Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Underground Lovers – Weekend

Sexta-feira, 18.04.14

Oriundos de Melbourne, na Austrália, os Underground Lovers são atualmente constituidos por Philippa Nihill, Richard Andrew, Maurice Argiro, Glenn Bennie, Vincent Giarrusso e Emma Bortignon. Apostam no revivalismo do rock progressivo e psicadélico, com uma forte componente experimental, que começou a fazer escola nas décadas de sessenta e de setenta. Pouco conhecidos no resto do mundo, são acompanhados com particular devoção no país de origem e considerados como uma das mais inovadoras bandas australianas, pela forma como conjugam a tradicional tríade baixo, guitarra e bateria com a tecnologia e a eletrónica que hoje prolifera na música e que permite às bandas alargar o seu cardápio instrumental.

Editado a treze de abril do último ano através da Rubber Records, Weekend é o trabalho mais recente dos Underground Lovers, um disco que celebra vinte e cinco anos da carreria do grupo e que sucede a Wonderful Things (2011).

A banda iniciou a sua carreria discográfica em mil novecentos e noventa e um com um homónimo e Weekend é já o décimo primeiro álbum da carreira dos Underground Lovers, um grupo que passou por algumas transformações, várias entradas e saídas de elementos e com um historial típico de uma banda com um elevado número de músicos com vidas díspares e conturbadas. 

Weekend são dez canções que nos permitem aceder a uma outra dimensão musical com uma assumida pompa sinfónica e inconfundível, sem nunca descurar as mais básicas tentações pop e onde tudo soa utopicamente perfeito. Apesar da já extensa carreira, não conhecia este grupo e confesso-me impressionado pela beleza utópica das composições dos Underground Lovers, algo que não falta neste álbum, assim como as belas orquestrações, que vivem e respiram, lado a lado, com distorções e arranjos mais agressivos. 

Weekend denota esmero e paciência por parte de Vincent Giarrusso, o grande mentor e compositor da banda, principalmente na forma como acerta nos mínimos detalhes. Das guitarras que escorrem ao longo de todo o trabalho, passando pelos arranjos de cordas, pianos, efeitos e vozes, tudo se movimenta de forma sempre estratégica, como se cada mínima fração do que escutamos tivesse um motivo para se posicionar dessa forma. Ao mesmo tempo em que é possível absorver Weekend como um todo, entregar-se aos pequenos detalhes que preenchem o trabalho é outro resultado da mais pura satisfação, como se os Underground Lovers projetassem inúmeras possibilidades e aventuras ao ouvinte em cada canção, assentes num misto de psicadelia, rock progressivo, soul e blues.

O som espacial, experimental, psicodélico, barulhento e melódico que a banda criou ao longo da carreira, não se compara, de acordo com o que percebi de outras críticas que li do disco, com o conteúdo de Weekend, pelos vistos o trabalho mais intenso e marcante da carreira da banda. Weekend acrescenta à bagagem sonora dos Underground Lovers novas e belíssimas texturas, que não se desviam do cariz fortemente experimental que faz parte do ADN do grupo.

O meu grande destaque deste disco é a elevadíssima dose de psicadelia em que assenta Can For Now e, já agora, a recente edição desta música no formato single inclui no alinhamento uma fantástica versão do clássico I'll Be Your Mirror dos Velvet Underground, certamente uma influência importante do grupo. Outro tema que merece amplo destaque e audições repetidas é a batida ácida e o baixo de Au Pair, um tema cantado com uma voz em eco entrelaçada com uma guitarra plena de distorção, dois detalhes que conferem à canção um enigmático e sedutor cariz vintage.

Apesar da longevidade e da erosão que a instabilidade da formação provoca no seio de uma banda, os Underground Lovers parecem não ter perdido o brilho e não demonstram cansaço ou falta de inspiração. Weekend tem tudo para, daqui a alguns anos, ser o clássico da banda que todos aqueles que pretendem revisitar a carreira deste grupo australiano vão querer ouvir. Na verdade, mergulhados num universo sonoro recheado de novas experimentações e renovações, os Underground Lovers soam tão poderosos, joviais e inventivos como soavam há duas décadas. Espero que aprecies a sugestão...

01. Spaces
02. Can For Now
03. Haunted (Acedia)
04. Dream To Me
05. Signs Of Weakness
06. Riding
07. St Germain
08. Au Pair
09. In Silhouette
10. The Lie That Sets You Free

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:37

La Sera - Running Wild

Sexta-feira, 18.04.14

O trio de indie rock Vivian Girls anunciou há algum tempo  fim da banda e deram concretos de despedida em Nova Iorque, de onde são naturais, mais concretamente de Brooklyn e em Los Angeles.

Quem não perdeu tempo e anunciou novidades no que diz respeito à sua carreira a solo é a baixista Katy Goodman. Nesta primavera, mais concretamente a treze de maio e através da Hardly Art,  ela vai editar Hour Of The Dawn, o seu terceiro álbum, que gravou sob o pseudónimo La Sera.

Katy adiantou que Hour Of The Dawn será um trabalho mais alegre que os antecessores algo que o pop punk de Losing To The Dark, o tema de abertura do disco, demonstrou claramente, assim como o rock de garagem de Running Wild, o segundo avanço de Hour To The Dawn divulgado. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 12:35






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 423


Disco da semana 117#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.