Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2015

The Moth And The Flame – Young And Unafraid EP

Os The Moth & The Flame de Brandon Robbins, Mark Garbett, Michael Goldman e Andrew Tolman são uma das melhores descobertas musicais que fiz nos últimos anos, um grupo que me ficou sempre na retina assim que tive a oportunidade de escutar o disco homónimo de estreia deste grupo norte americano natural de Provo, no Utah e atualmente sedeado em Los Angeles, na Califórnia. Esse é um dos álbuns que mais saiu da estante cá de casa nos últimos anos e que até deu origem a um dos takes do blogue na Everything Is New TV. Os The Moth And The Flame lançaram esse disco homónimo de estreia a 11.11.11. e já se encontram em estúdio a preparar o sucessor, juntamente com o produtor Peter Katis (Interpol, The National), Tony Hoffer (M83, Beck) e Nate Pyfer (Parlor Hawk, Fictionist).

Em maio deste ano viu a luz do dia Young & Unafraid, o primeiro single deste que será o segundo registo de originais e que, entretanto, deu origem a um EP com mais quatro canções, editado em setembro último e cujo conteúdo nos oferece algumas luzes sobre o conteúdo sonoro do sucessor de The Moth And The Flame, que verá a luz do dia através da Elektra Records. Já agora, recordo que há dois anos, em 2013, a banda tinha lançado um outro Ep intitulado simplesmente &, um conjunto de canções editado pela Hidden Records e produzido por Joey Waronker (Beck, Atoms For Peace, R.E.M.).

Neste EP Young and Unafraid mantém-se, felizmente, a sonoridade pop atmosférica da estreia, com canções que envolvem o ouvinte em ambientes etéreos, mas com uma sonoridade mais direta e rugosa e com o indie rock a ser elemento ativo de um arquétipo com instantes em que os instrumentos clamam pela simplicidade e outros em que a teia sonora se diversifica e se expande para nos arrastar sem dó nem piedade para um ambiente sombrio e nostálgico, com caraterísticas muito próprias. Há, assim, canções extremamente simples e que prezam pelo minimalismo da combinação de apenas quatro instrumentos, enquanto outras soam mais ricas e trabalhadas, que nos fazem descolar um pouco mais de uma zona de conforto sonora e arriscam ambientes épicos e com uma instrumentalização ainda mais diversificada.

Seja qual for a fórmula aplicada, os The Moth And The Flame pegam firmemente no seu som e usam-no como se fosse um pincel para criar obras sonoras carregadas de pequenos mas preciosos detalhes intrigantes, interessantes e exuberantes. Muitas vezes um simples detalhe fornecido por uma corda, uma tecla ou uma batida aguda dão logo uma cor imensa às canções e a própria voz, que recorda imenso o Beck Hansen do período Sea Changes, serve, frequentemente, para transmitir essa ideia de exuberância e sentimento.

Neste tempo em que abundam os downloads rápidos e as embalagens descartáveis é reconfortante ver uma banda tão interessada e orgulhosa da forma como apresenta a sua música, ainda mais quando o essencial (a música) é bastante recomendável! Uma bonita surpresa que regressa novamente e que espero que aprecies devidamente…

The Moth And The Flame - Young And Unafraid EP

01. Live While I Breathe
02. Run Anyway
03. Young And Unafraid
04. 10 Years Alone
05. Wishing Well


autor stipe07 às 15:56
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 12 de Novembro de 2015

Kisses – Rest In Paradise

Editado a nove de outubro último, Rest In Paradise é o novo registo discográfico dos Kisses, o terceiro de uma dupla norte americana oriunda de Los Angeles e que que usa a eletrónica como principal ferramenta na construção das suas canções, numa lógica sonora que tem feito escola desde a alvorada dos oitentas, mas com um elevado toque de modernidade.

Num disco carregado de temas com airplay fácil e com tudo para darem a volta ao mundo, Jesse Kivel e Zinzi Edmundson, agora já casados e pais de um bebé, oferecem-nos, em quarenta e cinco minutos, um alinhamento com uma elevada componente sintética, mas onde também não faltam guitarras e outros detalhes mais orgânicos, sejam  acústicos ou eletrificadas, mas sempre com a exeriência pessoal do casal como centro nevrálgico da temática das canções, agora liricamente mais maduras, em oposição ao romantismo algo pueril que brotava de Funny Heartbeat, o registo anterior e que lançou estes Kisses para as luzes da ribalta.

Rest In Paradise tem vários momentos particularmente deslumbrantes e efusivos e outros mais contemplativos, mas igualmente intensos. Se o extraordinário single Groove devia ser já uma presença obrigatória em qualquer pista de dança, não só pelo ambiente dançante efusivo que cria, mas também pelo travo vintage psicadélico que contém, já as cançãoseguinte, Sun, mantendo a mesma fórmula instrumental mas reduzindo na cadência das batidas, expôe uma atmosfera diferente, mas bastante melódica e orgânica, algo nua e carregada de sentimento.  Já Control leva-nos de novo para debaixo da bola de cristal, mas agora num registo mais insinuante e com uma linguagem sonora mais marcada por detalhes percussivos que conferem ao tema uma intimidade groove e um desejo de abanar as ancas sem sair do sítio, bastante carregados. É uma abordagem um pouco diferente à dança e onde impera um charme e uma sofisticação muito próprios que os samples de instrumentos de sopro ajudam a ampliar.

Nile acaba por ser, na minha opinião, o grande momento de Rest In Paradise, um portentoso e contemporâneo convite à dança sem restrições e de peito aberto até que o cansaço nos faça sucumbir, um tema que impressiona pela grandiosidade e pelo modo como os efeitos exalam um saudável espontaneidade, alinhados por uma batida quente e um andamento melódico único e fortemente inebriante. Essa canção atesta a tremenda fluidez que estes dois músicos partilham entre si, enquanto casal e intérpretes de uma forma de arte universal e capaz de comungar connosco, como é a música. Ouvir estes Kisses acaba por ser uma sensação algo sedutora, com um efeito narcótico que provoca o nosso íntimo e num abraço profundo, nos acompanha pista fora sem destino previamente traçado e com trechos sonoros em que convém ir buscar as plumas para viajar convenientemente até aos anos oitenta.

Em suma, ao som do ambiente leve, épico e envolvente que marca os alicerces de Rest In Paradise, esta é uma cúpula incisiva entre rock e eletrónica, uma relação quente e assertiva, baseada num alinhamento que nos convoca para uma verdadeira orgia entre sub-géneros da pop, que ao longo das dez canções vão aguardando pacientemente a sua vez de entrar em cena, enquanto saboremos mais um copo e apreciamos um final de tarde glamouroso. Espero que aprecies a sugestão...

Kisses - Rest In Paradise

01. Paradise Waiting Room

02. A Groove
03. Sun
04. Control
05. The Nile
06. Fred Roses
07. Sunset Ltd.
08. Jam
09. Eternal
10. Rest In Paradise


autor stipe07 às 19:55
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sábado, 7 de Novembro de 2015

Line And Circle – Split Figure

Os Line & Circle nasceram da colaboração entre Brian J. Cohen (voz, guitarra) e Brian Egan (teclados), dois músicos do Ohio que entretanto se mudaram para Los Angeles e a quem se juntaram, entretanto, o guitarrista Eric Neujahr, o baterista Nick Cisik, e o baixista Jon Engelhard. Um ano depois de um EP homónimo editado pela própria banda e produzido por Lewis Pesacov, já chegou aos escaparates o primeiro longa duração dos Line & Circle, um disco intitulado Split Figure e que atesta o futuro promissor que já se adivinhava para o grupo aquando da publicação do EP, que vê dois dos três temas do seu alinhamento no conteúdo desta estreia, nomeadamente Wounded Desire e Mesolithic.

Se a beleza pode tornar-se em algo de certa forma cansativo, principalmente quando surge de mãos dadas com a monotonia ou a repetição sucessiva, nestes Line And Circle a beleza das canções contradiz tal premissa, porque estamos na presença de uma luminosa coleção de canções e  que vivem num enredo melódico preenchido por intimismo e drama. Com uma receita instrumental transversal e única, que se comporta como a lava que desce pela montanha abaixo absorvendo e derretendo tudo em redor, define-se por um baixo vibrante, uma percussão ritmada e guitarras cheias de efeitos e melodias ricas. É, claramente, um padrão bastante particular e inspirado e cada uma destas dez canções apresenta uma definição de beleza e cor tão rigorosa, que é impossivel não sentir nesta alquimia harmoniosa um invejável sentido estético.

Split Figure é uma coleção irrepreensível de canções umbilicalmente ligadas ao período aúreo do rock alternativo, que ditou leis em finais do século passado, mas com uma modernidade e atualidade absolutas, com um pulsar textural muito intenso e viciante. Espero que aprecies a sugestão...

Line And Circle - Split Figure

01. Roman Ruins
02. Like A Statue
03. Mine Is Mine
04. Split Figure
05. Mesolithic
06. Wounded Desire
07. Out Of Metaphors
08. Shade Of Pride
09. Complicated Heart
10. Tunnel Joy


autor stipe07 às 22:34
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 28 de Outubro de 2015

Mild High Club – Timeline

Escorre em pouco menos de meia hora pelos nossos ouvidos Timeline, o portentoso disco de estreia dos Mild High Club, a carapaça pop de Alexander Brettin, músico norte-americano fã de Todd Rundgren e Wire.

O esplendor das cordas de Club Intro e o baixo e o teclado de Windowpane, assim como a voz ecoante de Brettin e a chuva de metais que se espalha por este tema, vestem-nos com umas enormes calças à boca de sino, camisas com golas até ao umbigo, desabotoadas na mesma medida, uma barba farta e um florido colar ao pescoço e coloca-nos em redor de todos aqueles que da psicadelia, à dream pop, passando pelo shoegaze e o chamado space rock, se deliciam com a mistura destas vertentes e influências sonoras, sempre em busca do puro experimentalismo e com liberdade plena para ir além de qualquer condicionalismo editorial que possa influenciar o processo criativo de um grupo.

As guitarras são o combustível que inflama os raios flamejantes que cortam a direito e iluminam o colorido universo sonoro dos Mild High Club, feitas de acordes lentos, vibrações cruas bem audíveis, por exemplo em Not To Self e algumas distorções inebriantes e plenas de fuzz e acidez, tudo escorrido sem pressas e com um certo ar preguiçoso, como convém à solarenga califórnia que abriga Brettin. Mas a receita também se compôe com alguns teclados munidos de um interessante arsenal de efeitos e sons originários das mais diversas fontes instrumentais e uma secção rítmica que vive de uma bateria com a cadência exigida pela dose de lisergia que escorre em cada tema, numa sobreposição instrumental em camadas, onde dentro de uma clara essência pop que tem sempre o experimentalismo em ponto de mira, busca também uma acessibilidade que procura fazer de Timeline uma ode imensa de celebração do lado mais estratosférico, descomplicado e animado da vida.

Com outros destaques além dos já citados, este disco só pode ser saboreado convenientemente se tiver for tida em conta a delicada sensibilidade das cordas que suportam a cândida melodia do belíssimo instante de folk psicadélica chamado You And Me e a monumentalidade comovente de The Chat, tema que conta com a participação de Ariel Pink e Weyes Blood. Estes são dois extraordinários tratados sonoros que resgatam e incendeiam o mais frio e empedrenido coração que se atravesse e plasmam, além do vasto espetro instrumental presente em Timeline, a capacidade que estes Mild High Club também têm para compôr peças sonoras melancólicas e apresentar o melodioso com elevada estética pop.

Felizes no modo como se estreiam nos discos com um acervo de canções único e peculiar e que resulta, certamente, da consciência que Alexander Brettin, o grande mentor do projeto, tem das transformações que abastecem a música psicadélica atual, os Mild High Club querem ficar ligados umbilicalmente e logo à partida à lista de referências essenciais na parada psicotrópica explicitamente aberta ao experimentalismo que tem inundado os nossos ouvidos ultimamente. Isso sucede porque Timeline é um tratado sonoro de natureza hermética, mas que não se furta a quebrar algumas regras da pop, nomeadamente na questão da crueza lo fi, e até de desafiar as mais elementares do bom senso que uma estreia quase sempre exige, preferindo impressionar pelo arrojo, mostrando-se assim genial no modo como dá vida a mais um excelente tratado sonoro do melhor revivalismo que se escuta atualmente relativamente ao rock psicadélico do século passado. Espero que aprecies a sugestão...

Mild High Club - Timeline

01. Club Intro
02. Windowpane
03. Note To Self
04. You And Me
05. Undeniable
06. Timeline
07. Rollercoaster Baby
08. Elegy
09. Weeping Willow
10. The Chat (Feat. Ariel Pink And Weyes Blood)


autor stipe07 às 18:08
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 11 de Outubro de 2015

Wavves - V

Poucas semanas após o lançamento de No Life For Me, um disco que resultou de uma parceria com os Cloud Nothings de Dylan Baldi, Nathan Williams está de regresso com o seu projeto Wavves. Assim, Afraid of Heights (2013), o último registo de originais da banda, tem finalmente sucessor, um trabalho intitulado V, o quinto deste grupo californiano e que viu a luz do dia à boleia da Warner Brothers.

Produzido por Woody Jackson, V resgata, sem grandes segredos, truques intrincados ou artifícios desnecessários, um som nostálgico que, como seria de esperar, contém aquela mescla entre surf music e punk rock que bandas como os The Replacements, os Green Day a até os Blink-182, cultivaram e semearam aos sete ventos, exaustivamente no final do século passado. E convém também esclarecer, desde já, que é um indie rock incubado na mente de um músico que não tem, claramente, firmes intenções comerciais, nem uma obsessiva preocupação em vir a fazer parte dos compêndios futuros que compilarem nomes e bandas que serviram de referência essencial ao desenvolvimento da pop e do rock alternativo desta década.

A grande preocupação dos Wavves é, simultaneamente, o seu maior gozo; Oferecer ao ouvinte e ao próprio grupo, canções rápidas e incisivas, de acordes simples e facilmente digeriveis, com refrões orelhudos e intensidade melódica suficiente para divertir uma juventude despreocupada, que vive o imediato e que olha para o amanhã como algo longínquo e que merecerá toda a atenção quando se fizer presente. Até lá, o que importa é curtir ao máximo e este V é uma banda sonora pensada para esse propósito com canções como Way Too Much e Pony, entre outras, a obedecerem a essa fórmula tão legitima como outra qualquer. Se a música faz parte da indústria do entretenimento, V é uma seta apontada diretamente ao centro do alvo desse conceito de animação e que atinge de modo certeiro esse objetivo em All The Same.

Sendo assim, guitarras afundadas em elevadas doses de reverb, com destaque para o desempenho em Flamezszum registo vocal animado e uma bateria sempre frenética, exemplarmente acompanhada por um baixo que se esmera em Redlead e que cumpre sempre à risca a função de acomodar quer o ritmo quer a melodia, constitui a receita instrumental de que os Wavves se serviram para transmitir sensações e ideias tipicamente juvenis enquanto exploram o vasto leque de possibilidades que o punk rock oferece a quem se predispõe, como é o caso, a não colocar entraves e limites na sua exploração.

Disco de audição obrigatória para os apreciadores do género, mas que contém essa limitação de não ser particularmente abrangente, V é uma coleção de canções que obedecem à tradição dos Wavves de oferecerem sempre instantes sonoros capazes de agradar no imediato, enquanto tocam aquilo que realmente gostam e lhes dá prazer. E só por essa faceta genuína e de manutenção de uma integridade que se saúda, é um compêndio sonoro que merece uma audição que deverá ser sempre experimentada de modo divertido e festivo. Espero que aprecies a sugestão...

Wavves - V

01. Heavy Metal Detox
02. Way Too Much
03. Pony
04. All The Same
05. My Head Hurts
06. Redlead
07. Heart Attack
08. Flamezsz
09. Wait
10. Tarantula
11. Cry Baby
12. Fast Ice

 


autor stipe07 às 19:43
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 6 de Outubro de 2015

The Smoking Trees – TST

Oriundos de Los Angeles na Califórnia, os The Smoking Trees são Martin Nunez, aka Sir Psych e Al Rivera, aka L.A.AL. TST é o mais recente longa duração da dupla, um trabalho que viu a luz do dia a dez de julho através do consórcio Ample Play Records/Burger Records/Colour Tree Records e que encarna uma indie pop psicadélica particularmente luxuriante, espiritual e hipnótica.

Verdadeiramente desconcertante e com uma produção eminentemente caseira, TST é um disco que faz da sua audição um desafio constante, quer devido ao modo como coloca em causa, permanentemente e sem concessões, o típico formato canção, mas também pela amálgama heterogénea de arranjos, samples e sons que rodeiam e sustentam as suas composições.

Instrumentalmente, desde a bateria ao baixo, passando pelo orgão, o piano, guitarras, cítaras e um arsenal alargado de instrumentos de percussão, é extenso o rol de convidados para esta festa única e lisérgica, aos quais se juntam gravações de sons do nosso quotidiano e com os quais nos podemos identificar pessoalmente e um infinito arsenal de efeitos e sons originários das mais diversas fontes instrumentais, reais ou fictícias. A partir daí, abundam as sobreposições instrumentais em camadas, onde vale quase tudo, mas nunca é descurado um forte sentido melódico e uma certa essência pop, numa curiosa busca de acessibilidade, apesar do conteúdo de TST ser algo rugoso e com uma forte estética lo fi, havendo o propósito claro de aproximação ao ouvinte, cativando-o para uma audição dedicada.

Logo em Good Morning, a voz modificada sinteticamente, os sons da natureza que se escutam, feitos com o mar e aves e uma caixa de música e depois o espraiar lento de uma cítara, cimentam o combustível que inflama os raios flamejantes que cortam a direito e iluminam o colorido universo sonoro dos The Smoking Trees, feito de distorções inebriantes e plenas de fuzz e acidez. Depois a surf pop vintage de Home In The Morning, toda a herança pop aditiva e luminosa que o espírito barroco das cordas de Best Friend transportam, ou o puro rock psicadélico que baliza Awake In Your Dreams e num formato mais acústico Trips, são alguns dos instantes de TST que fazem destes The Smoking Trees uma banda obrigatória para todos aqueles que da psicadelia, à dream pop, passando pelo shoegaze e o chamado space rock, se deliciam com a mistura destas vertentes e influências sonoras, sempre em busca do puro experimentalismo e com liberdade plena para ir além de qualquer condicionalismo editorial que possa influenciar o processo criativo de um grupo.

Disco desconcertante, TST oferece-nos uma espécie de monumentalidade comovente através de extraordinários tratados sonoros que resgatam e incendeiam o mais frio e empedrenido coração, enquanto plasmam, além do vasto espetro instrumental presente no disco, a capacidade que estes The Smoking Trees possuem para compôr peças sonoras melancólicas e transformar o ruidoso em melodioso com elevada estética pop, não havendo escapatória possível desta ode imensa de celebração do lado mais estratosférico, descomplicado e animado da vida. Espero que aprecies a sugestão...

The Smoking Trees - TST

01. Good Morning
02. Home In The Morning
03. Best Friend
04. Trips
05. It’s Only Natural
06. Awake In Your Dreams
07. She Takes Flight With Me
08. Island Of Adventure
09. Rose Flower Lilac
10. California Air
11. Victoria’s Garden
12. Through Your Reflection
13. She Knows


autor stipe07 às 20:44
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2015

Superhumanoids – Do You Feel OK?

Editado no passado dia onze de setembro através da Innovative Leisure, Do You Feel Ok? é o novo disco dos Superhumanoids de Sarah Chernoff, Cameron Parkins, Max St. John e Evan Weinerman, um projeto oriundo de Los Angeles e que ao segundo disco de originais nos oferece um fluxo de canções muito agradável, relaxante e até algo sensual, com exemplares como Anxious In Venice ou Touch Me a possuirem além de uma energia sexual latente, que a própria capa do disco acentua, um inegável charme, festivo e viciante.

Com um olhar assertivo às pistas de dança, mesmo quando em temas como Dull Boy ou Oh Me se confere uma sonoridade mais atmosférica e melancólica, os Superhumanoids não se entregam por completo à tristeza e também criam canções que apesar de poderem ser fortemente emotivas e se debruçarem em sonhos por realizar, também servem para dançar.

Assim, estes Superhumanoids exploram em Do You Feel Ok? as diversas intersecções que é posssível estabelecer entre a indie, o rock progressivo e a electrónica, numa mistura absolutamente sedutora, como já referi. É uma receita dominada por sintetizadores que revivem o que de melhor se podia escutar há uns bons trinta anos e de braço dado com um baixo sempre vigoroso, várias camadas de efeitos sobrepostos com particular minúcia e coerência e guitarras exuberantes.

Em Do You Feel Ok?, os Superhumanoids não querem só resgatar os sentimentos dos anos oitenta mas também converter a sonoridade dessa época para algo atual, familiar e inovador, ao mesmo tempo. As canções deste disco prendem-se aos nossos ouvidos com a mistura lo fi e os sintetizadores que definiam a magia da pop de há trinta anos atrás, num disco que navega entre a luz e a escuridão e o sintético e o orgânico, em onze canções onde a eletrónica é um elemento preponderante e a presença de outros instrumentos serve apenas para ampliar o contraste e acrescentar novas cores a estes temas, que são, quase todos, muito cativantes. É uma eletrónica simples e intrigante, feita de intimismo romântico que integra uma espantosa solidez de estruturas, num misto de euforia e contemplação. Espero que aprecies a sugestão...

Superhumanoids - Do You Feel OK

01. Anxious In Venice
02. Oh Me I
03. Norwegian Black Metal
04. Touch Me
05. Dull Boy
06. Death Rattle
07. Dada
08. Do You Feel OK?
09. 12 Fingers
10. I Want To Believe
11. Blinking Screens


autor stipe07 às 18:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 29 de Setembro de 2015

Cayucas – Dancing At The Blue Lagoon

Editado a vinte três de abril pela Secretly Canadian, Dancing At The Blue Lagoon é o sucessor de Bigfoot (2012), o disco de estreia dos Cayucas, uma banda sedeada em Santa Mónica, na Califórnia e formada pelos gémeos Zach e Ben.

Produzido por Ryan Hadlock, Dancing At The Blue Lagoon é um retrato feliz de uma Califórnia cheia de sol, praias e pessoas que vivem algo alienadas do mundo real, por mergulharem constantemente nas ondas salgadas de um pacífico que estableece pontes com uma costa oeste cheia de oportunidades e todo auqele conforto que o capitalismo pode foerecer, com Hollywood a ser, de certo modo, o expoente máximo deste modo de viver tão exuberante e frenético como Big Winter Jacket, a canção que nos abre a porta para Dancing At The Blue Lagoon.

Ao segundo disco, os irmãos Yudin resolvem construir o seu próprio filme que narra a infância vivida em Davis, nos arredores de Los Angeles, oferecendo-nos assim um disco verdadeiramente conceptual, com um alinhamento que nos oferece diferentes experiências e sensações que permanecem impressas com detalhe nas mentes dos autores. E os Cayucas fazem-no à boleia de uma sonoridade que se apoia em guitarras eletrificadas e que mesclam algumas das caraterísticas fundamentais do indie rock alternativo, com destaque evidente natural para a surf music, deslumbrante em Moony Eyed Walrus e colorida em Hella, mas que também não descura uma vertente acústica, audivel em Blue Lagoon (Theme Song). Mas as cordas não são só feitas com guitarras; Os violinos de mãos dadas com o piano em Ditches fazem deste tema um dos mais profundos e sentimentais de Dancing At The Blue Lagoon, uma balada intensa e emocionante, com todos os ingredientes que uma canção desse género exige para atingir os pressupostos habituais.

Todo o clima deste disco, expresso com relevo no próprio artwork, é uma experiência divertida e nostálgica de um mundo diferente do nosso, visto pelos olhos de uma dupla que certamente procura, através da música, fazer refletir aquela luz que não se dispersa e que ilumina as seuas memórias, sem serem demasiado complicados no momento de criar sons e melodias que revivem um passado feliz, fazendo-o com canções que fluem naturalmente e, em alguns momentos, transmissoras daquela felicidade incontrolável e contagiante que todos nós procuramos. Espero que aprecies a sugestão...

Cayucas - Dancing At The Blue Lagoon

01. Big Winter Jacket
02. Moony Eyed Walrus
03. Hella
04. Champion
05. Ditches
06. Dancing At The Blue Lagoon
07. Backstroke
08. A Shadow In The Dark
09. Blue Lagoon (Theme Song)


autor stipe07 às 21:05
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015

On An On – And The Wave Has Two Sides

Editado no passado dia vinte e quatro de julho com a chancela da Roll Call Records, And The Wave Has Two Sides é o novo registo de originais dos ON AN ON, um trio norte americano de Minneapolis formado por Nate Eiesland, Alissa Ricci e Ryne Estwing, três antigos membros dos Scattered Trees. Gravado em Los Angeles com o produtor Joe Chiccarelli (Spoon, The White Stripes, My Morning Jacket) depois de uma longa mas bem sucedida digressão, este disco, o terceiro da carreira do grupo, sucede ao aclamado Give In, editado em 2013 e na altura dissecado por cá.

Com um percurso discográfico e sonoro já consolidado e amplamento reconhecido, os ON AN ON sobrevivem à luz de um indie rock que se mistura, muitas vezes, com uma pop eletrónica de forte cariz ambiental, feita com uma míriade imensa de instrumentos e elaboradas cenografias sonoras, que transcendem as noções de género e fronteira, sem nunca se perder de vista a ideia da canção.

And The Wave Has Two Sides não foge à regra no modo como utiliza os sintetizadores, mas também o baixo e a guitarra, para criar telas sonoras que muitas vezes explodem como fogos de artifício, como se percebe em Behind The Gun, mas sem nunca descurar uma forte toada nostálgica e sentimentalmentme impressiva. Já Icon Love é uma viagem letárgica fortemente intimista que obedece a este paradigma, sendo-nos oferecida por todo o arquétipo instrumental acima referenciado e por uma harmonia vocal eloquente e que amplia o brilho da canção. Logo nesta composição percebe-se que o registo vocal de Nate está mais apurado e imbuído com uma aúrea de encantamento superior, sendo depois, no restante alinhamento, um elemento essencial para ampliar o contraste e acrescentar novas cores aos temas dos ON AN ON, que são, quase todos, muito cativantes.

Canções como Alright Alright ou Drifting são dois festins inebriantes de cor e luz reluzente e inspiradora, temas com uma forte vertente épica, emotiva e grandiosa. Algo divergentes em termos estruturais, com o primeiro exemplo a sustentar-se num efeito de guitarra grandioso e o segundo num dedilhar de cordas acústico absolutamente sedutor, convergem, no entanto, no rigor hipnótico com que se servem de um filtro de texturas saturadas para, à boleia de arranjos bem conseguidos e uma riqueza compositória claramente intuita e cerebral, nos oferecerem sensações fortemente melancólicas e que se desbravam num misto de euforia e contemplação, à medida que os diferentes efeitos vão-se revezando na linha da frente da estrutura melódica das composições e comfirmando a sua espantosa solidez. Mesmo as linhas de guitarra mais agrestes de Wait For The Kill ou as variações ritmícas que o baixo e a bateria definem em You Were So Scared, de mãos dadas com um efeito de guitarra curioso, exalam um intimismo romântico bastante peculiar, além de serem excelentes exemplos do que melhor se vai ouvindo no indie rock atual, aprimorando eficazmente a atmosfera sonora de um grupo com uma direção sonora que às vezes parece recuar duas décadas, no modo como cruza sintetizadores e vozes, com cordas e percussão, sempre com uma forte toada nostálgica e contemplativa.

Simples e intrigante, fortemente hermético e fechado num casulo muito próprio, And The Wave Has Two Sides está revestido com uma sonoridade que exige particular dedicação, mas que recompensa quem se atrever a tentar descobrir os seus recantos mais profundos e a procurar desbravar os territórios sonoros queeste disco decalca. Espero que aprecies a sugestão... 

On An On - And The Wave Has Two Sides

01. Behind The Gun
02. Icon Love
03. Alright Alright
04. I Can’t Escape It
05. It’s Not Over
06. Drifting
07. Wait For The Kill
08. Stay The Same
09. You Were So Scared
10. Secret Drone
11. Synth Interlude
12. All At Once


autor stipe07 às 20:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015

Talk In Tongues – Alone With A Friend

O indie rock psicadélico está na ordem do dia e não há volta a dar. Falo de um espetro sonoro que floresce por estes dias da Austrália ao sol da Califórnia, com pujança e a reboque não só de alguns consagrados, mas também de novos nomes que merecem relevo e uma atenção particular. Oriundos de Los Angeles, os norte americanos Talk In Tongues são a nova aposta da Fairfax Recordings devido a Alone With A Friend, o disco de estreia deste grupo, editado no passado mês de maio.

Em 2014 os elementos dos Talk In Tongues deambulavam por outras bandas e projetos e assistiam aos concertos uns dos outros até que um dia resolveram ensaiar juntos, tendo havido desde logo uma enorme química, a única reazão plausível para ganhar vida um disco de tão elevada qualidade em tão pouco tempo, que encarna aquilo que legitimamente se pode considerar como uma estreia bastante auspiciosa.

Na verdade, Alone With A Friend é não só um tiro certeiro e um rumo exato na direção sonora que os membros da banda procuravam individualmente, mas também um marco importante no cenário indie da cidade dos anjos, este ano. E uma das principais razões que desde logo faz deste disco de estreia uma referência obrigatória no espetro sonoro em que se insere é o modo como ao longo do seu alinhamento o reverb e a distorção das guitarras e os efeitos sintetizados replicam com enorme naturalidade uma pop psicadélica que não defraúda a herança que a cimenta, ao mesmo tempo que se encontra imbuída com uma contemporaneidade desarmante e até algo futurista.

Se o riff da guitarra de Time’s Still (For No One Yet) contém aquele ambiente algo místico e espiritual que serve de base ao código genético do indie rock de cariz mais psicadélico, independentemente das diferentes nuances que depois adopta, já o groove do baixo de While Everyone Was Waiting e a sensualidade galopante deste tema é um passo em frente rumo a uma psicadelia funk algo inédita e que oferece a estes Talk In Tongues uma identidade rica e um carimbo particularmente impressivo.

Se os dois temas iniciais de Alone With A Friend constituem, por si só, instantes sonoros que justificam, logo à partida, uma audição atenta e dedicada de todo o alinhamento, a verdade é que o restante conteúdo tem outros momentos que deixarão certamente uma extraordinária impressão relativamente à banda e, melhor que isso, proporcionam momentos de puro prazer e diversão sonoras, capazes de nos elevar a um patamar superior de emoção, movimento e lisergia. E isso sucede quando os Talk In Tongues colocam um pouco de lado os tiques estereotipados que sustentam a arquitetura sonora da pop psicadélica e arriscam na busca pelo tal inedetismo que asfalta um caminho que é só deles e diferente de todos os outros que nos podem levar rumo ao mesmo espetro sonoro. A toada soul repleta de charme de Mas Doper (Love Me Probably), canção envolvida por um efeito ecoante estratosférico, o caldeirão inebriante que resulta da amálgama de sons que escorrem dos sintetizadores de Still Don’t Seem To Care, as flautas e a percussão tribal que nos hipnotiza em Call Fo No One Else, o frenesim visceral mas luminoso e até algo lascivo do surf punk de She Lives In My House ou a sensibilidade melódica, apesar da toada eminentemente sintética e contemplativa de Always All The Time, são composições que nos oferecem um ambiente envolvente, quente, épico, mas também intimista e acolhedor.

Verdadeiro tratado de pop psicadélica, pleno de fuzz e reverb, como já foi referido, mas também muito mais rico e abrangente que estas duas permissas, até porque não se confunde com a miríade de propostas semelhantes que atualmente vão surgindo neste género sonoro, Alone With A Friend só poderia ter germinado num universo muito próprio e certamente acolhedor de uma banda que logo na grelha de partida assume uma posição cimeira à custa de uma sensibilidade pop invulgar e que sabe muito bem o caminho que quer continuar a trilhar no futuro. Espero que aprecies a sugestão...

Talk In Tongues - Alone With A Friend

01. Time’s Still (For No One Yet)
02. While Everyone Was Waiting
03. Mas Doper (Love Me Probably)
04. Still Don’t Seem To Care
05. After Tonight
06. Always Fade
07. Call For No One Else
08. She Lives In My House
09. Who Would Have Guessed
10. Always All The Time
11. Something Always Changes


autor stipe07 às 19:30
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Fevereiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29


posts recentes

The Moth And The Flame – ...

Kisses – Rest In Paradise

Line And Circle – Split F...

Mild High Club – Timeline

Wavves - V

The Smoking Trees – TST

Superhumanoids – Do You F...

Cayucas – Dancing At The ...

On An On – And The Wave H...

Talk In Tongues – Alone W...

The Mowgli's - Kids in Lo...

Gardens & Villa – Music F...

Vinyl Williams - Into

The Mowgli’s – Summertime

Wavves - Way Too Much

Tashaki Miyaki – Under Co...

The New Division – Gemini

The Soft Hills – Cle Elum

The Happy Hollows - Astri...

Vinyl Williams - World So...

X-Files

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

blogs SAPO

subscrever feeds