Terça-feira, 29 de Agosto de 2017

We Invented Paris – Catastrophe

Já chegou aos escaparates Catastrophe, o novo álbum dos suiços We Invented Paris, um trabalho que sucede ao excelente Rocket Spaceship Thing que divulguei em 2014 e cujas treze canções catapultam esta banda liderada por Flavian Graber para um novo patamar de excelência dentro de um paradigma sonoro que, numa esfera eminentemente pop, tanto abraça a folk como a eletrónica futurística, mas de forte pendor retro, criando, desta vez, a banda sonora perfeita para aquilo que um realizador cinematográfico dos anos oitenta imaginaria que fosse hoje o nosso planeta, caso tivesse de colocar numa tela as suas visões trinta anos após esse presente.

Resultado de imagem para we invented paris 2017

Começa-se a escutar a atmosfera sintética de Looking Back e o modo como o efeito metálico de uma guitarra vibrante atravessa os teclados para se perceber que estes We Invented Paris são um coletivo que aposta numa sonoridade indie com uma forte cariz épico, feita com melodias que transportam uma enorme carga emocional, também bastante ampliada pela irrepreensível postura vocal de Flavian. É uma sonoridade que revela uma enorme competência e interessante grau de criatividade, no que diz respeito ao processo de criação melódica, o que resulta numa atmosfera invulgar e muito agradável de escutar, à qual não escapa nenhuma das treze canções deste Catastrophe.

Na verdade, quase todas as músicas são singles em potência; Em sequência, o timbre funk do baixo e da bateria e o efeito robotizado da voz em Fuss, a luminosidade dos arranjos e do piano que proporcionam uma faceta algo sensível e cândida a Kaleidoscope, os sintetizadores vintage e os ecos que ressoam em High Tide, o rock inebriante e impulsivo de Air Raid Shelter e do tema homónimo, o piscar de olhos à melhor pop oitocentista nórdica em Storm ou a balada simultaneamente doce e inquietante chamada A Lake In The Morning mostram o quanto as músicas deste disco são heterogéneas e individuais, cada uma com traços próprios e conseguindo, assim, recriarem, em conjunto, uma atmosfera diversificada ao álbum.

Os We Invented Paris acabam por se destacar porque não são muitas bandas que conseguem agregar tantos géneros musicais diferentes num só trabalho. Neles encontramos quase todos os subgéneros da pop e do melhor rock alternativo, tudo tocado com violas que soam eufóricas, guitarras tímidas, mas também inquietantes e arrebatadoras e sintetizadores que não se envergonham de abraçar uma vasta panóplia de efeitos e batidas contagiantes. Não é fácil encontrar no cenário europeu exterior à realidade anglo-saxónica uma banda que mostre um conteúdo musical com tanta carga emocional e maturidade musical e Catastrophe, ao conter tantos momentos graciosos e suaves, com uma delicadeza notável e uma sensibilidade que se destaca, faz destes We Invented Paris uma banda que vale realmente a pena ouvir muitas vezes e aproveitar cada audição de forma diferente, num disco que desperta múltiplas sensações e que demonstra o quanto eles se sentem confortáveis dentro da sonoridade criativa que seguem e replicam. Espero que aprecies a sugestão...

We Invented Paris - Catastrophe

01. Looking Back
02. Fuss
03. Kaleidoscope
04. High Tide
05. Air Raid Shelter
06. Storm
07. Superlove
08. Spiderman
09. Catastrophe
10. Touriste
11. A Lake In The Morning
12. When Did I Stop
13. Arsonist


autor stipe07 às 21:17
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 5 de Junho de 2015

Peter Broderick - Colours Of The Night

Gravado em Lucerna, na Suiça e editado pela Bella Union a vinte e sete de abril, Colours Of The Night é o novo trabalho discográfico de Peter Broderick, um músico norte americano, natural de Portland e que nos oferece mais dez canções que são uma colecção intimista de experiências vocais e líricas, que confirmam o ambiente sonoro predileto do autor.

Etéreo e feito com candura e suavidade, permitindo-nos usufruir de um silêncio sonoro, nem sempre disponível na imensidão de propostas que nos chegam aos ouvidos diariamente, Colours Of The Night é aquele disco que faltava ao lado da tua mesa de cabeceira, mesmo junto do mais recente best seller do teu escritor preferido. Com a participação especial de alguns músicos suiços com quem dividiu belíssimos instantes sonoros espontâneos e com canções como Red Heart ou o tema homónimo que nos mergulham num universo acústico folk particularmente emotivo e profundo, muito do agrado deste músico, Colours Of The Night materializa o período mais fulgurante e expressivo da carreira do autor, que neste álbum sonoramente amplia as suas experiências e as suas virtudes, quer vocais quer experimentais, servindo-se smepre do piano como a arma de arrmesso primordial e o grande trunfo do processo de composição, mas dando também luz verde para que as cordas também tenham o protagonismo devido.

É claramente percetível como ao longo do álbum Broderick transpira confiança e como esta simbiose com músicos com os quais nunca tinha trabalhado resultou na perfeição. A guitarra delicada e as harmonias frágeis da já citada Red Heart, apresentam-nos essa colaboração estreita e alicerçam as fundações de uma plenitude sonora que será transversal a todo o alinhamento, que mesmo o modo pouco ortodoxo como The Reconnection sustenta o seu ritmo ou a postura vocal em If I Sinned, dois dos momentos mais curiosos de Colours Of The Night, não colocam em causa. Já os belos arranjos, as subtis mudanças de ritmo e a delicadeza pueril de Our Best, a toada afrobeat de One Way e os ecos de One Time, entram diretamente para a lista dos melhores instantes sonoros com a chancela de Broderick.

Colours Of the Night promete uma noite relaxada a tranquila. Adormecer a meio da sua adição acaba por ser uma benesse já que até ao ocaso usufruimos de uma banda sonora excelente para conduzir a nossa mente até ao mundo dos nossos sonhos mais desejados, prometendo uma noite repleta de emoções agradáveis, à boleia de um silêncio sonoro, nem sempre disponível na imensidão de propostas que nos chegam aos ouvidos diariamente. Espero que aprecies a sugestão...

Peter Broderick - Colours Of The Night

01. Red Earth
02. The Reconnection
03. Colours Of The Night
04. Get On With Your Life
05. If I Sinned
06. Our Best
07. One Way
08. On Time
09. More And More
10. Rotebode


autor stipe07 às 21:32
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

The Espionne – In Colour

Corre ou esconde-te, é este o aviso que recebemos no tema de abertura de In Colour, porque não há como escapar ileso à passagem pelos teus ouvidos destes The Espionne, uma banda natural de Lucerna, na Suiça, formada por Roger Schaffner, Jonas Walker, Manuel Mahler, Simon Hafner, Tino Schaffner e que se estreia nos discos com um trabalho disponivel para audição integral na página da banda e que encontra no indie rock orelhudo e festivo, mas também com alguns traços de melancolia, os traços identitários essenciais do edificio sonoro em que sustenta.

In Colour faz juz ao título do disco pois é abrangente a paleta instrumental e assertivo o modo como a mesma enche de cor e substância a música destes The Espionne, com as típicas caraterísticas do indie rock europeu, que dá bastante primazia a uma vertente mais pop e épica do que o usual. A já citada Run Or Hide e as mudanças de ritmo e de volume em Brick Wall plasmam logo quer a abrangência quer a heterogeneidade de um alinhamento onde cada tema tem traços próprios, que conseguem dar uma atmosfera diversificada ao álbum.

Não é usual encontrar uma banda estreante e com pouco tempo de estrada já com tanta carga emocional e com a maturidade musical que estes The Espionne revelam; O jogo que se estabelece entre a guitarra e o efeito sintetizado em Heavy Sand e o constante desfilar de um borbulhante efeito em Back On My Feet, por cima das cordas e de uma bateria ritmada, exalam uma delicadeza notável e uma sensibilidade incomum. E em temas como Out Of The Night ou Upper Class Hero, sendo mais introspetivos e profundos, é igualmente reconfortante conferiro o modo como é expressa uma melancolia doce e positiva, pelo que escutar sequencialmente In Colour acaba por ser uma experiência de contacto direto com uma narrativa principal definida, num álbum circular e onde cada canção se interliga com a seguinte. O modo como o grupo distribui os arranjos, ampliando os refrões e dando-lhes em quase todas as canções uma grandiosidade invulgar, faz com que o álbum nunca resvale para um clima perrigosamente sombrio, havendo arte no modo como é separada a melancolia da severidade, sendo a tristeza tratada de forma leve e elegante e na dose perfeita.

Não são muitas as bandas que conseguem à partida surpreender de modo tão imediato com um som tão acessível e maduro tocado com virtuosas guitarras que soam eufóricas ou tímidas, na medida certa e uma bateria que sabe como ser discreta enquanto conduz com fluidez temas plenos de arranjos sintetizados que nunca exageram nem desvirtuam o cariz indie rock pretendido. Todas as canções são singles em potência e a música destes The Espionne simplesmente flui, sem grandes segredos e complicações, num disco que vale a pena ouvir muitas vezes e aproveitar cada audição de forma diferente.

Até à fria mas acolhedora Steps In December, uma canção que exprime na perfeição as diferentes sensações climáticas e físicas que o rigor do mês referido geralmente contém, com as consequências positivas que também daí advêm para a nossa existência que procura momentos mais acolhedroes, quentes e reconfortantes nesse período temporal, estamos na presença de um disco que desperta múltiplas sensações e que demonstra que esta banda suiça já se sente bastante à vontade e confortável dentro da sonoridade criativa que pretende seguir. Espero que aprecies a sugestão...

The Espionne - In Colour

01. Run Or Hide
02. Brick Wall
03. Heavy Sand
04. Out Of The Night
05. Back On My Feet
06. Blurry Lines
07. Cecilia
08. Hello Dreams
09. Upper Class Hero
10. Kaleidoscope
11. Steps In December


autor stipe07 às 22:43
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 6 de Abril de 2014

We Invented Paris – Rocket Spaceship Thing

Lançado no passado dia catorze de fevereiro pela Spectacular Spectacular, Rocket Spaceship Thing é o novo álbum dos suiços We Invented Paris, um trabalho que sucede ao excelente homónimo que divulguei no início de 2012. Os We Invented Paris são um coletivo que aposta numa sonoridade indie com uma forte cariz épico, feito com melodias que transportam uma enorme carga emocional, que conjugada com uma enorme competência e interessante grau de criatividade, no que diz respeito ao processo de criação melódica, resulta numa atmosfera invulgar e muito agradável de escutar, à qual não escapa nenhuma das onze canções deste Rocket Spaceship Thing.

Todas as músicas deste disco de estreia são heterogéneas e individuais, cada uma com traços próprios, que conseguem dar uma atmosfera diversificada ao álbum. Quase todas são singles em potência; Desde a alegria suave simples do single Mont Blanc, à contagiante e festiva Everyone Knows, tudo parece simplesmente fluir, graças também a um trabalho de produção impecável. Neste álbum é ainda obrigatório conferir o belíssimo momento acústico que se escuta no dedilhar da viola de Dance On Water, o instante pop inebriante de Zeppelins, os sintetizadores e o orgão vintage de Farmer e a balada simultaneamente doce e inquietante chamada Treeless.

Os We Invented Paris acabam por se destacar porque não são muitas bandas que conseguem agregar tantos géneros musicais diferentes num só trabalho. Neles encontramos folk, indie pop e outros subgéneros, tudo tocado com violas que soam eufóricas, guitarras tímidas e batidas contagiantes.

É muito difícil encontrar uma banda que, logo ao segundo disco, mostre um conteúdo musical com tanta carga emocional e maturidade musical. A sonoridade da banda é extremamente acessível e surpreendentemente imediata. Dá para notar isso logo no primeiro single, a já citada e polida Mont Blanc. O álbum é cheio de momentos graciosos e suaves, com uma delicadeza notável e uma sensibilidade que se destaca. Durante alguns períodos, remete para os Death Cab For Cutie, nomeadamente para o clássico Plans, de 2005, mas também me soam, em alguns instantes, ao disco de estreia dos Grouplove, Never Trust A Happy Song e a alguns dos melhores momentos dos Pains Of Being Pure At Heart.

Sendo melódico e algumas vezes triste, não se pode também dizer que o álbum seja sombrio, já que os We Invented Paris conseguem ter a arte de separar muito bem a melancolia da severidade, tratando a tristeza de forma leve e elegante e na dose perfeita.

Por tudo isto, este Rocket Spaceship Thing é um trabalho que vale a pena ouvir muitas vezes e aproveitar cada audição de forma diferente, num disco que desperta múltiplas sensações e que demonstra que esta banda suiça já se sente bastante à vontade e confortável dentro da sonoridade criativa que segue e replica. Espero que aprecies a sugestão...

We Invented Paris - Rocket Spaceship Thing

01. Mont Blanc
02. Auguste Piccard
03. Everyone Knows
04. Dance On Water
05. Zeppelins
06. Farmer
07. Polar Bears
08. Philosopher
09. Treeless
10. Requiem
11. Sleeptalker

 


autor stipe07 às 21:19
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2012

We Invented Paris - We Invented Paris

Os We Invented Paris são descritos por eles próprios como um coletivo europeu baseado na Suíça e à cerca de um ano que andam na estrada, a preparar o lançamento de We Invented Paris o disco homónimo de estreia. Assim, em 2011 conseguiram visitar mais de cinquenta cidades europeias e tocar à volta de setenta concertos, incluindo colaborações com outros grandes nomes da indie, nomeadamente os Pains Of Being Pure At Heart.

Todas as músicas deste disco de estreia são heterogéneas e individuais, cada uma com traços próprios, que conseguem dar uma atmosfera diversificada ao álbum. É muito difícil encontrar uma banda estreante e com pouco tempo de estrada já com tanta carga emocional e maturidade musical. Sem uma narrativa principal definida, este We Invented Paris acaba por ser, paradoxalmente, um álbum circular, onde cada canção se interliga com a seguinte.

A sonoridade da banda é extremamente acessível e surpreendentemente imediata. Dá para notar isso logo no primeiro single, a polida Iceberg. O álbum é cheio de momentos graciosos e suaves, com uma delicadeza notável e uma sensibilidade que se destaca. Durante alguns períodos, remete para os Death Cab For Cutie, nomeadamente para o clássico Plans, de 2005, mas também me soou em alguns instantes ao disco de estreia dos Grouplove, Never Trust A Happy Song e ao Belong dos próprios Pains Of Being Pure At Heart, ambos lançados em 2011.

Sendo melódico e algumas vezes triste, não se pode também dizer que o álbum seja sombrio, já que os We Invented Paris conseguem ter a arte de separar muito bem a melancolia da severidade, tratando a tristeza de forma leve e elegante e na dose perfeita.

Não são muitas as bandas que conseguem agregar tantos géneros musicais diferentes num só trabalho, mas neste We Invented Paris encontramos folk, indie pop, e outros subgéneros, tudo tocado com violas que soam eufóricas, guitarras tímidas e batidas contagiantes. Todas as canções são singles em potência, desde a alegria suave simples de Bubbletree à inquietação e angústia de Silence e a música deles simplesmente flui. Por tudo isto este We Invented Paris é um trabalho que vale a pena ouvir muitas vezes e aproveitar cada audição de forma diferente.

Em suma, estamos na presença de um disco cheio de altos e baixos, que desperta múltiplas sensações e que demonstra que esta banda suiça já se sente bastante à vontade e confortável dentro da sonoridade criativa que pretende seguir. Espero que aprecies a sugestão...

01. Ouverture
02. The Busker
03. A View That Almost Kills
04. Iceberg
05. Kyrie
06. Lonely Ego
07. Public Places
08. Bubbletrees
09. Boheme
10. Tiny
11. Nothing To Say
12. More
13. Silence


autor stipe07 às 21:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14

17
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

We Invented Paris – Catas...

Peter Broderick - Colours...

The Espionne – In Colour

We Invented Paris – Rocke...

We Invented Paris - We In...

X-Files

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

blogs SAPO

subscrever feeds