Domingo, 31 de Julho de 2011

GusGus - Arabian Horse

Dois anos após o álbum 24/7, o trio islandês composto por Presidente Bongo, Biggi Vieira e Daniel August sentiu o desejo de se reunir novamente e montaram um estúdio improvisado numa casa de verão construída junto de um campo de lava, na Islândia natal. E assim nasceu Arabian Horse, aquele que é o segundo disco dos GusGus para a editora Kompakt, casa com importante expressão nos terrenos da techno minimal.

A carreira destes islandeses pode ser dividida basicamente em dois momentos: o primeiro entre 1995 e 1999, ano em que lançaram This Is Normal, o último álbum editado na 4AD; O segundo, desde Attention (disco de 2002) até agora. Esta divisão é unânime no seio da crítica musical porque, na mudança de século, a banda que contava com nove membros, entre músicos, designers e artistas visuais, foi reduzida a um trio de DJs. Como era de esperar, musicalmente também houve uma ruptura e o grupo perdeu uma certa aurea indie para mergulhar definitivamente na dance music, mais concretamente no techo minimal.

Flutuando tranquilamente entre a tal dicotomia que já é imagem de marca dos GusGus, feita pela mistura do house com o techno minimal, as dez músicas de Arabian Horse estão recheadas de camadas e mais camadas de diferentes efeitos provocados pelo manuseamento de sintetizadores. Mas o disco também se destaca pelas vozes convidadas, das quais destaco Daniel Agust, que canta em Believe, Urdur Hákonardóttir e Högni Elisson, elemento dos Hjaltalín. Tanto os sintetizadores como as vozes escolhidas ajudam a reforçar o tal clima do álbum que, como já referi, oscila entre o minimalismo que se usufrui num relaxante sofá e a house music. Mais para dançar, é verdade, mas é também um álbum relaxante, de paisagens frias e tranquilas. No fundo, os GusGus talham ao longo de Arabian Horse um percurso feito com uma electrónica de matriz mais paisagista e que transcende a lógica da canção pop de formato mais clássico. E fazem-no sem deixar de lado a pulsão rítmica que cativa o corpo para a pista de dança.

Deep Inside e Whithin You são os meus grandes destaques do disco; A primeira soa-me a um hino que usa acordes feitos para serem escutados em grandes salas e que normalmente se ouvem em músicas mais comerciais; E ambas conseguem encontrar o equilíbrio com uma linha de baixo feroz, conjugada com vocalizações ímpares e difíceis de descrever por não terem paralelo em algo que já tenha ouvido.

É verdade que os GusGus não renunciam neste disco às suas influências originais e criaram um álbum que recorda um período esquecido da pop dance do início dos anos noventa. Mas engane-se quem julgar que Arabian Horse soa como algo retro! Considero que este disco está profundamente enraizado no som que se faz hoje dentro do género, sendo um dos maiores destaques que a Kompakt lançou até à data. Recomendado!

01. Selfoss 05:43

02. Be With Me 05:10
03. Deep Inside 04:48
04. Over 05:54
05. Within You 05:39
06. Arabian Horse 06:04
07. Magnified Love 04:54
08. Changes Come 07:33
09. When Your Lover’s Gone 05:24
10. Benched 08:20

 

download


autor stipe07 às 19:09
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 30 de Julho de 2011

Os meus filmes da década de 80.

Todos os que me são contemporâneos recordam-se certamente de ter começado a desenvolver a sua veia cinéfila na década de oitenta. E tudo começou com o fascínio que eram as sessões de domingo à tarde nas salas de cinema que existiam em praticamente todas as localidades do país e que eram autênticos locais de peregrinação semanal. Hoje, muitas dessas salas foram adquiridas por privados e estão também convertidas em locais de culto, mas onde se vendem curas, milagres e promessas de um lugar no paraíso de acordo com as oferendas monetárias que deixarmos no final da cerimónia.

Com o advento e proliferação dos centros comerciais, a globalização da internet e o desenvolvimento de canais de televisão temáticos com possibilidade de subscrição de conteúdos cinéfilos, ir ao cinema deixou de ser uma necessidade e já não existe aquele encanto e sabor a aventura e novidade. Fica a nostalgia e a memória de alguns dos melhores e mais emblemáticos filmes da história do cinema, produzidos e realizados nessa década de oitenta. Os meus preferidos são...

<b>22. <i>Top Gun</i></b> (1986) There's no doubting the homoerotic subtext of the tale of fighter pilots and their pissing contests but since when is homo-eroticism a bad thing? "You can be my wingman anytime!", "Bullshit, you can be mine!"

 

<b>21. <i>The Karate Kid</i></b> (1984) Rocky for kids. Or at least it would be Rocky for kids if lead actor Ralph Macchio wasn't 22 at the time. 22!!! That's right folks, Daniel-San was a grown adult beating up children. Hang your head in shame Miyagi!

 

<b>17. <i>The King Of Comedy</i></b> (1982) From the late 70's to the early 90's, and right through the 80's, Scorsese and De Niro were at the top of their game. For proof of Rupert Pupkin's legacy, you need look no further than David Brent et al. Cringe Comedy at its most brilliantly uncomfortable.

 

<b>16. <i>Aliens</i></b>  (1986) How do you make a scarier film than Alien? The answer is you don't even try. The true genius of James Cameron's sequel is the choice to swap genre from Sci-Fi/Horror to Sci-Fi/Action, without this simple but brilliant change it would have been "Game Over Man", right from the start.

 

<b>15. <i>Ghostbusters</i></b> (1984) A truer statement could not have been made by <a href="http://www.twitter.com/hoverbird" target="_blank">@hoverbird</a> on Twitter yesterday, "Everybody thinks <i>The Social Network</i> is the best movie about forming a start-up company, they are wrong. The best movie is <i>Ghostbusters</i>."

 

<b>11. <i>Raiders Of The Lost Ark</i></b> (1981) Spielberg, Lucas, Ford. The absolute holy trinity of entertainers. Throw in Nazis, supernatural shenanigans and snakes and the result is the perfect cocktail of action and adventure.

 

<b>10. <i>Batman</i></b> (1989) Before Christopher Nolan took the caped crusader into the real world, Tim Burton arguably had the tougher job of reinventing Batman from the camp 60's Adam West version. By doing so he paved the way for every summer since to be infested with capes and masks.

 

<b>8. <i>The Empire Strikes Back</i></b> (1980) When Irvin Kershner passed away earlier this year, the greatest compliment to his career was to simply state, "I love <i>The Empire Strikes Back</i>". Looking down on us we can only hope his response was a simple, "I know".

 

<b>7. <i>Back To The Future</i></b> (1985) 'The Power Of Love', "save the clock tower", “Great Scott!”, “It's the Libyans!”, 88mph, “This is Heavy!”, The Enchantment Under The Sea Dance, “1.21 Gigawatts”, Earth Angel, “I'm your density” and most importantly, “If you put your mind to it, you can accomplish anything”. A true classic in every possible way.

 

<b>6. <i>The Terminator</i></b> (1984) Watching it now, James Cameron's ultimate killing machine oozes 80's out of every cyborg pore (just check out the club Tech Noir) but it still hasn't aged a day in terms of ground breaking effects and tension. Go with it, if you want a textbook definition of rollercoaster thrills.

 

<b>3. <i>Raging Bull</i></b> (1980) The second 80's De Niro/Scorsese combo to make the list (they only made two) asked all the questions <i>Rocky</i> failed to. "How much of a beating can one man take?", "How do you cook a good steak", and most pressingly, “Did you fuck my wife?”.

 

<b>2. <i>Blade Runner</i></b> (1982) Original, director's, definitive or final cut - whichever version of Ridley Scott's science fiction classic you lay your hands onn you're sure of an incredible movie experience. Just don't ask Ridley or Harrison to debate if Deckard's a replicant. You're likely to reach your expiration date before they reach a consensus.

 

tags: ,

autor stipe07 às 11:51
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 29 de Julho de 2011

Justus Clarke - Livin' It

Lançado a 13 de maio de este ano, Livin' It é o álbum de estreia de Justus Clarke, músico natural de Pittsburgh e penso que a minha primeira dica no domínio da r&B e da soul. Espero que também aprecies a sugestão...

Livin' It Cover Art
Hold On
LovelyLady
Livin' it
Runnin'
Coffee
Beat You To It
BitterSweet
Stay
Brandywine

 

Download 


autor stipe07 às 16:28
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 28 de Julho de 2011

I The Mighty - Heart And Spades

Os The Mighty são uma banda de pop punk progressivo de São Francisco, na Califórnia e que lançou já em março de 2010, Heart And Spades, este EP que agora divulgo, misturado e produzido por Pete Krawliec através da Equal Vision Records.
No EP, Modern Medicine é feita com vocalizações angustiadas sobre riffs de guitarra melódicos e uma bateria com um ritmo constante. Technicolor tem um vibe completamente diferente porque começa com um piano que faz lembrar os ambientes de cabaré, acompanhado por  guitarras estridentes que ligam a melodia com as letras.
A faixa título do EP tem vocalizações elegantes e que encaixam muito bem com a guitarra acústica, levando a um crescendo de um coro e I The Mighty Defeatist usa inteligentemente vários efeitos eletrónicos para a música. No entanto, as quatro primeiras faixas são apenas um prelúdio porque Just Drive é a obra prima do EP; Esta música de seis minutos mistura vocalizações cheias de falsetes com refrões fortes, tocados com quase todos os instrumentos imagináveis, misturando-se tudo para criar uma espécie de ópera rock que deve ser fantástica ao vivo. Espero que aprecies a sugestão...
  

Hearts and Spades Cover Art

Technicolor

Modern Medicine

Hearts And Spades

I The Mighty Defeatist

Just Drive
Download


autor stipe07 às 16:29
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Terça-feira, 26 de Julho de 2011

Roman Photos - Inland Lines EP

Os Roman Photos são de Atlanta e o EP que sugiro é bastante recente e foi misturado por Travis Thatcher. A sonoridade desta banda gravita atualmente em torno de uma mescla bastante variada onde se insere a sonoridade disco, o dub, o chamado post punk, a eletrónica, a indie, a new wave e a synth pop. Mas nem sempre foi assim...

30459_400886013612_137802543612_4377932_4166124_n.jpgPelas pesquisas que fiz percebi que os Roman Photos passaram por um conturbado processo evolutivo nos últimos dois anos. Inicialmente, a ideia era, musicalmente, enveredar pelo caminho do pós punk; No entanto, com o afastamento precoce, mas amigável, do baixista Chris Daresta, o resto do grupo (Allen Taylor, David Mansfield e Drew Harond) manteve o projeto, que enveredou por sonoridades que se inserem na chamada dance rock e na eletrónica, como prova este Inland Lines.

Este EP foi gravado em 2010, mas só viu a luz do dia a 17 de maio deste ano. Espero que aprecies a sugestão...

Inland Lines EP Cover Art

Totems

Lounge

Send Me Back

Lines

Download


autor stipe07 às 14:35
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 25 de Julho de 2011

3 de rajada... XXXVI

Volto a  Três De Rajada..., que parte da minha busca por novidades e pretende dar a conhecer música nova, lançada hoje no mercado discográfico. Esta semana destaco Wild Beasts, British Sea Power e Teeth. Toca a ouvir e a tirar ilações...

 

Wild Beasts - Bed Of Nails

 
 
 
 
Teeth - Care Bear

autor stipe07 às 19:46
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Domingo, 24 de Julho de 2011

Stereoshape - Hello City EP

Os alemães Stereoshape são um trio formado por Oliver Rieger e pelos irmãos Jens Rodner e Lars Rodner. A banda combina diferentes estilos musicais e entrelaça-os numa rede intrincada de sons onde reina o triphop, o disco, o funk e a pop. A evolução musical diferente dos membros da banda caracterizam esta mistura particular de estilos.
Jens Rodner é um guitarrista de rock que tem tocado ao longo dos anos em diversas bandas de hard rock, jazz,  blues e funk.  O irmão Lars também tem uma longa história em bandas rock, mas como cantor, inspirando-se em músicos como Billy Joel e Morrissey. Em simultâneo foi alimentando o seu amor pelo jazz interpretado por Miles Davis, John Coltrane e Chick Corea. Oliver Rieger é o coração eletrónico dos Stereoshape. O seu amor pela música eletrónica e seu dom reconhecido para a batida certa, fizeram logo dele o responsável pela forma, estrutura e cor das canções da banda.

Sempre achei que a pop não é propriamente um género musical, mas antes um tipo de som que poderá ser encontrado em diferentes géneros musicais. Assim como uma cidade abrange milhares de rostos de diferentes etnias, sentimentos, opiniões e modos de vida, o brilho da pop como som é uma espécie de atributo que, numa determinada música, funde e solda conteúdos e estilos diversos, no seio dessa composição.
Dentro deste espírito, Hello City, o EP que estes Stereoshape lançaram já em 2009 através da iD.EOLOGY e que só descobri agora, é essa pop, conforme eu tentei descrever na frase anterior e no seu melhor.
As canções contam histórias sobre devaneios românticos que têm supostamente lugar em noites selvagens onde impera o puro prazer. Falam de viagens psicadélicas, o início de um novo amor ou simplesmente sobre o fascínio de uma simples troca de olhares junto a uma pista de dança. A audição é saborosa e relaxante e o som polido é ligado por elementos sonoros estilísticos da triphop, do funk, do blues, do disco, do electro e do lounge.
Em suma, é um EP que destila urbanidade e sensualidade e que se pode ouvir no terraço de um apartamento no centro da cidade, na esplanada de um bar junto ao rio (tenho sempre a ideia formada que todas as cidades são atravessadas por um rio...), ou durante uma viagem de metro. Seja onde for que se ouça, certamente que nos transportará para o universo que descrevi acima. Espero que apreciem a sugestão...
  

That's The Spirit

If I Could

Superclose

So Hot

Download


autor stipe07 às 18:37
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 23 de Julho de 2011

Curtas... XIV

Os Snow Patrol estão de regresso e acabam de divulgar o single Called Out In The Dark, retirado daquele que será o sexto álbum de originais da banda e sucessor de A Hundred Million Suns (2008). O disco será antecipado pelo lançamento de um EP, previsto para o dia 4 de setembro e que aguardo com enorme expetativa.
A banda tem estado a gravar no estúdio Topanga Canyon, em Los Angeles, com o produtor Jacknife Lee, que já trabalhou com os Snow Patrol nos últimos três discos da banda.


 

 

Os norte americanos Wilco de Jeff Tweedy, desvenderam recentemente I Might, numa emissora de rádio norte-americana e que fará parte de  The Whole Love (veja vídeos das gravações aqui), o novo disco da banda. De acordo com Jeff Tweedy, o novo álbum dos Wilco será dividido em canções de inspiração pop e country. I Might insere-se na primeira categoria, tendo como base um ritmo marcado pela bateria e posterior distorção dos outros instrumentos. Na minha opinião, mais um tiro certeiro desta excelente banda.

Wilco - I Might

 

Chilly Gonzales, músico canadiano e importante referência do eletro-jazz e do chamado nu-disco, lançou no passado dia 7 de junho um álbum de rap orquestrado, o primeiro do género na história da música, pelo que pude apurar. O sucessor de Ivory Tower, onde se incluia o clássico You Can Dance, chama-se The Unspeakable Chilly Gonzales e reforça a flexibilidade e experiência de um músico que, apesar de já ter quarenta anos, metade deles a compor, não para de inovar e de produzir. Party In My Mind é o primeiro single deste disco inusitado.


autor stipe07 às 16:14
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 22 de Julho de 2011

Aster - Liquor Family Warehouse

Quem tiver a curiosidade de ouvir, poderá achar que esta minha nova descoberta não passa de uma banda que junta de forma desordenada sons, sem qualquer critério, para tentarem assim fazer a diferença. Eu consigo ver um pouco mais além disso...

Oriundos de Memphis, os Aster são constituidos por Dominic Van Horn e Nicholas Lowery e fazem som ambiente e experimetal, do melhor e mais criativo que ouvi ultimamente. À medida que criam música vão publicando-a em pequenos EPs que também me chamaram a atenção pelo belíssimo aspecto visual, de como a música colorida e abstracta. Disponibilizo os três EPs mais recentes da banda e espero que ouças e aprecies a sugestão...

LIQUOR FAMILY WAREHOUSE (02.05.2011)

LIQUOR FAMILY WAREHOUSE Cover Art

Howling Wolf2

Liquor Warehouse Family

Goons

Download

 

MAYWOOD (27.04.2011)

MAYWOOD Cover Art

Here To Build You Up

Blinking

Moonbeans

Download

 

ELUDES (19.04.2011)

ELUDES Cover Art

Whistle Tips

Human Wishes

Interlude

Download

 

Facebook


autor stipe07 às 14:45
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 21 de Julho de 2011

Back Pockets - Bulla EP

Esta novidade vem da Austrália, o EP data de 15 de fevereiro e a sonoridade insere-se na eletrónica e na folk experimental. Espero que aprecies a sugestão...

Bulla EP Cover Art

download


autor stipe07 às 22:52
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 20 de Julho de 2011

Public Transport - Public Transport EP

Depois do dia mais feliz da minha vida e que agora vai ter sequência por muitos e longos anos e de uma lua de mel fantástica na terra dos burritos, mariachis e tequillas e onde também se ouviu boa música portuguesa (para breve um post dedicado a este assunto), estou de volta com novidades, sugestões e o que mais apetecer. E para este regresso, sugiro um projeto que descobri há algumas semanas chamado Public Transport.

Public Transport é um projeto a solo de Duncan Bailey, natural do Maine e que  também é fotógrafo e tem um programa semanal de rádio, na rádio WERU, onde toca essencialmente rock e música eletrónica.

Duncan começou a escrever música em 1998, que foi lançando gratuitamente na internet. No site do músico podes encontrar toda a sua discografia disponível. No passado dia 27 de junho, Duncan lançou mais um EP, agora através da etiqueta 23 Seconds Netlabel.

De acordo com a crítica, a música dos Public Transport leva-nos numa viagem de sonho com ponto de partida no shoegaze e na chillwave. Assim, temos aqui música pop eletrónica, filtrada com alguma distorção e influências óbvias do final do século passado, nomeadamente os My Bloody Valentine e os Stereolab. Espero que aprecies a sugestão...

1. Der Unterschied zwischen Signal und Rausch
2. Up All Night
3. Interlude
4. Never Coming Back
5. Airy

Download

 

Facebook


autor stipe07 às 17:11
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 7 de Julho de 2011

Henrik José - The Little Things EP

Henrik José é um músico natural de Malmö, na Suécia e apaixonado pela sonoridade eletro pop. Começou a fazer música com computadores em 1995 e lançou-as gratuitamente na internet em 1997. Tem vários lançamentos com o pseudónimo BLISS e o EP The Little Things, que já viu a luz do dia em janeiro de 2010 mas só agora o descobri, é o primeiro lançamento oficial como Henrik José e também a estreia na 23 Seconds Netlabel.


A música deste EP combina elementos intensivos, com atmosferas lentas, descontraídas e, na minha opinião, bonitas, até porque são depois encharcadas em perfeitas e hipnóticas melodias pop. Poinpointing The Problem é o grande destaque do EP e o vídeo costuma ser utilizado com enorme sucesso nos seus sets ao vivo. Espero que aprecies a sugestão...


  1. Rich And Timeless
  2. Pinpointing The Problem
  3. The Little Things
  4. Magnet In My Mouth
  5. We Own This Thing

Download


autor stipe07 às 19:47
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 6 de Julho de 2011

Death Cab For Cutie- Codes and Keys

Um dos discos que tenho andado a ouvir no meu pouco tempo livre é Codes and Keys, o novo trabalho dos norte americanos Death Cab For Cutie, formados por Ben GibbardChris Walla, Nick Harmer e Jason McGerr.

Já vai longe o tempo em que se ouvia falar dos Death Cab For Cutie como um grupo exclusivo de um reduto número de fãs e um dos pequenos ícones da música independente norte-americana. A popularidade crescente da banda, reforçada pelas suas participações em várias séries televisivas, os olhares dos média sob o casamento de Ben Gibbard e Zooey Deschanel e a enorme popularidade de algumas composições, apenas trouxeram maior visibilidade ao som do grupo de Bellingham. No entanto, esta massificação da imagem da banda, felizmente não prejudicou as suas composições, como comprova este Codes and Keys.

Há imenso tempo que a escrita e composição de Gibbard não se inspirava no panorama melancólico encontrado nos primeiros discos da banda, quando ela era uma espécie de projeto a solo, algo que em Transatlanticism (2003) teve o seu ponto máximo. Recordo que nesse disco houve uma grande quantidade  de versos e sons que se guiavam por uma tristeza sem limites. Embora a temática depressiva ainda fosse o mote para algumas das obras recentes dos Death Cab For Cutie, como Plans (2005) e Narrow Stairs (2008), tanto as letras como a instrumentação deste novo disco mostram um novo caminho, algo que não apenas evita que o grupo caia em repetições, como torna as propostas da banda sempre inéditas.

Para este sétimo álbum, o grupo mais uma vez prima pela inovação, guiando as canções através de duas vertentes distintas, que fazem com que o som do quarteto se evidencie mais uma vez de forma nova e criativa. Salta logo ao ouvido o uso relevante de programações, efeitos, sintetizadores e o uso moderado da bateria eletrónica, o que dá ao registo uma maior aproximação ao que Gibbard faz no seu projeto paralelo, os The Postal Service. Porém, enquanto nesse projeto paralelo o som se inclina de forma expressiva para uma toada mais sintética, dentro de Codes and Keys tais elementos surgem como um complemento ao som da banda.

Esta descrição que acabo de fazer torna-se evidente logo na abertura do trabalho, através de Home Is a Fire, uma música enérgica, quase desprovida de batidas e teclados, mas com a voz carregada de efeitos. Em Some Boys ocorre o mesmo, porém de forma mais esparsa e com uma maior ligação entre a instrumentação sintética e outros sons mais orgânicos. Este cruzamento intensifica-se posteriormente em St. Peter’s Cathedral, com os toques de eletrónica a funcionarem como uma espécie de tempero às composições e inviabilizando que o som do álbum soe excessivamente similar aos registos anteriores do grupo.

A outra temática desenvolvida dentro do disco vem inserida no funcional uso das guitarras, algo que através do último álbum (Narrow Stairs) passou a contabilizar maior espaço dentro da sonoridade dos Death Cab For Cutie. Enquanto nos primeiros discos da banda as guitarras orientavam-se para uma sonoridade mais acústica, com as guitarras tocadas sem distorção, dando aos discos um caráter intimista, em Codes and Keys o som das guitarras é mais grandioso e elétrico. Neste novo álbum tudo parece melhor solucionado e os acordes soam de forma mais límpida e grandiosa, conduzindo a banda rumo a um som mais direto e eficaz.

A banda até aproveita ainda para experimentar instrumentos mais variados, como em Portable Television, uma música que soa de forma completamente distinta de algo que os Death Cab For Cutie já tenham feito antes, ou em Stay Young, Go Dancing, que mesmo guiada pela acústica, apresenta a banda de forma alegre e nada intimista, cheia de acordes ensolarados e totalmente distantes da tristeza de outras épocas.

Diferente dos demais álbuns do grupo, este sétimo disco parece-me um trabalho menos fechado, servindo quase como um ponto de partida para uma futura exploração de novas formas de fazer som. Não é o que pode ser visto como uma evolução, até porque, na minha opinião, tanto Transatlanticism quanto Plans prevalecem como os melhores registos do grupo e são discos instrumentalmente superiores a este, além de guardarem os mais belos versos já expostos pelo quarteto. Mas, Codes and Keys demonstra que um dos maiores atributos desta banda é terem o dom de se manterem fiéis à sua própria identidade sem serem repetitivos. São autênticos, mas pouco previsíveis! Cada álbum deles é uma experiência nova, e não a repetição da mesma receita. E é por isso que são, quanto a mim, uma grande banda.

Ben Gibbard e Nick Harmer poderiam muito bem deitar-se nos louros das glórias passadas, aproveitar a base de segura de fãs que a banda tem e embarcarem num disco de releitura deles próprios. Mas se tivessem tido ao longo da carreira esse tipo de atitude, provavelmente não teriam chegado a este sétimo disco.

  1. Home Is A Fire
  2. Codes And Keys
  3. Some Boys
  4. Doors Unlocked And Open
  5. You Are A Tourist
  6. Unobstructed Views
  7. Monday Morning
  8. Portable Television
  9. Underneath The Sycamore
  10. St. Peter's Cathedral
  11. Stay Young, Go Dancing

Death Cab for Cutie – You Are A Tourist

Death Cab for Cutie – Home Is A Fire

Death Cab for Cutie – Some Boys

Death Cab for Cutie – Underneath The Sycamore

Death Cab for Cutie – St. Peter’s Cathedral

 

http://www.deathcabforcutie.com/


autor stipe07 às 22:01
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Terça-feira, 5 de Julho de 2011

Tracing Arcs - Eye See You

Os Tracing Arcs são de Liverpool, começaram a sua carreira já na década de noventa, mas só agora estão a atingir uma maior visiblidade com Eye See You, o seu mais recente EP. A banda é constituida por Fran Kapelle, que trabalhou como cantora com vários artistas (Brian Kennedy, Ian Shaw, Eddie Reader, Mary Coughlan e Grimes Carol), Paul Addie, Violet Williams e Terry Pack, anterior baixista dos The Enid e que também já tocou com Johnny Marrs e alguns dos melhores artistas de jazz do Reino Unido e Europa.

Assim que comecei a ouvir o EP, imediatamente percebi que esta banda consumiu o Blue Lines e o 100th Window dos Massive Attack até à exaustão, com algumas pausas de desenjoo no leitor com discos dos Zero 7 e dos Cinematic Orchestra. No entanto, e segundo a crítica que li, o som dos Tracing Arcs resulta de uma conspiração para misturar o período mais eléctrico do trompetista e compositor Miles Davis, a beleza frágil de David Sylvian, as aventuras sonoras de Brian Eno, Jon Hassel, e Michael Brook e o jazz exploratório de John Martyn.

Segundo a crença popular, a beleza está nos olhos de quem . Para alguns, esse conceito tem a ver com simplicidade, perfeição e ser-se dotado uma aparência impecável. Outros acham que a beleza se encontra nos momentos genuínos e a beleza musical dos Tracing Arcs acontece porque eles conciliam autenticidade sonora com um enorme bom gostomusical. Logo que as primeiras notas do EP começaram a martelar os meus ouvidos, uma espécie de filme noir, carregado de glamour, começou a rolar aqui dentro. Os acordes jazzísticos e o baixo profundo ajudam a esboçar um mundo cheio de subtileza que nos deixa enfeitiçado quando a voz subtil e sedutora de Fran Kapelle entra em cena.

Quaisquer que sejam as descobertas musicais que se façam, o que fica sempre marcado na nossa memória musical à posteriori da audição, é provocado por algo inovador e único. Ou então essa mesma audição faz-nos voltar à tona um tipo de sonoridade que em tempos nos atraiu imenso e que depois deixou de se ouvir. Foi este o duplo efeito que Eye See You teve em mim.

Em jeito de curiosidade acrescento que os Tracing Arcsforam solicitados para escrever música para dança contemporânea e para teatro. Algumas das suas obras musicais puderam ser ouvidas no Riverside Theatre em Londres e outros teatros no sudeste da Inglaterra. Espero que aprecies a sugestão...

id063_frontcover_mittel.jpg

Deep Breath

Consequence of Love

Pebbles & Weed

So Beautiful

Sheep & tides (for Big Al)

Wildworld

Recovery

Download


autor stipe07 às 22:11
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (2) | The Best Of Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 4 de Julho de 2011

3 de rajada... XXXV

Volto a  Três De Rajada..., que parte da minha busca por novidades e pretende dar a conhecer música nova, lançada hoje no mercado discográfico. Esta semana destaco Bright Eyes, Grouplove e Guillemots. Toca a ouvir e a tirar ilações...

Bright Eyes - Jejune Stars

 
 

autor stipe07 às 19:47
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Domingo, 3 de Julho de 2011

IKE. - IKE.

Divulgo hoje mais um daqueles segredos recentes e, para já, muito bem guardados ou, infelizmente, bastante mal divulgados.

Lançado no passado dia nove de maio, este EP homónimo, assinado por IKE., um músico natural de Pittsburgh, na Pensilvânia, é constituído por cinco músicas cujo ambiente sonoro gravita em torno do blues e da soul, conjugados com um traço sonoro de modernidade fornecido pela eletrónica. O meu grande destaque é Focus On Concentrate, mas vale a pena ouvir atentamente e descobrir todo o disco. Espero que aprecies a sugestão...

IKE. Cover Art

Change option

Koenig

Beautiful DANCE

Focus On Concentrate

Fuck The Fox

Download


autor stipe07 às 20:56
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 2 de Julho de 2011

The Way Back - Peter Weir

Algumas semanas após o último texto sobre o tema, estou de volta ao cinema e hoje para destacar aquela que é para mim a estreia da semana e e um dos filmes que mais aguardava que chegasse às salas de projeção. Refiro-me a The Way Back (Rumo à Liberdade), do realizador Peter Weir (A Testemunha, Master and Commander – O Lado Longínquo do Mundo e O Clube dos Poetas Mortos).

A narrativa de The Way Back é baseada em fatos verídicos e passa-se em plena segunda guerra mundial, mas não é esse o tema central do filme. É uma aventura que relata a fuga de um pequeno grupo de prisioneiros de várias nacionalidades de um gulag na Sibéria em 1940, bem como a sua jornada de vida ao longo de milhares de quilómetros por cinco países hostis. Pessoalmente e além da aventura em si que deverá ter boas sequências de puro entertenimento, importa-me perceber de que forma é retratado um dos regimes totalitários mais violentos da história, contemporâneo ao nazismo hitleriano, mas que certamente não lhe ficou atrás nos horrores e no desejo de domínio através da submissão e do terror. Fica a sinopse;

 

Inspirado no aclamado romance de Slavomir Rawicz, The Long Walk: The True Story of a Trek to Freedom, bem como em outros relatos da vida real, o realizador nomeado para 6 Óscares Peter Weir (A Testemunha, Master and Commander – O Lado Longínquo do Mundo e O Clube dos Poetas Mortos) traz-nos The Way Back, uma marcante aventura que relata a fuga de um pequeno grupo de prisioneiros de várias nacionalidades de um gulag na Sibéria em 1940, bem como a sua jornada de vida ao longo de milhares de quilómetros por cinco países hostis. The Way Back conta com Ed Harris, Colin Farrell, Jim Sturgess, Saoirse Ronan e Mark Strong, nos principais papéis. O filme é produzido por Joni Levin, Peter Weir, Duncan Henderson e Nigel Sinclair, com argumento de Peter Weir e Keith Clarke.

Intérpretes: , , , ,

Realização: Peter Weir

Distribuido em Portugal por:

Género: ,

Ficha Técnica:Duração: 2h13m | Origem: EUA, 2010

Site Oficial


autor stipe07 às 17:33
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Em escuta...

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Meatbodies - Tremmors

Childhood – Lacuna

Stardeath And White Dwarf...

Booby Trap - Calem-se Já!

Deerhoof - Exit Only

The Unicorns - Let Me Sle...

Dignan Porch – Observator...

Sinkane - New Name

Interpol - Ancient Ways

You Walk Through Walls – ...

Electric Würms - Transfor...

Blonde Redhead - The One ...

Spanish Gold – South Of N...

Landfork - Trust

Miracles Of Modern Scienc...

X-Files

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

Procura...

 

Visitors (since 31.05.12)

blogs SAPO

subscrever feeds