Terça-feira, 25 de Agosto de 2015

Gardens & Villa – Music For Dogs

Depois de Dunes, disco lançado no início de 2014, os Gardens & Villa, um quarteto norte americano de Santa Bárbara, na Califórnia, formado por Chris Lynch, Adam Rasmussen, Shane McKillop e Dustin Ineman, estão de regresso aos lançamentos discográficos com Music For Dogs, um álbum que foi produzido por Jacob Portrait, contou com as participações especiais de Dusty Ineman (bateria) e Shane McKillop (baixo) e viu a luz do dia há poucos dias através da insuspeita Secretly Canadian.

Oriundos de uma Santa Barbara que funciona um pouco como uma espécie de subúrbio rico da Los Angeles cosmopolita, os Gardens & Villa destacaram-se logo em 2011 quando lançaram o disco de estreia, um homónimo que foi muito bem aceite pela crítica. Agora já na grande metrópole, Music for Dogs, um trabalho gravado em Frogtown, perto de Los Angeles, num local que a banda batizou de Space Command, é um novo passo em frente na carreira de um grupo que confessa sentir-se influenciado pela anos setenta do século passado, com Bowie e Eno a serem balizas decisivas no momento de decidir a etética sonora que orienta o cardápio sonoro.

Lynch e Rasmussen são o núcleo duro dos Gardens & Villa e têm uma intenção artística que vai muito além da música, já que consideram-na como uma manifestação de vida essencial para se perceber as variadas nuances que constroem os alicerces do nosso quotidiano, que ultrapassa tantas vezes a intrincada relaçºao entre isntrumentos pautas e notas musciais. Na verdade, algures entre o andrógeno e o poético, Chris Lynch usa a sua voz para dar cor a sequências melódicas, neste caso em onze temas onde as guitarras de Rasmussen são o fio condutor de praticamente todas as músicas, havendo também outros instrumentos que remodelam musicalmente a banda, num indie pop avant garde onde música, cultura e prazer se debruçam acerca dos avanços teconlógicos dos dias de hoje, colhendo a energia criativa que as mesmas nos oferecem.

O reverb da guitarra, a percussão frenética e o piano descontrolado de Maximize Results, uma canção que parece flutuar entre a estrutura de composição típica dos Foals e a pop madura dos Phoenix e os sintetizadores, metais, vozes em coro e a bateria intensa e crua da surf pop sessentista de Fixations, são detalhes e particularidades musicais que ampliam consideravelmente os horizontes dos Gardens & Villa e nos mostram, logo no início, que estamos na presença de um álbum pop bem sucedido, um tratado com um propósito comercial, algo também patente no blues do single Everybody.

Até ao ocaso do trabalho, o experimentalismo sintético, sentimental e confessional de Alone In The City, a alegoria eletropop de Express, que pisca o olho ao discosound dos anos oitenta e Jubilee, são apenas mais três exemplos que comprovam que Music For Dogs é um disco melódico e acessível a vários públicos, que busca uma abrangência, mas que não resvala para um universo de banalidades sonoras que, em verdade se diga, alimentam há anos a indústria fonográfica. Este é um trabalho onde os Gardens & Villa fazem crescer em cada nota, verso ou vocalização, todos os ingredientes que definem as referências principais da pop e destacam-se porque a tudo isto acrescentam aspetos da música negra, brincam com a eletrónica de forma inédita e conduzem-nos para a audição de um disco doce e, na mesma medida, pop. Melódicos e intencionalmente nen sempre acessíveis, transformam cada uma das canções deste trabalho em criações duradouras, ricas em texturas e versos acolhedores que ultrapassam os limites do género. A pop mantém-se na moda e não há vergonha nenhuma em constatá-lo. Espero que aprecies a sugestão...

Gardens And Villa - Music For Dogs

01. Intro
02. Maximize Results
03. Fixations
04. Everybody
05. Paradise
06. Alone In The City
07. General Research
08. Express
09. Happy Times
10. Jubilee
11. I Already Do


autor stipe07 às 21:37
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

Leo Abrahams - Halo Effect

O músico, produtor e guitarrista Leo Abrahams é uma das novas coqueluches da independente londrina Lo Recordings e reconhecido pela sua participação em discos de Brian Eno, Pulp, Florence + The Machine e Roxy Music, entre outros, além de ter produzido artistas tão reconhecidos como os Wild Beasts, Brett Anderson (Suede) e Karl Hyde (Underworld).

Já no outono Abrahams irá editar o seu quinto registo de originais e o instrumental Halo Effect é o primeiro avanço desse trabalho cujo título ainda não foi divulgado. De um músico que já se movimentou por espetros sonoros tão vastos e díspares como a folk, o rock progressivo, a música clássica contemporânea ou a eletrónica, é de esperar quase tudo desse disco. Seja como for, não há como acender as luzes de néon e sentirmo-nos teletransportados para uma movimentada ruda de Tóquio à boleia de um tema impregnado de batidas e efeitos sintetizados que disparam em diferentes direções, de mãos dadas com alguns acordes de guitarra deslumbrantes e luminosos. Confere...


autor stipe07 às 14:27
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015

Au Revoir Simone - Red Rabbit

Au Revoir Simone - Red Rabbit

Editado no princípio de outubro de 2013 pela Moshi Moshi Records. Move In Sprectrums, o quarto disco das Au Revoir Simone de Erika Spring, Annie Hart e Heather D'Angelo, continua a dar dividendos ao projeto já que ainda não se vislumbra sucessor. No entanto, tal não significa que não haja novidades desta banda oriunda de Brooklyn, Nova Iorque.

Red Rabbit é o novo original das Au Revoir Simone, uma canção que faz parte do alinhamento da banda sonora de Love, Marilyn e a sensualidade colorida e etérea do tema encaixa no espírito do filme e da musa que o inspirou. Confere...


autor stipe07 às 17:15
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sábado, 15 de Agosto de 2015

Hurts - Lights

Hurts - Lights

A dupla britânica Hurts regressa aos discos a seis de outubro com Surrender, o terceiro trabalho do projeto e que foi produzido por Stuart Price e Ariel Rechstaid. Lights é o single mais recente divulgado do álbum, canção sedutora, com uma firme impressão da pop eletrónica dos anos oitenta, assente num refrão marcante, em guitarras plenas de groove, cordas dinâmicas e uma percussão onde não faltam efeitos de palmas. Monumento de sensualidade, este tema antecipa um disco que deverá ter sido pensado para dançar no escuro, de preferência com a pessoa amada. Confere...


autor stipe07 às 10:35
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 11 de Agosto de 2015

Vinyl Williams - Into

Lionel Williams, neto do aclamado compositor John Williams, é um músico e artista plástico natural de Los Angeles que assina a sua música como Vinyl Williams, tendo-se estreado nos disco em 2012 com Lemniscate, um trabalho com uma pop de forte índole lo fi, mas com interessante aceitação no seio da crítica. Três anos depois, Vinyl Williams está de regresso com Into, um álbum que viu a luz do dia a vinte e quatro de julho por intermédio da Company Records, a editora de Chazwick Bundick, também conhecido como Toro Y Moi.

Depois do ideário concetual que conduziu Lemniscate a um universo essencialmente lo fi, três anos depois Vinyl Williams dá um enorme e consistente passo em frente rumo aos meandros mais distintivos e aconselhados da pop, com este Into, uma coleção de canções bastante mais acessíveis, não só no que diz respeito à amplitude das mesmas, mas, e acima de tudo, no que concerne à cor e ao charme, num artista fascinado pela antiguidade, com particular destaque para a cultura egípcia.

Servindo-se, essencialmente, de sintetizadores, mas também das cordas, o músico criou, neste seu segundo álbum, uma paleta colorida, onde não falta emoção e drama, num alinhamento com instantes mais etéreos e introspetivos e outros também extrovertidos e comunicativos, sempre com o experimentalismo e a agregação de diferentes estilos e influências a balizarem a estutura das canções. Aliás, esta noção de arquétipo acaba por ser transversal a todo o conceito artístico de Williams, conforme se percebe no próprio artwork do álbum e na visita à sua página oficial com um conteúdo que vai muito além da música. As composições de Into têm, então, na sequência desta forma de pensar e ver o mundo, uma geometria muito calculada, com os diferentes sons, efeitos e arranjos a serem sempre colocados com particular minúcia e cálculo.

Logo na guitarra de Gold Lodge e no modo como ela se cruza com os efeitos, o teclado e o reverb da voz torna-se claro todo este ideário que conduz Into, com a percussão apelativa e os flashes abrasivos de Space Age Utopia a alargarem ainda mais a sensação submersiva que o disco nos oferece rumo a um universo sonoro muito particular e que deslumbra pelo charme e pela capacidade que tem de apelar ao nosso íntimo. Mas é a pop lisérgica de World Soul que melhor demonstra o o modo como Vinyl Williams, um homem de crenças, se deixa absorver pelas relações nem sempre harmoniosas entre cultura e religião e o conflito interior que a crença, a fé e a constante atração por tudo aquilo que é metafísico tantas vezes provoca no ser humano.

O krautrock e a psicadelia acabam também por andar um pouco em redor dos conceitos sonoros de Vinyl Williams, mas sem descurar o tal cuidado na montagem dos temas, como se percebe, por exemplo, nos quase dez minutos de Xol Rumi. Esta canção é um verdadeiro tratado sonoro que expira toda aquela filosofia algo rigida e maquinal de uns Neu! ou uns Kraftwerk, mas as variações rítmicas e a orgânica das guitarras dão ao tema o agregado sentimental indispensável para que o espiritualismo do autor se manifeste, como se percebe também no emocionado instrumental The Tears Of an Inanimate Object, no space funk de Allaz ou na nuvem sintetizada de sons etéreos em que se acomoda a celestial Greatest Lives.

Criado para ser escutado sem interrupções e repetidamente, Into é um retato impressionista e barroco intenso e de forte cariz ambiental, feito com uma míriade imensa de instrumentos e elaboradas cenografias sonoras, que transcendem as noções de género e fronteira, sem nunca se perder de vista a ideia da canção, um álbum que recompensa quem se atreve a descobrir os seus recantos mais profundos e a procurar desbravar os territórios sonoros que decalca. Espero que aprecies a sugestão...

Into cover art

Gold Lodge
Space Age Utopia
Ring
World Soul

Hall Of Records
The Tears Of An Inanimate Object
Iguana City
Greatest Lives
Zero Wonder
Axiomatic Mind
Eter-Wave-Agreement
Plinth Of Uncanny Design
Allaz
Xol Rumi

 


autor stipe07 às 21:39
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2015

Teen Daze - Along

Teen Daze - Along

Depois de em 2013 o canadiano Teen Daze ter lançado Glacier, o seu terceiro registo de originais, por intermédio da Lefse Records, um disco cheio de ambientes etéreos e texturas sonoras minimalistas, com um cariz um pouco gélido, uma espécie de álbum conceptual que pretendia ser a banda sonora de uma viagem a alguns dos locais mais inóspitos e selvagens do nosso planeta e de alguns meses depois ter editado um novo EP intitulado Paradiso, agora está de regresso com uma proposta completamente diferente intitulada Morning World, o próximo álbum do músico, que vai ser editado por estes dias à sombra da Paper Bag Records.

Produzido por John Vanderslice, este novo disco promete, portanto, uma inflexão do cariz sonoro de Daze para uma toada um pouco mais pop, heterogénea e luminosa, uma conclusão baseada não só no single homónimo divulgado há algumas semanas, mas também por causa de Along, o mais recente avanço disponibilizado e que nos embala não só com a voz doce e nostálgica e um efeito de guitarra envolvente, mas também com alguns efeitos sintetizados atmosféricos a serem a cereja no topo do bolo de uma canção perfeita para estes dias de verão mais relaxantes e reluzentes. Confere...


autor stipe07 às 09:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 22 de Julho de 2015

Outfit – Slowness

Lançado a dezasseis de junho pela Memphis Industries e composto enquanto a banda se encontrava disseminada por dois paises e três cidades, Slowness é o segundo álbum dos Outfit, um quinteto britânico oriundo de Liverpool e formado por Thomas Gorton, Nicholas Hunt, Christopher Hutchinson, David Berger e Andrew Hunt. Slowness sucede a Performance, o disco de estreia dos Outfit, editado em 2013 e, com um olhar angular mas bastante contemporâneo sobre a pop dos anos oitenta, oferece-nos uns Outfit revigorados e iluminados por um som amplo, adulto e bastante atmosférico, algo que se pode conferir logo no piano e nos efeitos de New Air. Esta é  uma fórmula criativa, onde as teclas têm evidente destaque, mas assente, substancialmente, na primazia das guitarras e onde algumas texturas downtempo misturam-se com vozes inebriantes, cheias de alma e da típica e envolvente soul britânica.

A música dos Outfit tem corpo, alma e substância. É para ser encarada e apreciada sem reservas e exige uma análise detalhística, à boleia de todos os nossos sentidos, para que se torne compensadora a sua audição. Não é possível assimilar convenientemente a beleza poética e angelical de Happy Birthday ou o ritmo frenético e a conjugação feliz entre distorções e piano em Smart Thing se Slowness servir, apenas e só, como banda sonora casual de um instante normal e rotineiro da nossa existência. E o que se percepciona, procurando uma análise mais alargada deste cardápio, é que o conteúdo profundo destes dois temas e, por exemplo, os efeitos sintetizados de Boy, não são nada mais nada menos do que duas faces praticamente opostas de uma mesma moeda cunhada com sofisticação e que tem tudo para às vezes poder sensibilizar particularmente os mais incautos.

Mas há outros exemplos do modo hermético e ambicioso como os Outfit se movimentam dentro do espetro sonoro com que se identificam; Os sons abrasivos e os detalhes de alguns samples de Cold Light Home e o modo implícito como o piano os moldam, sem colocar em causa a grandiosidade dessa canção, assim como o luxuoso e luminoso andamento pop de On The Water On The Way evidenciam um notório e aprimorado sentido estético e a junção sónica e algo psicadélica de um verdadeiro caldeirão instrumental e melódico. Já Genderless, um momento de pura experimentação, assente numa colagem de várias mantas de retalhos que nem sempre se preocupam com a coerência melódica e que, por isso, deve ser objeto do maior deleite e admiração, é outro extraordinário exemplo do paraíso de glória e esplendor que os Outfit procuraram recriar no seu segundo disco e que subjuga momentaneamente qualquer atribulação que no instante da sua audição nos apoquente.

Em Slowness houve claramente uma enorme atenção aos detalhes, notando-se um relevante trabalho de produção e a busca por uma cosmética cuidada e precisa na escolha dos melhores arranjos. Também por isso, este é um disco reflexivo e indutor de sensações intrincadas e profundas e nele os Outfit consagram-se como banda relevante no espetro da indie pop de cariz mais eletrónico e, mais importante que isso, dão-nos pistas preciosas sobre como permitir que o nosso íntimo sobreviva e se mantenha íntegro neste mundo tão estranho. Espero que aprecies a sugestão...

Outfit - Slowness

01. New Air
02. Slowness
03. Smart Thing
04. Boy
05. Happy Birthday
06. Wind Or Vertigo
07. Genderless
08. Framed
09. On The Water, On The Way
10. Cold Light Home
11. Swam Out


autor stipe07 às 22:24
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 20 de Julho de 2015

The Go! Team - The Scene Between

Os britânicos The Go! Team de Ian Parton editaram no passdo mês de março o tão ansiado sucessor do aclamado Rolling Blackouts (2011). Esse novo trabalho chama-se The Scene Between, viu a luz do dia através do selo Memphis Industries e, no seu todo, é um compêndio de pop lo-fi colorido, repleto de influências orelhudas, amplo e luminoso e suficientemente cativante, em termos melódicos.

Composto quase na íntegra e produzido pelo próprio Ian Parton, um músico que faz praticamente tudo no projeto exceto cantar, The Scene Between explora diversos territórios sonoros de modo expansivo, com uma sonoridade muito própria e particularmente abrasiva, plasmada logo na épica What D'You Say?, com a produção a refrear claramente tonalidades graves em benefício da típica agudez adocicada tão cara a alguns dos requisitos essenciais da dream pop.

Conhecidos pela mestria com que aglomeram sons anárquicos, distintos e, à primeira vista, incompatíveis, sem deturparem o tradicional formato canção, desta vez os The Go! Team procuraram, sem renegar raízes, romper um pouco com o estilo habitual e, alargando os horizontes até um presente que, no universo do rock alternativo, aposta cada vez mais na eletrónica, colocaram todas as fichas em guitarras angulares, intensas e frenéticas em temas como Waking The Jetstream e feitas de distorções e aberturas distintas, claramente audíveis em Her Last Wave e num baixo com o impacto apenas necessário, com a bateria a colar todos estes elementos, com uma coerência exemplar, fazendo-o de modo extraordinário em Catch Me on the Rebound. Uma multiplicidade de arranjos sintetizados particularmente inspirados e refrescantes, que em Blowtorch definem mesmo o arquétipo sonoro do tema, também destacam-se no trabalho, onde se encaixam letras orelhudas e que causam impacto a quem se dedicar à sua assimilação.

Disco para ser disfrutado no momento e que vale, principalmente, pelo seu imediatismo, monumentalidade e jovialidade The Scene Between são, portanto, doze canções dominadas pelo rock festivo e solarengo e pelo toque delicioso da dream pop, mas onde a eletrónica tem também uma palavra importante a dizer, já que, apesar do papel fundamental da guitarra na arquitetura sonora dos temas, os sintetizadores conduzem também o processo melódico, de modo a replicar uma sonoridade que impressiona pelo equilíbrio perfeito entre a contemporaneidade e um certo charme vintage. Espero que aprecies a sugestão...

 

01 What D'You Say?
02 The Scene Between
03 Waking the Jetstream
04 Rolodex the Seasons
05 Blowtorch
06 Did You Know?
07 Gaffa Tape Bikini
08 Catch Me on the Rebound
09 The Floating Felt Tip
10 Her Last Wave
11 The Art of Getting By (Song For Heaven's Gate)
12 Reason Left to Destroy

 


autor stipe07 às 10:31
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 16 de Julho de 2015

Son Lux – Bones

Editado no passado dia vinte e três de junho, Bones é o novo trabalho dos Son Lux, um trio oriundo de Nova Iorque liderado por Ryan Lott e ao qual se juntam, ao vivo, Rafiq Bhatia e Ian Change. Falo de um projeto que sobrevive à luz de uma indie pop eletrónica de forte cariz ambiental, feita com uma míriade imensa de instrumentos e elaboradas cenografias sonoras, que transcendem as noções de género e fronteira, sem nunca se perder de vista a ideia da canção.

Bones, o quarto álbum da carreira dos Son Lux, é um excelente exemplo de como um disco feito quase exclusivamente com uma instrumentalização baseada em software informático, pode também criar canções com vida, substância e com um elevado pendor orgânico. A eletrónica é aqui um elemento preponderante e a presença de outros instrumentos serve apenas para ampliar o contraste e acrescentar novas cores a estes temas, que são, quase todos, muito cativantes. 

Logo a abrir e após a enigmática intro Breat In, o esplendor de Change Is Everything dá-nos a certeza que estamos perante um álbum épico e cheio de luz. Isso sucede também devido à forma emotiva como Ryan canta a canção, um atributo precioso para dar ao tema essa vertente grandiosa. A míriade instrumental desse tema inclui arranjos com sons de sinos e uma percussão abrasiva e, logo a seguir, os flashes vigorosos da bateria eletrónica de Flight, adornados por samples de flautas e xilofones digitais, comprovam o virtuosismo de Son Lux em frente do computador e o seu génio na criação de texturas sonoras.

No restante alinhamento de Bones percebe-se uma maior dinâmica estrutural das canções relativamente aos trabalhos anteriores, um novo espírito mais superlativo, mas sem haver perda de controle, apesar de Lott arriscar frequentemente não só em variações rítmicas, mas também em densidade e volume, numa mesma canção. O rigor hipnótico do efeitos de You Don't Know Me e os flashes de cordas e as palmas, a toada tribal de Undone adornada depois por uma guitarra cristalina, ou a percussão exórica e cavernosa de Now I Want, são bons exemplos desta riqueza compositória claramente intuitiva e cerebral, que origina uma espécie de eletrónica minimalista mas ampliada até ao máximo do seu potencial. Já a melancolia de White Lies, que se desbrava num misto de euforia e contemplação, à medida que os diferentes efeitos vão-se revezando na linha da frente da estrutura melódica da composição e a espantosa solidez de I Am The Others, uma canção com diferentes linhas agrestes mas que exalam um intimismo romântico bastante peculiar, além de serem excelentes exemplos do que melhor se vai ouvindo na eletrónica atual, são mais dois temas que aprimoram eficazmente a atmosfera sonora de um grupo com uma direção sonora que às vezes parece recuar duas décadas, no modo como cruza sintetizadores e vozes com uma forte toada nostálgica e contemplativa.

Simples e intrigante, fortemente hermético e fechado num casulo muito próprio, Bones está revestido com uma eletrónica que exige particular dedicação, mas que recompensa quem se atreve a descobrir os seus recantos mais profundos e a procurar desbravar os territórios sonoros que decalca. Espero que aprecies a sugestão... 

Son Lux - You Don't Know Me

01. Breathe In
02. Change Is Everything
03. Flight
04. You Don’t Know Me
05. This Time
06. I Am The Others
07. Your Day Will Come
08. Undone
09. White Lies
10. Now I Want
11. Breathe Out


autor stipe07 às 21:15
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 15 de Julho de 2015

Tame Impala - Currents

Três anos após Lonerism, o disco que levou os Tame Impala de Kevin Parker ao estrelato e a um reconhecimento superior que Innerspeaker, o disco de estreia, não tinha proporcionado, chegou finalmente aos escaparates o tão aguardado sucessor desses dois trabalhos que refletiram a exploração de um universo muito pessoal e privado do grande mentos do projeto. O novo álbum deste quinteto australiano intitula-se Currents, está novamente abrigado pela chancela da Modular e da Interscope Records e, sendo mais pop, dançante e eletrónico que os antecessores, não deixa de conter essa vertente pessoal fortemente impregnada. Eventually, por exemplo, uma balada tranquilamente pop e um dos singles retirados do disco, poderá muito bem refletir a separação recente de Kevin Parker de Melody Prochet, vocalista do projeto francês Melody's Echo Chamber.

A nostalgia e o modo como são apresentados com uma contemporaneidade invulgar alguns sons do passado, continua a ser uma pedra de toque importante na discografia dos Tame Impala, conhecidos por nos transportar até aos dias em que os homens eram homens, as raparigas eram girl-groups e a vida revolvia em torno da ideia de expandir os pensamentos através de clássicos de blues rock, com os Cream ou Jimmy Hendrix à cabeça. E Currents não foge à regra deste modus operandi, mas num rumo diferente dos antecessores, com temas como I Less Know The Better ou Disciples a persistirem nos constantes encaixes eletrónicos durante a construção melódica e juntando um almofadado conjunto de vozes em eco e guitarras mágicas que se manifestam com uma mestria instrumental vintage única, mas apostando, fundamentalmente, em texturas mais sintéticas, exemplarmente sintonizadas nas sobreposições e mudanças de ritmo de Really In Motion, um dos temas onde eletrónica e psicadelia se juntam de modo a descobrir novos sons, dentro de um espetro eminentemente pop. Aliás, Currents está cheio de exemplos em que se passa, num ápice, do hip-hop para o R&B, com a nostalgia deste genero, esplendorosa em Cause I'm A Man e a fazer recordar um R. Kelly na fase mais fulgurante da carreira, a dominar o ambiente sonoro do disco e com Love/Paranoia a aconchegar-se nos nossos ouvidos e a colar-se à pele com o amparo certo para que se expresse a melíflua melancolia que Parket certamente quis que deslizasse das suas canções, já que o mistério é, também, um elemento estruturante da sua filosofia sonora.

Assim, e olhando para Currents como um todo, se logo em Let It Happen, o longo tema de abertura, ficou explícito que os Tame Impala estão menos dependentes das guitarras e que resolveram chamar os sintetizadores para um plano de maior destaque, que em The Moment revelam-se particularmente esplendorosos e eficazes nessa tal busca de efeitos genuínos e futuristas, a verdade é que, pouco depois, sem deixarem de lado a sua típica groove viajante, plasmam em Yes I'm Changing a tal estética mais próxima de uma certa pop negra avançada, fazendo-o com uma vibração excitante, onde não faltam alguns samples de sons urbanos, espelhando essa opção por uma toada mais R&B, mas mantendo-se a temática de revisão da psicadelia que busca pontos de encontro com o rock clássico, proposto há mais de quatro décadas por gigantes que se entregaram ao flutuar sonoro da lisergia.

Em suma, cheio de espaço, minimal e carregado de sintetizadores impregnados de efeitos, com texturas e fôlegos diferentes e onde aquela sensação de experimentação caseira ainda bem presente, além de letras simples e até algo vagas, Currents clarifica as novas coordenadas que se apoderaram do departamente de inspiração de Parker, sendo o resultado da sua nova ambição em se rodear com uma aúrea resplandescente e romântica e de mostrar uns Tame Impala renovados e cada vez mais heterogéneos e abrangentes. Além de encontrarmos Currents nas lojas em breve, será possível também ver os Tame Impala em Portugal este ano, pois já estão confirmados no Festival Vodafone Paredes de Coura. Espero que aprecies a sugestão...

Tame Impala - Currents

01. Let It Happen
02. Nangs
03. The Moment
04. Yes I’m Changing
05. Eventually
06. Gossip
07. The Less I Know The Better
08. Past Life
09. Disciples
10. Cause I’m A Man
11. Reality In Motion
12. Love/Paranoia
13. New Person, Same Old Mistakes


autor stipe07 às 22:01
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Bloglovin

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Gardens & Villa – Music F...

Leo Abrahams - Halo Effec...

Au Revoir Simone - Red Ra...

Hurts - Lights

Vinyl Williams - Into

Teen Daze - Along

Outfit – Slowness

The Go! Team - The Scene ...

Son Lux – Bones

Tame Impala - Currents

The New Division – Gemini

Everything Everything - G...

Kubalove - Trouble

Howling - Sacred Ground

Numbers Are Futile - Sunl...

La Garçonne - As Days Go ...

Barbarossa – Imager

Passion Pit – Kindred

The Vaccines – English Gr...

Love Nor Money - Shake Me

X-Files

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

Procura...

 

Visitors (since 31.05.12)

blogs SAPO

subscrever feeds