Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Steven Wilson – 12 Things I Forgot

Quarta-feira, 25.11.20

Também conhecido pela sua contribuição ímpar nos projetos Porcupine Tree e Storm Corrosion, Steven Wilson tem já uma profícua carreira a solo, que vai ver um novo capítulo a vinte e nove de janeiro com o registo The Future Bites. Sexto trabalho do catálogo de Steven Wilson, The Future Bites irá suceder ao aclamado álbum To The Bone, trabalho que há já quase três anos comprovou que este é um dos músicos que na atualidade melhor mistura rock progressivo e eletrónica, fazendo-o sempre com grandiosidade e elevado nível qualitativo. Aliás, bastava escutar o antecessor Hand. Cannot. Erase.,(2015) ou a obra-prima The Raven That Refused To Sing (And Other Stories) (2013), para se perceber como Steven Wilson é exímio nessa mescla e como convive confortavelmente com o esplendor e a grandiosidade, não tendo receio de arriscar, geralmente com enorme dinâmica e com uma evidente preocupação pela limpidez sonora.

Steven Wilson mostra novo tema, "12 THINGS I FORGOT" | Arte Sonora

12 Things I Forgot, o recente avanço divulgado de The Future Bites, acentua ainda mais tal impressão qualitativa, uma canção que impressiona pela riqueza melódica e por uma assertiva conexão entre belas paisagens acústicas conferidas por cordas assentes num inconfundível timbre metálico aconchegante e um vigoroso ritmo, que nos remete para a melhor herança daquele rock oitocentista mais nostálgico e efusiante. Confere...

Steven Wilson - 12 Things I Forgot

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:29

Teenage Fanclub – Home

Sexta-feira, 20.11.20

Trinta anos depois do registo de estreia e quatro depois do excelente disco Here, os icónicos vereranos escoceses Teenage Fanclub estão de volta ao ativo, pelos vistos mais efusivos e luminosos do que nunca, com Endless Arcade,  doze novas canções de um projeto simbolo do indie rock alternativo e que, de certa forma, ainda tem um lugar reservado, de pleno direito, no pedestal deste universo sonoro.

Teenage Fanclub | Discografia | Discogs

Home, o tema que abre aquele que será o sétimo álbum do projeto, é o primeiro single divulgado de Endless Arcade, uma composição que navega no seio de guitarras efusivas e com aquela dose equilibrada de eletrificação que permite alguns instantes de experimentalismo, num resultado final com aquele cariz fortemente radiofónico que sempre caracterizou os Teenage Fanclub. Confere Home e o vídeo da canção captado recentemenre por Donald Milne no Leith Theatre em Edimburgo e a tracklist de Endless Arcade...

Teenage Fanclub - Home

Home
Endless Arcade
Warm Embrace
Everything Is Falling Apart
The Sun Won’t Shine On Me
Time
In Our Dreams
I'm More Inclined
Back In The Day
Teenage Fanclub – The Future
Living With You
Silent Song

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:42

Bleachers – Chinatown vs 45

Quinta-feira, 19.11.20

Jack Antonoff é a mente brilhante que conduz as reluzentes águas pelas quais navega o projeto norte-americano Bleachers que se estreou em dois mil e catorze com o estrondoso registo Strange Desire. Depois, a curiosidade relativamente a este nome imprescindível da pop da última década ampliou-se, em dois mil e dezassete, com Gone Now, um disco onde participaram Lorde, Carly Rae Jepsen e MØ, entre outros e, a partir daí, Antonoff foi sendo consecutivamente recrutado para colaborar com diversos outros artistas e projetos, podendo ser encontrado nos créditos de álbuns como Melodrama desse mesmo Lorde, Norman Fucking Rockell, de Lana Del Rey, Gaslighter  dos The Chicks e Folklore, de Taylor Swift.

Bruce Springsteen Joins Bleachers for New Song “chinatown”: Watch the Video  | Pitchfork

Agora, quase no ocaso de dois mil e vinte, Antonoff cria água na boca com Chinatown, inusitada criação que conta com a participação de Bruce Springsteen e ainda 45. São dois temas que fazem adivinhar um novo álbum dos bleachers, temas repletos de uma impressionante sensibilidade e assentes num conceito de fusão entre alguns dos canônes fundamentais de uma etérea cosmicidade, com cordas camufladas por uma ímpar lisergia que nos transporta para a melhor herança oitocentista. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:23

Glass Vaults – Sounds That Sound Like Music

Sexta-feira, 13.11.20

Os Glass Vaults são uma banda oriunda de Wellington, na Nova Zelândia e em cujo regaço melancolia e lisergia caminham lado a lado, duas asas montadas em canções que nos oferecem paisagens multicoloridas de sons e sentimentos, arrepios que nos provocam, muitas vezes, autênticas miragens lisérgicas e hipnóticas enquanto deambulam pelos nossos ouvidos num frágil balanço entre uma percussão pulsante, uma eletrónica com um vincado sentido cósmico e uma indulgência orgânica que se abastece de guitarras plenas de efeitos texturalmente ricos e a voz de Larsen que, num registo ecoante e esvoaçante, coloca em sentido todos os alicerces da nossa dimensão pessoal mais frágil e ternurenta. E tudo isto sente-se com profundo detalhe, numa banda que por vir dos antípodas parece carregar nos seus ombros o peso do mundo inteiro e não se importar nada com isso, algo que nos esclareceu com veemência Sojourn, o longa duração de estreia destes Glass Vaults, editado em dois mil e quinze à boleia da Flying Out e que sucedeu a Glass (2010) e Into Clear (2011), dois eps que colocaram logo alguma crítica em sobressalto.

Glass Vaults Drop New LP 'Sounds That Sound Like Music' - Music News at  Undertheradar

Dois anos depois, em dois mil e dezassete, The New Happy, o magnífico sucessor desse registo de estreia e que contava com as participações especiais de Daniel Whitaker, Ben Bro e Hikurangi Schaverien-Kaa, inebriou-nos com mais um desfile multifacetado de temas que impressionavam pela grandiosidade, patente nos samples, nos teclados e nos sintetizadores, sempre livres de constrangimentos, num disco onde não havia regras ou limites impostos para a inserção da mais variada miríade de arranjos, detalhes e ruídos.

Agora, em dois mil e vinte, a banda neozelandesa volta à carga com Sounds That Sound Like Music, onze composições misturadas por Bevan Smith e que têm como maior destaque o notável trabalho percurssivo que cobre todo o alinhamento do registo. Logo à primeira audição percebe-se que essa é a nuance que mais impressiona num álbum bastante vivo, tremendamente dançável e que mostra este projeto inimitável no modo como genuinamente manipula o sintético e o torna vibrante, fazendo-nos bater constantemente o pé e abanar a anca à boleia de determinados sons que, à partida, poderiam ser compreendidos por uma maioria de ouvintes como meros ruídos, sem potencial para se converterem em produções volumosas e intencionalmente orientadas para algo épico e festivo.

O contagiante e sensual clima techno de Oils And Perfume, a sensualidade glam de High Heels, a toada escaldante de Pure Imagination, a banda sonora que vai abrir a primeira rave em Saturno em dois mil e oitenta e nove, o forte cariz sensorial com ligeiro resvalo no funk de Who Would I Become For Love, a magnificiência pop e daftpunkiana de Boys On Boys e o minimalismo hipnótico de Flat White Boy, são canções impregnadas com essa filosofia estilística que encharca este Sounds That Sound Like Music e que tem nas batidas, nos compassos e no andamento harmónico e melódico, as referências maiores, num resultado final que pode ser por nós apropriado para expormos, intimamente ou publicamente, sentimentos de alegria e exaltação, mas também de arrepio e um certo torpor perante a grandiosidade de uma receita sonora cujos fundamentos só podem ser descodificados pelos membros de um dos projetos mais inovadores e consistente da indie pop contemporânea. Espero que aprecies a sugestão...

Glass Vaults - Sounds That Sound Like Music

01. Sounds That Sound Like Music, Part 1
02. Oils And Perfume
03. Pure Imagination (Feat. Instant Fantasy)
04. Who Would I Become For Love?
05. High Heels
06. Better Weather
07. Boys On Boys
08. Flat White Boy
09. Jang 97 BPM
10. Dilute The Water
11. Sounds That Sound Like Music, Part 2

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:03

The Antlers – It Is What It Is

Quinta-feira, 12.11.20

Projeto fundamental do indie rock experimental norte-americano da última década, os The Antlers de Peter Silberman e Michael Lerner, habituaram-nos desde o fabuloso Hospice (2009) a um faustoso banquete de composições encharcadas em sensibilidade, angústia e conflito, canções cheias de sons aquáticos e claustrofóbicos, mas que nos mantinham sempre à tona porque também sabiam salvaguardar um soporífero cariz relaxante. Após o monumental registo Familiars, editado em dois mil e catorze e colocado em primeiro lugar nos melhores álbuns desse ano para a nossa redação, esse desfile de discos assertivos e metaforicamente intensos foi interrompido por opção da própria dupla e os The Antlers entraram num hiato que parece ter sido finalmente interrompido, para gaúdio de todos aqueles que se têm deliciado com a sua notável discografia.

The Antlers Share "It Is What It is": Listen - Stereogum

Assim, e ainda sem trazer consigo o anúncio de um sucessor de Familiars, conferimos há algumas semanas a composição Wheels Roll Home e agora It Is What It Is,  dois novos temas que parecem ter uma lógica sequencial e que marcam o arranque de uma nova fase da carreira dos The Antlers que, tendo em conta estas amostras, será certamente ainda mais promissora, luminosa e empolgante do que a anterior.

A terna acusticidade das cordas que conduzem What Is What It Is e o travo jazzístico das mesmas, um sabor impregnado ardentemente no efeito da guitarra e no modo como tais cordas se entrelaçam com a cândura da bateria,  e com um insinuante teclado, um trompete esguio e o sedutor e impressivo registo vocal de Silberman, sustentam uma canção que nos proporciona aquele limbo matinal e intimista que todos nós tanto desejamos.

It Is What It Is já tem também direito a um extraordinário vídeo, protagonizado pelos dançarinos Bobbi-Jene Smith e Or Schraiber e realizado por Derrick Belchman e Emily Terndrup. A trama do mesmo inicia onde terminou o filme de Wheels Roll Home. Confere...

The Antlers - It Is What It Is

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:13

Tiago Plutão - Homem da Montanha

Quarta-feira, 11.11.20

Nascido em Lisboa há quase três décadas, Tiago Plutão mora na Lagoa de Albufeira e aprendeu a tocar guitarra sozinho há já dez anos. Entretanto formou um projeto musical com alguns amigos intitulado Jupiturno, mas no seu projeto a solo decidiu adoptar o nome Tiago Plutão, tendo acabado de se estrear com o lançamento de um single intitulado Homem da Montanha.

 Em dois mil e quinze os cientistas da missão New Horizons da NASA descobriram que Plutão terá uma cadeia de jovens montanhas muito altas, a par de uma estranha ausência de crateras. Tiago aproveitou essa informação para se apropriar dessas estranhas formas de relevo plutónicas, quer para o nome do seu projeto, quer para o ideário sonoro desta sua canção, conforme confessa no press release de lançamento da mesma...

Plutão tem sido um mundo difícil de desvendar desde a sua descoberta; está localizado numa zona do espaço denominada Cintura de Kuiper. Através de imagens obtidas, verificou-se que Plutão possui um relevo bastante acidentado, marcado pela presença de um grande número de cadeias montanhosas. É lá que vive o Homem da Montanha, meio que a observar tudo ao longe de forma analítica e criteriosa. Atrevido, desafiador e despreocupado, vive a vida sem medos.

"Homem da Montanha" é uma música altamente espacial, que nos faz sentir como se os sintetizadores nos trocassem as órbitas, rodando de forma caótica ao som de backvocals hipnotizantes, mas sempre traçando piruetas musicais graciosas que só nos podem levar a um lado: um grande amor plutónico. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:40

Guards - Life Is A War

Terça-feira, 10.11.20

Guards - Life Is A War

Os Guards são um trio de Nova Iorque formado pelo vocalista Richie James Follin (irmão de Madeline Follin, o elemento feminino da dupla Cults), Loren Humphrey e Kaylie Church. Estrearam-se nos álbuns em dois mil e treze com um registo intitulado In Guards We Trust, que teve sequência o ano passado com o disco Modern Hymns, que tem agora sequência com um novo tema do trio, intitulado Life Is A War e que pode muito bem indicar que estará para breve o terceiro trabalho do projeto.

Este trio oriundo da cidade que nunca dorme chamado Guards, não esconde a busca por uma zona de conforto no seio de uma espécie de cliché cada vez mais atual, por estarmos num período de assunção do fenómeno vintage e retro, ao qual a música não escapa. Assim, com tanta oferta e com tantas bandas novas a darem o corpo ao manifesto no universo indie e alternativo, com um cariz assumidamente lo fi e psicadélico, há que dar o devido mérito aquelas que de algum modo se destacam e nos oferecem algo de novo, diferente e contagiante.

Em Life Is A War, este novo single da banda norte-americana, a guitarra é o instrumento nuclear, o elo de ligação de toda a sonoridade e a distorção que delas debita, o manto que cobre belíssimos teclados e que adorna, com doçura, luz e brilhantismo, uma composição onde os Guards, assumem, sem rodeios, que lhes corre nas veias uma toada surf popretro e lo fi, apaixonada e nostálgica, mas sem deixar de colocar o olho a outros horizontes mais abrangentes. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:34

Noiserv – Uma Palavra Começada Por N

Sexta-feira, 06.11.20

Uma das mentes mais brilhantes e inspiradas da música nacional e um dos artistas queridos da nossa redação chama-se David Santos e assina a sua música como Noiserv. Vindo de Lisboa, Noiserv tem na sua bagagem um já volumoso compêndio de canções, que começaram a ser inscritas nos EPs 56010-92 e A Day in the Day of the Days, estando o âmago da sua criação artística nos álbuns One Hundred Miles from Thoughtless Almost Visible Orchestra, adocicados pelo DVD Everything Should Be Perfect Even if no One's There. No outono de dois mil e dezasseis a carreira do músico ganhou um novo impulso com um trabalho intitulado 00:00:00:00, incubado quase de modo espontâneo e sem aviso prévio, mas que se tornou, justificadamente, mais um verdadeiro marco numa já assinalável discografia, ímpar no cenário musical nacional. Agora, quatro anos depois dessa pérola debitada quase integralmente nas teclas de um piano, Noiserv regressa com Uma Palavra Começada Por N, onze lindíssimas composições que, em pouco mais de meia hora, nos oferecem um David Santos de regresso a territórios sonoros mais intrincados, subtis e diversificados, com o registo, no seu todo, a proporcionar-nos um banquete intenso e criativo e a impressionar pelo modo como diferentes naunces, detalhes e samples se entrelaçam quase sempre com uma base melódica algo hipnótica, mas extremamente doce e colorida.

Noiserv - Caixa de música ONZE - man on the moon

Gravado no no seu novo estúdio A Loja e com alguns dos temas a terem já direito a excelentes vídeos que resultam de uma colaboração com os leirienses Casota Collective, Uma Palavra Começada Por N  marca também o regresso de Noiserv à língua de Camões, nomeadamente no modo como se serve da mesma como elemento estético fundamental das suas canções. De facto, a excelência melódica que faz já parte do adn deste músico e compositor lisboeta é aqui exemplarmente acompanhada por inquietantes letras que, sendo devidamente esmiuçadas, gostam de nos deixar no limbo entre o sonho feito com a interiorização da cor e da alegria sincera que as coisas mais simples desta vida nos podem proporcionar e a realidade às vezes tão crua, porque temos sempre a tendência natural para a complicar, um detalhe que ele soube, de novo, tão bem descrever, por exemplo, nas estrofes de Picotado (Regressa sempre em pressa, só por estar, Mas volta nessa vida torta, uma dança pouco solta, Picotado até lugar nenhum, Sempre só, sempre), ou de Neste Andar (As portas passavam sempre aos pares, Enquanto eu, só, encenei tudo, encenei tudo), apenas dois de vários outros exemplos que eu poderia trazer à baila para justificar esta minha opinião.

Mas há outras conclusões que são possíveis de extraír deste registo, além do notável avanço que o mesmo expressa relativamente à performance do autor como poeta e escritor e que, além das duas canções citadas, também em temas como Eram 27 Metros De Salto ou Neutro atinge picos de excelência. Olhando agora para a vertente sonora do alinhamento de Uma Palavra Começada Por N, uma das notas mais evidentes é que este músico e produtor, que ao longo da carreira tem açambarcado para a sua bagagem mental, com indelével e vincado carimbo, imensa herança sonora da vasta míriade de latitudes audíveis na indie contemporânea, desde, principalmente, o estupendo Almost Visible Orchestra (2013), um trabalho laborioso de lapidação, detalhe, delicadeza e refinamento, que alcancou, três anos depois, laivos de excelência através das burilações exacerbadas que sustentaram as sequências ao piano de 00:00:00:00 (2016), agora alargou os seus horizontes, com superior mestria. Uma Palavra Começada Por N estabelece pontes entre aquilo que é definido como o orgânico e o acústico com o universo que geralmente carateriza aquela eletrónica de cariz mais ambiental, uma simbiose também sempre patente nas suas atuações ao vivo, em que é cada maior e mais intrincada a pafernália instrumental que o rodeia. De facto, este trabalho parece querer mostrar que Noiserv não receia minimamente que as suas criações possam depender, mais do que nunca, de todo um vasto catálogo de ligações de fios e transistores que debitam um infinito catálogo de sons e díspares referências, nem de encontrar o seu espaço particular dentro da vanguarda eletrónica que define muita da música atual, porque, ao mesmo tempo e também sossegando de algum modo os mais seus seguidores mais puristas, o disco está também repleto de momentos em que são as cordas e o piano quem ditam as regras e sobem ao trono sagrado no arquétipo sonoro desses mesmos instantes.

Assim, se no início algo subversivo, imersivo e singular de < i >, relativamente à herança de Noiserv, se percebe que em Uma Palavra Começada Por N pouco ou nada do que vamos escutar será facilmente comparável ao que já conferimos deste artista anteriormente, o crescente teclado hipnótico, a percurssão frenética e as delicadas inserções vocais que conduzem a já referida Eram 27 Metros De Salto, o majestoso clima borbulhante de Meio, assim como a indescritível montanha-russa de flashes, efeitos e interseções que se vão sobrepondo em Mas e que criam laços indeléveis com as cordas em Parou, amplificam tal audácia progressiva e fazem-no, ainda por cima, de modo profundamente emotivo e cinematográfico. Noiserv mostra-se, logo nesta primeira metade do disco, um genuíno e incomparável manipulador do sintético, um génio inventivo que converte tudo aquilo que poderia ser compreendido por uma maioria de ouvintes como meros ruídos, em produções volumosas e intencionalmente orientadas para algo épico, mesmo que a tal nuvem minimal, nunca o traia, porque não fica. em nenhum instante, para trás.

No entanto, a partir daí,  na pueril melancolia afetiva a que sabe o piano que nos embala em Picotado, uma das canções mais bonitas de dois mil e vinte, no doce e tocante travo de Neste Andar e no arrojado psicadelismo das cordas que inflamam o manto sintético que abraça Neutro, percebemos que Noiserv mantém sempre, na tal interessante dicotomia em que agora subsiste e que é única no cenário alternativo nacional, um intenso charme, induzido por uma filosofia interpretativa que, mesmo tendo por trás um infinito arsenal instrumental, nunca abandona aquele travo minimalista, pueril, orgânico e meditativo que carateriza o cardápio sonoro deste músico único.

Em suma, não tendo qualquer tipo de preocupação explícita por compôr de modo particularmente comercial e acessível, o que desde logo é um enorme elogio que pode ser feito em relação a este autor, Noiserv deixa-se apropriar de todo o arsenal tecnológico que permite que seja colocado à sua disposição e torna-se ele próprio parte integrante do mesmo que, abraçando o músico, consome-o e dele se apropria. É por Noiserv não ter medo de se deixar enlear e possuir pelas opções instrumentais que toma, que as suas canções ganham a alma e o elo de ligação com a humanidade, que as carateriza, um desejo ardente que sempre o conduziu artisticamente, até porque, em entrevista dada ao nosso blogue há já sete anos, na ressaca de Almost Visible Orchestra, Noiserv confessou-nos que tem como único desejo que as suas músicas possam um dia fazer parte da vida de quem as ouve. O rumo evolutivo que o músico resolveu seguir em Uma Palavra Começada Por N, mostra que está, definitivamente, no bom caminho para atingir esse seu ardente desejo pessoal, suportado em músicas que, além de serem uma intensa fonte de prazer sonoro, têm cheiro, cor e sabor únicos no cenário musical alternativo atual. Espero que aprecies a sugestão...

Noiserv - Uma Palavra Começada Por N

01. < i >
02. Eram 27 Metros De salto
03. Mas
04. Parou
05. Meio
06. Picotado
07. Neste Andar
08. Neutro
09. Sem Tempo
10. Por Arrasto
11. Sempre Rente Ao Chão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:12

Kevin Morby - Sundowner

Quinta-feira, 05.11.20

Foi em dois mil e dezanove que Kevin Morby nos presenteou com Oh My God, um compêndio de catorze excelentes canções que exploravam até à exaustão o conceito de religiosidade, em temas como OMG (abreviatura de Oh My God)Congratulations, canção em que eram audíveis várias mulheres de diferentes idades a pedir a Deus por misericórdia, ou Sing A Glad Song, canção que evocava as qualidades de um Deus chamado Bob Dylan, só para citar alguns exemplos de um trabalho que foi muito bem aceite pela crítica e que assentava numa folk rock de primeira água.

Kevin Morby on the Midwestern romance behind Sundowner | The FADER

Esse registo Oh My God já tem sucessor, um trabalho intitulado Sundowner, o sexto da carreira do músico natural de Lubbock, no Texas e que começou a ser gravado depois de Morby ter regressado aos arredores de Kansas City, após uma temporada em Los Angeles. Esse regresso a casa, a relação com a também cantora e compositora Katie Crutchfield, do projeto Waxahatchee e a realidade pandémica atual acabam por definir o triângulo filosófico de um trabalho que também tem o propósito de colocar a América mais profunda no centro das atenções, de acordo com o próprio Morby (Sundowner is a attempt to put the Middle American twilight, its beauty profound, though not always immediate, into sound).

Não será por acaso que Don’t Underestimate Midwest American Sun é a canção preferida de Morby deste Sundowner, uma relato impressivo e clarividente de uma América claramente dividida entre dois pólos e que talvez, no campo musical, tenha na típica folk o instrumento mais eficaz de busca de pontes entre tão vincado antagonismo (Don’t Underestimate Midwest American Sun is my favorite song off of the new album, and the one I’m most proud of. I consider space to be a prominent instrument on the song, and here it is as important as anything else you hear on the track. It was my goal to capture the vast openness of the middle American landscape sonically. To this end, there is a whole track of nothing but Texas air, birds and wind chimes living beneath the song).

Wander, uma composição intensa e com aquele travo típico da melhor folk norte-americana, tendo já direito a um vídeo filmado nas proximidades de Kansas e que mostra a já referida Katie Crutchfield a conduzir uma carrinha de caixa aberta por uma estrada vazia, é uma espécie de apelo sentido de Morby à reconciliação, uma canção conduzida por uma viola acústica e bastante melancólica e climática, mas intensa e com uma amplitude muito vincada, fazendo juz à descrição da mesma, feita por Morby e transcrita acima.

De facto, Kevin Morby vem, disco após disco, aprimorando um modus operandi bem balizado, que se define por opções líricas em que dominam ambientes nublados, intimistas e reflexivos e um catálogo sonoro emimentemente delicado e fortemente orgânico, sem artifícios desnecessários, ou uma artilharia instrumental demasiado intrincada. E é este, claramente, o travo geral de Sundowner, um disco minimalista, que procura a interação imediata, mas também profunda, com o ouvinte e que tem no piano e nas cordas as armas de arremesso preferenciais.

Temas como a sussurrante e melancólica A Night at the Little Los Angeles, a etérea e contidaValley, ou a já citada Wonder, assim como a emotiva Campfire, são, além de outras canções acima descritas, a prova cabal de que Kevin Morby é sagaz no modo como vai, disco após disco, subindo degraus no que concerne ao conteúdo qualitativo dos seus registos, fazendo-o com segurança e altivez, nunca beliscando uma apenas aparente dicotomia entre aquilo que é a grandiosidade da sua filosofia criativa e o modo minimal, simples e direto como a expôe, através de canções repletas de beleza, sensibilidade e conteúdo. Espero que aprecies a sugestão...

Kevin Morby - Campfire

01. Valley
02. Brother, Sister
03. Sundowner
04. Campfire
05. Wander
06. Don’t Underestimate Midwest American Sun
07. A Night At The Little Los Angeles
08. Jamie
09. Velvet Highway
10. Provisions

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 20:50

Jeff Tweedy – Love Is The King

Terça-feira, 03.11.20

O norte-americano Jeff Tweedy, líder do míticos Wilco, é, claramente, um dos músicos mais profícuos e criativos do cenário musical alternativo atual. Já nesta década, ao comando da sua banda, idealizou e incubou The Whole Love (2011), Star Wars (2015) e Schmilco (2016) e entretanto aproveitou para escrever uma auto-biografia intitulada Let's Go (So We Can Get Back): A Memoir of Recording and Discording with Wilco, Etc., onde disserta sobre aspetos da sua personalidade e do seu trajeto nos Wilco. À boleia desse exaustivo exercício escrito de introspeção, acabou por criar WARM, um dos destaques da sua etapa discográfica a solo, onze canções que viram a luz do dia no início deste ano com a chancela da insuspeita dBpm Records e que sucedem a Together at Last (2017), um registo de versões de alguns dos temas mais emblemáticos da sua já extensa carreira. Depois de WARM, o ano passado chegou Warmer, disco que, conforme o título indica, não estava dissociado do conteúdo do antecessor, já que, além de ter sido gravado durante o mesmo período em que foi captado WARM, acabou por, na sua essência, obedecer à mesma filosofia sonora estilística. Agora, no início deste estranho outono, Love Is The King é a mais recente obra discográfica de um compositor que assenta o seu processo criativo numa concepção de escrita que explora bastante a dicotomia entre sentimentos e no modo criativo e refinado como musica as letras que daí surgem, aliando o seu adn pessoal às tendências mais contemporâneas da folk e do rock alternativo.

Jeff Tweedy And Sons On 'Love Is The King' And Entertaining As A Family :  NPR

Gravado em pleno período pandémico e de confinamento, no estúdio caseiro do autor, Love Is The King é um voo picado que o autor faz sobre si próprio, a sua existência e a daqueles que lhe são mais próximos, nomeadamente os seus herdeiros Spencer e Sam. Acaba por ser um disco feito em família, com a participação direta da mesma na sua concepção e definição do conteúdo sonoro e que, como é natural, sendo eminentemente autobiográfico, constitui um exercício sonoro de exorcização de alguns dos demónios, angústias, eventos traumáticos e conflitos interiores de Tweedy.

Este é, pois, um alinhamento com um travo melancólico particularmente abundante, mas também um registo quente, positivo e sorridente. Mas, tema após tema, seja qual for o lado para o qual se incline, a base é homogénea e de simples descrição; Love Is The King é um álbum direto, cru, tremendamente orgânico, claramente lo-fi, um impressivo e jubilante tratado folk, dominado por timbres de cordas particularmente estridentes, que abastecem uma constante dicotomia entre sentimentos e confissões.

O rock puro e duro de Guess Again, a pueril acusticidade de Even I Can See, a pureza country de Opaline, ou o travo mais alternativo de Bad Day Lately, sustentam toda uma simplicidade melódica simplesmente arebatadora mas terrivelmente eficaz, desprovida de qualquer sede de exacerbado protagonismo. O resultado final é uma atmosfera bucólica e encantatória, mas intrigante, num álbum que manifesta de forma pura, desinteressada e bastante reveladora, uma pessoalidade única e inconfundivel no panorama indie atual. Espero que aprecies a sugestão...

Jeff Tweedy - Love Is The King

01. Love Is The King
02. Opaline
03. A Robin Or A Wren
04. Gwendolyn
05. Bad Day Lately
06. Even I Can See
07. Natural Disaster
08. Save It For Me
09. Guess Again
10. Troubled
11. Half-Asleep

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:10






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 400


Disco da semana 100#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.