Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Giant Sand - Heartbreak Pass

Sábado, 11.07.15

editado no passado dia quatro de maio por intermédio da New West Records, Heartbreak Pass é o novo registo discográfico dos míticos Giant Sand, um coletivo norte americano oriundo de Tucson, no Arizona e liderado por Howe Gelb, um dos nomes mais importantes do cenário indie folk contemporâneo na América do Norte. Heartbreak Pass marca mesmo o trigésimo aniversário deste projeto, à boleia de quinze canções que contêm a impressão sonora típica dos Giant Sand, um álbum produzido por John Parish e que não defrauda, nem por sombras, a herança de um grupo influente e decisivo e com uma genética sonora bastante vincada e inédita.

Giant Sand – Heartbreak Pass

Os Giant Sand são, sobretudo, uma espécie de projeto a solo de Howe Gelb, um músico que nos últimos trinta anos soube sempre rodear-se das pessoas certas para dar vida a um cardápio sonoro muito próprio e com uma impressão sonora fantástica e única. A América enquanto continente e país, com uma multipliciadade de raças e culturas, mas com uma folk que, na sua génese, contém caraterísticas bastante vincadas e inéditas, é a força motriz destes Giant Sand e a sua maior inspiração lírica e instrumental. Mas neste novo trabalho, e como vamos perceber em seguida, os Giant Sand também extravasam por outras outras fronteiras geodésicas, inclusivé no lado de cá do atlântico, com a ajuda de Grant-Lee Phillips, Jason Lytle dos Grandaddy, Steve Shelley dos Sonic Youth, a croata Lovely Quinces e o baterista Winston Watson, as participações especiais deste disco.

A contemplativa e sedutora Done, uma das canções mais bonitas de Heartbreak Pass, foi gravada em Bruxelas, Creta e Otawa e a composição Heaventually começou a ser germinada em Itália, tendo depois também sofrido ajustes em Inglaterra e, já de regresso ao continente americano, no Tennessee e no Arizona. E estes temas são apenas dois exemplos da fórmula transfronteiriça e intercontinental, rica e imaginativa que regeu o processo de criação musical de Howe Gelb neste álbum, um cardápio fortemente emotivo, como seria de esperar e com uma riqueza instrumental vincada. Da inebriante, eletrónica e experimental Transponder e dos riffs épicos de Texting Feist, até à simplicidade melancólica de Home Sweat Home, uma canção que fala das rotinas de um artista em digressão e que conta com um dueto entre Gelb e a sua irmã mais nova, passando pelo pendor boémio e acústico de Heaventually, há, ao longo deste alinhamento de quinze canções, um forte sabor e cheiro à aridez texana que, em Hurtin' Habit ganha um crueza rock bastante máscula e assexuada, como se as hipóteses de sobrevivência no mais áspero dos ambientes exigissem a inserção dos Giant Sand no compêndio sonoro essencial, até como fôlego extra e dose vitamínica essencial, um ficheiro que não pode faltar em qualquer kit de sobrevivência regular.

Howe Gelb tem, como se percebe, um modo muito peculiar de comunicar connosco e utiliza um registo vocal declamativo que nos enclausura e desarma sem hipótese de retrocesso. Mas, desta vez, também soube convidar excelentes vozes femininas para dar vida ao universo sonoro muito próprio que idealizou. Assim, se a viola de Song So Wrong e o seu registo vocal grave contêm todos os genes da folk do outro lado do atlântico, que nos envolve num universo algo melancólico, uma espécie de euforia triste e de beleza num mundo sombrio, já o piano de Pen to Paper e o dueto que Gelb mantém com Love Quinces nessa canção, transmite uma intensa e quase sufocante sensação de introspeção e reflexão interiores, comprovando que as capacidades inatas do líder dos Giant Sand para a composição não se deterioraram com o tempo, ele que é detentor de uma voz única e incomparável e possui uma expressão melancólica acústica que terá herdado de um Neil Young e que sabe, melhor que ninguém, como interpretar. O modo como em Man On A String Gelb consegue manter o equilíbrio entre a emotividade da sua voz e as oscilações rítmicas do tema, plasmam a capacidade contrastante que este compositor tem de nos oferecer o sol, as harmonias e o calor, mas também o escuro, a falta de cor e a chuva.

Obra ambiciosa, grandiosa e, de algum modo, um exercício de síntese de tudo aquilo que os Giant Sand já nos ofereceram na sua longa carreira, Heartbreak Pass é um festim para os nossos ouvidos, um disco eclético e variado, recheado de momentos épicos e instantes cheios de tensão lírica, onde Gelb explora até à exaustão o espiritualismo nativo norte americano, num trabalho com evidentes influências em espetros sonoros de outros tempos, mas com uma forte tonalidade contemporânea. Espero que aprecies a sugestão...

Giant Sand - Heartbreak Pass

01. Heaventually
02. Texting Feist
03. Hurtin’ Habit
04. Transponder
05. Song So Wrong
06. Every Now And Then
07. Man On A String
08. Home Sweat Home
09. Eye Opening
10. Pen To Paper
11. Bitter Suite
12. House In Order
13. Gypsy Candle
14. Done
15. Forever And Always

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 22:13


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 425


Disco da semana 118#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.