Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Björk – Fossora

Quinta-feira, 13.10.22

Fossora é o curioso título do novo disco de originais da islandesa Björk, uma artista exímia a mostrar o quanto o cenário musical do país de onde é originária é inspirador, mas também ela, por si só, uma verdadeira fonte de inspiração para imensos artistas. E o deslumbre que ela irradia, há já três décadas de uma carreira extraordinária, sente-se na pafernália de sons, detalhes e efeitos que vão cirandando em redor da uma voz que parece sempre encontrar, disco após disco, novo motivos para olhar com optimismo para o mundo que a rodeia.

The Quietus | News | Björk Shares Title Track From New Album, 'Fossora'

Fossora não foge a esta permissa, num alinhamento de treze composições, impecavelmente representadas logo em Atopos, o primeiro tema do registo, uma canção instrumentalmente poderosa, assente num registo percussivo luxuriante e numa imponente secção de sopros, duas nuances habituais no quase sempre celebratório modus operandi sonoro da autora e que versa sobre a necessidade intrínseca à nossa essência humana de procura do outro, utilizando como ponto de partida uma famosa expressão do filósofo Roland Barthes, que traduzida diz algo do género: As nossas diferenças são irrelevantes e o nosso desejo de união é mais forte do que nós

Fossora (escavadora em islandês) é, portanto, um compêndio que foge ao convencional, mas que não deixa, por isso, de conter uma profundidade e uma emotividade bem vincadas. Aliás, sente-se ao longo do disco uma sensação quase física de contacto com algo parecido com o subsolo, uma caraterística muito própria da melhor música tradicional islandesa e que Björk manipula com imaculada destreza, através de sintetizações rugosas e batidas vincadas, mas também com detalhes angelicais, que acabam por conferir a essa sensação uma feminilidade bastante intensa. De facto, as canções exalam tudo aquilo que a autora pretende, quer seja algo sobre o amor e o romantismo, mas também a separação ( Sorrowful Soil), ou sobre a própria morte e o luto (a morte da ativista Hildur Rúna Hauksdóttir, mãe de Björk, inspirou alguns dos temas de Fossora, em particular Ancestress), mesmo que, à partida, a estrutura do tema e a sua própria sonoridade não transpirem equivalência relativamente à componente lírica. Aliás, esta questão da morte e da inevitabilidade da mesma e da necessidade de a encarar de frente, é mesmo a ideia central do álbum, aprofundada pela seleção do universo dos fungos como adereço estilístico visual privilegiado do registo, de modo a mostrar que com a morte também existe a possibilidade de um recomeço, apesar da dor do fim de algo ou de alguém, que ela sempre representa.

Repleto de ilustres convidados, Fossora é um extraordinário disco assente numa estética com elevada filosofia orgânica e centrada eminentemente no sintético e na vastidão percurssiva orgânica que está disponível para todos mas que é ainda pouco explorada, talvez o território onde esta artista islandesa se tem sentido mais confortável ao longo da carreira. É um registo sólido e uniforme e muito centrado, liricamente, nas fraquezas individuais e na fragilidade própria da existência humana. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:25






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 511


Disco da semana 159#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Outubro 2022

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.