Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ermo - Correspondência

Quarta-feira, 06.11.13



Ermo é um projecto bracarense formado por António Costa e Bernardo Barbosa, que se estreou nas lides musicais em 2012, motivados pela vontade de desenvolver uma sonoridade ímpar, inspiram-se no imaginário português e na nostalgia de tempos antigos. Por isso, a música tradicional é uma das pedras de toque deste projeto, como o toque de modernidade a ser conferido por uma eletrónica influenciada pelas sonoridades pop que sempre encontraram um terreno fértil no Alto Minho.

Os Ermo estrearam-se em 2012 com um EP que foi alvo de críticas bastante positivas e que mereceu fazer parte de algumas listas dos melhores trabalhos do ano. Por esse motivo, os Ermo viram importantes holofotes a incidir sobre si, que ficaram a aguardar, com enorme expetativa, este longa duração de estreia do projeto. Esse trabalho está quase a ver a luz do dia já que os Ermo editam a vinte e cinco de Novembro o seu álbum de estreia, com o selo da Optimus Discos. A rodela vai chamar-se Vem Por Aqui e Correspondência é o primeiro single já divulgado do disco, uma canção disponível para download gratuito, também pela Optimus Discos.

De acordo com o press release do single, disfarçada de canção de amor, "Correspondência" é-o, na medida em que, como uma carta endereçada a um país, ilustra um ternurento afecto por tudo aquilo que este representa. Dando o mote a um álbum que retrata um Portugal degradado, este tema surge como um pedido de desculpas; entre o amor e o ódio, fica um verso: "que quem se maltrata, se maltrata por amor".

Pelo conteúdo deste single estou seguro que vem aí um dos melhores discos nacionais do ano. Faz o download da canção, confere o belíssimo artwork da capa de Vem Por Aqui e um dos temas antigos dos Ermo...

Os Ermo têm três concertos confirmados: dia trinta de Novembro, na Casa da Música, no Porto, dia sete de Dezembro, no Musicbox, em Lisboa e dia treze de Dezembro no TOCA, em Braga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 12:56

Mesita - Future Proof

Terça-feira, 05.11.13

Um ano e meio após o lançamento do álbum Coyote e cerca de meio ano depois de um EP chamado XYXY, o norte americano Mesita, ou seja, o músico de vinte e quatro anos James Cooley, natural de Denver, no Colorado, acaba de divulgar um novo disco. Lançado no passado dia oito de outubro, Future Proof é uma belíssima coleção de dez canções, disponíveis para download no bandcamp do músico e que representam alguma da melhor soul com cariz eletrónico que ouvi em 2013.

Mesita é um projeto que tem em Sufjan Stevens e os Sea And Cake algumas das suas principais influências, mas o R&B branco de James Blake, a motown dos anos setenta e os mais contemporâneos Metronomy também andam por aqui. O processo de composição melódica assenta em variações e efeitos metálicos, que invluem cordas e instrumentos de sopro e uma voz em eco, várias vezes imperceptível e qeu espalha sensualidade e hipnotismo.

O disco começa com No Future, um tema que nos leva para a pista de dança e procura contrariar o título do álbum e lançar a dúvida sobre as reais intenções de Mesita relativamente à mensagem que pretende passar em Future Proof; Mas o cariz luminoso da canção e a batida alegre e cheia de groove, levam-nos logo a dançar e a sorrir, acreditando certamente que haverá um grande amanhã sempre à nossa espera.

Depois chega Firesign, uma canção com um forte cariz épico, assente num sintetizador algo hipnóticco, uma percurssão incerta, alguns metais e a voz de James em falsete a introduzir uma elevada toada soul. Um dos meus temas preferidos do álbum é a curta balada Hostages, uma canção cheia de detalhes feitos com o piano e abrilhantados por instrumentos de sopro e uma percurssão algo dúbia, é um dos momentos mais introspetivos e melancolicos de Future Proof. De seguida chega Damage e o disco prossegue cheio de alegria, cor e animação.

Há em Future Proof uma inocência cativante, daquelas que levam anos a amadurecer, uma ingenuidade absoluta que só valoriza o criador desta fantástica coleção de canções, verdadeiramente inspiradas. Espero que aprecies a sugestão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 21:41

Broken Bells - Holding On For Life

Terça-feira, 05.11.13

Os Broken Bells de Danger Mouse e James Mercer, vocalista dos The Shins, estão de regresso aos discos, a catorze de janeiro próximo, com After The Disco, um trabalho que verá a luz do dia através da Columbia Records e que sucede ao homónimo de estreia, editado em 2011. O primeiro single conhecido é Holding On For Life, uma canção com raízes na pop sintetizada dos anos setenta e oitenta e onde se destaca, uma linha de baixo marcante e o falsete de Mercer. Confere...


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 12:55

Men Among Animals - Buried Handsome

Segunda-feira, 04.11.13

Lançado pela Tapete Records no passado dia vinte e três de agosto, Buried Handsome é o terceiro e novo disco dos Men Among Animals, uma banda dinamarquesa que se estreou em 2008 com Bad Times, All Gone, tendo sido Run Ego o título do difícil segundo disco, publicado em 2010. Buried Handsome é uma espécie de renascimento deste grupo, depois de um período conturbado que levou a uma pausa de três anos, durante a qual os Men Among Animals deixaram de ser um quinteto, para se tornarem no trio que gravou este novo trabalho.

 

Às vezes há discos curiosos, que são descobertos ali, que parece que se insinuam, inseguros e tímidos, receosos da opinião de quem os escuta, perdidos no meio do nada e que parecem estar em pousio, bem perto de nós, até que chegue o momento certo de se revelarem, para que sejam entendidos em toda a sua plenitude.

No canto dos álbuns pendentes há cerca de três meses, Buried Handsome chamou a minha atenção há poucos dias num simples exercício de prospeção e, sem grande aparato e nenhuma expetativa, deixou-se introduzir no leitor do meu carro que testemunha diariamente a azáfama em que se transformaram os meus dias e que escuta tantas vezes as lamúrias, os planos, os anseios e as tarefas de mais um dia, feito de manhãs, tardes e às vezes noites, de tarefas rotineiras mas que são indissociáveis de uma existência humana em pleno.

Assim que começou a tocar The Place You Counted On, confesso que não prestei muita atenção, mantive o meu foco na estrada e nos meus pensamentos e apenas comentei com os meus botões que estaria, a partir de então, na presença de mais um banda que cultiva uma devoção intensa pela herança dos Joy Division, o que, por si, só, como amante confesso dos Interpol que sou, me faria certamente ficar um pouco atento ao restante alinhamento.

Mas à segunda música sou surpreendido porque a bateria, as maracas e a viola acústica de Kathy viram completamente a agulha para os Beach Boys e para a pop luminosa dos anos sessenta, levando-me para uma praia algures no Haway, longe do Atlântico Norte, ali, em plena Jutlândia, território natal dos Men Among Animals. Essa paisagem luminosa volta a surgir e a ser sentida um pouco adiante ao som de The Rise That Gave Us Away.

Failures Flaws Regret e They Build A Colony provocam mais uma mudança brusca na realidade musical que se entranhou em nós, com a terceira canção do alinhamento deste disco a conduzir-nos ao ambiente cósmico, ácido e psicadélico de Oklahoma, ou seja, dos The Flaming Lips de Wayne Coyne. E não há grandes segredos para esta bem sucedida viagem até ao outro lado do Atlântico; Basta o dedilhar de uma guitarra e alguns efeitos hipnóticos e fortememente sintetizados para que o desejado efeito se crie. É por esta altura que ficamos totalmente convencidos e se percebe a real capacidade eclética dos Men Among Animals e a qualidade musical dos mesmos, quer ao nível da composição, quer no que diz respeito ao processo de escrita e criação melódica.

Há ainda outros destaques num disco que vale pela heterogeneidade do seu todo; Common In A Special Way poderia muito bem ter sido cantada por Brian Molko e os Seus Placebo, mas na fase aúrea de Without You I'm Nothing e depois, no fim, em Breathe When You're Dead, há o esplendor do rock experimental proposto pelos Sigur Rós.

Um dos grandes trunfos deste trabalho absolutamente fantástico e delicioso é que, por ser tão complexo e convergente, agrada facilmente quer a gregos quer a troianos; Cada um de nós escutará certamente algo que considera belo e que mexe consigo e poderá selecionar o tema preferido e com o qual melhor se identifica. No meu caso, a voz metalizada e o crescimento sequencial da batida hipnótica de Neighborhood são o clímax de um disco que é um verdadeiro caldeirão sonoro, uma sagaz miscelânia de efeitos que personificam o que de melhor tem surgido no universo indie rock dos últimos vinte anos.

Reza a lenda que os Men Among Animals são uma banda que decidiu juntar-se depois de estarem em frente de uma garrafa de vinho quase vazia porque, além de partilharem um enorme gosto pela música, achavam estranho todos os humanos que conhecem confessarem gostar de animais e, por isso, talvez fosse altura de, a--través da música, desmascarar alguns deles (humanos, entenda-se). Em boa hora resolveram pôr mãos a essa empreitada. Espero que aprecies a sugestão...

01.The Place You Counted On
02. Kathy
03. Failures Flaws Regret...
04. They Build A Colony
05. Common In A Special Way
06. The Rise That Gave Us Away
07. Old Mr Carson
08. Neighborhood
09. When You Smile
10. Breathe When You're Dead

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:09

Hella Better Dancer - Sleep Talking

Domingo, 03.11.13

Os Hella Better Dancer são Tilly, Josh, Soph e Kari, uma nova banda de Londres com uma particular predileção por gravações caseiras e sons lo-fi, com os seus temas a ter uma sonoridade polida, mas igualmente vintage. O grupo impressiona pela forma como o seu som é produzido, como se a banda estivesse a tocar ao vivo e não em estúdio. Se a estas caraterísticas juntarmos a atração do grupo pelo post rock dos anos oitenta, então juntam-se os ingredientes certos para termos aqui mais um projeto a acompanhar com particular interesse.

Sleep, uma espécie de demo e Sleeptalking, o resultado final da mesma, são as duas últimas canções divulgadas e mostram uns Hella Better Dancer a replicar uma sonoridade típica do post rock de há pouco mais de vinte anos atrás, algures entre os Talk Talk e os Mazzy Star. No bandcamp do projeto encontras outras demos e gravações que o grupo criou desde 2010. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 16:41

The Flaming Lips And Tame Impala – Peace And Paranoia Tour 2013 EP

Sábado, 02.11.13

Quando uma das melhores bandas psicadélicas de sempre do universo indie rock se junta com a melhor banda psicadélica da atualidade, o resultado só pode ser curioso, extravagante, ácido e altamente lisérgico. Falo dos The Flaming Lips e dos Tame Impala, duas bandas que resolveram dar vida à forte admiração mútua que sentem e tocar e gravar juntos, numa digressão chamada Peace and Paranoia.

Depois da banda australiana ter participado em Heady Fwends, disco de colaborações que os The Flaming Lips editaram em 2012, andam atualmente em digressão conjunta, com três concertos previstos para a costa oeste dos Estados Unidos, estes dias. Entretanto também estiveram em estúdio, como divulguei há poucos dias, a gravar um EP conjunto; O trabalho chama-se Peace And Paranoia Tour 2013, uma coleção de quatro covers de uma banda a tocar temas da outra.

Assim, além de uma fantástica versão de Elephant, um original, como todos sabemos, dos Tame Impalaby The Flaming Lips, a banda de Oklahoma também apresenta a sua versão de Runway, Houses, City, Louds. Quanto aos australianos, gravaram os temas Are You A Hipnotist? e Silver Trembling Hands, ambos soberbamente interpretado pelos Tame Impala.

Os quatro temas deste EP comprovam a excelência do estranho universo que se esconde dentro das cabeças de Wayne Coyne e Kevin Parker, um mundo de ruídos estranhos e caseiros, mas extremamente aditivos. Espero que aprecies a sugestão... 

The Flaming Lips And Tame Impala - Peace And Paranoia Tour 2013

01. Runway, Houses, City, Clouds
02. Elephant
03. Are You a Hypnotist?
04. Silver Trembling Hands

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 23:02

Tei Shi - Nevermind The End

Sábado, 02.11.13

image

Nevermind The End é um novo avanço para Saudade, o novo EP de Valerie Teicher, aka Tei Shi, uma artista sedeada em Brooklyn, Nova Iorque. Esta nova canção, disponibilizada gratuitamente pela autora, impressiona pelo charme do baixo e pela delicadeza da voz e sucede a M&Ms, o primeiro tema divulgado de Saudade. O EP chegará aos escaparates a doze de novembro. Confere...


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:42

Jacuzzi Boys - Jacuzzi Boys

Sexta-feira, 01.11.13

Os Jacuzzi Boys são uma banda de rock natural de Miami, na Flórida, formada por Gabriel Alcala (voz e guitarra) Danny Gonzales (baixo) e Diego Monasterios (bateria), já em 2007. Estrearam-se pouco depois com  No Seasons e editaram no passado dia dez de setembro, Jacuzzi Boys, um disco homónimo, por intermédio da Hardly Art Records e que tem em Domino Moon o grande destaque. Este disco foi gravado nos estúdios Key Club Recording Co., no Michigan, o mesmo local onde gravaram Glazin, o antecessor e segundo álbum do grupo; Jacuzzy Boys contou com Bill Skibbe e Jessica Ruffins na produção.

Os Jacuzzi Boys são uma banda já com uma reputação sólida nos Estados Unidos, principalmente por causa dos concertos e também devido ao vídeo de Glazin, o tema homónimo do disco anterior do grupo e que estava cheio de... vaginas. Este terceiro disco dos rapazes de Miami termina onde eles ficaram em Glazin, já que é outro banquete power pop com canções que falam sobre temas tão díspares como os nossos sonhos mais recorrentes ou... as nossas ereções matinais.

Sonoramente, estamos na presença de um compêndio de surf rock, vivo e caloroso, feito com guitarras dançantes e com um estilo punk, tendo aumentado a toada experimental deste instrumento. Assim, no que respeita á textura dos riffs, há que destacar, antes de mais, Double Vision, uma excelente canção pop rock, o solo de guitarra da romântica Dust, que casa muito bem com os falsetes de Alcala e os efeitos sintetizados de TUH e Rubble, dois temas onde o som da guitarra é menos cru e direto e mais espacial e psicadélico.

Ainda no campo da psicadelia, não quero deixar de destacar o groove hipnótico de Guillotine, a introdução de Over The Zoom que faz recordar facilmente o já clássico Elephant dos Tame Impala e, a fechar, a melosa Ultraglide termina o disco de forma algo beliçosa, como se fosse o epílogo de uma grande festa.

Em suma, Jacuzzi Boys é uma coleção de onze canções impecavelmente produzidas, que plasmam um estilo muito próprio de uma banda que mais uma vez obedeceu às suas convicções, mas que , finalmente, abriu um pouco a porta à experimentação. É um trabalho que casa muito bem com o habitual catálogo da Hardly Art e a banda sonora perfeita para uma festa em Miami Beach, nos anos setenta, repleta de ácidos. No fundo, um disco que prova que os Jacuzzi Boys cresceram e diversificaram-se como escritores e compositores de canções, sem colocarem a causa o seu ADN. Espero que aprecies a sugestão...

01. Be My Prism
02. Black Gloves
03. Double Vision
04. Dust
05. Rubble
06. Over the Zoom
07. Guillotine
08. Heavy Horse
09. Hotline
10. Domino Moon
11. Ultraglide

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 22:52

Armada - Bandidos do Cais

Sexta-feira, 01.11.13


Os portugueses Armada andam desde o início deste ano a antecipar a chegada do disco de estreia. Depois do lançamento do single Sinceramente e de terem dado vários concertos, um pouco por todo o país, chegou agora aos nossos ouvidos mais um novo tema do grupo, intitulado Bandidos do Cais.

De acordo com o press release do tema, o vídeo desta canção foi filmado no bairro do Cais do Sodré num concerto lotado em Março passado. As filmagens de base foram captadas pelo Ricardo Oliveira, que assume a realização do vídeo, pelo Manuel Pureza e pelo Telmo Vicente. A ideia para as imagens complementares foi desafiar o público a filmar o concerto com os seus telefones e depois a enviar o resultado. A forma do vídeo e a produção musical da canção foram sendo criados paralelamente, sempre negociados entre o Ricardo Oliveira e a banda. Resultou num exercício criativo de fusão da estética do vídeo com a ambiência da música.

A música foi gravada por Pedro da Rosa, Tiago Martins e Hugo Valverde na casa da Madragoa e no estúdio Fisga. Quando o disco chegar aos escaparates merecerá certamente audição atenta por cá. Confere...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 12:48


Pág. 6/6






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 425


Disco da semana 118#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.