Segunda-feira, 7 de Novembro de 2016

The Laurels – Sonicology

Os The Laurels são uma banda de Sidney, na Austrália, formada por Luke O’Farrell (voz, guitarra), Piers Cornelius (voz, guitarra), Conor Hannan (baixo)  e Kate Wilson (bateria). Depois de Plains, o disco de estreia do grupo, editado no passado mês de julho pela Rice Is Nice Records e produzido por  Liam Judson, o mesmo que orientou o EP Mesozoic, primeiro registo oficial da banda, lançado em 2011, o coletivo está de regresso com Sonicology, onze canções que confirmam este projeto como um dos grandes expoentes do shoegaze e do cenário psicadélico dos antípodas.

Image for The Laurels Announce 2016 National Tour

Os The Laurels são mais uma banda, como tantas outras que têm passado por cá, a seguir a tendência de redescobrir e reutilizar sonoridades do passado. Algumas fazem-no de forma descaradamente objetiva, copiando estilos e até melodias de forma exaustiva. Outros conseguem utilizar o som de ontem de outra forma, procurando reinventar, fundir referências e, sobretudo, dar personalidade e um cunho identitário próprio (da banda ou artista) ao som.

Considero que os The Laurels encaixam na segunda opção. Sonicology é um misto de várias sonoridades do passado que, por se combinarem, não ficam datadas. Assim, se Reentry apela aquele espírito majestoso da época faustosa da britpop, algures entre o Screamadelica dos Primal Scream, o Definitely Maybe dos Oasis e o Modern Life Is Rubbish dos Blur, já Sonicology, o single homónimo, calcorreia territórios mais relacionados com o punk rock de fino recorte, enquanto Some Other Time, por exemplo, pisca o olho aquela vibe mais etérea e psicadélica setentista, tão do agrado de outros projetos conterrâneos e que são hoje verdadeiros ícones do indie rock de cariz mais lisérgico. E bastam estes três exemplos para percebermos o ambiente geral de um trabalho que nos oferece um som muito plural, criado a partir de elementos retirados das mais diversas épocas e estilos, sem que soem necessariamente presos a esses géneros.

Ouvir este disco é, em suma, como dar um passeio pela história do pop e da psicadelia e também por outros territórios. Acabo por não resistir a finalizar sem deixar de referir que Frequensator traz-nos as guitarras potentes e empoeiradas do shoegaze, também presentes noutras canções e que o baixo de Mecca e a guitarra que sobre ele flutua, contém uma dose de distorção que lembra os Pixies no período aúreo, apesar dos restantes arranjos da composição apelarem para o clima do típico rock psicadélico dos anos setenta, onde também encaixa o edifício sonoro que sustenta Aerodrome.

Em suma, estamos na presença de um típico disco simbiótico, cheio de nuances sónicas que vale a pena descobrir, destrinçar e escutar com particular minúcia, oferecidos por uns The Laurels, conhecidos como uma das melhores bandas ao vivo australianas da atualidade e que continuam a conseguem ultrapassar o sempre difícil teste do segundo disco, com uma postura sonora muito genuína e que exploram positivamente, quase até à exaustão. Espero que aprecies a sugestão...

The Laurels - Sonicology

01. Reentry
02. Sonicology
03. Clear Eyes
04. Some Other Time
05. Trip Sitter
06. Frequensator
07. Aerodrome
08. Hit And Miss
09. Central Premonition Registry
10. Mecca
11. Zodiac K


autor stipe07 às 21:14
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14

17
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

TIPO - Jugoslávia

Work Drugs – Flaunt The I...

The Fresh And Onlys – Wol...

Chad VanGaalen – Light In...

The National - Sleep Well...

Noiserv - Caixa de música...

The Mynabirds - Be Here N...

King Gizzard and the Liza...

Andrew Belle – Dive Deep

Mano a Mano - Super Mario

LCD Soundsystem – America...

Purity Ring – Asido

Liars – TFCF

We Invented Paris – Catas...

Beck – Dear Life

The War On Drugs – A Deep...

The Veldt - The Shocking ...

Swine Tax - Brittle

Everything Everything - A...

Steven Wilson - To The Bo...

X-Files

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

blogs SAPO

subscrever feeds