Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2015

Grooms – Comb The Feelings Through Your Hair

Oriundos de Brooklyn, Nova Iorque, os Grooms têm no texano Travis Johnson o grande mentor e suporte, um músico que tem vivido e composto neste bairro da big apple, tendo a banda ensaiado e gravado nos estúdios locais Death By Audio, entretanto encerrados, durante sete anos. Primeiro como Muggabears e depois Grooms, o coletivo passou nos últimos tempos por algumas dificuldades, nomeadamente financeiras, que forçaram o baixista e também compositor Emily Ambruso a um hiato, deixando apenas Johnson como membro original do alinhamento que, felizmente, não desistiu da banda. Lutando contra todas estas contrariedades, Johnson recrutou Jay Heiselmann para o baixo e o ator e comediante Steve Levine para a bateria e Comb The Feelings Through Your Hair é o primeiro capítulo desta nova etapa da vida dos Grooms, um disco que viu a luz do dia a dezassete de fevereiro, através da Western Vinyl.

A indie pop e o rock luxuriante, com o ritmo e a cadência certas e uma certa toada melancólica, alicerçada num salutar experimentalismo que abraça um interessante e algo inédito leque de influências, sempre com uma filosofia vintage, é a pedra de toque de onze canções feitas com guitarras levemente distorcidas e harmoniosas, banhadas pelo sol dos subúrbios e misturadas com arranjos luminosos e com um certo toque psicadélico. Genuínos, ecléticos e criativos, estes Grooms compõem temas capazes de nos enredar numa teia de emoções que prendem e desarmam, sem apelo nem agravo, numa parada de cor, festa e alegria, onde terá havido certamente um forte sentimento de comunhão entre os músicos, pelo privilégio de estarem juntos e comporem a músicas que gostam.

Ouvimos cada uma das músicas de Comb The Feelings Through Your Hair e conseguimos, com clareza, perceber os diferentes elementos sonoros adicionados e que esculpiram as canções, com as guitarras, melodicamente sempre muito próximas da postura vocal e alguns arranjos sintéticos a sobressairem, não porque ficam na primeira fila daquilo que se escuta, mas porque suportam aqueles simples detalhes que, muitas vezes com uma toada lo fi, fazem toda a diferença no cariz que a canção toma e nas sensações que transmite. Este é, portanto, um daqueles trabalhos em que há uma interligação latente entre os temas e não faz grande sentido escutá-los de forma isolada.

Um belíssimo instante indie chamado Bed Version é o aperitivo que abre o alinhamento e depois vamos sendo constantemente convidados a dançar ao som de uma filosofia sonora bastante aditiva e peculiar, que procura gravitar em torno de diferentes conceitos sonoros e esferas musicais, que transmitem, geralmente, sensações onde a nostalgia do nosso quotidiano facilmente se revê.

A guitarra elétrica, como já foi referido, possui o ónus da condução melódica, mas também há uma forte presença da sua congénere acústica e do baixo. Até o sintetizador faz a sua aparição e logo no tema homónimo cria uns loopings que introduzem eficazmente uma linha de guitarra inebriante, cabendo-lhe o mesmo papel num memorável instante épico, impregnado de cor e luz graças chamado Cross Off, canção que obtém o sustento nas teclas que graciosamente se insinuam e deambulam em redor das cordas eletrificadas, dando origem a um conjunto sonoro épico, bastante ousado e inebriante. Já Grenadine Scene From Inside é uma música perfeita para se ouvir num dia de sol, ali, no exato momento em que começa o nosso fim de semana e ao conduzirmos para casa começamos a sonhar. As notas parecem sinónimos de tranquilidade, guiam os efeitos ao fundo da música e acompanham uma inédita secção de sopros com excelente sintonia.

De vez em quando também se escutam arranjos e melodias sintetizadas, mas as cordas, o baixo e a bateria são o busílis do grupo para atingir os seus propósitos. E voltando às cordas, a sequência feita com o rock angular e rugoso de Doctor M e a cavalgada entusiástica e delirante de Will The Boys em oposição ao experimentalismo acústico noir e contemplativo de Half Cloud, um daqueles instantes retro, relaxante e atmosférico que nos desarma, é um dos pontos altos e imperdiveis de Comb The Feelings Through Your Hair, depois de em Something Wild termos sido agraciados por uma outra estirpe de cordas, aquelas que esbarram numa percurssão que nunca desiste de tentar engatar o ritmo, quer na questão das batidas por minuto, quer no entusiasmo lírico. 

Para o ocaso o sentimentalismo imberbere de Foster Sister e a altivez orquestral de Later A Dream oferecem-nos paisagens ainda mais grandiosas e significativas, dois arrebatadores banquetes de sedução, languidez e luxúria, feitos com um indie rock sem fronteiras, desapegos ou concessões e que se servem também, em bandeja de ouro, com um forte entusiasmo lírico, certamente com o propósito de contornar todas as amarras que prendem a nossa alma e apresentar, desse modo, a notável disponibilidade dos Grooms para nos fazer pensar, mexendo com os nossos sentimentos e tentando dar-nos pistas para uma vida mais feliz.

Com um forte cariz urbano e atual, Comb The Feelings Through Your Hair é um disco excitante e intenso, que nos prende numa bolha dinâmica adornada por aquele rock pastiche que nos desperta para um paraíso de glória e esplendor e subjuga momentaneamente qualquer atribulação que nos apoquente. Pleno de cenários complexos e repletos de sensações únicas, que os Grooms conseguem muito bem transmitir à boleia de um cardápio instrumental bastante diversificado, Comb The Feelings Through Your Hair prova que este coletivo norte americano entra no estúdio de mente aberta e disposto a servir-se de tudo aquilo que é colocado ao seu dispor para criar música, com uma quase pueril simplicidade, que plasma uma noável capacidade de reinventar, reformular ou simplesmente replicar o que de melhor tem o indie rock psicadélico nos dias de hoje para nos oferecer, enquanto se vai, num abrir e fechar de olhos, do nostálgico ao glorioso, numa caldeirada de estilos e emoções cozinhada por mestres de um estilo sonoro carregado de um intenso charme. Espero que aprecies a sugestão...

Grooms - Comb The Feelings Through Your Hair

01. Bed Version
02. Comb The Feelings Through Your Hair
03. Cross Off
04. Something Wild
05. Doctor M
06. Half Cloud
07. Will The Boys
08. Savage Seminar
09. Grenadine Scene From Inside
10. Foster Sister
11. Later A Dream


autor stipe07 às 21:20
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 379

Em escuta...

Disco da semana 85#

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

The Flaming Lips – Flower...

Woods - Strange To Explai...

Psychic Markers – Psychic...

The 1975 – Notes On A Con...

Kumpania Algazarra feat. ...

Everything Everything – A...

Amusement Parks On Fire –...

Matt Berninger – Serpenti...

MOMO - Till the End of Su...

Perfume Genius - Set My H...

The 1975 – Guys

The Magnetic Fields – Qui...

Homem em Catarse - sem pa...

EOB – Earth

Fugly - Space Migrant

The Growlers – Dream Worl...

Happyness – Floatr

The Dears – I Know What Y...

Milky Chance & Jack Johns...

From Atomic - Deliverance

Glass Animals – Dreamland

Vila Martel - Nunca Mais ...

Foreign Fields – The Beau...

The Killers – Fire In Bon...

James Blake – You’re Too ...

X-Files

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds