Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017

Jens Lekman - Life Will See You Now

Depois de em 2015 o músico e compositor sueco Jens Lekman ter voltado às luzes da ribalta com um assumido compromisso de todas as semanas compor e gravar um novo tema, através do seu projeto Smalltalk, do quel resultou o EP Ghostwriting, uma espécie de complemento dessa hercúlea tarefa onde o autor e a banda que o tem acompanhado transformaram as suas histórias pessoais em canções, assentes numa folk acústica intensa, próxima  e subtilmente encantadora, agora, no dealbar de 2017, este artista que desde 2000 tem revelado o seu charme melancólico e romântico com inegável bom gosto, está de regresso ao formato longa duração, com Life Will See You Now, o quarto álbum da sua carreira, editado a dezassete de fevereiro através da Secretly Canadian.

Resultado de imagem para jens lekman 2017

Hábil poeta e permanentemente focado e apaixonado pelo processo de escrita e composição, Jens Lekman é exímio a entender os mais variados sentimentos e confissões humanas e fá-lo de forma peculiar, convertendo simples sensações em algo grandioso, épico e ainda assim delicadamente confessional. Neste trabalho, o modo como a sua voz e o piano se apresentam logo na abertura do tema homónimo, causando espanto, faz-nos também entender, com clareza, aquilo que nos espera, em dez canções onde o autor se particularmente intimista e reflexivo, sobrepondo as palavras dos seus poemas com uma evidente exaltação instrumental, necessária e preciosa para a materialização da clara honestidade poética e melódica que sempre o guiou. E essa permissa transforma-se, neste artista, num mecanismo eficaz de diálogo direto com quem se predispõe a ouvi-lo.

Na verdade, Lekman é único e universal a traduzir com simplicidade musical tudo aquilo que gostaríamos de expressar em momentos de maior dor e melancolia, mas também de euforia e exaltação.  What’s That Perfume That You Wear?, tema que inclui um sample do tema The Path de Ralph MacDonald, que data do ano 1978 e que é uma das músicas favoritas do sueco, é um notável exemplo do modo como Lekman retrata o tenebroso final de uma relação amorosa, mas de modo a fazer desse evento uma espécie de desabrochar e a possibilidade de um novo recomeço. E essa capacidade que Lekman tem de nos mostrar sempre o lado positivo e radioso de um qualquer evento, por muito catastrófico que possa parecer, é um dos seus maiores atributos sonoros, audível na exuberância não só das teclas, mas também das cordas e dos metais que tanto se escutam nas suas canções, que nunca descuram a busca de ritmos dançantes e de uma curiosa tropicalidade, também sublime na leveza divertida e primaveril de Wedding In Finistére. Outro bom exemplo dessa estranha dicotomia entre tragédia e celebração está plasmada em Evening Prayer, instante pop também bastante dançante e que se debruça sobre alguém que descobriu que tem cancro e que decide fazer uma cópia do tumor entretanto retirado do próprio corpo numa impressora 3-D. Outra notável canção deste trabalho é, sem dúvida, Our First Fight, composição onde o autor aprimora a sua habitual delicadeza e na pele de um contemporâneo trovador, arrasta-nos, através de soberbos arranjos, para um cenário bucólico bastante impressivo, onde a paixão dá lugar à saudade, o beijo converte-se em despedida e o que é aparentemente grandioso serve agora para nos confortar.

Produzido por Ewan Pearson (M83, Goldfrapp, Chemical Brothers), Life Will See You Now é um festim para os nossos ouvidos e uma boa dose de humor, um verdadeiro caleidoscópio de sensações realisticamente agradáveis, mas também profundamente reflexivas, em que cada uma das suas canções tem tudo para transformar-se num memorável clássico do indie pop, um disco que recheia o curriculum deste sueco com um atestado superior de magnificiência sonora, assente também versos pegajosos e um tipo de atmosfera quase mágica que apenas ele parece capaz de desenvolver. Espero que aprecies a sugestão...

Jens Lekman - Life Will See You Now

01. To Know Your Mission
02. Evening Prayer
03. Hotwire The Ferris Wheel
04. What’s That Perfume That You Wear?
05. Our First Fight
06. Wedding In Finistére
07. How We Met, The Long Version
08. How Can I Tell Him
09. Postcard #17
10. Dandelion Seed


autor stipe07 às 17:32
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 18 de Outubro de 2016

Terrakota - Oxalá

Já chegou aos escaparates Oxalá, o novo registo de originais dos Terrakota, um coletivo sedeado na capital do antigo império, mas de setas apontadas para os quatro cantos de um planeta cada vez mais pequeno e global e culturalmente e etnicamente díspar. E se em pleno arranque do século XXI esta realidade apresenta-se como um facto incontornável, tal deve-se, sem sombra de dúvida, à coragem e à perseverança de um pequeno povo que há alguns séculos sulcou novos mares e descobriu outras culturas, saberes e tradições, que estes Terrakota plasmam, com notável vibração e autenticidade, neste Oxalá.

Resultado de imagem para terrakota 2016

Gravado nos estúdios dos próprios Terrakota e nos estúdios GroundZero e TooLate, Oxalá é uma edição completamente independente e conta com as participações de Vitorino, Mahesh Vinayakram, Selma Uamusse, Anastácia Carvalho e Florian Doucet entre outros. Este novo capítulo da discografia dos Terrakota tem como ponto de partida Lisboa, faz um pequeno e curioso desvio pelo coração do Alentejo na introdução do tema homónimo e depois, assume-se como ponto de chegada de muitas porções de um mundo onde é possível sentir, sonoramente, diferentes cheiros e sabores, enquanto se aprecia composições de diferentes cores, intensidades e balanços, que desafiam e apuram todos os nossos sentidos.

Saboreando poemas escritos em português, inglês e francês, Oxalá coloca-nos à prova à medida que diante de nós escorre aquilo que o género humano tem de mais genuíno e seu e disserta sobre o modo como diferentes territórios e porções de um planeta que foi beijado um dia pelo intrépido português, faculta uma heterogeneidade de sensações e obrigou aos nativos a diferentes processos adaptativos, o que resultou numa multiplicidade de raças, experiências e estádios de desenvolvimento que hoje caraterizam a nossa cultura e a nossa essência.

Não é assim tão ousado afirmar que a música dos Terrakota é um exercício antropológico, com tudo aquilo que de interessante e revelador tem, forçosamente, um documento sonoro que permite tal desiderato. Sendo o artwork do disco, da autoria de Alexandre Louza, logo à partida, revelador das reais intenções deste coletivo, é no gira giro do mundo que a humanidade se desvenda, como se pode escutar no tema que abre Oxalá, mas também na distância que separa a vibração do violão da cadência das congas e do treme terra em Entre O Céu E A Terra. E se enquanto passamos dessa Gira Giro a Jah Flow viajamos, num ápice, da Índia à Jamaica, já em Mexe Mexe e Bankster é numa ruela lamacenta mas cheia de cor de Luanda ou da Praia que aterramos, mesmo no ventre daquela África que tanto nos ofereceu ao longo de seis séculos de intercâmbios e histórias nem sempre pacíficas, mas ainda hoje marcantes e impressas num povo que vivendo à beira mar plantado deve ao continente negro, como referi acima, uma elevada quota parte do seu adn atual.

Disco feito demanda e oferenda de diferentes cheiros e emoções e, conforme se percebe em Entre o Céu E A Terra, um trabalho que também serve para nos explicitar como esta evolução tem um lado negro e nefasto, nele os Terrakota, como banda de intervenção que são, assumidamente, querem-nos fazer refletir nesse sofisma, algo audível, por exemplo, nesse tema quando se escuta Já Veio Expulso da Índia! Lá teve falha o seu plano. Depois de ir minar o Brasil, foi pegar o Jamaicano. Oxalá abre, por todas estas e tantas outras boas razões, um novo capítulo da vida de uns Terrakota renovados e com uma abrangência sonora ímpar no panorama musical nacional. Espero que aprecies a sugestão...


autor stipe07 às 22:57
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 20 de Março de 2015

Rita Braga - Gringo In São Paulo EP

Depois de no delicioso disco de estreia, intitulado Cherries That went to The Police  Rita Braga ter reinterpretado temas oriundos de vários países e em várias línguas, esta portuguesa, filha do mundo, voltou ao estúdio para compôr cinco temas originais e inéditos que idealizou no período em que morou no Brasil em 2013 e aos quais deu o nome de Gringo In São Paulo, um simpático EP gravado na Casa do Mancha, um estúdio de gravação e local de concertos conhecido no cenário musical alternativo e independente da maior cidade da América Latina.

Neste EP Rita Braga manuseia com enorme mestria o ukelele, o seu fiel parceiro e instrumento de eleição, mas também os teclados e uma magnífica voz. O registo conta com a participação de vários músicos de São Paulo, nomeadamente Mancha Leonel (bateria), Bernard Simon Barbosa (guitarra eléctrica e baixo), Pedro Falcão (cuíca e pandeiro), José Vieira (piano), Peri Pane (violoncelo) e Matheus Zingano (guitarra acústica). Chris Carlone, um músico norte americano com quem Rita tem vindo a colaborar desde 2008 também surge nos créditos deste Gringo In São Paulo, misturado e masterizado já do lado de cá do atlântico, em plena invicta, com a ajuda de Marc Behrens, tendo a capa da edição em vinil sido concebida também por Marc Behrens e a própria Rita Braga, uma edição física de sete polegadas que conta com os temas Gringo in São Paulo e Erosão, acompanhado de um download card com os cinco temas que integram o EP.

Apesar da importância do instrumento musical ukelele na vida e na carreira de Rita Braga, que já conta no seu curriculum com digressões extensas nos Balcãs e atuações na Itália, Polónia, Bélgica e Suécia, além de gravações com músicos espanhóis e portugueses e agora brasilseiros e influências declaradas de nomes tão fundamentais como Tom Zé, Carmen Miranda, Bob Dylan, Sílvio Caldas ou Black Sabbath, a música de Rita Braga é como um caleidoscópio de músicas do mundo, onde, no caso concreto deste EP, aquela insinuante habitual pitada tropicália, funciona como uma espécie de cereja no topo do bolo e ajuda a plasmar uma incrível sensação de ligação entre as canções, mesmo que uma audição isolada do alinhamento pareça mostrar mais pontos de desencontro do que convergentes entre as várias composições.

Na verdade, ao longo do alinhamento de Gringo In São Paulo assiste-se a uma espécie de narrativa leve e sem clímax, com uma dinâmica bem definida e muito agradável e escutar estes vinte minutros é um exercício muito divertido e reconfortante, com um certo teor melancólico, é certo, onde aquela saudade tão portugesa transpira amiúde, mas, simultaneamente, um exercício otimista e alegre, num trabalho cujo conteúdo geral reside nesta feliz ambivalência.

Em pólos apenas aparentemente opostos parecem também situar-se a exuberância da riqueza instrumental e do arsenal material que sustenta as canções (Helicóptero será a excepção desta constatação) e a subtileza com que os diferentes protagonistas sonoros surgem nas músicas. Refiro-me, por exemplo, a alguns dos instrumentos de percussão, muitos num registo quase impercetível, nomeadamente a cuíca no tema homónimo, outros parecendo deliberadamente condutores e líderes das melodias, conferindo à sonoridade geral de Gringo In São Paulo uma sensação, quanto a mim, bastante experimental, apesar do forte cariz radiofónico e pop da música de Rita Braga.

O cenário melódico que transborda das canções, acaba por possuir uma simplicidade particularmente bonita, apesar da tal exuberância instrumental, com a doçura e a inocência que transpira de Helicóptero a ser, quanto a mim, o momento mais elegante e significativo de uma autora versátil, num EP que presenteia-nos com um amplo panorama de descobertas sonoras que faz com que se defina como uma espécie de exercício criativo nostálgico, mas sem descurar o efeito da novidade.

O registo vocal de Rita Braga é, sem dúvida, um dos seus maiores trunfos e a sua elasticidade fantástica. Além de cantar no EP em três línguas (ingrês, português de Lisboa e português de São Paulo), também leva o desempenho vocal a diferentes patamares, onde não falta até uma espécie de registo imitativo no tema homónimo, por sinal cantado em inglês, ou melhor, ingrês (gringo). Parece-me claro que a autora procura comportar-se como uma atriz quando canta as suas canções, e a mesma confirma-o na entrevista que me concedeu e que podes conferir abaixo, encarnando, com a voz, as diferentes personagens que cria, funcionando como recurso estilístico dos diferentes estados de espírito de uma mesma personagem, à medida que vão sendo relatadas diferentes histórias em que ele é protagonista, neste caso a gringa que deambula por São Paulo, havendo, assim, uma explícita vertente dramática na tua música.

Gringo In são Paulo representa uma explosão de criatividade que nunca se descontrola nem perde o rumo, numa receita pouco clara e nada óbvia, mas com um resultado incrível e único, que deve ser apreciado enquanto nos rodeamos dos melhores prazeres que esta vida tem para oferecer e conferimos um universo cheio de cores e sons que nos causam espanto, devido à impressionante quantidade de detalhes que Rita coloca a cirandar quase livremente por trás de cada uma destas canções. Aqui tudo se ouve como se estivessemos a fazer um grande passeio por diferentes épocas, estilos e preferências musicais, em temas que dão as mãos a um emaranhado de referências que têm como elemento agregador a busca de um clima sonoro com um elevado cariz acolhedor, animado e otimista, provando que a canção portuguesa encontrou em Rita Braga mais uma compositora e letrista notável e sofisticada. Espero que aprecies a sugestão...

Antes de abordarmos especificamente o conteúdo de Gringo In são Paulo, há uma pergunta que não resisto formular. Apesar da importância do instrumento musical ukelele na tua vida e na tua carreira, com digressões extensas nos Balcãs e atuações na Itália, Polónia, Bélgica e Suécia, gravações com músicos espanhóis e portugueses e agora brasileiros e influências declaradas de nomes tão fundamentais como Tom Zé, Carmen Miranda, Bob Dylan, Sílvio Caldas ou Black Sabbath, pode-se caraterizar a música de Rita Braga como um caleidoscópio de músicas do mundo?

É possível... É óbvio que tenho pegado em muitas culturas diferentes, tanto falando em géneros e referências musicais como em países (o meu primeiro álbum, “Cherries That Went To The Police”, consiste em versões de canções de várias origens cantadas nas respectivas línguas e o meu projeto a solo tem-se baseado um pouco nessa ideia). No entanto tento mudar as coisas do seu contexto original: toco alguns temas folk mas não da forma tradicional, ou jazz, ou samba, etc. É um bocado o fenómeno de aculturação, ou mesmo “choque cultural”: conhecer as regras do jogo e depois mudá-las e adaptá-las. Este novo disco tem muita influência do Brasil porque foi lá que o fiz e desta vez são composições minhas, no entanto não tentei reproduzir um certo estilo de música brasileira, usei as referências de modo mais subjetivo e pessoal.

Quem é este gringo e o que foi ele fazer a São Paulo? Gringo In São Paulo é um EP conceptual?

É. Na verdade o gringo é uma gringa, é a minha história no Brasil. Com vários momentos. Todas as músicas foram escritas e gravadas durante a minha estadia de poucos meses lá. Tinha essa “missão” que me pus de produzir um disco em São Paulo, com músicos da cidade, e este disco é o resultado.

Ouvir Gringo In São Paulo foi, para mim, um exercício muito agradável e reconfortante que tenho intenção de repetir imensas vezes, confesso. Com um certo teor melancólico mas, simultaneamente, otimista e alegre, o conteúdo geral do trabalho reside nesta feliz ambivalência. As minhas sensações correspondem ao que pretendeste transmitir sonoramente?

Acho que faz sentido. Essa mistura de simultaneamente otimista e alegre com uma dose de melancolia tem muito a ver com o Brasil, e identifico-me com essa maneira de ser, de ter as emoções mais à flor da pele, apesar de não ter sido intencional passar essas sensações para quem escuta o disco.

Confesso que o que mais me agradou na audição do EP foi uma certa bipolaridade entre a riqueza instrumental e a subtileza com que os diferentes protagonistas sonoros surgiam nas músicas. Falo, por exemplo, de alguns dos instrumentos de percussão, muitos num registo quase impercetível, nomeadamente a cuíca no tema homónimo, outros parecendo deliberadamente condutores e líderes das melodias, conferindo à sonoridade geral de Gringo In São Paulo uma sensação, quanto a mim, bastante experimental, apesar do forte cariz radiofónico e pop da tua música. Consideras-te uma compositora rígida, no que concerne às opções que defines para a tua música ou, durante o processo criativo, estás aberta a ires modelando as tuas ideias à medida que o barro se vai moldando, nomeadamente quando as mesmas surgem da parte dos músicos convidados?

A base que compus para as músicas teve uma estrutura fixa (que revi até com o Mancha antes de ir a estúdio, número de estrofes e duração do solo, etc), e direcionei os músicos no sentido dos arranjos mas sempre com espaço em aberto, não lhes disse as notas exatas que tinham que tocar, mas um certo tipo de “feeling”. Por isso as ideias que considerei que faziam sentido foram sempre bem vindas e incluídas. Na fase de mistura e masterização em que trabalhei com o produtor alemão Marc Behrens mudámos ainda pequenas coisas, por exemplo no single recortámos sons da cuíca para imitar buzinas dos carros. Também concordo que tenho um lado experimental, apesar de a sonoridade ser pop e penso que acessível.

Além de ter apreciado a riqueza instrumental, gostei particularmente do cenário melódico das canções, que achei particularmente bonito. Em que te inspiras para criar as melodias?

Na maioria das canções que escrevo a melodia é a primeira coisa a surgir e depois trabalho o acompanhamento e as letras, apesar de outras vezes começar por compor com um teclado ou menos frequentemente com o ukulele. A voz é o meu instrumento principal. Acho que o facto de ouvir muita música de vários estilos e de já ter feito tantas versões faz com que tenha um arquivo de memória musical como uma espécie de base de dados que ajuda a criar. Inspiro-me em situações, sítios e pessoas que me rodeiam, tal como me disse um escritor, “the stories are already there”, e cada canção pode ser como uma história ou um poema.

O teu registo vocal é um dos teus maiores trunfos e a tua elasticidade fantástica. Além de cantares no EP em três línguas (inglês, português de Lisboa e português de São Paulo), também levas a tua voz a diferentes patamares, onde não falta até uma espécie de registo imitativo no tema homónimo, por sinal cantado em inglês. Procuras comportar-te como uma atriz quando cantas as tuas canções, encarnando, com a voz, as diferentes personagens que crias, ou a voz serve funciona como recurso estilístico dos diferentes estados de espírito de uma mesma personagem, à medida que vão sendo relatadas diferentes histórias em que ele é protagonista, neste caso o gringo que deambula por São Paulo? Em suma, há uma explícita vertente dramática na tua música?

Sim, há. Para mim funciona como várias personagens, às vezes duas na mesma canção, mas também pode ser o caso de ser a mesma personagem em diferente estado de espírito, deixo isso em aberto. No single invoquei o sotaque inglês da Carmen Miranda e no final o Bob Dylan, ou seja às vezes até podem surgir personagens masculinos. Tal como o Fernando Pessoa e a sua Maria José. Em “Poetas do Fim do Mar”, o sotaque brasileiro que tentei reproduzir é a dos cantores da rádio dos anos 30, que se aproxima mais do nosso português, e com um “R” muito exagerado.

Adoro a doçura e a inocência que transpira de Helicóptero. A Rita tem um tema preferido em Gringo In São Paulo?

Penso que não tenho um tema preferido... nos últimos dias a “Erosão” tem estado mais presente porque terminámos o clipe há pouco tempo, foi a primeira vez que filmei aqui na zona do Porto e gostei de trabalhar com o Ricardo Leite e o Pedro Neves. Mas fora isso poderia falar de outros temas do disco.

O tema homónimo teve direito a um excelente vídeo de animação idealizado pelo artista sérvio Vuk Palibrk. Como surgiu a oportunidade de trabalhar com um nome tão interessante e o conceito é da tua autoria, foi um trabalho partilhado ou o autor teve carta branca para idealizar o conteúdo?

Conheci o Vuk Palibrk e o seu trabalho gráfico na primeira viagem à Sérvia, quando fui convidada do Festival Internacional de Banda Desenhada GRRR! em 2006, com uma exposição de desenhos e concerto. Para este clipe, sabendo que a animação feita à mão é um trabalho monstruoso que pode levar anos a produzir poucos minutos, pedi para ele usar pedaços de filmes dele, e juntar alguns elementos alusivos à letra da música (prédios, multidão, carros, etc).

O que podemos esperar do futuro discográfico da Rita Braga?

Estou a preparar demos para um futuro álbum a solo que terá por base mais teclados, sintetizadores e caixas de ritmos. Também quero a certa altura gravar um disco de “Chips and Salsa”, o meu dueto com o Chris Carlone. Um mais eletrónico, o outro acústico. Ambos de temas autorais, não excluindo uma ou outra versão.


autor stipe07 às 21:27
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 19 de Junho de 2014

Gui Amabis - Trabalhos Carnívoros

Lançado no início desta semana por cá, apesar de já ter sido editado há mais de umano no Brasil, Trabalhos Carnívoros é o novo disco do músico brasileiro Gui Amabis, um trabalho muito bonito e o sucessor de Memórias Luso/Africanas, o seu primeiro disco a solo, editado em 2011 e que, na altura, contou com a participação de Céu, Tulipa Ruiz, Criolo, Lucas Santtana e Tiganá e que tinha uma ligação muito especial com Portugal, até pelas raízes maternas do músico.

Esta ligação de Gui a Portugal ampliou-se quando recebeu o convite de Rita Redshoes para produzir o seu novo disco, Life Is A Second Of Love, uma experiência que, de acordo com a entrevista que Gui me concedeu e que podes conferir adiante, foi  um enorme sucesso porque gostou muito de trabalhar com a Rita, uma artista incrível, muito focada e assertiva.

Trabalhos Carnívoros é um disco mais introspetivo que o anterior, um álbum onde Amabis assume todas as vozes e se afirma como cantor e compositor. O disco demorou cerca de três meses a ser gravado e a produção foi feita em parceira com Regis Damasceno (Cidadão Instigado). A dupla escolheu as músicas, os tons, a sonoridade e andamento e depois convidou Samuel Fraga (bateria) e Dustan Gallas (guitarra) para completar os arranjos.

De acordo com o artista, cada canção tem uma inspiração, mas tem duas coisas ou situações que o inspiraram, caminhar e se banhar. É um disco de paisagens sonoras e imagéticas, retratos de certos momentos da sua vida e por vezes escreve pra tentar entender as coisas que sente.

Do samba ao rock, passando por alguns detalhes típicos da folk e da bossa nova, Gui assume-se como um autor versátil num disco que presenteia-nos com um amplo panorama de descobertas sonoras que faz com que o álbum seja uma espécie de exercício criativo nostálgico, mas sem descurar o efeito da novidade. Assim que o disco começa somos rapidamente absorvido pelo mundo caleidoscópico de Gui, um universo cheio de cores e sons que nos causam espanto, devido à impressionante quantidade de detalhes que Amabis coloca a cirandar quase livremente por trás de cada uma das canções que transbordam do disco. Ainda mais diversificado é o conjunto de ritmos, sons e incontáveis referências que borbulham enquanto se desenvolve Trabalhos Carnívoros; Sejam a pop agradável, nostálgica e nada descartável de Merece Quem Aceita e Pena Mais Que Perfeita, as pequenas transições pelo jazz e pela tal bossa nova em Trabalhos Carnívoros, o samba e a blues em Tiro e Um Bom Filme, ou mesmo todo o clima caliente de Consulta Mental, tudo se ouve como se estivessemos a fazer um grande passeio por diferentes épocas, estilos e preferências musicais.

Amabis dá as mãos a um emaranhado de referências que têm como elemento agregador a busca de um clima sonoro com uma elevado cariz ambiental, mas que não deixa de ser acolhedor, animado e otimista, muito por culpa de cordas luminosas e de alguns arranjos proporcionados por instrumentos de sopro que abrem janelas que nos permitem contemplar canções recheadas de versos intrigantes, instigadores e particularmente melódicos. Domina Trabalhos Carnívoros um som essencialmente bucólico, épico e melancólico, que pode servir de banda sonora para um mundo paralelo cheio de seres fantásticos e criaturas sobrenaturais, como ilustra a capa de um disco que exalta a carne e vê nela uma harmoniosa fonte de conhecimento e inspiração musical e espiritual de toda a espécie, de todos os tempos ou apenas de hoje. Trabalhos Carnívoros representa uma explosão de criatividade que nunca se descontrola nem perde o rumo, numa receita pouco clara e nada óbvia, mas com um resultado incrível e único. 

Além dos seus trabalhos de autor, Gui Amabis produziu grandes discos no Brasil tais como Vagarosa (2009) e Caravana Sereia Bloom (2012) da cantora Céu, São Matheus não é um lugar assim tão longe (2008) de Rodrigo Campos, Sonantes (2008) da banda Sonantes formado por ele, Rica Amabis, Pupillo, Dengue e Céu. Gui também trabalhou em várias bandas sonoras para filmes e séries de TV como: Collateral (2003), Lord of War (2004), Quincas Berro D'água (2010), Perfect Stranger (2007) Giovanni Improtta (2013), Bruna Surfistinha (2011), Filhos do Carnaval (2009) e Cidade dos Homens (2003). Confere abaixo a entrevista que Gui Amabis me concedeu e espero que aprecies a sugestão...

 

 

Depois do sucesso alcançado em 2011 com Memórias Luso/Africanas, o disco de estreia e onde ficaram logo patentes as tuas fortes ligações a Portugal, regressou aos lançamentos em 2012 com Trabalhos Carnívoros. Começo com uma questão cliché… Quais são, antes de mais, as expetativas para este novo trabalho?

Gui- Meu pai, desde que eu era um menino, sempre me dizia para não ter expectativas, pois a frustração seria quase certa, era uma espécie de doutrina, já que sempre fui um menino ansioso. Mas eu teimo em ter, acho que os portugueses vão entender minha poesia e sonoridade, e espero que as sintam também.

 

E, já agora, como nasceu esta forte ligação a Portugal e porque demorou o disco cerca de  dois anos a chegar a este lado do Atlântico?

Gui -Minha ligação com Portugal vem por conta da minha mãe, ela é filha de dois portugueses que emigraram pro Brasil no entre guerras. Essa avó, Firmina dos Prazeres Machado Cabral, foi a única com quem convivi, ajudou a me criar. Sinto que tenho valores parecidos com os daqui, além da genética. Lanço este disco somente agora por uma razão prática, somente neste momento um selo europeu se interessou.

 

Confesso que o que mais me agradou na audição de Trabalhos Carnívoros foi uma certa bipolaridade entre a riqueza dos arranjos e a subtileza com que eles surgiam nas músicas, muitos de forma quase impercetível, conferindo à sonoridade geral do disco uma sensação, quanto a mim, enganadoramente, minimal. Talvez esta minha perceção não tenha o menor sentido mas, em termos de ambiente sonoro, que idealizaste para o álbum inicialmente? E o resultado final correspondeu ou houve alterações de fundo ao longo do processo?

Gui -Meu processo é uma constante mudança, até sentir que tudo faça sentido. Concordo consigo a respeito da sonoridade, tem muitos detalhes e melodias escondidas, tem que se ouvir muitas vezes para perceber. Mas ao mesmo tempo tento sempre limpar ao máximo os meus arranjos, deixando soar apenas o que é necessário. Neste caso tinha algumas melodias e ritmos nos ouvidos antes de começar a gravar, mas pra mim um arranjo é um organismo vivo, eu gosto que os músicos tragam ideias e que as coloquem em prática, portanto, cada um que entra muda a história.

 

Além de ter apreciado a riqueza instrumental, quer orgânica, quer eletrónica, e também a criatividade com que selecionaste os arranjos, gostei particularmente do cenário melódico destas tuas novas canções, que achei particularmente bonito. Em que te inspiras para criar as melodias? Acontece tudo naturalmente e de forma espontânea em jam sessions, ou as melodias são criadas individualmente, ou quase nota a nota e depois existe um processo de agregação?

Gui -Geralmente começo a compor pela letra, uma frase me vem à cabeça, geralmente com uma melodia implícita. Depois vem o trabalho de completar a mensagem que a frase carrega e achar o complemento melódico. Para mim é como se fosse um quebra-cabeças, um jogo. Mas a letra, para mim, carrega a sua melodia.

 

Em que te inspiras no processo de escrita das letras? Escreves muito na segunda pessoa... Trabalhos Carnívoros é um disco conceptual?

Gui -Cada canção tem uma inspiração, mas tem duas coisas ou situações que me inspiram, caminhar e me banhar, por incrível que pareça. Não acho que seja um disco conceptual, sinto que seja um disco de paisagens sonoras e imagéticas. São retratos de certos momentos da minha vida, por vezes escrevo pra tentar entender as coisas que sinto.

 

Também achei curiosa a forma como satirizas no conteúdo e constróis as rimas e a métrica dos teus poemas, na forma e parece perfeita a colagem à componente melódica. Qual a percentagem de inspiração e transpiração em tudo isto?

Gui -Pra mim cada frase carrega a sua melodia, eu preciso de silêncio e concentração pra conseguir ouvir. Depois do encontro desta fagulha vem o trabalho de composição propriamente dito, criar outras frases, e suas melodias, e que essas façam sentido em conjunto com a inicial. Às vezes este processo demora, já cheguei a ficar mais de um ano pra terminar uma música, e ainda hoje quero mudar… 

 

Confesso que fiquei particularmente surpreso com a simplicidade do artwork de Trabalhos Carnívoros, da autoria de Rafael Grampá. Como surgiu a ideia?

Gui -Conheci  Grampá em 2004 e ficamos amigos e atentos ao trabalho um do outro. Assim que terminei meu disco sabia que ele era quem ia fazer a capa. Mostrei o disco e ele veio com tudo pronto. Foi estranho, muito rápido e acertado. Sinto que foi como umas das minhas frases, que aparecem do nada, como se não fossem minhas. Foi um presente…

 

Pena mais que perfeita. teve direito a um excelente vídeo, dirigido por Júlio Andrade e o já citado Rafael Grampá, além de contar com a presença do ator Daniel Oliveira. Como surgiu a oportunidade de trabalhar com nomes tão importantes e a inspiração para o conteúdo tão interessante e intenso deste vídeo?

Gui -Pois este foi outro presente, um dia recebi um telefonema do Júlio Andrade dizendo que iam fazer um clipe pra uma música minha e que precisavam da minha ajuda.  Júlio e Grampá moravam na mesma casa e Daniel é um amigo próximo dos dois. Cheguei lá e já estavam todos prontos pra filmar, foi tudo captado num dia e depois me enviaram pronto. Não dei opinião nenhuma, achei que a música era suficiente, sabia que estava lidando com gente muito talentosa.

 

Na verdade, pelo que li, costuma rodear-se de outros artistas nos discos. Em trabalhos Carnívoros divide a produção do disco, e duas canções (Pena Mais que Perfeita Menino Horrível), com o também multi-instrumentista Regis Damasceno e com Dengue, baixista da Nação Zumbi, que toca na faixa Consulta Mental, composta em parceria consigo. Como consegue, também na vertente musical, agregar à sua volta nomes tão ilustres?

Gui -Valorizo muito meus parceiros e a parceria em si. Sou uma pessoa que se preocupa com a música e me sinto um cara de sorte por conseguir encontrar essas pessoas. Somos todos amantes da música, acho que é isso que nos une.

 

Tens um largo historial como produtor e compositor de bandas sonoras, além dos teus discos. Sendo letrista, cantor, compositor e produtor, qual destas vertentes te dá mais gozo explorar?

Gui -Gosto de todas elas, me sinto feliz em qualquer uma destas posições. Ultimamente tenho gostado muito de tocar ao vivo e cantar. Gosto muito da minha banda (Regis Damasceno - Baixo, Dustan Gallas - Guitarra, Richard Ribeiro - Vibrafone e Samuel Fraga - Bateria), me divirto muito nos ensaios e concertos. 

 

O que move Amabis é apenas uma espécie de folk e indie pop experimental, com travos de samba, jazz e blues, ou gostarias ainda de experimentar outras sonoridades? Em suma, o que podemos esperar do seu futuro discográfico?

Gui -Já aí tem muita coisa. Não faço planos neste sentido, procuro escutar o que está ao meu alcance, espero que a música me traga esta surpresa.

 

Quais são as três bandas ou projetos atuais que mais admiras?

Gui -Cidadão Instigado, Siba e Kid Koala.

 

Quando é que podemos ouvir estas músicas ao vivo por cá?

Gui -Dia 08/07 faço um pequeno concerto na Casa Independente com uma formação quase acústica. Tiago Maia e Rita Redshoes vão-me acompanhar nesta noite. 

 

Não posso terminar sem te perguntar... Como surgiu a oportunidade de trabalhar com a Rita Redshoes e produzir Life Is A Second Love, o último disco dela?

Gui -Foi mais uma destas surpresas, recebi um email da Rita me convidando para este trabalho e aceitei porque gostei muito da voz e da sonoridade. Ela conheceu meu som quando escutou uma faixa do último disco da Céu “Caravana Sereia Bloom”, registro que produzi. Gostei muito de trabalhar com a Rita, é uma música incrível.  Muito focada e assertiva. Durante o processo conheci músicos incríveis. Gostei tanto que voltei para terminar meu terceiro disco aqui, já gravei um quarteto de cordas e devo gravar voz ainda este mês. 


autor stipe07 às 16:34
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 5 de Maio de 2014

Thievery Corporation – Saudade

Lançado no passado dia um de abril por intermédio da própria etiqueta da banda, a ESL Music Label, Saudade é o novo álbum dos Thievery Corporation, o sétimo registo de originais da carreira desta dupla formada por Eric Hilton e Rob Garza. Saudade está disponível para audição no soundcloud dos Thievery Corporation, um dos projetos essenciais do cenário da eletróinica e da dance music contemporânea e que, em Saudade, resolve prestar um tributo à música brasileira, uma influência que foi sempre bastante explícita no percurso musical dos Thievery Corporation.

É comum dizer-se que Saudade é uma palavra exclusiva da língua portuguesa e que não tem tradução em nenhuma outra. E esta palavra, assim como o sentido que nós lhe damos, foi a inspiração para o título deste disco, como explicam os próprios Thievery Corporation, (Saudade borrows its title from a Portuguese word meaning a longing for something or someone that is lost, a contented melancholy, or, simply, the presence of absence).

Saudade impressiona, desde logo, pelo alargado espetro de convidados, que ultrapassam a dezena. Assim, durante o disco podemos deliciar-nos com cinco extraordinárias vozes femininas (LouLou Ghelichkhani, Elin Melgarejo, Karina Zeviani das Nouvelle Vague, Natalia Clavier do projeto Argentine e Shana Halligan dos Bitter:Sweet) e, nos instrumentos, com Michael Lowery, baterista dos U.N.K.L.E,  Federico Aubele, também dos Argentine e o percussionista brasileiro Roberto Santos, entre outros.

Com uma míriade de influências que vão dos clássicos brasileiros Antonio Carlos Jobim, Gal Costa e Luis Bonfá, aos europeus Serge Gainsbourg, e Ennio Morricone, Saudade também tem uma forte componente típica do samba eletro, do qual, por exemplo, Isabelle Antena é hoje um dos nomes mais consensuais.

Não é preciso ser um exímio conhecedor dos universo sonoro abarcado por toda esta amálgama de influências e convidados especiais para adivinhar, prreviamente, que Saudade fará, no seu conteúdo sonoro, uma súmula entre a banda sonora de um dia solarengo na praia de Ipanema com o típico ambiente sonoro que ilustra a Riviera Francesa na época alta. A Europa mediterrânica e o atlântico um pouco a sul do Equador dão as mãos neste disco onde o jazz e a bossa nova dizem olá ao samba e todos juntos, de mãos dadas com a eletrónica, apresentam um verdadeiro festim sonoro para os nossos ouvidos sempre sedentos de paisagens sonoras relaxantes e elegantes.

Saudade sabe à banda sonora de um filme europeu francês ou italiano, onde um gigolo ou um sobredotado da cosa nostra dão o golpe e resolvem refugiar-se algures, no Rio, rodeados dos melhores prazeres que esta vida tem para oferecer. A dupla Eric Hilton e Rob Garza teve certamente em mente esta imagem  elegante que povoou tantas vezes o imaginário a preto e branco de quem, do lado de cá do atlântico, olha tantas vezes para os trópicos como o éden só ao alcance dos predestinados e dos espertos.

Ter musas lindas, elegantes e tão femininas e com vozes tão sensuais como as de Shana Halligan, Lou Lou Gleichkhani, Karina Zeviani, Elin Melgarejo e Natalia Clavier a cantar em Saudade, só ajuda a aguçar ainda mais o nosso imaginário relativamente ao universo sedutor e enigmático que os Thievery Corporation criaram em Saudade, um disco cantado em cinco línguas que falam do amor e da tal saudade, em cima de instrumentais luxuriantes dominados pelas cordas, por uma percurssão vibrante e por arranjos sintetizados que tanto nos colocam na loja mais in de Nice como a comer um sorvete nos areais de Ipanema.

Cada canção deste disco é um tratado sobre como se deve conjugar as cordas de uma viola, com a melhor percurssão brasileira; Das mais climáticas Nós Dois e a instrumental canção homónima, passando pelo samba genuíno de Para Sempre e pelas preguiçosas Claridad e Meu Nêgo, até à hipnotizante e sedutora Sola in La Cittá, ou o português ingenúo e quase genuíno de Quem Me Leva, Saudade é um sonho lounge, simultaneamente eletrónico e orgânico, que alimenta um verdadeiro manancial de referências nostálgicas. A própria capa do disco parece ter sido feita dos anos sessenta, tal é a psicadelia melancólica que ela suscita.

Já não restam dúvidas que Garza e Hilton apreciam imenso a música brasileira, num disco onde, de acordo com os próprios, os Thievery Corporation dão vida à vocalização melancólica, quente e cheia de alma que faz parte da essência da bossa nova e completam um círculo onde, depois de deambularem pela música eletrónica, viajaram para algo mais orgânico e construiram um túnel do tempo musical, antes de passarem ao próximo capítulo. Espero que aprecies a sugestão...

Thievery Corporation - Saudade

01. Décollage (Feat. Lou Lou Ghelichkhani)
02. Meu Négo (Feat. Karina Zaviani)
03. Quem Me Leva (Feat. Elin Melgarejo)
04. Firelight (Feat. Lou Lou Ghelichkhani)
05. Sola In Citta (Feat. Elin Melgarejo)
06. No More Disguise (Feat. Lou Lou Ghelichkhani)
07. Saudade
08. Claridad (Feat. Natalia Clavier)
09. Nós Dois (Feat. Karina Zaviani)
10. Le Coeur (Feat. Lou Lou Ghelichkhani)
11. Para Sempre (Feat. Elin Melgarejo)
12. Bateau Rouge (Feat. Lou Lou Ghelichkhani)
13. Depth Of My Soul (Feat. Shana Halligan)

 


autor stipe07 às 18:40
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 13 de Novembro de 2013

Grizzly Bear – Speak In Rounds (Bonde Do Rolê Remix)

 

No dia em que foi lançado Shields: B-Sides (ver abaixo), o disco dos Grizzly Bear com os temas extra de Shields, o último trabalho deste grupo de Nova Iorque e que divulguei em setembro de 2012, o coletivo brasileiro Bonde do Rolê lançou a remistura que fez para a banda do tema Speak In Rounds. O grupo brasileiro adicionou batidas típicas funk carioca à música, dando-lhe uma toada ainda mais animada e iluminada pelo quente sol brasileiro.

A remistura está disponivel para download gratuito no soundcloud dos Grizzly Bear. Confere...

 

Grizzly Bear - Shields B-Sides

01. Will Calls
02. Taken Down (Marfa Demo)
03. Listen And Wait
04. Smothering Green
05. Everyone I Know
06. Sleeping Ute (Nicolas Jaar Remix)
07. A Simple Answer (Liars Remix)
08. gun-shy (Lindstrøm Remix)


autor stipe07 às 13:05
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013

Garotas Suecas - Feras Míticas

Naturais do Brasil, os Garotas Suecas são Fernando Freire (baixo), Guilherme Sal (voz), Irina Bertolucci (teclas), Nico Paoliello (bateria) e Tomaz Paoliello (guitarra), um coletivo de São Paulo que se estreou em 2009 com o EP Dinossauros e em 2010 com o muito aclamado, colorido e tropical Escaldante Banda, um álbum considerado por imensa crítica como um dos melhores desse ano no país irmão. Três anos depois, Escaldante Banda já tem sucessor; Acaba de ser editado Feras Míticas, um conjunto de novas canções produzidas por Nick Graham Smith e gravadas no Pendulum Studio, entre setembro e dezembro de 2012. Além de uma vasta lista de músicos que colaboraram no processo de gravação e nos próprios espetáculos de promoção, Feras Míticas contou com as participações especiais de Lurdez da Luz em A Nuvem, Kid Congo Powers em L.A. Disco e Paulo Miklos, dos Titãs, em Charles Chacal. Feras Míticas está disponível para download gratuito no sitio da banda.

Desconheço o conteúdo sonoro de Escaldante Banda, mas a leitura de alguma crítica sobre Feras Míticas sugere que este novo disco é um passo em frente no cardápio sonoro dos Garotas Suecas já que representa uma certa inflexão de som e estilo. O primeiro disco era muito vivo, cheio de cor, como já referi, mexido e com muito funk e groove. Feras Míticas é um pouco diferente já que, no seu todo, é um trabalho carregado de melancolia, com uma forte essência pop, sem canções propriamente dançáveis e, por isso, muito mais nostálgico, intimista e ameno do que o disco de estreia, apesar das guitarras cheias de tropicalia de Manchetes de Solidão, o tema de abertura do novo trabalho. Onde antes havia suor e crueza, há agora lágrimas e detalhe. Bucolismo, uma das doze canções do disco, define com exatidão a presente fase das Garotas Suecas e a fuga aos sons festivos em deterimento de algo mais maduro e nostálgico (Estou passando por uma uma fase estranha, Algo novo está preso em minhas entranhas, E nada que eu fizer vai me deixar nesse lugar).

Como é de esperar numa alteração de sonoridade, o catálogo instrumental utilizado também muda e em Feras Míticas o público contacta com uma variedade imensa de instrumentos de cordas, metais e sopro, além da percurssão. De violinos às guitarra e aos violoncelo, passando pelo trombone, trompete e flauta, os Garotas Suecas presenteiam-nos com um amplo panorama de descobertas sonoras que terão sido ampliadas pela presença de Nick na produção, um profissional que aprecia a soul e o funk mas também o rock de outras décadas, referências muito presentes em Feras Míticas, o que faz com que o álbum seja uma espécie de exercício criativo nostálgico, mas sem descurar o efeito novidade.

A voz é um importante trunfo em Feras Míticas, não só por causa do registo vocal de Irina Bertolucci, mas também pelos próprios arranjos que a acompanham e que ajudam a estilizar algumas canções, nomeadamente New Country, L.A. Disco e A Nuvem, temas onde a soul e o R&B estão muito presentes, devido também à ação da voz. Em A Nuvem, como já referi, os Garotas Suecas contaram com a participação especial de Lurdez da Luz na voz e a sua presença é indiscutivelmente uma mais valia na forma como intensifica a relação do tema com o R&BCharles Chacal é um original que esteve para ser gravado pelos Titãs de Paulo Miklos na década de oitenta, algo que não aconteceu porque o tema foi censurado pela ditadura vigente à época. Acaba por ser natural e justa a sua presença na voz que, neste caso, não sendo o principal atributo da canção, é essencial para a complementar com uma certa sujidade roqueira.

Feras Míticas é um exercício musical muito interessante de uma banda que sabe como desatar o nó em que muitas vezes alguns projetos conterrâneos e comtemporâneos se encontram por terem nascido e crescido numa realidade musical riquíssima, mas com contornos sonoros muito particulares e definidos. No Brasil não é particularmente fácil e consensual a aposta em universos sonoros alternativos se antes os projetos se projetaram através de uma fórmula sonora que condensava alguns dos principais tópicos da tropicália para criar um eficaz, divertido e criativo clima de baile. Os Garotas Suecas são um excelente exemplo de como é possível mudar e Feras Míticas, além de ser um álbum que amplia o efeito positivo em cada nova audição, é inspirador porque instiga quem procura novas sonoridades. Espero que aprecies a sugestão...


autor stipe07 às 22:49
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 8 de Agosto de 2013

Nana - Pequenas Margaridas

pequenas margaridas cover art

Chama-se Nana, é uma brasileira natural de Salvador da Baía, tem apenas vinte e dois anos, mas é já um dos nomes a ter em conta no cenário musical indie pop do país irmão. Nana iniciou a sua carreria musical há dois anos e durante este período Nana participou, de acordo com o seu sitio oficial, em importantes eventos em Salvador, como o Festival Zona Mundi, onde fez sua primeira apresentação pública, e o projeto Conexão Vivo Sala do Coro, em que fez um show individual em uma das salas do principal centro cultural da cidade, o Teatro Castro Alves. Esse segundo resultou em um DVD com a apresentação na íntegra e nana ainda participou, escolhida por voto popular, do show de encerramento do projeto, na Concha Acústica do TCA, com capacidade para 5.000 pessoas. Também fez shows de abertura para o duo argentino Finlandia em Feira de Santana e para o músico texano Ben Kweller, no SESC Vila Mariana em São Paulo.

Ontem, dia sete de agosto, chegou finalmente o seu disco de estreia. O trabalho tem o delicioso nome de pequenas margaridas (escrito assim mesmo com, letras minúsculas) e foi inspirado num filme de 1966, com esse nome. Essa película era dirigida por Vera Chytilová, uma importante referência para Nana.

Este trabalho assenta, sonoramente, numa espécie de mistura que flutua entre a típica uma indie pop confortável, feita com a nobreza das cordas e aquele samba mais tímido e experimental. O disco foi produzido e arranjado pela própria cantora, num processo bastante artesanal, com um elevado grau de pureza, que não prescindiu do uso de samples e alguns detalhes da eletrónica, mas sem distorcer o cariz eminentemente acústico e delicado do álbum. O selo Tupynambá ajudou no processo de gravação da voz, os arranjos e as programações ficaram a cargo da própria Nana e de um amigo chamado João, o piano, teclados, a escaleta e o violino, foram gravados num cantinho de Nana, as guitarras em casa desse amigo e o violão e o baixo na casa de outro chamado Luisão. O álbum foi misturado e masterizado por Luis Calil no estúdio casa do chá. Este músico da banda Cambriana foi um complemento essencial para a limpidez final dos treze temas deste trabalho.

pequenas margaridas destaca-se pelas letras confessionais das treze canções, das quais destaco Montanha Russa, Expressionismo Alemão e a adorável I Can’t Fall In Love. A propósito, o texto que acompanha o lançamento deste disco diz que é através dos sons delicados e por vezes introspectivos de sua música que podemos entrar de verdade em seu universo e redescobrir o significado de coisas muitas vezes banais.

pequenas margaridas está disponível para download gratuito no site da cantora e o selo Midsummer Madness iráresponsabilizar-se por parte da distribuição do álbum no Brasil. Espero que aprecies a sugestão...

 



autor stipe07 às 14:16
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2013

Carnaval é Sorte Tribal.

Como é carnaval, o samba é a banda sonora do dia. E todos precisamos, diariamente, de sorte. Fica o Samba Enredo do Grupo de Samba Tribal, A.R.C de Estarreja, em modo É Fartar, Vilanagem. Sorte para eles hoje...


autor stipe07 às 18:36
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

Graveola e o Lixo Polifonico - Eu Preciso de um Liquidificador

Mistura rock, samba, funk, bossa nova e pitadas de música latina, aumenta o som e prepara-te para ouvires Eu Preciso de um Liquidificador, o alegre disco dos Graveola e o Lixo Polifonico, editado já em outubro de 2011, mas que, mesmo com um atraso considerável, não poderia deixar de divulgar, devido às letras bem humoradas e contagiantes e por personificar uma autêntica farra de um grupo de jovens músicos que dialogam abertamente com grandes ícones da música brasileira.

Neste disco incrível, desta banda de Belo Horizonte e disponível para download, ouve-se indie rock feito com bons solos de guitarra, como em Blues Via Satélite e Desencontro e samba, daquele gostoso e sem compromisso, que marca presença em Desdenha. Outro ponto que merece destaque é a sintonia entre as vozes de José Luis Braga e Luiz Gabriel Lopes, o principal compositor dos Graveola e o Lixo Polifonico. Eles ainda ganham um reforço de alguns amigos nas canções Kg de Pão, O Cão e a Ciência e Lindo Toque, algo que reforça o espírito de coletividade no seio da banda.

Eu Preciso de um Liquidificador representa então um enorme salto qualitativo numa banda que esbanja beleza, suculentas texturas musicais e uma formatação sonora rara e habilmente desenvolvida.
É impressionante o número de mentes que trabalham por trás de cada uma das canções que transbordam do disco e ainda mais diversificado é o conjunto de ritmos, sons e incontáveis referências que borbulham enquanto se desenvolve o álbum. Sejam a pop agradável e nada descartável da tal Blues Via Stélite, as pequenas transições pelo jazz e pela bossa nova em Canção para um Cão Qualquer Inverno, o samba, como já referi, em Desdenha, ou mesmo todo o clima caliente de Desmantelado, tudo se ouve como se estivessemos a fazer um grande passeio por diferentes épocas, estilos e preferências musicais.

Os Graveola e o Lixo Polifónico organizam neste Eu Preciso de um Liquidificador um convívio saudável entre tudo o que é música brasileira e promovem a arte da citação sem serem especializados em nenhum género e sem deixarem que qualquer um deles se sobreponha verdadeiramente. A música que se ouve aqui é uma harmoniosa chuva de detritos de toda a espécie, de todos os tempos ou apenas de hoje e representa uma explosão de criatividade que nunca se descontrola nem perde o rumo. Espero que aprecies a sugestão...

 clique na capa do disco para realizar o download gratuito. curta e colabore!


autor stipe07 às 22:50
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

Jens Lekman - Life Will S...

Terrakota - Oxalá

Rita Braga - Gringo In Sã...

Gui Amabis - Trabalhos Ca...

Thievery Corporation – Sa...

Grizzly Bear – Speak In R...

Garotas Suecas - Feras Mí...

Nana - Pequenas Margarida...

Carnaval é Sorte Tribal.

Graveola e o Lixo Polifon...

Tom Zé - Tropicália Lixo ...

X-Files

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds