Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Keep Shelly in Athens - At Home

Segunda-feira, 25.11.13

Editado no passado dia dezassete de setembro pela Cascine, At Home é o disco de estreia da dupla de dream pop grega Keep Shelly in Athens, formada por RΠЯ e Sarah P. Um dos grandes destaques deste trabalho e que me suscitou curiosidade para ouvir o resto do álbum foi Recollection, o primeiro single retirado do trabalho e já com direito a um excelente video realizado por Jesse Lamar High e Nik Harper, do estúdio LAMAR+NIK. O video foi filmado numa escola abandonada visitada por uma mulher que recorda tempos felizes no passado. Entre o entulho e o caos vemos bolhas de sabão que sobrevoam os corredores como frágeis memórias prontas a desaparecer a qualquer momento. Visivelmente orgulhosos do seu trabalho, LAMAR+NIK fizeram questão de reforçar que todas as gigantescas bolhas de sabão são verdadeiras e não efeitos digitais.

Antes de mais importa referir que esta dupla grega faz um chillwave, que nada mais é do que aquele som etéreo, lo-fi, que lembra um pôr-do-sol bem delicioso. A sombria e orquestral Time Exists Only To Betray Us abre o disco e transporta-nos imediatamente para um universo dominado pela assunção plena da eletrónica, feita com sintetizadores cheios de efeitose batidas nem sempre regulares, muito à semelhança do que propôem hoje nomes tão reconhecidos como os CHVRCHES ou os Purity Ring.

Mas a eletrónica não domina completamente o disco; Por exemplo, em Room 14 (I'm Fine) há uma batida inebriante feita com uma linha de baixo, à qual é depois adicionado um riff acústico de guitarra e Knife baseia-se num teclado que imita sons de guitarra, com Sarah P a dar à canção a sua melhor postura vocal rockeira. Este tema é só mais um exemplo de como a voz de Sarah P, o elemento feminino da dupla, é também um importante trunfo neste disco. Curiosamente, ela refere que Nancy Sinatra e Tracey Horne são as suas duas grandes referências vocais mas, na verdade, a sua postura vocal não se assemelha a nenhuma delas, tendo-me feito recordar mais Alison Shaw dos The Cranes.

Do dubstep minimal à eletrónica mais elaborada e sombria, com uma produção em estúdio algo complexa e ceia de detalhes, At Home coloca os Keep Shelly In Athens em várias encruzilhadas e levanta diferentes pistas sobre qual será o futuro sonoro desta dupla. Espero que aprecies a sugestão...

At Home está disponível para audição no soundcloud dos Keep Shelly In Athens. Espero que aprecies a sugestão...

1. Time Exists Only To Betray Us
2. Oostende
3. Recollection
4. Flyway
5. Higher
6. Madmen Love
7. Stay Away
8. Room 14 (I’m fine)
9. DIY
10. Knife
11. Sails
12. Hover
13. Back to Kresnas street

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 18:53

Ermo - Vem Por Aqui

Segunda-feira, 25.11.13

Ermo é um projecto bracarense formado por António Costa e Bernardo Barbosa, que se estreou nas lides musicais em 2011. Motivados pela vontade de desenvolver uma sonoridade ímpar, inspiram-se no imaginário português e na nostalgia de tempos antigos. Por isso, a música tradicional é uma das pedras de toque deste projeto, como o toque de modernidade a ser conferido por uma eletrónica influenciada pelas sonoridades pop que sempre encontraram um terreno fértil no Alto Minho.


Os Ermo estrearam-se, como já disse, em 2012 com um EP que foi alvo de críticas bastante positivas e que mereceu fazer parte de algumas listas dos melhores trabalhos do ano. Por esse motivo, os Ermo viram importantes holofotes a incidir sobre si, que ficaram a aguardar, com enorme expetativa, este longa duração de estreia do projeto. Vem Por Aqui viu a luz do dia hoje, com o selo da Optimus Discos e está disponível para download gratuito, no sítio da editora.

De acordo com o press release do single Correspondência, que divulguei recentemente, disfarçada de canção de amor, "Correspondência" é-o, na medida em que, como uma carta endereçada a um país, ilustra um ternurento afecto por tudo aquilo que este representa. Dando o mote a um álbum que retrata um Portugal degradado, este tema surge como um pedido de desculpas; entre o amor e o ódio, fica um verso: "que quem se maltrata, se maltrata por amor".

Pelo conteúdo deste single acaba por ser possível perceber o restante conteúdo de um álbum que vai buscar a sua inpiração às raízes mais profundas da nossa identidade cultural e a muito do misticismo que está adjacente ao nosso passado e que é indissociável do mesmo. Quantos fatos da nossa história, considerados hoje como comprovados e verdadeiros, não terão surgido de uma espécie de faz de conta que serviu para elogiar determinadas personagens e enriquecer o nosso ideário coletivo?

Os Ermo trovam sobre esta nossa capacidade secular e tão lusitana de elevar a moral de um povo, através da religiosidade da nossa própria história e que explica, de algum modo, a sobrevivência de Portugal enquanto nação secular, contra todas as evidências e as lógicas mais sensatas. E fazem-no construindo impérios melódicos a partir de quase nada. São cantos da terra, não no sentido de música rural ou tradicional, mas no da sua acepção mística em que, a par do fogo, da água e do ar, ela surge como elemento primordial, encerrando em si grande parte dos mistérios da nossa existência.

Estou seguro que Vem Por Aqui, além de ter um belíssimo artwork, é um dos melhores discos nacionais do ano. Espero que aprecies a sugestão...

  1. Eu Vi O Sol
  2. Correspondência
  3. Macau
  4. Porquê
  5. Primavera
  6. Fronteira
  7. Projéctil
  8. Pangloss

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 14:58






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon -Programa 422


Disco da semana 117#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.