Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Blur - The Magic Whip

Quinta-feira, 30.04.15

Colocado à venda no ultimo dia vite e sete de abril, depois de um inesperado anúncio há algumas semanas, através de uma conferência conferência de imprensa transmitida em streaming a partir de um restaurante chinês em Londres, onde a banda aproveitou também para anunciar um grande concerto para o Hyde Park, na capital britânica, no dia 20 de Junho, The Magic Whip é o primeiro álbum dos britânicos Blur de Graham Coxon, Damon Albarn, Alex James e Dave Rowntree, desde o extraordinário Think Thank de 2003 e o tão badalado regresso à ribalta de uma banda fundamental da música ocidental das últimas três décadas, liderada pelo melancólico, mas sempre genial, brilhante, inventivo e criativo Damon Albarn, personagem central da cultura pop britânica contemporânea. O início embrionário deste disco materializou-se em quinze jams de vinte minutos, gravadas em 2013 em Hong-Kong, de modo quase casual, já que a banda tinha viajado para essa cidade para tocar no Festival Toky Tocks Music, um concerto à última da hora cancelado. Os quatro músicos vêem-se presos nessa cidade e resolvem usar os cinco dias programados para a estadia para entrar nos estúdios Avon e ensaiar, escrever e gravar, tendo nascido assim o bruto deste The Magic Whip. As letras são escritas por Albarn, um pouco mais tarde, depois do Natal desse ano, durante uma estadia de duas semanas na sua casa na Islândia.

Simbolos maiores da britpop e protagonistas de um mano a mano curioso com os Oasis dos irmãos Gallagher, os Blur tiveram uma década de noventa e uma entrada no novo milénio verdadeiramente estonteantes com sete discos que abraçaram diferentes subgéneros sonoros, mas sempre com a pop como referência primordial de um som muito caraterístico, que de Bowie aos Kins, passando por Syd Barrett ou os míticos XTC, era criado geralmente à sombra da genialidade da guitarra ríspida e simples de Coxon e do modo como Albarn escrevia e cantava sobre uma Inglaterra pós Tatcher, fortemente industrializada, mas também com uma pacatez rural muito típica, rica e sobranceira, fazendo-o transbordando modernidade e uma sensação de quotidiano e normalidade ímpares. De facto, era fácil para qualquer britânico sentir-se identificado com as canções dos Blur, como se qualquer um pudesse vestir a pele daqueles músicos, que satirizavam constantemente um mundo tão mecanizado e rotineiro e que, como hoje ainda sucede, tantas vezes, atrofia, de algum modo, a predominância dos desejos e necessidades de cada um de nós, em detrimento do bem e da vontade comuns.

Tanto frenesim, principalmente após The Great Escape, acabou por mostrar no horizonte um esgotamento da fórmula até então bem sucedida, com o outro lado do atlântico a surgir como uma terra de novas oportunidades para o grupo, sendo o homónimo Blur (1997) a seta lançada para uma América a viver a ressaca do movimento grunge e particularmente curiosa em relação a este quarteto. Este trabalho acaba por ser decisivo no historial da banda já que, se por um lado marca uma ruptura no som típico dos Blur, ampliado agora com uma maior sujidade e uma aúrea mais sombria e experimental, reforçada com uma superior importância da eletrónica dois anos depois em 13 e a procura de influências de outras latitudes, causadas por um Albarn curioso, estudioso e particularmente apaixonado pelos sons nativos da costa ocidental africana em Think Tank, por outro houve uma deterioração das relações pessoais no seio da banda e, em particular, os seus dois maiores egos, com Coxon a não ter já intervenção decisiva no conteúdo deste último trabalho.

Mas a que se deve a necessidade de referir, ainda que de modo sucinto, a história e a cronologia dos Blur, quando o que está em causa neste artigo é uma análise crítica, por parte do autor deste texto, ao conteúdo de The Magic Whip? Na verdade, e na minha modesta opinião, penso que uma abordagem honesta às doze canções deste trabalho só fica completa com esta contextualização anterior porque, pessoalmente, considero que este é, ao mesmo tempo, um disco de síntese de uma carreira e um trabalho de recomeço, onde os Blur plasmam, de certo modo, todo o tal referencial sonoro identitário que os influenciou, quer na fase inicial, quer no período mais conturbado, na passagem para o século XXI e que originou este hiato de doze anos, além de lançarem algumas sementes interessantes para um futuro discográfico que espero que se concretize.

De facto, se a guitarra inebriante e o baixo vigoroso de Lonesome Street e a postura vocal de praticamente toda a banda nesse tema parecem ter viajado diretamente das profundezas mais inspiradas de Modern Life Is Rubbish (1993), já o piano esquecido e a voz em overdub de New World Towers ou a máquina de ritmos, a viola e o riff eletrónico vintage de Ice Cream Man oferecem-nos esta aúrea de novidade, certamente projetada pelo Albarn construtor de Everyday Robots, que com um pé na folk e outro na pop e com a mente a sempre a convergir para a soul, entrega-se à introspeção e reflete sobre o mundo moderno, não poupando na materialização dos melhores atributos que guarda na sua bagagem sonora, confirmando, mais uma vez, o seu forte cariz eclético e heterogéneo e a capacidade de liderança suficiente para juntar em seu redor os restantes músicos.

O disco prossegue com mais um salto na reta numérica que define a cronologia discográfica dos Blur, para espreitarmos agora o tal período mais sombrio e experimental, à boleia do swing anguloso da guitarra porosa e distorcida de Go Out e do reverb alienígena de Thought I Was A Spaceman, que só se clarifica e vê a luz plena com a entrada da bateria já na segunda metade do tema. Entretanto, My Terracota Heart traz a lume o tempero africano que tanto seduz Albarn e a imponência orquestral de There Are Too Many Of Us remete-nos, uma vez mais, para o seu trabalho a solo, desta vez no que diz respeito a algumas bandas sonoras em que se envolveu.

Até ao final de um disco assombroso, pré-fabricado, como já referi, em cinco dias na tal Hong-Kong situada na Ásia que frequentemente chama por Albarn, como se percebe, por exemplo, nos Gorillaz, não podemos deixar de nos deslumbrar com a pop soalheira e plena de soul de Ghost Ship e, principalmente, à boleia desse apelo oriental, com Pyongyang, o meu tema preferido de The Magic Whip. Em 2013 foi concedida a Albarn licença para visitar a Coreia do Norte, onde permaneceu durante algumas semanas, tendo visitado a capital, que dá nome a este tema e outras zonas remotas do país. A lindíssima e majestosa melodia de Pyongyang é um reflexo dessa visita, o retrato de um povo que, de acordo com o músico, está cheio de pessoas boas, inteligentes, corajosas, sensíveis e sonhadoras, como qualquer comum ocidental, só que parece viver numa espécie de mundo enfeitiçado, num local mágico, que foi em tempos coberto por um manto invisível que transformou as fronteiras do país numa prisão gigante e com um poderoso efeito narcótico sobre a população.

Impecavelmente produzido por Stephen Street, The Magic Whip é, portanto, uma esplendorosa amálgama de todo o referencial identitário de um quarteto, que da britpop, ao experimentalismo ruidoso, passando pela eletrónica e pelo fascínio do lo-fi, criou canções que fazem parte do imaginário sonoro da civilização ocidental contemporânea. Em 2015 os Blur oferecem-nos uma ode nostálgica a toda a sua herança, mas também mostram estar familiarizados com as tendências mais atuais, sugerindo uma visão muito prória e claramente identificada com o adn identitário do quarteto, da pop e do indie rock atuais. Em suma, apresentam-se fortemente criativos, generosos e com vontade de continuarem a serem considerados uma referência obrigatória. Espero que aprecies a sugestão...

Blur - The Magic Whip

01. Lonesome Street
02. New World Towers
03. Go Out
04. Ice Cream Man
05. Thought I Was A Spaceman
06. I Broadcast
07. My Terracotta Heart
08. There Are Too Many Of Us
09. Ghost Ship
10. Pyongyang
11. Ong Ong
12. Mirrorball

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 19:13

Tame Impala – Disciples

Quinta-feira, 30.04.15

Os Tame Impala de Kevin Parker acabam de divulgar Disciples, mais um avanço para Currents, o sucessor de Lonerism, um novo trabalho do grupo australiano, que vai ver a luz do dia ainda em 2015.

O sentimento de mudança é cada vez mais explícito neste projeto. Se a longa Let It Happen apresentou-nos uns Tame Impala menos dependentes das guitarras e a chamarem os sintetizadores para plano de maior destaque, mas sem deixarem de lado a sua típica groove viajante e se ‘Cause I’m A Man oferecia-nos um R&B empoeirado, a animada Disciples mantém a temática de revisão da psicadelia que busca pontos de encontro com o rock clássico, proposto há mais de quatro décadas por gigantes que se entregaram ao flutuar sonoro da lisergia, mas numa toada mais pop e acessível, com as guitarras a serem cercadas por um sintetizador inspirado e fortemente aditivo. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 15:03






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 421


Disco da semana 113#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.