Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Django Django – Winter’s Beach EP

Terça-feira, 16.10.18

Foi no início deste ano que os Django Django de Dave Maclean, Vincent Neff, Tommy Grace e Jimmy Dixon desvendaram Marble Skies, o último registo de originais desta banda escocesa natural de Edimburgo. O trabalho continha dez canções feitas com uma pop angulosa proposta por quatro músicos que, entre muitas outras coisas, tocam baixo, guitarra, bateria e cantam, sendo isto praticamente a única coisa que têm em comum com qualquer outra banda emergente no cenário alternativo atual. Agora, nove meses depois, os Django Django regressaram aos lançamentos discográficos, mas no formato EP, com um registo intitulado Winter’s Beach, seis originais que viram a luz do dia a doze de outubro à boleia da Because Music.

Resultado de imagem para django django 2018

Repleto de sintetizadores com uma proeminente toada vintage e fortemente inspirado na eletrónica do século passado, Winter's Beach começou a ganhar forma durante as sessões de gravação de Marble Skies, revisitando, inclusive, algum material de arquivo dos Django Django, nomeadamente em Blue Hazy Highs, o esqueleto de Waveforms, um dos grandes sucessos de Django Django, o disco homónimo de estreia da banda, lançado em dois mil e doze, como certamente se recordam.

O EP abre com o excitante tema homónimo, que tem por base material que Dave compôs em tempos para o artista, escultor e cinematógrafo George Henry Longly. A partir daí, também merece destaque Sand Dunes, canção inspirada na temática dos refugiados e que começou por ser um instante acústico ao qual foram adicionados elementos percurssivos a cargo de Anna Prior dos Metronomy, assim como Flash Forward, onde se pode escutar além de um sample de um cão, uma melodia e diversos arranjos sintéticos que devem muito à herança da música de dança de final do século passado. Depois, merece também dedicada audição o single Swimming At Night, uma contagiante canção escrita por Mclean em casa dos pais, na Escócia, assente em batidas debitadas por um velhinho sintetizador Roland, uma composição feita com uma dose divertida de experimentalismo e psicadelismo, onde sobressai o piano, as palmas e um refrão que convida inconscientemente ao sorriso e à diversão.

Em suma, Winter's Beach cumpre cabalmente a função lúdica dos Django Django de reforçarem o seu acervo com uma visão mais alternativa e até intimista de uma cartilha sonora que é feita há mais de meia década com uma dose divertida de experimentalismo e psicadelismo, que muitos rotulam como art popart rock ou ainda beat pop, um cardápio de um projeto que merece claramente sentar-se à mesa dos nomes fundamentais da música de dança atual. Espero que aprecies a sugestão...

Django Django - Winter's Beach

01. Winter’s Beach
02. Sand Dunes
03. Swimming At Night
04. Flash Forward
05. Ghost Rider
06. Blue Hazy Highs

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:21

Django Django – Swimming At Night

Segunda-feira, 17.09.18

Django Django - Swimming At Night

Foi no início deste ano que os Django Django de Dave Maclean, Vincent Neff, Tommy Grace e Jimmy Dixon desvendaram Marble Skies, o último registo de originais desta banda escocesa natural de Edimburgo. O registo continha dez canções feitas com uma pop angulosa proposta por quatro músicos que, entre muitas outras coisas, tocam baixo, guitarra, bateria e cantam, sendo isto praticamente a única coisa que têm em comum com qualquer outra banda emergente no cenário alternativo atual.

Agora, nove meses depois, os Django Django estão prestes a regressar aos lançamentos discográficos, mas no formato EP, com um registo intitulado Winter’s Beach, que terá seis originais e que irá ver a luz do dia a doze de outubro à boleia da Because Music. Swimming At Night é o primeiro tema divulgado do EP, uma contagiante canção feita com uma dose divertida de experimentalismo e psicadelismo, onde sobressai o piano, as palmas e um refrão que convida inconscientemente ao sorriso e à diversão. Dirigido por Gemma Yin Taylor, o vídeo de Swimming At Night é também uma curiosa e colorida sucessão de imagens que vale bem a pena observar e que cola na perfeição com a sonoridade do tema. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:11

Django Django - Marble Skies

Sexta-feira, 26.01.18

Os Django Django de Dave Maclean, Vincent Neff, Tommy Grace e Jimmy Dixon acabam de desvender todo o conteúdo de Marble Skies, o novo registo de originais desta banda escocesa natural de Edimburgo e que contém, como seria de esperar, dez canções feitas com uma pop angulosa proposta por quatro músicos que, entre muitas outras coisas, tocam baixo, guitarra, bateria e cantam, sendo isto praticamente a única coisa que têm em comum com qualquer outra banda emergente no cenário alternativo atual.

Resultado de imagem para listen Django Django Marble Skies

Com as participações especias de Rebecca Taylor (Slow Club) e de Anna Prior (Metronomy), Marble Skies expõe com ainda maior ênfase as referências do house mais ácido noventista, numa espécie de continuidade relativamente a Born Under Saturn, mas ainda mais festiva. Esta confirmação de uma estética sonora bem definida é  uma coerência que de certo modo se saúda, principalmente no seio de quem, como eu, considerou há pouco mais de meia década este quarteto inglês como uma verdadeira lufada de ar fresco no universo sonoro regido pela pop de cariz mais eletrónico.

Mas não é só de pop eletrónica que vive Marble Skies. O disco é, na verdade, uma verdaderia amálgama e o caldeirão mantém-se bastante ativo como se percebe logo no início do alinhamento. Se o frenético e cósmico tema homónimo e a alegoria percurssiva e tribal de Tic Tac Toe e de In Your Beat obedecem à nuance sonora comum e intrinseca ao grupo, o spaghetti rock de Champagne e o elevado acerto melódico do piano de Sandials embrenham-nos em ambientes menos agitados e mais intrincados, numa mistura perfeita de géneros que serve para encontrar praias enterradas debaixo de edifícios de cimento e que vicia o ouvinte, convidando-a a repetidas audições.

Ao terceiro disco os Django Django apostam todas as fichas na sua notável capacidade para nos colocar a dançar, mesmo que haja uma relutância em relação ao constante apelo, nem que seja para um quase implícito abanar de ancas e aprimoram a sua cartilha sonora feita com uma dose divertida de experimentalismo e psicadelismo, que muitos rotulam como art popart rock ou ainda beat pop, acompanhada por guitarras que parecem ter saído do farwest antigo e por efeitos sonoros futuristas. Nele a banda cumpre cabalmente a função lúdica de apelo ao lado mais físico do ouvinte, mesmo num tempo em que parece existir uma clara obsessão em encontrar paralelismos e pontos de encontro no universo sonoro alternativo, entre a eletrónica mais progressiva e a comercial, para que um projeto mereça sentar-se  mesa dos nomes fundamentais da música de dança atual. Espero que aprecies a sugestão...

Django Django - Marble Skies

01. Marble Skies
02. Surface To Air (Feat. Self Esteem)
03. Champagne
04. Tic Tac Toe
05. Further
06. Sundials
07. Beam Me Up
08. In Your Beat
09. Real Gone
10. Fountains

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:02

Zed Penguim - Wandering

Quinta-feira, 07.12.17

Foto de ZED PENGUIN.

Matthew Winter, James Metcalfe, Casey Miller e Atzi são os Zed Penguin, banda preparada para se apresentar ao mundo com A Ghost, A Beast, um trabalho que irá ver a luz do dia lá para fevereiro, à boleia da escocesa Song, By Toad Records de Matthew Young.

Wandering é o primeiro single divulgado de A Ghost, A Beast, uma ode acústica e tremendamente sentimental à melancolia, feita à base de cordas com um grau de refinamento classicista incomensuravelmente belo. Escrita por Winter há já alguns anos, após ter sofrido graves ferimentos durante um assalto ao hospital psiquiátrico onde trabalhava, é uma canção que expressa a ideia de isolamento de quem tem dificuldade em encontrar o seu lugar neste mundo e que quando o encontra não resiste a regressar ao casulo anterior. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:58

Django Django – In Your Beat

Segunda-feira, 04.12.17

Django Django - In Your Beat

Os Django Django de Dave Maclean, Vincent Neff, Tommy Grace e Jimmy Dixon continuam a desvendar um pouco mais do conteúdo de Marble Skies, o próximo registo de originais desta banda escocesa natural de Edimburgo e que deve ver a luz do dia logo no início de 2018. Será um alinhamento de dez canções certamente feitas com uma pop angulosa proposta por quatro músicos que, entre muitas outras coisas, tocam baixo, guitarra, bateria e cantam, sendo isto praticamente a única coisa que têm em comum com qualquer outra banda emergente no cenário alternativo atual.

Depois de Tic Tac Toe, o primeiro tema do álbum que foi divulgado, In Your Beat é o novo single conhecido de Marble Skies, uma canção assente na habitual percussão tribal, acompanhada por uma guitarra com um delicioso efeito hipnótico, as duas grandes imagens de marca dos Django Django, mas com um clima algo enganador porque os efeitos sintetizados que vão adornando a composição têm um clima algo etéreo e contemplativo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 20:50

Django Django – Tic Tac Toe

Segunda-feira, 16.10.17

Django Django - Tic Tac Toe

 

Chegam de Edimburgo, na Escócia, têm um irlandês lá pelo meio, atualmente assentaram arrais em Dalston, aquele bairro de Londres onde tudo acontece, chamam-se Django Django e são um nome que este blogue tem acompanhado com toda a atenção na última meia década. Depois de se terem estreado nos discos em janeiro de 2012 com um trabalho homónimo muito bem aceite pela crítica e nomeado para um Mercury Prize nesse mesmo ano, a banda, formada por Dave Maclean, Vincent Neff, Tommy Grace e Jimmy Dixon, regressou em 2015 com o excelente Born Under Saturn, e agora, no início de 2018, a vinte e seis de janeiro, via Ribbon Music, irá regressar aos lançamentos discográficos com Marble Skies, um alinhamento de dez canções certamente feitas com uma pop angulosa proposta por quatro músicos que, entre muitas outras coisas, tocam baixo, guitarra, bateria e cantam, sendo isto praticamente a única coisa que têm em comum com qualquer outra banda emergente no cenário alternativo atual.

Tic Tac Toe é o primeiro single extraído de Marble Skies, uma canção assente numa percussão tribal, acompanhada por uma guitarra com um delicioso efeito hipnótico da guitarra e um baixo vigoroso e já com direito a um curioso vídeo realizado por John Maclean, membro dos carismáticos The Beta Band. É um filme que aprentemente podia debruçar-se sobre a era dos jogos de arcada, sobre um tempo que parece nunca chegar para nada, sobre o ódio e o amor, o horror ea felicidade, mas que é simplesmente sobre um homem que precisa de comprar algum leite para fazer juntar à sua chávena de chá. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:12

Lush Purr - Cuckoo Waltz

Sexta-feira, 14.07.17

Abrigados pela insuspeita e espetacular Song By Toad, Records de Matthew Young, os escoceses Lush Purr dos irmãos Gavin Will e Rikki Will, aos quais se juntam Emma Smith e Andres Fazio, nasceram das cinzas dos míticos The Yawns e, à imagem desse consagrado projeto, seguem na senda de um indie punk rock psicadélico com um certo pendor lo fi e que tem em Cuckoo Waltz o trabalho de estreia. São treze notáveis canções incubadas em Glasgow, cidade escolhida pela banda para ponto de encontro de músicos que, entre Aberdeen e Santiago do Chile, se distribuem por diferentes proveniências, mas que nessa cidade em boa hora se conheceram e resolveram compôr juntos.

Resultado de imagem para Lush Purr band edinburgh

O disco inicia com Wave e logo se percebe um fio condutor bem definido, assente na primazia das cordas, que vão deixando-se levar por um salutar experimentalismo, à medida que progridem e ampliam a tonalidade da canção. Depois, em Bananadine, um riff eletrificado e o modo como a bateria se encaixa na melodia, têm o propósito bem claro de captar definitivamente o lado mais radiofónico do ouvinte, sem colocar em causa uma certa ousadia experimental, à qual aludi acima e que acabará por ser transversal a todas as canções independentemente do rumo que as mesmas tomem.

Depois deste início prometedor e já completamente absorvidos pelo conteúdo de Cuckoo Waltz, Horses On Morphine, mantendo o estilo, acelera o ritmo até territórios de maior pendor punk, para, pouco depois, em Stuck In A Bog, sermos surpreendidos pela acutilância percurssiva de uma bateria cheia de personalidade e por mudanças de acordes bem delineadas e em (I Admit It) I’m A Gardener, por uma ainda maior rugosidade, quer percussiva, quer elétrica, uma espiral crescente de fulgor e emotividade que não deserma até ao fim. É uma forma de compôr e de manusear o arsenal instrumental escolhido que não deixa margem para dúvidas relativamente ao modo excitante e anguloso como os Lush Purr conseguem cirandar por diferentes espetros sonoros e parecendo que flutuam entre eles, conseguem criar sempre fios condutores que facultam uma homogeneidade bastante impressiva ao disco, sem que ele deixe de exalar uma superior maturidade e um ecletismo claramente indie.

Até ao ocaso, com o baixo de Mr. Maybe, que dita regras de modo ditadorial, mesmo que a guitarra procure imiscuir-se na liderança do ambiente do tema, com, em I, Bore, a opção por um travo algo vintage ou com o noise algo contemplativo da guitarra de Triple Squit, existe sempre a tal variedade de referências a palpitar e fica a certeza que estes Lush Purr são uma das novidades mais refrescantes deste verão indie e que o rock que seguram com unhas e dentes, feito de um certo experimentalismo alternativo novecentista, dificilmente encontra melhores interlocutores. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:05

Meursault - I Will Kill Again

Quarta-feira, 01.03.17

Abrigados pela insuspeita e espetacular Song By Toad, Records de Matthew Young, os Meursault de Neil Pennycook estão de regresso aos discos, quase cinco anos depois do antecessor, com I Will Kill Again, dez canções que refletem de modo preciso o título do trabalho, já que se debruçam naquela ideia de que todos nós temos um lado mais obscuro e que muitas vezes, nos nossos momentos de maior dilema, acabamos por criar duas personagens distintas no nosso eu, com cada uma a puxar-nos para o lado que mais lhe interessa Para tornar ainda mais realísticas estas canções, Neil criou para elas duas personagens, um escritor chamado William e uma fantasma, a Sarah.

Resultado de imagem para Meursault neil

Os Meursault estiveram em suspenso durante um determinado período de tempo, em 2014, porque Neil sentiu algumas dificuldades em responder positivamente aos anseios e às exigências cada vez maiores quer de fãs quer da própria crítica, em relação à música da banda. No entanto, estas canções já vinham a ser incubadas há quatro anos e em boa hora foram gravadas já que, como facilmente perceberão, permitem-nos usufruir de lindíssimos instantes sonoros, quer instrumentais quer poéticos, conduzidos quase sempre por pianos e cordas, numa toada geral bastante charmosa e com uma curiosa contemporaneidade. É uma espécie de simbiose entre uma folk introspetiva, com a indie pop e a música de câmara e sonoridades mais clássicas, como se percebe logo no delicioso instante acústico Ellis Be Damned e na toada mais jazzística e algo boémia de Belle Amie, mas também na luminosidade dos efeitos que brotam da guitarra de The Mill e no abraço que as cordas da viola e as teclas do piano dão na toada pastoral de Ode To Gremlin e na turbulência algo sombria e engimática, mas contundente de Klopfgeist.

I Will Kill Again é um refúgio bucólico pensado para nos fazer amainar um pouco em instantes de dúvida e de tempestade. Pode ajudar-nos a clarificar a a assentar ideias e a refletir sobre as melhores saídas para algumas decisões, até porque não hesita em mostrar-nos as duas faces da mesma moeda que personifica a construção da nossa identidade enquanto ser pensante, mas também emotivo. Para que tal suceda de modo fluído e espontâneo, existe uma tranquilidade acústica ao longo do álbum e os temas são guiados por uma profunda gentileza sonora, que acaba por funcionar como uma espécie de recomendação subtil, que fica a ressoar dentro de nós muito depois da canção terminar. Espero que aprecies a sugestão...

Meursault - I Will Kill Again

01. …
02. Ellis Be Damned
03. The Mill
04. Ode To Gremlin
05. Klopfgeist
06. Oh, Sarah
07. Belle Amie
08. Gone, Etc…
09. I Will Kill Again
10. A Walk In The Park

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:56

DTHPDL - The Future

Quinta-feira, 02.06.16

Cmeçou por ser um projeto a solo de Alastair J Chivers, mas é hoje um dos coletivos mais interessantes do cenário alternativo escocês. Falo dos DTHPDL (Deathpodal), um coletivo formado pelo músico mencionado, ao qual se juntaram DMacz, HumdrumJetset e Ross Taylor e que acaba de se estrear nos lançamentos dicográficos, em formato digital e cassete, com um EP intitulado The Future e que contém cinco canções com a chancela de qualidade da insuspeita Song By Toad Records.

The Future, o tema homónimo e que abre o alinhamento deste EP, coloca-nos bem no centro de um noise rock que não deixa de nos fazer recordar experimentações típicas do melhor rock alternativo lo fi dos anos oitenta, um edifício sonoro ruidoso e que não dispensa uma forte presença dos sintetizadores e teclados, que agregados a guitarras plenas de distorção e a uma batida vigorosa, acaba, neste caso, por conferir uma explícita dose de um pop punk dance que mescla orgânico e sintético com propósitos bem definidos.

Na verdade, para estes DTHPDL, mesmo que a receita procure um som encorpado e amplo, como se percebe, logo de seguida, em Captain Average, é igualmente propositada a criação de uma proposta de som também voltada para um resultado atmosférico, definição que se amplia com evidência em Good vs Eevil, canção onde o dedilhar e a distorção da guitarra oferece aquele toque experimental que nos faz crer, logo ao terceiro tema, que este é um alinhamento de significativo pendor hipnótico, intenso e efervescente e onde uma rugosidade intensa e algo caótica, acaba por reforçar tal impressão com racionalidade objetiva,  em vez de a colocar em causa.

The Future é feliz no modo como exprime um agregado sonoro com um intenso teor ambiental denso e complexo, que vai revelando, ao longo das cinco canções, uma variedade de texturas e transformações que encarnam uma espécie de  psicadelia suja, que além da pafernália de sons sintetizados que contém, é banhada, ora por guitarras suaves, ora por loopings de distorção, numa união com uma certa tonalidade minimalista, que costura todas as canções do EP, evitando excessos e onde tudo é moldado de maneira controlada e sem exageros desnecessários. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:39

Man Of Moon - The Road

Quinta-feira, 13.08.15

Oriundo de Edimburgo, na Escócia, o duo Man Of Moon anda a impressionar a crítica com The Road, um single editado digitalmente a dezassete de Julho e com edição física brevemente, num single de sete polegadas, à boleia da insuspeita Melodic de Andy Moss. Falo de quase quatro minutos vibrantes e hipnóticos, que assentam num indie rock rugoso mas épico, intenso e visceral, melodicamente bastante sedutor, um psicotrópico mental verdadeiramente eficaz e aditivo.

Uma guitarra cheia de fuzz, diversos efeitos metálicos, um baixo vigoroso e que sustenta exemplarmente uma arquitetura sonora deslumbrante e lisérgica são os ingredientes deste The Road, um dos melhores temas deste época mais quente do ano e cujo suor merece dedicada audição. Confere...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 12:32






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 382


Disco da semana 87#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Julho 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.