Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016

Bruno Pernadas - Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them

Com ampla formação musical (Escola do Hot-Club de Portugal e Escola Superior de Música de Lisboa), Bruno Pernadas é um músico versátil. Autor, arranjador e guitarrista nos projetos Julie & the Carjackers, When We Left Paris e Suzie´s Velvet, guitarrista no Real Combo Lisbonense e improvisador rodado, Bruno tem também composto e tocado em vários projectos de artes performativas. How Can We Be Joyful In a World Full of Knowledge? foi o seu disco de estreia a solo, um extraordinário trabalho, composto e produzido pelo próprio em 2014 e que contou com a participação de vários músicos, entre os quais João Correia (Julie & the Carjackers, Tape Junk), Afonso Cabral (You Can’t Win, Charlie Brown), Francisca Cortesão (Minta & the Brook Trout, They’re Heading West) e Margarida Campelo (Julie & the Carjackers, Real Combo Lisbonense). Ano e meio depois dessa auspiciosa estreia, Bruno Pernadas está de regresso com Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them, à boleia da Pataca Discos.

Resultado de imagem para Bruno Pernadas Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them

Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them é uma sequência da sonoridade apresentada em How Can We Be Joyful In a World Full of Knowledge? e que nos permitiu contactar com uma variedade imensa de instrumentos de cordas, metais e sopro, além da percurssão. Dos violinos às guitarras e ao violoncelo, passando pelo trombone, trompete e flauta, Bruno Pernadas presenteou-nos nesse alinhamento com um amplo panorama de descobertas sonoras, numa espécie de exercício criativo nostálgico, mas sem descurar o efeito da novidade, que agora se repete, em dez canções que foram gravadas nos Estúdios 15A, com a colaboração de João Correia, Nuno Lucas, Margarida Campelo, Afonso Cabral, Francisca Cortesão, Diogo Duque, Diana Mortágua, João Capinha e Raimundo Semedo.

Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them oferece-nos um delicioso caldeirão sonoro, onde as composições vestem a sua própria pele enquanto se dedicam, de corpo e alma, à hercúlea tarefa comunicativa que o autor designou para cada uma, individualmente. E fazem-no fervilhando de emoção, arrojo e astúcia, enquanto vêm potenciadas todas as suas qualidades, à medida que Pernadas polvilha o conteúdo das mesmas com alguns dos melhores tiques de variadíssimos géneros e subgéneros sonoros, cabendo, no desfile dos mesmos, liderados pelo jazz contemporâneo, indie rock, pop, folk, eletrónica, ritmos latinos e até alguns lampejos da música dita mais clássica e erudita.

Assim, o exercício que se coloca perante o ouvinte que se predispõe a saborear convenientemente o universo criado por those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them, deverá firmar-se, por exemplo, em Spaceway 70, na vontade de apreciar o modo como uma flauta ou um trompete cirandam em redor de um par de acordes da guitarra, como em Problem number 6 se equilibram com total desembaraço, flashes de samples, alguns sopros que gostam de jogar ao esconde esconde, uma guitarra em contínuo e inquieto frenesim e instrumentos percussivos a tresandar a samba por todos os poros, como na soul contemplativa de Valley in the ocean é dada total liberdade ao piano e às cordas para provocarem em nós uma agradável e viciante sensação de letargia e torpor, o modo como o trompete, o sintetizador e um efeito de guitarra quase surreal produzem um intenso travo oriental e exótico em Anywhere in spacetime, o devaneio cavernoso lo fi das teclas de Because it’s hard to develop that capacity on your own, o ménage a trois desavergonhado e feito cópula, à vez, entre trompete, piano e flauta em Galaxy, ou de perceber a teia intrincada de relações promíscuas que se estabelecem, constantemente, durante os mais de doze minutos de Ya ya breathe, entre as teclas do piano, as distorções da guitarra e os diferentes instrumentos percussivos que se escutam, enquanto o baixo, procura estabelecer alguma ordem e harmonizar um salutar caos, numa composição que sobrevive num terreno experimental e até psicadélico e onde a fronteira entre a heterogeneidade instrumental e melódica final e o (aparente) minimalismo inicial é geralmente indecifrável. Com esta atitude certa, constata-se, então, que those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them é um ponto de partida para muitas emoções agradáveis, por ser, curiosamente, o ponto de chegada de muitas porções de um mundo onde é possível sentir, sonoramente, diferentes cheiros e sabores, enquanto se aprecia composições de diferentes cores, intensidades e balanços, que desafiam e apuram todos os nossos sentidos.

Saboreando poemas escritos em inglês pelo autor do disco e por Rita Westwood, those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them coloca-nos à prova à medida que diante de nós escorre aquilo que o género humano tem de mais genuíno e seu, enquanto Pernadas disserta alegremente e claramente fascinado pelo lado mais luminoso, colorido e natural deste mundo, sobre uma heterogeneidade de sensações e aspetos físicos e naturais que o atraem e que, em contacto com a espécie humana, obriga todas as partes envolvidas a diferentes processos adaptativos, o que resultou numa multiplicidade de raças, experiências e estádios de desenvolvimento que hoje caraterizam a nossa cultura e a nossa essência e que estas dez canções também, à sua maneira, plasmam. E durante este exercício antropológico, o autor aproveita para estabelecer paralelismos com o amor e a teia intrincada de relações, sensoriais e neurológicas que esse sentimento provoca, quer individualmente, quer durante a sua materialização com outro(s), com canções do calibre das já descritas Problem number 6 ou Valley in the ocean a fazerem-nos crer que se há sentimento mais belo e capaz de nos transformar e fazer-nos ver com exatidão o mundo que nos rodeia é a vivência plena do amor. Espero que aprecies a sugestão…

bp_crocodiles_sq1600-72dpi

01. Poem (1)
02. Spaceway 70
03. Problem Number 6
04. Valley In The Ocean
05. Anywhere In Spacetime
06. Poem (2)
07. Because It's Hard To Develop That Capacity On Your Own
08. Galaxy
09. Ya Ya Breathe
10. Lachrymose


autor stipe07 às 18:00
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 2 de Setembro de 2016

O (duplo) regresso de Bruno Pernadas.

Resultado de imagem para bruno pernadas 2016

Com ampla formação musical (Escola do Hot-Club de Portugal e Escola Superior de Música de Lisboa), Bruno Pernadas é um músico versátil. Autor, arranjador e guitarrista nos projetos Julie & the Carjackers, When We Left Paris e Suzie´s Velvet, guitarrista no Real Combo Lisbonense e improvisador rodado, Bruno tem também composto e tocado em vários projectos de artes performativas. How Can We Be Joyful In a World Full of Knowledge? foi o seu disco de estreia a solo, um extraordinário trabalho, composto e produzido pelo próprio em 2014 e que contou com a participação de vários músicos, entre os quais João Correia (Julie & the Carjackers, Tape Junk), Afonso Cabral (You Can’t Win, Charlie Brown), Francisca Cortesão (Minta & the Brook Trout, They’re Heading West) e Margarida Campelo (Julie & the Carjackers, Real Combo Lisbonense). Ano e meio depois dessa auspiciosa estreia, Bruno Pernadas está de regresso e em dose dupla com Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them e Worst Summer Ever, à boleia da Pataca Discos.

Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them é uma sequência da sonoridade apresentada em How Can We Be Joyful In a World Full of Knowledge? e que nos permitiu contactar com uma variedade imensa de instrumentos de cordas, metais e sopro, além da percurssão. Dos violinos às guitarras e ao violoncelo, passando pelo trombone, trompete e flauta, Bruno Pernadas presenteou-nos nesse alinhamento com um amplo panorama de descobertas sonoras, numa espécie de exercício criativo nostálgico, mas sem descurar o efeito da novidade, que agora se repete, em dez canções que foram gravadas nos Estúdios 15A, com a colaboração de João Correia, Nuno Lucas, Margarida Campelo, Afonso Cabral, Francisca Cortesão, Diogo Duque, Diana Mortágua, João Capinha e Raimundo Semedo e que serão alvo de análise crítica neste espaço muito breve.

Já Worst Summer Ever contém oito temas onde Bruno Pernadas explora o jazz, uma das suas linguagens sonoras predilectas, um compêndio gravado nos Estúdios Valentim de Carvalho e na Blackbox do CCB recorrendo a formações variáveis, do trio ao sexteto de jazz: Bruno Pernadas (guitarra), Francisco Brito / Pedro Pinto (contrabaixo), Joel Silva / David Pires (bateria), Sérgio Rodrigues (piano), João Mortágua (Saxofone Alto), Desidério Lázaro (Saxofone Tenor).

A treze e a vinte de setembro, Bruno Pernadas irá apresentar os dois discos no Teatro Maria Matos, estando os bilhetes já disponíveis para venda nos locais habituais. Para já, confere Anywhere In space Time, o primeiro single divulgado de Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them.


autor stipe07 às 17:12
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sábado, 13 de Fevereiro de 2016

Bravestation - V

Depois de Giants Dreamers, álbum editado em 2012 e do EP IV, os Bravestation dos irmãos Devin Wilson (voz e baixo) e Derek Wilson (guitarra) e Jeremy Rossetti (bateria e percurssão), estão de regresso aos discos com V, um EP editado no passado mês de maio. Este projeto tem raízes em Montreal, a cidade canadiana dos mil lagos e inspira-se na novela Brave New World de Aldous Huxley e no ensaio The Station, da autoria de Robert J. Hasting. No entanto, os Bravestation instalaram-se em Toronto no ano de 2008 e viram este seu mais recente tomo de composições ser editado pela etiqueta local Culvert Music, quatro canções que podem ser escutadas no bandcamp da banda.

Algures entre o R&B, o post punk, a new wave e a eletrónica, os Bravestation convidam-nos a escutar paisagens sonoras com uma atmosfera e abordagem tendencialmente pop. De facto, eles são exímios no modo como conseguem colocar uma elevada dose de groove nas canções, com a batida sintética e os teclados de Haven ou o modo particularmente inspirado como em Gemini nos oferecem uma paisagem contemplativa com um charme e uma delicadez subtis, a serem aspectos lúcidos e sustentados que nos confrontam com o modo inspirado como estes Bravestation compõem e dão vida às suas emoções através da música .

Os anos oitenta estão, como se percebe, bastante presentes em V, quer nos efeitos hipnóticos colocados na voz, como nos sintetizadores, que recriam a sonoridade típica dessa década. E, à semelhança do que acontece com outros projetos similares contemporâneos, é possível sentir aqui que a abordagem a esses gloriosos anos da pop soa, ao mesmo tempo, como um retrocesso temporal, mas também algo sonoramente futurista. Espero que aprecies a sugestão...

Bravestation - V

01. Haven
02. Actors
03. Gemini
04. Operator


autor stipe07 às 15:00
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 23 de Outubro de 2015

Telekinesis – Ad Infinitum

Oriundo de Seattle, o baterista e compositor norte americano Michael Lerner é um nome cada vez mais emergente e respeitado no cardápio da Merge Records. Refiro-me ao cerebro por trás do projeto Telekinesis que tem em Ad Infinitum o seu disco mais recente, um álbum que viu a luz do dia a dezoito de setembro e já o quarto do cardápio desta banda que começou o seu trajeto com um homónimo em 2009 e ao qual se seguiram ainda 12 Desperate Straight Lines (2011) e Dormarion (2013).

Embrenhado na cave da sua cidade natal onde tem o seu próprio estúdio de gravação e a passar um momento pessoal feliz já que se casou recentemente, Lerner procura sempre, de disco para disco, ser mais ambicioso e extrovertido no modo como aborda o universo da pop, mas sem descurar uma sonoridade bastante elétrica e próxima do rock n'roll. É uma demanda sonora que, como se percebe logo em Sylvia, olha sem receio para o alto de uma grandiosidade sonora e melódica que não anseia calcorrear os caminhos sempre arriscados e os desafios que o experimentalismo progressivo geralmente coloca. Seja em baladas tranquilas conduzidas pelas teclas sintetizadas, como In A Future World, ou outras composições mais agitadas, como Courtesy Phone ou a inspiradora Farmers Road, esse conceito de amplitude e até alguma magnificiência está sempre presente, normalmente abrigado numa série de camadas eletrónicas e percussões frenéticas, com os timbres de voz a serem frequentemente editados e permeados por uma atmosfera quase espacial, num resultado final com um forte apelo a um saudosismo vintage que se saúda. A sequência final Ad Infinitum part. 1 Ad Infinitum part. 2 acaba por ser o instante sequencial nevrálgico desta demanda quase obsessiva, mas saudável, porque todo o arsenal instrumental utilizado, mas também o acerto e o bom gosto da voz, nomeadamnete no modo como enfatiza o cariz fortemente sensorial da escrita de Lerner, conseguem replicar alguns dos alicerces essenciais do género sonoro em que o disco se quer legitimamente situar.

De facto, Telekinesis está cada vez mais confiante e assertivo no modo como agrega os sintetizadores com as guitarras e fá-lo, em Ad Infinitum, enclausurado numa espécie de máquina do tempo que o levou e depois nos leva até ao período mais aúreo e exuberante da synth pop e a new wave, em plena década de oitenta do século passado. Basta apreciarmos comodamente a batida cadenciada e um tanto sonhadora do single Sleep In e logo se percebe que, felizmente, este músico menos efusivo e mais reflexivo e sonhador não está nada preocupado em agradar às massas e sem intenções comerciais imediatas, mas antes imbuído de ambições e anseios bem maiores e superlativamente recompensadores. Espero que aprecies a sugestão... 

Telekinesis - Ad Infinitum

01. Falling (In Dreams)
02. Sylvia
03. In A Future World
04. Courtesy Phone
05. Sleep In
06. Edgewood
07. It’s Not Yr Fault
08. Farmers Road
09. Ad Infinitum Pt. 1
10. Ad Infinitum Pt. 2


autor stipe07 às 21:19
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 10 de Julho de 2015

The New Division – Gemini

Os The New Division são uma banda de Riverside, nos arredores Los Angeles, formada em 2005 por John Kunkel, ao qual se juntam, ao vivo, Brock Woolsey, Michael Janz,Mark Michalski e Alex Gonzales. Falei deles em finais de 2011 por causa de Shadows, o disco de estreia deste projeto que, como se percebe, é obra da mente criativa de Kunkel. Já o ano passado voltei a aflorar os The New Division devido a Together We Shine, um trabalho que viu a luz do dia por intermédio da etiqueta Division 87 na primavera desse ano e agora, catorze meses depois, Gemini é o novo compêndio sonoro do grupo, treze canções com alguma da melhor pop new wave que se pode escutar atualmente.

O revivalismo punk rock dos anos oitenta, combinado com a eletrónica mais influente dessa época, razão pela qual não será alheia a inserção das palavras New (Order) e (Joy) Division no nome, é a grande força motriz do processo de criação musical de Kunkel, um músico bastante interessando por esse período musical e que procura replicar com uma contemporaneidade que se saúda, plasmada, por exemplo, no inedetismo de alguns efeitos sintetizados, piscando o olho a uma sonoridade pop, luminosa e expansiva, certamente em busca de um elevado sucesso comercial e de ampliar a sua rede de ouvintes e seguidores, além do nicho de seguidores que têm acompanhado o percurso da banda com particular devoção.

Assim, Gemini impressiona, desde logo, pela qualidade da produção, da autoria do próprio Kunkel coadjuvado por F.J. DeSanto e pela aposta firme na criação de um som límpido e que entre o revivalismo e algumas intenções futuristas, agrada e seduz, até pelo forte apelo às pistas de dança. Estamos na presença de um álbum cuidadosamente trabalhado, onde as influências são bem claras e canções como a vigorosa Senseless, a pulsante Iris, a retro Introspective ou a sombria e mais orgânica Alive, foram certamente pensadas para o airplay, baseando-se numa pop épica e conduzida por teclados sintéticos que dão vida a refrões orelhudos e melodias que se colam ao ouvido com particular ênfase.

Apesar do dedilhar de cordas que abastece a melodia de Golden Winter Child e das distorções da épica Murder Shock, as guitarras dominam cada vez menos o processo de criação melódica dos The New Division e neste Gemini os sintetizadores e os efeitos da bateria eletrónica assumem os comandos, com temas como Copycat ou Eyes a olharem de frente para aquela pop nórdica fortemente sentimental que os A-Ha recriaram com mestria no tal período temporal que entusiasma Kunkel.

Não é novidade nenhuma dizer-se que a música enquanto forma de arte é um fenómeno onde quem inova sonoramente pode encontrar aí o caminho para o sucesso. No entanto, penso que esta manifestação artística também é um fenómeno cíclico e que as bandas e artistas que buscam elementos retro de outras décadas para recriar um estilo próprio também poderão encontrar a chave para o sucesso. Exemplos que procuram seguir esta doutrina são bem comuns nos dias de hoje são bem comuns e, ao terceiro disco, já não restam dúvidas que os The New Division escolheram a inesquecível década da ascensão da música eletrónica para sustentar a sua carreira discográfica. Espero que aprecies a sugestão...

The New Division - Gemini

01. ii.
02. Killer
03. Gemini
04. Senseless
05. Iris
06. Introspective
07. i.
08. Alive
09. Golden Winter Child
10. Copycat
11. Eyes
12. Murder Shock
13. Bloom


autor stipe07 às 20:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

The Wombats – Greek Tragedy

The Wombats - Greek Tragedy

É já a seis de abril que os The Wombats de Matthew Murphy, Daniel Haggis e Tord Øverland-Knudsen, regressam aos discos com Glitterburg, um trabalho porduzido pela própria banda e por Mark Crew, que recentemente participou na produção de Bad Blood, o disco de estreia dos Bastille. Glitterburg é o terceiro álbum desta banda de Liverpool que se notabilizou por ofecer canções cheias de guitarras aceleradas, inflamadas com letras divertidas, sempre com um audível elevado foco na componente mais new wave do indie rock.

Greek Tragedy é o primeiro single divulgado de Glitterburg e o respetivo video, dirigido por Finn Keenan, mostra uma fã que tem uma devoção doentia pela banda, perseguindo os seus membros constantemente e invadindo as suas próprias casas e carros. Esta obsessão não é bem aceite pelo grupo, o que causa uma reação radical na admiradora. Confere...


autor stipe07 às 13:23
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 25 de Abril de 2014

Bruno Pernadas - How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowledge?

Com ampla formação musical (Escola do Hot-Club de Portugal e Escola Superior de Música de Lisboa), Bruno Pernadas é um músico versátil. Autor, arranjador e guitarrista nos projetos Julie & the Carjackers, When We Left Paris e Suzie´s Velvet, guitarrista no Real Combo Lisbonense e improvisador rodado, Bruno tem também composto e tocado em vários projectos de artes performativas. How Can We Be Joyful In a World Full of Knowledge? é o seu disco de estreia a solo. Composto e produzido pelo próprio, conta com a participação de vários músicos, entre os quais João Correia (Julie & the Carjackers, Tape Junk), Afonso Cabral (You Can’t Win, Charlie Brown), Francisca Cortesão (Minta & the Brook Trout, They’re Heading West) e Margarida Campelo (Julie & the Carjackers, Real Combo Lisbonense).

O sitio da Pataca Discos esclarece os mais incautos que How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowledge? é Folk, Jazz, Space Age-Pop, Exótica, Afro-beat, Rock Psicadélico, Electrónica e Ambient e, realmente, em How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowledge? o público contacta com uma variedade imensa de instrumentos de cordas, metais e sopro, além da percurssão. Dos violinos às guitarra e ao violoncelo, passando pelo trombone, trompete e flauta, Bruno Pernadas presenteia-nos com um amplo panorama de descobertas sonoras que faz com que o álbum seja uma espécie de exercício criativo nostálgico, mas sem descurar o efeito da novidade.

É impressionante a quantidade de detalhes que Bruno coloca a cirandar quase livremente por trás de cada uma das canções que transbordam do disco e ainda mais diversificado é o conjunto de ritmos, sons e incontáveis referências que borbulham enquanto se desenvolve o álbum. Sejam a pop agradável e nada descartável de Première, as pequenas transições pelo jazz e pela bossa nova em Huzoor, o samba e a blues em Ahhhhh, ou mesmo todo o clima caliente de Guitarras, tudo se ouve como se estivessemos a fazer um grande passeio por diferentes épocas, estilos e preferências musicais.

Assim que o disco começa somos rapidamente absorvido pelo mundo caleidoscópico de Pernadas, um universo cheio de cores e sons que nos causam tanto espanto como a interjeição que intitula o primeiro tema do alinhamento. Em Ahhhhh parece-me que Bruno procura mostrar como abre a sua boca para absorver todos os sons que o rodeiam e que, depois de serem devidamente processados no seu âmago, são novamente expelidos em música, como se a mesma fosse para si tão importante como o ar que respira e que Ahhhhh também pode claramente querer exemplificar. A canção leva-nos do típico ambiente folk nórdico, ao blues de Nashville feito com um subtil e enevoado acorde de uma guitarra elétrica que, adiante, inflete num arco írís de cordas e arranjos luminosos muito típicos da melhor tropicália de além mar, a sul do Equador.

A voz é um importante trunfo em How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowdlege?, quer devido ao registo vocal clássico, que se destaca amplamente não só no Ahhhhh do tema de abertura, mas, principalmente em Première, assim cono na enorme quantidade de samples que Bruno utiliza nas canções sendo, em algumas, o único registo vocal existente.

Após Guitarras, uma canção cujo nome define claramente o jogo instrumental e alegre desse instrumento, ao qual se junta uma espécie de solo de improvisação de xilofone, o ambiente criado em Pink Ponies Don't Fly on Jupiter e as batidas eletrónicas que se escutam, antecipam o que a melancólica dose dupla intitulada How Would It Be propôe-nos, no fundo uma segunda metade do disco em que domina um som essencialmente bucólico, épico e melancólico, que pode servir de banda sonora para um mundo paralelo cheio de seres fantásticos e criaturas sobrenaturais, que aterrarão um dia, algures em L.A., ao som do último tema do alinhamento.

Em suma, How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowledge? é uma coleção de excelentes canções, com uma toada ora tímida ora experimental, pontuadas por uma verdadeira mescla de influências que fazem deste trabalho um verdadeiro e feliz caldeirão sonoro. Se Bruno quis abarcar todo o conhecimento deste mundo no cosmos que é este seu How Can We Be Joyful In A World Full Of knowledge?, o que ele realmente conseguiu foi estabelecer um convívio saudável entre tudo o que é a música hoje como forma de arte, sem se especializar conscientemente em nenhum género e sem deixar que qualquer um deles se sobreponha verdadeiramente.

A música que se ouve aqui é uma harmoniosa chuva de conhecimento musical e espiritual de toda a espécie, de todos os tempos ou apenas de hoje e representa uma explosão de criatividade que nunca se descontrola nem perde o rumo, numa receita pouco clara e nada óbvia, mas com um resultado incrível e único.

Agradeço à Raquel Laíns e à Let's Start A Fire pelo envio do exemplar físico do disco que possibilitou a publicação deste crítica e espero que aprecies a sugestão...

01. Ahhhhh
02. Indian Interlude
03. Huzoor
04. Première
05. Guitarras
06. Pink Ponies Don’t Fly on Jupiter
07. How Would It Be 1
08. How Would it Be 2
09. L.A.


autor stipe07 às 21:37
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 10 de Março de 2014

The Snow - Memory Loss

The Snow

Os The Snow são um novo super grupo formado por elementos influentes de algumas das bandas mais importantes do cenário musical atual que aposta na new wave e no post punk, nomeadamente Dustin Payseur, dos Beach Fossils, Jack Tatum dos Wild Nothing e Andreas Lagerström dos Holograms.

O Record Store Day foi o evento e momento escolhido para os The Snow editarem o seu primeiro single, que já está disponível para audição. O tema chama-se Memory Loss e, como seria de esperar, assenta numa melodia bastante contemplativa e melancólica, feita com um baixo vibrante, guitarras etéreas e um certo reverb na voz.

Memory Loss tem como lado b uma canção chamada Joy Of Life e, como já referi, será editado em formato single a dezanove de abril, o Record Store Day, através da Captured Tracks. Confere...


(via Pitchfork)

 


autor stipe07 às 17:58
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 14 de Janeiro de 2014

Eternal Summers - Gouge

Naturais dos arredores de Vancouver, os canadianos Eternal Summers de Daniel, Nicole e Jonathan, acabam de dar a conhecer Gouge, a primeira amostra de The Drop Beneath, um trabalho que lançado pelo selo Kanine no dia quatro de Março.

Gouge é, à partida a constatação de que o próximo disco dos Eternal Summers será o replicar do percurso bem sucedido trilhado em Correct Behavior (2012) e que assentou muito no uso de melodias assertivas e guitarras velozes. Assim, nesta nova canção a banda lida com o seu habitual ambiente nostálgico e mistura vozes e guitarras carregadas de efeito, até de forma algo lo fi, de forma a criar um ambiente atrativo e íntimo, cada vez mais perto de se relacionar não só com a dream pop, mas também com uma série de elementos específicos da new wave e do indie rock alternativo dos anos oitenta. Confere...


autor stipe07 às 15:02
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 26 de Dezembro de 2013

Os melhores discos de 2013 (20 - 11)

20 - The Blank Tapes - Vacation

Vacation é coerente com vários discos que têm revivido os sons outrora desgastados das décadas de sessenta e setenta e é uma viagem ao passado sem se desligar das novidades e marcas do presente. É um ensaio de assimilação de heranças, como se da soma que faz o seu alinhamento nascesse um mapa genético que define o universo que motiva os The Blank Tapes. É um disco vintage, fruto do psicadelismo que, geração após geração, conquista e seduz, com as suas visões de uma pop caleidoscópia e o seu sentido de liberdade e prazer juvenil e suficientemente atual, exatamente por experimentar  tantas referências do passado.

01. Uh Oh
02. Coast To Coast
03. Tamarind Seeds
04. Pearl
05. Double Rainbow
06. Brazilia
07. Don’t Ever Get Old
08. Vacation
09. Earring
10. Holy Roller
11. Workin

 

19 - Obits - Bed & Bugs

Bed & Bugs não tem grandes segredos; Da solarenga e divertida Pet Trust à hipnótica Besetchet, ouvimos um disco bem definido em termos de sonoridade e exemplar na forma como a recria, através de canções curtas e diretas, mas que servem o propósito de nos proporcionar pouco mais de meia hora de algum do melhor punk rock que se escuta por aí, às vezes tão rugoso e quente como o asfalto que pisamos todos os dias.

13436

  1. Taste the Diff
  2. Spun Out
  3. It's Sick
  4. This Must Be Done
  5. Pet Trust
  6. Besetchet
  7. Operation Bikini
  8. Malpractice
  9. This Girl's Opinion
  10. Receptor
  11. I'm Closing In
  12. Machines
  13. Double Jeopardy (For the Third Time)

 

18 - Men Among Animals - Buried Handsome

Um dos grandes trunfos deste trabalho absolutamente fantástico e delicioso é que, por ser tão complexo e convergente, agrada facilmente quer a gregos quer a troianos; Cada um de nós escutará certamente algo que considera belo e que mexe consigo e poderá selecionar o tema preferido e com o qual melhor se identifica.

Reza a lenda que os Men Among Animals são uma banda que decidiu juntar-se depois de estarem em frente de uma garrafa de vinho quase vazia porque, além de partilharem um enorme gosto pela música, achavam estranho todos os humanos que conhecem confessarem gostar de animais e, por isso, talvez fosse altura de, através da música, desmascarar alguns deles (humanos, entenda-se). Em boa hora resolveram pôr mãos a essa empreitada.

01.The Place You Counted On
02. Kathy
03. Failures Flaws Regret...
04. They Build A Colony
05. Common In A Special Way
06. The Rise That Gave Us Away
07. Old Mr Carson
08. Neighborhood
09. When You Smile
10. Breathe When You're Dead

 

17 - French Films - White Orchids

Numa toada descontraída e ao mesmo tempo visceral, estes finlandeses conseguem juntar uma atmosfera sonora épica, positiva, sorridente e bastante dançável. Vale a pena ouvir o disco todo, sem parêntesis e pausas, com uma atitude descontraída e jovial.

01. White Orchid
02. Where We Come From
03. Ridin’ On
04. Special Shades
05. All The Time You Got
06. Latter Days
07. Long Lost Children
08. Juveniles
09. Into Thousand Years
10. 99

 

16- Eels - Wonderful, Glorious

Wonderful, Glorious pode não mudar muita coisa no universo musical dos Eels devido à riqueza do mesmo, mas a liberdade deste disco acaba por ser uma lufada de ar fresco. A dinâmica do sucesso é difícil de prever, mas Everett e companhia merecem elogios de um público maior do que aquele que o conhece e produziram aqui um punhado de canções marcantes que podem realmente leva-los mais além. Oxalá eles alcancem a fama e o reconhecimento público que tanto reclamam em Wonderful, Glorious, porque bem o merecem.

01. Bombs Away
02. Kinda Fuzzy
03. Accident Prone
04. Peach Blossom
05. On The Ropes
06. The Turnaround
07. New Alphabet
08. Stick Together
09. True Original
10. Open My Present
11. You’re My Friend
12. I Am Building A Shrine
13. Wonderful, Glorious

 

15 - STRFKR - Miracle Mile

Neste novo trabalho dos STRFKR estamos na presença de uma obra com um conteúdo grandioso e experimentações que interagem com a pop convencional. Em suma, um tratado musical leve e cuidado e que encanta. Espero que aprecies a sugestão...

01. While I’m Alive
02. Sazed
03. Malmö
04. Beach Monster
05. Isea
06. YA YA YA
07. Fortune’s Fool
08. Kahlil Gibran
09. Say to You
10. Atlantis
11. Leave It All Behind
12. I Don’t Want to See
13. Last Words
14. Golden Light
15. Nite Rite

 

14 - Paperfangs - Past Perfect

Na estreia, os Paperfangs não se sairam nada mal. Deitaram-se numa nuvem feita com a melhor dream pop escandinava e operaram um pequeno milagre sonoro; Tornaram-se expansivos e luminosos, encheram essa nuvem com uma sonoridade alegre, floral e perfumada pelo clima ameno da primavera que está quase a chegar e o mais interessante é que conseguiram fazê-lo sem grande excesso e com um belíssimo acabamento açucarado, duas das permissas que justificam coerência e acerto na estratégia musical escolhida. Em suma, Past Perfect é um belíssimo álbum, com um conteúdo grandioso e um desempenho formidável ao nível instrumental e da voz, um tratado musical leve, cuidado e que encanta, não sendo difícil ficarmos rendidos ao seu conteúdo.

01. In Age
02. Bathe In Glory
03. Selfless
04. This Power
05. Repeat
06. Darkling, I Listen
07. Widow’s Song
08. Avenue Of Splendours
09. All Girls Are Grey
10. His Famous Last Painting

 

13 - Yo La Tengo - Fade

Com uma variedade de referências e encaixes sonoros que se aproximam do indie rock atual, Os Yo La Tengo fazem em Fade uma espécie de súmula da carreira, já que contém a produção detalhada típica da década de oitenta, as transformações sonoras que experimentaram na década seguinte e a maturidade que demonstraram nos discos lançados já neste século. Pelos vistos, quem, como eu, se interessar mais por esta banda de Hoboken, Nova Jersey, a partir deste disco, terá muito material para descobrir da sua discografia e creio que o número de novos admiradores vai crescer, já que Fade tem tudo para agradar ao público adepto do som feito hoje e aos admiradores do trabalho anterior da banda.

Yo La Tengo - Fade

01. Ohm
02. Is That Enough
03. Well You Better
04. Paddle Forward
05. Stupid Things
06. I’ll Be Around
07. Cornelia And Jane
08. Two Trains
09. The Point Of It
10. Before We Run

12 - Washed Out - Paracosm

Os rótulos que costumam ser associados à música de Washed Out são a chillwave e a dream pop lo fi. Mas este artista é, acima de tudo, um transmissor de tranquilidade que utiliza uma pop sonhadora para nos hipnotizar e funciona como um eficaz soporífero que nos leva para longe de uma realidade tantas vezes pouco agradável.

Um dos maiores méritos deste disco é fazer-nos sentir uma vontade imensa de o compartilhar com quem nos rodeia, uma abordagem expansiva que, de algum modo, contraria o cariz algo introspetivo da dream pop.

Washed Out - Paracosm

01. Entrance
02. It All Feels Right
03. Don’t Give Up
04. Weightless
05. All I Know
06. Great Escape
07. Paracosm
08. Falling Back
09. All Over Now

 

11- Splashh - Comfort

Comfort são pouco mais de trinta e três minutos de pura adrenalina sonora, uma viagem que nos remete para a gloriosa época do rock independente que reinou na transição entre as duas últimas décadas do século passado, um rock sem rodeios, medos ou concessões, com um espírito aberto e criativo. Os Splashh são um nome a ter em conta no universo musical onde se inserem e estão no ponto e prontos a contrariar quem acha que já não há bandas à moda antiga e a fazer música de qualidade.

01. Headspins
02. All I Wanna Do
03. Need It
04. Vacation
05. So Young
06. Lemonade
07. Feels Like You
08. Green & Blue
09. Strange Fruit
10. Lost Your Cool


autor stipe07 às 16:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14

17
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Bruno Pernadas - Those wh...

O (duplo) regresso de Bru...

Bravestation - V

Telekinesis – Ad Infinitu...

The New Division – Gemini

The Wombats – Greek Trage...

Bruno Pernadas - How Can ...

The Snow - Memory Loss

Eternal Summers - Gouge

Os melhores discos de 201...

We Are Us - And This Is ...

I'm In You - Trust

Brandenburg - Empires Wil...

The Features – The Featur...

Bravestation - IV

Light FM – Buzz Kill City

X-Files

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

blogs SAPO

subscrever feeds