Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



EL VY – Return To The Moon

Sábado, 24.10.15

Com o ocaso da digressão de promoção de Trouble Will Find Me (2013), o último disco dos norte americanos The National, os membros da banda resolveram virar agulhas para alguns projetos paralelos. Recordo, por exemplo, o projeto Pfarmers que se estreou com o espetacular disco Gunnera, para mim já um dos marcos discográficos deste ano, da autoria de um super grupo do qual fazem parte Danny Seim (Menomena e Lackthereof), mas também Bryan Devendorf, o baterista dos The National e Dave Nelson (David Byrne, St. Vincent, Sufjan Stevens).

Matt Berninger, o vocalista da banda nova iorquina, também resolveu apostar em algo diferente e juntou-se a Brent Knopf (Menomena, Ramona Falls) para produzirem juntos o disco de estreia de um projeto intitulado EL VY. Esse álbum intitula-se Return To The Moon (2015), chegou recentemente às lojas através da 4AD e logo pela amostra do single homónimo, o primeiro tema divulgado, percebeu-se que estes EL VY apostam as fichas todas na voz grave de Berninger, mas os arranjos melódicos, o refrão simples e os versos acessiveis indicam uma explícita toada mais pop e luminosa do que o habitualmente escutado nos The National, ampliada também por boas guitarras e alguma sintetização.

Ainda mal se estrearam, mas a verdade é que estes EL VY carregam já uma aúrea intensa, que faz deles  foco de atenção, devido à carreira longa e qualitativamente elevada dos seus membros com ambos, e em especial Berninger, a serem um dos nomes fundamentais da cultura musical do novo século. Na verdade, este Return to The Moon é uma verdadeira jornada sentimental e realística pelos meandros de uma américa cada vez mais cosmopolita e absorvida pelas suas próprias encruzilhadas, uma odisseia heterogénea e multicultural oferecida por um projeto visionário que encarna atualmente um desejo claro de renovação, explorando habituais referências dentro de um universo sonoro muito peculiar e que aposta na fusão de rock, com a pop, o jazz e a folk, de uma forma direta e luminosa, mas também, em alguns instantes, densa e marcadamente experimental.

É evidente a sensação de prazer que qualquer conhecedor profundo da carreira dos músicos dos EL VY sente ao escutar este trabalho e acaba por ser natural expressarmos aquilo que sentimos acerca de Return To The Moon, exalando uma excitante sensação de alívio, porque se mantém intocável a vontade e a capacidade criativa destes autores para a renovação constante do seu ambiente particular, sem colocar em causa algumas permissas essenciais que identificam e tipificam o som específico dos seus projetos de origens. Se o tema tema homónimo deslumbra pelo esplendor das guitarras e o acerto dos teclados, a rugosidade algo jazzística de I’m The Man To Be e o dedilhar das cordas de Paul Is Alive, conjugado com os arranjos percussivos inéditos e outros recursos sonoros de cariz geralmente sintético, exprimem o modo asseado e inspirado como esta nova banda olha para as tendências atuais mais bem aceites pelo público. Need A Friend e  Happiness, Missouri acabam por ser o auge desta evidencia, pela forma como os EL VY exploram nessas canções uma ligação estreita entre a psicadelia, o rock alternativo e a pop, através de uma certa ironia pouco comum, mas com resultados práticos extraordinários.

Depois, no restante alinhamento de Return to The Moon, são outros os exemplos do modo como os EL VY em vez de se fecharem no seu próprio casulo, parecem estar muito atentos à realidade atual, enquanto se mostram particularmente inspirados e num elevado nível qualitativo na visão caleidoscópica que plasmam nesta estreia. O cariz boémio e nublado que dá vida à alegoria funk pop Silent Ivy Hotel, um tema que não receia abusar dos detalhes eletrónicos e de outros detalhes metálicos é outro sinal claro desse avanço, que a riqueza dos arranjos das cordas da reflexiva It's A Game, o ambiente nostálgico de No Time To Crank The Sun, ou as guitarras e o xilofone de Sleepin’ Light, tema que conta com a participação espeical de Ural Thomas, também evidenciam.

Tentativa bem sucedida de oferecer algo inovador, empolgante e orquestralmente rico, Return To The Moon é um álbum heterógeneo onde se cruzam diversos espetros sonoros com impressionante bom gosto e onde se escuta um certo caos, sempre controlado e claramente ponderado, rico, exuberante e impecavelmente produzido. Nele, estes EL VY oferecem-nos onze canções que borbulham um forte sinal de esperança e de renascimento, sementes que vão provavelmente conquistar para o grupo públicos diferentes daqueles que acompanham os projetos de onde os músicos são originários. Espero que aprecies a sugestão...

EL VY - Return To The Moon

01. Return To The Moon (Political Song For Didi Bloome To Sing, With Crescendo)
02. I’m The Man To Be
03. Paul Is Alive
04. Need A Friend
05. Silent Ivy Hotel
06. No Time To Crank The Sun
07. It’s A Game
08. Sleepin’ Light (Feat. Ural Thomas)
09. Sad Case
10. Happiness, Missouri
11. Careless

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:21






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 423


Disco da semana 117#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.