Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Viva Brother – II

Sexta-feira, 24.11.17

Depois do prometedor disco de estreia editado em 2011, um trabalho intitulado Famous First Words que colocou desde logo a crítica mais atenta em sentido, os britânicos Viva Brother quebraram finalmente um hiato de meia década, que incluiu uma falsa declaração de separação pelo meio, com II, o segundo registo originais deste projeto oriundo de Slough e formado por Leonard Newell, Frank Colucci, Samuel Jackson e Josh Ward.

Resultado de imagem para viva brother slough band

Com a herança da melhor britpop na mira, mas sem descurarem alguns detalhes que lhes conferem o desejável cariz inédito, nomeadamente um elevado arrojo melódico e um acerto no modo como conjugam cordas com sintetizadores, os Viva Brother acabam neste II por se diferenciar de outros grupos ingleses do género, como os We Are Scientists, The Pigeon Detectives, The Rascals ou British Sea Power, que surpreenderam o mundo com os álbuns de estreia e depois afundaram-se no sempre difícil segundo disco, já que conseguem ampliar a boa impressão que deixaram no primeiro trabalho. De facto, os Viva Brother conseguem dar aqui um novo impulso à carreira, sendo audível que o fazem a tentar encontrar um equilíbrio entre os trunfos que apresentaram há mais de meia década e os novos rumos que tentam dar à sua carreira e que visam ir ao encontro de uma toada mais épica, destemida e grandiosa. Em suma, há aqui um paralelismo com o próprio futuro da música rock indie e alternativa e os desafios que atualmente se colocam a este género, com bandas a optarem por uma toada mais rugosa e direta e outras por uma maior aposta nos arranjos e na heterogeneidade instrumental. Que fazer com as guitarras? Usar acordes essencialmente eletrónicos, ou abusar de solos parecidos com as bandas de hard rock dos anos 70?

É esta a dicotomia que movimenta II, evidente em canções contagiantes como Rose, tema com um refrão que é digno da melhor escola britânica, mas também no esplendor e no groove das cordas de A Little Soul, uma daquelas canções para serem cantadas bem alto e principalmente Bastardo, single já extraído de II e que coloca logo as batidas eletrónicas lado a lado com as guitarras, numa dança que nunca desafina até ao final. E depois há Womankind, aquela canção que acaba por desafiar mais o ouvinte no modo como lhe possibilita apreciar todo o vasto leque de influências e estilos que os Viva Brother pretendem abraçar no disco.

Um dos aspetos que também merece ser referido na análise deste alinhamento é o modo como a instrumentação é organizada, quase sempre, de forma crescente, com os refrões a serem geralmente enérgicos e esplendorosos. Depois, a boa voz de Newell acaba por potenciar no disco a tal aura britpop. Em suma, se o grupo continuar assim e optar por trilhar este percurso de equilíbrio é certo que ainda teremos mais bons discos dos Viva Brother daqui em diante; Amadurecer é necessário e estes britânicos fazem-no com perspicácia. Espero que aprecies a sugestão...

Viva Brother - II

01. Rose
02. A Little Soul
03. Womankind
04. Bastardo
05. I Don’t Wanna Be Loved
06. The Black Pig
07. Silver Silk
08. Bad Blood
09. Alive And Unwell
10. A Day In The Life Of You
11. Brainchild

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:31






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 425


Disco da semana 118#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.