Quinta-feira, 30 de Agosto de 2018

BC Camplight – Deportation Blues

Depois do excelente registo How To Die In The North, lançado em dois mil e quinze, Brian 'BC Camplight' Christinzio está de regresso aos álbuns com Deportation Blues, nove canções com a chancela da Bella Union e que servem para este músico nascido em Nova Jersey, mas a residir em Manchester, continuar a lutar contra algumas adições psicotrópicas que o têm afligido nos últimos anos, nomeadamente desde que deixou de fazer parte da etiqueta One Little Indian, onde lançou os registos Hide, Run Away (2005) e Blink Of A Nihilist (2007). São questões pessoais de peso na carreira de um artista que chegou a ser comparado, na primeira década deste século a nomes com Brian Wilson ou George Gershwin e que têm feito da sua vida uma verdadeira epopeia que chegou a impedi-lo de escrever e compôr, tendo mesmo habitado numa igreja abandonada de Filadélfia durante algum tempo.

Resultado de imagem para BC Camplight – Deportation Blues

Antes de How To Die In The North, apesar do histórico já descrito sucintamente acima e de algumas aparições como pianista com Sharon Van Etten e algum trabalho ao vivo com músicos dos The War On Drugs (Robbie Bennett e David Hartley já fizeram parte da banda ao vivo de BC), ele sabia que precisava de uma mudança radical na sua vida, de modo a não perder a sua carreira e a sua sanidade. Mudou-se para o lado de cá do atlântico, instalou-se em Manchesterk, em Inglaterra, chamou a atenção da Bella Union e estes dois registos nesta reconhecida etiqueta são consequência desse novo trajeto pessoal e profissional de um músico e compositor com enorme reconhecimento no seu país, mas ainda pouco conhecido por esse mundo fora. Convém acrescentar à história que dois dias após o lançamento de How To Die In The North, o músico foi deportado de Inglaterra de volta aos Estados Unidos da América por falta de documentação e só regressou à Europa ocasionalmente para alguns concertos, tendo a obtenção da nacionalidade italiana, devido aos seus avós, sido o detalhe que faltava a BC para regressar de modo mais definitivo a Manchester. Fê-lo, com o propósito firme de começar a gravar um novo registo de originais, este Deportation Blues, mas dois dias depois desta segunda mudança deu-se o Brexit. O registo acaba por ser, como o seu nome indica, tremendamente inspirado em todas estas peripécias, algo plasmado de modo incisivo em composições como I'm Desperate, um tema que impressiona pelas mudanças rítmicas e pelos arranjos sintéticos, I’m In A Weird Place Now (And there’s something about Manchester town, And the silly little things she makes me do) e a jazzística Hell Or Pennsylvania, canção onde a referência ao limão (lemon twirls) representa a luta de BC contra um dos tais abusos psicotrópicos que padeceu em tempos. 

Gravado e produzido pelo próprio autor nos estúdios Whitewood Studios, em Liverpool, Deportation Blues acaba por ser também o impulso que falta para Camplight obter o merecido reconhecimento na Europa, num disco negro, direto e liricamente impressivo e incisivo, com canções que sonoramente homenageiam aquela herança do rock americano mais genuíno e onde pianos e guitarras se cruzam constantemente, com sintetizadores e onde não faltam também sopros, pianos e vários elementos percussivos, num resultado final recompensador e particularmente refrescante e original. Espero que aprecies a sugestão...

BC Camplight - Deportation Blues

01. Deportation Blues
02. I’m In A Weird Place Now
03. Hell Or Pennsylvania
04. I’m Desperate
05. When I Think Of My Dog
06. Am I Dead Yet?
07. Midnight Ease
08. Fire In England
09. Until You Kiss Me


autor stipe07 às 18:02
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 29 de Agosto de 2018

Kurt Vile - Loading Zones

Kurt Vile - Loading Zones

Apesar da curiosa colaboração o ano passado com Courtney Barnett que resultou no excelente registo Lotta Sea Lice, a verdade é que depois de ter lançado Smoke Ring For My Halo, no início de dois mil e onze e Wakin On A Pretty Daze dois anos depois, Kurt Vile não deu mais sinais de vida depois de b’lieve i’m goin down…, álbum que viu a luz do dia a vinte e cinco de setembro de dois mil e quinze por intermédio da Matador Records e o sexto da carreira deste músico que descende da melhor escola indie rock norte americana, quer através da forma como canta, quer nos trilhos sónicos da guitarra elétrica.

Finalmente, três anos depois desse excelente disco, Kurt Vile volta a lançar uma nova canção, intitulada Loading Zones. É uma composição repleta de ironia que se debruça sobre a experiência pessoal de Kurt Vile relativamente às estratégias que costuma usar para estacionar sem pagar em Filadélfia, a sua terra natal. No vídeo, dirigido por Drew Saracco, Vile vai mostrando as suas escapadelas ao pagamento do estacionamento enquanto deixa exasperados dois polícias, interpretados pelos atores Kevin Corrigan e Matt Korvette, este último também vocalista dos Pissed Jeans.

Quanto à sonoridade de Loading Zones, obedecendo à tal herança do rock mais genuíno, a canção é conduzida por cordas elétricas e acústicas inspiradas, com um resultado final bastante fluído e intenso. Ainda não há notícias sobre um novo ábum de Kurt Vile, mas este tema é, certamente, uma pista que indica que poderá haver novo alinhamento do músico norte-americano nos próximos meses. Para já, sabe-se que Kurt Vile entrará em digressão com Jessica Pratt em novembro. Confere...


autor stipe07 às 16:39
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 28 de Agosto de 2018

Jon Hopkins - Singularity

Singularity é o quinto álbum de estúdio do músico, produtor, DJ e pianista inglês Jon Hopkins, um alinhamento lançado na passada primavera pela Domino Records e que sucedendo ao aclamado registo Immunity, consolida a mestria deste músico como escultor exímio de composições sonoras com elevado travo tridimensional, uma eletronica de cariz eminentemente ambiental, onde reina a complexidade do sintético.

Resultado de imagem para Jon Hopkins Singularity

Seguidor confesso de Brian Eno, mas também a seguir o rasto de nomes tão importantes como Four Tet ou os Boards of Canada, Jon Hopkins oferece-nos em Singularity um verdadeiro banquete de revisitação de um período da eletrónica que foi praticamente marcante, as décadas de setenta e de oitenta do século passado, com o clima progressivo da primeira e uma faceta mais pop da segunda a serem aqui fundidas, muitas vezes e modo quase impercetivel, como se percebe logo na espiral crescente do volumoso tema homónimo que abre o disco, uma canção onde a um trecho melódico constante, vão sendo adicionados efeitos cada vez mais rugosos e distorcidos. Depois, no psicadelismo abrasivo de Emerald Rush, uma canção construída através de uma sóbria sobreposição de diferentes camadas de batidas e efeitos, com um resultado final praticularmente cósmico e etéreo, somos transportados para um território insinuante no modo como nos convida à dança e à inquietude física e mental.

Após este início promissor, Singularity entra num período mais climático e experimental, com Hopkins a olhar sempre para o tal passado de modo a criar na nossa mente uma sensação de constante incerteza, já que nunca sabemos muito bem como o registo vai continuar a progredir. Temas como Neon Pattern Drum, um banquete percussivo muito heterógeneo e repleto de efeitos curiosos, Everything Connected, uma fusão de techno com post rock repleta de colagens e variações rítmicas, o minimalismo hipnótico de Feel First Life e de COSM e o piano intrigante que sustenta Echo Dissolve, são composições que, fazendo-nos muitas vezes flutuar e divagar por um universo que será sempre oculto para quem não crê no poder da música como indutor de estados de alma e terapeuta emocional, contêm uma leveza rara e mágica só possível de ser entendida por quem se deixar enlear por esta espécie de filosofia meditativa.

Complexo, às vezes contemplativo e vagaroso, mas também muitas vezes extasiante, tridimensional e frenético, Singularity é um disco onde a clareza de ideias e o torpor, o desânimo e a euforia também se misturam, através de um alinhamento ondulante que, no seu todo, constitui uma viagem impressiva pela mente de um músico que quer que este disco seja olhado como uma experiencia transcendental, ou seja, é um álbum que deve ser aborvido como um todo e escutado do início ao fim, sem quebras, porque esse é o único modo que, na sua óptica, nos permite retirar dele toda a sua energia e decifrar todo o seu potencial comunicativo. Espero que aprecies a sugestão....


autor stipe07 às 19:07
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2018

Interpol - Marauder

Depois de um interregno de quase quatro anos os Interpol já ofereceram aos escaparates Marauder, o novo disco desta banda nova iorquina liderada por Paul Banks. Marauder viu a luz do dia através da Matador Records e estão já agendadas algumas datas de uma extensa digressão para promover um registo que mantém este trio naquele formato que exalta o espírito sombrio dos anos oitenta e que têm replicado com elevado quilate. Esta trajetória leva já seis registos e ainda não é em Marauder que os Interpol largam aquele porto seguro onde Banks, Fogarino e Kessler atracaram um dia e que Dave Fridmann (Weezer, MGMT, The Flaming Lips, Tame Impala, Spoon), o produtor deste trabalho, parece ter sabiamente destrinçado, já que também não é ele que coloca em causa a herança identitária do trio, ao longo das treze canções do registo.

Resultado de imagem para interpol marauder

Não é necessário escutar demasiados acordes de If You Really Love Nothing, o tema de abertura de Marauder, para se perceber essa evidência, à medida que iniciamos uma viagem alicerçada num Banks incisivo como sempre, nomeadamente no modo como toca aquela guitarra agreste, agudizada pelo efeito identitário da banda, aquele timbre metálico que lançou os Interpol para as luzes da ribalta no início deste século, quando com o indie rock genuíno de Antics e o post punk revivalista de Turn On The Bright Lights conquistaram meio mundo. Depois, mesmo que falte ao baixo aquele incisivo groove punk que os Interpol nunca mais mostraram desde que Carlos D abandonou a banda, Sam Fogarino cola, na bateria, todos os elementos acima referidos, com uma coerência exemplar. A receita repete-se em The Rover, mas de modo mais ritmado, um tema intenso e visceral, melodicamente bastante sedutor, um psicotrópico mental verdadeiramente eficaz e aditivo que, não sendo uma cover do clássico dos Led Zepellin com o mesmo nome, como à partida muitos poderão pensar, não deixa de conter aquela virilidade elétrica misturada com uma espécie de absurdo lírico que, sendo uma imagem de marca da escrita e composição de Paul Banks, também caraterizava muitos instantes sonoros da carreira do grupo de Jimmy Page e Robert Plant.

Este prometedor arranque de Marauder não é defraudado nas canções seguintes, caso o ouvinte tenha ficado entusiasmado com o mesmo. O modo como a guitarra se insinua em Complications, à espera que as distorções cheguem e se aconcheguem, fora de tempo, aos tambores da bateria e o cerrar de punhos que somos convidados a fazer em Flight Of Fancy, um dos momentos maiores de Marauder, pelo modo como homenageia aquele rock sombrio e nostálgico mas que nos preenche a alma porque nos faz vibrar e pular sem que haja amanhã e o piscar de olhos quase abusador que os Interpol fazem a territórios mais psicadélicos e progressivos no groove de Stay In Touch, além de nos permitirem renovar aquele prazer, tantas vezes difícil de descrever, que eles sempre provocaram no nosso íntimo, são canções que servem como resposta eloquente por parte da banda a todos aqueles que já duvidavam das capacidades do grupo em se focar novamente no som que melhor os identifica e na temática lírica que exemplarmente sempre abordaram, relacionada com o lado mais complicado das relações, a frustração, o tal absurdo e uma faceta algo provocatória que nunca enjeitaram demonstrar.

Até ao ocaso de Marauder, na inquietude crescente de Mountain Child, uma canção que, em espiral, mantém-nos empolgados do início ao fim, no post punk de Nysman, na insinuante melancolia que transborda de Surveillance, no frenesim de Number 10 e na sensualidade algo enigmática de Party's Over, o tal timbre da guitarra tão caraterístico dos Interpol mantém-se convincente, imperial e não deixa que o trio caia na armadilha de se deixar enredar por novas tendências mais intrincadas pelas quais tantos colegas se enlearam com o objetivo de mostrarem novos caminhos e uma superior heterogeneidade, mas acabaram por se perder. Essa opção coerente é, a meu ver, bem sucedida porque mostra uma superior experiência por parte do grupo nova iorquino e tem a mais valia de oferecer ao fã exatamente aquilo que ele espera de um disco dos Interpol e, ainda por cima, com elevada bitola qualitativa. Espero que aprecies a sugestão...

Interpol - Marauder

01. If You Really Love Nothing
02. The Rover
03. Complications
04. Flight Of Fancy
05. Stay In Touch
06. Interlude 1
07. Mountain Child
08. Nysmaw
09. Surveillance
10. Number 10
11. Party’s Over
12. Interlude 2
13. It Probably Matters


autor stipe07 às 22:04
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 24 de Agosto de 2018

Flak - Ao Sol da Manhã

Com uma carreira de mais de três décadas durante a qual incubou e encabeçou bandas tão importantes do universo indie nacional como os Radio Macua ou os Micro Audio Waves, Flak tem também um projeto a solo que começou há exatamente vinte anos com um homónimo que tem finalmente sucessor. Cidade Fantástica é o seu novo registo de originais em nome próprio, um alinhamento de dez canções que irá ver a luz do dia no final de outubro e que foi gravado no mítico Estúdio do Olival, local onde o músico gravou e produziu vários discos, não só das suas bandas, mas também de Jorge Palma, Entre Aspas e GNR, entre muitos outros.

Resultado de imagem para Flak - Ao Sol da Manhã

O primeiro single divulgado de Cidade Fantástica é a canção Ao Sol da Manhã, tema já com direito a um video com a letra, centrado em ilustrações de Francisco Cortez Pinto, fotografadas e editadas pelo próprio Flak. Misturado por Benjamim, que também tocou os teclados e masterizado por Tiago Sousa, o tema conta com as participações especiais de Rita Laranjeira na voz e António Dias no baixo. A música em si é um delicioso tratado de indie pop, assente em flashes de samples que gostam de jogar ao esconde esconde, uma guitarra em contínuo e inquieto frenesim e instrumentos percussivos a tresandar a uma soul contemplativa por todos os poros, uma composição que sobrevive num terreno experimental e até psicadélico e onde a fronteira entre a sua heterogeneidade instrumental e melódica e um apenas aparente minimalismo estilístico é muitas vezes indecifrável. Sobre esta composição Ao Sol da Manhã, o autor refere no seu press release de lançamento:

Enviei por engano uma demo de outra canção deste disco a um ex-aluno. Ele respondeu-me que lhe fazia lembrar o tipo de ambiente dos Mild High Club, banda que eu não conhecia. Fiquei curioso, fui ouvir o disco e no final apeteceu-me fazer uma canção pop com um toque de bossa-nova. Fui construindo uma sequência de acordes por cima de um ri de blues até ter a canção estruturada. A melodia é repetida com pequenas variações enquanto a harmonia vai mudando criando diferentes texturas. Quando completei a melodia, e tal como fiz na maioria das outras canções deste disco, quis aproveitar a energia do momento e fazer imediatamente uma letra para a canção. Agarrei um livro de um dos montes que tenho à minha volta quando estou a fazer canções, abri-o numa página qualquer e calhou estar a letra do “Sitting on the Dock of the Bay” do Otis Redding. Aí pensei que era uma boa ideia transportar a baía de São Francisco para Lisboa à beira rio. E é um programa mais ou menos comum no meu dia-a-dia, ir dar uma volta junto ao rio, apanhar sol e ver os barcos passar. Entretanto o Benjamim gravou um beat, o António Vasconcelos Dias gravou um baixo numa onda Motown, o Benjamim tocou em todos os teclados que estavam disponíveis e assim fomos fixando o arranjo, de uma forma espontânea, meio improvisada. Depois, todos cantamos, a Rita Laranjeira adicionou mais vozes, o Benjamim misturou e o Tiago Sousa masterizou.

Este álbum Cidade Fantástica será apresentado ao vivo no Teatro-Cine de Torres Vedras a seis de Outubro e no Teatro Ibérico, em Lisboa, a oito e nove de Novembro. Confere o seu primeiro single...


autor stipe07 às 23:12
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 23 de Agosto de 2018

Cloud Nothings – The Echo Of The World

Cloud Nothings - The Echo Of The World

Depois da parceria com os Wavves de Nathan Williams no disco a meias No Life For Me (2015), os Cloud Nothings de Dylan Baldi, ofereceram-nos o ano passado Life Without Sound, nove canções impregnadas com um excelente indie rock lo fi, abrigadas pela insuspeita Carpark Records e um regalo para os ouvidos de todos aqueles que, como eu, seguem com particular devoção este subgénero do indie rock. Foi um registo produzido por John Goodmanson, gravado em El Paso, no Texas e que parece ter finalmente sucessor. O próximo álbum dos Cloud Nothings, o quinto da carreira do grupo, contém oito canções, chama-se Last Building Burning e vai ver a luz do dia a dezanove de outubro à boleia da mesma etiqueta que lançou o antecessor, a já mencionada Carpark Records.

O primeiro single divulgado de Last Building Burning é a quinta canção do seu alinhamento, um tema intitulado The Echo Of The World e que assentando em guitarras plenas de experimentações sujas que procuram conciliar uma componente lo fi com o garage rock, numa espécie de embalagem caseira e íntima, acaba por, no seu todo, exalar uma negra ferocidade, uma agressividade punk que se estende ao próprio registo vocal de Baldi, pleno de energia. Há na canção uma espécie de caos controlado e que acaba por fazer sentido para quem tem estado mais atento aos últimos concertos dos Cloud Nothings, porque a sonoridade da canção acaba por entroncar no clima que tem caraterizado os mesmos, muitas vezes algo errático e nada convencional. Confere The Echo Of The World e o alinhamento de Last Building Burning...


autor stipe07 às 11:59
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018

The Coral - Move Through The Dawn

Os britânicos The Coral de James Skelly, Ian Skelly, Nick Power, Lee Southall e Paul Duffy acabam de regressar aos discos com Move Through The Dawn, onze canções gravados nos Parr Street Studios de Liverpool e produzidas pelos próprios The Coral e por Rich Turvey. Sucessor do aclamado Distance Inbetween de 2016, Move Through The Dawn, o nono álbum da carreira deste mítico grupo da cidade dos Beatles, viu a luz do dia via Ignition Records e não defrauda a herança de uma banda essencial não só para a descrição da típica britpop, mas também para a catalogação de alguns dos projetos que foram sabendo resistir à erosão do tempo sempre com elevado nível qualitativo, disco após disco, mantendo uma linha de coerência que tipifica um adn onde consistência e epicidade são duas caraterísticas essenciais de um catálogo rock efusivo, vibrante e claramente optimista.

Resultado de imagem para The Coral Move Through The Dawn

Tendo sempre o vigor das guitarras como ponto de partida para as canções de Move Though The Dawn, neste disco os The Coral mostram novamente que a fórmula em que costumam apostar volta a resultar e em pleno. Na luminosidade e no otimismo de Eyes Like Pearls e no registo claramente radiofónico e de elevado sentido pop de Reaching Out For A Friend e, principalmente, no rock anguloso do extraordinário single Sweet Release, um extraordinário tratado rock efusivo e vigoroso, já com direito a um curioso vídeo realizado por James Slater, é dado o pontapé de partida para um majestoso alinhamento indie, onde não faltam alguns tiques psicadélicos, a maioria da rsponsabilidade do excelente teclista Nick Power, baladas arrebatadoras (ouça-se Undercover Of The Night) e refrões bastante orelhudos que nos colocam a cantar ou, pelo menos a sussurrar, no imediato e sem darmos conta.

A vibe sessentista com elevado travo surf pop de She's A Runaway, a densidade de Stormbreaker, a acusticidade blues de Eyes Of The Moon, a luminosidade pop de Strangers In The Hollow ou o clima retro das guitarras de Love Or Solution ajudam a cimentar a firme certeza de estarmos perante um registo sólido, incubado por um projeto que tem sabido, ao longo das duas décadas de carreira, manter-se firme num posição cimeira, de relevo e influenciadora no seio do indie rock britânico, uma epopeia que começou logo em grande com uma nomeação para um Mercury Prize em dois mil e dois e que segue, registo após registo, a fornecer aos ouvintes e seguidores bons portos de abrigo para quem pretende deliciar-se com um rock simples e despretensioso, mas onde também não falte aquela riqueza e densidade lírica que tanto apreciam todos aqueles que gostam de se apropriar das canções para refletirem sobre si e sobre a realidade em redor. Espero que aprecies a sugestão...

The Coral - Move Through The Dawn

01. Eyes Like Pearls
02. Reaching Out For A Friend
03. Sweet Release
04. She’s A Runaway
05. Strangers In The Hollow
06. Love Or Solution
07. Eyes Of The Moon
08. Undercover Of The Night
09. Outside My Window
10. Stormbreaker
11. After The Fair


autor stipe07 às 14:12
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 21 de Agosto de 2018

Death Cab For Cutie - Thank You For Today

Cerca de três anos depois de Kintsugi os Death Cab For Cutie já têm finalmente um sucessor para esse excelente disco que atestou, à época e mais uma vez, que eles são mestres em escrever sobre sentimentos e emoções, plasmadas, no caso desse registo, em letras profundas e intensas, que debruçavam-se sobre as relações humanas, num álbum possível de ser fonte de identificação para qualquer um de nós. Estas permissas mantêm-se neste novo registo intitulado Thank You For Today, o nono da banda, um disco produzido por Rich Costey e que viu a luz do dia através da Atlantic Records.

Resultado de imagem para thank you for today death cab for cutie

Esta banda norte americana de indie rock sedeada atualmente em Washington e liderada por Ben Gibbard, tem mantido ao longo das quase duas décadas de carreira um rumo filosófico muito vincado, sustentado em canções que olham sempre para a pop e o rock alternativo contemporâneos com sagacidade e com letras a testar constantemente a nossa capacidade de resistência à lágrima fácil. Assim, disco após disco, os Death Cab For Cutie têm atestado com clarividência a impressão firme no lado de cá da barricada de estarmos perante uma banda extremamente criativa, atual, inspirada e inspiradora e que sabe sempre como agradar aos fãs. Em Thank You For Today não fogem à regra; Gibbard, o cérebro criativo da banda após a partida de Chris Walla, ainda antes de Kintsugi, já passou a fasquia dos quarenta anos e um divórcio algo traumático e está cheio de cicatrizes e demónios que necessita de exorcizar, com o desprezo que sente por Trump a ser mais uma acha para essa fogueira depressiva que Thank Your Today de certo modo plasma. Assim, o que temos nas dez canções deste álbum são lindíssimas melodias quase seempre conduzidas por guitarras planantes e com efeitos bastante sedutores e de timbre eminentemente metálico, acompanhadas por sintetizadores e teclados que buscam induzir aquele hiabutal grau de emotividade que carateriza o adn do grupo. São temas impecavelmente produzidos e que materializam essa necessidade de testemunhar todas as transformações e dinâmicas que Gibbard tem vindo a viver e a observar nos últimos anos.

Assim, do acerto contemplativo de I Dreamt We Spoke Again, canção em que Gibbard exorciza as saudades que ainda possa sentir da sua antiga companheira (It’d been so long, it’d been so long, your voice was like a ghost), ao modo impressivo como em Gold Rush o músico reflete sobre a atual Seattle onde os Death Cab For Cutie, passando pela realismo como em Autumn Love é feito um balanço daquilo que é viver com o peso dos quarentas, (If there’s no beacon tonight to guide me, I’ll finally break the schakles of direction), ao clima sonhador e introspetivo de 60 & Punk, este é um alinhamento rico em momentos deslumbrantes, quer líricos quer sonoros e que viciam facilmente. O resultado final é mais um passo em frente seguro e qualitativamente assertivo em direção a um futuro pessoal e musical que será certamente promissor para Gibbard e os músicos que o acompanham nesta nobre aventura chamada Death Cab For Cutie, um grupo que sabe melhor do que ninguém como recortar, picotar e colar o que de melhor existe no universo sonoro que aprecia e que está sempre para continuar a projetar inúmeras possibilidades e aventuras ao ouvinte. Espero que aprecies a sugestão...

Death Cab For Cutie - Thank You For Today

01. I Dreamt We Spoke Again
02. Summer Years
03. Gold Rush
04. Your Hurricane
05. When We Drive
06. Autumn Love
07. Northern Lights
08. You Moved Away
09. Near/Far
10. 60 And Punk


autor stipe07 às 14:24
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018

Old Jerusalem - Black pool of water and sky

É já a doze de outubro que chega às lojas Chapels, o sétimo registo de originais de Old Jerusalem, o lindíssimo projeto assinado por Francisco Silva e que caminha a passos largos para as duas décadas de carreira. Old Jerusalem é, de facto, uma incrível jornada, batizada com uma música do mítico Will Oldham e com um brilho raro e inédito no panorama nacional.

Resultado de imagem para Old Jerusalem Black pool of water and sky

De acordo com o press release de lançamento de Black pool of water and sky, o primeiro single retirado de Chapels, este novo disco de Old Jerusalem terá dez temas imediatos e sem adornos. Interpretações gravadas à primeira, intimamente associadas ao processo da sua escrita e deixando a nu os alinhavos de arranjos e as primeiras sugestões de caminhos melódicos e harmónicos. Pretendeu-se que cada canção veiculasse assim o seu primeiro ímpeto criativo e a urgência da sua comunicação.

A simplicidade melódica e o imediatismo de Black pool of water and sky, assim como a sua crueza e simplicidade acústica, evocando a verdade eterna que todos reconhecemos de que tudo é passageiro, é uma boa amostra do que será certamente Chapels, um álbum extremamente comunicativo e repleto de composições contemplativas, que criarão uma paisagem imensa e ilimitada de possibilidades.Confere Black pool of water and sky, à boleia do video da canção realizado por André Tentúgal...


autor stipe07 às 21:53
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Domingo, 19 de Agosto de 2018

The Growlers – Casual Acquaintances

Os The Growlers são uma banda norte americana de Costa Mesa, na Califórnia, formada por Brooks Nielsen (voz), Matt Taylor (guitarra), Scott Montoya (bateria), Anthony Braun Perry (baixo) e Kyle Straka (teclas e guitarra) e que descobri já em 2012 por causa de Hung At Heart, o terceiro álbum da discografia do grupo, um disco gravado em Nashville, editado em novembro desse ano através da Everloving Records e que foi produzido por Dan Auerbach dos The Black Keys. Um ano após esse registo, disponibilizaram Guilded Pleasures e em dois mil e catorze, com uma cadência quase anual, os The Growlers regressaram às edições com Chinese Fountain, um trabalho que cimentou definitivamente o adn de um projeto que aposta numa sonoridade fortemente influenciada pela psicadelia dos anos sessenta.

Resultado de imagem para The Growlers Casual Acquaintances

Após Chinese Fountain os The Growlers entraram num período de relativo pousio e criaram a sua própria etiqueta, a Beach Goth Records and Tapes. Casual Acquaintances é o primeiro sinal de vida do grupo nesta nova fase da carreira, um levantamento de algumas demos, lados b e temas inacabados que a banda foi juntando ao longo das sessões de gravação dos discos anteriores e que acabam por ganhar vida num alinhamento que merece ser descoberto com alguma minúcia já que contém canções com elevada bitola qualitativa.

Frequentemente catalogados com uma banda de surf rock, a sonoridade vai muito além dessa simples catalogação e Casual Acquaintances é mais uma demonstração cabal dessa permissa. Se em Heaven In Hell é o rock mais clássico que dita leis, já as guitarras de Problems III olham com astúcia para o rock de garagem e os sintetizadores de Pavement And The Boot contêm uma aúrea mais progressiva e psicadélica, com Decoy Face a fazer a indispensável abordagem a um universo mais cósmico e blues que também carateriza o grupo e Orgasm Of Death a alfinetar o punk rock de início deste século sem receios ou concessões. Seja como for, independentemente de todo este manancial de abordagens, importa reter a aparente simplicidade e descomprometimento com que os The Growlers compôem, uma filosofia estilística que não será obra do acaso e obedece claramente a um desejo de criação de uma imagem própria, inerente ao conceito de rebeldia, mas sem descurar um apreço pela qualidade comercial e pela criação de canções que agradem às massas.

Os The Growlers têm toda a aparência de conviverem pacificamente com a herança do rock das últimas quatro ou cinco décadas, mas escapam do eventual efeito preverso da mesma e com mestria, até porque há uma elevada sensação de espontaneidade num catálogo que necessitava claramente desta espécie de revisitação e acresecento para ficar completo antes do grupo avançar para a segunda fase de um projeto que deve continuar no radar de todos aqueles que se interessam por este espetro sonoro. Espero que aprecies a sugestão...

The Growlers - Casual Acquaintances

01. Neveah
02. Problems III
03. Heaven In Hell
04. Pavement
05. Decoy Face
06. Orgasm Of Death
07. Drop Your Phone In The Sick
08. Thing For Trouble
09. Last Cabaret
10. Casual Acquaintances


autor stipe07 às 15:26
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 18 de Agosto de 2018

Still Corners – Slow Air

Dois anos depois do belíssimo registo Dead Blue, a dupla britânica Still Corners está de regresso, novamente à boleia da Wrecking Light, com Slow Air, o quarto álbum da carreira deste projeto formado por Greg Hughes e Tessa Murray e que agora sedeado nos Estados Unidos tem pautado a sua carreira por calcorrear um percurso sonoro balizado por uma pop leve e sonhadora, íntima da natureza etérea e onde os sintetizadores são reis, mas também uma pop que pisca muitas vezes o olho aquele rock alternativo em que as guitarras eléctricas e acústicas marcam indubitavelmente uma forte presença.

Resultado de imagem para Still Corners Slow Air

Iniciamos a audição de Slow Air e, na cadência embaladora de In The Middle Of The Night e, logo depois, no tremendo charme dos acordes da guitarra que plana sobre a melodia de The Message, percebe-se que os Still Corners continuam exímios no modo como se servem de alguns dos mais relevantes aspetos herdados da eletrónica dos anos oitenta, para os cruzar com forte sentido melódico e um indesmentível bom gosto, principalmente ao nível dos arranjos. E fazem-no com aquela saudável rugosidade orgânica que o baixo e a guitarra eletrificada contêm, tendo sempre em ponto de mira a criação de canções feitas de romantismo e sensualidade, sensações muito latentes nas propostas acolhedoras que controlam o timbre vocal de Tessa Murray, enleante e até algo hipnótico em Sad Movies, talvez o tema do registo onde a cantora melhor plasma os seus enormes atributos e onde a sua performance mais impressiona no modo como simbioticamente se cruza com a heterogeneidade instrumental, neste caso essencialmente sintética, que alicerça a canção.

O disco avança sem deixar de manter um elevado nível qualitativo e nos curiosos agregados percurssivos que fazem flutuar Welcome to Slow Air, tema com uma estética global algo etérea e intemporal, no modo como os efeitos dos teclados de Black Lagoon servem para acentuar o clima dançante da composição, na toada contemplativa e reflexiva de Dreamlands, na mais sombria e enigmática de Whisper e no nostálgico lo fi psicadélico de Fade Out torna-se claro que a sua audição cuidada é um exercício algo complexo mas claramente recompensador para o ouvinte.

Registo que conscientemente serve para fazer uma ponte entre o passado que inspira os Still Corners e o presente onde se querem inserir, Slow Air é uma espécie de travessia temporal à boleia de uma obra alimentada por temáticas recentes do universo pop e por uma indisfarçável nostalgia sonora, essencialmente a que contém aquele teor mais intimista que busca sempre o ideal de grandiosidade, mas sempre controlada. Dessa forma, acaba por ser um registo que nos leva ao encontro de emoções fortes e explosivas, algumas outrora adormecidas, mas que também não descura instantes que nos possibilitem depois serenar. Sem dúvida, um trabalho fantástico para ser escutado num dia de sol acolhedor, como os mais recentes. Espero que aprecies a sugestão...

Still Corners - Slow Air

01. In the Middle Of The Night
02. The Message
03. Sad Movies
04. Welcome To Slow Air
05. Black Lagoon
06. Dreamlands
07. Whisper
08. Fade Out
09. The Photograph
10. Long Goodbyes


autor stipe07 às 14:46
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018

Foxing – Nearer My God

Três anos depois do muito recomendável Dealer, os Foxing de Conor Murphy, Ricky Sampson, Jon Hellwig e Eric Hudson, estão de regresso aos discos com Nearer My God, o terceiro registo discográfico do grupo, dez canções que viram a luz do dia a dez de agosto último à boleia da Triple Crown Records e que foram produzidas por Chris Walla, antigo membro dos Death Cab For Cutie.

Resultado de imagem para Foxing band 2018

Imponência e verticalidade na abordagem ao rock mais efusivo e de olhar anguloso a uma salutar epicidade, são duas ideias que assaltam o ouvinte mais atento logo em Grand Paradise, um tema conduzido por guitarras angulares plenas de riffs efusivos e ruidosos e que acaba por ser uma porta de entrada impressiva para um disco que se assume como um dos mais interessantes dentro das propostas recentes que abordam aquele rock progressivo que tem feito escola no outro lado do atlântico nas últimas três décadas. E esta banda de Saint Louis, no Missouri, parece querer assumir-se como porta estandarte de um subgénero do rock que tem tido um airplay cada vez menor depois do período aúreo que viveu no dealbar do novo século.

Nearer My God avança sem concessões no que concerne ao grau de imponência e de profusão sonora e na profunda emotividade lírica do single Slapstick, um tema que fala de dois amigos que dependem um do outro para viverem e o modo como nessa canção o piano se cruza com as guitarras, percebe-se que os Foxing são exímios  também no modo como contemplam o mundo que os rodeia e dissertam sobre algumas das suas maiores fraquezas e inquietações. Aliás, Conor Murphy considera que o mundo, tal como o conhecemos, está nas ruas da amargura social e económica e que vivemos todos a bordo de um navio prestes a afundar-se. Esse navio é a sociedade ocidental contemporânea dita civilizada e Nearer My God, tal como o título indica, pode servir como manual de escape ao cataclismo. O falsete à capella nos momentos iniciais de Lich Prince, antes de chegarem as cordas distorcidas e a bateria imponente e o falsete passar a berro, são apenas mais dois sinais sonoros de aviso urgente e, ao mesmo tempo, duas caraterísticas bem vincadas de uma identidade sonora muito própria, um emo rock que, pouco depois, nas sintetizações amarguradas de Five Cups e no frenesim algo cru e intuitivo de Gameshark, uma canção onde os sons de fundo típicos de jogos de computador são uma das suas nuances mais curiosas, se assume como bandeira para quem quiser trilhar outros caminhos menos sinuosos e mais próximos de uma espécie de espiritualidade que os Foxing aconselham vivamente a ser vivenciada caso ainda queiramos escapar da inevitabilidade e contribuir para o bem comum. O eco das batidas de Heartbeat e os bips telegráficos que se cruzam com o piano em Trapped In Dillard’s parecem conter, na sua sequência, uma espécie de código sagrado que, se conseguirmos decifrar, nos possibilita acedermos ao mundo alternativo que os Foxing consideram ser o melhor refúgio e a alternativa mais segura relativamente ao mundo real em que coexistimos. Espero que aprecies a sugestão...

Foxing - Nearer My God

01. Grand Paradise
02. Slapstick
03. Lich Prince
04. Gameshark
05. Nearer My God
06. Five Cups
07. Heartbeats
08. Trapped In Dillard’s
09. Bastardizer
10. Crown Candy
11. Won’t Drown
12. Lambert


autor stipe07 às 22:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 14 de Agosto de 2018

daguida - Fico Louco

Yuran, João Pedro e António Serginho são os daguida, um trio oriundo de Santa Maria de Lamas e já com dezoito anos de história. Depois de todo este tempo, apresentaram-se finalmente ao grande público, na passada primavera, com a sua primeira publicação oficial nas redes digitais, um tema intitulado Passageiro e o respetivo vídeo de promoção, realizado pela produtora Dawn Pictures. Agora chegou a vez de divulgarem Fico Louco, uma música de Verão com ritmo dançável e energia bem-disposta, disponível nas plataformas de streaming e no Youtube em formato vídeo-letra. Pode também ser descarregada gratuitamente no bandcamp da banda. O passo seguinte será a edição deste single em vinil e depois virá o álbum de estreia, lá para 2019, estando prevista a abertura de uma campanha de crowdfunding para financiar a sua gravação.

Resultado de imagem para daguida passageiro

Edição de autor com o apoio da Revolução d’Alegria Associação, produzida por Nuno Mendes e gravada no El Estúdio, no Centro Comercial Stop, Porto, esta canção é um tema com fortes raízes na música tradicional africana mais extrovertida, com os sopros e os elementos percussivos a conferirem ao tema uma vivacidade ímpar. Luminosa e exuberante e escorreita na melodia, Fico Louco brinca, de acordo com os daguida, com referências ligadas ao universo do futebol e às táticas de engate para reforçar ideias como a confiança e a determinação de quem “vai a jogo”. Confere...


autor stipe07 às 11:26
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 13 de Agosto de 2018

Elephant Micah – Genericana

Os norte-americanos Elephant Micah de Joe O'Connell, Matt O'Connell, Jason Evans Groth e Zeke Graves estão de regresso aos discos com Genericana, seis canções misturadas por Scott Hirsch e masterizadas por Carl Saff e capazes de nos enredar de modo particularmente hipnótico num universo que tendo tanto de alienigena como de alucinogénico. É um disco que comprova a já mítica mestria que este projeto oriundo da Carolina do Norte tem revelado ao longo da carreira para criar composições sonoras onde o salutar experimentalismo, que não renega o uso de nenhuma fonte sonora, é a principal filosofia prática no momento de compôr. Neste caso, um sintetizador barato, alguns artefactos da marca Hindustani e um antigo deck de três pistas, foram parte do arsenal utilizado para criar e captar toda a miríade de sonse ruídos que se escutam ao longo deste incrível alinhamento de seis canções.

Resultado de imagem para Elephant Micah Genericana

Logo nos segundos iniciais de Genericana, um álbum com o artwork da autoria de Pete Schreiner, percebe-se que este disco é um poiso hermeticamente isolado do mundo real que conhecemos e que só é possível usufruir de tudo aquilo que ele tem para nos oferecer se nos deixarmos levar pela sua doutrina. Começa-se a escutar Surf A e percebe-se que ondas de ruído estático, loops de uma bateria eletrónica e alguns efeitos sintetizados muitas vezes impercetíveis são o ganha pão do arquétipo de um tema que acaba por nos apresentar com impressiva fidelidade o ambiente de um alinhamento que volta a repetir esta tríade, mas com outras nuances, em canções que contendo uma falsa sensação de minimalismo e atravessadas por uma guitarra que tanto pode estar eletrificada como ser dedilhada com elevada crueza, encarnam uma banda sonora que serve para os Elephant Micah refletirem e criticarem a realidade de uma América que culturalmente vive numa era em que vê a política a dominar e a condicionar cada vez mais, direta ou indiretamente o mundo do entretenimento.

Genericana tem este claro propósito de colocar em causa todos os estereótipos que parecem nos dias de hoje condicionar todos aqueles que criam musica no outro lado do atlântico. Para Joe O’Connell, o líder deste projeto, é necessário agitar as águas, remexer no que é efetivamente comercial e colocar os consumidores de música a refletirem se aquilo que escutam nos dias de hoje acrescenta ou não algo de importante e significativo às suas vidas. O disco serve também de crítica ao airplay que domina as rádios americanas e o modo como aquela que é a génese da música nativa tem sido abafada pelas recentes tendências da pop. Se Fire A homenageia a essência da country com que O'Connell cresceu e que o fez querer criar música, as distorções de Life A e o clima rugoso de Surf B, olham com particular saudosismo para o rock alternativo noventista, aquele rock que entre o grunge, o garage e outras nuances mais progressivas, mostrou a melhor forma do rock independente do lado de lá.

Em suma, prestando tributo aos melhores dias da música alternativa norte-americana de final do século passado, numa época onde a riqueza e a diversidade até deixaram que sonoridades mais dançantes, como o dub nova iorquino e o techno de Detroit, tivessem um espaço de relevo e de simbiose com o rock da altura (escute-se Fire B), Genericana é a tentativa dos Elephant Micah de criar um álbum que possa servir de ponto de partida para a música de um país que está, na óptica deste grupo, amorfa e demasiado amarrada à ditadura das playlists e das vendas, nomeadamente as digitais e que precisa urgentemente de se reinventar e de encontrar novos caminhos, criativamente mais ricos e salutares. Espero que aprecies asugestão..... 

Elephant Micah - Genericana

01. Surf A
02. Fire A
03. Life A
04. Life B
05. Fire B
06. Surf B


autor stipe07 às 18:10
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Domingo, 12 de Agosto de 2018

John Butler Trio – Home

John Butler Trio - Home

Quatro anos depois do último disco, um trabalho intitulado Flesh & Blood, John Butler prepara-se para regressar aos lançamentos discográficos com Home, um álbum que irá ver a luz do dia a vinte e oito de setembro e do qual já se conhece o tema homónimo.

Tema conduzido por um vigoroso arsenal instrumental eminentemente percurssivo, Home abraça nas cordas, tambores e sintetizações um elevado grau de epicidade e a típica emotividade de um músico que se faz rodear por excelentes intérpretes, criando uma canção que faz antever um álbum com uma soul muito vibrante e luminosa, como é apanágio da discografia deste projeto. Confere...


autor stipe07 às 15:37
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 10 de Agosto de 2018

The Dodos - Forum

Resultado de imagem para the dodos forum 2018

Os The Dodos de Meric Long e Logan Kroeber já têm sucessor para Individ (2013). O novo álbum da dupla de São Francisco chama-se Certainty Waves e vê a luz do dia a doze de outubro, através da Polyvinyl Records. Ao longo destes três anos, os The Dodos apenas deram dois sinais de vida com a participação com o tema Mirror Fake na compilação Philia: Artists Rise Against Islamophobia e quando revelaram uma cover de Never Meant, um original dos American Football, inserida na compilação que marcou o vigésimo aniversário da Polyvinyl. Individ foi um dos discos mais escutados na redação fixa e móvel de Man On The Moon durante estes últimos três anos e impressionou, seduziu e conquistou, nas suas repetidas e sempre dedicadas e aprazíveis audições, razão pela qual este sucessor está a ser aguardado por cá com enorme expetativa.

Forum é o primeiro tema divulgado de Certainty Waves e o seu deambulante efeito strokiano da guitarra e o reverb da mesma, assim como o cariz épico de uma melodia que não dispensa teclas efusivas, uma bateria incessante e trompetes nos arranjos, acentua ainda mais esta ânsia pela chegada dos disco aos escaparates, um registo que será certamente fértil num casamento feliz entre as cordas e a percussão e na exploração de um som amplo, épico e alongado, sustentado no abraço constante entre dois músicos que criam melhor que ninguém atmosferas sonoras verdadeiramente nostálgicas, sedutoras e hipnotizantes. Confere Forum e a tracklist de Certainty Waves...

Forum

IF

Coughing

Center of

SW3

Excess

Ono Fashion

Sort of

Dial Tone


autor stipe07 às 14:15
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 9 de Agosto de 2018

Death Cab For Cutie – Autumn Love

Death Cab For Cutie - Autumn Love

Cerca de três anos depois de Kintsugi os Death Cab For Cutie já têm finalmente um sucessor para esse excelente disco que atestou, à época e mais uma vez, que eles são mestres em escrever sobre sentimentos e emoções, plasmadas, no caso desse registo, em letras profundas e intensas, que debruçavam-se sobre as relações humanas, num álbum possível de ser fonte de identificação para qualquer um de nós.

Thank You For Today, o nono álbum da carreira desta banda norte americana de indie rock oriunda de Washington e formada por Ben Gibbard, Nick Harmer e Jason McGerr, deverá manter o trio nesse rumo filosófico, com Autumn Love, o terceiro single divulgado do seu alinhamento, a testar novamente a nossa capacidade de resistência à lágrima fácil e a renovar com clarividência a impressão firme no lado de cá da barricada de estarmos perante uma banda extremamente criativa, atual, inspirada e inspiradora e que saberá mais uma vez como agradar aos fãs. Confere...


autor stipe07 às 10:57
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 8 de Agosto de 2018

Confidence Man - Confident Music For Confident People

Foi a insuspeita Amplifire em parceria com a Heavenly Recordings quem teve a honra de colocar nos escaparates Confident Music For Confident People, o álbum de estreia de Confidence Man, um projeto sedeado em Melbourne, na Austrália e que está a dar muito que falar neste verão, sendo considerada uma das bandas mais desinibidas e dançantes que surgiu no universo sonoro indie e alternativo em dois mil e dezoito. Com uma abordagem animada e charmosa ao universo sonoro feito com aquele rock convincente que se mistura com uma eletrónica de apurado faro relativamente às tendências mais contemporâneas e que têm colocado em ponto de mira alguns dos melhores tiques da pop das últimas duas décadas do século passado, este é um disco cheio de groove, um trabalho discográfico perfeito para criar um ambiente festivo único e inédito tendo em conta o som que vai predominando nas pistas de dança atuais.

Resultado de imagem para Confidence Man Confident Music For Confident People

Logo no clima incisivo e luminoso da batida e das nuances rítmicas e vocais de Try Your Luck fica expressa a sonoridade típica de um disco assente numa pafernália de instrumentos eletrónicos bastante heterogénea e peculiar. Os sintetizadores repletos de efeitos cósmicos e as baterias eletrónicas que debitam uma pafernália alargada de timbres, possibilitam-nos dançar de modo acelerado e enérgico em diversos universos míticos que marcam a história mais recente da música de dança. Por exemplo, se o clima punk de Don't You Know I'm In A Band consegue fazer-nos viajar até ao underground nova iorquino de dois mil e uns pozinhos e C.O.O.L. Party aos subúrbios de Brooklyn em plenos anos noventa, já o piano de Catch My Breath suspira por uma remistura efusiva no catálogo de Fatboy Slim, com Out Of The Window a levar-nos até à herança que resultou da onda de Manchester, liderada, no auge, pelos Primal Scream e Fascination a acentuar esse olhar anguloso sobre alguns dos melhores atributos que foram deixados pela britpop de pendor mais psicadélico há umas duas décadas atrás.

As canções de Confident Music For Confident People são, sem dúvida, uma imensa lufada de ar fresco no panorama musical do chamado eletropunk atual. Além de entrarem facilmente no goto e nas ancas chegam para semear discórdia e inquietar os nossos ouvidos. Os Confidence Man disparam ao longo das onze canções do alinhamento do registo, os seus gostos musicais em várias direcções, fazendo-o sem preconceitos nem compromissos, numa mistura explosiva de energia, audácia, irreverência e atitude, salpicada com a indispensável qualidade melódica e uma interessante dose de acessibilidade, dizendo-nos sem qualquer pudor que as pistas de dança podem também ser a salvação e um excelente remédio para muitos dos nossos problemas. Espero que aprecies a sugestão...

Resultado de imagem para Confidence Man Confident Music For Confident People



autor stipe07 às 15:12
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Domingo, 5 de Agosto de 2018

Sugiro... XLIX

vinyl v.jpg


autor stipe07 às 22:46
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 4 de Agosto de 2018

Grand Sun - Go Home

Foto de Grand Sun.

É a vinte e oito de setembro próximo e através da Aunt Sally Records que vê a luz do dia The Plastic People of The Universe, o novo EP dos Grand Sun de Ribeiro, António, Simon e Miguel, um coletivo oriundo de Oeiras, nos arredores da capital e que aposta num exuberante registo indie com fortes raízes no rock setentista mais lisérgico, mas também naquela pop efervescente que fez escola na década anterior e onde a psicadelia era preponderante no modo como trespassava com cor e luminosidade o edifício melódico de muitas composições. Deste EP constam cinco canções que são autênticos passeios por um mesmo jardim contemplativo, onde, na sua concepção e gravação, nos Blacksheep Studios por Guilherme Gonçalves e pelo Bruno Plattier, nada mais interessou para os Grand Sun senão observar e cantar o que os rodeava.

Go Home, um tema fulcral do EP, é o single já selecionado pelos Grand Sun para promover o lançamento de The Plastic People of The Universe, uma canção que, entre guitarras inspiradas, sintetizadores cósmicos e um efeito vocal ecoante, reflete de modo sonhador, aventureiro e alucinogénico, um quadro sonoro fluído, homogéneo e aparentemente ingénuo que, tendo em conta o próprio título do tema, nos emerge num mundo fantástico e que potencia uma sensação estranha mas feliz de familiariedade com o seu conteúdo.

O filme que promove este single dos Grand Sun foi realizado por Tomás Barão da Cunha (Waves of Youth) e gravado no Vimeiro, em Torres Vedras, onde toda a envolvente natural acabou por contribuir para o surgimento das quatro personagens que constituem os Grand Sun e respectivos alter egos que, como já dei a entender, interagem, através da música, entre si e connosco. Confere...


autor stipe07 às 12:11
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Disco da semana

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Luke Sital-Singh – Strang...

Crayon Fields – All The P...

Courteeners – Better Man

Taïs Reganelli - Tanto Ma...

Efterklang – Lyset EP

Beck – Hyperspace

Tame Impala – Posthumous ...

Spicy Noodles - Juntas na...

Bombay Bicycle Club – Eve...

The Flaming Lips - The So...

Bill Callahan – If You Co...

Elbow – Giants Of All Siz...

The Japanese House – Chew...

Vila Martel - Não nos Dei...

Niki Moss - Standing In T...

Coldplay – Everyday Life

Moon Duo – Stars Are The ...

Comet Gain - Fireraisers ...

Modest Mouse – Ice Cream ...

Local Natives – Nova

TOY – Songs Of Consumptio...

Born-Folk - Come Inside! ...

Pond – Sessions

Fink – Bloom Innocent

The Districts – Hey Jo

X-Files

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds