de arranjos e efeitos que vão pairando em redor de onze canções que se sustentam, ora nas cordas ora nas teclas, sempre com aquela necessária dose de exotismo que exigem composições sonoras que pretendem homenagear aquela pop vintage de início da segunda metado do século passado e que tanto inspira esta dupla.

Canções como a intimista Subaru Nights ou a vibrante e solarenga Teenage Toy estão repletas de inspirados arranjos, distorções enleantes e de toda uma pafernália de detalhes e efeitos, qur orgânicos quer sintéticos, que conferem ao clima inicial de Insecure Men uma toada bastante impressiva e cativante. Depois, quer no exercício narcisista de Saul em I Don’t Wanna Dance (With My Baby), quer no intimismo falsamente(?) confessional de All Women Love Me, deliciamo-nos com uma inspirada ode à capacidade que cada um de nós tem, caso queira, de exalar aquele charme que não deixa ninguem indiferente à nossa passagem. Depois, em Cliff Has Left The Building, Mekong Glitter e Whitney Houston & I, os Insecure Men inspiram-se diretamente em alguns ícones da cultura pop contemporânea, nomeadamente Cliff Richard, Gary Glitter e Whitney houston, como parece ser óbvio, não só para homenagear, mesmo que seja com uma elevada dose satírica, mas também para provarem que se mantém particularmente vincada a capacidade de Saul em apresentar os seus pontos de vista, de modo livre e divertido, sem ser ofensivo, sobre outras personagens tão ou mais controversas que ele, mesmo que isso possa ferir algumas suceptibilidades mais puristas. Curiosamente, Heathrow e Saddest Man In Penge acabam por ser a cereja no topo do bolo desta filosofia de abordagem incisiva ao universo que rodeia os Insecure Men, já que a primeira satiriza aquele modo de ser british que sempre marcou a classe média inglesa e a segunda inspira-se no período em que Saul viveu com a sua mãe, gastando tudo aquilo que ganhava no seu emprego da altura com a já referida adição a substâncias menos lícitas.

Instrumentalmente habilidoso e repleto de sons modulados e camadas sonoras sintetizadas que lhe conferem uma toada geral bastante espectral, Insecure Men consegue transmitir, com uma precisão notável, sentimentos que frequentemente são um exclusivo dos cantos mais recônditos da alma de muitos de nós e que Saul não tem receio de expôr. Aqui fá-lo através de uma fresca coleção de canções pop, que além de explanarem a sua pessoal inclinação quase genética para o confronto inofensivo, demonstram a sua enorme capacidade criativa e de auto exaltação algo enganadora, porque não serve um propósito narcisista, mas de crítica ao mainstream. A capa propagandística do álbum, que retrata o músico como uma espécie de líder norte-coreano, é um excelente exemplo e uma boa ilustração de todo este modus operandi. Espero que aprecies a sugestão...

Insecure Men - Insecure Men

01. Subaru Nights
02. Teenage Toy
03. All Women Love Me
04. Mekong Glitter
05. Heathrow
06. I Don’t Wanna Dance (With My Baby)
07. The Saddest Man In Penge
08. Ulster
09. Cliff Has Left The Building
10. Whitney Houston And I
11. Burried In The Bleak


autor stipe07 às 18:43
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2018

James Blake – If The Car Beside You Moves Ahead

James Blake - If The Car Beside You Moves Ahead

Depois de no Natal ter oferecido aos seus fãs uma lindíssima versão de Vincent, um clássico da autoria do cantor norte-americano Don McLean, originalmente gravada há quarenta e seis anos anos como homenagem ao pintor Vincent Van Gogh, James Blake está de regresso com um novo tema. A novidade deste músico londrino chama-se If The Car Beside You Moves Ahead, foi produzida pelo próprio e misturada por Nathan Boddy já tem direito a um excelente vídeo da autoria de Alexander Brown.

If The Car Beside You Moves Ahead marca o regresso de Blake a territórios sonoros mais experimentais, dentro do espírito da fase inicial da sua carreira, nomeadamente o seu disco homónimo de estreia, em cujo alinhamento este tema encaixaria claramente. A sua voz volta aquele registo fragmentado e sintético que o notabilizou e o manto sonoro algo enigmático e nebuloso que cobre a percurssão minmal e a linha sintetizada que conduzem a melodia da canção inserem-se nesse espírito, com o resultado final a ser original, vanguardista e hipnótico. Não há ainda confirmação se esta composição fará parte do alinhamento de um sucessor do anterior The Colour In Anything, lançado há quase dois anos. Confere... 

.


autor stipe07 às 16:42
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 29 de Dezembro de 2017

James Blake - Vincent

James Blake - Vincent

Enquanto não edita um novo disco, o londrino James Blake resolveu oferecer como prenda de natal aos seus fãs, uma lindíssima versão de Vincent, um clássico da autoria do cantor norte-americano Don McLean, originalmente gravada há quarenta e seis anos anos, como homenagem ao pintor Vincent Van Gogh.

Com o original presente na banda sonora do filme Loving Vincent, lançado recentemente, esta versão de Blake teve já também direito a um vídeo, gravado em Los Angeles e dirigido por Andrew Douglas, sendo uma lindíssima canção tocada ecantada ao piano, uma reinterpretação que criou um ambiente algo intenso e emocionante, sem nunca deixar de lado a delicadeza. Confere...


autor stipe07 às 15:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon... (1)
Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Tom Chaplin – Twelve Tales Of Christmas

Com o aproximar do Natal é usual haverem alguns lançamentos discográficos alusivos à época e Tom Chaplin, vocalista dos Keane, acabou por aderir a esta tendência com Twelve Tales Of Christmas, um alinhamento de doze canções, oito temas originais e quatro versões, os clássicos Walking In The Air de Howard Blake e River de Joni Mitchell e ainda uma versão para 2000 Miles dos The Pretenders e Stay Another Day dos East 17. Produzido por David Kosten e gravado nos míticos Abbey Road e ainda em Muttley Ranch e nos Snap Studios, este disco sucede ao seu aclamado registo de estreia, um trabalho intitulado The Wave, que viu a luz do dia há pouco mais de um ano, com enorme sucesso, em particular no Reino Unido.

Resultado de imagem para tom chaplin 2017

O Natal é a época do ano preferida de Chaplin que guarda memórias frutuosas da sua infância relativamente a esta efeméride. O músico confessa que nos anos mais recentes foi perdendo alguma da magia do natal, também por causa dos problemas pessoais por que passou na última década, mas que o simples facto de poder estar com a família nesta altura sempre o ajudou a despertar algumas das melhores memórias que guarda dentro de si relativamente ao Natal. E este Twelve Tales Of Christmas acaba por refeletir um pouco isso, já que é um daqueles registos de Natal ideais para serem escutados em família ou num grupo de amigos, servindo de banda-sonora da noite mais especial do ano.
Canções como Under A Million Lights ou Midnight Mass ou a magnificiência da versão dos The Pretenders contêm essa virtude do apelo à união e à cantoria em uníssono e captam na perfeição a essência de uma época que se pretende que seja alegre e festiva. E a voz de Chaplin, quando acompanhada por efeitos etéreos e arranjos delicados, acaba por criar sempre uma atmosfera muito bonita e envolvente.

Twelve Tales Of Christmas é um aconchegante compêndio sonoro, perfeito para tocar naquela pausa entre o levantar das espinhas do bacalhau da mesa e a ascensão do leite creme ao primeiro plano da mesma, com uma elevada toada nostálgica e uma luminosidade muito peculiar. Contém canções por natureza otimistas, compostas por um intérprete num estágio superior de sapiência que se coloca à boleia de arranjos tensos, dramáticos e melódicos e assim nos conta histórias sobre uma época única, de união e partilha, sem mostrar um superior pretensiosismo ou tiques desnecessários de superioridade. Espero que aprecies a sugestão...

Tom Chaplin - Twelve Tales Of Christmas

01. Walking In The Air
02. Midnight Mass
03. 2000 Miles
04. Under A Million Lights
05. River
06. London Lights
07. We Remember You This Christmas
08. Stay Another Day
09. For The Lost
10. Another Lonely Christmas
11. Follow My Heart
12. Say Goodbye


autor stipe07 às 18:09
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon... (2)
Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2017

Teleman – Fünf EP

Cerca de ano e meio depois do muito recomendável Brilliant Sanity, os britânicos Teleman de Tommy Sanders (vocalista), do seu irmão Johnny (teclados), do baixista Peter Cattermoul e do baterista Hiro Amamiya estão de regresso com Fünf, um ep com cinco canções que resultaram de uma estreita colaboração deste grupo de Reading, nascido das cinzas dos Pete & The Pirates, com cinco produtores de relevo. São figuras proeminentes da eletrónica atual, nomeadamente Timothy J. Fairplay, Ghost Culture, Bullion, Oli Bayston e Moscoman, com cada um deles a intervir diretamente em cada uma das composições do ep.

Resultado de imagem para teleman 2017

Grandes destaques do catálogo da insuspeita Moshi Moshi Records, os Teleman são um nome fortíssimo da art pop atual e têm ao longo da ainda curta carreira feito um súmula interessante e bem idealizada de todo o conteúdo que sustentou a eletrónica nos últimos trinta anos. Assim, neste novo ep e como não podia deixar de ser, estamos na presença de canções pop bem estruturadas, devidamente adocicadas com arranjos bem conseguidos e que não dispensam a vertente orgânica conferida pelas cordas, nomeadamente o baixo e pela percussão, tudo envolto com uma pulsão rítmica que carateriza a personalidade deste quarteto, que tem aqui mais um alinhamento consistente e carregado de referências assertivas.

Da toada pulsante de Spectre, conferida por um curioso efeito sintetizado intenso e modulado, até ao punk rock apurado, incisivo e extremamente dançável de Bone China Face, uma das melhores canções de 2017, passando pelo groove insinuante e climático de Rivers In The Dark, pela atribulada aspereza rítmica de Repeater e pelo apelo vintage crescente de Nights On Earth, este é um ep com fino notável recorte clássico, um alinhamento preenchido com uma paleta colorida e animada de paisagens instrumentais e líricas, que fazem dele uma companhia perfeita para um momento mais festivo e que, ao mesmo tempo, nos possibilita contactar quer com algumas das melhores nuances da eletónica atual,quer com aquela filosofica pop que vem fazendo escola em algumas bandas britânicas de há quatro décadas para cá. Espero que aprecies a sugestão....

Teleman - Fünf

01. Spectre
02. Bone China Face
03. Rivers In The Dark
04. Repeater
05. Nights On Earth


autor stipe07 às 16:58
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon... (1)
Sábado, 11 de Novembro de 2017

Plastic Flowers – Absent Forever

Juntam-se guitarras impregnadas de efeitos com uma forte toada shoegaze e um ambiente melódico particularmente lisérgico e contemplativo e estão lançados os dados para a chegada às luzes da ribalta de mais um projeto indie dentro do espectro sonoro que nos oferece uma versão algo ruidosa da dream pop mais ambiental e que também revive, em grande parte, épocas gloriosas de um rock alternativo que fez escola na reta final do século passado em Terras de Sua Majestade. Refiro-me a Plastic Flowers, o alter-ego sonoro do grego, sedeado em Londres, George Samaras, um projeto que nasceu na zona de Tessalónica, na Grécia, há pouco mais de meia década. Plastic Flowers vai já no terceiro lançamento discográfico, sendo o mais recente Absent Forever, dez canções que acabam de ver a luz do dia à boleia da The Native Sound.

Resultado de imagem para plastic flowers samaras 2017

Com algumas canções já arquitetadas desde 2013 e gravado em apenas três meses, em diferentes espaços de Londres e num pequeno estúdio da casa de um amigo de Samaras em Hampstead, arredores da capital britânica, Absent Forever é um disco de contrastes. Se contém instantes tremendamente ruidosos e com uma forte complexidade instrumental, também deve muito da sua bitola qualitativa superior a outros intensamente calmos e reflexivos, sendo inteligente o modo como se vão revezando entre si, muitas vezes dentro dos próprios temas, numa demanda sonora onde a ideia de experimentalismo é elevada à forma de arte, neste caso sonora, com charme, bom gosto e uma invulgar sapiência.

Um dos truques que explica o som inédito e bastante identitário deste álbum é o modo como no processo criativo foram capturados alguns dos instrumentos através da antiga e analógica tecnologia da fita magnética. Depois, a participação de um quarteto de cordas também ajudou a ampliar ainda mais o clima rugoso e orgânico de um alinhamento que possui o habitual cariz melancólico em que Plastic Flowers gosta de nos imergir. No single How Can In, o modo como um imparável riff eletrificado se sobrepõe e um trecho de guitarra ternurento que se repete ininterruptamente, plasma esta sensação agridoce que acaba por se estender à meia hora que o disco dura, até porque essa sensação se repete logo a seguir em Seventeen, canção que inicia com uma guitarra fortemente etérea e luminosa que pouco depois é trespassada por uma bateria imponente, com o resultado final a ser uma composição de forte cariz orquestral, com deliciosos acordes e melodias minuciosamente construídas com diversas camadas de instrumentos, algo que à partida não era fácil de adivinhar assim que o tema começou. Depois, a sobriedade sentimental esplendorosa de Falling Off, o modo quase espiritual como em Half Life somos confrontados com um edifício sonoro com uma epicidade incomum e algo intrigante e a feliz nostalgia oitocentista que exala do post rock que define So Long, uma daquelas canções cujas diversas camadas de sons impelem ao cerrar de punho, são outros exemplos felizes do modo como neste Absent Forever é possível apreciar ruído e rugosidade, sem deixar de estar à tona uma toada eminentemente tranquila e sedutora, mesmo que, durante a audição, o frenesim na percussão e o ruído das guitarras, principalmente nos refrões, sejam nuances que parecem apontar numa outra direção, até algo oposta.

Além de manter intacta a aura melancólica e mágica de um projeto que se aproxima cada vez mais de algumas referências óbvias de finais do século passado, Absent Forever exala o contínuo processo de transformação de Plastic Flowers que procura mostrar, ao terceiro registo, com a marca do indie shoegaze, uma rara sensibilidade e uma explícita habilidade para conceber texturas e atmosferas sonoras que transitam, muitas vezes, entre a euforia e o sossego, de modo quase sempre impercetível, mas que inquietam todos os poros do nosso lado mais sentimental e espiritual. Espero que aprecies a sugestão...

Plastic Flowers - Absent Forever

01. Absent Forever
02. How Can I
03. Seventeen
04. Falling Off
05. Dalliance
06. Half Life
07. So Long
08. Where Are You
09. January 2017
10. NN


autor stipe07 às 22:50
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2017

My Sad Captains – Sun Bridge

Os My Sad Captains são uma banda de rock alternativo natural de Londres, cujo nome foi inspirado por um poema do escritor Thom Gunn. Os membros da banda são Ed Wallis, Leon Dufficy, Ben Walker, Steve Blackwell e Henry Thomas e estão de regresso aos discos com Sun Bridge, dez canções abrigadas pela Bella Union e que estão finalmente a catapultar este projeto que já acompanho à meia década, desde o excelente trabalho de estreia, Fight Less, Win More, para o devido destaque.

Resultado de imagem para my sad captains london

Logo a abrir, o instrumental climático fortemente contemplativo intitulado Early Rivers, é uma canção perfeita para nos introduzir neste disco, já que permite-nos relaxar e assim ficarmos devidamente preparados para um conjunto de canções que tanto podem conter uma sonoridade simultaneamente enérgica e memorável, como é o caso do efusivo single Everything At The End Of Everything, ou então que se abrigam à sombra de territórios sonoros mais delicados e experimentais, como sucede, por exemplo, em Destination Memory, uma composição com um início introspetivo mas que depois seduz definitivamente pela mistura de detalhes e arranjos que resultaram numa melancolia inebriante, épica e grandiosa.

Parece óbvio que estes My Sad Captains parecem fortemente influenciados por bandas indie do outro lado do atlântico, como os Yo La Tengo e os Red House Painters, mas é redutor balizá-los tendo apenas em conta as principais caraterísticas desse indie rck norte-americano mais enraizado, já que eles contêm algns traços identitários muito próprios e peculiares, que passam, essencialmente, pelo cruzamento do timbre da guitarra e das restantes cordas com a uma voz bastante melódica, algo que em Don't Listen to Your Heart é bastante audível. Esse efeito repete-se em Curtain Calls de uma forma ainda mais luminosa e adopta uma faceta mais sintética com o belo murmúrio que atravessa New Sun e o modo como nessa canção a guitarra se entrelaça com efeitos sintetizados borbulhantes e uma bateria com uma cadência pouco usual.

Apesar de algumas canções que sustentam o disco terem uma evidente luminosidade e um apurado sentido épico, abundam neste sun Bridge momentos mais introspetivos, mas igualmente belos, com especial destaque para o minimal dedilhar da viola na balada William Campbell e para a extensa Winter Sweet, outro instrumental que nos abraça e que se entranha sem grande esforço, impondo-nos uma melodia única e extremamente agradável, simultaneamente cândida e profunda.

Sun Bridge é um disco que não nos dá tempo para recuperar o fôlego, porque são imensos os momentos que proporcionam prazer, conforto e admiração durante a sua escuta. É um trabalho para ser ouvido e contemplado, um alinhamento onde há momentos animados e luminosos, mas também instantes de pausa, de sossego e melancolia, esta, muitas vezes, quase absurda. Tal sofreguidão deve-se, em suma, à consistência com que, música após música, somos confrontados e confortados por melodias maravilhosamente irresistiveis e ternurentas. Espero que aprecies a sugestão...

My Sad Captains - Sun Bridge

01. Early Rivers
02. Everything At The End Of Everything
03. Destination Memory
04. Don’t Listen To Your Heart
05. None In A Million
06. William Campbell
07. Curtain Calls
08. New Sun
09. Wintersweet
10. Relive


autor stipe07 às 21:30
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 11 de Outubro de 2017

Fink - Resurgam

Três anos depois do excelente álbum Hard Believer, o projeto Fink de Fin Greenall (voz, guitarra), um músico britânico com quarenta e cinco anos, natural de Bristol e que, deambulando entre Londres e Berlim, vai-se destacando não só como músico, mas também como compositor e produtor para outros projetos, está de volta com Resurgam, dez canções que viram a luz do dia no final de setembro e que catapultam este projeto para um nível qualitativo de excelência numa carreira sempre a subir, disco após disco.

Resultado de imagem para fink fin greenhall 2017

O título deste novo disco de Fink é inspirado numa inscrição de origem latina que o autor encontrou numa igreja quase milenar de Cornwall, sua cidade natal e cujo espírito e significado faz-se sentir, transversalmente, ao longo de todo o alinhamento, produzido pelo carismático Flood (PJ Harvey, U2, Foals, Warpaint, The Killers) e gravado nos estúdios Assault & Battery Studios, que este produtor partilha com Alan Moulder no norte de Londres.

Num projeto em que os dois maiores trunfos são a belíssima voz de Fin e o magnífico trabalho instrumental, principalmente de Tim Thornton, à frente da bateria e da guitarra, ficamos logo agarrados ao disco com Resurgam, o tema homónimo de abertura, feito de uma melodia que tem por base uma bateria e a voz de Fink impregnada de soul, às quais vão sendo adicionados vários detalhes e elementos, incluindo o som de um teclado e algumas cordas. Este tema inicial é perfeito para nos transportar para um disco essencialmente acústico, vincadamente experimental e orgânico e com uma forte toada blues. Depois, no clima envolvente de Day 22, bastante influenciado por alguns arranjos de sopros inebriantes e na sumptuosa delicadeza do piano que baliza Cracks Appear, ao qual vão sendo adicionados vários detalhes e elementos, incluindo o som de uma guitarra eletrificada, percebe-se que há não só um maior arrojo pop relativamente a Hard Believer, mas também a assunção por parte do autor de que a opção por um alinhamento sinuoso e cativante e que nos convide frequentemente à introspeção e à reflexão sobre o mundo moderno, acaba por ser a opção certa não só para conseguir materializar os melhores atributos que guarda na sua bagagem sonora, mas também para chegar a um número ainda maior de ouvintes que ainda não tiveram a oportunidade de se deliciar com a filosofia estilística deste artista tremendamente dotado.

Na verdade, além dos temas já citados, não faltam neste disco, vários outros exemplos do forte cariz eclético e heterogéneo do cardápio de Fink. Se o transbordar de um sentimento algo angustiante e sentido à boleia do piano em Word to The Wise e da viola em Not Everything Was Better In The Past mostram um lado do músico algo inquietante e a suplicar por um outro patamar de serenidade, já a subtil clareza da batida sincopada que alimenta a sempre crescente The Determined Cut e a suavidade contínua e algo subtil de Godhead oferecem-nos, em oposição, um Fink mais sorridente e esperançoso, um exímio e lúcido contador de histórias que servem a qualquer comum dos mortais.

Resurgam está recheado de sons inteligentes e solidamente construídos, que nos emergem em ambientes carregados de ritmos e estruturas sonoras muitas vezes falsamente minimalistas e que têm como grande atributo poderem facilmente fazer-nos acreditar que a música pode ser realmente um veículo para o encontro do bem e da felicidade coletivas. Espero que aprecies a sugestão...

Fink - Resurgam

01. Resurgam
02. Day 22
03. Cracks Appear
04. Word To The Wise
05. Not Everything Was Better In The Past
06. The Determined Cut
07. Godhead
08. This Isn’t A Mistake
09. Covering Your Tracks
10. There’s Just Something About You


autor stipe07 às 21:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 50 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10

20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

The Vaccines – Combat Spo...

Ulrika Spacek – Suggestiv...

Insecure Men – Insecure M...

James Blake – If The Car ...

James Blake - Vincent

Tom Chaplin – Twelve Tale...

Teleman – Fünf EP

Plastic Flowers – Absent ...

My Sad Captains – Sun Bri...

Fink - Resurgam

Mura Masa - Mura Masa

Fink – Cracks Appear

Everything Everything – C...

Ulrika Spacek – Modern En...

Splashh – Waiting A Lifet...

Steven Wilson – Pariah

Happyness – Write In

Still Corners – Dead Blue

Everything Everything – I...

White Lies – Take It Out ...

X-Files

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds