Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2017

Big Wave Riders – Endless Summer

Depois de Life Less Ordinary, o disco de estreia, editado em 2012, os finlandeses Big Wave Riders de Teppo, Aleksi, Anssi e Pete regressaram recentemente aos discos com Endless Summer, dez canções alicerçadas num rock pulsante, épico e majestoso, um perfil sonoro exemplarmente retratado logo no tema homónimo que abre um alinhamento patrocinado pela Soliti Music, uma etiqueta sedeada em Helsínquia, cidade finlandesa de onde também é oriundo este excelente grupo.

bwr_promo_2_polaroid

Polaroid pic by Anna-Mari Leppisaari.

Olhando para o rock alternativo com aquele olhar tipicamente nórdico, que procura, dentro deste género sonoro, criar canções com forte abrangência instrumental, elevado acerto melódico e uma superior dose de imponência, Endless Summer está impregnado, de alto a baixo, com ecos e ritmos, dominados, predominantemente, pelas cordas eletrificadas, mas também com um indisfarçável toque de lustro eletrónico. Percebe-se facilmente que os Big Wave Riders balizaram as suas influências num género sonoro específico, mas fazem música sem matemática ou cálculos precisos, compondo quer canções rápidas, quer lentas, ou seja, com diferentes ritmos e uma imensa variedade. Assim, se o baixo e a bateria de Escaping The City se aliam à guitarra para alicercar uma canção plena de cor e jovialidade, já em Fearless estes elementos conjuram para cimentar um clima sonoro que, algures entre o frenético e o hipnótico, prende e fustiga, sem apelo nem agravo. Depois, numa abordagem um pouco menos complexa, a guitarra estridente e plena de swing que conduz While You’re Half A World Away e que depois não deixa o punk da dupla Crest Of A Wave e What You Do Is Up To You descarrilar para uma espiral eletrificada de ruídos e ritmos desproporcionados, firma-se como a grande força motriz de um disco ruidoso, algo rugoso até em determinados instantes, mas que não deixa de conter também, algo implicitamente, uma toada doce e sonhadora. Escuta-se o clima animado e descontraído de Flipping The Bird e as variações ritmícas e o looping da guitarra de Rebel Without a Cause e percebe-se que este quarteto não se importa minimamente com as grandes questões que preocupam a gllobalidade do mundo em que vivemos, e que terá, no fundo, uma perspetiva mais imediatista e descomplicada da sua existência. Espero que aprecies a sugestão...

Big Wave Riders - Endless Summer

01. Endless Summer
02. Escaping The City
03. While You’re Half A World Away
04. Fearless
05. Crest Of A Wave
06. What You Do Is Up To You
07. Flipping The Bird
08. A Head Full Of Attitude
09. Rebel Without A Cause
10. Treading The Borderline


autor stipe07 às 14:42
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2016

Sans Parade – Artefacts

Quase três anos após um extraordinário disco de estreia homónimo, os finlandeses Sans Parade regressaram aos álbuns na reta final de 2015 com Artefacts, sete canções que abrigadas pela insuspeita Solina Records nos oferecem um cardápio sem adjetivos suficientemente claros para que possamos definir com exatidão a sua qualidade sonora.

Formados em 2009 pelo músico, cantor e escritor Markus Perttula e pelo músico de house Jani Lehto, os Sans Parade rapidamente tornaram-se num trio quando o músico de jazz Pekka Tuppurainen se juntou à dupla. Hoje o grupo é ainda maior, com músicos que dominam diferentes géneros musicais e que, além dos já referidos, também tocam a folk. Assim, esta massiva junção de géneros e influências, naturalmente iria dar origem a um verdadeiro caldeirão sonoro, algo que se escuta em Artefacts, um disco impregnado com arranjos orquestrais lindíssimos e que começou a ser incubado quando a banda se encontrava a delinear o video de Coastal Town, um dos destaques do disco anterior. Fragmentos encontrados pela câmara de filmar de uma carta rasgada junto a uma ponte, provavelmente relacionada com o ocaso de uma relação amorosa e escrita por uma adolescente que terá sofrido a sua primeira desilusão amorosa, provocaram um click imediato na banda, tal era a profundidade e a autenticidade dos sentimentos plasmados no documento encontrado. 

Depois de destruirem esses fragmentos da carta através de um ritual verdadeiramente catártico, os Sans Parade arregaçaram as mangas e puseram mãos à obra, começando por olhar com particular atenção, para excertos da opera Einstein On The Beach, de Philip Glass, além da carta acima referida, que inspirou porfundamente, por exemplo, Letter Fragments Found On The Halinen Bridge, o tema que encerra Artefacts. Outros excertos de escrita utilizados nas canções foram frases incrustadas em mesas de madeira de restaurantes, inscrições em casas antigas, provérbios chineses e até linhas de programação informática. Todos estes fragmentos inspiraram a banda e deram um sentido a alguns eventos anteriores da mesma, nomeadamente em Chinese Wisdoms on the Road to Jiuzhaighou, que relata uma viagem do grupo à região chinesa de Sichuan, no outono de 2011, ou The Premises Of A Life That Could Have Been Yours, canção que se debruça nas memórias de infância relacionadas com o percurso escolar de alguns elementos do grupo. Já Hyperborea vê o ideário sa sua exuberância instrumental ser sustentado e inspirado pelo conteúdo de Kalevala, a epopeia nacional da Finlândia, escrita e compilada por Elias Lönnrot.

Sustentados pela habitual melancolia que só os grupos escandinavos sabem transmitir, já que este grupo tem, como referi, as suas raízes num ponto do globo artisticamente muito criativo e assenta a sua sonoridade numa mistura de indie pop e indie rock, com post rock e alguns elementos eletrónicos, os Sans Parade deixam aqui bem claro que fizeram mais um disco perfeito para quem tem necessidade de se afundar em sonoridades etéreas para ganhar um novo ânimo e assim deixar para trás as adversidades. O conteúdo orquestral de Chinese Wisdoms on the Road to Jiuzhaighou, um tema que expande os horizontes minimalistas quando, antes de cada refrão, eleva o volume dos instrumentos como um todo e origina uma explosão que nos faz levitar, é um excelente exemplo desta receita que exige que não deixemos escapar nenhum dos imensos detalhes sonoros, enquanto nos deixamos engolir pela voz cândida de Perttula, que soa, quase sempre, a uma perfeição avassaladora e onde custa identificar um momento menos inspirado.

Artefacts é uma espécie de súmula da amálgama de elementos e referências sonoras que inspiram os Sans Parade, o que confere ao disco uma ímpar catalogação, ao mesmo tempo que o seu conteúdo nos conduz para lugares calmos e distantes, que depois nos deixam marcas muito positivas e sintomas claros de deslumbramento. Espero que aprecies a sugestão...

Sans Parade - Artefacts

01. Fenland Tenebrae
02. Hyperborea
03. Chinese Wisdom On The Road To Jiuzhaigou
04. The Premises Of A Life That Could Have Been Yours
05. Farmer’s Tale For A Prepared Piano
06. Of November And Programming
07. Letter Fragments Found On The Halinen Bridge


autor stipe07 às 20:36
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 9 de Agosto de 2015

I Was A Teenage Satan Worshipper – Gtthrgh

Antti, Pasi, Tuomo, Utu e Ringa são os I Was A Teenage Satan Worshipper, um quinteto finlandês oriundo de Helsinquia que se estreou em 2006 com Bees & Honey e que acaba de editar Gtthrgh, o quinto disco da carreira, um trabalho que viu a luz do dia por intermédio da Gaea Records.

O apetite das bandas nórdicas por sonoridades simultaneamente épicas e etéreas, aliadas a guitarras plenas de distorção e que exploram ambientes progressivos é sobejamente conhecida e a Finlândia um território onde abundam projetos que perscutam os caminhos frequentemente tortuosos desta mescla de géneros que, no fundo, acaba por entroncar numa espécie de post rock, com caraterísticas muito próprias e um vincado cariz identitário.

O ar punk destes I Was A Teenage Satan Worshipper não engana! Em The Howling, acrescentam um baixo vigoroso e uma percussão frenética à receita anteriormente enunciada e que encontra, como referi, o seu principal sustento nas guitarras, para construir uma canção  que mostra uma inédita faceta pop, mas criada por uma banda que fará questão de viver permanentemente de braço dado com o experimentalismo e em simbiose com a psicadelia. Um pouco adiante, New Friends acrescenta alguns arranjos sintetizados, com o teclado a vincar esta exploração que vai encontrar as suas raízes nos primórdios do punk britânico da década de oitenta, à boleia de uma melodia que nos conquista e que, quase sem darmos por ela, tem em nós um efeito aditivo e fortemente viciante. No ocaso do disco, em Meshes Of The Afternoon e Pick Your Star, o sintetizador, de braço dado com o baixo, acaba mesmo por ter um papel de elevado protagonismo, não só ao nivel dos arranjos, mas também no próprio andamento das canções. Estes são bons exemplos de como o analógico e o digital, envoltos num manto de referências que nos remetem para o glorioso passado do krautrock, podem sobreviver eficazmente no presente e de um modo particularmente intuitivo e expressivo.

O rock portentoso de Keep Your Secrets, o single já retirado do disco, acaba por ir ainda mais longe, distanciando-se de paisagens sombrias e nebulosas para abraçar as fronteitas do indie rock mais expansivo, tendo um cariz comercial que pressupôe não ter sido inocente a tentativa de compôr uma espécie de canção chamariz, que depois fizesse chamar a atenção do público para o resto do álbum e para a música que os I Was A Teenage Satan Worshipper realmente gostam de fazer. Seja como for, canções como She Wants To Know ou They Don't Hear, também apostam no mesmo indie rock melódico, adornado com arranjos sintetizados e orgânicos muito subtis mas capazes de enriquecer a típica crueza das guitarras, tornando o cardápio de Gtthrgh mais rico e luminoso e dando ao disco uma dupla face que lhe confere uma salutar abrangência e amplitude.

Ao quinto disco os I Was ATeenage Satan Worshipper criam uma porta de entrada perfeita e completamente escancarada para o universo de uma banda com um percurso já sólido e profícuo e feliz a agregar tudo aquilo que tem de melhor o indie rock atual, fazendo-o através de um esqueleto instrumental eminentemente melancólico e claramente embebido num conteúdo vintage heterogéneo, mas relacionado com um tempo futuro, cenários imaginados e universos paralelos. Espero que aprecies a sugestão...

I Was A Teenage Satan Worshipper - Gtthrgh

01. Gtthrgh
02. The Howling
03. She Wants To Know
04. Keep Your Secrets
05. The Rising
06. New Friends
07. They Don’t Hear
08. Meshes Of The Afternoon
09. Pick Your Star


autor stipe07 às 23:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 24 de Agosto de 2014

Sin Cos Tan – Blown Away

Os Sin Cos Tan são um projeto comandado pela dupla Jori Hulkkonen, um importante músico e produtor do cenário eletrónico e Juho Paalosmaa, um músico que faz parte da dupla finlandesa Villa Nah. Os Sin Cos Tan tinham-se estreado em 2012 com um homónimo que foi muito bem aceite pela crítica e que fez incidir sobre eles o olhar da mesma e o sempre difícil segundo disco dos Sin Cos Tan chegou no ano seguinte, um trabalho chamado Afterlife e chamou-me a atenção devido à participação de Casey Spooner em Avant Garde, um dos temas do álbum, um músico que é a metade mais influente dos nova iorquinos Fischerspooner, uma das minhas bandas preferidas, ao qual se junta Warren Fischer. Agora, no passado dia um de agosto, a dupla regressou aos lançamentos com Blown Away, uma coleção de dez canções que viu a luz do dia por intermédio da Solina Records.

Quando dois nomes importantes e talentosos da música se juntam para algum projeto, o resultado geralmente costuma ser satisfatório. Em Blown Away os Sin Cos Tan vão de Brian Ferry aos Pet Shop Boys e os A-Ha e seguem a cartilha sonora na qual a dupla se especializou e que assenta numa eletrónica que navega por várias épocas e influências, mas que se concentra, essencialmente, na pop nórdica dos anos setenta e oitenta.

Os anos setenta e, principalmente, oitenta foram marcantes no mundo da música, assim como no universo cinematográfico. Todos os adultos de hoje cresceram naquele ambiente de euforia e recordam-no com saudade. Em Blown Away, os Sin Cos Tan não querem só resgatar esses sentimentos dos anos oitenta mas também converter a sonoridade dessa época para algo atual, familiar e inovador, ao mesmo tempo. Realizado por Sakke Soini, o próprio vídeo de Love Sees No Colour, o single já retirado de Blown Away, é claramente inspirado nessa época.

As canções desta dupla nórdica prendem-se aos nossos ouvidos com a mistura lo fi e os sintetizadores que definiam a magia da pop de há trinta anos atrás, ditam as regras no processo de criação melódica e de seleção dos arranjos. Mesmo em momentos mais soturnos e melancólicos, os Sin Cos Tan não se entregam por completo à tristeza e também criam canções que apesar de poderem ser fortemente emotivas e se debruçar em sonhos por realizar também servem para dançar.

Blown Away navega entre a luz e a escuridão e o sintético e o orgânico, em dez canções onde a eletrónica é um elemento preponderante e a presença de outros instrumentos serve apenas para ampliar o contraste e acrescentar novas cores a estes temas, que são, quase todos, muito cativantes. É uma eletrónica simples e intrigante, feita de intimismo romântico que integra uma espantosa solidez de estruturas, num misto de euforia e contemplação. Espero que aprecies a sugestão... 

Sin Cos Tan - Blown Away

01. Divorcee
02. Love Sees No Colour
03. A New World
04. Colombia
05. Lifestyle
06. Traffic
07. Addiction
08. Cocaine
09. Blown Away
10. Heart Of America


autor stipe07 às 20:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 8 de Junho de 2014

Black Twig – Heliogram

Depois do aclamado Paper Trees, o disco de estreia editado em 2012, os finalndeses Black Twig estão de regresso aos registos musicais com Heliogram, o segundo álbum deste coletivo oriundo de Helsinquia e formado por Aki (guitarras, voz), Aleksi (bateria), Janne - guitarra, teclados, voz) e Kaarlo (baixo). Heliogram viu a luz do dia a doze de fevereiro último por intermédio da insuspeita Soliti Music e o single Pastel Blue está disponivel para download através da editora.

Paper Trees foi um trabalho que deixou bem claro que este quarteto nórdico gosta de se movimentar livremente pelas múltiplas oportunidades sonoras que a dream pop proporciona. Assim, do shoegaze, ao post rock, passando pelo próprio indie rock e até uma faceta mais punk, são vários os terrenos que os Black Twig têm pisado na sua ainda curta carreira e que Heliogram potencia.

A base melódica através da qual os Black Twig partem para começar a distribuir jogo está bem definida e Heliogram está carregado de belíssimas improvisações melódicas, que criam paisagens enérgicas e cheias de movimento, que não deixam de ter aquela típica melancolia nórdica que nos ajuda a emergir às profundezas das nossas memórias.

As guitarras ferozes do single Pastel Blue destacam-na e fazem dela a canção mais parecida com muitas das propostas punk rock atuais, tendo um cariz um pouco mais comercial, o que pressupôe que não terá sido inocente a tentativa de compôr uma espécie de canção chamariz, que depois fizesse chamar a atenção do público para o resto do álbum e para a música que os Black Twig realmente gostam de fazer. No entanto, canções como Halfaways, um tema que se destaca pelo dedilhar a guitarra, ou a energia instrumental de Sunday Air e Quiet Time, também apostam no mesmo indie punk rock melódico, adornado com arranjos sintetizados e orgânicos muito subtis mas capazes de amenizar a típica crueza das guitarras, tornando as canções mais ricas e luminosas. Mesmo na mais melancólica Further Here, a canção mais acústica e serena do disco, não se perde o ambiente incisivo e a energia psicadélica intrínseca ao ambiente geral do álbum.

Não há dúvida que em Heliogram estes quatro rapazes finlandeses voltaram a levantar asas e subiram bem alto, rumo a paisagens sonoras brilhantes e enérgicas. Com o segundo disco tornaram-se ainda mais expansivos, encheram-se com uma sonoridade vincada, com a atual bagagem vintage algo crua, mas madura e assertiva e conseguiram fazê-lo sem grande excesso e com um belíssimo acabamento açucarado, provando que são hoje um dos projetos mais interessantes da Finlândia. Espero que aprecies a  sugestão...

 www.blacktwigmusic.com/ www.facebook.com/blacktwigmusic twitter.com/blacktwigmusic

Black Twig - Heliogram

01. Halfways
02. Pastel Blue
03. Summer Slow Down
04. Sunday Air
05. On White
06. Floors
07. Until You Know
08. She’s Still My Friend
09. Further Here
10. Quiet Daytime

 


autor stipe07 às 18:33
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 9 de Março de 2014

The New Tigers - The Badger

Os The New Tigers já existem desde 2007, mas só se estrearam nos discos em setembro de 2011 com um homónimo, lançado na altura pela Soliti Records. E no passado dia nove de setembro de 2013 chegou finalmente o sucessor, um disco intitulado The Badger, composto por uma banda da cidade finlandesa de Turku formada por Appu, Valtteri, Janne (baixo) e Ville.


The Badger é mais um exemplo da capacidade de um país nórdico particularmente inóspito, mas bastante desenvolvido culturalmente, em produzir excelentes compêndios de música pop, com uma luminosidade que destoa do ambiente típico de Turku, uma cidade finlandesa com uma movimentada vida cultural e onde frequentemente se cruzam variados mundos e culturas.

Confesso um absoluto desconhecimento em relação ao primeiro disco dos The New Tigers e por isso não posso afirmar se este sucessor está à sua altura, independentemente de ser, ou não, um disco de continuidade. Seja como for, The Badger é um excelente cartão de visita para contatarmos com estes New Tigers, que parecem fazer da sofisticação uma das suas grandes permissas, não só no que concerne à questão melódica das suas canções, mas também da própria escrita das mesmas. As nove canções de The Badger assentam uma relação harmoniosa entre a voz e a guitarra, com a inclusão de interessantes arranjos e detalhes pelos meio, de forma harmoniosa e equilibrada e a conferir um ligeiro toque psicadélico à toada geral do disco.

Os The New Tigers não se ficam pelo habiutal estereótipo das canções pop com pouco mais de três minutos, já que três dos temas de The Badger excedem o dobro desse tempo, mas nem por isso as canções se perdem em segmentos instrumentais de forma desnecessária ou repetitiva, fazendo-o antes com bom gosto e com o tempo certo para que estas canções, que têm o seu tempo próprio, possam ser mostrar tudo aquilo que valem. Os The New Tigers são generosos com o seu reportório e zelam para que as músicas que são geradas no seu leito tenham o espaço adequado para demonstrarem todo o potencial que possuem.

No alinhamento do disco há temas que parecem abordar a tristeza ou a infelicidade e algumas canções até podem parecer que puxam o registo para um universo mais amargurado, mas boa parte do álbum, principalmente nos seus momentos iniciais, é carregado de luz e vivacidade, o que resulta numa coleção de belos acertos sonoros e canções memoráveis. O disco abre com Where Is It e Secondary City e logo aí, ao sermos invavidos pelo fuzz das guitarras, por uma percurssão musculada onde é evidente a simbiose entre o baixo e a bateria e melodias extremamente aditivas com um certo sentido épico, sentimos aquela espécie de perfeição pop que geralmente define uma pop luminosa e vibrante. É como se dessemos um enorme mergulho em sons adocicados e guiados por uma elevada instrumentalidade melancólica. Antarktis baixa um pouco o ritmo permitindo ganhar novamente fôlego para nos deliciarmos com Don't Know Where To Go, umas das melhores canções do álbum, juntamente com o punk rock viciante de Remote Control. Mas o ponto alto de The Badger está, sem dúvida, em Quicksilver, quase oito minutos de uma indie pop vibrante, colorida e solarenga, onde até a voz algo grave ajuda a acentuar o cariz nostálgico de uma das melhores canções que ouvi nos últimos meses.

O disco encerra com Mercury e Gentle Rock, dois temas que, à semelhança de Blue Fell, servem para os The New Tigers exporem mais sentimentos e emoções através de composições puras, encantadoras e delicadas e cuja sonoridade vai do épico ao melancólico, mas sempre com uma vincada e profunda delicadeza. The Badger reflete uma assinalável maturidade de um grupo que deve ter apostado na coerência quando decidiu criar mais um conjunto de canções com elevado bom gosto e asim conseguirem ser joviais e agradar aos ouvintes. Espero que aprecies a sugestão...

s/t

1. Where Is It 
2. Secondary City (Soundcloud)
3. Antarktis
4. Don't Know Where to Go
5. Blue Fell
6. Quicksilver (Soundcloud)
7. Mercury
8. Remote Control (Soundcloud)
9. Gentle Rock


autor stipe07 às 21:51
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 14 de Janeiro de 2014

Delay Trees - Readymade

Os Delay Trees são uma banda de dream pop dos arredores de Helsinquia, na Finlândia, formada por Rami Vierula (voz, guitarra), Lauri Järvinen (voz, guitarra, sintetizador), Onni Oikari (voz, bateria) e Sami Korhonen (baixo, sintetizador). Depois de Doze, o disco editado no ocaso de 2012 e que foi antecedido pelo EP minimalista Soft Construction (2009 ), pelo EP Before I Go Go (2011) e pelo álbum homónimo de estreia (2011), esta banda finlandesa está de regresso com Readymade, mais um excelente lançamento da Soliti Records.

Os Delay Trees já me tinham deixado uma escelente impessão com Doze, um trabalho que deixou bem claro que este quarteto nórdico gosta de se movimentar livremente pelas múltiplas oportunidades sonoras que a dream pop proporciona. Portanto, do shoegaze, ao post rock, passando pelo próprio indie rock e até uma faceta mais ambiental e chillwave, são vários os terrenos que os Delay Trees têm pisado na sua ainda curta carreira e que Readymade potencia.

Seja como for, a base melódica através da qual os Delay Trees partem para começar a distribuir jogo está bem definida! É como se os Beach Boys tivessem uma banda de shoegaze e dream pop; Se tal sucedesse eles seriam os Delay Trees. Readymade está carregado de belíssimas improvisações melódicas, que criam paisagens etéreas e melancólicas que nos ajudam a emergir às profundezas das nossas memórias. É um álbum perfeito para ser mais uma banda sonora para estas noites frias de introspeção e meditação, um disco excelente para ouvir nos headphones junto à lareira, apenas iluminados pela luz que ela e as canções deste álbum debitam.

single Perfect Heartache destaca-se por ser a canção mais parecida com muitas das propostas pop atuais, tendo um cariz um pouco mais comercial, o que pressupôe que não terá sido inocente a tentativa de compôr uma espécie de canção chamariz, que depois fizesse chamar a atenção do público para o resto do álbum e para a música que os Delay Trees realmente gostam de fazer. No entanto, canções como Fireworks, Sister e Big Sleep, também apostam no mesmo indie rock melódico, adornado com arranjos sintetizados e orgânicos muito subtis mas capazes de amenizar a típica crueza das guitarras, tornando as canções mais ricas e luminosas.

Não há dúvida que em Readymade estes quatro rapazes finlandeses voltaram a levantar asas e subiram bem alto, rumo a paisagens sonoras brilhantes e etéreas. Com o terceiro disco tornaram-se ainda mais expansivos e luminosos, encheram-se com uma sonoridade alegre, floral e perfumada pelo clima ameno da primavera que há-de chegar e o mais interessante é que conseguiram fazê-lo sem grande excesso e com um belíssimo acabamento açucarado, provando que são hoje um dos projetos mais interessantes da Finlândia. Espero que aprecies a  sugestão...

Delay Trees - Readymade

01. Intro
02. Fireworks
03. Steady
04. Sister
05. Woods
06. Perfect Heartache
07. The Howl
08. Big Sleep
09. The Atlantic

 


autor stipe07 às 21:05
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2013

Sin Cos Tan - Afterlife

Lançado no passado dia vinte e cinco de outubro, Afterlife é o novo disco dos Sin Cos Tan, uma projeto comandado pela dupla Jori Hulkkonen, um importante músico e produtor do cenário eletrónico e Juho Paalosmaa, um músico que faz parte da dupla findlandesa Villa Nah. Os Sin Cos Tan tinham-se estreado o ano passado com um homónimo que foi muito bem aceite pela crítica e que fez incidir sobre eles o olhar da mesma; Por isso, este sempre difícil segundo disco dos Sin Cos Tan era aguardado com enorme expetativa e chamou-me a atenção devido à participação de Casey Spooner em Avant Garde, um músico que é a metade mais influente dos nova iorquinos Fischerspooner, uma das minhas bandas preferidas, ao qual se junta Warren Fischer.

Quando dois nomes importantes e talentosos da música se juntam para algum projeto, o resultado geralmente costuma ser satisfatório. Em Afterlife os Sin Cos Tan vão de Brian Ferry aos Pet Shop Boys e os A-Ha e seguem a cartilha sonora na qual a dupla se especializou e que assenta numa eletrónica que navega por várias épocas e influências, mas que se concentra, essencialmente, na pop nórdica dos anos setenta e oitenta.

Os anos setenta e, principalmente, oitenta foram marcantes no mundo da música, assim como no universo cinematográfico. Todos os adultos de hoje cresceram naquele ambiente de euforia e recordam-no com saudade. Em Afterlife, os Sin Cos Tan não querem só resgatar esses sentimentos dos anos oitenta mas também converter a sonoridade dessa época para algo atual, familiar e inovador, ao mesmo tempo. Por isso, num trabalho onde se destacam o baixo e o orgão da aditiva Limbo, a batida marcante de Avant Garde, ou a beleza dos sintetizadores de Moonstruck, as canções desta dupla nórdica prendem-se aos nossos ouvidos com a mistura lo fi e esses mesmos sintetizadores que definiam a magia da pop de há trinta anos atrás, continuam a ditar as regras no processo de criação melódica e de seleção dos arranjos. Mesmo em momentos mais soturnos e melancólicos, os Sin Cos Tan não se entregam por completo à tristeza e também criam canções que apesar de poderem ser fortemente emotivas e se debruçar em sonhos por realizar também servem para dançar.

Afterlife navega entre a luz e a escuridão e o sintético e o orgânico, em onze canções onde a eletrónica é um elemento preponderante e a presença de outros instrumentos serve apenas para ampliar o contraste e acrescentar novas cores a estes temas, que são, quase todos, muito cativantes. É uma eletrónica simples e intrigante, feita de intimismo romântico que integra uma espantosa solidez de estruturas, num misto de euforia e contemplação. Espero que aprecies a sugestão... 

Sin Cos Tan - Afterlife

01. Limbo
02. Part Of Me
03. Ritual
04. Heat
05. Destroyer
06. Fair Rewards
07. Heart On A Plate
08. Avant Garde (Feat Casey Spooner)
09. Television
10. Moonstruck
11. Burning Man


autor stipe07 às 14:38
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 15 de Maio de 2013

French Films – White Orchid

Os French Films de francês só têm o nome já que são um quinteto indie rock natural de Helsinquia, Finlândia, formado por Johannes Leppänen (voz e guitarra), Joni Kähkönen (voz e guitarra), Mikael Jurmu (voz e baixo), Santtu Vainio (teclado, percurssão e guitarra) e Antti Inkiläinen (bateria). Lançaram em 2010 o EP Golden Sea e em setembro de 2011, Imaginary Future, o disco de estreia, que na altura divulguei e que fez parte da minha lista dos melhores desse ano. Agora, chegou finalmente o sucessor. O novo trabalho do grupo finlandês chama-se White Orchid e viu a luz do dia novamente através da GAEA Records.

Se o EP Golden Sea foi muito bem recebido pela crítica do rock independente, Imaginary Future, o tal disco de estreia, tinha a mesma sonoridade do EP, ou seja, um rock sujo e lo fi, uma espécie de surf rock com um pé no post punk de um grupo cujo som lembra as praias da Califórnia e um nome que remete à Nouvelle Vague.  Assim, todos os trabalhos da banda, incluindo este White Orchid, são bastante homogéneos e facilmente identificáveis para quem estiver já minimamente familiarizado pelo grupo. Obviamente que esta constatação acaba por ser uma faca de dois gumes já que quem os aprecia delicia-se com esta nova coleção de canções e quem esperava por algo diferente e uma inversão inesperada na sonoridade do grupo, sentir-se-á defraudado com esta nova etapa dos French Films. Talvez isso venha a suceder no terceiro disco...

No My Space da banda os French Films estamparam rostos do francês Serge Gainsbourg e dos Jesus and Mary Chain e descrevem a sua música como sendo inspiradas no inverno frio e escuro. Mas White Orchid é a banda sonora de um dia de verão, um cardápio de surf rock, com trinta e sete minutos de canções curtas mas vibrantes. Existem boas letras, arranjos assentes num baixo vibrante adornado por uma guitarra jovial e criativa e com alguns efeitos e detalhes típicos da pop e do punk dos anos oitenta. A bateria e a secção ritmíca são bastante aceleradas, surgindo ali no meio Latter Days, a fazer de contraponto ao restante conteúdo, graças a um noise diferenciado e a uma melodia mais aberta e luminosa. Em Into Thousand Years a banda também diminui um pouco o ritmo, até porque depois de oito canções, os French Films perceberam que seria bom abrandar um pouco e em boa hora o fizeram.

Em toda esta toada descontraída e ao mesmo tempo visceral, estes finlandeses conseguem juntar uma atmosfera sonora épica, positiva, sorridente e bastante dançável. Vale a pena ouvir o disco todo, sem parêntesis e pausas, com uma atitude descontraída e jovial, já que certamente fará o ouvinte antecipar o verão que se aproxima. Espero que aprecies a sugestão...

01. White Orchid
02. Where We Come From
03. Ridin’ On
04. Special Shades
05. All The Time You Got
06. Latter Days
07. Long Lost Children
08. Juveniles
09. Into Thousand Years
10. 99


autor stipe07 às 17:49
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 28 de Abril de 2013

Black Lizard - Black Lizard

No passado dias cinco de abril chegou aos escaparates, por intermédio da Soliti Music, Black Lizard, o homónimo de estreia dos Black Lizard, uma banda finlandesa formada por Paltsa-Kai Salama, Joni Seppänen (guitarra e sintetizador), Lauri Lyytinen (baixo) e Onni Nieminen (bateria e percurssão).

As sessões de gravação de Black Lizard decorreram entre Berlim e Helsinquia e contaram com a participação especial de Anton Newcombe dos The Brian Jonestown Massacre, sendo Love Is A Lie o primeiro single retirado deste trabalho. Os Black Lizard assentam a sua sonoridade no rock psicadélico e hipnótico, com raízes nos anos setenta, na senda de outras bandas atuais, nomeadamente os Brian Jonestown Massacre, Spacemen 3 ou os B.R.M.C., entre outros.


Para a sonoridade deste homónimo, com nove canções e quase quarenta minutos de duração, terá sido fundamental a ajuda de Anton Newcombe, durante as sessões de gravação que decorreram em Berlim. A simplicidade ao nível da percussão e uma abordagem direta por parte das guitarras em busca da tão ansiada sonoridade hipnótica psicadélica, acabam por ser dois grandes trunfos, com um cunho pessoal que faz dos Black Lizard mais do que apenas uma banda que recorre a uma súmula de influências sonoras.

Cada uma das canções do disco tem um selo próprio ou um detalhe diferente que a diferencia das demais. O disco começa com a simples Honey, Please, um tema muito ao estilo dos Spacemen 3; Depois, Love Is A Lie é uma escolha perfeita para single, principalmente pelos coros e pelo desempenho vocal, em especial ao nível dos coros. New Kind Of High prepara o caminho para Some Drugs, uma canção com uma batida constante altamente aditiva e Forever Gold é um brilhante momento pop, mesmo antes da atmosfera sombria que Thrill proporciona, uma canção muito próxima da sonoridade dos The Velvet Undferground, com a própria voz de Paltsa-Kai Salama a aproximar-se perigosamente do registo de um Lou Reed. Esta aproximação também é audível no final, em Fucking Up. Boundaries é uma das melhores canções do álbum, não só por inculir uma interessante variedade instrumental, que incluí a cítara, que lhe confere um elevado pendor hipnótico, mas por contar com o desempenho de Anton numa curiosa bateria elétrica.

Os finlandeses Black Lizard são mais um nome a ter em conta no universo musical psicadélico e apesar de se dedicarem a dar um cunho próprio a uma sonoridade que surgiu há quase quarenta anos, com este estreia colocaram-se na linha da frente de um grupo importante de bandas que voltaram a colocar no nosso roteiro sonoro o rock psicadélico e hipnótico. Espero que aprecies a sugestão...

Honey, Please
Boundaries
Dead Light
Love Is A Lie
New Kind Of High
Some Drugs
Forever Gold
Thrill
Fucking UP


autor stipe07 às 21:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
20
22

23
25
29

30


posts recentes

Big Wave Riders – Endless...

Sans Parade – Artefacts

I Was A Teenage Satan Wor...

Sin Cos Tan – Blown Away

Black Twig – Heliogram

The New Tigers - The Badg...

Delay Trees - Readymade

Sin Cos Tan - Afterlife

French Films – White Orch...

Black Lizard - Black Liza...

Paperfangs - Past Perfect

Sans Parade – Sans Parade

K-X-P - II

Big Wave Riders – Life Le...

Curtas... LXI

Curtas... LV

French Films - Imaginary ...

X-Files

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

blogs SAPO

subscrever feeds