Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Frank Turner - Be More Kind

Até 2005 Frank Turner, músico inglês nascido em Meonstoke, era vocalista da banda de post hardcore Million Dead. Nesse ano abandonou as guitarras para seguir uma carreira a solo numa sonoridade bem mais acústica. A vontade do músico em seguir uma linha menos agressiva e mais sofisticada já era antiga e em 2007 estreou-se nos discos com o bem sucedido Sleep Is For The Week. Nesse disco Turner não abandonou a voz forte e exuberante, nem a atitude típica de um verdadeiro rockstar. No entanto, adaptou a folk de forma singular a estas caraterísticas e por isso recebeu inúmeras críticas positivas e foi mais um a mostrar que a música acústica também poderá ter uma toada punk. Acabou por se tornar numa das figuras mais queridas da pop britânica e em 2011 lançou England Keep My Bones, mais um registo distante do hardcore e que que continha letras tocantes e apaixonadas. Agora, meia década depois desse registo fortemente politizado e depois de dois registos que serviram para exerocizar alguns demónios pessoais, Tape Deck Heart (2013) e Positive Songs For Negative People (2015), Frank Turner faz chegar aos escaparates Be More Kind, o seu oitavo registo, treze canções vibrantes e que colocam novamente o autor na rota de sonoridades rugosas e impulsivas, misturadas com arranjos de forte pendor orgânico e teor acústico.

Resultado de imagem para frank turner 2018

Be More Kind vê a luz do dia depois de Turner ter estado em estúdio com Austin Jenkins e Joshua Block, antigos membros dos White Denim e também com Charlie Hugall (Florence And The Machine, Halsey), que assume as rédeas da produção de um alinhamento que abre com Don't Worry, um tratado de folk gospel pensado para quem quer conseguir perceber e conetar-se com este mundo cada vez mais estranho e anormal (I don’t know what I’m doing, no-one has a clue). A partir daí, Turner passa grande parte do álbum a dissertar  sobre o brexit e Trump e fá-lo com resutlados particularmente inspirados, nomeadamente em 1933, um tratado sonoro fortemente influenciado pelo típico punk rock do outro lado do atlântico, um cerrar de punhos que curiosamente Turner rejeita, do seguinte modo, em declarações recentes: 1933 filled me with a mixture of incredulity and anger. (...) The idea that it have anything to do with punk rock makes me extremely angry. Algumas canções depois, no rock sintético de Make America Great Again, o autor dispara novamente sobre a ascendência de Trump ao poder nos Estados Unidos e como isso potenciou o declínio moral de um país que ele considera cada vez mais rascista e perigoso (Making racists ashamed again, Let’s make compassion in fashion again).

Este modo de pensar de Turner relativamente ao mundo que o rodeia, a colocar permanentemente o ênfase nos aspetos menos positivos da nossa contemporaneidade, é um percurso do qual ele nunca se desvia até ao ocaso de Be More Kind. Assim, se Brave Face dá a sua visão sobre como poderá ser o apocalipse num futuro próximo, em 21st Century Survival Blues encontramo-lo a dissertar sobre as alterações climáticas e, logo depois, no eletropop anguloso de Blackout, ele prevê o caos que se instalaria no nosso planeta se a eletricidade deixasse de existir de um momento para o outro. Mas, no meio de todo este clima caótico, Turner encontra finalmente espaço para a compaixão e para o entendimento entre os povos através do amor, aquela que ele considera ser a principal arma contra os racistas, os fascistas e os apoiantes do brexit, fazendo-o de modo particularmente vincado e simbólico na folk intimista do tema homónimo (In a world that has decided that it’s going to lose its mind, Be more kind, my friends, try to be more kind).

Toda a autenticidade que Be More Kind passa para o ouvinte, em jeito de apelo, é um enorme atributo, um fato a reter e um aspecto que dá ao alinhamento um imenso charme e carisma. Abrigado pela típica intensidade de Turner, Be More Kind ganha identidade e personalidade graças ao espírito único da música do compositor inglês, que não tem medo de experimentar e que volta a provar que na folk também pode existir um lado punk, enérgico, charmoso e carismático, neste disco de identificação e empatia, indicado para nos fazer refletir e ponderar sobre o presente, sem pressa de chegarmos ao nosso destino. Espero que aprecies a sugestão...

Frank Turner - Be More Kind

01. Don’t Worry
02. 1933
03. Little Changes
04. Be More Kind
95. Make America Great Again
06. Going Nowhere
07. Brave Face
08. There She Is
09. 21st Century Survival Blues
10. Blackout
11. Common Ground
12. The Lifeboat
13. Get It Right


autor stipe07 às 18:08
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Disco da semana

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Foals - Everything Not Sa...

Perfume Genius – Pop Song

Miniature Tigers - Vampir...

Vetiver – Wanted, Never A...

Men On The Couch - Senso ...

Panda Bear – Playing The ...

The Dodos – The Atlantic

Allah-Las - Lahs

Storm The Palace - Delici...

Men On The Couch - Areia

The New Pornographers - I...

Taïs Reganelli - Vem (Alé...

DIIV - Deceiver

Kurt Vile – Baby’s Arms (...

Colony House – Looking Fo...

The Monochrome Set - Fabu...

Efterklang – Altid Sammen

Foreign Poetry - Freeform

Temples - Hot Motion

The High Dials – Primitiv...

Wildlife – No Control

Gruff Rhys – Pang!

Y La Bamba – Entre Los Do...

Allah-Las – Prazer Em Te ...

Lucy Dacus – Dancing In T...

X-Files

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds