Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



The Horrors - Luminous

Quinta-feira, 29.05.14

Três anos depois do grandioso e extraordinário Skying, já ganhou vida Luminous, o novo disco dos The Horrors, de de Faris Badwan, Joshua Hayward, Tom Cowan, Rhys Webb e Joseph Spurgeon, um trabalho que foi lançado às feras no último dia cinco de maio através da XL Recordings.

Já no quarto tomo de uma discografia, este quinteto de rapazes com o típico ar punk de há quaretna anos atrás têm mostrado que não pretendem apenas ser mais uma banda propagadora do garage rock ou do pós-punk britânico dos anos oitenta, mas indivíduos donos de uma sonoridade própria e de um som adulto e jovial. E, com efeito, disco após disco, eles têm-se revelado como uma das mais importantes do cenário indie britânico.

Faris, o vocalista, já confessou que este é um álbum que deu imenso gozo à banda compôr e que, de todos os discos lançados até hoje pelos The Horrors, Luminous é aquele em que coloca maiores expetativas, principalmente porque ampliaram o cardápio sonoro do grupo com mais sintetizadores e criaram um som mais amplo e elaborado.

Escuta-se o disco e percebe-se desde logo, que estão presentes os habituais ingredientes desta banda britânica, mas que existe, realmente, uma maior primazia da vertente sintética em relação à orgânica das guitarras, apesar de muita da orientação sonora do alinhamento encontrar o seu principal sustento nas guitarras de Joshua e na bateria de Joseph, instrumentos que se entrelaçam na construção de algumas das melhores canções de um disco que mostra uma faceta mais pop, mas criado por uma banda que faz questão de viver permanenetemente de braço dado com o experimentalismo em simbiose com a psicadelia.

Se Luminous é, como já referi, o disco dos The Horrors que contém uma toada mais pop, não defrauda, no entanto, quem está habituado a ouvir os álbuns deste grupo e a deparar-se com diferentes viagens a vários universos sonoros, tendo sempre o sintetizador como veículo privilegiado dessa demanda por distintos territórios auditivos. Do indie rock de Falling Star, ao delírio indie pop de First Day Of Spring ou ao rock sintético proposto pelo teclado de I See You, há sempre esse elemento comum, um instrumento que é inerente ao status dos The Horrors e com o qual exploram as meldias e as harmonias que nos conquistam e, quase sem darmos por ela, têm em nós um efeito normalmente aditivo e fortemente viciante.

Num disco que transborda coerência do nome à capa, passando pelo ideário festivo, positivo e de esperança das letras, Luminous acaba por ser um nome feliz para um disco que apesar de ter ainda muito presente a guitarra de Joshua  a dançar em altos e baixos divagantes que formam a tal química interessante com a secção rítmica, aposta todas as fichas numa explosão de cores e ritmos que criam um álbum simultaneamente denso e dançável, um compêndio de um acid rock eletrónico despido de exageros desnecessários, mas apoteótico. Espero que aprecies a sugestão...

The Horrors - Luminous

01. Chasing Shadows
02. First Day Of Spring
03. So Now You Know
04. In And Out Of Sight
05. Jealous Sun
06. Falling Star
07. I See You
08. Change Your Mind
09. Mine And Yours
10. Sleepwalk

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:08

The Austerity Program - Song 30 vs Song 36

Quinta-feira, 29.05.14

A dupla nova iorquina The Austerity Program editou em 2007 Black Madonna, o seu último longa duração, ao qual se seguiu apenas o EP Backsliders and Apostates Will Burn em 2010. Estes dois lançamentos viram a luz do dia através da já defunta Hydra Head Records.

Depois do fim dessa etiqueta os The Austerity Program resolveram fundar a sua própria etiqueta e assim nasceu a Controlled Burn Records. Agora chegou a altura de darem a conhecer mais um álbum; O novo disco dos The Austerity Program chama-se Beyond Calculation, e será editado a dezassete de junho próximo.

Deste disco já são conhecidos os temas Song 30 e Song 36, duas canções disponíveis gratuitamente (o primeiro abaixo e o segundo via stereogum) e que usando a clássica fórmula do baixo, da guitarra e da bateria, debitam um post rock com a típica toada hardcore da dupla. A voz de Justin Foiley é outro atributo das canções, em especial em Song 36 quando relata um cenário assombroso de uma mulher e mãe inebriada, que deita fogo à sua própria casa (she knows that gasoline will settle what the bourbon never can). As duas canções têm uma elevada toada visceral e suja, mas mostram uma banda com pleno controle da sua ferocidade. Confere...

Austerity Program

Song 31
Song 30
Song 39
Song 33
Song 32
Song 35
Song 36
Song 37

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:00






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 435


Disco da semana 125#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.