Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Editors – The Weight Of Your Love

Segunda-feira, 22.07.13

Os Editors de Tom Smith estão de regresso aos discos com The Weight Of Your Love, o sétimo trabalho desta banda britânica, lançado pela PIAS e sucessor de In This Light And On This Evening, álbum editado em 2009. Com este novo trabalho os Editors têm a pretensão de se assumirem definitivamente como uma banda de massas e deixar de vez o universo mainstream para fazerem parte da primeira liga do campeonato mundial do indie rock.

Depois da estreia promissora que foi The Dark Room e que teve boa continuidade no sucessor An End Has A Start, dois álbuns fortemente influenciados pelo pós punk dos Joy Division e dos Interpol e pela indie pop dos próprios Coldplay, a partir do terceiro disco a eletrónica começou a integrar com maior intensidade o cardápio instrumental dos Editors e a busca por uma sonoridade mais épica, aberta e comercial, de forma quase obsessiva. The Weight Of Your Love acaba por ser, de algum modo, a assunção definitiva de um verdadeiro virar de costas ao som original da banda ou, pelo menos, aquela sonoridade que tanto me encantou há cerca de uma década.

Ao ouvir o disco e ao perceber que já não reconhecia os Editors, lembrei-me imediatamente do efeito semelhante que teve em mim, em 2008, Only By The Night, o disco dos Kings Of Leon que, excepção feita a Sex On Fire, me deixou profundamente irritado com uma banda com a qual me divertia imenso durante as audições de Youth and Young Manhood (2003) e Aha Shake Heartbreak (2004). Exemplos como este, de projetos que alteram profundamente o seu percurso sonoro, buscando o sucesso comercial a todo o custo, fazem-me pensar na influência que determinadas editoras e produtores ainda terão sobre alguns grupos e na capacidade decisiva que têm de se imiscuir no processo criativo, porque não acredito que tanto Tom Smith como os irmãos Followill se sintam mais preenchidos e felizes com os últimos capítulos das suas discografias, relativamente aos primeiros. Durante o período de gravação de The Weight Of Your Love, Tom Smith chegou a relatar a sua insatisfação relativamente aos resultados dessas sessões e talvez a saída recente do guitarrista e fundador da banda, Chris Urbanowicz, por supostas divergências musicais relativamente ao rumo sonoro da banda, seja um reflexo e uma prova do sentido desta minha tese.

Deixando um pouco de lado estas considerações que não são mais do que a expressão da minha opinião pessoal e debruçando-me sobre o conteúdo sonoro de The Weight Of Your Love, este é um disco muito focado em temas com refrões orelhudos, baladas e canções com arranjos elaborados e que melodicamente são pouco arriscados e criativos e não melindram quer o ouvinte quer os Editors. Com a já citada saída de Chris, os restantes membros procuraram compensar essa perca com a tentativa de criação de canções empolgantes e poderosas, mas a verdade é que a fórmula escolhida apenas serviu para a manutenção de um nível de qualidade mínimo e para a demonstração de que os Editors dependem cada vez mais do som de outras bandas para criarem a sua música do que propriamente da sua capacidade critiva e pessoal, apesar da produção ser exemplar.

O disco em si tem uma toada muito sustentatada na voz de Tom e nos sintetizadores, com a década de oitenta bastante presente, inclusivé nas letras que falam muito sobre a morte, o pessimismo e outras temáticas algo sombrias (I promissed myself I  wouldn’t sing about death, I know I’m getting boring). O alinhamento começa com a consistente The Weight e com Sugar, uma canção com um certo sabor a rock industrial e aos Nine Inch Nails. De seguida, chega-nos A Ton Of Love, uma boa surpresa, um belíssimo poema que faz da canção, para mim, o maior destaque deste trabalho. No entanto, a partir daqui, este início prometedor acaba por perder consistência; What Is This Thing Called Love, Honesty e Nothing são bons exemplos de temas com arranjos desnecessários e alguns exageros típicos de uma busca obsessiva pelo grandioso; Não é que aqui não haja arranjos orgânicos e bem sustentados, a questão é que soam demasiado a muita coisa menos a EditorsHyena remete-nos com demasiada nitidez para Neighborhood #2 (Laika), dos Arcade Fire, principalmente na melodia e no coro que se repetem no refrão e Birds Of Prey é mais um exemplo de uma canção que descarateriza e desmonta a nossa impressão inicial sobre a sonoridade natural deste grupo e nos faz apenas enumerar algumas referências interessantes a bandas importantes para a história do rock.

Até ao final do disco, retive Formaldehyde e a acústica The Phone Book, uma canção com versos bonitos e cantada de uma forma tão emotiva que nos pede para fechar os olhos, acender o isqueiro e cantar com o coração. Estes são dois temas que juntamente com a guitarra de A Ton Of Love não me levam a desistir totalmente dos autores de PapillonSparks e me fazem manter a esperança de que ainda poderá haver um retrocesso nesta nova viragem sonora e conceptual de um dos grupos que já considerei fundamentais no novo movimento do pós punk, um género musical que me diz imenso e com o qual particularmente me identifico e que mais me impressionou e me satisfez desde o início da última década. Espero que aprecies a sugestão...

01. The Weight
02. Sugar
03. A Ton Of Love
04. What Is This Thing called Love
05. Honesty
06. Nothing
07. Formaldehyde
08. Hyena
09. Two Hearted Spider
10. The Phone Book
11. Bird Of Prey

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por stipe07 às 13:21






mais sobre mim

foto do autor


Parceria - Portal FB Headliner

HeadLiner

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Man On The Moon · Man On The Moon - Programa 421


Disco da semana 113#


Em escuta...


pesquisar

Pesquisar no Blog  

links

as minhas bandas

My Town

eu...

Outros Planetas...

Isto interessa-me...

Rádio

Na Escola

Free MP3 Downloads

Cinema

Editoras

Records Stream


calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.