Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Damien Jurado – Tom

Quarta-feira, 14.04.21

No próximo dia catorze de maio irá chegar aos escaparates The Monster Who Hated Pennsylvania, o novo trabalho do norte-americano Damien Jurado. Esse novo álbum do músico agora a viver em Los angeles, terá a chancela da Maraqopa Records e irá, certamente, voltar a justificar porque é que Damien Jurado é um dos nomes fundamentais da folk norte americana e um dos artistas que melhor tem sabido preservar algumas das caraterísticas mais genuínas de um cancioneiro que dá enorme protagonismo ao timbre acentuado e rugoso das cordas para dissertar crónicas sobre uma América profunda e muitas vezes oculta, não só para os estrangeiros, mas também para muitos nativos que desde sempre se habituaram à rotina e aos hábitos de algumas das metrópoles mais frenéticas e avançadas do mundo, construídas num país onde ainda é possível encontrar enormes pegadas de ancestralidade e que inspiram calorosamente este músico.

Damien Jurado shares new single 'Tom' | Folk Radio

Depois de há algumas semanas ter sido retirado do alinhamento de The Monster Who Hated Pennsylvania o single Helena, agora chega a vez de conferirmos Tom, uma canção algures entre a penumbra e a luz, carregada com um timbre simultaneamente revelador de inquietude e de serenidade único, em que as cordas assumem um protagonismo óbvio, mas deixam espaço para que arranjos de outras proveniências, debitados pelo multi-instrtumentista Josh Gordon, confiram à composição um arquétipo sonoro com uma sofisticação muito própria, rematada pelo habitual modo como este autor usa as palavras de modo a fazer fazer-nos passar a sensação que o ouvinte está a conversar com o autor e junto a si. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 13:25

Sun Kil Moon – Welcome To Sparks, Nevada

Segunda-feira, 05.04.21

Sun Kil Moon é o projeto atual do cantor e compositor Mark Kozelek, que ficou conhecido por ter sido o líder dos carismáticos Red House Painters. Sun Kil Moon encontra então Kozelek ao volante de uma banda que se estreou em dois mil e três com o fabuloso disco Ghosts of the Great Highway, e que tem um novo trabalho intitulado Welcome To Sparks, gravado e misturado na primavera do ano passado nos estúdios Hyde Street Studios e Rancho Riviera, ambos em São Francisco, na Califórnia.

Sun Kil Moon Announces New Album Welcome to Sparks, Nevada for Fall 2020  Release - mxdwn Music

Com as participações especiais de Ted Piecka, Petra Haden, Mimi Parker, Chris Connolly e Ben Boye, Welcome To Sparks, Nevada afirma com subtil beleza a habitual sonoridade frágil e cândida deste projeto. E fá-lo através de um belíssimo compêndio de folk acústica onde a simplicidade melódica coexiste com uma densidade sonora suave que transborda, tema após tema, uma majestosa e luminosa melancolia.

Não é novidade para os seguidores mais atentos deste projeto a descrição sucinta feita no anterior parágrafo a este disco; No entanto, penso que será unânime entre os mesmos (um grupo no qual me incluo), que este é um dos discos mais intrincados e ricos da carreira do autor. De facto, em Welcome To Sparks, Nevada abundam canções encharcadas de detalhes riquíssimos; Logo em Welcome to Sparks ficamos boquiabertos com a exuberância e o dramatismo do piano, enquanto Mark disserta sobre uma viagem que fez em Nevada e um telefone público que o marcou em Sparks, localidade desse estado. Logo a partir dessa experiência ímpar e curiosa, optou por recontar outras histórias de telefones públicos que o marcaram na sua juventude, um aspeto habitual da narrativa de Mark. Depois, é impossível ficar indiferente ao misto de beleza e sombra que exala dos onze minutos de The Johnny Cash Trail, uma canção de amor profundo que nos oferece sensações algo inquietantes. Esse é um registo que se repete com ainda maior intensidade nos dezassete (?) minutos de William McGirt, canção que reflete o desgaste que o músico sente com as restrições da pandemia que vivemos e onde até o ouvimos reclamar, de forma simultaneamente estúpida e genial, durante dois longos minutos, sobre o modo como é atendido num restaurante, nomeadamente devido à utilização de... tigelas.

O disco prossegue e conferimos uma canção com um arquétipo sonoro mais ordinário, no sentido de normal, em Long Slow Spring, tema em que Mark reflete sobre a última primavera, quando o vírus nos atingiu e a maioria de nós teve que entrar em confinamento. Nela o autor menciona o que passou a sentir falta de fazer, nomeadamente tocar ao vivo ou visitar o seu pai. Depois, em Young Road Trips Mark volta ao tópico das viagens, neste caso as que fez quando era criança, regressando à pandemia e à quarentena em Lemon Balm, talvez a composição onde o registo vocal de Mark é mais intenso.

Até ao ocaso do disco, nas dissertações sobre uma visita a um barbeiro em Elk Grove, outro nome de uma localidade, esta em Sacramento, até á beleza das pequenas coisas que uma contemplação demorada da natureza nos pode proporcionar, em Morning Cherry, ou em Hugo, o relato de uma viagem que o autor fez a cidades da Califórnia, percebemos de modo bastante claro que Welcome Sparks, Nevada é, realmente, um belo disco, extremamente desafiador e com uma narrativa mais imprevisível do que nunca. Espero que aprecies a sugestão...

Sun Kil Moon - Welcome To Sparks, Nevada

01. Angela
02. Welcome To Sparks
03. The Johnny Cash Trail
04. William McGirt
05. Long Slow Spring
06. Young Road Trips
07. Lemon Balm
08. Elk Grove
09. Morning Cherry
10. Hugo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 20:55

Wavves – Sinking Feeling

Quinta-feira, 01.04.21

Pouco mais de três anos após o lançamento de You're Welcome, um disco com a chancela da Ghost Ramp, os californianos Wavves de Nathan Williams assinaram pela Fat Possum Records e estão de regresso com uma nova canção intitulada Sinking Feeling, primeira amostra para aquele que será o sétimo álbum deste grupo com praticamente década e meia de estrada e que, atingindo este marco temporal importante para bandas contemporâneas, angaria já uma certa maturidade em torno de si.

Wavves lança primeira música desde 2017; Ouça "Sinking Feeling"

Sinking Feeling conta com a produção de Dave Sitek, baterista e figura talismã responsável pelo sucesso dos TV On The Radio, mas também produtor de nomes como os Yeah Yeah Yeahs ou os Foals e aborda a temática da depressão. Sonoramente, é um atestado de uma cada vez maior abrangência e ecletismo de uns Wavves que sempre tiveram fortes ligações ao universo punk, mas que têm piscado nos últimos trabalhos com superior assertividade o olho aquele rock imbuído de uma filosofia eminentemente pop, porque assenta em acordes simples e facilmente digeriveis, com refrões orelhudos e uma elevada intensidade melódica, caraterísticas bem presentes neste tema que também já tem direito a um vídeo realizado por Jesse Lirola, com direção fotográfica de David Vollrath e produção de Ali Dawe. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:57

Baio – Dead Hand Control

Segunda-feira, 08.02.21

Foi à boleia da conceituada Glassnote que viu a luz do dia Dead Hand Control, o terceiro disco do catálogo de Chris Baio, baixista dos Vampire Weekend, mas que também tem apostado com inegável sucesso numa carreira a solo que navega com astúcia nas águas quentes de um indie rock sonorizado através de inspiradas e felizes interseções entre cordas imponentes e uma componente sintética geralmente bem vincada e onde os sintetizadores são reis. Este abraço é rematado por uma secção rítmica fluída, sendo estas as bases fundamentais num dos discos mais interessantes e apelativos deste arranque de dois mil e vinte e um.

Resultado de imagem para Baio Dead Hand Control

Gravado entre o 13 Studios em Londres, propriedade de Damon Albarn e o C+C Music Factory em Los Angeles, estúdio que fundou com o companheiro de banda Chris Tomson, Dead Hand Control é um descarado convite ao positivismo e à boa disposição, ingerdientes que todos precisamos como de pão para a boca neste período pandémico particularmente difícil. O tema homónimo do registo capta a sua essência e esclarece o ouvinte com notável requinte acerca do que o espera nos minutos seguintes, num portento de epicidade folk que faz juz a um dos ambientes sonoros prediletos de Baio, aquele que coloca as cordas bem no centro da ação. Depois, Endless Me, Endlessly, fecha o círculo ao olhar de modo guloso e anguloso para a pop sintetizada oitocentista, movida a néons e plumas, mas que também não descura um olhar em frente, ao abarcar detalhes e arranjos que definem muita da melhor eletrónica que se vai escutando atualmente.

A partir daí, são vários os exemplos do disco que refletem este cenário multicolorido e abrangente. Um dos mais inspirados é Take It From Me, composição em que um groove funk contagiante e sintetizações repletas de luminosidade nos transportam intuitivamente para a melhor herança que o mítico David Byrne imprimiu no catálogo mais inspirado da pop contemporânea. Depois merece também audição dedicada Caisse Noire, composição que impressiona não só pelo baixo pulsante, mas, principalmente, pelo efeito agudo sintetizado que deambula em redor dele e pelo modo como evoluem os restantes arranjos percussivos, num resultado final eloquente, algo etéreo e contemplativo e de elevada amplitude e luminosidade.

Todos estes ingredientes acabam por se repetir noutras canções, resultando num disco que faz uma espécie de mescla entre aquele rock contemporâneo que não precisa de rasgar para se impôr e o melhor retro e vintage que a pop contém na sua herança identitária e que teve a penúltima década do século passado como período mais feliz. O modo como o repetitivo refrão da lo fi Never Never Never abraça o céu e a terra sem se perceber onde termina e acaba essa copúla, ou o modo luxuriante como o baixo e o sintetizador se unem ao tom grave da voz em What Do You Say When I’m Not There?, aprofundam ainda mais a filosofia estilística deste Dead Head Control, um registo que induz no catálogo de Baio novas e inéditas matrizes, precisando por parte deste a sua singular definição da pop que, juntando rock e eletrónica, não renega o rico passado que o músico cresceu a ouvir, mas que em vez de manter em campos estanques, prefere conjugar, não como se fossem água e azeite, mas antes leite e café que, na dose certa, podem tocar-se, envolver-se, dissolver-se e emocionar-nos sem haver fronteiras claras, nessa simbiose, relativamente a cada um dos dois territórios referidos. Espero que aprecies a sugestão...

Baio - Dead Hand Control

01. Dead Hand Control
02. Endless Me, Endlessly
03. What Do You Say When I’m Not There?
04. Dead Hand
05. Take It From Me
06. Caisse Noir
07. Never Never Never
08. O.M.W.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:10

Cayucas – Blue Summer

Segunda-feira, 07.12.20

Já está nos escaparates Blue Summer, o quarto disco da banda Cayucas, um projeto sedeado em Santa Mónica, na Califórnia e liderado pelos gémeos Zach e Ben. Blue Summer é mais um retrato feliz de uma Califórnia cheia de sol, praias e pessoas que vivem algo alienadas do mundo real, por mergulharem constantemente nas ondas salgadas de um pacífico que estabelece pontes com uma costa oeste cheia de oportunidades e todo aquele conforto que o capitalismo pode oferecer, com Hollywood a ser, de certo modo, o expoente máximo deste modo de viver tão exuberante e frenético.

Cayucas brings the perfect summer to the quarantined on “Malibu '79 Long” -  Grimy Goods

De facto, o ao quarto registo de originais, os irmãos Zach e Ben mantêm-se na senda de uma pop ensolarada. São oito canções que, tendo sempre o verão da costa oestye como grande força motriz, nos oferece diferentes experiências e sensações bastante impressas com detalhe nas mentes dos autores. Se em Malibu' 79 é a areia escaldante das praias da costa que banha o pacífico que é exaltada, já California Girl oferce-nos uma ode divertida aos sensuais biquinis que as preenchem. O receituário é homogéneo, num disco que vai fazendo-se de guitarras beliçosas e repletas de efeitos de forte pendor vintage, algumas linhas de piano insinuantes e uma bateria com aquele ritmo sessentista inconfundível, tudo acomodado por um baixo amiúde deslumbrante. Mesmo quando a acusticidade ganha a primazia, como nas cordas de Lonely Without You, e no twist de Red-Yellow Bonfire, há sempre um tempero rock ensolarado que persiste, com os Beach Boys à cabeça de uma trama influencial que é bastante específica e que está bem balizada.

Blue Summer é uma experiência divertida e nostálgica de um mundo diferente do nosso, visto pelos olhos de uma dupla que certamente procura, através da música, fazer refletir aquela luz que não se dispersa e que ilumina as suas memórias, sem serem demasiado complicados no momento de criar sons e melodias que revivem um passado feliz, fazendo-o com canções que fluem naturalmente e, em alguns momentos, transmissoras daquela felicidade incontrolável e contagiante que todos nós procuramos. Espero que aprecies a sugestão...

Cayucas - Blue Summer

01. Yeah Yeah Yeah
02. Malibu ’79 Long
03. California Girl
04. Lonely Without You
05. Red-Yellow Bonfire
06. From The Rafters
07. Champion Of The Beach
08. Summer Moon

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:45

EELS – Earth To Dora

Sexta-feira, 30.10.20

Dois anos depois do excelente registo The Deconstruction, os Eels de E. (Mark Oliver Everett), Kool G Murder e P-Boo regressam hoje mesmo aos lançamentos, no penúltimo dia de outubro deste ano em que se comemoram duas décadas da edição do belíssimo clássico do grupo Daisies Of The Galaxy. O décimo terceiro e novo disco dos Eels intitula-se Earth To Dora e foi gravado no estúdio da banda em Los Feliz, na Califórnia, tendo as sessões de composição e de gravação começado ainda antes do atual período pandémico.

Mark Everett Shares What Went Into Making EELS Latest, 'Earth to Dora'

Em pleno processo de restabelecimento de uma profunda crise de meia idade provocada por três décadas de intensa atividade musical, quase ininterrupta, que o fizeram atingir um profundo desgaste quer físico, quer emocional, levando-o a uma espiral depressiva que o fez perder a sua segunda esposa, uma senhora escocesa que lhe deu o seu primeiro filho em mil novecentos e dezassete, Mark Everett, que usa óculos desde que foi atingido por um laser num concerto dos The Who nos anos oitenta, viveu a sua vida sempre habituado a conviver com a tragédia na sua vida pessoal e a superar eventos nefastos. Tudo começou em mil novecentos e oitenta e dois com a morte por ataque cardíaco do pai, o famoso físico Hugh Everett,  na altura profundamente deprimido por nunca ter conseguido que a sua teoria sobre física quântica fosse aceite no meio científico. Década e meia depois aconteceu o suícidio da irmã Elizabeth em mil novecentos e noventa e seis e a partida da sua mãe, Nancy Everett, devido a um cancro, meses antes do lançamento do espetacular registo Electro-Shock Blues, (1998), disco que se debruça de modo particularemtne impressivo sobre esta espiral de eventos marcantes da vida de Mr E., que ainda teve mais um capítulo no onze de setembro de dois mil e um qundo num dos aviões que foi desviado contra o Pentágono seguia a sua prima Jennifer Lewis Gore.

Earth To Dora marca não só o regresso de Mark Everett à vida ativa na profissão que escolheu e com uma clarividência ímpar, depois da sua própria quarentena, mas também funciona, tendo em conta o conteúdo das doze canções que compôem o seu alinhamento, como um atestado da sua alta clínica, o documento sonoro que confirma o seu regresso em pleno e completamente revigorado ao universo da escrita e composição de canções que, por sinal e como é sabido por todos, são sempre intensamente pessoais e profundas, tratando de temas como a morte, transtornos mentais, a solidão e o amor. O clima geral deste trabalho e o adn lírico do mesmo não fogem, de certa forma, a esta permissa mas, na minha opinião, é um facto que os Eels não lançavam um álbum tão luminoso e otimista desde o já referido Daisies Of The Galaxy.

De facto, se Mr E. gosta de surpreender e consegue sobreviver no universo indie rock devido à forma como tem sabido adaptar os Eels às transformações musicais que vão surgindo no universo alternativo sem que haja uma perca de identidade na conduta sonora do grupo, Earth To Dora mantém-no, nesse aspecto, num nível muitíssimo acima da simples tona da água, tal é o grau qualitativo sentimental deste registo, que instrumentalmente é intenso e melodicamente orelhudo. Tal sucede porque o disco assenta num formato eminentemente pop rock lo fi de elevado travo blues, um clima geral ditado pela orgânica distorção metálica da guitarra e dos arranjos das teclas e de outras cordas, como violinos ou o banjo, de forte índole melancolica e introspetiva, um efeito ampliado por uma percurssão sempre bastante aditiva. Enquanto isso, canção após canção, somos presenteados com belíssimos poemas, quase todos sobre o amor e as múltiplas facetas que ele pode ter, desde o irónico ao depressivo, passando pelo falso e o mais puro e genuíno, sempre com o seu último casamento muito presente e tudo aquilo que de revigorante e nefasto lhe ofereceu enquanto durou e que ficou para smepre carimbado no músico com a descendência que dele resultou (I learned the hard way to be prepared and given the options, I’d rather be alone).

O timbre vocal inédito de Everett é o remate final de um registo que no rock colegial de The Gentle Souls, no clima blues faustoso de Are You Fucking Your Ex, na íntimidade despojada de Dark And Dramatic ou na destreza folk de Baby Let’s Make It Real, prova que merece fazer parte do pódio dos melhores álbuns de uma vasta e gloriosa carreira de um dos melhores e mais peculiares grupos de rock alternativo da nossa contemporaneidade. Espero que aprecies a sugestão...

EELS - Are We Alright Again

01. Anything For Boo
02. Are We Alright Again
03. Who You Say You Are
04. Earth To Dora
05. Dark And Dramatic
06. Are You Fucking Your Ex
07. The Gentle Souls
08. Of Unsent Letters
09. I Got Hurt
10. OK
11. Baby Let’s Make It Real
12. Waking Up

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:58

Local Natives – Sour Lemon EP

Sexta-feira, 23.10.20

Ano e meio depois do excelente registo Violet Street, um dos preferidos desta redação do catálogo de dois mil e dezanove, os norte-americanos Local Natives de Taylor Rice estão de regresso com um EP intitulado Sour Lemon, gravado logo após as sessões finais de Violet Street com o produtor Chris Coady e que tem a chancela do selo Loma Vista.

Local Natives share “Lemon” featuring Sharon Van Etten | lab.fm

Novidades dos Local Natives são sempre de saudar efusivamente. E quando trazem na bagagem participações especiais de nomes como Sharon Van Etten, então o regozijo torna-se ainda mais audível e justificado. De facto, as quatro canções de Sour Lemon aprimoram ainda mais o habitual patamar instrumental arrojado deste quinteto californiano, mantendo-se a excelência nas abordagens ao lado mais sentimental e frágil da existência humana, traduzida em inspirados versos e a formatação primorosa de diferentes nuances melódicas numa mesma composição, duas imagens de marca do projeto.

Sour Lemon EP convida-nos a penetrar no seu âmago à boleia de Lemon, um portento de melancolia e acusticidade, desenhado com uma viola de elevado pendor clássico, enleada por arranjos de cordas de diferentes proveniências e com diversas tonalidades e por um registo vocal ímpar de ambos os intervenientes, Rice e Van Etten, que encaixam na perfeição. Depois, os seguidores mais puristas do grupo ficarão certamente deliciados com o ambiente deslumbrante, luminoso e efervescente de Statues In The Garden (Arras), uma composição que começou a ser incubada na cidade francesa de Arras e que ganhou a sua roupagem final já no lado de lá do atlântico, uma canção que nos mostra os Local Natives soterrados em variadas emanações sumptuosas e encaixes musicais sublimes, como é apanágio do seu adn. Para o ocaso, se Lost não engana no modo como, etereamente, pisca o olho a ambientes mais nebulosos e jazzísticos, sem descurar uma leve pitada de R&B, já Future Lover tem o condão de nos fazer levitar e nos dar aconchego, através de um espírito interpretativo intenso e charmoso, onde se destaca o timbre metálico de uma divagante guitarra que contradiz na perfeição um registo percurssivo hipnótico, num resultado final de forte cariz pop.

Uma das grandes virtudes destas quatro novas canções dos Local Natives tem a ver com o facto de se sustentarem numa calculada complexidade, aliada a uma inspirada riqueza estilística, aspectos que fazem muitas vezes parecer que uma mesma composição dos Local Natives resulta de uma colagem simbiótica de diferentes puzzles com tonalidades e características diferentes. E estes dois aspetos peculiares marcam, claramente, um EP de enorme beleza e que merece ser apreciado com cuidado e real atenção, deixando bastante água na boca relativamente a um próximo longa duração deste grupo ímpar no panorama indie atual. Espero que aprecies a sugestão...

Local Natives - Sour Lemon

01. Lemon (Feat. Sharon Van Etten)
02. Statues In The Garden (Arras)
03. Lost
04. Future Lover

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:35

Local Natives - Lemon (feat. Sharon Van Etten)

Segunda-feira, 19.10.20

Ano e meio depois do excelente registo Violet Street, um dos preferidos desta redação do catálogo de dois mil e dezanove, os norte-americanos Local Natives de Taylor Rice estão de regresso com um novo EP intitulado Sour Lemon, gravado logo após as sessões finais de Violet Street com o produtor Chris Coady e que terá a chancela do selo Loma Vista.

Sharon Van Etten Joins Local Natives On New Song "Lemon": Listen - Stereogum

Como certamente os leitores mais atentos deste espaço se recordam, há quase um mês divulgámos o ambiente deslumbrante, luminoso e efervescente de Statues In The Garden (Arras), uma composição que começou a ser incubada na cidade francesa de Arras e que ganhou a sua roupagem final já no lado de lá do atlântico. Essa composição fará parte do alinhamento de Sour Lemon, juntamente com Lemon, a mais recente canção divulgada pelos Local Natives e que conta com a participação especial de Sharon Van Etten, ultimamente ocupada a criar versões de clássicos dos Nine Inch Nails.

Lemon, um portento de melancolia e acusticidade, desenhado com uma viola de elevado pendor clássico, enleada por arranjos de cordas de diferentes proveniências e com diversas tonalidades, e por um registo vocal ímpar de ambos os intervenientes, que encaixam na perfeição, já tem direito a um vídeo dirigido por Kenny Laubbacher e que mostra Rice e Van Etten passeando em margens opostas do Rio Los Angeles. Confere LemonStatues In The Garden (Arras) e a tracklist de Sour Lemon...

Local Natives - Lemon

01 Lemon (Feat. Sharon Van Etten)
02 Statues In The Garden (Arras)
03 Lost
04 Future Lover

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 13:14

Widowspeak – Plum

Segunda-feira, 28.09.20

É na insuspeita Captured Tracks que se abrigam os Widowspeak, projeto sedeado em Brooklyn, Nova Iorque e que flutua abrigado pela incrível e criativa química que se estabeleceu há já uma década entre a cantora e escritora Molly Hamilton e o guitarrista Robert Earl Thomas, dois músicos com raízes em Tacoma e Chicago, mas estabelecidos na cidade que nunca dorme há já algum tempo. Com já vários extraordinários discos em carteira, estão de regresso com Plum, o quinto álbum, um alinhamento que foi gravado e co-produzido com a preciosa ajuda de Sam Evian (Cass Mccombs, Kazu Makino) e misturado por Ali Chanbt (Aldous Harding, Perfume Genius, PJ Harvey).

Plum is More Organic for Widowspeak - 2SER

Os Widowspeak começaram por alimentar a carreira à sombra daquela pop de finais dos anos oitenta muito sustentada por elementos sintetizados, mas não restam dúvidas que foi nas construções musicais lançadas há cerca de três décadas que melhor navegaram, nomeadamente a dream pop e a psicadelia sessentistas. Agora, em Plum, os Widowspeak acrescentam ao seu catálogo elementos sonoros mais atuais, fazendo-o através de uma simbiose muito particular e caraterística entre um baixo pulsante, guitarras com um timbre encharcado em brilho e sintetizadores minuciosamente apetrechados com diversas camadas melodicas, em deterimento dessa identidade puramente vintage que marcou os registos anteriores. E fazendo-o, viajam pela ansiedades típicas da nossa contemporaneidade, ironizando sobre temas tão díspares como o poder financeiro e o modo como nos domina, mas também sobre o amor na era digital. Money, canção com um forte cariz bucólico, assente em faustosas cordas vibrantes, tal como sucede com o tema homónimo do disco, é o exemplo mais impressivo deste propósito analítico, uma composição feita de uma enorme sensibilidade melódica assente em esplendorosas cordas e nos arranjos típicos da folk sulista norte americana. Mas o modo como a temática do pânico é abordada em Even True Love, curiosamente um tema luminoso e otimista, alinhado num andamento rítmico marcial que nunca definha e acamado por um baixo que acolchoa a doce e campestre voz de Hamilton, a descrição do dia a dia de alguém que trabalha arduamente enquanto anseia por uma relação amorosa na sua vida, em Breadwinner e a reflexão profunda sobre o modo como vivemos quase toda a nossa vida adulta absorvidos pelo dever, no já referido tema homónimo, são também exemplos particulares de um disco que quer, em suma, alertar cada um de nós para o modo como o nosso trabalho nos pode sustentar, mas também matar, nem que seja metaforicamente. O tempo é o nosso bem mais precioso e desperdiçamos uma enorme fatia daquele que a vida nos oferece com as nossas obrigações laborais.

Com uma sobriedade e um polimento que se saúdam, os Widowspeak já não conseguem escapar de uma maior aproximação ao grande público com este Plum, um álbum que sai airosamente do risco que contém e que se define numa nova proposta instrumental e lírica, conforme já foi descrita e que, propositadamente, ou não, vai de encontro ao movimento atual que resgata de forma renovada as principais marcas e particularidades sonoras de décadas anteriores, mas sem deixar de acrescentar e incuir a esse referencial retro toques de modernidade. Em Plum, a beleza e qualidade desta transformação e desta espécie de recomeço, coloca a dupla num plano qualitativo superior, com a crítica capitalista dos Widowspeak a ser um notável espelho do caos que permeia o nosso ritmo diário; comprar, vender e fazer. Espero que aprecies a sugestão...

Widowspeak - Plum
01. Plum
02. The Good Ones
03. Money
04. Breadwinner
05. Even True Love
06. Amy
07. Sure Thing
08. Jeanie
09. Y2K

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:16

Stephen Malkmus – Juliefuckingette

Sexta-feira, 25.09.20

O ex-Pavement Stephen Malkmus continua a construir um inatacável percurso que cobre de alegria todos os apreciadores do verdadeiro e clássico rock n'roll. Se em dois mil e dezoito nos ofereceu o excelente registo Sparkle Hard, o ano passado piscou o olho a territórios mais sintéticos à boleia de Groove Denied e, já este ano, abraçou a folk à boleia de Traditional Techniques. De facto, é muita música em três anos, mas a fonte parece ser inesgotável, já que o músico natural de Santa Mónica, na Califórnia, acaba de revelar uma nova canção intitulada  Juliefuckingette.

Stephen Malkmus Shares New Song 'Juliefuckingette' & Announces Rescheduled  Tour Dates

Esta nova canção de Stephen Malkmus encontra a sua génese nas sessões de gravação de Traditional Techniques. É uma composição inspirada no clássico Romeu e Julieta de Shakespeare, mas encharcada em sarcasmo e ironia, devido a uma letra com um elevado sentido de humor e descontração (Abolish the fanfiction set, I don’t wanna clean up the Lagaria mess, It’s the last brand standing,You know you wanna kill it but you can’t kill that quite yet). Sonoramente, é uma canção feita com uma melodia aditiva, comandada pela viola acústica de doze cordas que é já imagem de marca de Malkmus, assentando concetualmente na mesma folk intimista, nostálgica e algo boémia que marcou o conteúdo de Traditional Techniques. Confere...

Stephen Malkmus - Juliefuckingette

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 13:17






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon -Programa 422


Disco da semana 114#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Abril 2021

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.