Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Kevin Morby – Dumcane

Sexta-feira, 14.05.21

Ainda não tem meio ano de vida Sundowner, o sexto disco da carreira de Kevin Morby, um músico natural de Lubbock, no Texas e que estava muito marcado pelo regresso do músico a Kansas City, depois de uma temporada a viver em Los Angeles, a sua relação com a também cantora e compositora Katie Crutchfield, do projeto Waxahatchee e a realidade pandémica atual, um triângulo filosófico que também teve o propósito de colocar a América mais profunda no centro das atenções, de acordo com o próprio Morby.

Kevin Morby Shares 'Singing Saw' Outtake 'Dumcane'

Agora, em plena primavera de dois mil e vinte e um e numa altura em que celebra meia década de vida, Singing Saw, o terceiro disco da carreira de Morby, o músico presenteia-nos com uma versão aprimorada de Dumcane, uma canção gravada durante as sessões de Singing Saw, mas que não fez parte do alinhamento desse registo. É um belíssimo tema, que aprimora, de certa forma, o modus operandi bem balizado do catálogo de Kevin Morby, que se define por opções líricas em que dominam ambientes nublados, intimistas e reflexivos e um registo sonoro emimentemente delicado e fortemente orgânico, sem artifícios desnecessários, ou uma artilharia instrumental demasiado intrincada. E é este, claramente, o travo geral de Dumcane, uma canção minimalista, que procura a interação imediata, mas também profunda, com o ouvinte e que tem nas cordas a arma de arremesso preferencial. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 09:38

Kevin Morby – Wander vs Don’t Underestimate Midwest American Sun

Quarta-feira, 30.09.20

Foi em dois mil e dezanove que Kevin Morby nos presenteou com Oh My God, um compêndio de catorze excelentes canções que exploravam até à exaustão o conceito de religiosidade, em temas como OMG (abreviatura de Oh My God), Congratulations, canção em que eram audíveis várias mulheres de diferentes idades a pedir a Deus por misericórdia ou Sing A Glad Song, canção que evocava as qualidades de um Deus chamado Bob Dylan, só para citar alguns exemplos de um trabalho que foi muito bem aceite pela crítica e que assentava numa folk rock de primeira água.

Kevin Morby lança dois novos singles; conheça “Don't Underestimate Midwest  American Sun” e “Wander” - A Rádio Rock - 89,1 FM - SP

Esse registo Oh My God já tem sucessor, um trabalho intitulado Sundowner, o sexto da carreira do músico natural de Lubbock, no Texas e que começou a ser gravado depois de Morby ter regressado aos arredores de Kansas City, após uma temporada em Los Angeles. Esse regresso a casa, a relação com a também cantora e compositora Katie Crutchfield, do projeto Waxahatchee e a realidade pandémica atual acabam por definir o triângulo filosófico de um trabalho que também tem o propósito de colocar a América mais profunda no centro das atenções, de acordo com o próprio Morby (Sundowner is a attempt to put the Middle American twilight, its beauty profound, though not always immediate, into sound).

Depois de há algumas semanas ter sido divulgado o primeiro single de Sundowner, a canção Campfire, agora Kevin Morby extrai do registo, em dose dupla, as composições WanderDon’t Underestimate Midwest American Sun, esta última a canção preferida de Morby de todo o disco (Don’t Underestimate Midwest American Sun is my favorite song off of the new album, and the one I’m most proud of. I consider space to be a prominent instrument on the song, and here it is as important as anything else you hear on the track. It was my goal to capture the vast openness of the middle American landscape sonically. To this end, there is a whole track of nothing but Texas air, birds and wind chimes living beneath the song).

Se Wander é uma composição intensa e com aquele travo típico da melhor folk norte-americana, tendo já direito a um vídeo filmado nas proximidades de Kansas e que mostra a já referida Katie Crutchfield a conduzir uma carrinha de caixa aberta por uma estrada vazia, já Don’t Underestimate Midwest American Sun, conduzida por uma viola acústica, é uma canção bastante melancólica e climática, mas intensa e com uma amplitude muito vincada, fazendo juz à descrição da mesma, feita por Morby e transcrita acima. Confere...

Kevin Morby - Wander - Don't Underestimate Midwest American Sun

01. Wander
02. Don’t Underestimate Midwest American Sun

Website
[mp3 320kbps] rg tb zs fu

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:05

Shy Boys - Shy Boys

Terça-feira, 14.10.14

Oriundos do estado do Kansas, os norte americanos Shy Boys são Collin Rausch, Kyle Rausch e Konnor Ervin, um trio que surpreendeu em 2013 com Peachy, o disco de estreia. Pouco mais de um ano depois, estão de regresso aos lançamentos discográficos com um trabalho homónimo que viu a luz do dia por intermédio da High Dive Records.

Os Shy Boys servem-se daquela cartilha vintage que alicerça o processo de composição melódica nos primórdios da pop e do surf rock dos anos sessenta, mas que depois vai também beber alguns detalhes e arranjos ao rock alternativo de finais do século passado. É uma receita muito em voga nos dias de hoje e onde, neste caso, também cabe o punk de cariz mais lo fi e a chamada psicadelia. Uma percurssão sóbria e inspirada, teclados, guitarras, baixo e voz, são o arsenal particular destes Shy Boys, onde reina a simplicidade estrutural, algo bem evidente logo na abertura, em Is This What You Are, um dos grandes destaques do disco, um tema que nos remete, no imediato, para essa teia intrincada de influências, incluindo a tal psicadelia.

Se esse arranque é perfeito para balizar a nossa bússola no ideário sonoro que nos espera, todos os contrastes que, de algum modo, descrevem o ideário sonoro deste Shy Boys, encontram-se bem audíveis ao longo do alinhamento; Se Notion entra no nosso ouvido do mesmo modo bizarro que o som de um búzio que resgata para nós o barulho das ondas de uma praia havaina frequentada há meio século pelos The Birds ou os Beach Boys, já um pouco adiante, a banda sonora ideial para um instante cinéfilo western spaghetty é proposto em And I Am Nervous, enquanto Heart Is Mine e Fireworks trazem de volta tudo aquilo que de icónico, sensual e apelativo tem o universo criado em tempos pelos míticos The Velvet Underground. No entanto, um dos temas mais curiosos do disco e que aponta num sentido distinto do restante cardápio é Submarine, um título feliz para uma canção em que, ajudados por um baixo monocórdico, os Shy Boys submergem-nos numa atmosfera nosdisctálgica, hipnotizante e algo claustrufóbica.

As vocalizações de Collin são únicas e particularmente originais. Produzido com o vintage eco lo fi tão em voga atualmente e conduzido por uma percurssão acelerada e distorções de guitarra que vão beber ao cruzamento da surf music com a psicadelia, é um falsete melódico e harmonioso, que se mistura com mestria com as letras e os arranjos das melodias, o que faz com que o próprio som da banda ganhe em harmonia, delicadeza e melancolia o que perde em alguma distorção, apesar de, felizmente, o red line das guitarras não deixar de fazer parte do cardápio sonoro dos Shy Boys.

Para quem procura aquela sonoridade indie mais inocente e etérea, que nos recorda aquelas cassetes antigas que temos lá em casa, empoeiradas, cheias de gravações caseiras e lo fi, mas onde não falta uma dose equilibrada de ruído, está aqui uma proposta que certamente irá encher as medidas e que traz-nos à memória aquela fita magnética mais bem cuidada e onde guardámos os nossos clássicos preferidos que alimentaram os primórdios do rock alternativo. Estas dez canções bastante fiáveis estão cheias dessa inocência regada com acne, mas também imploram para serem levadas muito a sério, até porque foram criadas por um grupo que quer muito ser uma referência obrigatória no universo sonoro em que se situa, enquanto espelha com precisão o manto de transição e incerteza que tem invadido o cenário da pop de cariz mais experimental, alternativo e independente. Espero que aprecies a sugestão...

Is This Who You Are
Keeps Me On My Toes
Notion
Bully Fight
And I Am Nervous
Heart Is Mine
Postcard
Submarine
Fireworks
Trim

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:16

Shy Boys - Life Is Peachy

Segunda-feira, 30.06.14

Shy Boys

Oriundos de Kansas City, os norte americanos Shy Boys são Collin Rausch, Kyle Rausch e Konnor Ervin, um trio que surpreendeu em 2013 com Peachy, o disco de estreia e que está de regresso com Life Is Peachy, um novo single, que terá edição física no próximo dia quinze de julho, via High Dive Records.

Uma voz única, produzida com o vintage eco lo fi tão em voga atualmente e conduzida por uma percurssão acelerada e distorções de guitarra que vão beber ao cruzamento da surf music com a psicadelia, fazem a receita desta nova canção dos Shy Boys, disponbilizada para download e que se espera ser o avanço para um novo trabalho da banda. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:54

The Capsules - Northern Lights & Southern Skies

Quarta-feira, 16.01.13

Os The Capsules são uma banda norte americana de dream pop, natural do Kansas e formada pelo casal Julie Shields e Jason Shields e pelo baterista Kevin Trevino. Lançaram ontem Northern Lights & Southern Skies, o seu quarto disco de originais, através da Vespera Records.

Os The Capsules já têm algum historial discográfico, mas são uma banda ainda relativamente desconhecida; São uma espécie de grupo rock underground, que tem ganho notoriedade em alguns programas de televisão e na participação na banda sonora de jogos de vídeo, nomeadamente o Borderlands 2.

A voz de Julie é uma daquelas vozes pouco consensuais, ou seja, gosta-se imenso, ou não se aprecia mesmo nada; Pessoalmente, encantou-me o desempenho vocal dela e a melhor forma que encontro para descrever esta voz bastante açucarada é que soa-me a um cruzamento entre Belinda Carlisle e Dolores O'Riordan, dos Cranberries.

Quanto às canções, os trinta e oito minutos de Northern Lights & Southern Skies  estão formatados numa linguagem eminentemente pop, já que os dez temas assentam nas tradicionais guitarras e em linhas e batidas feitas de sintetizadores, numa busca nada disfarçada de quererem ser etéreos e algo excêntricos, em simultâneo. Se em determinados momentos apontam às pistas de dança, noutros convocam o recanto mais confortável e escondido do nosso quarto, numa estranha pose sonora que acaba por não soar tão mal como à primeira vista se possa pensar. Espero que aprecies a sugestão...

01. Across the Sky
02. From the Start
03. Our Apocalypse
04. With Signs Of Repeating
05. The Heartbreaker
06. Time Will Only Tell
07. Test Drive The Other Side
08. Where It All Begins
09. All At Once
10. Magnetic Fields

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 20:55






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 435


Disco da semana 125#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Julho 2021

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.