Quinta-feira, 31 de Maio de 2012

Neutral Milk Hotel - In The Aeroplane Over The Sea

Esta manhã, ao conduzir para o trabalho, coloquei no leitor um disco que já foi editado há catorze anos, mas que poderia perfeitamente vir a sê-lo... em 2026. É um álbum a que regresso com alguma frequência no meio das novidades que descubro diariamente, sempre com a mesma sensação que estou a ouvir algo que se assemelha à génese e principal fonte de inspiração de quase tudo o que se faz hoje no cenário índie e alternativo e de grande parte dessas tais novidades mais folk e lo-fi.

A história deste disco é amplamente conhecida. Era uma vez um grupo de amigos com bandas lo-fi de estéticas relativamente parecidas, em que um tocava na banda do outro e todos estavam sob a mesma casa, a etiqueta Elephant Six. Os The Apples In Stereo, Of Montreal, Olivia Tremor Control, Essex Green eram alguns dos nomes. O músico mais inventivo e genial de todos eles era Jeff Mangum, o génio que criou os Neutral Milk Hotel e fez um disco aclamado pela crítica e pelo público e que influenciou, conforme referi no início, muito boa gente.
In The Aeroplane Over The Sea é daqueles álbuns que só fazem sentido se for ouvido de ponta a ponta. Mangum canta as letras como se falasse com um amigo, acompanhado de um instrumental fuzz-folk às vezes caótico e saturado, às vezes ameno. A sua voz nasalada enumera contos de amor, morte e surrealismo. And one day we will die, and our ashes will fly from the aeroplane over the sea, but for now we are young, let us lay in the sun, and count every beautiful thing we can see
Estão a fazer catorze anos que In The Aeroplane Over The Sea parou o mundo e ouvir este trabalho hoje, em perspectiva, mostra que todo o cenário folk dos anos 2000 em diante (Coco Rosie, Devendra Banhart e Vetiver, Animal Collective, Akron/Family, Panda Bear) coloca Mangum no mesmo altar de Bob Dylan e Vashti Bunyan, caracterizando-o ainda como o trovador moderno por excelência. Espero que aprecies a sugestão...

The King of Carrot Flowers Pt 1

The King of Carrot Flowers Pts 2 & 3

In the Aeroplane Over the Sea

Two-Headed Boy

The Fool

Holland, 1945

Communist Daughter

Oh Comely

Ghost

Untitled

Two-Headed Boy Pt. 2


autor stipe07 às 13:45
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 30 de Maio de 2012

Get Cape. Wear Cape. Fly. – Maps

Começa a ser hábito os jogos de vídeo servirem de inspiração para algumas bandas e projetos como os Games e a discografia de Owen Pallett são provas que elucidam esta tendência. Esse também é o caso de Sam Duckworth, natural de Essex, Inglaterra; Aos dezoito anos decidiu que iria viver da música e adoptou para o seu projeto o peculiar nome Get Cape. Wear Cape. Fly., retirado de um artigo da revista de jogos de vídeo ZX Spectrum. Pouco depois consegue um contrato com a Atlantic Records e em 2006 estreia-se nos discos com The Chronicles Of A Bohemian Teenager. Agora, dois discos depois dessa estreia e de uma aventura a solo, regressou com Maps, lançado no passado dia sete de maio pela Cooking Vinyl / Pias Spain.

Desde 2006 que Sam sugere-nos narrativas emocionais e tenta criar a sua própria marca de indie alegre e extrovertida, através da guitarra. Maps não deve ser levado demsiado a sério e o single The Real McCoy é para ser cantado até à exaustão como se tratasse de um dos melhores momentos da brit pop. Mas também destaco The Joy Of Stress, cuja abertura, assente num paino, demonstra a versatilidade musical deste compositor londrino e a colaboração com o MC Jhest em  The Long And Short Of It All, uma boa canção hip hop e com um refrão memorável.
Em suma, Maps é uma pequena súmula de alegre indie-pop, ideal para se ouvir quando o sol finalmente decide ir dormir. Espero que aprecies a sugestão...

 

01. The Real McCoy
02. Vital Statistics
03. Daylight Robbery
04. Call Of Duty
05. The Joy Of Stress
06. Snap
07. The Long And Short Of It All (Feat. Jehst)
08. Offline Maps
09. Easy (Complicated)
10. Home


autor stipe07 às 21:43
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

Curtas... XXXVI

Quem estava habituado à folk ligeira do último álbum dos Six Organs of Admittance, Asleep on the Floodplain, de 2011, talvez se desiluda com os rumos que o músico Ben Chasny parece ter escolhido para o próximo álbum deste projeto sempre experimental. Em Waswasa, novo single da banda norte-americana, não há violas acústicas e etéreas, mas guitarras firmes, batidas secas e um jogo de sons talvez impossível de ser imaginado dentro do contexto do último álbum. A música fará parte do disco Ascent, que deve ser lançado somente em agosto.

Six Organs of Admittance, "Waswasa" by selftitledmag

Uma das bandas mais divertidas da cena californiana, os Lemonade, divulgaram duas novas canções, Neptune e Softkiss, e que farão parte do segundo álbum de estúdio da banda, Driver, que será lançado no dia vinte e nove de maio. Com batidas quentes, eróticas e um toque tropical, Neptune segue boa parte das referências testadas pelo grupo há quatro anos, quando apresentaram ao público o primeiro disco.

Ainda fazendo o mesmo uso de sintetizadores e batidas quentes, Softkiss puxa o grupo para uma sonoridade levemente melancólica e nostálgica e boa parte da canção remete-nos diretamente para os sons dos anos oitenta. Driver deverá ser um dos grandes álbuns de 2012. Quente.

 

Os California Wives são uma banda natural de Chicago que se prepara para editar o álbum de estreia depois de terem assinado recentemente pela Vagrant Records. Apesar de o álbum ainda não ter a data de saída definida, já é conhecido Marianne, o primeiro single, disponível para download gratuíto no soundcloud da etiqueta. Gostei imenso desta canção e a banda já está referenciada para uma escuta atenta do disco, logo que veja a luz do dia.

California Wives - Marianne by Vagrant Records

 

Os Kaiser Chiefs investiram fortemente no video de Listen to Your Head, lançado no passado dia vinte e seis de maio, feito para divulgar a coletânea Souvenir: The Singles 2004-2012.

O filme, dirigido por Mattias Erik Johansson, simula o trailer de um thriller de cinema, com uma super produção, um elenco considerável e perseguições de carros, por exemplo.

 

A versão deluxe de Destroyed, o mais recente disco de Moby, foi editada recentemente e traz dois discos a mais, sendo um com músicas inéditas e versões da originais do álbum e outro com cinco vídeos interativos. Uma preciosidade para os fãs, nomeadamente o single The Poison Tree, onde Moby pisa o terreno sonoro que solidificou e assegurou desde Play, em 1999.

Moby - The Poison Tree

01. The Poison Tree
02. The Poison Tree (David Lynch Remix)


autor stipe07 às 13:05
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 29 de Maio de 2012

Jack White – Blunderbuss

Blunderbuss é o primeiro disco a solo de Jack White, músico de Detroit, agora a viver em Nashville, um homem que nasceu John Anthony Gillis. Este disco surge após a dissolução dos The White Stripes, um álbum nos The Raconteurs, uma incursão com Allison Mossarth, da dupla The Kills, no projeto paralelo The Dead Weather e o casamento de Jack com a modelo e cantora Karen Elson.

Proprietário da Third Man Records, foi através dessa etiqueta que lançou este álbum que tem a mão dele em praticamente todos os instrumentos que se ouvem, ou seja, como os verdadeiros génios, por estes dias Jack White já só se compromete com a sua inspiração.

Em Blunderbuss ele carrega a cruz da blues que se aprofunda das raízes do rock, mas também da folk (Love Interruption), do country (Blunderbuss), do rockabilly (I’m Shaking, cover de Rudy Toombs) e até mesmo de outras sonoridades mais orquestrais e requintadas(Hypocritical Kiss e Weep Themselves to Sleep). A extrema habilidade musical de White impressiona, não só nas guitarras, mas também no piano, instrumento que quando assume é sempre em busca de um quê de classicismo, como ficou bem patente em Trash Tongue Talker.

O disco é meticulosamente sequencial; Nas três primeiras canções assume as rédeas o rock, nas duas seguintes a folk e a country, depois baladas ao piano e nas quatro canções finais o rock dos anos cinquenta e sessenta. A última canção, Take Me With You, acaba por fazer a súmula de quase todos os elementos musicais explorados em Blunderbuss. Como a própria letra diz, essa poligamia de ritmos incrustou-se, definitivamente, na arte musical de Jack White.

Ouvir este músico acaba por ser sonoramente bastante cinematográfico, já que ele permite-nos avistar paisagens inéditas e conhecer personagens longes da vista e do que se vê. Se pensarmos que a sétima arte é um instrumento sensorial, as canções desse inquieto artista são para sentir, confundir e desorganizar tudo que já foi explicado antes, seguindo o rock cru e o embalo das suas letras. Há uma atmosfera intimista, começando pelo título do disco que remete para uma espingarda e a leveza das canções que transparecem a tranquilidade e a aparente fase despreocupada que Jack atravessa na sua vida.

Não é com Blunderbuss que o rock encontra definitivamente o seu salvador, mas talvez demonstre que Jack White é o intérprete mais habilidoso deste género musical na atualidade. Espero que aprecies a sugestão...

01. Missing Pieces
02. Sixteen Saltines
03. Freedom At 21
04. Love Interruption
05. Blunderbuss
06. Hypocritical Kiss
07. Weep Themselves To Sleep
08. I’m Shakin’
09. Trash Tongue Talker
10. Hip (Eponymous) Poor Boy
11. I Guess I Should Go to Sleep
12. On and On And On
13. Take Me with You When You Go


autor stipe07 às 13:15
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 28 de Maio de 2012

Keane - Strangeland

Depois de um hiato de quatro anos e conforme referi em Curtas... XXXI, os Keane estão de regresso aos discos com Strangeland, o sucessor de Perfect Symmetry, lançado neste mês de maio pela Island Records. E, ao contrário do que o título sugere, esta banda britânica não foi neste disco apalpar territórios sonoros estranhos e desconhecidos, mas voltar a casa e ao terreno seguro feito de baladas assentes no piano e numa voz emotiva, como se houvesse aqui o fechar de um círculo dos quatro álbuns da banda (Hopes and Fears, Under the Iron Sea, Perfect Symmetry, Strangeland) e este Strangeland terminasse onde Hopes And Fears começou.

Agora mais adultos e com graves problemas superados, finalmente os Keane parecem prontos a explorar o gigantesco talento de todos os seus membros. Tim Rice-Oxley é um dos melhores compositores atuais, com letras sublimes e significativas, que são entregues a uma interpretação impecável e sempre em evolução de Tom Chaplin. O piano continua como a grande força e grande diferencial da banda que, apesar de ter mostrado saber arriscar, também sabe utilizar como ninguém este seu grande trunfo.

As três primeiras canções do disco, que incluem o single Silenced by the Night, têm uma estrutura muito semelhante. As melodias dominadas pelo teclado de Tim Rice-Oxley são doces e inofensivas e cantadas pela voz suave e afinada de Tom Chaplin, fazem os Keane reviver finalmente os seus melhores dias. A partir daí o disco já não é tão consistente, mas Black Rain, com influências dos Radiohead, e a última e melhor canção do disco, Sea Fog, com um arranjo delicado no piano que ajuda a voz de Chaplin a brilhar, são obrigatórias e criam uma atmosfera muito bonita.

Os Keane nunca decepcionam. As suas letras falam profundamente com quem estiver disposto a ouvi-los, contam histórias lindas e fazem-nos pensar. A música desta banda é mais do que um passatempo, ela tem um significado e quem ouvir Strangeland com atenção perceberá que eles cresceram e tornaram-se numa das banda mais fiáveis e bem sucedidas a atualidade. Espero que aprecies a sugestão...

01. You Are Young
02. Silenced By The Night
03. Disconnected
04. Watch How You Go
05. Sovereign Light Cafe
06. On The Road
07. The Starting Line
08. Black Rain
09. Neon River
10. Day Will Come
11. In Your Own Time
12. Sea Fog

MySpace


autor stipe07 às 13:08
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Domingo, 27 de Maio de 2012

Man On The Moon - Programa #2

Man On The Moon - Programa #2, que foi possível ouvir na Paivense FM (99.5), hoje, entre as 0h e a 1h, com repetição na próxima quarta feira, dia trinta de maio, às 23h.

Man on the Moon - Programa 02 by stipe07


autor stipe07 às 09:53
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 26 de Maio de 2012

The Magnetic North – Orkney: Symphony Of The Magnetic North

É das terras gélidas da Ilha de Orkney, localizada ao largo do Norte da Escócia, que vem o som dos The Magnetic North, uma banda que acabo de descobrir, com um som incrível e uma pop atmosférica vibrante. Erland Cooper, Hannah Peel e Simon Tong formam o grupo e Orkney: Symphony of the Magnetic North, lançado no passado dia sete de maio na Full Time Hobby, é o disco de estreia deste projeto.

Erland Cooper e Simon Tong são praticamente veteranos da cena musical; Ambos fazem também parte da banda Erland and the Carnival que lançou o primeiro álbum em 2010. Há alguns meses Erland resolveu voltar para Orkney e acabou por conhecer Hannah, que posteriormente apresentou a Simon. Então os três mergulharam na história, cultura e geografia da ilha e assim, inspirados por esse mergulho, compuseram todas as músicas do projeto. Uma das lendas de Orkney que parece ter sido vital para a escrita de algumas das canções, fala de uma menina chamada Betty Corrigall, que se suicidou em 1770, após ter ficado grávida de um marinheiro.
Os The Magnetic North gravaram o álbum em vários locais do arquipélago e chegaram a usar um coro de residentes, nomeadamente em Ward Hill. Misturam ótimos arranjos clássicos, feitos com samples, teclados e bateria, com vozes que parece que são cantadas junto ao nosso ouvido. Em certos momentos lembram os Beirut, nomeadamente nos tais arranjos; Porém são um pouco mais introspectivos.

A voz de Hannah é assombrosa e logo na segunda canção, em Bay Of Skall, ela deixa-nos a suspirar. Em dueto, com Cooper em Hi Life, provavelmente a melhor canção de Orkney: Symphony Of The Magnetic North, são apoiados por umas cordas arrebatadoras e cantam uma melodia linda e inquietante, que nos faz imaginar a beleza daquelas ilhas sem grande esforço.

Os The Magnetic North nunca serão uma banda de multidões, mas quem os ouvir e se deixar contagiar pela sua melancolia, será transportado rapidamente para o gélido norte da Escócia talvez acompanhado por uma xícara bem quente de chá. Espero que aprecies a sugestão...

ouvir

01. Stromness
02. Bay Of Skaill
03. Hi Life
04. Betty Corrigall
05. Warbeth
06. Rackwick
07. Old Man Of Hoy
08. Nethertons Teeth
09. Ward Hill
10. The Black Craig
11. Orphir
12. Yesnaby


autor stipe07 às 15:10
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 25 de Maio de 2012

Sleep Party People – We Were Drifting On A Sad Song

Os Sleep Party People são um projeto dinamarquês encabeçado e idealizado pelo músico, compositor e multi-instrumentista Brian Batz, natural de Copenhaga. We Were Drifting On A Sad Song é o quarto EP do grupo e foi lançado no passado dia nove de abril.

Os Sleep Party People fazem uma dream pop de forte cariz eletrónico a que não será alheio o facto de terem andado ultimamente em digressão com os The Antlers e os Efterklang. No entanto, existe alguma diversidade, até porque as orquestrações e  o conteúdo melódico fazem lembrar muito os canadianos Arcade Fire. Chin, a canção de abertura do álbum e o seu maior destaque, localiza-se entre o sono e o estado de consciência, ou seja, transporta-nos até aquele limbo matinal (ou não), sendo já uma das canções mais ouvidas na blogosfera.

A voz de Batz olha para o interior da alma, incita os nossos desejos mais profundos, como se cavasse e alfinetasse um sentimento em nós, com melodias arrastadas e densas e onde a letra é secundária, como um complemento da angústia. A melancolia continua nas notas do piano, mas o violino, a bateria e os sintetizadores também deixam a sua marca, em canções que parecem feitas para aquele momento em que se dorme e se está acordado.

We Were Drifting On A Sad Song serve como uma revolução extremista. Equilibra os sons com as sensações típicas de um sono calmo com a natural euforia subjacente ao caos, muitas vezes apenas visível numa cavidade anteriormente desabitada e irrevogavelmente desconhecida do nosso ser. Espero que aprecies a sugestão...

01. A Dark God Heart
02. Chin
03. We Were Drifting On A Sad Song
04. Melancholic Fog
05. Heavy Burden
06. Gazing At The Moon
07. Heaven Is Above Us
08. Things Will Disappear Like Tears In The Rain
09. The City Light Died

MySpace


autor stipe07 às 13:21
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 24 de Maio de 2012

Sigur Rós - Valtari

Jónsi Birgisson, Georg Hólm, Kjartan Sveinsson e Orri Páll Dýrason são provavelmente os maiores responsáveis por toda uma geração de ouvintes se ter aproximado da música erudita ou de quaisquer outras formas de experimentação e estranhos diálogos que possam existir dentro do campo musical. Ao lado da conterrânea Björk, este quarteto chamado Sigur Rós não apenas colocou a Islândia no mapa dos grandes expoentes musicais, como definiu de vez o famigerado pós rock, género que mesmo não sendo de autoria da banda só alcançou o estatuto e a celebração de hoje graças ao rico cardápio instrumental que o grupo conseguiu alicerçar nas quase duas décadas que já leva de existência.

Adeptos da constante transformação de suas obras, desde Von, o primeiro álbum, que os Sigur Rós se concentram na produção de discos que, mesmo próximos, organizam-se e funcionam de maneiras diferentes.  Têm sido álbuns que acabam sempre por partilhar um novo sentimento ou proposta, utilizando uma fórmula básica que serve de combustível a cada nova estreia. Entretanto, mesmo movidos pelas diferenças, nenhum disco apresentado pelo grupo até hoje soa tão distinto e particular quanto Valtari, o sexto trabalho de estúdio do quarteto, um álbum que se fecha dentro de um campo próprio, nada místico ou imerso no mesmo plano gracioso que antes abastecia a carreira da banda.

Valtari talvez seja o mais introspectivo e difícil disco do grupo até hoje. Não há qualquer forma de abertura ou canções capazes de conversar com o grande público aos moldes de Glósóli, Hoppípolla e Svefn-g-englar, alguns dos maiores tratados comerciais da banda. Tudo o que se ouve no interior desta obra de oito canções ecoa de forma suja, distante da subtileza angelical que se manifestava nos discos anteriores. Se, por exemplo, no anterior Með suð í eyrum við spilum endalaust, de 2008, a banda parecia motiva a lançar uma série de músicas festivas e grandiosas, hoje a necessidade é completamente outra. Tudo flui de maneira hermética e acizentada, quase um oposto dos Sigur Rós de outras épocas.

Quem também esperava por um álbum com uma sonoridade coincidente com aquilo que Jónsi e o parceiro Alex Somers vinham a desenvolver em relação à carreira solo do vocalista dos Sigur Rós, provavelmente irá sentir-se defraudado ao mergulhar nos obscuros 54:25 minutos de Valtari. Se antes Jónsi era a figura central dentro do projeto, agora a sua voz é apenas um mero plano de fundo no decorrer da obra, já que boa parte das canções abandonam a voz como ponto de destaque para que a banda possa se concentrar na instrumentação. E como o destaque maior está na música e não na voz, Valtari é um álbum com nuances variadas e harmonias magistrais, onde tudo se orienta de forma controlada, como se todos os instrumentos fossem agrupados num bloco único de som.

Se até Með suð í eyrum við spilum endalaust, os Sigur Rós pareciam interessados em realizar um som totalmente bucólico, épico e melancólico, que servia de banda sonora para um mundo paralelo cheio de seres fantásticos e criaturas sobrenaturais, Valtari projeta um som acizentado e urbano, mais terra a terra, digamos assim. Entre canções como Ekki Múkk e Fjögur Píanó, talvez a composição que mais se assemelhe aos antigos trabalhos da banda seja Varðeldur, canção que mesmo ligada ao passado recente da banda, apega-se intencionalmente ao que os islandeses produzem hoje.

A própria tal melancolia que sempre esteve presente nas canções da banda, foi remodelada com uma dose extra de amargura e desesperança se apoderasse das faixas e do espírito que sempre acompanhou a banda. com tudo isto, não se pense que Valtari é um trabalho difícil, ou que se afasta completamente das bases e referências iniciais dos Sigur Rós. O disco parece apenas encaminhar a banda para um novo universo, como se o quarteto resolvesse abandonar um caminho seguro e luminoso que percorreu até aqui, para enveredar por outro percurso mais obscuro e terreno. Acompanhar ou não o grupo neste novo trajeto é uma decisão que apenas o ouvinte pode decidir; Mas, quem, como eu, deixar-se embuir deste novo espírito, certamente não se irá decepcionar.

Pessoalmente, depois de uma espera de quatro anos, estava realmente à espera de algo novo e diferente. Por isso, Valtari acertou em cheio nas minhas expetativas e fez-me aumentar ainda mais a devoção que sinto por esta banda que já faz parte do meu ADN e é uma das referências fundamentais da minha existência. Espero que aprecies a sugestão...

01. Ég Anda
02. Ekki Múkk
03. Varúð
04. Rembihnútur
05. Dauðalogn
06. Varðeldur
07. Valtari
08. Fjögur Pianó


autor stipe07 às 13:30
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 23 de Maio de 2012

The Wave Pictures - Long Black Cars

Conforme referi em Curtas... XXVII, o trio londrino The Wave Pictures formado por David Tattersall, Franic Rozycki e Johnny 'Huddersfield' Helm, lançou no passado dia doze de Abril Long Black Cars, pela Moshi Moshi Records, disco sucessor do Beer In The Breakers de 2011. O disco foi gravado em Nova Iorque em apenas quatro dias e a produção esteve a cabo da própria banda. A temática das canções varia entre temas tão díspares como Humphrey Bogart e, imagine-se, a suposta brutalidade policial em algumas situações.

O baterista canta pela primeira vez numa música da banda em Eskimo Kiss, o primeiro single já lançado do álbum e um dos maiores destaques do mesmo. É uma canção bastante enigmática e sombria com uma letra misteriosa, mas que fala de pequenos detalhes existenciais que poderiam fazer parte do dia a dia de qualquer um de nós e que, de acordo com a banda, são aqueles que tornam as nossas vidas excitantes e lhe dão sentido. O próprio disco soa a algo que parece ter sido gravado num pequeno estúdio caseiro, com um ambiente bastante intimista e Tattersall, nas canções, escreve imensas vezes na primeira pessoa e referindo-se certamente a ele próprio. Mas o que mais impressiona na sua escrita é o detalhe com que pinta determinados cenários que quase conseguimos visualizar na perfeição:  A pirate on a pirate ship throws confetti to the wind, Wasps fly drunkenly into the overflowing bins. A six-foot yellow van, a hot air balloon. The whole town came down to see it all this afternoon. Sunlight bounces off the window, blinks into my eye. You promised me you'd give it the old college try. And the long black cars roll by.

Em suma, Long Black Cars é a materialização do desempenho apaixonado de um trio de músicos com uma sonoridade muito caseira e bastante intimista. O disco tem momentos impressionantes e uma pop alegre que  poderá parecer um pouco antiquada e vintage, mas, como acontece hoje com a moda, está mais atual que nunca. Não há grandes floreados nem limites sonoros demasiado expostos, a sonoridade é direta, básica, descontraída e, pelo que percebi, o culto já está implementado na esfera alternativa mais atenta. E às vezes são os prazeres mais simples, aqueles que melhor nos recompensam. Espero que aprecies a sugestão...

01. Stay Here And Take Care Of The Chickens
02. Eskimo Kiss
03. Never Go Home Again
04. My Head Gets Screwed On Tighter Every Year
05. Cut Them Down In The Passes
06. Hoops
07. Spaghetti
08. Give Me A Second Chance
09. The West Country
10. Come Home Tessa Buckman
11. Seagulls
12. Long Black Cars


autor stipe07 às 12:56
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Terça-feira, 22 de Maio de 2012

The Brian Jonestown Massacre – Aufheben

Os Brian Jonestown Massacre surgiram em 1990, na Califórnia e são conhecidos pela mistura de psicadelia com o folk. Aufheben, lançado no passado dia um de maio, é o décimo terceiro álbum de estúdio desta banda de Anton Newcombe e sucede a Who Killed Sgt. Pepper?, de 2010. Este disco, gravado em Berlim nos estúdios de Anton e lançado pela A. Records, selo do próprio Newcombe, marca o regresso de Matt Hollywood à banda e conta com as contribuições de Will Carruthers (Spacemen 3, Spritualized), Constatine Karlis (Dimmer) e Thibault Pesenti (Rockcandys).

 

Newcombe considera que o regresso de Matt ao grupo foi decisivo para o conteúdo deste disco(He's a very creative person, even if he's playing a piano part or something. It's strange how we both understand each others' ideas, and also contribute unique things, i.e. since we taught each other to play music, we both have the same approach to writing and playing and at the same time and end up with totally different ideas to contribute. The best of both realms.)

Aufheben é um mergulho profundo no lado mais lisérgico da mente do seu criador. Em vez de distorções, encontramos cítaras, flautas e texturas sonoras que se aproximam do shoegaze, uma marca forte na discografia da banda.

Neste caldo psicadélico destacam-se as influências dos Stones Roses, mas também um pouco de Jefferson Airplane, sendo bom exemplo disso a viagem vocal de Eliza Karmasalo na doce Seven Kinds of Wonderful. Mas além deste travo setentista também se escuta krautrock, nomeadamente no single Viholliseni Maalla, outra canção onde a voz de Eliza é preponderante. Outros momentos trazem à memória os New Order, seja nas batidas, nos sintetizadores, na voz de Waking Up To Hand Grenades, ou simplesmente no trocadilho do título da canção Blue Order/New Monday.

Anton Newcombe é um dos poucos génios do rock atual. Reinventa a sua banda em cada novo álbum e deixa sempre claro que é irrepreensível na interpretação das suas influências, que constantemente se renovam e se alteram. Espero que aprecies a sugestão...

01. Panic In Babylon
02. Viholliseni Maalla
03. Gaz Hilarant
04. Illuminomi
05. I Wanna Hold Your Other Hand
06. Face Down On The Moon
07. The Clouds Are Lies
08. Stairway To The Best Party
09. Seven Kinds Of Wonderful
10. Waking Up To Hand Grenades
11. Blue Order / New Monday

MySpace


autor stipe07 às 13:21
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Segunda-feira, 21 de Maio de 2012

Beach House - Bloom

Desde a estreia dos Beach House que era notório o esforço da dupla Victoria Legrand e Alex Scally, natural de Baltimore, em aperfeiçoar uma fórmula própria dentro dos limites etéreos da dream pop. Entusiastas de várias bandas da década de oitenta, em 2010, com Teen Dream e os contornos pop melódicos que abraçavam nesse disco, fizeram com que o projeto ganhasse amplo destaque e a dupla alcançasse um novo nível lírico e instrumental, além da tão ansiada fórmula de sucesso que andavam à procura. No entanto, parece que a eterna insatisfação reina no seio do grupo já que com Bloom, o novo álbum, editado pela Sub Pop, os Beach House parecem abrir-se para novos rumos e expetativas sonoras.

Este quarto registo da banda evoca sentimentos ainda mais próximos do ouvinte, que nas dez composições do disco irá descobrir uma míriade de referências leves e hipnóticas que musicalmente se desfazem nos ouvidos do espectador, ou seja, longe de repetirem os mesmos acertos do passado, a dupla opta por experimentar, não de forma revolucionária, mas como se estivesse a preparar, como já dei a entender, um novo ciclo musical próprio.

No entanto, durante os cinquenta minutos do disco, a sonoridade é vincada e firme, ao contrário de experiências naturalmente etéreas e oníricas apresentadas por outras bandas do género. Nos Beach House, as guitarras que antes serviam para construir densos planos de fundo musicais, agora ressurgem em formas menos experimentais e mais acessíveis ao público e sente-se no disco a necessidade de dar continuidade ao que fora testado em músicas como Walk In The Park e 10 Mile Stereo, canções que conseguiram puxar Teen Dream para além dos sintetizadores mágicos e vocais enevoados que delimitaram boa parte da estrutura do álbum anterior.

A presença ativa do produtor Chris Coady, responsável por alguns discos que me dizem bastante, nomeadamente  Dear Science dos TV On The Radio, Yellow House de Grizzly Bear e o recente Eye Contact do Gang Gang Dance, deverá ter sido importante para  alcançar essa nova musicalidade dentro do álbum. Coady repete em Bloom todos os acertos gerados no último disco da banda e acaba por ser como que um terceiro membro do projeto, tornando as composições muito mais audíveis e abertas. A voz de Legrand surge límpida e perfeitamente audível e deixou de ser aplicada como mais um instrumento, algo que era uma caraterística básica dos três últimos lançamentos dos Beach House.

Bloom não é um disco apenas destinado ao grande público e deverá ecoar com perfeição nos ouvidos dos mais antigos seguidores da dupla. Diferente dos anteriores discos, quando o duo parecia interessado em se encontrar e produzir um som de força própria, em Bloom o casal deixa-se contagiar por outras referências, algo facilmente observado na aproximação de diversas músicas com elementos típicos dos anos oitenta. Logo em Wild, segunda canção do álbum, esse tipo de som já é visível e a maneira como as guitarras e os teclados (repletos de eco) são alinhados transportam imediatamente o ouvinte para o cenário montado há três décadas. Além disso houve a necessidade de amarrar todas as canções, aplicando pequenos ruídos ou interlúdios que acabam por ligar as canções num imenso bloco sonoro, o que deu ao disco um certo tom conceptual.

Legrand e Scally não poderiam ter escolhido um melhor nome para o novo álbum da banda. O florescer que se manifesta no título do trabalho encontra coerência no conteúdo do disco, um projeto que absorve a luz vinda de diversas referências e as converte em algo novo, permeado por boas guitarras, arranjos instrumentais límpidos e o mesmo conjunto de versos melancólicos e intimistas que o duo desenvolve há já alguns anos para nos enfeitiçar. Se Teen Dream parecia ser o ápice, Bloom demonstra que o casal de Baltimore pode ir ainda mais longe e se existe algum limite ao trabalho da dupla, este ainda parece impossível de ser detectado. Espero que aprecies a sugestão...

 

1. Myth
2. Wild
3. Lazuli
4. Other People
5. The Hours
6. Troublemaker
7. New Year
8. Wishes
9. On The Sea
10. Irene


autor stipe07 às 14:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Domingo, 20 de Maio de 2012

Alabama Shakes - Boys & Girls

Nos últimos tempos é muito frequente ouvir-se que já não se faz música como antigamente ou que o rock não é mais o mesmo e todos os grupos parecem-se demasiado uns com os outros. Além disso, as gerações que criticam esta suposto atual estado de coisas, visão com a qual discordo, têm sempre uma enorme relutância e um certo preconceito no que concerne às tais novidades que muitas publicações por esse mundo fora procuram transmitir ao grande público, e nas quais naturalmente Man On The Moon humildemente se insere. Assim, acho que estes mesmos indivíduos terão de se calar ao ouvirBoys & Girls, primeiro e aguardadíssimo álbum da banda norte-americana Alabama Shakes.

As onze canções de Boys & Girls resgatam o espírito que inundava os primórdios do rock e a sonoridade gloriosa deste estilo musical que  conquistou o mundo há mais de cinco décadas, com uma série de incontáveis campos musicais por vezes esquecidos ou simplesmente abandonados com o passar dos anos.

Do início ao fim, este disco é uma gigantesca ode a esses sons do passado, que oscila entre a soul que escorre da voz esplendorosa de Brittany Howard e a blues que explode da guitarra de Heath Fogg. Há durante toda a execução do disco uma marcada herança do que artistas como os Led Zeppelin, Otis Redding, Sly and the Family Stone e até AC/DC cultivaram, assim como as guitarras de Jack White, a voz de Amy Winehouse, ou o despojo da dupla The Black Keys quando dialoga com a fluidez chorosa dos Band of Horses.

Esse constante encontro de décadas e referências musicais dá uma certa toada nostálgica, mas acolhedora, a Boys & Girls; Os sons empoeirados vindos de um passado longínquo ouvem-se em You Ain’t Alone e toques de um passado mais fresco e recente, na pulsante e contemporânea On Your Way. É justamente esta constante aproximação entre diferentes épocas que torna o disco interessante e dinâmico, com a particularidade de não haver uma canção que se destaque de todas as outras, estabelecendo uma estrutura linear ao disco, como se cada uma tivesse o mesmo peso e influência dentro do álbum.

Em suma, nestes quase quarenta minutos, os Alabama Shakes passeiam por incontáveis décadas, influências e tendências musicais, apontam para diversas direções e acertam em todas. Espero que aprecies a sugestão...

01. Hold On
02. I Found You
03. Hang Loose
04. Rise To The Sun
05. You Ain’t Alone
06. Goin’ To The Party
07. Heartbreaker
08. Boys & Girls
09. Be Mine
10. I Ain’t The Same
11. On Your Way


autor stipe07 às 20:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

Man On The Moon - Programa #1 (Paivense FM)

Man on the Moon - Programa 01 by PaivenseFM


autor stipe07 às 12:58
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sábado, 19 de Maio de 2012

Lower Dens – Nootropics

Os Lower Dens são uma banda norte americana natural de Baltimore, liderada por Jana Hunter e que em 2010 nos brindou com o emocionante álbum de estreia Twin-Hand Movement. No passado dia um de maio regressaram aos lançamentos discográficos com Nootropics, um disco lançado pela Ribbon Music e que se deve ouvir sem expetativas porque aviso desde já que nos irá sugar para uma rede sonora construída com ritmos repetitivos e um emaranhado de sons e imagens etéreas.

Nootropics é um disco que vale a pena ouvir e destaco logo os mais de sete minutos que unem Brains e Stem no começo do trabalho, que configuram uma verdadeira viagem sonora por mais de cinco décadas de produção musical conduzida apenas pelas guitarras de Will Adams. Um passeio surpreendente que mergulha na vanguarda dos The Velvet Underground, passa pela curta discografia dos Joy Division e absorve Kevin Shields, até desaguar num instrumental que emociona. Intencionalmente denso, o trabalho transparece o resultado de uma banda que já nasceu madura, dotada de um som abrangente e tomado pelos detalhes. É um projeto adulto e no seu interior há ajustes, pequenas reformulações e tiques de originalidade que irão certamente fazer escola e que dão um tom hipnótico a Nootropics, sendo um belo exemplo disso Lion in Winter Pt. 1, uma composição dotada de várias sobreposições sonoras.

Mas no resto do disco a evocação de outras influências não fica pelas já citadas; Neste Nootropics os Lower Dens navegam por vários destinos e influências, que servem para ecoar melancolia e amargura, faltando citar ainda uma aproximação evidente aos Beach House, nomeadamente nos teclados de Nova Anthem, Alphabet Song e Stam. Em Brains, além das influências já citadas, é possível encontrar um fundo de The Walkmen, talvez do disco You & Me de 2008, enquanto o ar nostálgico de Lion in Winter Pt. 2 manifesta novo travo à banda de Ian Curtis e também aos The Smiths. O disco termina com In The End Is The Beginning, uma odisseia de doze minutos que se revela aos poucos em pequenos apontamentos de guitarra e que acaba num tom dramático que nos conquista por completo.

Meticuloso e sombrio, o disco está pois impregnado com um caleidoscópio acinzentado de ritmos, sons e versos que passeiam por recordações do passado e por pequenas frações de pensamentos individuais que musicadas nos soam próximas, como se as canções quisessem conversar connosco. Nele, os Lower Dens conseguem criar ambientes mais sombrios e menos optimistas, mais surreais e menos idílicos, sem perder a levitação transmitida pelas instrumentações arrastadas, sendo muito interessante perceber que todas estas influências e sonoridades já foram testadas milhares de vezes por outros artistas, mas em Nootropics houve a capacidade de executar algo abrangente e detalhado e através de canções que, como já disse,  dialogam com o ouvinte.

Num mundo de constantes lançamentos excessivamente cuidadosos e sempre épicos, produzir um disco sincero e que consiga emocionar ainda é algo raro e fundamental para me impressionar. E esta banda conseguiu-o com plenitude. Espero que aprecies a sugestão...

Lower Dens - Nootropics

01. Alphabet Song
02. Brains
03. Stem
04. Propagation
05. Lamb
06. Candy
07. Lion In Winter Pt. 1
08. Lion In Winter Pt. 2
09. Nova Anthem
10. In The End Is The Beginning


autor stipe07 às 17:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Sexta-feira, 18 de Maio de 2012

Octoberman – Waiting In The Well

Desde que Marc Morrissette, músico que assina como Octoberman lançou Fortresses, passou por várias mudanças importantes na sua vida; Deixou de viver em Vancouver e assentou arraiais em Toronto, encontrou novos elementos para a banda (Marshall Bureau, bateria e Tavo Diez de Bonilla, baixo) e gravou um novo disco, o quarto da carreira, intitulado Waiting in the Well, lançado no passado dia seis de março.

O disco foi gravado em Londres, produzido por Jim Guthrie (Islands, Human Highway) e Andy Magoffin (Constantines, Great Lake Swimmers) e misturado por Howie Beck (Feist, Jason Collett). Waiting In The Well também contou com as contribuições adicionais de Cuff the Duke, FemBots e do trompetista Shaun Brodie.

Waiting In The Well é um disco curto e direto, com dez canções que soam a algo entre Tom Petty e os Wilco. A bateria dá um ritmo constante e os solos de guitarra, assim como a secção de matais, ajudam ao caráter folk pop do conteúdo. Waiting For Christine e Hoppin Pool, são duas canções que personificam este estilo, que apenas se desvia um pouco da bitola pré definida em Dressed Up, uma canção com uma tonalidade pop mais sintética, tipicamente anos oitenta.

Ao nível melódico, a instrumentação procura interpretar sempre uma sonoridade melancólica, com algumas letras tristes, quase sempre cheias de referências a aves e com um tom amargo, que os violinos compôem na perfeição.

Em suma, neste quarto disco de Morrissette como Octoberman, o músico não complica, é competente e a folk que propõe acabará certamente por satisfazer mais umas vez os seus fãs de sempre e os amantes deste género musical sempre ávidos por bons lançamentos. Espero que aprecies a sugestão...

01. Waiting For Christine
02. Pool Hoppin’
03. Burning Sun
04. Dressed Up
05. Thank You Mr V
06. Actress
07. Falcon Song
08. The Bystander
09. Wind Up Bird
10. Ceiling Floor
11. 10 Eddie And Rita

ouvir


autor stipe07 às 22:59
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...

Man On The Moon - Radio version.

Conheces a Paivense FM?

Estreia amanhã, dia 19 de maio, à meia noite (de sábado para domingo), o programa Man On The Moon, a versão rádio deste blogue. Arriscas?! Mais informação no Facebook de Man On The Moon.

Clica aqui para abrir o Media Player
 

Como é natural, estou muito entusiasmado com esta nova etapa de vida de um blogue com quatro anos de história, um percurso enriquecedor sempre em prol desta minha grande paixão que é a música, na sua vertente mais alternativa.

A Nova Paivense FM é uma rádio muito importante na região de origem, com um longo e válido historial no panorama das rádios locais nacionais e hoje dirigida por pessoas amigas, competentes, dedicadas e com uma enorme abertura para apoiarem novos e diferentes projetos e acolherem pessoas que queiram, responsavelmente, assumir a vontade de fazer rádio. Assim, desde já e para eles, o meu profundo agradecimento público pela oportunidade.

Espero que quem ouvir o programa aprecie o conteúdo e, como nunca fiz rádio e pretendo evoluir de emissão para emissão, agradeço todas as críticas, comentários e sugestões que posteriormente dirigam. Será muito importante para o futuro do programa o feedback de todos, em relação a este grande passo...


autor stipe07 às 13:23
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
Quinta-feira, 17 de Maio de 2012

Weird Dreams – Choreography

Lançado no passado mês de abril através da Tough Love, Choreography é o disco de estreia de uma banda pop de Londres chamada Weird Dreams e que já tinha deixado a crítica em sentido com dois EPs que antecederam este lançamento.

Logo na abertura, Vague Hotel impressiona pelas palmas, a batida e pela guitarra cativante. A banda tem uma sensibilidade pop um pouco estranha, não sendo nada depreciativo da minha parte afirmá-lo desta forma. Instrumentalmente constroem um ambiente sonoro lo fi, mas agradavelmente surreal e hipnótico, que serve para receber letras intrigantes e sobre relações pouco comuns, que a voz de Hugo Edwards, o vocalista, canta com harmonia e bastante sensibilidade.

O single 666.66 assenta numa sólida e esplendorosa distorção mas também há canções, como River Of The Damned, que tomaram um rumo um poco fantasmagórico, com harmonias etéreas e um minimalismo peculiar. Esta notável abrangência sonora indicia que os Weird Dreams poderão, no futuro, alargar ainda mais a sua imaginação e os horizontes musicais de forma fascinante. Espero que aprecies a sugestão... 

01. Vague Hotel
02. Hurt So Bad
03. Holding Nails
04. Faceless
05. Little Girl
06. Suburban Coated Creatures
07. 666.66
08. River Of The Damned
09. Velvet Morning
10. Summer Black
11. Michael
12. Choreography

 

Weird Dreams - 666.66 by The Line Of Best Fit


autor stipe07 às 23:02
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

Curtas... XXXV

Depois de terem editado Fight Less, Win More em 2011, conforme divulguei em novembro passado, os londrinos My Sad Captains lançaram a catorze de maio um novo EP intitulado Resolutions, canção que faz parte do citado longa duração. O EP está disponível para download gratuito no bandcamp da banda e inclui além de Resolutions mais quatro inéditos da banda. Recordo que Fight Less, Win More foi um dos discos de 2011 para Man On The Moon.

01. Resolutions
02. Winning Streak
03. Living It Up
04. Adventures
05. Following Footsteps
06. Meta

 

O cantor e compositor sueco Kristian Matsson, aka The Tallest Man On Earth, tem um novo disco gravado e que irá sair para os escaparates no verão que se aproxima, mas concretamente a doze de junho e através da Dead Oceans. De acordo com uma entrevista que deu à Rolling Stone, There's No Leaving, será o álbum mais sombrio da sua discografia. Nos últimos dias disponibilizou para download 1904, o primeiro single. 

The Tallest Man On Earth – 1904

 
Os Animal Collective têm vindo a adoçicar os ouvidos dos seguidores e a colocar em polvorosa todo o universo índie, após ter sido conhecido título do próximo álbum da banda, que se irá chamar Centipede Hz, com edição prevista para o próximo mês de setembro. Depois de terem divulgado duas novas canções Honeycomb e Gotham, publicaram agora um vídeo de noventa segundos que contém ruídos e frases que poderão muito bem ser excertos de letras de canções. Tracklist de Centipede Hz:

Moonjock

Today’s Supernatural
Rosie Oh
Applesauce
Wide Eyed
Father Time
New Town Burnout
Monkey Riches
Mercury Man
Pulleys
Amanita

 
Os canadianos The Walkmen preparam-se para lançar no final deste mês de maio Heaven, o novo disco da banda, através da  Fat Possum. O single homónimo foi recentemente editado e inclui no lado B a belíssima balada The House You Made.

The Walkmen - Heaven by Bella Union

The Walkmen - The House You Made by FatPossum

 

Dois anos após o lançamento de Odd Blood, um dos melhores discos de 2010, os Yeasayer, banda de Nova Iorque, já preparam algumas composições para a sucessão desse excelente álbum. Uma boa prova disso é Henrietta, a mais nova canção do grupo e que indica que vão manter as mesmas instrumentações presentes no último disco. Ainda não há uma data exata para o lançamento do novo projeto, mas resta torcer para que o álbum mantenha a mesma linearidade do anterior e assim teremos mais um bom disco à nossa espera no final de 2012.

Yeasayer - Henrietta


autor stipe07 às 13:21
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

Princeton – Remembrance Of Things To Come

Os Princeton são um quarteto de indie pop natural de Los Angeles, liderado por Jesse Kivel, secundado pelo irmão Matt Kivel e que lançou no passado dia vinte e um de fevereiro, através da Hit City U.S.A./Easter Everywhere, Remembrance of Things to Come, segundo disco deste projeto. A banda tinha-se estreado nos disco em 2009 com Cocoon Of Love, um álbum que fez a crítica comparar os Princeton aos Vampire Weekend e à dupla Matt & Kim.

A canção título deste novo disco dos Princeton, Remembrance of Things to Come, e que podes ouvir e obter gratuitamente no sitio da banda, tem uma introdução que realmente remete para esses artistas. No entanto, este Remembrance of Things to Come mostra que este segundo álbum merece uma atenção mais cuidada e desprendida dos nossos radares e que estes californianos, após a estreia, resolveram seguir um caminho diferente.

Para começar, para compor o disco, a banda viajou até Londres, algo que terá contribuido certamente para o abandono de influências mais folk e a busca por um som mais dancável. Os próprios irmãos Kivel admitem que ouviram muito Gorillaz e Foals em terras de sua majestade, mas também me parece terem levado na bagagem discografia synth-pop e indie sueco, nomeadamente Jens Lekman e Kings of Convenience.

Assim, Remembrance of Things to Come, afasta de vez os Princeton das comparações com o indie universitário de inspirações world music dos Vampire Weekend e soam agora a algo mais complexo e intrigante, ou seja, maduro. Os violinos impecáveis de Andre e Loise e o piano de Oklahoma ainda revelam cartões postais dos estreantes Princeton, mas ótimos momentos como Holding Teeth, To The Alps e Florida confirmam que a banda conseguiu ir ainda mais além. Espero que aprecies a sugestão...

01. Remembrance Of Things To Come
02. Florida
03. Grand Rapids
04. Holding Teeth
05. Phase
06. To The Alps
07. Oklahoma
08. Andre
09. Riches
10. Louise
11. Clamoring For Your Heart
12. This Weather, A Swimmer
13. Milly


autor stipe07 às 13:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Disco da semana

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Foals - Everything Not Sa...

Perfume Genius – Pop Song

Miniature Tigers - Vampir...

Vetiver – Wanted, Never A...

Men On The Couch - Senso ...

Panda Bear – Playing The ...

The Dodos – The Atlantic

Allah-Las - Lahs

Storm The Palace - Delici...

Men On The Couch - Areia

The New Pornographers - I...

Taïs Reganelli - Vem (Alé...

DIIV - Deceiver

Kurt Vile – Baby’s Arms (...

Colony House – Looking Fo...

The Monochrome Set - Fabu...

Efterklang – Altid Sammen

Foreign Poetry - Freeform

Temples - Hot Motion

The High Dials – Primitiv...

Wildlife – No Control

Gruff Rhys – Pang!

Y La Bamba – Entre Los Do...

Allah-Las – Prazer Em Te ...

Lucy Dacus – Dancing In T...

X-Files

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds