Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Michael Stipe And Big Red Machine – No Time For Love Like Now

Segunda-feira, 15.06.20

Michael Stipe And Big Red Machine - No Time For Love Like Now

Um dos melhores discos de dois mil e dezoito para a nossa redação foi o trabalho homónimo de estreia do projeto Big Red Machine encabeçado por Justin Vernon aka Bon Iver e Aaron Dessner, distinto membro dos The National, dois artistas que juntos também já desenvolveram a plataforma PEOPLE, que reúne composições inéditas de mais de oitenta artistas e organizaram festivais (Eaux Claires).

Agora, no ocaso da primavera de dois mil e vinte, os Big Red Machine deram as mãos a Michael Stipe, vocalista dos extintos R.E.M., para muitos a melhor banda do rock alternativo contemporâneo, para juntos assinarem o single No Time For Love Like Now. A versão demo da canção, composta em outubro do ano passado, já tinha sido apresentada por Michael Stipe nas suas redes sociais há agumas semanas, ao vivo no talkshow Late Show With Stephen Colbert, a partir de sua casa, onde esteve de quarentena, e agora chegou a vez da versão final, também já com direito a um vídeo assinado por Michael Brown.

Produzida por Aaron Dessner, orquestrada por Bryce Dessner e com Justin Vernon aos comandos da guitarra elétrica, No Time For Love Like Now é uma daquelas lindíssimas canções que nos colocam na senda de sonoridades eminentemente intimistas e ambientais, uma composição de cariz predominantemente minimal mas que nem por isso deixam de ser intrincada e de conter várias nuances e detalhes que vale bem a pena destrinçar ao longo da sua audição. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:18

Foals – Collected Reworks Vol. 1

Sexta-feira, 12.06.20

Os Foals de Yannis Philippakis ofereceram-nos dose dupla em dois mil e dezanove, com o lançamento, em maio desse ano, de Everything Not Saved Will Be Lost Part 1, ao qual sucedeu, no mês de outubro, Everything Not Saved Will Be Lost Part 2, dois trabalhos com a chancela do consórcio Transgressive / Warner Bros e que materializaram o quinto e sexto registo da carreira do projeto britânico, dois álbuns muito focados no modo como o homem tem pressionado o ambiente e a natureza, colocando o futuro do nosso planeta em risco, mas que também olhavma para assuntos importantes da realidade britânica como o brexit, a imigração e o fosso cada vez maior entre ricos e pobres.

Foals announce career-spanning 'Collected Reworks Vol. I' remix ...

Agora, na ressaca de tão monstruosa e bem sucedida demanda, os Foals resolveram agregar e disponibilizar num só tomo que terá, presume-se, três capítulos, o modo como nesta década algus dos melhores intérpretes da eletrónica contemporânea, foram misturando alguns dos seus maiores sucessos, de modo a recriarem vários alinhamentos de remisturas. O pontapé de saída de tal demanda acaba de ser dado com Collected Reworks Vol. 1, um compêndio que impressiona pela grandiosidade e pelo modo como, na base sonora dos Foals, assente num indie rock impulsivo e eloquente, feito quase sempre de guitarras conduzidas por uma epicidade frenética e crua, os efeitos exalam um saudável espontaneidade, alinhados por batidas quentes e andamentos melódicos únicos e fortemente inebriantes. 

O resultado final é mais de uma hora e meia de um verdadeiro estardalhaço sonoro libidinoso e festivo que, além de explorar com notável abrangência, requinte e fluidez os diferentes jogos de sedução que se podem estabelecer entre o indie punk rock e a eletrónica que oscila entre o techno, a dance music e a chillwave, procura, numa espécie de filosofia interpretativa global seguida pelos diferentes intérpretes, o encontro de sonoridades simbióticas que coloquem maior ênfase naquela pop sintetizada que dialoga promiscuamente com o rock oitocentista, sem colocar em causa o ângulo individual que cada artista colocou na sonoridade dos Foals e no modo como a quis reinventar e enriquecer. Espero que aprecies a sugestão...

Foals - Collected Reworks Vol. 1

01. My Number (Hot Chip Remix)
02. Give It All (Lxury Remix)
03. Mountain At My Gates (Alex Metric Remix)
04. Into The Surf (Hot Since 82 Remix)
05. Spanish Sahara (John Dahlbäck Remix)
06. The Runner (RÜFÜS DU SOL Remix)
07. In Degrees (Purple Disco Machine Remix)
08. Mountain At My Gates (SebastiAn Remix)
09. Spanish Sahara (Topher Jones Remix)
10. Out Of The Woods (Kulkid Remix)
11. Olympic Airways (Ewan Pearson’s Return To the Villa Of Joy Remix)
12. Late Night (Solomun Remix)
13. Spanish Sahara (Deadboy Remix)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:02

Rufus Wainwright – You Ain’t Big

Quarta-feira, 10.06.20

Rufus Wainwright - You Ain't Big

Exatamente daqui a um mês, dia dez de julho, o norte-americano Rufus Wainwright irá regressar aos discos com Unfollow the Rules, um alinhamento de doze canções que irá suceder ao registo Out The Game, que tem já oito anos de existência e que, como se percebe, quebra um longo hiato discográfico do autor, cantor e compositor natural de Nova Iorque.

O charme folk vintage bastante luminoso e apelativo de You Ain't Big, canção que contém sonoramente um forte travo à melhor herança da country no seu estado mais puro, é o mais recente single divulgado de Unfollow The Rules, uma canção bastante atual porque versa sobre o extremismo racial que grassa nos Estados Unidos da América e de costa a costa (You ain’t big if you’re little in Texas, Don’t know who you are unless you’re made it in Lawrence, Kansas, Wait a minute Lawrence, Kansas, Doesn’t really matter at all.). Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 17:08

Gary Olson - Gary Olson

Terça-feira, 09.06.20

Gary Olson é um notável cantor, compositor, escritor e multinstrumentista, que se destaca, no último atributo referido, aos comandos do trompete. Tem colocado em prática todos estes seus recursos na banda Ladybug Transistor, que lidera e com a qual já editou cinco discos à boleia da conceituada Merge Records. Mas Gary Olson também aposta numa carreira a solo, recentemente materializada num disco homónimo, que viu a luz do dia no final do passado mês de maio à boleia da Tapete Records e que resulta de uma colaboração estreita do músico com dois irmãos noruegueses, Ole Johannes Åleskjær, dono do estúdio Tune-J, situado nos arredores de Oslo e Jorn Åleskjær.

Também produtor e engenheiro de som nos estúdios Marlborough Farms, situados no bairro de Flatbush, em Brooklyn, nos arredores de Nova Iorque, Gary Olson e os irmãos noruegueses começaram a conjurar estes disco há já alguns anos quando a banda Loch Ness Mouse se cruzou com os Ladybug Transistor em digressão. A partir daí, a via de comunicação entre as duas partes ficou aberta, Gary fez algumas incursões à Noruega até ao estúdio dos irmãos para gravar, regressava a Flatbush onde acrescentava a voz e diversos arranjos aos temas, que tinham Ole aos comandos da guitarra e depois as composições iam novamente para a Noruega para serem concluídas.

Contando também com as participações de Håvard Krogedal (baixo, violoncelo), Emil Nikolaisen (bateria), Joe McGinty (arranjos de cordas, piano e órgão) e Suzanne Nienaber (voz), Gary Olson oferece-nos uma coleção de onze canções que impressionam pelo charme algo displicente, mas feliz, como parecem desprezar alguns dos arquétipos fundamentais da música atual, fazendo-o através de um clima sonoro que entre o rock clássico, a folk mais experimental e a pop charmosa, exala um travo algo boémio, fazendo-o com elevada sabedoria interpretativa e um realismo temático ímpar.

De facto, a radiosa luminosidade do timbre das cordas que conduzem e adornam Giovanna Please e, de um modo mais requintado, The Old Twin e o registo mais eletrificado e até algo progressivo de Some Advice, dentro de um indisfarçável espetro rock, são, dentro do registo, alicerces fundamentais de duas pontas do largo leque de influências e confluências que definem o conteúdo de Gary Olson, existindo em todas elas, como ponto comum, a segurar as pontas e a oferecer uma assinatura indistinta, o modo sagaz como o trompete induz vivacidade, cor e lineariedade a um alinhamento que se torna particularmente aprazível em dias festivos e descomprometidos, como seria de esperar num autor que sempre se fez notar por uma filosofia estilística de choque com convenções e normas pré-estabelecidas.

Sem perder tempo com o acessório e claramente a querer celebrar o momento, o imediato e o presente, Gary Olson vai direto ao assunto neste seu novo registo homónimo, fazendo-o com canções complexas e conversacionais e repletas de várias camadas sonoras que refletem uma variedade instrumental imensa, mas que que nos são dadas a apreciar em verdadeira plenitude, nesta contemporaneidade cheia de encruzilhadas e dilemas em que vivemos. Espero que aprecies a sugestão...

1. Navy Boats
2. Giovanna Please
3. Some Advice
4. Postcard From Lisbon
5. All Points North
6. Initials DC
7. Afternoon Into Evening
8. Diego It’s Time
9. A Dream For A Memory
10. Tourists Taking Photographs
11. The Old Twin

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:08

Lonely Tourist – Tom And The Library

Segunda-feira, 08.06.20

Lonely Tourist - Tom And The Library

Natural de Bristol, Paul Terney encabeça o projeto Lonely Tourist, que impressionou a crítica inglesa em fevereiro de dois mil e dezoito com Remuneration, o seu quarto disco, um compêndio de indie folk absolutamente ímpar. Pouco mais de um ano depois, no verão de dois mil e dezanove, Lonely Tourist voltou à carga com a edição de Last Night At Tony's, um dos melhores discos ao vivo que a folk britânica viu chegar ao seu catálogo em dois mil e dezanove.

Agora, quase um ano depois desse delicioso alinhamento, Paul Terney está de volta com um novo tema intitulado Tom And The Library, uma exuberante e luminosa composição, assente em cordas vibrantes, repletas de vivacidade e ritmo, aspetos que conferem à composição, juntamente com a notável performance declamativa vocal de Paul, um inconfundível charme, tipicamente british. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:29

Glen Hansard – Cold Comfort

Domingo, 07.06.20

Glen Hansard - Cold Comfort

O irlandês Glen Hansard é um já velho conhecido do universo musical e com algumas citações por cá desde o início desta década, devido ao seu envolvimento no projeto The Swell Season, onde fazia parceria com Marketá Irglova e de cuja discografia destaco a banda sonora de Once, que lhes valeu um óscar, mas também por causa de Rhythm And Repose álbum de estreia que este ícone da folk contemporânea lançou em dois mil e doze. No início de dois mil e dezoito também mereceu destaque e menção neste espaço com o disco Between Two Shores, dez canções abrigadas pela reputada -ANTI e que começaram a ser incubadas pelo músico logo após a conclusão da gravação de Rhythm And Repose, no estúdio dos Wilco em Chicago.

Agora, em plena primavera de dois mil e vinte, e quase um ano depois da edição de This Wild Willing, o álbum que Glen Hansard editou o ano passado, o músico irlandês está de volta com Cold Comfort, uma nova canção que nos proporciona um delicioso instante folk de filosofia eminentemente acústica, que nos transporta para bem longe, ao mesmo tempo que, havendo predisposição para isso, toca fundo bem aqui, no nosso coração. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 23:19

Muzz - Muzz

Sexta-feira, 05.06.20

Uma das grandes surpresas discográficas do momento é o registo homónimo de estreia do super grupo Muzz, um trio formado por Paul Banks dos Interpol, Matt Barrick dos The Walkmen e Josh Kaufman dos Bonny Light Horseman. O projeto começou a ser incubado há quase meia década por Banks e Barrick, amigos dos tempos de escola que tiveram sempre em mente juntar esforços para compor e criar música. Josh Kaufman, exímio multi-instrumentista e habitual colaborador em diversos projetos, com especial destaque para os The National e o registo de estreia a solo de Matt Berninger, prestes a ver a luz do dia, foi a cereja no topo do bolo dessa ideia feliz e que dá agora frutos num alinhamento de doze canções com elevado travo indie e onde do rock alternativo à folk, funde-se o adn de Banks, que olhou sempre com gula para um registo eminentemente punk, com as sonoridades mais atmosféricas e luminosas do agrado de Barrick, admirador confesso de referências como Neil Young ou Bob Dylan.

Muzz - Muzz review: Paul Banks's drowsy, occasionally lovely but ...

Abrigado pela Matador Records, Muzz tem como excelente exemplo de toda a trama que o sustenta, o modo como um dramático piano se entrelaça com uma guitarra repleta de efeitos, enquanto alguns sopros deambulam pela melodia de Broken Tambourine, uma das canções mais bonitas do ano. A partir daí, Muzz proporciona uma jornada sonora em que limpidez e sobriedade dão as mãos convictamente, para colocarem rédea curta num rock que não deixa de ser sedutor, adulto e até charmoso, mas que é minuciosamente arquitetado e alvo de um trabalho de produção irrepreensível. Mesmo quando as guitarras distorcidas se fazem notar desenfreadamente em Red Western Sky ou Knuckleduster, nunca é permitido o resvalar para territórios mais progressivos e rugosos.

Apesar de Banks e Barrick serem as figuras públicas maiores deste coletivo, é Kaufman quem, no fundo, está na base a segurar todo o edifício sonoro do álbum, já que é ele o responsável pelo adorno dos temas, o dono de grande parte dos arranjos de cordas e o intérprete da maioria do arsenal instrumental utilizado. O intimismo sintético de Evergreen, a salutar e impressiva acusticidade de Everything Like It Used to Be, o pendor clássico e até pastoral de All Is Dead to Me e o modo como folk e eletrónica sustentam Patchouli, só são possíveis devido aos múltiplos recursos que este músico possui e à sua ímpar capacidade interpretativa.

Outro aspeto interessante durante a audição de Muzz é a percepção clara de que fica sempre à tona um salutar minimalismo que, diga-se, é o registo instrumental interpretativo que melhor faz sobressair a voz inconfundível de Banks, uma das mais sagazes do indie rock contemporâneo e que, podendo estar a perder alguma potência com a idade, está a ganhar claramente em afinação e sentimento.

Não sendo ainda claramente percetível em que direção pretendem estes três amigos talentosos caminhar, algo que até abona positivamente em relação às expetativas futuras relativamente a este projeto, é já certo poder dizer-se que Muzz é uma feliz e promissora estreia de um conjunto de músicos que parecem ter encontrado o ninho perfeito para deixarem a sua criatividade fluir livremente, sem os constrangimentos óbvios do adn sonoro das bandas de onde são originários. Em Banks, por exemplo, percebe-se que ele se sente feliz por finalmente fazer parte de uma banda em que não precisa de vestir um fato cada vez que tem de dar a cara por ela. Espero que aprecies a sugestão...

Muzz - Muzz

01. Bad Feeling
02. Evergreen
03. Red Western Sky
04. Patchouli
05. Everything Like It Used To Be
06. Broken Tambourine
07. Knuckleduster
08. Chubby Checker
09. How Many Days
10. Summer Love
11. All Is Dead To Me
12. Trinidad

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:16

Nothing – GEORGE (A Live Part Time Punks Session, Los Angeles 12.07.2019) EP

Quinta-feira, 04.06.20

Editado em dois mil e catoze, Guilty of Everything foi o trabalho de estreia dos Nothing, uma banda de Filadélfia, que logo nesse primeiro disco clarificou deambular entre a dream pop nostálgica e o rock progressivo amplo e visceral. Após essa estreia, o grupo foi, com mais dois registos no catálogo, Tired Of Tomorrow e Dancing On The Blacktoop, impressionando audiências com um som cativante e explosivo, sempre com fuzz nas guitarras e o nível de distorção no red line, oferecendo, a quem os quisesse ouvir, o melhor da herança do rock alternativo de finais do século passado, suportada por nomes tão fundamentais como os My Bloody Valentine ou os Smashing Pumpkins, só para citar algumas das influências mais declaradas do grupo.

Music: Nothing: 'George' (A Part Time Punks Session) | Punknews.org

Instrumentalmente muito rico, GEORGE (A Live Part Time Punks Session, Los Angeles 12.07.2019), o novo EP dos Nothing, é mais um documento essencial para se perceber a progressão do quarteto, um alinhamento de quatro temas, nos quais se inclui uma versão do clássico Sex And Candy, de Marcy’s Playground, em que apesar da primazia das guitarras, também conta com algumas sintetizações que conferem ao som do EP uma toada muito rica e luminosa e um travo pop que ajuda a amenizar o cariz mais sombrio do rock que replicam quer em Zero Day, quer em (HOPE) Is Another Word With A Hole In It.

A voz é um dos detalhes mais assertivos do EP; Ela sopra na nossa mente e envolve-nos com uma toada emotiva e delicada, contrastante com a rudeza das distorções, provocando, apesar do ruido sombrio das guitarras, um cocktail delicioso de boas sensações. Geralmente em reverb, numa postura claramente lo fi, ela é uma consequência lógica das opções sonoras do grupo e um elemento importante para criar o ambiente soturno e melancólico pretendido.

EP com forte cariz social, bastente atual e claramente de intervenção, GEORGE (A Live Part Time Punks Session, Los Angeles 12.07.2019), contém um certo charme vintage que busca o feliz encontro entre sonoridades que surgiram há décadas e se foram aperfeiçoando ao longo do tempo e ditando regras que hoje consagram as tendências mais atuais em que assenta o indie rock com um cariz fortemente nostálgico e contemplativo, mas também feito com os punhos cerrados e a apelar ao nosso lado mais selvagem e cru. Espero que aprecies a sugestão...

Nothing - GEORGE (A Live Part Time Punks Session, Los Angeles 12.07.2019)

01. Zero Day
02. (HOPE) Is Another Word With A Hole In It
03. The Dead Are Dumb
04. Sex And Candy (Originally By Marcy’s Playground)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:45

The Flaming Lips – Flowers Of Neptune 6

Terça-feira, 02.06.20

Basta fazer uma pesquisa ao histórico de Man On The Moon para perceber que o dia um de junho, o Dia Mundial da Criança, é, curiosamente, o dia de ser publicado neste blogue algo sobre uma das bandas fundamentais e mais criativas do cenário musical indie e alternativo. Este ano falhámos por pouco... Acontece no mesmo dia, + 1. Falo, como é natural, dos The Flaming Lips, banda norte-americana natural de Oklahoma e um dos projetos sonoros mais curiosos e animados da cultura musical contemporânea. Há quase três décadas que gravitam em torno de diferentes conceitos sonoros e diversas esferas musicais e em cada novo disco reinventam-se e quase que se transformam num novo projeto.

The Flaming Lips anunciam novo single… “Flowers of Neptune 6 ...

Se os The Flaming Lips foram sempre uma banda cheia de projetos e com uma agenda de lançamentos bastante preenchida, depois de Oczy Mlody, o trabalho que este coletivo liderado pelo inimitável Wayne Coyne lançou no há três anos e que nos ofereceu uma verdadeira orgia lisérgica de sons e ruídos etéreos que os orientaram, em simultâneo, para duas direções aparentemente opostas, a indie pop etérea e psicadélica e o rock experimental, o ritmo acelerou ainda mais e, felizmente, parece não se vislumbrar o último capítulo de uma saga alimentada também por histórias complexas (Yoshimi Battles the Pink Robots), sentimentos (The Soft Bulletin), experimentações únicas (Zaireeka) e ruídos inimitáveis (The Terror).

De facto, ultimamente não tem sido fácil perceber, com clareza, que rumo concreto quer a banda dar ao seu percurso discográfico e o truque parece ser mesmo navegar ao sabor da corrente criativa dos seus membros e fazê-lo de modo (aparentemente) anárquico. Assim, se no verão de dois mil e dezoito revisitaram, numa edição de luxo de três tomos intitulada Greatest Hits, todo o catálogo dos The Flaming Lips na Warner Brothers, não só os singles e temas mais conhecidos do grupo mas também alguns lados b, versões demo e temas que nunca foram gravados, nem um ano depois já tinham nos escaparates King's Mouth, um registo conceptual de doze canções baseado no estúdio de arte com este nome que a banda de Oklahoma abriu há quatro anos e que tem com uma das principais atrações que os visitantes podem usufruir, um espetáculo de luzes LED de sete minutos que falam de um rei gigante bebé que quando cresceu fê-lo de tal modo que sugou para dentro da sua enorme cabeça todas as auroras boreais. Logo de seguida, pouco antea do último Natal, revelaram The Soft Bulletin: Recorded Live At Red Rocks With The Colorado Symphony Orchestra, mais doze canções que se assumiram como o primeiro disco ao vivo da banda de Oklahoma, um trabalho que contou com a participação especial de cento e vinte e cinco elementos da Colorado Symphony Orchestra, conduzidos pelo maestro Andre De Ridder, sessenta e oito instrumentistas e cinquenta e sete cantores e que reproduziu o alinhamento de The Soft Bulletin, a obra-prima dos The Flaming Lips, com vinte anos de vida.

Sem pausas, já em dois mil e vinte participaram numa das colaborações mais inusitadas do universo sonoro indie e alternativo, dando as mãos ao projeto californiano Deap Vally, da dupla Lindsey Troy e Julie Edwards. O resultado final da equação, ainda fresco na memória e no ouvido, chamou-se Dead Lips e materializou-se com um disco homónimo que funde com elevado grau criativo o universo psicadelico unicorniano dos The Flaming Lips e o rock puro e simples das Deap Vally.

Agora, quase no início do verão, os The Flaming Lips voltam à carga com Flowers Of Neptune 6, uma composição que conta com a participação especial vocal de Kacey Musgraves e que coloca o projeto no trilho daquele que é, sem dúvida, o território sonoro em que o projeto se deu melhor ao longo da carreira,quando atingiu o topo e grangeou uma maior base de seguidores, à boleia dos fabulosos trabalhosYoshimi Battles the Pink Robots e The Soft Bulletin. Na luminosa acusticidade das teclas e das cordas, conjugada com uma ímpar grandiosidade psicadélica, induzida por um registo percurssivo heterogéneo e uma vasta miriade de efeitos e detalhes, Flowers Of Neptune 6, um verdadeiro tratado de sentimentalismo latente e pura melancolia, embarca-nos em mais uma viagem lisérgica ímpar, uma daquelas canções que subjuga momentaneamente qualquer atribulação que no instante da audição nos apoquente. Confere...

The Flaming Lips - Flowers Of Neptune 6

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:43

Woods - Strange To Explain

Segunda-feira, 01.06.20

Com uma dezena de discos no seu catálogo, os Woods são, claramente, uma verdadeira instituição do indie rock alternativo contemporâneo. De facto, esta banda norte americana oriunda do efervescente bairro de Brooklyn, bem no epicentro da cidade que nunca dorme e liderada pelo carismático cantor e compositor Jeremy Earl e pelo parceiro Jarvis Taveniere, tem-nos habituado, tomo após tomo,  a novas nuances relativamente aos trabalhos antecessores, aparentes inflexões sonoras que o grupo vai propondo à medida que publica um novo alinhamento de canções. Mas, na verdade, tais laivos de inedetismo entroncam sempre num fio condutor que tem sido explorado até à exaustão e com particular sentido criativo, abarcando todos os detalhes que o indie rock, na sua vertente mais pura e noise e a folk com um elevado pendor psicadélico permitem. Estes são os grandes pilares que, juntamente com o típico falsete de Jeremy, orientam o som dos Woods e que se mantêm, com enorme primor, em Strange To Explain, o álbum que a dupla lançou a vinte e dois de maio, à boleia da etiqueta do grupo, a Woodsist.

Woods ainda relevante em "Strange to Explain" - Escuta Essa Review

Strange To Explain sucede ao excelente Love Is Love, de dois mil e dezassete, sendo o primeiro do projeto desde que Earl foi pai e Jarvis se mudou para Los Angeles. Tais eventos foram marcantes para a dupla e obrigaram a mesma a uma redifinição de rotinas, mas também acabaram por influenciar o conteúdo lírico e sentimental de onze canções que acabam por mostrar os Woods num território sonoro onde se sentem particularmente confortáveis. Falo daquele rock com um elevado travo folk, nomeadamente aquele mais reflexivo e íntimo que, curiosamente, foi o combustível principal de At Echo Lake, o trabalho que os Woods lançaram há exatamente uma década e que ainda é, para muita crítica, o momento discográfico maior deste projeto norte-americano.

De facto, canções como Next To You And The Sea, um buliçoso mas agradável portento de luz e cândura e Where Do You Go When You Dream?, canção que entre cordas, um baixo vibrante, um belo falsete, uma bateria pujante, arranjos luminosos e simultaneamente lo fi e guitarras experimentais, reluz porque assenta num som leve e cativante e com texturas psicadélicas que, simultaneamente, nos alegram e nos conduzem à introspeção, são temas que nos mostram, desde logo, que houve uma intenção clara de estabelecer um diálogo sonoro com o ouvinte que não obrigasse este a demasiada reflexão de modo a destrinçar o modus operandi que conduziu a conceção do disco, ao mesmo tempo que houve uma busca por induzir uma sonoridade agradável, sorridente e o mais orgânica possível. As cordas vibrantes e os efeitos borbulhantes em que navegam as águas calmas de Just To Fall Asleep e o clima sedutor que se estabelce entre viola e bateria em Before They Pass By são outros exemplos bonito desta busca por um clima otimista, reluzente e aconchegante, que marca Strange To Explain.

Mesmo nas sintetizações retro em que assenta Can’t Get Out, na subtil epicidade experimental de The Weekend Wind, ou no travo cósmico dos flashes que pairam pela bateria e pela guitarra de Fell So Hard, nunca é colocada em causa esta marca indistinta que possui Strange To Explain, um disco eminentemente cru, envolvido por um doce travo psicadélico, enquanto passeia por diferentes universos musicais, sempre com um superior encanto interpretativo e um sugestivo pendor pop, traves mestras que melodicamente colam-se com enorme mestria ao nosso ouvido e que justificam, no seu todo, que este seja um dos melhores registos do já impressionante catálogo do grupo e o que mais aproxima os Woods dos seus primórdios. Espero que aprecies a sugestão...

Woods - Strange To Explain

01. Next To You And The Sea
02. Where Do You Go When You Dream?
03. Before They Pass By
04. Can’t Get Out
05. Strange To Explain
06. The Void
07. Just To Fall Asleep
08. Fell So Hard
09. Light Of Day
10. Be There Still
11. Weekend Wind

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 22:07


Pág. 2/2






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 423


Disco da semana 117#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Junho 2020

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.