Sexta-feira, 16 de Junho de 2017

Fleet Foxes – Crack-Up

Seis anos depois de Helplessness Blues, o último registo de originais, os norte americanos Fleet Foxes regressam em 2017 aos discos com Crack-Up, título inspirado num ensaio do aclamado escritor F. Scott Fitzgerald. Este novo trabalho da banda atualmente formada por Robin Pecknold, Skyler Skjelset, Casey Wescott, Christian Wargo e Morgan Henderson, vê a luz do dia à boleia da Nonesuch Records e foi produzido por Robin e Skyler, membros do grupo, misturado por Phil Ek e masterizado por Greg Calbi.

Resultado de imagem para fleet foxes band 2017

Os Fleet Foxes são fiéis depositários da identidade mais genuína de uma América que sempre viu na folk um veículo privilegiado de transmissão de todo o seu referencial identitário. Escutar as composições deste projeto é vaguear, obrigatoriamente, pelos meandros de uma realidade civilizacional natural e humana alicerçada numa enorme massa migrante que atravessou o atlântico nos séculos XVIII e XIX, mas também nas raízes deixadas por diferentes tribos que coabitaram com a natureza durante centenas de anos sem qualquer intromissão estrangeira. Assim, mesmo que alguns detalhes eletrónicos e uma vasta miríade instrumental suportadas pelas mais recentes inovações tecnológicas aplicadas à produção musical sejam manuseadas na concepção dos seus discos, estes Fleet Foxes fazem sempre questão que as suas canções soem o mais orgânicas e nativas possível, com a mira bastante apontada ao experimentalismo folk que começou a impressionar e a espevitar tantos nomes hoje consagrados na década de setenta do século passado.

Logo na tríade I Am All That I Need / Arroyo Seco / Thumbprint Scar, se um simples acorde acústico de uma guitarra e um sussurro abrem as hostilidades, rapidamente a canção nos desassossega e plasma a típica monumentalidade espiritual deste projeto, com tambores, sopros e cordas a revezarem-se entre si numa complexa teia relacional que muitas vezes faz suster a respiração, tal é a imensidão com que nos submerge. Depois, na exuberância luminosa e optimista da dupla Cassius - – Naiads, Cassadies, uma canção, em duas, que nos impulsiona, com a ajuda dos violinos, a atingir o estrelato, mesmo que não pareça haver nada de motivador ao virar da esquina, mas também na beleza e no charme vibrante de Fool’s Errand, nos quase nove minutos verdadeiramente inspiradores e tocantes de Third of May / Ōdaigahara, uma canção conduzida por uma simples melodia de uma viola em redor da qual o piano e a bateria se insinuam continuamente e na intimista religiosidade a que o amor acaba por saber nas teclas e nas cordas de If You Need To, Keep Time On Me, fica presente uma das marcas mais importantes da identidade destes Fleet Foxes, relacionada com a capacidade que têm em servir-se da simplicidade orgânica para adoçar o nosso coração com inquietude e coragem, deixando-o no ponto para a obtenção de grandes feitos, através de um cerrar de punhos que carece de ruído excessivo ou uma intrincada teia melódica, ritmíca e estilistica para se efetivar. Por outro lado, na sobriedade da guitarra e da batida sintetizada de Mearcstapa, ou no minimalismo inicial de On Another Ocean (January / June), depois quebrado por uma guitarra que não receia distorcer no tempo certo e por uma bateria intensa e encorpada, percebe-se que quer alguns aspetos essenciais da eletrónica atual, mas também do rock de cariz mais indie também são outra marca indelével dos Fleet Foxes, abastecendo e enriquecendo ainda mais o seu cardápio sonoro, com o mesmo efeito fortemente sentimental, interior e imersivo.

Crack-Up é um retrato humanamente doce e profundo, mas também algo inquitetante e por isso revelador, da génese e dos alicerces da realidade civilizacional riquíssima do lado de lá do atlântico, uma realidade que justifica em grande medida o modo de vida fortemente evoluído e tecnológico em que vivemos, mas que tem nos seus pilares aquilo que de mais genuíno podemos experienciar enquanto seres vivos que é a vibração do interior desta terra mãe que nos alimenta e que hoje sofre de modo tão audível como aquele efeito cavernoso que encerra I Should See Memphis. De facto, a música dos Fleet Foxes tem esta espantosa capacidade de nos fazer refletir sobre aquilo que somos hoje e os desafios que nos esperam, ao mesmo tempo que enquanto manifestação artística se torna reveladora por desmascarar sensorialmente toda a pafernália biológica, física e filosófica por um lado e religiosa por outro que descreve a sociedade dos nossos dias, colocando perante nós aquilo que realmente deveria importar e fazer-nos verdadeiramente felizes que é a essência harmoniosa do que de mais virgem e intocável existe em nosso redor. Espero que aprecies a sugestão...

Fleet Foxes - Crack-Up

01. I Am All That I Need / Arroyo Seco / Thumbprint Scar
02. Cassius, –
03. – Naiads, Cassadies
04. Kept Woman
05. Third Of May / Ōdaigahara
06. If You Need To, Keep Time On Me
07. Mearcstapa
08. On Another Ocean (January / June)
09. Fool’s Errand
10. I Should See Memphis
11. Crack-Up


autor stipe07 às 21:33
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...


more about...

Follow me...

. 51 seguidores

Powered by...

stipe07

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parceria - Portal FB Headliner

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Em escuta...

Twitter

Twitter

Blogs Portugal

Bloglovin

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

Tame Impala – Currents B-...

Björk – Blissing Me

The Wombats – Lemon To A ...

Walk The Moon – What If N...

Plastic Flowers – Absent ...

Bruno Pernadas e Ricardo ...

Dear Telephone - Cut

Martin Carr - New Shapes ...

Grooms – Exit Index

Destroyer – Ken

Black Rebel Motorcycle Cl...

Franz Ferdinand – Always ...

Mano a Mano - Mano a Mano...

My Sad Captains – Sun Bri...

St. Vincent - Masseductio...

Walk The Moon – Headphone...

Grandfather's House - Div...

Hamilton Leithauser – Hea...

Paperhaus – Are These The...

MGMT – Little Dark Age

X-Files

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

I Love...

Os melhores discos de 201...

Astronauts - Civil Engine...

SAPO Blogs

subscrever feeds