Quarta-feira, 12 de Outubro de 2016

Pixies – Head Carrier

Depois de em abril de 2014 ter chegado aos escaparates Indie Cindy, o primeiro disco dos Pixies de Black Francis em vinte e três anos, este projeto formado em 1986 e um nome fundamental para o desenvolvimento do indie rock alternativo, continua a alimentar este segundo fôlego na carreira, ainda sem Kim Deal e com uma nova baixista, Paz Lenchantin. E fá-lo, agora, com doze canções agregadas num novo trabalho, intitulado Head Carrier, que viu a luz do dia no ocaso de setembro último.

Resultado de imagem para pixies 2016

Head Carrier é mais um passo em frente no propósito de Black Francis de apresentar ao público uns Pixies cada vez mais longe do som roqueiro e lo fi do passado, mas sem o renegar totalmente e alinhados com as tendências mais recentes do campo sonoro em que se movimentam, procurando, simultaneamente, aquela salutar contemporaneidade que todos os grupos de sucesso necessitam e precisam, independentemente da riqueza quantitativa e qualitativa da sua herança e também renovar a sua base de seguidores com um público mais jovem, sempre atento e ávido por boas novidades. 

Seja como for, e como de algum modo já referi, o adn dos Pixies não deixa de ser respeitado, mais que não seja pela filosofia melódica e instrumental subjacente ao arquétipo sonoro das canções, um respeito patente no rock cássico de Might As Well Be Gone, no punk de Be Esprit e no rockabilly de Plaster Of Paris . Portanto, não estando propriamente presente em Head Carrier a estética sonora novocentista em todo o seu esplendor, além dos exemplos já citados, canções do calibre da ruidosa Oona ou o riff de guitarra claramente radiofónico de Tenement Song, conseguem, salutarmente, estabelecer pontes e, de certo modo, oferecer novos desafios ao cardápio da banda ao mesmo tempo que não defraudam quem é mais devoto relativamente à história dos Pixies. Aliás, encontrar semelhanças e diferenças entre o clássico Where Is my Mind e All I Think About Now é um exercício particularmente curioso e recompensador.

Head Carrier pode ser, para muitos, apenas mais um sinal de vida de uma banda que insiste em esbracejar sem saber muito bem que rumo seguir e que duas décadas depois achou que poderia voltar a ser relevante já que, tendo em conta o estatuto que construiu, voltar a compôr não pode nunca aspirar a menos que isso, mas há aqui, ainda, acerto criativo, patente na generalidade das canções e que deve ser exaltado por encarnar a coragem do grupo para prosseguir, apesar de todo o historial recente. É um compêndio que demonstra que é capaz de haver ainda uma pequena réstia de esperança para os Pixies e que a opção por continuarem a respirar e a ecoar, se tiver sequência, poderá levá-los a ocupar novamente um lugar de relevo no universo do indie rock alternativo. Espero que aprecies a sugestão...

Pixies - Head Carrier

01. Head Carrier
02. Classic Masher
03. Baal’s Back
04. Might As Well Be Gone
05. Oona
06. Talent
07. Tenement Song
08. Bel Esprit
09. All I Think About Now
10. Um Chagga Lagga
11. Plaster Of Paris
12. All The Saints


autor stipe07 às 20:58
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

The Deltahorse - Transatlantic

Não é tarefa fácil escrever sobre um disco quando se faz parte dos créditos do mesmo e da lista de agradecimentos relativamente a todos aqueles que, de acordo com os autores, tornaram possível que o tomo de canções em questão ganhasse vida. Tal demanda é ainda mais complicada quando o álbum é um excelente tratado de indie rock e, dizendo-o com toda a naturalidade e sinceridade, o leitor não achar que tais elogios se devem apenas à referida menção. Mas a verdade é que Transatlantic, o disco de estreia dos The Deltahorse, editado à boleia da Slower Faster Music, é a prova audível de que estamos na presença de um novo grupo que se apresenta ao universo musical indie, como um projeto que prima pelo detalhe e pelo bom gosto e que merece garantidamente uma audição atenta.

Formados pelo cantor e compositor Vadim Zeberg, por Dana Colley, um saxofonista de Boston, nos Estados Unidos, que chegou a tocar esse instrumento com os Morphine e pelo berlinense Sash, os The Deltahorse têm no seu núcleo duro três músicos de diferentes proveniências e que, por incrível que pareça, nunca estiveram juntos no mesmo local, pelo menos até à data da edição de Transatlantic. A internet foi um veículo essencial no processo de composição melódica e na definição da arquitetura de dez canções perfeitas para uma noite diferente, plena de aventura e diversão, na melhor companhia possível ou, em alternativa, com disponibilidade para encontrar alguém diferente e especial, tal é o charme, a luxúria e a sofisticação do ambiente que as mesmas recriam.

Canções como a sedutora Street Walking, que aborda o modo infalível como uma bela mulher caminha na rua, a intimista Balcony TV que descreve um programa a dois bastante curioso ou Call It A Day, composição que nos oferece algumas sugestões credíveis para tornar um dia normal num marco nas nossas vidas, tenhamos nós coragem para nos deixarmos conduzir pelo lado mais obscuro da nossa mente, acentua uma espécie de concetualidade relacionada com uma viagem para um outro mundo onde não somos nós a espécie dominante e protagonista, mas antes observadores do modo como, se formos corajosos, podemos ter uma vida muito mais preenchida caso deixemos que os nossos maiores sonhos se materializem em concretos eventos e intensas emoções.A verdade é que a música dos The Deltahorse pode-nos salvar nesse mundo e fazer com que não nos sintamos isolados e perdidos, mas antes plenamente realizados e absortos por uma sensação de prazer única e intemporal.

Da eletrónica ao rock mais experimental, o som dos The Deltahorse oscila entre o sintético e o orgânico, enquanto choca com a energia da bateria e os arranjos fantásticos de um trompete convicto, podendo-se assistir a um salutar combate entre percussão, sopros, teclas e cordas, sempre a crescer de intensidade, como se estivessemos a descolar para uma viagem rumo ao tal mundo criado pela banda e definitivamente na rota certa para uma vida muito mais realizada e feliz. Espero que aprecies a sugestão...

Transatlantic

Call It A Day

Happy Heart (Can Go For Miles)

Easy Life

Summer Mode

These Are Your Friends

Broadcast

Balcony TV

Street Walking

Tonight

Cinematic


autor stipe07 às 22:17
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 11 de Março de 2016

Kid Mountain – Trinkles

Oriundos de Boston, no Massachusetts, os norte americanos Kid Mountain de Cole Wuilleumier, Derek Goulet, Tyler Rosenholm, Tim Bruce Patterson e Tyler Chauncey, estão de regresso aos discos com Trinkles, onze canções misturadas por Tim Bruce Patterson e masterizadas por Keith Sweaty Milgaten e que viram a luz do dia a oito de março, disponíveis na plataforma bandcamp, com a possibilidade de doares um valor pelas mesmas.

Quatro anos depois do excelente Happies, este quarteto volta à carga abrigado num som que tem tanto de eclético, por abraçar com notável mestria detalhes que nos remetem para as origens da pop experimental, a surf pop dos anos sessenta e a pop alternativa dos anos oitenta, como de charmoso, já que abunda, quer na instrumentação, quer na voz, uma toada fortemente etérea e ligeiramente melancólica.

Unindo todos estes elementos com vincada sapiência melódica, extrema sensibilidade e uma interessante dose de criatividade, os Kid Mountain exploram intensamente em Trinkles a forma e a estrutura do formato canção, com temas como o caloroso single Walk Around, a pop deslumbrante de Muddy Cloud ou o cariz incisivo da percussão de Curtains, a provarem um ecletismo que se ouve de uma assentada, enquanto somos convidados a dançar ao som de uma coleção de canções bastante aditiva e peculiar, quase sempre conduzidas pela guitarra elétrica, mas onde também há uma forte presença da sua congénere acústica.

Se as canções de Happies deslumbravam por causa de uma inocência cheia de acne e quase que imploravam para não serem levadas demasiado a sério, Trinkles prova o profundo amadurecimento de um projeto que amplia o elevado nível da estreia e que começa a ter todas as condições para ocupar um lugar de destaque no panorama alternativo norte americano, principalmente no modo como incorpora doses indiscretas de uma pop suja e nostálgica e as confronta de modo amigavel com uma toada particularmente luminosa e com um travo muito peculiar. Espero que aprecies a sugestão...

Kid Mountain - Trinkles

01. Cold Glass
02. Walk Around
03. Mindless
04. Curtains
05. Muddy Cloud
06. Spirit Mama
07. Purity Bone
08. Doublevision Television
09. Sugar
10. Two Smooth Stones
11. Bohemiac


autor stipe07 às 21:41
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon... (1)
|
Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2016

Animal Flag – Animal Flag EP 2

Boston, Massachussets, é o poiso do projeto norte americano Animal Flag de Matthew Politoski, de regresso aos lançamentos discográficos com Animal Flag EP 2, cinco canções que viram a luz do dia no ocaso de 2015, à boleia da 1997 Recordings e disponíveis para audição e possibilidade de doação de um valor pelas mesmas na plataforma bandcamp.

(Pic by Nick DiNatale)

O indie rock que pisca o olho a ambientes particularmente progressivos e com um pendor melódico algo contemplativo e reflexivo é a pedra de toque deste pequeno cardápio de temas, uma descrição algo generalista, até porque são temas que merecem audição atenta e que palsma diversas nuances, mas que Jealous Lovers, a primeira canção, claramente exemplifica. Se Angels não foge a esta bitola, uma maior amplitude na distorção da guitarra, um rugoso timbre do baixo e algumas variações rítmicas, conferem a esta canção um ambiente ainda mais épico e impulsivo, que faz de Animal Flag, um projeto particularmente íntimo de uma monumentalidade muito vincada.

À medida que avançamos na audição do EP, vai-se tornando evidente que Matthew e a vasta miríade de convidados que agregou à sua volta para gravar estes temas, não recearam, em nenhum instante, convocar alguns detalhes clássicos que alimentaram os primordios do rock alternativo, sem descurar o compromisso com uma estética muito própria e que, no fundo, não deixando de conter a contemporaneidade e o ideal de inovação, conseguem uma mistura feliz entre estes dois opostos. O piscar de olhos aos Placebo em Wayside e ao clássico Swallowed dos Bush em Cathedrals atingem o louvável intuíto de nos fazer regressar ao passado, enquanto nos entregam sensações auditivas perfumadas por uma herança que nos diz muito.

Se o prazer de escutar estes Animal Flag faz-nos sentir fiéis a um outro tempo que, pelos vistos, não conhece fronteiras temporais, é também a indisfarçável modernidade deste projeto que faz com que esta coleção de canções de fortes inspirações noventistas,  possam e devam ser apreciadas com a relevância e o valor que, por direito, merecem. Para ampliar este espírito ainda mais suadosista, este Ep teve direito a uma lindíssima edição em formato cassete, através da Broken World. Espero que aprecies a sugestão...

Animal Flag - Animal Flag EP 2

01. Jealous Lover
02. Angels
03. Wayside
04. Cathedrals
05. Prone

 


autor stipe07 às 18:12
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 2 de Setembro de 2015

Funeral Advantage – Body Is Dead

Boston, no Massachussets, é o poiso vital dos Funeral Advantage e Body Is Dead o disco de estreia de mais uma banda que aposta num ambiente sonoro fortemente etéreo e melancólico, para criar um álbum tipicamente rock e esculpido com cordas ligas à eletricidade, mas com canções cheias de uma fragilidade incrivelmente sedutora e alicerçadas numa certa timidez que não é mais do que um assomo de elegância contida, uma exibição consciente de uma sapiência melódica.

Escritas e gravadas por Tyler Kershaw e misturadas por Ian Van Opijnen, as dez canções de Body Is Dead contaram ainda com a voz de Chelsea Figuerido em alguns dos temas e a receita da arquitetura melódica de todas elas é bastante homogénea e transversal a todo o alinhamento. Trata-se de um indie rock pulsante e insinuante, mas com um charme lo fi único, alicerçado num registo vocal quase sempre sussurrante e até, em alguns casos, pouco perceptível, mas bastante encantador, além de guitarras com efeitos e distorções intrigantes e enleantes e uma percussão bastante vincada, sem ter uma tonalidade exageradamente grave. É, no fundo, um rock sujo e lo fi, uma espécie de surf rock com um pé no post punk e onde também abundam boas letras que nos oferecem uma atmosfera sonora épica, positiva, sorridente e bastante dançável.

Body Is Dead começa a todo o gás com a sorridente e otimista Equine e o frenesim encantador de Sisters a mostrarem, com esplendor e intensidade, uma atitude descontraída e jovial que contraria, de certo modo, o nome algo sombrio da banda. Depois, Should Have Just é um convite direto e preciso ao acto de encarar estes últimos dias de verão com esperança, enquanto ficamos envoltos numa intensa aúrea vincadamente orgânica e, por isso, fortemente sensual, que nos despe de todo aquele mistério, tantas vezes artificial, onde frequentemente nos refugiamos, para que não tenhamos receio de mostrar, com ousadia, a verdadeira personalidade do agregado sentimental que nos carateriza, enquanto não chega aquele inverno que nos leva tantas vezes à reclusão.

Até ao ocaso de Body Is Dead, a viagem deslumbrante que nos oferece a guitarra de Gardensong, o experimentalismo soturno de That's That e o esplendor sentimental que exala de todos os acordes da oitocentista Then I'll Look, são outros instantes obrigatórios deste alinhamento, exemplos que mostram que, logo no disco que estreia, os Funeral Advantage sabem a fórmula exata para temporizar, adicionar e revolver o seu arsenal instrumental, como se as canções fossem um puzzle e assim originarem, a partir de uma aparente amálgama de vários sons, peças sonoras sólidas e que comunicam com o nosso íntimo com particular beleza e superior preciosismo. Espero que aprecies a sugestão....

Funeral Advantage - Body Is Dead

01. Equine
02. Sisters
03. Should Have Just
04. Gardensong
05. Back To Sleep
06. That’s That
07. Cemetery Kiss
08. Then I’ll Look
09. You Sat Alone
10. Body Is Dead


autor stipe07 às 18:49
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 29 de Março de 2015

KRILL - A Distant Fist Unclenching

Jonah Furman (baixo, voz), Aaron Ratoff (guitarra) e Ian Becker (bateria) são os Krill, uma banda oriunda de Boston, na costa leste dos Estados Unidos, já com meia década de existência e que a dezassete de fevereiro último lançou A Distant Fist Unclenching, o terceiro álbum da carreira do trio, nove excelentes canções gravadas por Justin Pizzoferrato, em julho e agosto de 2014, nos estúdios Sonelab em Easthampton, Massachusetts e masterizadas por Carl Saff. Editado pela insuspeita Exploding in Sound Records em parceria com a Double Double Whammy e a Steak Club Records, A Distant Fist Unclenching está disponivel em formato digital e em vinil.

Com uma já apreciável reputação no país de origem e digressões com os Deerhoof, os conterrâneos Speedy Ortiz, Big Ups ou The Thermals, os Krill preparam-se para dar o salto para a Europa este ano, trazendo na bagagem estas nove novas canções que encarnam uma verdadeira jornada sentimental, auto-depreciativa e filosófica pelos meandros de uma américa cada vez mais cosmopolita e absorvida pelas suas próprias encruzilhadas, uma odisseia heterogénea e multicultural oferecida por um projeto visionário que explora habituais referências dentro de um universo sonoro muito peculiar e que aposta na fusão do rock, com outras vertentes sonoras, nomeadamente o post punk e o hardcore, de uma forma direta, mas também densa, sombria, progressiva e marcadamente experimental. Esta é uma fórmula que me agrada particularmente e onde, no seio da esfera indie rock, se alia o grunge e o punk rock direto e preciso, com um travo de shoegaze e alguma psicadelia lo fi, numa espécie de space rock que, sem grande esforço, nos leva até territórios sonoros tão bem recriados e reproduzidos há umas quatro décadas e que depois se cruzam com o típico rock alternativo da última década do século passado.

A Distant Fist Unclenching são, portanto, nove canções enérgicas, invadidas por vairações melódicas e ritmícas constantes, uma percurssão cheia de groove que em temas como Phantom ou Torturer atinge uma elevada bitola qualitativa e que não deixa o disco viajar a uma velocidade descontrolada, apesar de nesses temas ficarmos com a sensação que somos sugados para uma espiral sonora alimentada por um festim sonoro acelerado e difícil de travar. Depois, a versatilidade instrumental e o bom gosto com que as várias influências se cruzam, elevam algumas canções a uma atmosfera superior, esculpida pelas raízes primordiais do rock, com a já referida Torturer a ser talvez aquele tema que melhor condensa todo o universo sonoro referencial para os Krill. Esta Torturer é um excelente exemplo da exploração de uma ligação estreita entre a psicadelia e o rock progressivo, através de um sentido épico pouco comum e com resultados práticos extraordinários, mas em instantes sonoros do calibre de Mom ou Squirrels a estreita relação entre guitarras carregadas de fuzz e um baixo vigoroso, amplia a intensidade experimental dos Krill e dá-lhes um lado ainda mais humano, orgânico e sentimental. A própria performance de Furman, dono de um registo vocal curioso e desafiante, que impressiona pela forma como se expressa e atinge diferentes intensidades e tonalidades, consoante o conteúdo lírico que canta, é também um dos grandes suportes do alinhamento, apesar do maralhal sónico que o disco contém e onde sobressai, como já dei a entender, a forma livre e espontânea como as guitarras se expressam, guiadas pela nostalgia do grunge e do punk rock.

Com o charme de uma recomendável toada lo fi como pano de fundo de toda esta apenas aparente amálgama, A Distant Fist Unclenching prova que os Krill estão bem documentados e têm gostos musicais muito ecléticos, como mostra este compêndio feito de pura adrenalina sonora, uma viagem que nos remete para a gloriosa época do rock independente, sem rodeios, medos ou concessões, com um espírito aberto e criativo. Os Krill são um novo nome a ter em conta no universo musical onde se inserem e estão no ponto e prontos a contrariar quem acha que já não há bandas a fazer música de qualidade. Espero que aprecies a sugestão...

Phantom

Foot

Fly

Torturer

Tiger

Mom

Squirrels

Brain Problem

It Ends

 


autor stipe07 às 22:31
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sábado, 17 de Janeiro de 2015

Krill - Foot

Krill - "Foot"

Oriundos de Boston, no Massachusetts, os Krill são um trio liderado por Jonah Furman e que tem vindo a construir uma sólida reputação no universo alternativo local, principalmente devido a Steve Hears Pile In Malden And Bursts Into Tears, um EP que viu a luz do dia no início do ano que agora terminou.

A dezassete de fevereiro vai chegar aos escaparates A Distant Fist Unclenching, o novo longa duração dos Krill, através da Double Double Whammy/Exploding In Sound e Torturer foi o primeiro avanço divulgado do trabalho. Agora chegou a vez de Foot, o segundo tema do alinhamento de A Distant Fist Unclenching e com ele mais uma demonstração cabal da capacidade dos Krill para criar um indie rock com uma rispidez visceral que contém algo de extremamente sedutor e apelativo. Confere...


autor stipe07 às 16:55
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2015

KRILL - Torturer

Krill - A Distant Fist Unclenching

Oriundos de Boston, no Massachusetts, os Krill são um trio liderado por Jonah Furman e que tem vindo a construir uma sólida reputação no universo alternativo local, principalmente devido a Steve Hears Pile In Malden And Bursts Into Tears, um EP que viu a luz do dia no início do ano que agora terminou.

A dezassete de fevereiro vai chegar aos escaparates A Distant Fist Unclenching, o novo longa duração dos Krill através da Double Double Whammy/Exploding In Sound e Torturer é o primeiro avanço divulgado do trabalho. Confere o tema, o alinhamento do álbum e o EP anterior, disponível para audição no bandcamp dos Krill.

01 Phantom
02 Foot
03 Fly
04 Torturer
05 Tiger
06 Mom
07 Squirrels
08 Brain Problem
09 It Ends


autor stipe07 às 13:27
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2014

Whirr / Nothing – Whirr / Nothing

Whirr Nothing 2014

Mestres do shoegaze, os Whirr e os Nothing são duas bandas norte americanas oriundas de Filadélfia e partilham um músico entre si, Nick Bassett. Agora, esta espécie de parceria foi ainda mais longe com a edição em conjunto de um single em vinil com dois temas de cada banda, intitulado Whirr / Nothing.

As duas excelentes canções fornecidas por cada banda para o lançamento foram produzidas por Will Yip. Os dois temas dos Whirr vivem do rock progressivo, mas têm uma sonoridade eminentemente pop, em especial a celestial Ease, canção onde o grupo mostra ímpar capacidade de controle instrumental e imprime uma toada atmosférica muito própria, sem descurar a típica intensidade que os distingue.

Os Nothing apresentam duas canções um pouco mais sombrias, deambulando entre a dream pop nostálgica e o rock progressivo amplo e visceral. Chloroform e July The Fourth têm um som harmonioso, cativante e explosivo, sempre com fuzz nas guitarras e o nível de distorção no red line.

Whirr/Nothing foi lançado através da Run For Cover Records, uma editora independente de Boston e pode ser aqduirido aqui. Confere...

Whirr - Nothing - Whirr - Nothing

01. Ease (Whirr)
02. Lean (Whirr)
03. Chloroform (Nothing)
04. July The Fourth (Nothing)


autor stipe07 às 17:31
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

The Hush Now – Sparkle Drive

Editado no passado dia catorze de outubro, Sparkle Drive é o novo álbum dos The Hush Now, um coletivo de Boston, formado por Noel Kelly, Pat MacDonald, Barry Marino e Adam Quane. Produzido, gravado e misturado por Benny Grotto e dedicado a um amigo da banda chamado Thayer Harris, este disco é já o quarto da carreira da banda e está disponível para download no bandcamp, gratuitamente ou com a possibilidade de doares um valor pelo mesmo.

Estes norte americanos sempre causaram boa impressão na crítica local devido ao teor melancólico e fortemente apelativo de um indie rock com princípios básicos, comuns a tantos projetos, mas de onde só sobressai quem é feliz durante o processo de criação melódica das canções. A miríade instrumental de Panda, o primeiro tema do alinhamento de Sparkle Drive, é familiar e comum a uma imensidão de bandas do mesmo espetro sonoro, mas o que se destaca neste quarteto de Boston é a originalidade das melodias e a forma assertiva como os diferentes arranjos encaixam, num resultado final que comove e atrai.

O shoegaze e o lo fi fazem parte do ideário musical destes The Hush Now e só por aí percebe-se o charme e o cariz algo vintage de quem procura nos sons recreados no passado a inspiração e a sabedoria para criar novas canções, que possam agradar ao público de hoje. Por isso, se Panda te entrar no ouvido, o que deverá suceder sem grande esforço, dificilmente deixarás de te sentir tocado pelo esplendor da percurssão de Just Because You Can e de Cyclops e pelas cordas que vão-se enredando entre si  em duas canções por onde também deambula uma espécie de falso falsete cheio de mistérios e de segredos para nos contar.

Espanta estes The Hush Now não procurarem uma roupagem mais comercial e límpida, até porque se tanto atiram, por exemplo, em Parade, para o sujo e potente indie oitentista, também rumam para um universo oposto, feito com uma pop talvez mais contemporânea e que quer exaltar, acima de tudo, o lado bom da existência humana, como se percebe em Arthur Come On, Really You Can Not Be Serious. Esta aparente dicotomia acaba por sobressair se olharmos para o disco como um todo e à medida que os instrumentos fluem naturalmente, sem se acomodarem ao ponto de se sufocarem entre si, quem vence é aquela pop clássica e intemporal que só ganha vida se houver quem se predispõe a entrar num estúdio de mente aberta e disposto a servir-se de tudo aquilo que é colocado ao dispôr para criar música.

Pronto em cada audição para projetar inúmeras possibilidades e aventuras ao ouvinte, Sparkle Drive é um compêndio sonoro temperado com variadas referências que nos permitem aceder a uma dimensão musical com assumida pompa sinfónica e inconfundível. A fluídez do seu conteúdo atesta que os The Hush Now usaram a fórmula correcta, feita com uma quase pueril simplicidade, a melhor receita que muitas vezes existe no universo musical para demonstrar uma formatação adulta e a capacidade de se reinventar, reformular ou simplesmente replicar o que de melhor têm alguns projetos bem sucedidos na área sonora em que uma banda se insere. Espero que aprecies a sugestão...

The Hush Now - Sparkle Drive

01. Panda
02. Just Because You Can
03. Cyclops
04. Arthur Come On, Really You Can Not Be Serious
05. Parade
06. Manchester UK
07. Sorry Sugar Well…
08. Spyglass
09. Rosy Disposition
10. Eleanor


autor stipe07 às 18:40
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11

18
19
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Pixies – Head Carrier

The Deltahorse - Transatl...

Kid Mountain – Trinkles

Animal Flag – Animal Flag...

Funeral Advantage – Body ...

KRILL - A Distant Fist Un...

Krill - Foot

KRILL - Torturer

Whirr / Nothing – Whirr /...

The Hush Now – Sparkle Dr...

DRLNG - Icarus EP

Hallelujah The Hills – Ha...

Faces On Film – Elite Lin...

Pixies - Indie Cindy

Mean Creek - Johnny Allen

Hallelujah The Hills - Pi...

Plumerai - Seattle

Speedy Ortiz - Real Hair ...

Pixies - EP2

The Deltahorse - The Delt...

X-Files

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

blogs SAPO

subscrever feeds