Domingo, 24 de Fevereiro de 2019

Copeland - Blushing

Os norte-americanos Copeland de Aaron Marsh (voz, guitarra, baixo, piano), Bryan Laurenson (guitarra) e Stephen Laurenson (guitarra) já andam por cá, algo despercebidos, é certo, mas tremendamente criativos, desde o início do novo milénio. Têm cinco discos em carteira, sendo o último IXORA, um registo editado em novembro de dois mil e catorze e que já tem finalmente sucessor, um trabalho intitulado Blushing, que viu a luz do dia há poucos dias, à boleia da tooth & nail records.

Resultado de imagem para Copeland - Blushing

Gravado nos dois últimos dois anos no The Vanguard Room, o estúdio de Aaron Marsh, em Lakeland, Florida, terra natal da banda e misturado em Nova Iorque por  Michael Brauer, Blushing assenta, liricamente, na habitual escrita algo intrincada e levemente lúgubre, que carateriza o cardápio lírico dos Copeland, envolvida por um arquétipo sonoro que, piscando também o olho à eletrónica, consegue ser, com superior subtileza, sereno e majestoso.

Logo que foi revelado Pope, o primeiro single de Blushing, percebeu-se que este seria mais um álbum emotivo e capaz de mexer com o âmago de quem se predispusesse a destrinçar o seu conteúdo, que vai sempre muito além, no caso dos Copeland, da simples vertente musical. E de facto, a atmosfera cativante do registo, que facilmente nos faz levitar e dançar e sonhar em simultâneo, sendo transversal a todo o alinhamento, faz de Blushing uma espécie de disco conceptual, idealizado para funcionar como um potente soporífero e onde o clássico, o ambiental e o contemporâneo se misturam para dar vida a um receituário único no panorama alternativo atual.

O sintetizador e a batida hipnótica que o sustentam em Lay Here e que depois são envolvidos por detalhes borbulhantes, o piano digital e a bateria inituitiva que conduzem a radioheadiana As Above, So Alone, o indistinto charme de Night Figures, a guitarra abrasiva de Colorless ou a nave espacial que se despenha entre os efeitos inebriantes e a distorção vocal de On Your Worst Day, são telas sonoras de elevado cariz impressionista, dentro daquilo que pode ser descrito como uma eletrónica feita de um ímpar bucolismo que nos força a enfrentar o nosso lado mais melancólico, etéreo e introspetivo, enquanto os Copeland parecem querer colocar a nú algumas das feridas e chagas que, desde tempos intemporais, perseguem a humanidade e definem a propensão natural que o homem tem, enquanto espécie, de cair insistentemente no erro e de colocar em causa o mundo que o rodeia. Espero que aprecies a sugestão...


autor stipe07 às 21:32
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Disco da semana

Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Tellavision - Add Land

Tricycles - Tricycles

Beck – Saw Lightning

Courtney Barnett – Everyb...

The Flaming Lips – King’s...

Tunng – Heatwave

Tame Impala - Borderline

The Drums - Brutalism

The Divine Comedy – Queue...

The Proper Ornaments - Si...

Vampire Weekend – This Li...

The National – Light Year...

Lambchop - This (Is What ...

Deportees - Bright Eyes

Um Corpo Estranho - Homem...

Interpol – The Weekend

The Dodos – The Surface

Ra Ra Riot & Rostam Batma...

Tricycles - Saliva

Kakkmaddafakka – Diplomac...

Idlewild – Same Things Tw...

Fujiya And Miyagi – Flash...

Alen Tagus - Holiday

Tame Impala – Patience

Swimming Tapes - Passing ...

X-Files

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds