Sábado, 25 de Julho de 2015

Doubting Thomas Cruise Control - Sof Focus

Bobby Cardos, Sean Kelly, Chris Sprindis e Joe McCarthy são os Doubting Thomas Cruise Control, um coletivo norte americano oirundo de Brooklyn, Nova Iorque e que orienta a sua sonoridade por um vasto espetro que vai do rock alternativo mais clássico até ao punk.

Remember Me John Lydon Forever será o próximo registo de originais da banda, um trabalho que irá ver a luz do dia a catorze de agosto através da Duckbill Records e a insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

Soft Focus, o último single divulgado de Remember Me John Lydon Forever é um festim inebriante, feito com guitarras distorcidas, uma voz que ruge sem desafinar e que exala um espírito jovem e bastante beliçoso. Fica logo claro que os Doubting Thomas Cruise Control não caiem na tentação de complicar e não se deixam levar por experimentalismos e arranjos desnecessários, conseguindo partir em busca de alguns detalhes do rock sem descurar um salutar sentido mais brando ou melancólico, havendo uma componente melódica particularmente assertiva neste tema. Confere...

 

 


autor stipe07 às 13:54
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 24 de Julho de 2015

DIV I DED - Born to Sleep

A vinte e um de julho último chegou aos escaparates Born To Sleep, o disco de estreia dos DIV I DED, um projeto checo criado pelo multi-instrumentista Filip Helštýn em 2013, juntamente com a vocalista Viktorie Marksová e que faz já parte da insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

Inspirados pela pop melancólica simples e intrigante, feita com aquele intimismo romântico que integra uma espantosa solidez de estruturas, num misto de euforia e contemplação e adornada com arranjos sintetizados e orgânicos muito subtis mas capazes de amenizar a típica crueza das guitarras, os DIV I DED também piscam o olho ao punk rock, enquanto exigem ser encarados e apreciados sem reservas e serem alvo de uma análise detalhística, à boleia de todos os nossos sentidos, para que se torne compensadora a nossa audição e justas as alusões ao conteúdo de Born To Sleep.

As guitarras pulsantes e os flashes elétricos que as suas cordas debitam, têm aqui algo de cósmico e especial enquanto Marsova canta sobre um futuro melhor que aguarda por todos nós nas estrelas, nomeadamente em Electric Age. Não sendo importante dissertar acerca da crença, ou não, dos DIV I DED numa outra existência física e material depois da nossa viagem terrena, importa sim esclarecer que esta dupla checa tem corpo, alma e substância, não sendo possível assimilar convenientemente a beleza poética e angelical dos riffs amplos de Star Rover II ou, num registo mais introspetivo e límpido, o groove do baixo de Between Us, se fizermos de Born to Sleep uma banda sonora casual de um instante rotineiro e normal da nossa existência.

Se Late Awakening, o primeiro single divulgado de Born To Sleep, era um tema que exalava um charme melódico que impressionava pela atmosfera densa e pastosa mas libertadora e esotérica que transportava, tendo sido agora desvendado o conteúdo global do álbum e tendo em conta os temas já descritos e outros que serão ainda citados à frente, percebe-se que nestes DIV I DED apelar ao nosso íntimo com monumentalidade instrumental e uma intensa sensibilidade melodica, são as faces de uma mesma moeda cunhada com sofisticação e que tem tudo para às vezes poder sensibilizar particularmente os mais incautos.

Há, portanto, outros exemplos no álbum do modo hermético e ambicioso como os DIV I DED se movimentam dentro do espetro sonoro com que se identificam; Os sons abrasivos de No Light e o modo implícito como a distorção da guitarra os molda, sem colocar em causa a grandiosidade da canção, assim como o luxuoso e luminoso andamento pop de Frozen evidenciam um notório e aprimorado sentido estético e a junção sónica e algo psicadélica de um verdadeiro caldeirão instrumental e melódico. Já Machines, um momento de experimentação minimal e com um registo vocal que deve ser objeto do maior deleite e admiração, é outro extraordinário exemplo do paraíso de glória e esplendor que estes checos procuraram recriar logo na estreia e que subjuga momentaneamente qualquer atribulação que no instante da sua audição nos apoquente.

Em Born To Sleep houve claramente uma enorme atenção aos detalhes, notando-se um relevante trabalho de produção e, dentro do lo fi e da predominãncia de efeitos em eco, a busca por uma cosmética cuidada e precisa na escolha dos melhores arranjos. Também por isso, este é um disco reflexivo e indutor de sensações intrincadas e profundas e nele os DIV I DED consagram-se como banda relevante no espetro do indie rock de cariz mais sombrio e progressivo e, mais importante que isso, dão-nos pistas preciosas sobre como permitir que o nosso íntimo sobreviva e se mantenha íntegro neste mundo tão estranho. Espero que aprecies a sugestão..


autor stipe07 às 18:05
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 2 de Julho de 2015

DIV I DED - Late Awakening

A dezassete de julho chega aos escaparates Born To Sleep, o disco de estreia dos DIV I DED, um projeto checo criado pelo multi-instrumentista Filip Helštýn em 2013, juntamente com a vocalista Viktorie Marksová e que faz já parte da insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

Inspirados pela pop melancólica simples e intrigante, feita com aquele intimismo romântico que integra uma espantosa solidez de estruturas, num misto de euforia e contemplação e adornada com arranjos sintetizados e orgânicos muito subtis mas capazes de amenizar a típica crueza das guitarras, os DIV I DED também piscam o olho ao punk rock em Late Awakening, o primeiro single divulgado de Born To Sleep, um tema que exala um charme melódico que impressiona pela atmosfera densa e pastosa mas libertadora e esotérica que transporta. Confere...


autor stipe07 às 16:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 30 de Junho de 2015

Kissing Party - Justine vs New Glue

Deirdre (voz), Gregg (voz e guitarra), Joe (guitarra), Lee (baixo) e Shane (bateria) são os Kissing Party, uma banda norte-americana oriunda de Denver, no Colorado e que faz já parte da insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

Depois de terem divulgado Trash, um extraordinário instante sonoro, com guitarras que misturam um travo de rock de garagem com efeitos que piscam o olho à refrescante luminosidade que habitualmente se encontra em algumas referências óbvias da dream pop, agora chegou a vez de nos deliciarem com Justine e New Glue, mais dois singles do disco de estreia destes Kissing Party, que vê a luz do dia hoje mesmo. No primeiro tema, as vozes de Gregg Dolan e Dierdre Sage envolvem-se entre si, como os lábios num cigarro, e em New Glue a voz açucarada e quente de Dierdre perde todo o pudor e apresenta-se ao mundo exatamente como é, sem reservas ou concessões Bitch I'm perfect, canta ela... Yes, you are!, acrescento eu.

Looking Back It Was Romantic But At The Time I Was Suffocating é o nome do trabalho de estreia destes Kissing Party, um compêndio sonoro de quinze canções que será certamente analisado por cá na altura. Confere...


autor stipe07 às 14:09
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 18 de Junho de 2015

Kissing Party -Trash

Deirdre (voz), Gregg (voz e guitarra), Joe (guitarra), Lee (baixo) e Shane (bateria) são os Kissing Party, uma banda norte-americana oriunda de Denver, no Colorado e que faz já parte da insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

Trash, um extraordinário instante sonoro, com guitarras que misturam um travo de rock de garagem com efeitos que piscam o olho à refrescante luminosidade que habitualmente se encontra em algumas referências óbvias da dream pop, é o primeiro single divulgado do disco de estreia destes Kissing Party, que vai ver a luz do dia no final deste mês de junho. Looking Back It Was Romantic But At The Time I Was Suffocating é o nome desse trabalho, um compêndio sonoro de quinze canções que será certamente analisado por cá na altura. Confere...


autor stipe07 às 14:15
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 12 de Junho de 2015

Surfin' Mutants Pizza Party - The Death of Cool

Apesar de vir do frio Quebec canadiano, Julien Maltais, um jovem de apenas vinte e um anos, tem no sangue o calor do punk rock californiano. Ele é o líder e grande mentor do projeto Surfin' Mutants Pizza Party, que criou depois de ter liderado várias bandas de metal sem grande sucesso e ter decidido sozinho, no seu quarto, começar a criar música.

Julien estreou-se nos lançamentos discográficos com The Death of Cool, um trabalho que viu a luz do dia a dezanove de maio, em formato digital e cassete, através da insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

Do surf punk, ao skateboarding, passando pela banda desenhada e a ficção científica, são várias as fontes de inspiração de um músico que cria uma colorida estética sonora, onde o vintage e o contemporâneo se misturam com particular acerto. Basta escutar o efeito e o fuzz da guitarra e a bateria crua de Sidewalk Svrfin' Cvrse (intro) para chocar de frente com essa insana partilha, onde acontece uma cópula e fusão de guitarras distorcidas, com um baixo grave e imponente e uma percussão frenética, além de alguns efeitos sintetizados que só podem ter saído de uma mente impregnada com um ímpar nível de criatividade. Este instante abençoado de criação musical aconteceu dentro de um quarto, de onde sairam onze canções que plasmam diferentes manifestações do comum pensamento juvenil, já que se debruçam sobre algumas das temáticas para quem começa a entrar na idade adulta, com temas como I Need a Cigarette, Cocaine Lipstick ou Noodles & Energy Drinks a colocarem a questão da adição num plano de destaque, quer de forma direta, quer com um sarcasmo e uma ironia que parece ser imagem de marca da curiosa escrita de Julien.

Apesar dos antecedentes criminais do autor de The Death Of Cool que, recordo, têm o metal como bitola determinante, há em alguns temas deste disco, um curioso piscar de olhos a sonoridades mais pop, apesar do transversal cariz lo fi do alinhamento. Canções como The Kraken, uma ode a um lendário monstro marinho, o grunge de Werewolf Class Of '77 ou Can't See Straight de algum modo definem ajudam a cimentar este padrão, que tanto nos atira para o sujo e potente indie rock, como para um universo oposto com uma melodia e um instrumental, sempre rugosa, mas mais doce e suave. Esta aparente dicotomia acaba por sobressair se olharmos para o disco como um todo, algo ainda mais simples de balizar quando estamos na presença de um trabalho com caraterísticas e um modelo de produção muito próprios. Aliás, esta alternância do leve e do limpo com o cru, acaba por enriquecer, quase que inconscientemente, o leque de géneros presentes na sonoridade de The Death Of Cool, através da melancolia de e do blues encaixado nos moldes indie e noise, bem patente na homónima The Death Of Cool e, finalmente, alguns momentos de inconstância e experimentação, como Just Another Slacker Anthem, mostrando que a coragem instrumental de Surfin' Mutants Pizza Party não perturba a conturbada homogeneidade de um alinhamento que raramente deixa de ser fluído e acessível, apesar desses momentos e da especificidade rugosa do som que carateriza este projeto.

Particularmente inventivo e curioso na sua escrita, corajoso, determinado e sonoramente destemido, Julien Maltais fez do seu quarto um portal aberto para o resto do mundo, alimentado pela energia inebriante que transborda de uma guitarra jovial e pulsante e de um interessante arsenal instrumental que contém alguns dos melhores efeitos e detalhes típicos do rock alternativo e do indie punk vintage mais juvenil. Espero que aprecies a sugestão...


autor stipe07 às 15:02
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 20 de Maio de 2015

The Bats Pajamas - Witch Way

Oriundos de Toronto, os The Bats Pajamas mais uma forte aposta da texana Fleeting Yourh Records, de Ryan M. e preparam-se para a estreia nos discos a vinte e seis de maio com Hello, um trabalho gravado em poucos dias no quarto de um elemento da banda e que será editado em formato cassete e digital.

Depois de terem divulgado Wrong House, o primeiro avanço de Hello, agora chegou a vez de disponibilizarem Witch Way, mais uma canção conduzida por guitarras plenas de distorção e que firmam o indie rock rugoso, cru, intenso e vibrante que faz parte do adn destes The Bats Pajamas, onde também sobressai uma voz que pula em poucos segundos de uma postura grave e acessível, para um registo ruidoso e particularmente enraivecido, ampliado por um curioso efeito em eco. Confere...


autor stipe07 às 21:37
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 15 de Maio de 2015

Loose Tooth - Easy Easy East

Filadélfia é uma das cidades atualmente mais ativas no universo indie norte americano, principalmente quando se trata de replicar a simbiose entre garage rockpós punk e rock clássico, que contém aquela sonoridade crua, rápida e típica da que tomou conta do cenário lo fi inaugurado há mais de três décadas e que, um pouco mais ao lado, em Seattle, também fez escola e tomou conta do resto do mundo à época. Kian Sorouri, Larissa, Christian Bach e Kyle Laganella são os Loose Tooth, uma das novidades mas recentes dessa cidade norte americana e mais uma forte aposta da texana Fleeting Yourh Records, de Ryan M., que se estreou nos discos as vinte e um de abril, com Easy Easy East.

Particularmente melódicos, com um interessante balanço entre ruído, distorção e aquela delicadeza que muitas vezes faz a diferença em determinados projetos de rock com um cariz mais lo fi, estes Loose Tooth não defraudam quem aprecia universos universos sonoros adjacentes ao indie rock alternativo que marcou os anos noventa e que podem ir da psicadelia, ao punk rock e ao próprio blues. A verdade é que, logo em Pickwick Average, o tema que abre o disco, tendo em conta o modo como a bateria alterna a cadência, com as guitarras a fazerem o acompanhamento melódico devido e a altetnância de postura vocal, demonstram que estes Loose Tooth lutam com garra e criatividade para empurrar e alargar as barreiras do seu som e que esta estreia é um marco no género este ano.

Nas restantes nove canções de Easy Easy East a viagem nostálgica prossegue, sempre a um ritmo frenético, com canções que duram, na maioria das vezes, menos de dois minutos, havendo lugar para um experimentalismo de cariz mais progressivo nas guitarras em Skinny Chewy e Yorami e alguns arranjos curiosos que, em Greetings From incluem um fade in e um sample de sons naturais que dão corpo a um instrumental bastante recomendável. 

Lizzy e Lemon Zest já têm uma sonoridade mais punk, com o ritmo desenfrado da bateria e conduzir guitarras plenas de fuzz e um baixo sempre vigoroso que acompanham exemplarmente a percussão. A busca de um ambiente eminentemente pop e comercialmente festivo, fica plasmado em Sunk Chubi e Bone Folder, duas canções que atestam a visceralidade sempre impecavelmente controlada de um quarteto que sabe como manipular os nossos sentidos, fazendo-nos facilmente dançar, até perdermos o fôlego e deixarmos o nosso corpo esvair-se num misto de agonia e boa disposição.

Depois do devaneio instrumental Through a Hazy, Easy Easy East encerra com About Ruined Everything, o instante mais pop, épico e melancólico do disco, uma canção com uma limpidez e um acerto melódico pomposo e luminoso que projeta os Loose Tooth para uma toada mais contemplativa e que demonstra a capacidade eclética do grupo em compôr boas letras e oferecer-lhes belíssimos arranjos, que ganham vida quase sempre à boleia de uma guitarra jovial e pulsante e com alguns dos melhores efeitos e detalhes típicos do rock alternativo e do indie punk vintage mais juvenil. Espero que aprecies a sugestão...


autor stipe07 às 23:33
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

Surfin' Mutants Pizza Party - The Kraken

Apesar de vir do frio Quebec canadiano, Julien Maltais, um jovem de apenas vinte e um anos, tem no sangue o calor do punk rock californiano. Ele é o líder e grande mentor do projeto Surfin' Mutants Pizza Party, que criou depois de ter liderado várias bandas de metal sem grande sucesso e ter decidido sozinho, no seu quarto, começar a criar música.

Julien vai-se estrear nos lançamentos discográficos com The Death of Cool, um trabalho que vai ver a luz do dia a dezanove de maio, em formato digital e cassete, através da insuspeita e espetacular editora, Fleeting Youth Records, uma etiqueta essencial para os amantes do rock e do punk, sedeada em Austin, no Texas.

The Kraken, um single disponivel para download gratuito, é o segundo avanço divulgado de The Death Of Cool e pela amostra, percebe-se que do surf punk, ao skateboarding, passando pela banda desenhada e a ficção científica, são várias as fontes de inspiração de um músico que cria uma colorida estética sonora, onde o vintage e o contemporâneo se misturam com particular acerto. Confere...

 


autor stipe07 às 10:23
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 7 de Maio de 2015

The Bats Pajamas - Wrong House

Oriundos de Toronto, os The Bats Pajamas mais uma forte aposta da texana Fleeting Yourh Records, de Ryan M. e preparam-se para a estreia nos discos a vinte e seis de maio com Hello, um trabalho gravado em poucos dias no quarto de um elemento da banda e que será editado em formato cassete e digital

Wrong House é o primeiro avanço divulgado de Hello, uma canção conduzida por guitarras plenas de distorção e que firmam o indie rock rugoso, cru, intenso e vibrante que faz parte do adn destes The Bats Pajamas, onde também sobressai uma voz que pula em poucos segundos de uma postura grave e acessível, para um registo ruidoso e particularmente enraivecido, ampliado por um curioso efeito em eco. Confere...


autor stipe07 às 22:18
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Bloglovin

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14


23
28

30
31


posts recentes

Doubting Thomas Cruise Co...

DIV I DED - Born to Sleep

DIV I DED - Late Awakenin...

Kissing Party - Justine v...

Kissing Party -Trash

Surfin' Mutants Pizza Par...

The Bats Pajamas - Witch ...

Loose Tooth - Easy Easy E...

Surfin' Mutants Pizza Par...

The Bats Pajamas - Wrong ...

Surfin' Mutants Pizza Par...

Loose Tooth - Skinny Chew...

LA Font - Whisperer

Loose Tooth- Pickwick Ave...

Spray Paint - Polar Beer

Robot Princess - Violent ...

Van Dale - Bed Of Bricks

Robot Princess - Action P...

Mumblr - Full of Snakes (...

ScotDrakula - Burner & Br...

X-Files

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

Procura...

 

Visitors (since 31.05.12)

blogs SAPO

subscrever feeds