Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vampire Weekend – This Life & Unbearably White

Domingo, 07.04.19

Mais de meia década depois do excelente Modern Vampires of the City, disco lançado em dois mil e treze, os Vampire Weekend de Ezra Koenig, Rostam Batmanglij, Chris Baio, Chris Tomson e Greta Salpeter, estão finalmente de regresso aos lançamentos discográficos com Father Of The Bride, o quarto disco da carreira do grupo de Nova Iorque, que irá ver a luz do dia a três de maio, através da Columbia Records.

Vampire Weekend

Father Of The Bride será um disco duplo com dezoito composições e um terço do seu alinhamento está a ser divulgado ao grande público no primeiro semestre deste ano, tendo esse processo já dado o pontapé de saída com Harmony Hall e 2021, em fevereiro e Sunflower e Big Blue, no início de março. Agora, cerca de um mês depois, é divulgada a terceira fornada, constituída pelas canções This Life e Unbearably White.

This Life é um buliçoso tema, uma composição solarenga e com um groove bastante charmoso, assente num trabalho rítmico e percurssivo bastante radiante. Conta com a participação especial vocal de Danielle Haim e tem como principal curiosidade uma letra inspirada nas canções It Never Rains in Southern California, um sucesso de mil novecentos e setenta e dois da autoria de Albert Hammond, pai de Albert Hammond Jr., membro dos The Strokes e presença assídua neste blogue (Baby I know pain is as natural as the rain, I just thought it didn’t rain in California) e, no refrão, na composição Tonight, do rapper californiano iLoveMakonnen (You’ve been cheating on, cheating on me, So I’ve been cheating on, cheating on you).

Quanto a Unbearably White, tema que se debruça no modo cínico como a questão do racismo é hoje tratada numa cada vez mais politizada e dividida América (There’s an avalanche coming, Cover your eyes), trata-se de uma composição mais melancólica e intimista, com uma vasta inserção de arranjos de cordas e outros de origem sintética a pairarem sobre uma melodia intrigante e algo densa. Confere... 

Vampire Weekend - This Life - Unbearably White

01. This Life
02. Unbearably White

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:08

The National – Light Years

Sábado, 06.04.19

The National - Light Years

Será a dezassete de maio que chegará aos escaparates e através da 4AD, I Am Easy To Find, o tão aguardado novo registo de originais dos norte-americanos The National. Oitavo disco da carreira do grupo, I Am Easy To Find sucede a Sleep Well Beast, o disco que a banda de Matt Berninger e os irmãos Dessner e Devendorf editou no final do verão de dois mil e dezassete e terá um alinhamento de dezasseis canções, também já divulgado.

Uma das grandes curiosidades de I Am Easy To Find é resultar de uma parceria da banda com o realizador Mike Mills, sendo o registo um dos componentes de 20th Century Womeno mais recente filme do cineasta, que também dirigiu uma curta-metragem com o nome do álbum, que conta com Alicia Vikander como protagonista principal e na banda sonora com You Had Your Soul With You, o primeiro single retirado deste novo trabalho discográfico dos The National e que divulguei oportunamente e Light Years, o mais recente tema retirado de I Am Easy To Find, cujo vídeo também conta com a atriz sueca no papel principal.

Light Years é uma belíssima balada que coloca os The National no trilho de uma sonoridade que também lhes é familiar e na qual se movimentam confortavelmente. Servindo para encerrar em alta o alinhamento do disco, é uma canção assente num delicado piano e na voz cada vez mais madura, assertiva e positiva de Berninger, assumindo-se como uma das mais bonitas do cardápio da carreira do grupo nova iorquino. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 11:15

Lambchop - This (Is What I Wanted to Tell You)

Sexta-feira, 05.04.19

Depois de FLOTUS, o disco que os Lambchop editaram em dois mil e dezasseis, Kurt Wagner, o grande mentor deste projeto norte-americano sedeado em Nashville e ao qual se juntam atualmente o baixista Matt Swanson e o pianista Tony Crow, fez uma cover para o clássico When You Were Mine de Prince e realizou um mini-documentário em Colónia, onde juntamente com seis músicos alemães reinterpretou temas de FLOTUS. Após essa demanda por outros territórios artísticos, Wagner sentiu-se inspirado para mais uma adição ao cardápio do projeto da sua vida e quase no ocaso de dois mil e dezoito começaram então a ser revelados detalhes de This (is what I wanted to tell you), um trabalho que viu a luz do dia a vinte e dois de março último à boleia da City Slang, em parceria com a Merge Records e que, além do trio, também conta nos créditos com Matt McCaughan, reconhecido pelo seu excelente trabalho percurssivo em projetos como os Hiss Golden Messenger e Bon Iver.

Resultado de imagem para Lambchop - This (Is What I Wanted to Tell You)

Percurssores do chamado alt-country, os Lambchop continuam a enredar-se por territórios sonoros onde o risco permanente é uma névoa que paira sempre sobre o grupo, mas que nunca se precipita e sempre se precipita devido ao superior quilate das canções e da filosofia adjacente a cada novo laçamento do grupo. This (Is What I Wanted to Tell You) não foge a essa regra, com os Lambchop a manterem-se fiéis à sua essência estética que vive muito da orgânica das cordas, quase sempre a base das composições, mas a mostrarem-se cada vez mais enredados nas possibilidades que o progresso tecnológico porporciona no momento de conceber o arquétipo instrumental de cada composição que idealizam. The December-ish You, a primeira canção revelada de This (Is What I Wanted to Tell You) teve, desde logo, a virtude de comprovar esta tese anterior. Se, por um lado, permanece nela aquela habitual tonalidade particularmente íntima e que exala a desarmante sensibilidade dos Lambchop, por outro, quer esse tema quer, por exemplo, This is what I wanted to tell you, são composições que seguem uma linha melódica e estilística que enreda cada vez mais a banda em paisagens onde jazz e eletrónica se misturam com superior elegância.

Esta sensação de constante experimentação em que os Lambchop vivem e da qual saiem sempre de modo airoso é, claramente, uma marca de independência e coragem por parte de quem assume estar na linha da frente de uma sonoridade eminentemente orgânica, mas que se disponibiliza para ser alvo de um manancial de possíveis remisturas por parte de quem se quiser aventurar a tentar embrenhar-se a fundo num arquétipo sonoro que configura uma espécie de country urbano com laivos de soul. As cordas e a voz modelada de The New Isn’t So You Anymore, trespassadas por vários efeitos divagantes, por um piano insinuante e por sopros estridentes e o jogo arbitrado pelo piano e que se estabelece entre baixo e bateria em Everything For You, uma das composições mais ritmadas do alinhamento, são os momentos maiores de uma espécie de eletroacústico que se embrenha a fundo por territórios digitais, mas nunca deixa de ter bem definidas as suas fronteiras. 

No que concerne ao restante alinhamento, não faltam em This (Is What I Wanted to Tell You) longas canções sobre relacionamentos, perdas, tristezas, revestidas com ironia e autodepreciação, como se exige a um disco dos Lambchop, que volta a colocar este grupo nos lugar devido em termos de reconhecimento que é, no fundo, continuar a conseguir ser uma espécie de segredo bem escondido para quem tem o bom gosto de apreciar o charme e a elegância que continuam a exalar deste projeto. Importa referir apenas que This (is what I wanted to tell you) é, tecnicamente, o décimo terceiro registo dos Lambchop desde o álbum de estreia em mil novecentos e noventa e quatro, mas foi anunciado por Wagner, pelos vistos por uma questão de superstição, como o décimo quarto da carreira do grupo (Like all the other tallest buildings in the world, Lambchop skips No. 13), This (is what I wanted to tell you). Espero que aprecies a sugestão...

Lambchop - This (Is What I Wanted To Tell You)

01. The New Isn’t So You Anymore
02. Crosswords, Or What This Says About You
03. Everything For You
04. The Lasting Last Of You
05. The Air Is Heavy And I Should Be Listening To You
06. The December-ish You
07. This Is What I Wanted To Tell You
08. Flower

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:52

Deportees - Bright Eyes

Quinta-feira, 04.04.19

Deportees - Bright Eyes

Produzido por Pontus Winnberg (Miike Snow) e gravado nos estúdios Skolhaus, em Mariefred, nos arredores de Estocolmo, Bright Eyes é o mais recente single divulgado de Re-Dreaming, o EP que o trio sueco Deportees vai lançar a dezassete de maio.

Com forte tonalidade oitocentista, Bright Eyes tem uma atmosfera bastante emotiva, empática e sentimental e debruça-se sobre a capacidade que todos devemos ter de nos reerguermos depois de instantes de dissabor em que tudo parece desmoronar em nosso redor, conforme confessou recentemente Peder Stenberg, o vocalista e letrista do grupo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:51

Um Corpo Estranho - Homem Delírio

Quarta-feira, 03.04.19

Já chegou aos escaparates Homem Delírio, o terceiro registo de originais do projeto Um Corpo Estranho, formado por Pedro Franco e João Mota e sedeado em Setúbal. O registo sucede aos trabalhos De Não Ter Tempo (2014), que contou com a participação de Celina da Piedade e incluia uma versão de um tema da Madredeus e Pulso (2016), considerado por alguma imprensa especializada como um dos melhores discos nacionais desse ano (Santos da Casa RUC, Certeza da Música, No Sólo Fado). Além destes três álbuns, Um Corpo Estranho também conta já no seu cardápio com três bandas sonoras para os bailados, A velha Ampulheta, Qarib e A Almofada da Paula, este último baseado na obra da pintora Paula Rego. Importa ainda referir que estes finalistas do Prémio José Afonso em 2015, já compuseram para curtas metragens e peças de dança e de teatro.

Resultado de imagem para Um Corpo Estranho - Homem Delírio

Lançado com o apoio da Fundação GDA, produzido por Sérgio Mendes, elemento já frequente nos arranjos de Um Corpo Estranho e com as participações especiais de Paulo Cavaco ao piano e o acordeão inconfundível da, já habitual, Celina da Piedade, citada acima, Homem Delírio abre em modo excelência com Fio A Par Do Mal, uma canção que reflete sobre diversas dualidades e que nos deslumbra com um jogo vocal bastante impressivo e realista. A partir dessa impressionante interpretação está dado o mote para um alinhamento que no bucolismo e na superior complacência das cordas de Sangue Irmão e do tema homónimo, começa por nos levar a viajar até ao outro lado da fronteira, com o intuíto de nos apresentar alguém que quase todos conhecemos e que inspirou o processo de escrita do álbum. Assim, nessa demanda por uma sedutora Andaluzia espanhola cheia de histórias de um cavaleiro que lutou contra moinhos de vento e de cheiro a feno, reluz o conhecido escritor Ernest Hemingway, que é para os Um Corpo Estranho uma espécie de Dom Quixote moderno, não só por causa do seu cardápio lírico, mas também pelo modo pouco regrado como viveu, num trajeto onde inquietação, isolamento e desgosto conviveram paredes meias com um corajoso aventureiro.

Apresentado o Homem Delírio personagem que vai seguir de mãos dadas conosco até ao ocaso do alinhamento, de seguida, cordas, vozes em dor e uma distorção agreste alimentam em O Estrangeiro uma profunda reflexão sobre a problemática da crise dos refugiados e o modo como o nosso continente tem lidado com quem se vê abruptamente privado do lugar onde sempre pertenceu e passa a conviver em terra estranha com a desconfiança e o preconceito de quem nem sempre acolhe como devia. Esta temática da desconfiança e dos receios é substituida, pouco depois, por mais um fator causador de angústia e depressão humana, o universo da morte e da perca, mas que nesta abordagem também intui sobre o renascimento e o recomeço. É mais uma dicotomia alvo de reflexão, neste caso ao som do piano de Hera, com as mesmas teclas e o acordeão de Só O Paraíso a nos fazerem contemplar outra, o modo como olhamos para determinados espaços físicos e lugares e os analisamos, ou pela perspetiva dos factos provados que eles testemunharam e que a história narra com maior ou menor exatidão, ou os mitos e as lendas que lhes estão muitas vezes associados.

Esta maravilhosa viagem pelo nosso âmago termina com Valsa do Acaso, canção que encerra o alinhamento em modo convite, para que cada um de nós tenha a capacidade de meditar sobre a nossa existência e não recear mudar caso sinta que pode muito bem ter dentro de si um Homem Delírio a precisar de urgente exorcização. Pode muito bem fazer este exercício de introspeção ao som destes pouco mais de trinta minutos pensados para serem analisados à lupa, como é essencial na música que preenche e enriquece e nos dá algo de novo dentro da amálgama sonora dos dias de hoje, até porque os protagonistas de Um Corpo Estranho são exímios no modo como nos oferecem sons criados com forte inspiração em elementos paisagísticos, enquanto se debruçam sobre o lado mais inconstante e dilacerante da nossa dimensão sensível e colocam a nu algumas das feridas e chagas que, desde tempos intemporais, perseguem a humanidade e definem a propensão natural que todos temos, enquanto espécie, de cair insistentemente no erro e de colocar em causa o mundo que nos rodeia. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:47

Interpol – The Weekend

Terça-feira, 02.04.19

Interpol - The Weekend

Cerca de meio ano após o lançamento de Marauder, os Interpol entraram em grande estilo no novo ano com excelentes novidades. O trio nova iorquino começou por oferecer aos escaparates, logo em janeiro, um novo single intitulado Fine Mess, que, pelos vistos, irá também dar nome a um EP que a banda vai lançar a dezassete de maio, à boleia, obviamente, da Matador Records.

Com um alinhamento de cinco temas gravados por Dave Fridmann nos estúdios nova iorquinos do próprio, os Tarbox Studios, durante a sessões de Marauder, o tal disco que os Interpol editaram no verão passado, Fine Mess EP acaba de ver mais um tema divulgado. A canção chama-se The Weekend e, à semelhança da composição homónima do EP, oferece-nos um Banks incisivo como sempre, nomeadamente no modo como toca aquela guitarra agreste, agudizada pelo efeito identitário dos Interpol, feito daquele timbre metálico que lançou o grupo para as luzes da ribalta no início deste século, reforçando uma tentativa interessante do trio e que se saúda de regresso aquele formato mais genuíno que exalta o espírito sombrio dos anos oitenta e que fez que com o indie rock genuíno de Antics e o post punk revivalista de Turn On The Bright Lights, os Interpol conquistassem, à altura, meio mundo. É, pois, uma canção que contém aquela virilidade elétrica misturada com uma espécie de absurdo lírico, outra imagem de marca dos Interpol. Recordo que a banda irá passar por Portugal na próxima edição do NOS Primavera Sound. Confere Weekend e a tracklist de Fine Mess EP...

01 Fine Mess
02 No Big Deal
03 Real Life
04 The Weekend
05 Thrones

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:40

The Dodos – The Surface

Segunda-feira, 01.04.19

The Dodos - The Surface

Foi no início do último outono que os The Dodos de Meric Long e Logan Kroeber colocaram nos escaparates o sucessor para o excelente Individ, lançado já no longínquo ano de dois mil e quinze. Esse novo álbum da dupla de São Francisco chamava-se Certainty Waves, foi produzido pelo próprio Meric Long, viu a luz do dia através da Polyvinyl Records e com ele veio também uma digressão de promoção ao disco que ainda não está concluída. No entanto, no final da primeira fase da mesma e como os The Dodos já não andavam na estada há algum tempo, sentiram-se particularmente inspirados e também uma tremenda necessidade de compôr, conforme confessou recentemente Meric (Back in the fall after finishing our first tour in what seemed like ages, a bunch of ideas that were floating around seemed to converge).

The Surface, uma nova composição da dupla, que viu recentemente a luz do dia através da editora acima referida, acaba por ser a primeira materialização concreta desse processo de composição repentino, também muito influenciado por uma guitarra adquirida recentemente pelo vocalista, um novo brinquedo que parece estar também a inspirá-lo imenso e a mostrar-lhe qual o rumo sonoro que pretende para o futuro dos The Dodos (I recently acquired a Recording King parlor guitar, it doesn't look like much on paper but it is magical and I am squeezing it like a life raft through the next batch of songs. Perhaps it is age, or just compounded cynicism, but there is an overwhelming gratitude that I feel when any small bit of inspiration sheds it's light, and the path ahead seems relatively clear ).

Para já, The Surface impressiona pelo modo como coloca os The Dodos novamente na senda daquela toada folk que marcou os primeiros trabalhos do projeto, tempos aúreos que tiveram o aâmago no já referido registo Individ e que, a meu ver, estavam a ser colocados de lado em detrimento de uma filosofia interpretativa mais pop e com um lustro mais sintético. Recordo que Certainty Waves deu uma importância nunca vista no seio do grupo, à vertente eletrónica e à heterogeneidade instrumental, proveniente, essencialmente, de fontes artificiais. A crueza da guitarra e a sua forte toada orgânica e o registo frenético e algo intuitivo da percurssão de Kroeber, neste novo tema dos The Dodos, fá-los regressar aos seus instintos mais primários e coloca os dois intérpretes naquela que é, por excelência, a sua zona de conforto e o seu periodo mais aúreo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 10:38


Pág. 3/3






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 425


Disco da semana 118#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.