Domingo, 9 de Agosto de 2015

Silversun Pickups – Nightlight

Silversun Pickups - Nightlight

Os californianos Silversun Pickups de Brian Aubert estão de regresso aos discos com Better Nature, um trabalho que irá ver a luz do dia no final do próximo mês de setembro, através da New Machine Records, a própria editora da banda.

Nightlight, o primeiro avanço divulgado desse álbum, é um tema onde o habitual shoegaze dos Silversun Pickups é dominado por uma guitarra com efeitos que criam uma sonoridade vigorosa e visceral particularmente épica. Esta canção já teve direito a um vídeo realizado por Mark Pellington, conhecido por ter dirigido, por exemplo, o famoso vídeo de Jeremy, dos Pearl Jam. Nesta composição dos Silversun Pickups ele dá um toque cinematográfico ao tema, incorporando elementos noir para contar a história de uma assassina, protagonizada pela atriz Meg Steedle, da série Broadwalk Empire. Confere...


autor stipe07 às 11:15
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 6 de Agosto de 2015

Cold War Kids – Five Quick Cuts EP

Os norte americanos Cold War Kids regressaram recentemente aos lançamentos discográficos com Five Quick Cuts, um EP com cinco canções, que são lados b de Hold My Home, o último longa duração da banda e que viu a luz do dia no passado mês de outubro por intermédio do selo Downtown, em parceria com a Sony RED e uma nova versão do instrumental Portuguese Bend.

Esta banda de Silverlake, na Califórnia, tinha-se destacado com Dear Miss Lonelyhearts e Hold My Home, o sucessor, produzido por Lars Stalfors e os próprios Cold War Kids, mostrou ser um disco alegre e expansivo, à custa de emoções fortes embrulhadas em temas simples, adornados com enorme versatilidade e um elevado pendor pop. Na verdade, Hold My Home estava longe de se abrigar apenas à sombra de canções melódicas convencionais e reforçou o brilho raro de uma banda enérgica e com enormes qualidades intrínsecas, num luminoso tratado de indie rock, feito com uma percussão imponente e melodias contagiantes.

Estas cinco canções, editadas na ressaca da mais recente edição do Record Store Day, ajudam a compreender melhor todo o arquétipo sonoro que baliza atualmente este quarteto e foram uma escolha feliz para uma banda que tem também no seu horizonte conseguir atingir um público vasto e cimentar uma forte base comercial. Espero que aprecies a sugestão...

Cold War Kids - Five Quick Cuts

01. Stop / Rewind
02. Amazing
03. One Song At A Time
04. Portuguese Bend
05. Thunderhearts


autor stipe07 às 23:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 23 de Julho de 2015

Wavves - Way Too Much

Poucas semanas após o lançamento de No Life For Me, um disco que resultou de uma parceria com os Cloud Nothings de Dylan Baldi, Nathan Williams está de regresso com o seu projeto WavvesAfraid of Heights (2013), o último registo de originais da banda, tem finalmente sucessor, um trabalho intitulado V e que será o quinto deste grupo californiano.

A letra imediata e a melodia aditiva de Way Too Much, o primeiro single divulgado de V, balança algures entre os The Replacements, os Green Day a até os Blink-182, mas não deixa de ser uma típica canção dos Wavves, pelo modo como aborda a surf music e o punk rock, juntando-se ainda a essência pop de Williams. Confere...


autor stipe07 às 11:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 13 de Julho de 2015

Wavves And Cloud Nothings – No Life For Me

Dois dos nomes mais consensuais e profícuos do indie rock lo fi atuais são, certamente, os Wavves de Nathan Williams e os Cloud Nothings de Dylan Baldi. Para regalo dos ouvidos de todos aqueles que, como eu, seguem com particular devoção este subgénero do indie rock, No Life For Me, um compêndio de nove canções assndao pelas duas bandas, é um dosmarcos discográficos do ano, sem qualquer dúvida. No Life For Me aparece nos escaparates à boleia da Ghost Ramp e foi gravado e produzido pelo coletivo Sweet Valley, formado por Nathan e o seu irmão Joel Kynan, sendo um trabalho que, na sua génese, é feito de experimentações sujas que procuram conciliar esta componente lo fi com a surf music, numa embalagem caseira e íntima e que não coloca em causa o adn sonoro identitário dos dois projetos.

No Life For Me junta talentos fazendo-o, felizmente, sem pretensões demasiado grandiosas ou eloquentes. Costura a sonoridade calculadamente poluída dos Wavves com a energia típica dos Cloud Nothings, de modo a que no disco transpire sempre, na quase meia hora que dura, a inexistência de alguma música em que prevaleça um dos projetos, sendo mais do que um trabalho de simbiose, uma compilação em que o resultado final é algo de particularmente novo e inovador, tendo em conta o percurso discográfico dos autores.

As nove canções do álbum são quase todas aceleradas e feitas com guitarras aditivas e uma voz que às vezes parece perder o tom, mas que nunca descura o teor melódico, sendo essa apenas e só aparente lacuna, mais um detalhe, certamente propositado, para o charme pretendido. Aliás, também não falta, em alguns instantes, aquela componente surf pop muito californiana, onde Nathan muitas vezes se deita para compôr.

Se a introdução de Nervous, acomodada num baixo irrepreensível e num excelente refrão cheio de loopings e arranjos distribuídos em camadas, faz deste tema um momento intenso e obrigatório no disco, canções como a intuitiva Come Down ou o o reverb do tema homónimo induzem o peso e a velocidade que os dois grupos exigem, com Nothing Hurts a encerrar com beleza e bom gosto um trabalho arrojado e que, apesar do constante noise das guitarras, nunca deixa de conter uma sonoridade aberta, acessível e pop.

Álbum, na minha opinião, fundamental e também percurssor da reinvenção do movimento lo fi tão em voga nos últimos anos e que tem dado alguma primazia à vertente psicadélica, como comprovam os conterâneos Ty Segall ou The Oh Sees, No Life For Me é um passo significativo numa outra direção, mas igualmente nobre e bem sucedida, de duas bandas que, sem deixarem de ser rugosas, intensas e viscerais, procuram um brilho pop mais acessivel e imediato e uma abordagem ao noise mais elástica, orelhuda, angulosa e até radiofónica. Espero que aprecies a sugestão... 

Wavves And Cloud Nothings - No Life For Me

01. Untitled I
02. How It’s Gonna Go
03. Come Down
04. Hard To Find
05. Untitled II
06. Nervous
07. No Life For Me
08. Such A Drag
09. Nothing Hurts


autor stipe07 às 22:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 10 de Julho de 2015

The New Division – Gemini

Os The New Division são uma banda de Riverside, nos arredores Los Angeles, formada em 2005 por John Kunkel, ao qual se juntam, ao vivo, Brock Woolsey, Michael Janz,Mark Michalski e Alex Gonzales. Falei deles em finais de 2011 por causa de Shadows, o disco de estreia deste projeto que, como se percebe, é obra da mente criativa de Kunkel. Já o ano passado voltei a aflorar os The New Division devido a Together We Shine, um trabalho que viu a luz do dia por intermédio da etiqueta Division 87 na primavera desse ano e agora, catorze meses depois, Gemini é o novo compêndio sonoro do grupo, treze canções com alguma da melhor pop new wave que se pode escutar atualmente.

O revivalismo punk rock dos anos oitenta, combinado com a eletrónica mais influente dessa época, razão pela qual não será alheia a inserção das palavras New (Order) e (Joy) Division no nome, é a grande força motriz do processo de criação musical de Kunkel, um músico bastante interessando por esse período musical e que procura replicar com uma contemporaneidade que se saúda, plasmada, por exemplo, no inedetismo de alguns efeitos sintetizados, piscando o olho a uma sonoridade pop, luminosa e expansiva, certamente em busca de um elevado sucesso comercial e de ampliar a sua rede de ouvintes e seguidores, além do nicho de seguidores que têm acompanhado o percurso da banda com particular devoção.

Assim, Gemini impressiona, desde logo, pela qualidade da produção, da autoria do próprio Kunkel coadjuvado por F.J. DeSanto e pela aposta firme na criação de um som límpido e que entre o revivalismo e algumas intenções futuristas, agrada e seduz, até pelo forte apelo às pistas de dança. Estamos na presença de um álbum cuidadosamente trabalhado, onde as influências são bem claras e canções como a vigorosa Senseless, a pulsante Iris, a retro Introspective ou a sombria e mais orgânica Alive, foram certamente pensadas para o airplay, baseando-se numa pop épica e conduzida por teclados sintéticos que dão vida a refrões orelhudos e melodias que se colam ao ouvido com particular ênfase.

Apesar do dedilhar de cordas que abastece a melodia de Golden Winter Child e das distorções da épica Murder Shock, as guitarras dominam cada vez menos o processo de criação melódica dos The New Division e neste Gemini os sintetizadores e os efeitos da bateria eletrónica assumem os comandos, com temas como Copycat ou Eyes a olharem de frente para aquela pop nórdica fortemente sentimental que os A-Ha recriaram com mestria no tal período temporal que entusiasma Kunkel.

Não é novidade nenhuma dizer-se que a música enquanto forma de arte é um fenómeno onde quem inova sonoramente pode encontrar aí o caminho para o sucesso. No entanto, penso que esta manifestação artística também é um fenómeno cíclico e que as bandas e artistas que buscam elementos retro de outras décadas para recriar um estilo próprio também poderão encontrar a chave para o sucesso. Exemplos que procuram seguir esta doutrina são bem comuns nos dias de hoje são bem comuns e, ao terceiro disco, já não restam dúvidas que os The New Division escolheram a inesquecível década da ascensão da música eletrónica para sustentar a sua carreira discográfica. Espero que aprecies a sugestão...

The New Division - Gemini

01. ii.
02. Killer
03. Gemini
04. Senseless
05. Iris
06. Introspective
07. i.
08. Alive
09. Golden Winter Child
10. Copycat
11. Eyes
12. Murder Shock
13. Bloom


autor stipe07 às 20:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 5 de Julho de 2015

The Soft Hills – Cle Elum

Depois de Chromatisms e Departure, os norte americanos The Soft Hills de Garrett Hobba estão de regresso com Cle Elum, um novo tomo de canções, que viram a luz do dia a doze de maio por intermédio da Tapete Records.

Um dos projetos mais profícuos dos últimos anos na costa oeste dos Estados Unidos, os The Soft Hills têm em Garrett Hobba a sua grande força motriz e sendo este disco escrito na íntegra e produzido pelo próprio, acaba por ser, naturalmente, um reflexo muito pessoal de um músico sensível e emotivo e dono de uma voz que vinca, com particular ênfase, essas caraterísticas, projetando tudo aquilo que mexe consigo e preenche o seu coração. O orgão minimal e o modo suplicante como Hobba se expressa em Temple of Heavan e, em oposição, a luminosidade da flauta, da viola acústica e das vozes de San Pablo Bay, apresentam-nos, logo na abertua de Cle Elum, a capacidade contrastante que este compositor tem de nos oferecer o sol, as harmonias e o calor da Califórnia, mas também o escuro, a falta de cor e a chuva de uma Seattle que já foi também poiso do músco .

Mais calmo e acústico que os antecessores, Cle Elum é uma ode explícita à tipica folk norte-americana, com origens e uma matriz singular e um dedilhar de guitarra muito próprio. O modo como alguns efeitos nublosos se misturam com as cordas em My Lucky Pal, por exemplo, contém todos esses genes da folk do outro lado do atlântico, que nos envolve num universo algo melancólico, uma espécie de euforia triste e de beleza num mundo sombrio. E depois, na simplicidade melódica de temas como Feathers que, com uma simples harmonia e algumas teclas transmite uma intensa e quase sufocante sensação de introspeção e reflexão interiores, comprova-se que as capacidades inatas de Garrett Hobba para a composição não se deterioraram com o tempo, ele que, ainda por cima, é, como já referi, detentor de uma voz única e incomparável e possui uma expressão melancólica acústica que terá herdado de um Neil Young e que sabe, melhor que ninguém, como interpretar.

Em suma, num disco eclético e variado, recheado de momentos épicos e instantes cheios de tensão lírica, os The Soft Hills exploram até à exaustão o espiritualismo nativo norte americano, num trabalho com evidentes influências em espetros sonoros de outros tempos, mas com uma forte tonalidade contemporânea. Espero que aprecies a sugestão...

The Soft Hills - Cle Elum

01. Temple Of Heavan
02. San Pablo Bay
03. Gold Leaves
04. My Lucky Pal
05. The Mess You’re In
06. Into The Lately
07. Skeleton Key (Return To The Earth)
08. Feathers
09. Singing A Song Nobody Knows
10. In The Cool Breath Of Morning
11. It’s A Perfect Day
12. Transient Hotels


autor stipe07 às 17:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 2 de Julho de 2015

Beach House - Sparks

Beach House - Sparks

É já a vinte e oito de agosto que chega às lojas, através da Sub Pop, Depression Cherry, o quinto álbum da dupla Beach House e Sparks é o primeiro single divulgado do sucessor do aclamado Bloom

Com uma sonoridade simples e nebulosa, bastante melódica e etérea, assente em sintetizadores assertivos e ruidosos e guitarras com efeitos recheados de eco, os Beach House mantêm, em Sparks, intacta a sua aura melancólica e mágica, que vive em redor da voz doce de Victoria Legrand e da mestria instrumental de Alex Scally e se aproxima cada vez mais de algumas referências óbvias de finais do século passado, com My Bloody Valentine, Rocketship e Slowdive a serem recordados com alguma nitidez neste tema. Confere...


autor stipe07 às 16:37
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 16 de Junho de 2015

The Mountain Goats – Beat The Champ

Lançado a sete de abril pela Merge Records e produzido por Brandon Eggleston, Beat The Champ é o décimo quinto álbum dos míticos The Mountain Goats, uma banda norte-americana liderada por John Darnielle e ao qual se juntam atualmente Peter Hughes (baixo) e Jon Wurster (bateria), oriunda de Claremont na Califórnia. Beat The Champ é um disco conceptual, que se debruça sobre a vida ímpar de um lutador de wrestling, apesar de Darnielle, um excelente criador de narrativas, considerar que a temática da morte acaba por se relacionar um pouco mais com os poemas destas canções do que propriamente o desporto referido.

Falar dos The Mountain Goats é quase como fazer referência a uma hipotética carreira a solo de John Darnielle já que é ele a principal mente criativa e grande sonoro e lírico deste grupo. Também ewcritor, o ano passado, em Wolf In The Van, Danielle publicou um livro sobre a história de um recluso de rosto desfigurado e criador de jogos informáticos e que poderia também ter dado origem a uma obra sonora do calibre de Beat The Champ.

O wrestling é um desporto curioso e único e escrever e cantar sobre ele exige  a criação de um clima enérgico, luminoso e particularmente frenético. O indie rock inebriante com pitadas de folk de Choked Out, mas também a riqueza detalhística das cordas e da percussão no single The Legend Of Chavo Guerrero, que nos apresenta o grande protagonista desta narrativa e a relação conturbada que este lutador mexicano viveu na infância com o padrasto, obedecem a essa permissa e fazem-nos imergir sem grande esforço num poeirento pavilhão onde se multiplicam os embates e se joga a vida de atletas que, tantas vezes, além de sangue, suor e lágrimas, também é feita de fama, ego e alguma violência. O proprio uso simbólico de uma máscara, como forma do lutador encarnar uma outra personagem, referida em Animal Mask, assim como a necessidade de dar um lado mais humano a estes protagonistas, mesmo que tal suceda com alguma dose de cinismo, fica expressa em Heel Turn 2, tema que toca na questão filosófica entre morte e vida ao usar a luta livre como pano de fundo e onde inocência e empatia são sentimentos que o ouvinte acaba por sentir quase sem dar por isso.

As referências ao wrestling escorrem por Beat The Champ praticamente até ao seu ocaso e se The Ballad Of Bull Ramos conta a história de um dos grandes nomes deste desporto, Stabbed to Death Outside San Juan relata, de modo quase teatral, a morte do lutador Bruiser Brody, com a letra ser cantada e declamada, muito à imagem de Lou Reed. Depois, merece ainda destaque o punk cigano que escorre das violas de Werewolf Gimmick, uma ode declarada à presença cada vez mais ativa do mundo latino neste desporto, a toada jazzística de Fire Editorial e o minimalismo indie rock, com um implicito travo a Radiohead, que escorre de Luna.

Com a nostalgia acústica de Hair Match termina um alinhamento impregnado de boas letras, com momentos bastante profundos, que parecem carregar uma sabedoria escondida algo paternal, que não compreendemos muito bem, mas que acreditamos que irá fazer sentido, até porque escorrem da suave boca de um excelente contador de histórias que se abriga à sombra de uma folk cheia de fórmulas e histórias maravilhosas e que desta vez utilizou teclados, trompetes e outros instrumentos em praticamente todas as canções, mas também experimentou diferentes estilos, enquanto nos ofereceu a sua visão sobre o mundo da luta livre e do modo como a entende, sem se preocupar com o julgamento do ouvinte sobre as suas opiniões acerca da singluridade do mesmo. Espero que aprecies a sugestão...

The Mountain Goats - Beat The Champ

01. Southwestern Territory
02. The Legend Of Chavo Guerrero
03. Foreign Object
04. Animal Mask
05. Choked Out
06. Heel Turn 2
07. Fire Editorial
08. Stabbed To Death Outside San Juan
09. Werewolf Gimmick
10. Luna
11. Unmasked!
12. The Ballad Of Bull Ramos
13. Hair Match


autor stipe07 às 22:22
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 15 de Junho de 2015

My Morning Jacket – The Waterfall

Os norte americanos My Morning Jacket de Jim James já têm sucessor para o aclamado Circuital (2011) e regressaram aos discos a quatro de maio com The Waterfall, um trabalho produzido novamente por Tucker Martine (The Decemberists, Modest Mouse, Neko Case). Gravado maioritariamente em Stinson Beach, na Califórnia, mas também noutros locais como Portland ou a cidade natal da banda e com a luz do dia a ser possível com a chancela da insuspeita ATO Records, em parceria com a Capitol Records, The Waterfall é mais um marco obrigatório na carreira desta banda já veterana mas ainda fundamental no universo sonoro norte americano.

Os My Morning Jacket sempre impressionaram pela amplitude e grandiosidade do seu som e a camada sonora conduzida por teclas de Believe (Nobody Knows) é um notável resguardo que emoldura e carimba com precisão essa herança, não defraudando, logo à partida, os mais fiéis seguidores da banda. Sempre com a cartilha fundamental da melhor folk debaixo do braço e de mente aberta para se irem adaptando às novas tendências, estes já veteranos do indie rock demonstram em 2015 e à boleia desse tema que querem a continuar a ser uma referência e que o cérebro de Jim James se mantém particularmente inventivo e refrescante.

Além deste clássico indie rock orquestral do tema de abertura, há outros géneros sonoros que são bastante caros a estes My Morning Jacket e que demonstram neste disco manter-se intocável a vontade e a capacidade criativa deste quinteto de Louisville, no Kentucky, para a renovação constante do seu ambiente particular, sem colocar em causa as permissas essenciais que identificam e tipificam o seu som específico. Por um lado, há a soul que se mostra inebriante nas guitarras de Compound Fracture e algo smbria na balada Only Memories Remain, mas também essa folk que lhes é tão querida, acústica introspetiva e pastoral em Like A River e a piscar o olho ao tipico blues sulista em Get The Point. Na verdade, quer a soul quer a folk são por aqui os subgéneros dominantes; Acabam por balizar os opostos em que os My Morning Jacket se movem e revelam-nos que The Waterfall jorra perante os nossos ouvidos uma verdadeira jornada sentimental e realística pelos meandros de uma américa cada vez mais cosmopolita e absorvida pelas suas próprias encruzilhadas, uma odisseia heterogénea e multicultural oferecida por um projeto visionário que encarna atualmente um desejo claro de renovação, explorando habituais referências dentro de um universo sonoro muito peculiar e que aposta na fusão de vários elementos de uma forma direta, mas também densa, sombria e marcadamente experimental. A própria psicadelia também faz a sua aparição e até com um certo esplendor, quer em Big Decisions e na pop setentista e lisérgica de Thin Line, mas também em Spring (Among The Living), canção onde o esplendor das cordas distorcidas e os arranjos de percussão inéditos e outros recursos sonoros de cariz orquestral, exprimem um renovado olhar no modo como a banda reflete as tendências atuais mais bem aceites pelo público.

Impecavelmente produzido, particularmente inspirado e situado num elevado nível qualitativo no que concerne à visão caleidoscópica que plasma em relação ao indie rock atual, The Waterfall é rico não só porque não receia abusar dos detalhes que salvaguardam alguns dos melhores aspetos da herança sonora do grupo que concebeu este disco, mas também porque se mostra poderoso no modo como cruza diversos espetros sonoros com impressionante bom gosto e segurança. Percebe-se claramente que os My Morning Jacket apreciam navegar em águas turvas, fazendo-o com impressionante mestria e que se sentem confortáveis ao deixar-se embrenhar num certo caos, sempre controlado e claramente ponderado, rico, exuberante, oferecendo-nos assim canções que borbulham um forte sinal de esperança e de renascimento, sementes que vão provavelmente conquistar para o grupo novos públicos. Espero que aprecies a sugestão...

My Morning Jacket - The Waterfall

01. Believe (Nobody Knows)
02. Compound Fracture
03. Like A River
04. In Its Infancy (The Waterfall)
05. Get The Point
06. Spring (Among The Living)
07. Thin Line
08. Big Decisions
09. Tropics (Erase Traces)
10. Only Memories Remain


autor stipe07 às 21:13
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 5 de Maio de 2015

Geographer – Ghost Modern

Os Geographer são uma banda natural de São Francisco, na Califórnia, um trio formado por Michael Deni (voz, guitarra), Nathan Blaz (violoncelo, sintetizadores) e Brian Ostreicher (bateria). No verão de 2005, após uma série de mortes na família de Deni, ele deixou Nova Jersey e foi viver para São Francisco. Aí conheceu Blaz e Ostreicher e juntos formaram este grupo que se estreou nos discos em 2008 com Innocent Ghosts. Dois anos depois, em 2010, surgiu o EP Animal Shapes e a vinte e oito de fevereiro Myth, o sempre difícil segundo álbum, através da Modern Art Records. Agora, três anos depois, os Geographer completam a sua triologia inicial com mais um Ghost, neste caso o Ghost Modern, um novo compêndio de doze canções, que viram a luz do dia a vinte e quatro de março atrsvés da Roll Call Records.

A música dos Geographer tem uma sonoridade bastante vincada e a própria formação artística e instrumental dos elementos da banda é muito peculiar, até por causa dos instrumentos que tocam. Reúnem influências de fontes musicais muito díspares e a sonoridade assenta muito no falsete de Deni, acompanhado por sintetizadores, enquanto Blaz e o seu violoncelo clássico dão um toque mais clássico às canções, impregando-as com uma elegância particularmente hipnótica e sedutora

Se o efeito sintetizado luminoso que conduz o single I'm Ready aproxima os Geographer de um espetro mais comercial e acessível, já a toada épica e experimental de Need exige uma dedicação e um gosto mais particulares, que serão ceetamente recompensados, porque é fácil sentirmo-nos absorvidos pelo espírito romântico e melancólico que a banda exala por todos os poros e que em temas como Too Much ou Read Your Palm ganham uma dimensão particularmente efusiva.

O sintetizador volta à carga, carregado de efeitos e flashes que disparam nas mais variadas direções e com um espírito pop vibrante em The Guest e de modo particularmente glam em You Say You Love Me, canção que nos leva numa máquina do tempo até à época em que era proporcional o abuso da cópula entre os sintetizadores e o spray para o cabelo, mas as guitarras também têm uma palavra a dizer no processo de composição de parte do alinhamento, particularmente inspiradas quando, em temas como The Fire Is Coming ou Falling Apart, enrolam-se com os sintetizadores e com a percurssão sintética ou orgânica e cruzam terrenos tantas vezes lavrados por nomes tão díspares como os Arcade Fire, Bruce Springsteen ou Snow Patrol.

Objeto de um fantástico trabalho de produção que conferiu ao disco uma amplitude e uma limpidez sonora que exalta de modo bastante convincente a capacidade criativa de Michael Deni e destes Geographer, quer ao nivel da composição melódica, quer no que concerne aos arranjos e aos detalhes selecionados, Ghost Modern é um trabalho discográfico repleto de luz e emoção, uma paleta sonora bastante inspirada e colorida e que evocando sentimentos positivos e que nos tocam, merece a nossa mais dedicada e atenta audição. Espero que aprecies a sugestão...

Geographer - Ghost Modern

01. Intro
02. I’m Ready
03. Need
04. You Say You Love Me
05. Too Much
06. The Guest
07. Read Your Palm
08. The Fire Is Coming
09. Patience
10. Keep
11. Interlude
12. Falling Apart


autor stipe07 às 20:55
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Bloglovin

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14


23
28

30
31


posts recentes

Silversun Pickups – Night...

Cold War Kids – Five Quic...

Wavves - Way Too Much

Wavves And Cloud Nothings...

The New Division – Gemini

The Soft Hills – Cle Elum

Beach House - Sparks

The Mountain Goats – Beat...

My Morning Jacket – The W...

Geographer – Ghost Modern

Vinyl Williams - World So...

Cobalt Cranes – Days In T...

The Blank Tapes - Geodesi...

Wand - Golem

Brandon Flowers - Can't D...

Kodak To Graph - ISA

MALL WALK - S/T EP

Dirty Dishes - Guilty

Moon Duo – Shadow Of The ...

Pacote Vacant Stare Recor...

X-Files

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

Procura...

 

Visitors (since 31.05.12)

blogs SAPO

subscrever feeds