Segunda-feira, 21 de Maio de 2012

Beach House - Bloom

Desde a estreia dos Beach House que era notório o esforço da dupla Victoria Legrand e Alex Scally, natural de Baltimore, em aperfeiçoar uma fórmula própria dentro dos limites etéreos da dream pop. Entusiastas de várias bandas da década de oitenta, em 2010, com Teen Dream e os contornos pop melódicos que abraçavam nesse disco, fizeram com que o projeto ganhasse amplo destaque e a dupla alcançasse um novo nível lírico e instrumental, além da tão ansiada fórmula de sucesso que andavam à procura. No entanto, parece que a eterna insatisfação reina no seio do grupo já que com Bloom, o novo álbum, editado pela Sub Pop, os Beach House parecem abrir-se para novos rumos e expetativas sonoras.

Este quarto registo da banda evoca sentimentos ainda mais próximos do ouvinte, que nas dez composições do disco irá descobrir uma míriade de referências leves e hipnóticas que musicalmente se desfazem nos ouvidos do espectador, ou seja, longe de repetirem os mesmos acertos do passado, a dupla opta por experimentar, não de forma revolucionária, mas como se estivesse a preparar, como já dei a entender, um novo ciclo musical próprio.

No entanto, durante os cinquenta minutos do disco, a sonoridade é vincada e firme, ao contrário de experiências naturalmente etéreas e oníricas apresentadas por outras bandas do género. Nos Beach House, as guitarras que antes serviam para construir densos planos de fundo musicais, agora ressurgem em formas menos experimentais e mais acessíveis ao público e sente-se no disco a necessidade de dar continuidade ao que fora testado em músicas como Walk In The Park e 10 Mile Stereo, canções que conseguiram puxar Teen Dream para além dos sintetizadores mágicos e vocais enevoados que delimitaram boa parte da estrutura do álbum anterior.

A presença ativa do produtor Chris Coady, responsável por alguns discos que me dizem bastante, nomeadamente  Dear Science dos TV On The Radio, Yellow House de Grizzly Bear e o recente Eye Contact do Gang Gang Dance, deverá ter sido importante para  alcançar essa nova musicalidade dentro do álbum. Coady repete em Bloom todos os acertos gerados no último disco da banda e acaba por ser como que um terceiro membro do projeto, tornando as composições muito mais audíveis e abertas. A voz de Legrand surge límpida e perfeitamente audível e deixou de ser aplicada como mais um instrumento, algo que era uma caraterística básica dos três últimos lançamentos dos Beach House.

Bloom não é um disco apenas destinado ao grande público e deverá ecoar com perfeição nos ouvidos dos mais antigos seguidores da dupla. Diferente dos anteriores discos, quando o duo parecia interessado em se encontrar e produzir um som de força própria, em Bloom o casal deixa-se contagiar por outras referências, algo facilmente observado na aproximação de diversas músicas com elementos típicos dos anos oitenta. Logo em Wild, segunda canção do álbum, esse tipo de som já é visível e a maneira como as guitarras e os teclados (repletos de eco) são alinhados transportam imediatamente o ouvinte para o cenário montado há três décadas. Além disso houve a necessidade de amarrar todas as canções, aplicando pequenos ruídos ou interlúdios que acabam por ligar as canções num imenso bloco sonoro, o que deu ao disco um certo tom conceptual.

Legrand e Scally não poderiam ter escolhido um melhor nome para o novo álbum da banda. O florescer que se manifesta no título do trabalho encontra coerência no conteúdo do disco, um projeto que absorve a luz vinda de diversas referências e as converte em algo novo, permeado por boas guitarras, arranjos instrumentais límpidos e o mesmo conjunto de versos melancólicos e intimistas que o duo desenvolve há já alguns anos para nos enfeitiçar. Se Teen Dream parecia ser o ápice, Bloom demonstra que o casal de Baltimore pode ir ainda mais longe e se existe algum limite ao trabalho da dupla, este ainda parece impossível de ser detectado. Espero que aprecies a sugestão...

 

1. Myth
2. Wild
3. Lazuli
4. Other People
5. The Hours
6. Troublemaker
7. New Year
8. Wishes
9. On The Sea
10. Irene


autor stipe07 às 14:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Disco da semana

Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
18

19
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Noiserv - Meio vs Neutro

The 1975 – Me And You Tog...

The Artist Is Irrelevant ...

Bombay Bicycle Club – Eve...

EOB - Santa Teresa vs Bra...

Real Estate – Paper Cup

Grouplove – Deleter

Papercuts – Kathleen Says...

Elephant Stone – Keep The...

The Proper Ornaments – Pu...

Steve Mason – Coup D’état...

Tame Impala – Lost In Yes...

Black Marble – Bigger Tha...

MOMO - I Was Told To Be Q...

Ten Fé – Candidate vs Hea...

Loosense - Saloon

Time For T - Galavanting

Os melhores discos de 201...

Josh Rouse – The Holiday ...

Os melhores discos de 201...

Lucy Dacus – 2019 EP

Andrew Bird – Hark! EP

Oh Wonder – This Christma...

Richard Ashcroft – Have Y...

Greg Dulli – Pantomima

X-Files

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds