Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Widowspeak – Money

Terça-feira, 30.06.20

Widowspeak - Money

É na insuspeita Captured Tracks que se abrigam os Widowspeak, projeto sedeado em Brooklyn, Nova Iorque e que flutua abrigado pela incrível e criativa química que se estabeleceu há já uma década entre a cantora e escritora Molly Hamilton e o guitarrista Robert Earl Thomas, dois músicos com raízes em Tacoma e Chicago, mas estabelecidos na cidade que nunca dorme há já algum tempo. Com já quatro extraordinários discos em carteira e o quinto na forja, começaram por viver à sombra daquela pop de finais dos anos oitenta muito sustentada por elementos sintetizados, mas não restam dúvidas que é nas construções musicais lançadas há cerca de três décadas que melhor navegam, nomeadamente a dream pop e a psicadelia sessentistas.

Widowspeak Announce New Album Plum, Share New Single | opera news

No final de agosto chegará aos escaparates Plum, o tal quinto disco dos Widowspeak e Money, canção com um forte cariz bucólico, é o mais recente single de avanço divulgado desse trabalho, que, tendo em conta este tema, surgirá certamente embrulhado por uma melancolia épica algo inocente, mas com uma tonalidade muito vincada, um álbum que soprará na nossa mente de modo a fazer o nosso espírito facilmente levitar e que nos provocará, aposto, um cocktail delicioso de boas sensações.

De facto, uma incrível e sedutora sensação de paz, tranquilidade e amena letargia invade-te logo após os acordes iniciais de Money, canção assente em faustosas cordas vibrantes, num andamento rítmico marcial que nunca definha, acamado por um baixo que acolchoa e na doce e campestre voz de Hamilton, num resultado final que convida a nossa mente e o nosso espírito a se deixarem envolver num clima abstrato e meditativo, com um impacto verdadeiramente colossal e marcante. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:39

Dela Marmy - Flying Fishes

Segunda-feira, 29.06.20

Com um passado relevante no projeto The Happy Mess, Joana Sequeira Duarte aposta agora numa carreira a solo e assina o projeto Dela Marmy. Estreou-se o ano passado com a edição dos singles Empty PlaceStellarMari Wolf e Secretly Here, uma coleção de canções que viria a resultar num EP homónimo. Dela Marmy foi editado à boleia da KPRecords*KillPerfection, um alinhamento já com sucessor  e no mesmo formato. Captured Fantasy é o novo EP da cantora, tem também a chancela também da KPRecords*KillPerfection e viu a luz do dia a vinte e sete de março último, tendo sido destrinçado por esta redação pouco tempo depois, como certamente alguns de vocês se recordam.

Dela Marmy, em escuta Captured Fantasy EP - Música em DX

Captured Fantasy contém cinco canções e foi produzido pelo experiente produtor inglês Charlie Francis, uma opção que conferiu uma maior maturidade e consistência ao cardápio da autora, sem colocar em causa a puerilidade intrínseca à sua filosofia sonora. O EP também conta com as colaborações especiais da escritora e poetisa Raquel Serejo Martins, que credita a letra de Flying Fishes e o lyricist galês TYTUN que participa no introspetivo tema Take Me Back Home. Os músicos que acompanharam Dela Marmy em estúdio foram Vasco Magalhães (bateria), Tiago Brito, Steven Goundrey (guitarras) e o próprio Francis (baixo).

Todas as canções do registo são potenciais singles e, tal como já sucedeu com Not Real, ainda antes do alnçamento do EP, Flying Fishes, a canção que abre o alinhamento de Captured Fantasy, acaba de ter direito a tal nomeação, uma composição sustentada por um notável festim sintético que adorna uma inspirada guitarra planante e que, de acordo com a própria Joana Duarte, é propositadamente metafórica. É sobre peixes que voam. É sobre pássaros que nadam. É sobre o desamparo e o encontro. É sobre noites em que a solidão pesa mais. É sobre dois solitários que por uma noite, em bando, em cardume, se sentem menos sós.

De facto, cada composição do EP Captured Fantasy é uma pequena viagem que nos pede tempo, num resultado final tremendamente detalhístico, porque atenta às pequenas coisas, às pequenas histórias e ao marginal, um paradoxal compêndio de canções, já que todo este intimismo acaba por ter uma universalidade muito própria, visto ser um alinhamento passível de ser apropriado por qualquer comum mortal, que com o seu conteúdo facilmente se identificará. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:39

Polyenso – Red Colored Pencil

Domingo, 28.06.20

Polyenso - Red Colored Pencil

Os Polyenso são uma banda de rock experimental norte americana sedeada em St. Petersburg, na Flórida. A banda é composta pelo vocalista e teclista Brennan Taulbee, pelo multi-instrumentista e vocalista Alexander Schultz e pelo percussionista Denny Agosto. Year Of The Dog foi o último longa duração que o trio lançou, em janeiro do ano passado, oito canções, algumas instrumentais, impregnadas com uma tonalidade refrescante e inédita, um disco cheio de personalidade, com uma produção cuidada e que nos aproximou do que de melhor propõe a música independente americana contemporânea. 

Agora, ano e meio depois desse tomo, os Polyenso voltam a dar sinais de vida com Red Colored Pencil, uma deslumbrante canção incubada num território firme de experimentações sonoras que dá bastante ênfase às cordas, mas que não descura a importância que o sintético tem na construção de uma melodia tremendamente adocicada e com um travo lisérgico algo incomum no panorama alternativo atual. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 22:40

Aviator – All You Haters

Quinta-feira, 25.06.20

É Pete Wilkinson, antigo baixista dos projetos Cast, Shack e Echo & The Bunnymen, todos de Liverpool, de onde o músico também é natural, quem encabeça o projeto britânico Aviator. A ele juntam-se Paul Hemmings, Keith O'Neill e Nick Graff, para criarem composições com uma tonalidade psicadélica única e pouco vulgar no modo como se cruza com alguns dos melhores detalhes do indie rock. All You Haters é o novo registo de originais do projeto, dez canções que viram a luz do dia recentemente através da etiqueta The Viper Label.

FLYING: PETE WILKINSON AND AVIATOR |

All You Haters oferece-nos uma luxuosa pafernália de explosões sónicas, afirmadas e comprovadas num registo interpretativo em que a acusticidade vibrante das cordas não tem qualquer pudor em dar as mãos a riffs rugosos e enleantes, sendo este, claramente, o grande conceito definidor da sonoridade do disco. Canções como All Around You (Omni), The Ballad Of Tempest Brown, um tema hipnótico e intrigante e a composição homónima são excelentes exemplos desta trama interpretativa que, aliás, tinha ficado logo no início evidenciada em Scarecrow, um intro instrumental vibrante e no qual um violão desliza impecavelmente por uma melodia de forte pendor melancólico.

Depois, os arranjos percussivos que adornam K Tripper, tema de superior requinte letárgico, ou os efeitos sintetizados que sobram em Av8tor e que nos levam direitinhos rumo à melhor pop psicadélica setentista, alargam o espetro criativo de um trabalho exuberante e hirto, que sabe aquela brisa amena que aparentemente não fere nem inclina, mas que não deixa de penetrar na nossa pele até ao âmago, de nos fazer tremer e de eriçar todos os nossos sentidos.

Álbum espontâneo, mágico e com com uma beleza muito imediata e acessível, All You Haters é uma manifestação de pura classe destes Aviator e muito em particular do líder Pete Wilkinson que é, dentro de um espetro eminentemente rock e com tudo o que isso implica em termos de ruído, sujidade e visceralidade, eximío a criar melodia incisivas, com um elevado grau de epicidade e esplendor e que replicam com ímpar contemporaneidade a melhor herança do rock progressivo e do shoegaze setentista, sempre com um indesmentível travo pop. Espero que aprecies a sugestão...

Aviator - All You Haters

01. Scarecrow
02. The Wrong Turn
03. All Around You (Omni)
04. K Tripper
05. All You Haters
06. AV8TOR
07. The Ballad Of Tempest Brown
08. Here Comes The Gun
09. Catching The Blues
10. Scarecrow (Reprise)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:45

Everything Everything – Planets

Quarta-feira, 24.06.20

Everything Everything - Planets

art rock crescente e explosivo dos britânicos Everything Everything, está de regresso neste verão com Re-Animator, o novo trabalho da banda de Jonathan Higgs, que chega às lojas no dia vinte e um  de agosto. Do alinhamento do quinto registo do grupo oriundo de Manchester, acaba de ser retirado o single Planets, depois de há derca de um mês termos tido a oportunidade de contemplar a composição Arch Enemy.

Ao contrário que sucedeu com Arch Enemy, um tema com uma vibe orgânica bastante vincada, Planets aposta num registo mais sintético, um eletropop plasmado no modo exemplar como um efeito sintetizado cósmico e uma bateria eletrónica conduzem o tema, com o último a induzir à canção uma cadência e um ritmo diferenciados, principalmente durante o refrão. O resultado final é um rodopio eletrificado, carimbado por uma construção melódica estrutural minuciosamente planeada, rematada pelo falsete único de Higgs, que dá vida e alma a um poema com uma linguagem muito intrigante e fortemente evocativa (o the bigots in the batcave, I think some of you are permanently off my Christmas list, Oooh the dancefloor is overrunning, With frat boys telling me I got no business sitting in business class. God knows I could use a drink of virgin blood to quench my thirst.). Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:21

Mikal Cronin – Guardian Well (Switched On)

Terça-feira, 23.06.20

Mikal Cronin - Guardian Well (Switched On)

Mikal Cronin, um músico norte-americano natural de Laguna Beach, na Califórnia, regressou  aos discos no último outono com Seeker, dez canções com a chancela da Merge Records e que remataram um ano bastante profícuo do autor, que já tinha no seu historial os registos Mikal Cronin (2011), MCII (2013) e MCIII (2015), além de colaborações importantes com outros músicos, como Ty Segall ou Kim Gordon e que tinha dado o pontapé de saída em dois mil e dezanove com a edição em vinil de sete polegadas de dois temas, Undertow e Breathe, através da iniciativa  de caridade FAMOUS CLASS RECORDS / LAMC 7" SERIES.

Gravado ao vivo nos estúdios Palmetto, em Los Angeles, com a banda que costuma acompanhar Ty Segall e com o produtor Jason Quever, Seeker quebrou uma sequência de títulos homónimos e um hiato de quase meia década desta referência ímpar do indie rock do outro lado do atlântico e que nos tem feito viajar no tempo, disco após disco, à boleia de uma feliz simbiose entre garage rock pós punk.

Para escrever Seeker, Cronin passou um mês numa cabana nas montanhas do sul da Califórnia, com o seu gato como única companhia, um retiro bucólico perfeito, de acordo com o próprio músico, e que acabou por ser essencial para um forte cariz biográfico do disco. O resultado final foi um excitante documento de mudança e de reinvenção, um tomo de canções estilisticamente rico e diversificado, com Seeker a plasmar a necessidade que Cronin tinha se reinventar, erguer e seguir em frente depois de um período atribulado, quer a nível pessoal quer a nível profissional, decorrente de relações falhadas, digressões tremendamente cansativas e os típicos dilemas existências da fase inicial da vida adulta.

Entretanto o mundo ficou a saber que, afinal, existe uma versão alternativa de todo o conteúdo de Seeker. Esse registo chama-se Switched On Seeker, nele encontramos as mesmas canções de Seeker mas gravadas com sintetizadores analógicos antigos e o título é uma referência aos discos  Switched On que o compositor Wendy Carlos burilou há quase meio século e que não eram mais do que de composições de Bach e de outros compositores clássicos.

Um dos momentos altos do alinhamento de Seeker era, claramente, o forte odor nativo do piano e da harmónica de Guardian Well, uma composição agora revista pelo autor de modo, obviamente, menos orgânico, mas igualmente astuto, altivo, deslumbrante e luminoso e, de certo modo, mais borbulhante, charmoso e obviamente retro. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:45

Fontaines D.C. – A Hero’s Death vs I Don’t Belong

Segunda-feira, 22.06.20

Um dos discos mais aguardados em dois mil e vinte é, claramente, o novo trabalho dos irlandeses Fontaines D.C., uma das bandas mais excitantes do indie rock atual, um registo intitulado A Hero's Death e que será o segundo da banda de Dublin formada por Carlos O'Connell, Conor Curley, Conor Deegan III, Grian Chatten e Tom Coll, sucedendo ao espetacular registo de estreia do grupo intitulado Dogrel, lançado o ano passado.

Produzido por Dan Carey, A Hero's Death irá ver a luz do dia no ocaso dia do próximo mês de julho pela Partisan Records e quer o single homónimo quer o tema I Don't Belong, são duas amostras do alinhamento do registo já divulgadas, que fazem adivinhar um disco com onze enraivecidas canções, assentes num punk rock de elevado calibre e com uma forte toada abrasiva, como se exige a um projeto que sempre se fez notar, desde dois mil e dezassete, por uma filosofia estilística de choque com convenções e normas pré-estabelecidas.

Numa época do vale tudo, custe o que custar e seja contra quem for, os Fontaines D.C. parecem mais uma vez apostados em fazer mossa e agitar as mentes mais desprevenidas e incautas com composições plenas de chama nas veias e com um travo nostálgico em que a herança de nomes como os The Clash e os Ramones,  mas também os Suicide, os Nirvana e os The Beach Boys, se fazem notar com elevado grau de impressionismo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:31

Elbow – Elbowrooms

Sexta-feira, 19.06.20

O período de confinamento que vivemos recentemente devido ao Covid-19 e que ainda não está totalmente ultrapassado, foi motivo para algumas bandas e projetos musicais inovarem no modo como se mantiveram ativos, criativos e, principalmente, em contacto direto com os fãs, visto os concertos ao vivo estarem proibidos. Os britânicos Elbow de Guy Garvey, Craig Potter, Mark Potter, Pete Turner e Alex Reeves não foram excepção e conseguiram dinamizar um dos projetos mais interessantes deste período de restrição, interpretando alguns dos seus principais exitos com uma roupagem mais íntima e acústica, com cada um dos cinco músicos da banda a tocar e a cantar a partir de sua casa, sem desrespeitar as regras de confinamento.

Elbow – Rank The Albums | NME

O resultado final dessa demanada chama-se Elbowrooms, um tomo de nove canções que fazem uma resenha bastante abrangente da carreira do grupo que, nos trabalhos mais recentes, tem mostrado um distanciamento cada vez maior da faceta rock que sempre marcou o projeto e que teve como clímax o excelente tema Grounds for Divorce, incluído no já clássico The Seldom Seen Kid (2208), para se aproximarem, mais do que nunca, de um som íntimo, polido, de forte pendor acústico, ou seja, um som que tem na pop, na folk e até na própria música de câmara influências mais do que evidentes, aspetos bem audíveis neste Elbowrooms.

Assim, charme e classicismo são conceitos que assaltam facilmente a mente de quem escuta estas nove composições que, não deixando de ter felizes combinações entre guitarras acústicas ou ligeiramente eletrificadas e uma ímpar cautela percurssiva, à qual o piano não é também alheio, como é o caso da reinterpretação do clássico Mirrorball, canção que também conta com alguns efeitos sintetizados subtis, acabam por mostrar todo o seu esplendor quando, mesmo numa atmosfera minimlista, conseguem colocar à tona arranjos instrumentais sofisticados, que induzem a alma, o caráter e a beleza que todas estas canções, na sua versão original, já possuem. Importa salientar, ainda, que a voz de Garvey é, também, um ponto forte do trabalho, funcionando como mais uma espécie de elemento instrumental, com igual importância no arquétipo do registo. O modo como se entrelaça com as cordas em Weightless é um excelente exemplo dessa constatação, que se tornará óbvia para quem escutar este Elbowrooms com a devoção que o trabalho merece.

Os Elbow são das melhores bandas do mundo para nos ensinar como enfrentar a habitual ressaca emocional que os eventos familiares menos positivos provocam no equilíbrio emocional de qualquer mortal, mas também servem como odes celebratórias de todo o encanto e alegria que a vida nos oferece. Quando se mostram e o fazem de forma tão charmosa, autêntica e recatada, ampliam ainda mais esta óbvia constatação. Espero que aprecies a sugestão...

Elbow - Elbowrooms

01. Weightless
02. Great Expectations
03. Fugitive Motel
04. Scattered Black and Whites
05. Mirrorball
06. Magnificent (She Says)
07. Puncture Repair
08. Dear Friends
09. Lippy Kids

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:12

The Killers – My Own Soul’s Warning

Quinta-feira, 18.06.20

The Killers - My Own Soul's Warning

Continuam a ser revelados mais detalhes de Imploding The Mirage, o sexto registo de originais dos The Killers, que tinha edição prevista para o final do passado mês de maio, mas que só verá a luz do dia mais adiante, ainda sem data indicada, por dificuldades e atrasos na conclusão do disco, de acordo com a própria banda liderada por Brandon Flowers. Produzido por Jonathan Rado e Shawn Everett, Imploding The Mirage irá contar com participações especiais de nomes tão proeminentes como Weyes Blood, K.D. Lang, Adam Granduciel, Blake Mills e Lucius, além de Lindsey Buckingham, que teve uma aparição vocal relevante em Caution, o primeiro single revelado do alinhamento do álbum, há algumas semanas. Recordo que Fire In Bone, o segundo single extraído do disco e que foi divulgado neste espaço, chegou aos nossos ouvido no ocaso de abril último.

Agora, no final desta imprecisa primavera, acaba de ser revelado o conteúdo de My Own Soul’s Warning, o terceiro single extraído de Imploding The Mirage, uma daquelas típicas canções de rock de arena, majestosa e teatral, assente numa guitarra efusiante, um registo percurssivo vincado e efeitos sintetizados plenos de charme, num resultado final melodicamente marcante e que se debruça sobre as típicas lutas que muitas vezes travamos no nosso íntimo (If you could see through the banner of the sun, Into eternity’s eyes, Like a vision reaching down to you, Would you turn away?). Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:52

Mando Diao – I Solnedgången

Terça-feira, 16.06.20

Cerca de meio ano após o lançamento de Bang, o registo de originais que os suecos Mando Diao lançaram no outono passado, a banda de rock alternativo formada em dois mil e um, com origem em Borlänge e comandada atualmente por Björn Dixgård, Mats Björke e Carl-Johan Fogelklou, já está de regresso aos lançamentos discográficos com I Solnedgången, o décimo tomo da carreira do projeto e o primeiro álbum em língua sueca dos Mando Diao desde dois mil e doze, ano em que lançaram Infruset, talvez o mais bem sucediddo trabalho deste grupo e que, recordo, utilizava em todas as canções poemas de Gustaf Fröding (1860-1911), um conceituado poeta sueco. I Solnedgången conta com as participações especiais de Karin Boye, Nils Ferlin, Gustaf Fröding e dos pais de Björn Dixgård, Malin e Hans, tendo sido gravado na cidade natal da banda em quatro dias e à moda antiga, apenas com um microfone na sala de gravação.

Mando Diao: ”I solnedgången” - Recension | Aftonbladet

I Solnedgången significa ao pôr do sol e este título serve na perfeição, neste momento, numa banda ainda muito marcada pelo espetacular sucesso que esse registo Infruset obteve, essencialmente no país natal, e que colocou a fasquia do projeto bastante elevada no que concerne à avaliação dos lançamentos posteriores. E essa é uma expressão feliz porque este parece ser, claramente, um trabalho de mudança e de virar de página, de uma abordagem sonora que, na maior parte da carreira, foi muito eletrificada e instrumentalmente abrangente, para pender agora para territórios mais íntimos e reflexivos. O antecessor Bang, um alinhamento muito imediato, cru, estilisticamente parco e conscientemente minimal, já deixava pistas evidentes acerca da vontade dos Mando Diao de deixarem definitivamente para trás a escalada sonora e vertiginosa ao universo indie rock mais pop e até progressivo, para voltarem a colocar as fichas numa estética também plena de adrenalina, mas com maior filosofia orgânica e centrada eminentemente nas cordas, talvez o território onde este quarteto sueco se tem sentido mais confortável ao longo da carreira.

De facto, I Solnedgången materializa esse virar de agulhas definitivo, em onze canções sólidas e uniformes, muito centradas, liricamente, nas fraquezas individuais e na fragilidade própria da existência humana e instrumentalmente assentes na acusticidade das cordas, muitas vezes sobrespostas, quer no timbre, quer na tonalidade, mas sem cairem na tentação de recorrerem aos decibéis. O sintetizador também marca presença, até em determinadas circunstâncias como suporte melódico, mas serve, acima de tudo, como indutor de adornos e de pequenos detalhes, daqueles que enriquecem e dão cor, substância e alma ao grosso das canções.

Disco humano e forte, muito concentrado na moralidade e na emoção, num mundo em que a ganância e o poder são metas cada vez mais irresistíveis para muitos, porque expôe fraquezas, deficiências e atritos, não so filosificamente, mas até sonoramente, já que ao nível da produção, nota-se uma fuga incessante aos cânones essenciais que balizam aquela pop mais límpida e lustruosa, I Solnedgången é um trabalho repleto de emoção e, acima de tudo, infestado de melodias que se perfuram no nosso corpo e que são depois difíceis de delas nos livrarmos, tão evidente e profundo é o brilhantismo de canções como Själens Skrubbsår ou a composição homónima, os temas que melhor personificam a tal viragem sonora que explora novos territórios sonoros e que, servindo-se da língua mãe, eleva a ode dos Mando Diao ao seu país a um patamar elevadíssimo. Espero que aprecies a sugestão...

Mando Diao - I Solnedgången

01. I Solnedgången
02. Kvällstilla
03. Långsamt
04. Stjärnornas Tröst
05. Sparven
06. Sorgen
07. Stigen
08. Själens Skrubbsår
09. Kullen Vid Sjön
10. Vaggvisa Under Stora Björn
11. Tid Tröste

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:14


Pág. 1/2






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 388#


Disco da semana 90#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Junho 2020

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.