Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2016

Booby Trap - Overloaded

Os aveirenses Booby Trap de Pedro Junqueiro, Pedro Azevedo, Carlos Ferreira e o novo baterista Hugo Lemos, já têm sucessor para Survival, o excelente disco que lançaram no final de 2013. Overloaded é o nome do novo registo de originais do quarteto e parecendo que mal passaram cerca de três anos desde o disco de estreia, é claramente evidente o progresso evidenciado pelo quarteto, algo claramente plasmado neste segundo trabalho, que em pouco mais de meia hora nos oferece uma verdadeira obra-prima de crossover thrash, um género musical que surgiu nos anos oitenta e que se define pela mistura entre o hardcore punk e o trash metal. Recordo que enquanto o trash metal nasceu quando parte da cena metal incorporou influências vindas do hardcore punk, o crossover thrash nasceu pelo caminho inverso, quando as bandas hardcore punk passaram a metalizar a sua música.

14215541_1279572288739674_766083928_o.jpg

Editado pela Firecum Records, Overloaded contém, desde logo, uma personalidade e uma amplitude sonora mais agressiva, no bom sentido, num alinhamento mais eclético que o antecessor e com a cereja de se ter também ampliado a técnica e o apuro interpretativo, quer instrumental quer vocal, com a percussão a ser o aspeto em que isso mais se nota, já que o Hugo Lemos, fazendo jus ao posto que lhe foi designado, demonstra enorme criatividade e competência e trouxe, claramente, um novo ânimo para a banda.

O álbum impressiona logo pouco depois do início com o tema homónimo, feito de guitarras bem elaboradas, uma bateria impecável no modo como transmite alma e robustez e a voz inconfundível de Pedro Junqueiro a mostrar-se irreprensível no modo com replica os inconfundíveis traços deste género sonoro, sem deixar de se mostrar afinada e particularmente melodiosa. Em seguida, Fuck Off And Die retoma a nítida influência da escola thrash do final dos anos oitenta, ou seja, suja, rápida e com solo de guitarra requintado, para depois chegar Bloody Mary, canção que faz uma espécie de síntese perfeita de todo o legado dos Booby Trap, também plasmada na renovada versão do tema que dá nome ao quarteto. Já agora, merece igualmente audição atenta e dedicada a cover de Beber até Morrer, um dos momentos altos do cardápio dos míticos Ratos de Porão e até ao ocaso de Overloaded é impossível ficar indiferente ao riff da guitarra de Drunkenstein, uma canção repleta de ironia e simbolismo, duas das imagens de marca mais vincadas desta banda aveirense.

Em Overloaded os Booby Trap mostram-se tremendamente inspirados, passam com distinção o sempre difícil teste do segundo disco, transpiram uma enorme união e uma superior cumplicidade entre todos os músicos e deixam percetível, ao longo do alinhamento, todas as influências que trazem de muitos anos de estrada e um maior rigor interpretativo, mas sem perderem a originalidade e aquela irreverência que tão bem os carateriza. Espero que aprecies a sugestão... 

1. Bring It to the Mosh Pit
2. Overloaded 03:00  
3. Fuck Off and Die! 02:40  
4. Bloody Mary 04:36  
5. Nightmare (Go Away) 03:35  
6. Vulgar Display of Semen 00:37  
7. One of Us Is Dead 03:06  
8. Von Beer 01:40  
9. Drunkenstein 03:16  
10. Booby Trap 2.0 03:06  
11. Carved in My Bones 02:57  
12. Beber até Morrer (Ratos de Porão cover) 02:05  
13. The Boat Is Full 01:44  
14. Time for My Meds 02:48  
15. Manifesto


autor stipe07 às 22:55
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 30 de Maio de 2015

Noiserv @ Castelo de Paiva

Uma das mentes mais brilhantes e inspiradas da música nacional chama-se David Santos e assina a sua música como Noiserv. Vindo de Lisboa, Noiserv trará na bagagem um compêndio de canções que fazem parte dos EPs  56010-92 e A Day in the Day of the Days , dos álbuns One Hundred Miles from Thoughtless e Almost Visible Orchestra e do DVD Everything Should Be Perfect Even if no One's There, uma já assinalável discografia, ímpar no cenário musical nacional, de um artista que trouxe uma nova forma de compôr e fazer música e que gosta de nos deixar no limbo entre o sonho feito com a interiorização da cor e da alegria sincera das suas canções e a realidade às vezes tão crua e que ele também sabe tão bem descrever.

No próximo dia dezanove de junho, Noiserv estará em Castelo de Paiva, no auditório municipal, a partir das 21:30, para nos embalar com os seus acordes, num espetáculo organizado em parceria por este blogue, a Academia de Música de Castelo de Paiva, a Rádio Paivense FM e a Câmara Municipal de Castelo de Paiva.

Este espetáculo servirá também para homenagear Sérgio Vieira, uma figura incontornável do universo musical paivense, que recentemente nos deixou e que era leitor assíduo deste blogue, além de um grande fã de Noiserv e da sua música.

Os bilhetes, com um preço único de 5 euros e limitados a uma lotação de duzentos lugares, podem ser já adquiridos através do contacto 962751689, nas instalações Rádio Paivense, no Posto de Turismo local, no Café Central ou, caso ainda existam disponíveis no dia do concerto, na bilheteira do Auditório Municipal. Oportunamente serão divulgados mais locais de venda.

Contamos com a tua presença numa noite que será certamente muito bonita e inesquecível! Para já, fiquemos com uma pequena amostra do que poderá ser este concerto único...


autor stipe07 às 16:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 9 de Janeiro de 2015

Cityspark - Violet

Formados a 1 de Dezembro de 2008 entre Castelo de Paiva e Cinfães, os Cityspark abraçaram, de acordo com a banda, o desafio a novas sonoridades que passam pelo rock, a pop e o indie. Começaram por gravar, em 2009, o EP Made In Cityspark e um ano depois regressaram ao estúdio para gravar um novo tema intitulado Butterfly. Agora, alguns anos depois e após muitas dores de cabeça de persistência, de concertos realizados mas, acima de tudo, muita vontade de cumprir um dever realizado, chegou aos escaparates Violet, o primeiro longa duração da banda.

Violet foi gravado nos estúdios Replay Studios, produzido por Mário de Sá e a própria banda e já teve direito a um concerto de apresentação em Castelo de Paiva, que contou com a presença de diversos convidados especiais, estando a decorrer em bom ritmo a promoção do disco.

Independentemente do estado atual daquele indie rock de cariz mais alternativo e que aposta no revivalismo de outras épocas, nomeadamente os primórdios do punk rock mais sombrio que fez furor nos finais da década de setenta e início da seguinte, com nomes com os Joy Division, The Chameleons, ou os Cure à cabeça, o género nunca foi particularmente desenvolvido por cá, apesar do sucesso de algumas bandas nos anos oitenta, que se destacaram confessando essas influências e que, agregadas a esse estigma, procuraram também evoluir, nos trabalhos seguintes, para outras sonoridades e para a exploração de diferentes territórios sonoros.

Duas décadas depois, os Cityspark contêm no seu alinhamento músicos que sempre se mostraram expansivos e claro no modo como confessaram uma profunda devoção por essas referências fundamentais, mas Violet é um sinal claro que, se estes quatro músicos se orgulham dos atalhos e das rotas convergentes e divergentes com as suas preferências pessoais que já exploraram, também querem quebrar o enguiço de quem insiste em querer catalogar com injusto menosprezo alguns instantes discográficos de determinados projetos, afirmando que procuram apenas perceber zonas de conforto. Os Cityspark não renegam as suas raízes, mas também procuram romper com as mesmas e, de modo incisivo, alargar os horizontes até um presente que no universo do rock alternativo, aposta cada vez mais na eletrónica, mesmo que, para este quarteto seja essencial apostar em guitarras angulares, feitas de distorções e aberturas distintas e num baixo cheio daquele groove punk, com a bateria a colar todos estes elementos, com uma coerência exemplar.

Violet são, portanto, onze canções dominadas pelo rock festivo e solarengo, mas onde a eletrónica tem também uma palavra importante a dizer, já que, apesar do papel fundamental da guitarra na arquitetura sonora dos temas, os sintetizadores conduzem também o processo melódico, de modo a replicar uma sonoridade que impressiona pelo equilíbrio perfeito entre a contemporaneidade e um certo charme vintage.

O primeiro single retirado de Violet chama-se Sun Will Shine e o vídeo da canção já pode ser visto e partilhado por todos nas redes sociais. A canção é uma belíssima composição envolvida numa psicadelia luminosa, fortemente urbana, mística, mas igualmente descontraída e jovial, mas não o único grande destaque deste excelente disco; Os riffs de guitarra harmoniosos e a percurssão vincada de Come On e, principalmente, de Everybody, o meu tema preferido do disco, abrem-nos uma janela imensa de luz e cor e se, mais adiante, em Ugly Man, os Cityspark nivelam com elevada bitola qualitativa as suas experiências eletrónicas, em Why Have You Forgotten Me? o jogo de sedução que se estabelece inicialmente entre o orgão e a bateria, acaba por chamar a atenção da guitarra, que pouco depois junta-se e todos mostram como as belas orquestrações podem viver e respirar lado a lado e harmoniosamente com distorções e arranjos mais agressivos. Este quinto tema do alinhamento de Violet atravessa o atlântico para o lado de cá, vindo dos subúrbios de Brooklyn até aquela assumida pompa sinfónica e inconfundível e que nunca descurava as mais básicas tentações pop e que também fez escola no cenário indie britânico na década de noventa.

A busca de diferentes ambientes e a capacidade dos Cityspark em abarcar um leque aprofundado de referências fica também plasmada nos efeitos e no fuzz das guitarras de  People Say e Run To The Lady, mais dois temas do disco que merecem audição cuidada. Em ambos, os Cityspark piscam o olho descaradamente ao rock progressivo mais enérgico e ao indie rock dançável e anguloso nova iorquino e à energia do punk que se alia com alguns laivos de eletrónica que, neste caso, casaram impecavelmente com a voz, que, já agora, ao longo do disco evidencia uma elevada elasticidade e a capacidade de reproduzir diferentes registos e dessa forma atingir um significativo plano de destaque. Everybody é um tema essencial para se perceber a capacidade do vocalista em atravessar diferentes picos de tonalidade sem colocar em causa a firmeza e a visceralidade que as distorções a vertente lírica exigem e o jogo de vozes que se estabelece em Ugly Man, assim como os efeitos em eco de Come On também atestam o elevado nivel do registo vocal de Violet.

Com onze canções com uma sonoridade impar, em Violet é possível absorver a obra como um todo, mas entregar-se aos pequenos detalhes que preenchem o trabalho é outro resultado da mais pura satisfação, como se os Cityspark quisessem projetar inúmeras possibilidades e aventuras ao ouvinte em cada canção do alinhamento. Conforme me confessaram na entrevista que podes conferir abaixo, este disco é para ser consumido de forma agradável e fluente e sem pressões, para que o desejo de carregar novamente no play seja uma realidade. Espero que aprecies a sugestão...

Depois de terem começado a carreira em 2008 e terem editado um EP logo no ano seguinte, porque é que foi preciso esperar tanto tempo para ver a luz do dia o primeir longa duração?

Na realidade boa parte deste álbum já tinha sido gravado em 2013 mas depois de ouvirmos achamos que não reunia as condições necessárias para ser lançado, juntando a tudo isso o facto de ser preciso alguma “capital” para o pôr ca fora. Tudo tem um custo e por vezes esse custo fica caro e quando não se tem apoios fica difícil mas não impossível e o resultado está à vista.

Violet parece-me um título fantástico para um disco de estreia e bastante apelativo. Sabe a uma espécie de grito de revolta colorido, uma daquelas entradas em grande no palco em início do espetáculo, de forma tão ruidosa que desperta logo o espetador mais incauto. É isso que vocês pretendem com o vosso trabalho de estreia? Causar um forte impacto? Como esperam que seja recebida a vossa música?

Evidente que todas as bandas por mais pequenas e anonimas que sejam tem como objectivo causar sempre impacto pela positiva e obvio que não fugimos a essa regra, o nome “violet” surge na simplicidade de querer “abrir” os olhos a quem de repente passa o olhar pela capa do nosso CD, e assim sendo pensamos que isso foi conseguido pelas várias críticas que nos foi feito relativamente ao “violet”. Esperamos que seja consumido pelas pessoas de forma agradável e fluente sem pressões e que o possas ouvir e no final dizer “tenho que ouvir de novo”. O que hoje em dia se passa é bem diferente disso, é meter a ferro e fogo nos ouvintes o que não se quer ouvir.

Quando confessam fazer música como forma de desafio a novas sonoridades que passam pelo rock, a pop e o indie. À medida que iam gerando Violet, preocuparam-se em experimentar e compor de acordo com as vossas preferências, ou também tiveram o foco permanentemente ligado na vertente mais comercial? No fundo, em termos de ambiente sonoro, o que idealizaram para o álbum inicialmente, correspondeu ao resultado final ou houve alterações de fundo ao longo do processo?

Tudo o que está no “violet” foi feito para nos satisfazer, existem músicas que sem dúvida gostamos mais que outras mas no geral foram e são da nossa preferência.
Quando se fala no “comercial” fala-se quase sempre de algo que agrada a 99% das pessoas e sim não temos problemas em assumir que queremos alcançar o máximo de ouvintes possíveis mas para isso não significa que tenhas que ser ridículo e fazer o tal “lixo “ comercial. Na fase de produção do álbum ouve músicas que entraram de uma forma e saíram de outra mas no final ficamos satisfeitos. Na banda existem músicos com varias preferências musicais e de certa forma ate se torna engraçado porque o que fazemos é juntar tudo e agradar a “gregos e a troianos” onde está presente o rock, pop, indie etc…

Sempre senti uma enorme curiosidade em perceber como se processa a dinâmica no processo de criação melódica. Numa banda com vários elementos, geralmente há sempre uma espécie de regime ditatorial (no bom sentido), com um líder que domina a parte da escrita e, eventualmente, também da criação das melodias, podendo os restantes músicos intervir na escolha dos arranjos instrumentais. Como é a química nos Cityspark? Acontece tudo naturalmente e de forma espontânea em jam sessions conjuntas, ou um de vocês domina melhor essa componente?

O processo criativo dos Cityspark é simples e creio que seja assim na maioria das bandas e porquê? Porque tem duas vertentes ou seja tanto podemos criar algo em dez, vinte minutos numa jam como andar um mês para finalizar algo já começado. Tanto podes fazer uma música para a vida nuns minutos como uma valente merda em meses, é como a veia criativa estiver. Mas na realidade o que acontece na maioria das vezes nas nossas composições é trabalho de casa onde eu (Hugo) e o Jorge temos um papel mais activo trazendo as musicas e letras e depois os arranjos são feitos no local de ensaio. Mas o importante de tudo isto é que seja Cityspark.

Liricamente, este disco deverá ser certamente resultado de experiências pessoais e da vossa percepção acerca daquilo que vos rodeia. No que diz respeito à escrita das letras, o que mais vos inspira? E, já agora, qual é a dinâmica da banda nesse aspeto?

As letras de facto são elaboradas em experiencias vividas mas nada de extermínios cerebrais onde a depressão e o fascínio pelas coisas negativas esteja presente, pelo menos por enquanto não são feitas nessa direcção. A parte lírica tem como base num simples gesto ou observação ou ate mesmo a preocupação em chamar atenção dos outros em fazer algo de interessante onde o amor e a fantasia estão presentes.

Violet foi produzido por vocês e por Mário de Sá. Como surgiu a possibilidade de trabalhar com uma verdadeira referência? Que peso teve no produto final?

Cruzamo-nos com o Mário num concurso e logo de início houve um interesse da parte dele em crer saber o que fazíamos e os projectos que tínhamos para o futuro, achamos que era uma boa oportunidade para trabalhar com alguém que já tinha passado pelo mesmo e o interesse foi crescendo por ambos ate que surgiu o “Violet”. Quando tens alguém que sabe o que queres é sempre fácil de alcançar certos objectivos e o Mário ajudou-nos muito a nível de aprendizagem e na construção musical. Foi como disse nas palavras acima referidas, houve musicas que entraram de uma forma e saíram de outra e isso chama-se pré produção onde ele teve de facto um papel fundamental.

Como estão a decorrer os concertos de apresentação do disco? E onde podemos ver os Cityspark a tocar num futuro próximo?

Logo após o lançamento do “violet” foram dados alguns concertos para a promoção do álbum onde tivemos convidados e amigos naquela que podemos chamar “a nossa festa”. Neste momento está ser feito todo um trabalho de marcação de concertos
onde brevemente a banda estará na estrada.

Para terminar, outra curiosidade… Quais são as três bandas atuais que mais admiram?

As bandas que mais admiramos é sempre muito complicado responder pois somos cinco músicos onde passa de tudo nos nossos ouvidos e onde os gostos são distintos, mas de uma forma mais simples podemos dizer as bandas que mais impacto tem na cena musical actual e de certa forma nos incentivam para continuarmos a fazer música. São elas, The Killers, The Editors,Coldplay, U2


autor stipe07 às 21:34
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 22 de Abril de 2013

Man On The Moon - EP1 (Everything Is New TV)

Além da versão rádio, na Paivense FM, o blogue Man On The Moon também já tem versão TV, na Everything Is New TV. O 1.º episódio acaba de ir para o ar e fala do álbum Help Me! dos suecos The Sweet Serenades. Confere...


autor stipe07 às 18:10
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 6 de Abril de 2013

Conheces os Booby Trap?

Uma das míticas bandas da década de noventa do universo punk, rock e e trash metal hardcore foram os Booby Trap. De acordo com a au biografia oficial, nasceram em 1993 na cidade de Aveiro e marcaram uma época com o seu som thrash metal/hardcore, apesar de misturarem outras influencias como o rock ou punk). Da sua formação original faziam parte Pedro Junqueiro (voz), Pedro Azevedo (guitarra), Miguel Santos (bateria) Nuno Barbosa (guitarra) e Ricardo Melo (baixo). 

Lançam a sua demo de estreia “Brutal Intervention”em 1994 e o split CD “Mosh It Up" em 1996 com as bandas brasileiras T.I.T. e Locus Horrendus entre várias outras aparições por diversas colectâneas.
Deram mais de uma centena de concertos, partilhando palcos com bandas de renome como Cruel Hate, Inkisição, Dorsal Atlantica, G.B.H., Cradle Of Filth, Gorefest, Grave, Hypocrisy, Moonspell, Primitive Reason, Hate Over Grown, Genocide, WC Noise, entre muitas outras. Os Booby Trap eram conhecidos por dar concertos muito poderosos em que a descarga de energia e a interacção com o público eram muito valorizadas. Tocaram em locais míticos do rock/metal em Portugal como o Johnny Guitar, Cave das Quimicas, Voz do Operario, C.T.S. De Celas ou o festival Penafiel Ultra Brutal. As suas letras mostravam uma forte opinião e critica de cariz social por entre laivos de humor negro.

Os Booby Trap foram pioneiros e deram a cara por um movimento musical desenvolvido na região que viria a ser conhecido a nível nacional como “Aveiro Connection. Após o seu prematuro desaparecimento em 1997, os seus elementos deram origem a varias outras bandas como Anger, Konk, Superego, Strange Airplane, Snowball e Wild Bull.

A boa notícia é que depois de no ano passado se terem reunido novamente para dois concertos de comemoração, contando agora com Carlos Ferreira no baixo, e depois de estas duas actuações terem sido muito bem recebidas por parte do publico e após constatarem que a vontade de continuarem a tocar juntos, deicidiram dar continuidade á sua actividade como banda e estão a preparar um novo EP. Enquanto esse trabalho não chega convido-te a fazeres o download gratuito de uma antologia da banda, relativa ao seu percurso na década de noventa, uma coletânea disponível no bandcamp dos Booby Trap. Confere...



autor stipe07 às 22:24
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 16 de Fevereiro de 2013

Sigur Rós, Coliseu do Porto (13.02.13)

Brosandi

Hendumst í hringi
Höldumst í hendur
Allur heimurinn óskýr
Nema þú stendur

Rennblautur
Allur rennvotur
Engin gúmmístígvél
Hlaupandi inn í okkur
Vill springa út úr skel

Vindurinn
Og útilykt af hárinu þínu
Ég anda eins fast og ég get
Með nefinu mínu

Hoppípolla
I engum stígvélum
Allur rennvotur (rennblautur)
I engum stígvélum

Og ég fæ blóðnasir
En ég stend alltaf upp

Og ég fæ blóðnasir
Og ég stend alltaf upp


autor stipe07 às 14:31
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2013

Carnaval é Sorte Tribal.

Como é carnaval, o samba é a banda sonora do dia. E todos precisamos, diariamente, de sorte. Fica o Samba Enredo do Grupo de Samba Tribal, A.R.C de Estarreja, em modo É Fartar, Vilanagem. Sorte para eles hoje...


autor stipe07 às 18:36
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 12 de Julho de 2012

Flyer

Flyer Man On The Moon vs Paivense FM (99.5).

design by Ana Lopes.


autor stipe07 às 15:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 18 de Maio de 2012

Man On The Moon - Radio version.

Conheces a Paivense FM?

Estreia amanhã, dia 19 de maio, à meia noite (de sábado para domingo), o programa Man On The Moon, a versão rádio deste blogue. Arriscas?! Mais informação no Facebook de Man On The Moon.

Clica aqui para abrir o Media Player
 

Como é natural, estou muito entusiasmado com esta nova etapa de vida de um blogue com quatro anos de história, um percurso enriquecedor sempre em prol desta minha grande paixão que é a música, na sua vertente mais alternativa.

A Nova Paivense FM é uma rádio muito importante na região de origem, com um longo e válido historial no panorama das rádios locais nacionais e hoje dirigida por pessoas amigas, competentes, dedicadas e com uma enorme abertura para apoiarem novos e diferentes projetos e acolherem pessoas que queiram, responsavelmente, assumir a vontade de fazer rádio. Assim, desde já e para eles, o meu profundo agradecimento público pela oportunidade.

Espero que quem ouvir o programa aprecie o conteúdo e, como nunca fiz rádio e pretendo evoluir de emissão para emissão, agradeço todas as críticas, comentários e sugestões que posteriormente dirigam. Será muito importante para o futuro do programa o feedback de todos, em relação a este grande passo...


autor stipe07 às 13:23
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011

R.E.M. Gone Wrestling...

Ontem, dia 21 de setembro, os R.E.M. anunciaram ao mundo o fim de uma grande aventura com mais de 30 anos no site oficial da banda. Estava sentado no sofá de casa a ouvir a primeira faixa de Rumspringa, o disco mais recente do projeto Canon Blue, quando oportal Stereogum, através da rede social Facebook, surgiu-me perante o olhar com uma atualização onde se lia R.E.M. quits. Muito sinceramente, tenho uma dificuldade imensa em descrever o que senti naquele preciso momento, o enorme vazio que instantaneamente se apoderou de mim! Fiquei sem vontade nenhuma de abrir o link e ler o conteúdo e senti uma necessidade imensa de abrir bem os meus olhos e respirar fundo para não me deixar abater emocionalmente pelo que iria ler. Carreguei então no dito link que de imediato me remeteu para o comunicado oficial da banda e que ontem transcrevi neste blogue.

À medida que os anos vão passando, crescemos, a nossa vida evolui e avança, passamos por experiências boas e amargas e, se tudo for correndo bem, atingimos sonhos e objetivos. E ao longo dessa caminhada há sempre marcas, pessoas, circunstâncias e factos da nossa vida, ideias, sonhos e desejos que nos acompanham e marcam a nossa identidade, como se fossem um carimbo ou uma tatuagem invisivel, que não se vê, mas que nós e os que connosco convivem sabem que existe e que está lá. E os R.E.M. são, sem a mínima hesitação, uma marca na minha vida, um descritor essencial da minha identidade, algo indissociável da meu eu enquanto pessoa, doa a quem doer, como sabem todos aqueles que porventura me conhecem minimamente e possam estar a ler este texto.

Poderá haver quem me ache demasiado sentimental e lamechas (só eu sei o quanto algumas músicas dos R.E.M. contribuiram ao longo da minha vida para alimentar esta marca da minha personalidade) em determinados momentos e situações da minha existência; Neste facto concreto, o fim dos R.E.M. enquanto banda, tenho todo o direito de o ser e de extravasar a minha imensa mágoa, exatamente porque eles são, como referi, uma caraterística essencial da minha identidade!

Sei que pode haver quem ache um exagero falar assim, mas sinto que ontem perdi um bom amigo e que ele deixou um vazio cá dentro que ninguém (neste caso uma banda) poderá colmatar! Foi como se tivesse deixado de ter ao meu lado um ser que estava sempre ali, que me ouvia quando colocava um disco deles a tocar, com quem falava nos meus passeios e viagens, nos meus momentos de solidão e mais pessoais e por quem esperava avidamente por notícias e novidades! Agora ficam-me apenas as recordações desse amigo, na vasta discografia que guardo lá em casa, como se fossem cartas que me escreveu e me deixou para eu ler sempre que queira!

Não há neste momento aquele sentimento de luto até porque hoje já sorri imenso por causa dos R.E.M.. Mas a tristeza invade-me e não tenho vergonha de o confessar! No fundo e dentro do orgulho que sinto por eles, confesso que entendo a escolha que fizeram e como até, neste momento final, conseguiram manter a sua integridade intata.
Musicalmente, acompanharam-me desde a minha infância, os seus álbuns foram fundamentais na minha formação pessoal e, tal como tantos outros fãs que conheço, foram juntamente com os Radiohead e os Sigur Rós a banda que até hoje mais me marcou.
Quando, em 1989, vi pela primeira vez na RTP 2 os videos de The One I Love e Stand, colaram-se logo no meu ouvido e no meu ser, numa época em que ainda não havia internet ou cds e tinha-se de fazer figas para conseguir visualizar de novo algo que nos marcasse devido à inexistência do youtube. Um tempo em que encontrar uma cassete dos R.E.M. obrigava a uma viagem de comboio ao Porto e a uma procura exaustiva em lojas que hoje, infelizmente , já não existem. Recordo-me, como se fosse ontem, da excitação que senti quando comprei o Automatic For The People em 1992, numa loja de discos que conhecia de fio a pavio, no centro comercial Oita em Aveiro e depois desse, sempre essa mesma excitação enorme e feliz que palpitava cá dentro, por saber que iria explorar, descobrir e ouvir os outros catorze, além dos DVD's, coletaneas e cd singles que fui adquirindo ao longo de quase vinte anos. Esse disco é hoje um marco decisivo na minha existência, um dos meus objetos mais valiosos, o número um de uma coleção musical física felizmente já extensa e da qual me orgulho.
Os R.E.M. pontuaram toda a minha vida pessoal, serviram de banda sonora para vários momentos lindíssimos (tenho, na minha cabeça, vários vídeos pessoais que eu próprio filmei de algumas músicas deles), serviram para encontrar amigos e criei com aqueles aquela relação fã / ídolos, que quase não existe nos jovens de hoje, criados nas facilidades e na transitoriedade própria da internet e desta aldeia cada vez mais global.
Assisti a dois concertos da banda! Ambos no Pavilhão Atlântico e dos quais destaco o primeiro, em 1999, pela enorme surpresa que me foi proporcionada e pela companhia de um grande amigo, dos poucos que entendem esta minha devoção e que fará sempre parte da minha vida.
Poderia escrever também sobre as letras que mais me marcaram, sobre a voz inconfundível do meu guru, Michael Stipe, uma das poucas pessoas com quem não desdenharia trocar de pele por alguns dias, mas esta despedida é apenas um modo de dizer, porque as canções, essas estarão sempre aqui!
Obrigado R.E.M. pelo legado de quinze discos que guardo religiosamente na solarenga escadaria de minha casa, todos eles para mim intemporais e que continuarei a ouvir com o mesmo prazer de sempre!
Obrigado pelas letras de cerca de duzentas músicas que me ficaram no ouvido e de algumas melodias nostálgicas que jamais me deixarão, pela escrita e presença de Michael Stipe em palco, pelo virtuosismo e discrição do verdadeiro líder da banda, Peter Buck, pelos falsetes, baixo e pianos inesquecíveis de Mike Bills, um dos melhores baixistas que tive a oportunidade de ouvir tocar e, não me esqueço dele, pelo Bill Berry, que apesar de não integrar a banda há cerca de treze anos, escreveu a magnífica Perfect Circle e é um dos bateristas mais virtuosos que alguma vez ouvi tocar!
No comunicado oficial a banda refere que se despede com enorme sentido de gratidão e de deslumbramento por tudo o que conseguiram. Eu é que agradeço com enorme sentido de gratidão e deslumbramento por tudo o que consegui por vossa causa! Sem vocês não teria nunca feito Djing, não teria iniciado a coleção de discos que agora tenho, não teria criado este blogue, não teria convencido os extintos The Otherside a fazerem uma versão acústica de I've Been High, não me teria privado de bens que gosto para poder segui-los e adquirir a sua discografia e não teria feito tantas outras coisas que agora não me consigo recordar...
É óbvio que eles nunca se venderam a ninguém e foram sempre, como referem no dito comunicado, uma banda no verdadeiro sentido da palavra, irmãos que se respeitavam e amavam e que talvez este fosse mesmo o momento certo, sem mágoas, porque, de acordo com Michal Stipe, tudo tem um fim.
Ontem foi então o fim de uma banda que foi da garagem até à lua e que me levou nessa viagem com eles... Portanto, se alguém quiser saber onde me encontrar de agora em diante, é lá em cima que eu estou! É que depois de, também devido a eles, ter atingido este estado de alma em que vivo hoje e ser a pessoa que sou, não exigo menos para o resto dos meus dias!
Queridos R.E.M.: Vocês criaram a banda sonora da minha vida! Entre tantas e tantas outras que decorei e me emocionam sempre que as ouço, escreveram Be Mine com a qual amo Smartieees e escreveram Man On The Moon que me faz querer todos os dias ser um bocadinho de Andy Kaufman e dizer umas piadas, mesmo sem graça, e ser uma pessoa sorridente, bem disposta, alegre e feliz para todos aqueles que me rodeiam, além de nunca querer desistir dos meus sonhos, por mais inacessíveis que eles pareçam! Um dia, com um imenso orgulho, hei-de passar para alguém quase igual a mim este legado que vocês me deixaram...
Obrigado R.E.M.
Vamo-nos vendo por aí... ;)

Deixo agora um vídeo da NASA que mostra como há alguns dias atrás Michal Stipe entrou em direto com alguns astronautas da última missão do Space Shuttle Atlantis para partilhar com eles Man On The Moon e (decisão difícil), por ordem cronológica, algumas das minhas mais...
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 
 
 
 
 
 

autor stipe07 às 20:33
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (3) | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 27 de Junho de 2011

Lesbian Rainbows - The Holy River EP começa a ser desvendado.

Já são conhecidos os primeiros temas do EP de estreia do mais recente projeto musical paivense, os Lesbian Rainbows que entrevistei no passado mês de março. Relembro que os Lesbian Rainbows são formados por André Fernandes (Irmãos Brothers, Ghost Orchid) na bateria e Rui Martelo (Blackswan, Irmãos Brothers, TV Paranoia) no baixo e voz.

Torpedo em dia de feiraA bruxa tirou os dedos da tomada, fazem parte do EP The Holy River, um disco com quatro músicas que começaram hoje a ser disponibilizadas, via youtube e facebook. Estas duas músicas e as restantes que serão conhecidas até ao final da semana, foram gravadas ao vivo, numa sessão de improviso, há alguns dias atrás. De acordo com o André, The Holy River é uma alusão ao rio Paiva, até porque foi gravado junto às suas margens, num estúdio improvisado de uma habitação na localidade da Várzea e ao filme The Holy Mountain, do realizador Chileno Alejandro Jodorowsky.

Na próxima semana será conhecido o videoclip oficial do primeiro single do EP, cujas gravações decorreram na tarde de ontem, pelo que consegui apurar. A banda está a dar os primeiros passos, mas já começa a encontrar o seu rumo, com  este EP de estreia para a Abutre Netlabel.

 
Já no passado mês de Abril os Lesbian Rainbows tinham divulgado um segundo mini documentário, referente  à gravação deste EP de estreia. Continuarei atento...

autor stipe07 às 22:16
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

The National - Coliseu do Porto, 23.05.2011

Os The National sempre fez disparar cá dentro o sinal de alarme. Com esta consciência e de espírito livre fui, pela segunda vez, assistir a um concerto da banda. Com base no mais recente High Violet e no antecessor Boxer, o espetáculo passou também por alguns momentos mais memoráveis dos primeiros discos, com destaque para Abel, de Alligator.

Foram imensos os momentos altos da noite; No entanto, não posso deixar de destacar a pujança de Apartment Story, a fúria controlada que toda a audiência sentiu em England, ter tido Matt com a mão no meu ombro enquanto cantava it’s a terrible love that I’m walking with spiders, o intimismo de About Today e o derradeiro momento arrepiante da noite, quando a enternecedora Vanderlyle Crybaby Geeks foi tocada e cantada sem amplificação e com a ajuda de todo o Coliseu. Espero revê-los em breve.

A primeira parte do concerto ficou a cargo dos Dark Dark Dark. O coletivo de Minneapolis, brilhantemente liderado pela voz límpida de Nona Marie Invie, contou as suas histórias de acordeão e clarinete em riste num ambiente que poderia muito bem ser o de um clube de jazz decadente. Foram a primeira surpresa agradável da noite. Ficam algumas imagens...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Runaway
Anyone's Ghost
Secret Meeting
Mistaken For Strangers
Bloodbuzz Ohio
Slow Show
Squalor Victoria
Afraid Of Everyone
Lemonworld
Abel
Driver, Surprise Me
Conversation 16
Apartment Story
Think You Can Wait
England
Fake Empire

Encore:
Santa Clara
Mr. November
Terrible Love 
About Today
Vanderlyle Crybaby Geeks

min. 3:05


autor stipe07 às 18:15
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (2) | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 26 de Março de 2011

Lesbian Rainbows

Em Castelo de Paiva há um novo projeto musical alternativo e experimental a despontar. Gostam de se considerar um power duo, chamam-se Lesbian Rainbows e são formados por André Fernandes (Irmãos Brothers, Ghost Orchid) na bateria e Rui Martelo (Blackswan, Irmãos Brothers, TV Paranoia) no baixo e voz.

Esta banda está a dar os primeiros passos, talvez não tenha ainda percebido claramente o seu rumo, mas já estão a gravar o EP de estreia para a Abutre Netlabel. Há poucos dias divulgaram um stúdio report  dessa gravação centrado nas suas próprias personagens e que clarifica o que os move e impele a fazer música em Castelo de Paiva e no mundo em que vivemos. A paixão pura e simples pela música enquanto forma de arte, sem pretensiosismos comerciais, para já, parece ser a grande catalisadora deste projeto. Esse mini-documentário pode ser visto aqui.

Entretanto coloquei algumas questões aos Lesbian Rainbows que foram respondidas pelo Rui Martelo...

 

-Como surgiu o conceito Lesbian Rainbows? Só os dois... Porquê?
Esta ideia advem em parte da minha necessidade de estar envolvido em "cenas" musicais diferentes! Por outro lado o baixo sempre foi o meu instrumento de eleição e que teve a minha maior dedicação. Surge então este novo projecto para saciar a minha vontade de voltar a "estrada" de baixo em punho e debitar rock n'roll.
Somos só dois pelo facto de querer fazer algo diferente e mais cru. Na maioria das bandas rock tens aquele standard de formação em que precisas sempre de uma guitarra no minimo, aqui trata-se de dizer que para se fazer rock n'roll não necessitas obrigatoriamente de uma guitarra.


Já é possível definir a sonoridade deste projeto?
Bem, isso, como deves imaginar, está tudo verdinho ainda, o que não quer dizer que seja mau. Sinto que muita coisa pode vir a mudar com o passar do tempo pois nunca compus com o baixo. Normalmente para fazer um tema pego na guitarra e começo a "destroçar" riffs até a coisa se ir construido. Em Lesbian Rainbows a ideia é diferente porque pego no baixo e sei que ao longo do tempo a minha maneira de fazer temas com raiz no baixo vai mudar.
A sonoridade? Imagina pegares nos Queens of the Stone Age e nos Death from Above 1979, coloca-os dentro de uma panela, agora liga ao Mr. Lucifer e diz lhe para ele pegar fogo a cozinha!! eheheh!
É uma especie de "Evil" Rock n'Roll, mas tem secções mais sludge e psicadélicas também.


Estão a gravar um EP; Podem dar detalhes? (Título, músicas incluídas, se são originais, versões...)
Neste momento estamos a gravar um single para sair com videoclip. As restantes musicas do EP ainda estão em fase de pré-produção e so entram em estúdio mais tarde. Os temas são todos originais.


O Lesbian Rainbows é apenas um projeto paralelo visto estarem ambos envolvidos noutros grupos e projetos, ou tem ambições mais sérias?
Este projecto tem ambições mais sérias. O objetivo é gravar o EP e promovê-lo com uma boa tour por esse underground (ou não) fora. Depois logo se vê. Mas não é para ir parar á gaveta, isso é certo!


Como pretendem divulgar os Lesbian Rainbows e até onde pretendem chegar?

A divulgação engloba tarefas para as quais o André tem mais jeito que eu. Mas no geral vai passar por mostrar ao público a banda pela net e tocar. É o normal de hoje em dia. Vamos adocicar mais um bocadinho as coisas com videos das sessões de estúdio para a malta ver um bocadinho a realidade da banda. Bem, as ambições são grandes, mas como deves imaginar para voar alto às vezes nem precisas de ser a melhor banda do mundo; É preciso conhecer a pessoa certa, ou estar no sitio certo no momento certo e é assim que na maioria das vezes consegues abrir as grandes portas. Também há hipotese de "lamber cús".

 


Como surgiu a hipótese Abutre Netlabel?
A Abutre foi facil, o André é o big boss... eheheh!


Perspetivas de futuro...
Não olho muito para o futuro, cada vez que olho vejo tudo a ir de mal a pior, por isso abordamos a nossa "cena" dia após dia. Dessa maneira conseguimos motivação para dar os passos necessários e de uma maneira mais certeira.
Actualmente o André tem andado ocupado a fazer sound design e a promover o album de Aura e que tem obtido muito boas reviews a nivel internacional. Para os meus lados, além de Lesbian Rainbows, os Blackswan estão a produzir um álbum que sairá ainda este ano. Tenho também o meu projeto a solo (Megalodon) que está parado por falta de tempo e estado de espirito. O post rock requer de mim um estado mais "Zen" e não tão sobressaltado pelo quotidiano, que acaba por ser reflectir mais em Lesbian Rainbows.


Aproveito para partilhar links dos projetos mencionados na entrevista;

 

http://www.myspace.com/blackswanmetal

 

http://www.myspace.com/auraportugal


http://www.myspace.com/megalodonplanet

 

Irei acompanhar este projeto com interesse e prometo divulgar novidades e avanços quando for o caso; Fica o stúdio report...


autor stipe07 às 16:02
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 5 de Março de 2011

O meu Tributo a Castelo de Paiva.

Nestes dias Castelo de Paiva voltou a estar no centro das atenções devido à comemoração dos dez anos da queda da ponte de Entre-Os-Rios. Foi um acidente improvável e uma enorme tragédia; Não adianta escamotear o que é concreto, real e assumido. Mas esse acontecimento parece ter rotulado definitivamente a localidade com alguns adjetivos pouco favoráveis, usados quando se quer descrever uma localidade e enumerar os seus potenciais argumentos, quer humanos quer sociais.

Tenho lido e ouvido algumas verdades, mas também vários disparates que não fogem muito ao já habitual espírito português fatalista. Por isso e por considerar algumas citações que li e ouvi injustas e desfasadas daquela que é a actual realidade paivense, sinto-me impelido, também por gratidão e pela minha consciência, a dar o meu próprio testemunho.

Lembro-me perfeitamente desse chuvoso domingo à noite de março de 2001 como se tivesse sido ontem. Acompanhei de perto tudo o que aconteceu nos dias e semanas seguintes e, sendo uma espécie de espetador privilegiado de tudo o que se passou, por ser um residente temporário e não ter laços afetivos com vitimas, familiares e amigos, pude, no meu interior, tirar racionalmente algumas ilações no que diz respeito à forma como esta gente reagiu e soube levantar-se do caos e da desorientação que se apoderaram em quase todos os paivenses, como se estivessem a viver uma espécie de maldição. Nesses dias a minha admiração por estas gentes cresceu imenso, consciente e inconscientemente; Percebi com uma nitidez impressionante de que massa são feitos os paivenses e senti-me grato por me estarem a ensinar com exemplos diários e concretos de vida que para os momentos difíceis há sempre uma saída...

Tem sido dito nestes dias que Castelo de Paiva pouco ou nada evoluiu nestes dez anos, que se mantém refém de um isolamento atroz e que continua a ser uma terra flagelada pelo infortúnio, tendo em conta alguns dramas sociais que ainda subsistem por cá, derivados da falta de emprego e da estagnação económica que se vive. Não contrario a maioria destas afirmações, mas também não acho justo que se pinte um quadro tão negro. É que, acreditando em algumas dessas coisas que li e ouvi e não conhecendo esta terra, facilmente qualquer pessoa conclui que estamos perante um dos piores locais deste país para se viver, que Castelo de Paiva não é uma terra acolhedora e não tem nada de apelativo, sendo um local do qual se deve fugir à primeira oportunidade. E isso não é verdade! Há exemplos que contrariam esta ideia que tem sido fabricada ao longo do tempo e que mostram a antítese deste cenário. E eu talvez seja um deles...

Durante 22 anos da minha vida nunca tinha ouvido falar de Castelo de Paiva. Natural de outra localidade do mesmo distrito, supostamente mais desenvolvida e atrativa em todos os aspetos, pouco sabia deste concelho afinal tão bonito. Por motivos profissionais, Castelo de Paiva passou a fazer parte de mim e confesso, foi amor à primeira vista. E hoje, treze anos depois desse início de outono que acabou por significar uma nova primavera na minha vida, sinto um imenso orgulho por ser já um paivense de pleno e legal direito, outro motivo consistente que me faz achar que tenho todo o direito de opinar, além de sentir uma certa obrigação moral de transmitir publicamente este meu exemplo... De defender a minha terra! 

Por natureza introvertido perante estranhos, pouco tempo depois de andar por cá integrei-me com uma facilidade e abertura de espírito que até a mim impressionou! Rapidamente senti-me em casa e diminuiram os meus momentos de silêncio e reclusão iniciais, naturais em quem chega a uma espécie de mundo novo. E tal facto encontra explicação nestas gentes e na forma extraordinária como me acolheram. Acabei por não demorar muito tempo a perceber que este poderia ser, sem dúvida, um belo local para habitar parte do meu futuro; Os anos foram passando e mesmo exercendo a minha atividade profissional noutros locais bem mais distantes, nunca me desliguei daqui, frequentemente sentia necessidade de aportar a este porto seguro e por cá fui estando e ficando. Hoje, descrever aquilo que é a minha vida contraria firmemente toda a onda negativa em torno deste concelho.

Em Castelo de Paiva sou feliz e por imensos motivos! Aqui tenho Smartieees, o meu maior sorriso e o meu farol, tenho os Vândalos que são um verdadeiro tesouro e os melhores amigos que colecionei, tenho a minha herdade do Freixo que me dá uma vista única e privilegiada sobre o belo local onde essa tragédia ocorreu e tenho perspetivas de um futuro pelas quais sei que lutei imenso mas que em determinados períodos da minha vida achei que não iria atingir. E, acima de tudo isso, tenho-me a mim próprio e à minha consiciência que me diz, cada vez que cá chego e estou, que Castelo de Paiva é o melhor destino que posso ter diariamente e que não o trocava por nenhum outro deste mundo. No fundo, estar em Castelo de Paiva faz-me sentir que sou um privilegiado.

Castelo de Paiva tem um rio famoso, uma paisagem deslumbrante, o melhor vinho verde do mundo e imensa gente boa e com um enorme coração; Gente que sabe receber, pessoas humildes, verdadeiras e que lutam e trabalham diariamente para si e para os outros, que buscam incansavelmente um futuro melhor, que amam a sua terra e que têm um enorme apego às suas raízes. E eu admiro-as a todas por isso.

Alguns dos que me conhecem e me são próximos, profissional e afetivamente, interrogam-me com alguma insistência o porquê do meu fascínio por Castelo de Paiva e o que me levou a tomar a corrente de decisões que me trouxeram até aqui. Fazem-no porque provavelmente nunca tiveram ou terão a perceção plena do que Castelo de Paiva significa para mim, do que aprendi e cresci por cá e porque nunca tiveram o privilégio de viver a minha experiência. E quando lhes tento explicar tudo isto de forma clara, raramente resisto a sorrir enquanto o faço, por estar a falar de coisas boas e que estão guardadas no meu coração. E nesse preciso instante, algumas dessas pessoas começam a entender...

Sou feliz em Castelo de Paiva, é aqui que respiro verdadeiramente, é por cá que olho a vida de frente com esse tal enorme sorriso e é, por isso e por muitas outras razões que, não tenho nascido aqui, quero ficar cá o resto dos meus dias. E desafio todos aqueles que por cá nasceram a quando se sentirem tentados ao desencanto, darem mais valor ao que têm e a não se deixarem vergar por todo este negativismo!

E desafio igualmente todos aqueles que queiram, a arriscar e fazerem o que eu fiz; Castelo de Paiva tem qualidade de vida, mas precisa de pessoas novas e com capacidade de iniciativa! Não falta nas redondezas mercado para muitas áreas profissionais ainda não exploradas e sobram pessoas honestas, qualificadas e com vontade de trabalhar e se agarrar a quem acredite nelas.

Trago esta terra e a maioria destas gentes no meu coração; Amo Castelo de Paiva e recomendo-a vivamente... Só para que se conste!


autor stipe07 às 16:16
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (3) | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Em dia de Greve...

Em dia de greve, não vou tecer grandes considerações sobre ela. Concordo com esta forma de luta, já participei em greves mas, ao contrário desta, tinham reinvindicações mais concretas.  Os sindicatos são fundamentais para mediar os conflitos sociais e para assegurar o diálogo social, mas será que esta greve vai servir para mudar a realidade que temos? Ou será apenas uma válvula de escape do nosso natural descontentamento? No actual contexto, as alternativas preconizadas pelas centrais sindicais são, do meu ponto de vista, pouco claras e dificilmente servem os meus interesses e os da generalidade do povo português. Aquilo que o nosso país precisa é, como refere hoje, Santana Castillo no Público, regenerar o Portugal dos valores. É urgente remover os vendedores de fantasias; dizer basta aos que se apropriaram irresponsavelmente do Estado; despedir os que se serviram e abrir portas aos que queiram servir. Esta proposição não é romântica. É indispensável para devolver aos cidadãos a confiança no Estado.

O meu Benfica é que foi para a Terra Santa com um espírito grevista e o nosso treinador até estava a jogar em casa! Enfim... Uma vergonha.

Como não fiz greve e muito menos aqui, vou aproveitar este dia mais propício à reflexão social, para falar sobre dois temas que acho merecerem a minha divulgação e no fim partilhar um elogio, que me marcou imenso e me deu ânimo para continuar a alimentar Man On The Moon.

 

 

Começo por falar de uma notícia que já tem alguns dias, mas ainda não é tarde para a comentar. O Público, na sua edição on-line do passado dia 18, denunciou que, na Universidade de Évora, são usados cães saudáveis do canil municipal como cobaias pelos alunos do curso de Medicina Veterinária. Confere a notícia AQUI.

Penso não ser o único a achar que a evolução de um país também se vê pela forma como trata os seus animais. Este caso é chocante, ultrapassa, quanto a mim, os limites do respeito pela vida animal e acho que merece ser amplamente difundido para que situações como esta deixem de ocorrer. Nem um suposto avanço da medicina veterinária, ou treino específico dos seus futuros profissionais, a quem um dia poderemos dever as vidas dos nossos animais de estimação ou criação, justifica tais procedimentos. Arrancar órgãos a animais saudáveis, mesmo que já estejam condenados ao abate, é de uma crueldade extrema, mesmo que tenham sido sempre submetidos a anestesia geral e, depois da cirurgia, eutanasiados.

 

 

Outro assunto ainda na ordem do dia e sobre o qual quero opinar, é a Cimeira da Nato. Durante a mesma ouvi e li variadíssimas considerações acerca do evento e do papel da Nato no mundo actual. Não sou analista político ou militar, mas tenho algumas noções destes temas e de história mundial e que me permitem formular uma opinião, mesmo que modesta.

Não acho que a Nato seja uma organização terrorista, criminosa, dispensável e com propósitos e estratégias puramente belicistas, apenas para servir os interesses capitalistas da sociedade ocidental. Considero-a um garante da paz e estabilidade mundial e um instrumento de cooperação entre países e povos que partilham o mesmo espaço e têm interesses comuns, muitos com raízes milenares.

No que concerne à situação mundial actual, nomeadamente a intervenção da Nato no Afeganistão, ouvi slogans a pedir o fim imediato da mesma. Foi dito também, alto e bom som, que a presença desta organização nesse país era uma agressão selvagem ao seu povo! Sugiro então que a Nato saia rapidamente de lá, onde está enterrada há quase nove anos, se preocupe apenas com a segurança nas suas fronteiras e deixe o povo afegão decidir livremente (?) se quer ser governado por um regime Taliban, cujos líderes fundamentalistas lideram a maior organização terrorista e narcotraficante mundial. Deixemos em paz os férteis campos de tulipas desse país, que se fabrique em liberdade o ópio que depois vai entrar nas nossas fronteiras e, bem pior que tudo isso, deixe-se impôr a sharia ao povo afegão! Como sabemos, na sharia não há separação entre religião e direito sendo que, entre outras imposições à liberdade individual, as mulheres não podem frequentar o ensino e têm outras restrições impensáveis para qualquer uma que vive nos países da Nato. Esta prática mais radical do Islão que não faz a distinção entre vida religiosa e social, cobre não só os rituais religiosos e a administração da fé, mas também os mais variados aspectos do dia-a-dia, ou seja, estamos a falar de direitos que, pelos vistos, só quando convem é que são caros à nossa esquerda mais radical e a outros movimentos anarquistas que aproveitaram a cimeira para criticar ferozmente a presença da Nato nesse país. Onde a sharia é estabelecida, toda a liberdade individual é cruelmente sufocada; Qualquer leigo sabe-o.

Não acho que esta cimeira que decorreu em Lisboa no passado fim-de-semana tenha servido, como também li e ouvi, para fazer um favor aos nossos parceiros ditos mais poderosos, até porque temos deveres e compromissos a honrar. Somos um estado que felizmente, e com pena de algumas perspectivas mais leninistas que ainda persistem na nossa sociedade, não vive isolado do resto do mundo e apesar dos constrangimentos causados a todos aqueles que não tiveram direito à tolerância de ponto na capital, a cimeira foi importante para o país. Talvez por vivermos numa realidade social que respira um clima de relativa paz, segurança e tranquilidade, não se consegue ter uma perspectiva diferente, até porque este clima pacífico dá-nos a percepção natural que não precisamos da Nato; Mas não é essa a realidade e facilmente chegaremos a tal conclusão se não fecharmos os olhos perante o que se passa no resto do mundo e os novos perigos com que se debate o mundo ocidental!
Em suma, recuso-me a alinhar com quem apregoa que a Nato é um perigo para a segurança mundial! Não se deve ter a memória curta e esquecer que esta organização nasce em 1949, após uma Guerra que deixou a Europa no caos económico e social e, pior que isso, completamente dividida em dois blocos antagónicos, muito por acção de Estaline, um ditador tão louco e cruel como Hitler. A história tenta muitas vezes ilibar esta figura dos seus crimes porque, nesse conflito, mas só a partir de 1941, colocou a Rússia do lado certo da barricada, acabando por sobreviver ao jugo nazi devido à ajuda destas sociedades ocidentais. Depois virou-lhes costas, ainda na conferência de Ialta, poucos meses antes do fim da guerra e, logo no fim do conflito, quando submeteu todos os países libertados pelo exército vermelho ao braço protector do Kremlin. E este jugo, como todos também sabemos, só terminou em 1989 com a queda do Muro de Berlim.
No fundo, quem tiver alguma memória e interessar-se minimamente pela história da Europa contemporânea, facilmente concluirá que talvez se deva à Nato o facto de os nossos pais e avós terem sobrevivido à chamada Guerra Fria e o clima de relativa paz e segurança em que vivemos hoje! Foi através da dissuassão e do crescente investimento no poderio militar que isso se conseguiu? É verdade... Mas depois das fricções em que a Europa renasceu após a segunda grande Guerra e tendo em conta os dois blocos que se formaram, não restou, quanto a mim, outra alternativa.
 
 
Fotografei você no móvil
 
Para terminar, gostaria de partilhar com a autorização devida do autor, um email que foi enviado ontem por um amigo ao seu círculo de contactos, com o meu conhecimento e me deixou feliz. Falo do Tiago Garcia, que vive actualmente em Barcelona, onde trabalha e tira fotografias fantásticas com o seu móvil e que podem ser apreciadas AQUI.
Tenho períodos em que penso que ninguém lê Man On The Moon e que acho que coloco muitas propostas musicais, de leitura e de cinema às quais ninguém liga. Talvez esteja enganado mas, mais importante que sentir isso, é usufruir desta genuína e sentida demonstração de amizade! No que me for possível, será certamente retribuída... Grande abraço Tiago, estás sempre aqui! E um dia iremos lá...
 

Conheci o João em Faro, mas ele nem é de lá nem lá alguma vez viveu. Conhecemo-nos através de uma ideia/projecto/sonho dele e do qual fiz parte com muito gosto. A coisa chamava-se Takk Iceland 09, mais tarde Takk Iceland 10, actualmente está sem nome, mas seguramente mantém-se na pasta dos projectos por cumprir de alguns. Percebi de imediato três coisas acerca do João: é um apaixonado, a música move-o e gosta de partilhar.

 

No caso dele, a sua natureza leva-o diariamente a procurar tudo o que lhe possa soar a novo dentro do que ele já conhece. Falamos sobretudo de música, mas não só. Além disso, essa procura alarga-lhe horizontes por esse desconhecido infinito.

 

Para além do que se supõe que ele lá deve interiorizar, a sua procura e a sua - diria mesmo - necessidade de partilhar fazem com que nunca guarde só para si o que vai passando os seus filtros pessoais. Por vezes fá-lo de forma apenas informativa e por vezes deixa que os seus critérios pessoais sejam (ainda mais) evidentes.

 

Não deve haver dia em que o João não nos envia uma sugestão. Por vezes há condições para ir lá e dar un vistazo e por vezes pensa-se que lá vem o gajo outra vez… acontece-nos a todos, amigo. Hoje a sugestão é das boas. Foi também por uma sugestão dele sobre a mesma canção que comecei a gostar desta banda e isto já muito depois de meio mundo os venerar. Hoje fiquei ainda mais rendido aquela canção e ao que o génio detrás dela faz a cada vez que decide revolucionar a sua vida e a musica que dela resulta.

 

Para vocês e graças ao “esforço” de alguém que parece não querer crescer e, ao mesmo tempo, evoluir todos os dias, uma nova versão da canção que já faz parte do selectíssimo grupo das que assassino quando a hora até podia dar para a melancolia mas as rotações andam bem lá por cima das colinas e tudo o mais me rodeia nesta terra de Peter Pans: http://stipe07.blogs.sapo.pt/129013.html?view=90613#t90613
 

E aqui, a versão que mudou tudo entre mim e a banda: http://www.youtube.com/watch?v=Rq7tyhi_ChI .


autor stipe07 às 22:15
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (2) | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010

Ecos da Cave - Desejo

foto de Ecos da Cave

 

Os Ecos da Cave eram uma banda de Santo Tirso, formada em 1987. Fizeram parte do movimento rock de finais da década de 80, início da década de 90, no qual se incluiam os Ban, Diva, Radar Kadafi, Três Tristes Tigres, Sitiados, UHF, Mler If Dada, entre outros. Uma das suas maiores influências são, sem dúvida, os Heróis do Mar, algo bem patente no tema Desejo. Os elementos do grupo eram Carlos Lima (guitarra e harmónica), Armindo (baixo), Francisco (guitarra), José Augusto Costa (bateria) e Alfredo (voz), substituido no ano seguinte pelo Rafael.

Em 1988 concorrem ao 5º Concurso do Rock Rendez-Vous onde chegam às meias-finais. O tema Desejo apareceu na compilação Registos, que incluí as oito bandas melhor classificadas .

Gravaram o seu disco de estreia entre Fevereiro e Julho de 1991 nos Estúdios Pinguim; Refiro-me ao LP As Papoilas do Campo Estéril. Temas do Lado A : O Vôo da Gaivota na Praia Poluída, Ariana, Espírito Livre, Belzebu e Dilema. Lado B: Nocturnos, 4 Paredes, Farrapo Humano e Odeio Amar-te.

Em 1992 participaram na primeira edição das Noites Ritual Rock. Apresentam algumas composições em inglês e uma versão de um tema de José Afonso e, no ano seguinte, foram cabeça de cartaz da primeira edição do Festival Paredes de Coura.

Em 1994, os Ecos da Cave gravaram nos Estúdios Avé Mania, com produção de Carlos Lima. O disco com o título provisório de O Silêncio Extremo do Aborígena, iria incluir temas como Com o Álcool, Vejam Bem (versão de José Afonso), Drop Down Dead, Grande Lua, Corre Como Um Cão, Nova Guerra, Visão Utópica, Parte P'ra Vida, Velhote, Defeitos Humanos e Nada. Este disco não chegou a ver a luz do dia e o grupo acabaria por terminar em 1995.

Desejo é, sem sombra de dúvida, o tema mais conhecido dos Ecos da Cave e será certamente objecto de uma versão pelos Anégia.

 

 

Dia de chuva,
A praia deserta,
A brisa do mar,
Fico quente contigo.
E a água salgada,
Que bebi do teu corpo,
Embriagou-me,
Embriagou-me…
Talvez tu estejas
Em qualquer lado,
E a pensar em mim…
Talvez até estejas no teu quarto,
E me desejes aí,
E me desejes aí,
E me desejes aí…

 


autor stipe07 às 16:36
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 2 de Novembro de 2010

Missão Cumprida.

Quando nos juntamos a música está presente! Gostamos de relembrar o passado e as músicas que acompanharam o nosso crescimento; Acaba por ser um dos nossos passatempos preferidos. Temos todos canções dentro de nós e que nos transportam para determinados momentos da nossa vida. Quando uma delas emerge, acabamos por ter uma vontade enorme de descortiná-la e ouvi-la de novo.

Este dilema já durava há duas semanas... Finalmente ficou resolvido!

 

The Mission - Like a Child Again

 

 
music: The Mission - Like a Child Again

autor stipe07 às 21:53
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 18 de Agosto de 2010

Levi's, NY - SF & Hard Rock Café, Marbella

Tem feito enorme sucesso um novo anúncio da Levi's e que já leva, em poucos dias, mais de três milhões de visualizações no Youtube.

No referido anúncio, onde a única referência à minha marca de roupa preferida são as calças usadas pelo protagonista, o mesmo percorre os EUA, de costa à costa, em menos de 2 minutos, passando por pontes, estradas, ruas, monumentos famosos e outros símbolos do país, numa viagem que tem início em NY e termina em SF, Califórnia.

Os passos do jovem parecem mágicos, conseguidos através de duas técnicas cinematográficas que descobri chamarem-se stopmotion e timelapse. E a banda-sonora é excelente e adequada, apesar de ainda não ter conseguido identificar o autor. É impossível ficar indiferente a este anúncio porque, apesar do objectivo comercial subjacente ao filme, todo um país é retratado de forma bastante simples, original e concisa. Confere;

 

Entretanto chegou-me ontem esta foto, directamente do Hard-Rock Café de Marbella que, por razões óbvias, não resisto a partilhar.

Obrigado Mariline, abraço ao graúdo e miúdos e continuação de boas férias!

 

 


autor stipe07 às 13:35
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 16 de Junho de 2010

DuponD

"Cheers"... DuponD.

 

tags:

autor stipe07 às 22:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 6 de Fevereiro de 2010

Música do dia...

Todos os dias deviam não ser assim...

Mas esta noite vai brilhar mais uma estrela no céu...

feeling:
music: Sigur Rós - Stáralfur

autor stipe07 às 15:53
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 52 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Disco da semana

Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Booby Trap - Overloaded

Noiserv @ Castelo de Paiv...

Cityspark - Violet

Man On The Moon - EP1 (Ev...

Conheces os Booby Trap?

Sigur Rós, Coliseu do Por...

Carnaval é Sorte Tribal.

Flyer

Man On The Moon - Radio v...

R.E.M. Gone Wrestling...

Lesbian Rainbows - The Ho...

The National - Coliseu do...

Lesbian Rainbows

O meu Tributo a Castelo d...

Em dia de Greve...

Ecos da Cave - Desejo

Missão Cumprida.

Levi's, NY - SF & Hard Ro...

DuponD

Música do dia...

From Barcelona...

Natal Feliz!

Noah And The Whale

Hoppipolla Génio!

Happy Birthday VanVanRV20...

X-Files

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds