Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011

3 de rajada... XIII

De volta a 3 de Rajada..., como já é hábito à segunda-feira, deixo as minhas sugestões da semana com informação breve e pertinente para, quem queira, conhecer e tirar conclusões. Sugiro hoje Papercuts, Punks Jump Up e The Streets. Confere...

 

Papercuts – Do What You Will 

Os Papercuts, uma banda índie de San Francisco, acabam de divulgar Do What You Will, o primeiro single do novo álbum Fading Parade e quarto deste grupo californiano.

 

 

Os britânicos Punks Jump Up estão de volta às produções próprias com Blockhead, depois de nos últimos meses terem marcado presença nas pistas de dança com várias remisturas de nomes como Miami Horror, Tiga, Kele, Miike Snow ou Crystal Castles.
Aproveito para divulgar que esta dupla já confirmou a presença na edição deste ano do Baile dos Vampiros, a realizar-se em Março no Teatro Sá da Bandeira.

 

The Streets – Going Through Hell

Going Through Hell é o primeiro single retirado do quinto álbum dos The Streets, Computer & Blues, que será lançado no próximo dia 7 de Fevereiro.

 

Alguns álbuns editados hoje;

 

The Go! Team – Rolling Blackouts

Hercules & Love Affair – Blue Songs

Jeff The Brotherhood – Heavy Days

Ben Marwood – Outside There’s A Curse

Regina Spektor – Live In London


autor stipe07 às 22:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Domingo, 30 de Janeiro de 2011

Super-heróis em 2011

Já percebi que o ano de 2011 vai ser recheado de filmes sobre super-heróis. Deixo alguns trailers e ao longo do ano talvez volte a comentar algum destes filmes...

Thor

 

 

Captain America 

 

Tintin 

 

Transformers 3 - dark of the moon 

 

X-Men 4 

 

Hellboy 4

 

Green Lantern 

tags:

autor stipe07 às 21:19
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 29 de Janeiro de 2011

The Phoenix Foundation - Buffalo

 

Só porque a Nova Zelândia é um arquipélago isolado e entalado entre a Austrália e o Antártico, não significa que ela se exclui de tudo, inclusive da música e que não tenha bandas boas para apresentar ao mundo; O caso da Islândia, nos antípodas do país dos kiwis mas com algumas características geoposicionais similares, é apenas uma confirmação desta minha teoria.

Confesso desde sempre ter sentido uma enorme atração por este tipo de países, no que diz respeito à sua cultura musical. O isolamento potencia a nostalgia que tanto gosto, meio caminho andado para, estando a criatividade e o gosto pela preservação da sonoridade nativa presentes, haver qualidade musical e coisas bonitas e bem feitas.

Mas voltando à Nova Zelândia, no cenário musical independente parece existir bastante potencial por aqueles lados; Die! Die! Die!, Kids of 88, Ladyhawke, The Veils, (uma banda que gosto muito) The Clean ou os The Ruby Suns são alguns nomes já familiares para quem tenta descobrir música nova e se não são suficientes para abrir o apetite musical por este país, então apresento-vos uma banda quem os neo-zelandeses com certeza se sentem orgulhosos...

Chamam-se The Phoenix Foundation, nasceram na capital Wellington e os seus membros são Samuel Scott (guitarras e voz), Lukasz Buda (guitarras, voz e teclados), Conrad Wedde (guitarras), Tom Callwood (baixo), Richie Singleton (bateria) e Will Ricketts (percussão). Consideram que bandas como os Belle & Sebastian, Radiohead, Pixies, Sonic Youth e Grandaddy, são as suas maiores influências, o que me leva a admitir, tendo também em conta o que já ouvi deles, que a sua sonoridade seja uma mistura de rock/pop psicadélico, adocicado por alguma pop relaxante.

Já tinha feito referência a eles AQUI para recomendar Bleaching Sun, um single já de 2008, retirado do disco Happy Ending. Agora no início de 2011 estão de volta com Buffalo, o quarto disco de originais depois de Horsepower (2003), Pegasus (2005) e o já citado Happy Ending (2007). Buffalo já viu a luz do dia ainda em 2010, mas só foi editado na Europa na passada segunda-feira e deve estar a chegar também às nossas lojas.
Já conheço três músicas deste novo disco: Flock of Hearts, Buffalo e Pot. São melodias hipnotizantes em que a construção segue praticamente a mesma ideia do início ao fim e os vários instrumentos repetem os mesmos acordes, o que faz com que facilmente a melodia se instale cá dentro. O trabalho de produção dos vários sons em cada faixa é impecável, notando-se um cuidado extremo e digno de nota. Por fim, os refrões foram escritos para ficarem logo na retina e serem facilmente cantados.

Todos estes ingredientes devem fazer de Buffalo um álbum bem apetecível para a primavera que não tarda e deve ser também um daqueles discos em que a sensação da primeira vez não se esgota à primeira audição. Será certamente um disco a merecer audição mais atenta e repetida e uma das boas surpresas deste ano. Por cá já caminha firmemente nessa direção...

 

Eventually

Buffalo

Flock of Hearts

Pot

Bitte Bitte

Skeleton

Orange & Mango

Bailey's Beach

 Wonton

Golden Ship   

 

Os The Phoenix Foundation começam este fim-de-semana uma digressão pela Europa e que durará cerca de um mês. A maior parte das datas são no Reino Unido com os The Go! Team, mas também irão passar por algumas cidades como Amesterdão, Bruxelas, Paris, Colónia, Berlim, Hamburgo, Lausanne ou Zurique. Não faço a mínima ideia se Man On The Moon é lido em alguns destes países e cidades; Caso seja, não percam esta oportunidade.

 

Site Oficial

Myspace

 


autor stipe07 às 16:10
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Elbow Are Dead...!?

E assim se destrói uma banda... Vê como parece fácil!


autor stipe07 às 23:00
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|

Estreias da Semana 27.01.11

Das estreias desta semana nas nossas salas de cinema gostaria de destacar dois filmes...

 

Love And Other Drugs (O amor é o melhor remédio) é o filme que volta a juntar Anne Hathaway e Jake Gyllenhaal depois de Brokeback Mountain. É uma comédia romântica realizada por Edward Zwick (Resistentes, Diamante de Sangue, O Último Samurai) e baseada na autobiografia de Jamie Reidy, Hard Sell: The Evolution of a Viagra Salesman.

Vi ontem no Magazine Janela Indiscreta, da RTP2, a apresentação deste filme e percebi que Jamie é um delegado de informação médica da Pfizer (certamente o grande patrocinador deste filme), famoso por convencer os médicos a prescreverem Zoloft em vez do famoso Prozac. Pelo caminho, vai espalhando o seu charme pelo sexo oposto até se cruzar com Maggie, uma jovem que cultiva a sua independência. A atracção entre os dois é inevitável. E quando Jamie falha sexualmente com Maggie, descobre o Viagra, acabadinho de chegar ao mercado e que promete resolver a sua vida sexual e também a profissional. Por outro lado, assim que sente a relação torna-se mais séria, Maggie começa também a enfrentar o processo degenerativo da doença de Parkinson e decide afastar-se. Fica a sinopse e o trailer;

 

Maggie é um fascinante espírito livre que não permite que nada a prenda, nem mesmo um fascinante desafio pessoal. Mas conhece a sua cara-metade em Jamie Randall, cujo charme é quase infalível tanto com as senhoras como com as vendas de produtos farmacêuticos. A evolução da relação entre Maggie e Jamie apanha-os de surpresa, ao darem conta de estarem sob a influência da derradeira droga: o amor...

 

 

 

 

Estreia-se também hoje Biutiful, o novo filme do mexicano Alejandro González Iñárritu, rodado em Barcelona e interpretado por Javier Bardem, o que lhe valeu já a nomeação para o Óscar de Melhor Actor por este papel e o Prémio de Interpretação Masculina no Festival de Cannes.

É um poema sórdido, disse Alejandro González Iñárritu sobre o seu primeiro filme a ser filmado num país europeu e logo numa cidade que já tive o privilégio de visitar. Mas Biutiful não ocorre na Barcelona solar, hospitaleira e sensual que estamos habituados a ver nos folhetos turísticos, mas na Barcelona delinquente e clandestina. A acção centra-se em Uxbal, um homem que está a morrer de cancro e vive da exploração de imigrantes ilegais, de subornos e de traficar bens roubados. Com estas actividades ilícitas tenta garantir que os seus dois filhos pequenos não ficam desamparados quando morrer, procurando também a sua própria redenção pessoal num submundo de corrupção, ilegalidade, brutalidade e desumanidade generalizada.

Assim, parece-me que através da tragédia pessoal de Uxbal o realizador quer reflectir sobre alguns dos eternos dilemas da humanidade, ao mesmo tempo que expõe várias chagas do nosso mundo globalizado e as suas vítimas mais imediatamente visíveis nas grandes cidades ocidentais: os imigrantes clandestinos. Fica a sinopse;

 

Esta é a história de Uxbal, um homem em conflito, que luta para reconciliar a paternidade, o amor, a espiritualidade, o crime, a culpa e a mortalidade entre o perigoso submundo da Barcelona moderna. O seu meio de subsistência é ganho com biscates, os seus sacrifícios pelos filhos não têm limites. Tal como a vida, esta é uma história circular que termina onde começa. À medida que o destino o cerca e que vão sendo ultrapassados limites, um caminho fusco e redentor que se vai iluminando. Iluminando as heranças outorgadas de pai para filho, e a mão paternal orientadora que guia os caminhos da vida, sejam bons, maus, ou belos.

 

tags:

autor stipe07 às 22:57
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011

A Rapariga do Capuz Vermelho

Depois do sucesso que foi Alice de Tim Burton, Hollywood continua a querer recontar de forma mais adulta os clássicos infantis. Assim, já é conhecido o primeiro trailer de um dos filmes mais aguardados em 2011, Red Riding Hood, ou seja, A Rapariga do Capuz Vermelho.

Catherine Hardwicke, realizadora de filmes como Treze – Inocência Perdida e do primeiro da saga Twilight, está de volta com este filme que se assemelha à história que todos conhecemos do Capuchinho Vermelho. O enredo relata a vida de uma aldeia medieval que é assombrada por um lobo e da relação entre a jovem Valerie (Amanda Seyfried) e Peter (Shiloh Fernandez), um lenhador, obviamente.

Nesta versão do conto, Valerie é uma mulher entre dois homens; Ama Peter, mas os seus pais já lhe arranjaram casamento com um homem rico chamado Henry (Max Irons). Então, dispostos a viverem o seu amor, Valerie e Peter decidem fugir, mas mudam de planos quando a irmã de Valerie é morta por uma criatura que assombra as redondezas da vila em que vivem e que leva a população a chamar um famoso caçador, Solomon (Gary Oldman).

A Warner Bros. é a distribuidora deste filme que tem a curiosidade de um dos produtores ser o reconhecido Leonardo DiCaprio. A estreia nos Estados Unidos será dia 11 de março e o filme chegaráa Portugal dia 12 de Maio.

Para além do Capuchinho Vermelho, descobri que os estúdios de Hollywood também estão a trabalhar em dois projectos que incidem sobre a Branca de Neve. Fica o trailer de Red Riding Hood;

 
tags:

autor stipe07 às 20:21
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

Hercules And Love Affair - Blue Songs

 

Os Hercules & Love Affair são uma banda americana idealizada em 2004 pelo DJ e produtor nova-iorquino Andy Butler. Inicialmente o projeto também integrou Nomi Ruiz, Kim Ann Foxman e Antony Hegarty (este último, vocalista dos Antony and the Johnsons) que já não faz parte da banda. Após assinar contrato com a DFA Records, lançaram o álbum de estreia em 2008, intitulado Hercules and Love Affair.

A banda vai lançar na próxima segunda-feira o seu segundo disco, Blue Songs. Embora a voz de Antony já não se ouça, são vários os vocalistas convidados para cantarem este trabalho influenciado pelo house que se ouvia na NY dos anos 90: a venezuelana Aerea Negrot, Shaun J Eright (que dá voz ao single My House) e Kele Okereke (Bloc Party) que canta em Step Up.

Do que li de algumas críticas de quem ouviu o disco e tendo em conta as três músicas que já conheço, parece-me que Blue Songs está de setas apontadas às pistas. My House, o primeiro single, aponta ao acid house e ao som típico das raves da década passada; O restante alinhamento deverá convergir pelo mesmo género de territórios e não tenho dúvidas que muitas músicas do disco vão motivar perda de calorias e dezenas de remisturas. Parece-me pois que os Hercules & Love Affair estão mais próximos da sonoridade que pretendem do que na estreia homónima. O disco encerra com It's Alright, uma versão de um original dos Pet Shop Boys, uma das grandes influências deste grupo nova-iorquino.

No dia 18 de fevereiro, a eletrónica provocadora dos Hercules & Love Affair vai invadir o Lux, em Lisboa. Quem lá estiver irá certamente ouvir grande parte de  Blue Songs. Confere o alinhamento e o single de apresentação; 

 

Painted Eyes

My House

Answers Come In Dreams

Leonora

Boy Blue

Blue Song

Falling

I Can't Wait

Step Up

Visitor

It's Alright

 


autor stipe07 às 21:52
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

3 de rajada... XII

De volta a 3 de Rajada..., deixo as minhas sugestões da semana com informação breve e pertinente para, quem queira, conhecer e tirar conclusões. Sugiro hoje Destroyer, The Wombats e R.E.M..

Destroyer - Kaputt

Os Destroyer são uma banda índie canadiana, encabeçada pelo produtor veterano Dan Bejar e que edita hoje  através da Merge Records Kaputt, o nono disco deste projecto. Kaputt é o single avanço do disco e foi realizado por Dawn Garcia. O projecto de Dan Bejar mistura agora universos sonoros de acid-jazz orgânico com os já habituais registos indie rock fantasioso, sempre com o toque peculiar do saxofone. Toca a ouvir e a tirar ilações!

Só em jeito de curiosidade, acresecento que Dan Bejar, nos tempos livres, faz também parte dos New Pornographers, dos Swan Lake e dos Hello, Blue Roses.

 

 

The Wombats – Never Knew I Was A Techno Fan

Os The Wombats são uma banda indie de Liverpool formada por três amigos em 2003; Matthew "Murph" Murphy, guitarrista e vocalista, o baterista Dan Haggis e o baixista sueco Tord Øverland-Knudsen. Escolheram o nome da banda ao acaso no dia do primeiro concerto. Apesar das suas performances, segundo a crítica, serem largamente alimentadas a álcool e com uma grande dose de parvoíce, o trio evoluiu rapidamente e actualmente insere a sua sonoridade no rock indie mexido e dançável. Never Knew I Was A Techo Fan, novo single da banda, é um bom exemplo disso!

 

R.E.M. - Uberlin

Uberlin é a quarta música de Collapse Into Know a ser apresentada ao mundo pelos norte-americanos R.E.M. e finalmente conseguiram surpreender-me. Bem sabia que lá para o meio do disco deviam de haver algumas pérolas escondidas; É quase sempre assim nesta banda de Athens, ou seja, nem sempre os singles reflectem a qualidade e a sonoridade dos discos! I'm flying on a star into a meteor tonight... Muito bom!

AQUI podes ver o vídeo oficial de Uberlin, onde a letra da música viaja pelo mapa do metro da cidade onde os R.E.M. gravaram Collapse Into Know.

 

 

 

Alguns discos lançados hoje;

Adele – 21
Cloud Nothings – Cloud Nothings
Cold War Kids – Mine Is Yours
Diddy: Dirty Money – Last Train To Paris
Funeral Party – The Golden Age Of Knowhere
Gang Of Four – Content
Glamour Of The Kill – The Summoning
Iron And Wine – Kiss Each Other Clean
Wanda Jackson – The Party Ain’t Other
The Joy Formidable – The Big Roar
T.I – No Mercy


autor stipe07 às 22:22
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 22 de Janeiro de 2011

Os Demónios de Berlim

 

Descobri mais um livro que despertou a minha curiosidade e que me parece uma excelente proposta de leitura para quem se interessa pela história mundial contemporânea, nomeadamente a II Guerra Mundial.

O livro chama-se Os Demónios de Berlim, o autor é Ignacio del Valle e estará disponível no nosso mercado a 27 de Janeiro, pela Porto Editora.
O autor é considerado uma das novas vozes de Espanha e este romance encerra uma trilogia da qual fazem ainda parte O Tempo dos Imperadores Estranhos e A Arte de Matar Dragões, embora possa ser lido, segundo o que descobri, de forma independente.

 Em Os Demónios de Berlim, Ignacio del Valle apresentará, pelo que afiança a crítica especializada, uma perspectiva muito própria e bem fundamentada sobre os motivos que levaram à derrota nazi na Segunda Grande Guerra. Fica a sinopse;

 

Berlim, 1945. Os soviéticos avançam, imparáveis, pelas ruas repletas de escombros. Em toda a cidade a luta é violenta, e a derrota alemã está iminente. Arturo Andrade está no meio de todo aquele caos. A sua missão: localizar Ewald von Kleist, que acaba por encontrar morto na chancelaria do Reich com um misterioso bilhete nos bolsos.
Começa assim este thriller escrito com paixão e rigor documental que, com um ritmo que não dá tréguas ao leitor, nos aproxima de uma personagem que deverá enfrentar múltiplos demónios, os alheios e os seus próprios, para salvar a única coisa que parece escapar a este contexto atroz: o amor de uma mulher.

tags:

autor stipe07 às 16:45
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

Curtas VI

Pandit - Pack Your Bags

Depois do single Artichoke, o projecto do cantor texano Lance Smith, a.k.a Pandit, volta a surgir com uma música e um vídeo sobre amores desencontrados em Pack Your Bags. Esta faixa está incluída no álbum ainda não publicado Eternity Spin.

 

 

 

Coma Cinema - Only

Conheci recentemente os Coma Cinema e gostei muito; Por isso estão por aqui hoje. São americanos e lançaram recentemente o seu segundo disco, Stoned Alone. Com uma sonoridade que varia entre o folk, lo-fi e indie e uma grande mistura de ritmos, têm um som bastante envolvente e cativante. Only navega pelos sentimentos; É uma canção boa para estes dias frios e um pouco cinzentos, muito bonita e que vale a pena ouvir!

 

 

The Very Most - Away In A Manger

A canção de Natal Away In A Manger foi ouvida pela primeira vez em 1885, em ambiente luterano, o que originou a ideia errada que o seu autor teria sido Martinho Lutero; Na verdade, o autor do original, pelo que percebi, é desconhecido. Deixo esta versão, atrasada quase um mês, dos americanos The Very Most.

 

 

 

R.E.M. - Mine Smell Like Honey

Eis o primeiro single oficial retirado de Collapse Into Now, o novo álbum da minha banda favorita, os norte-americanos R.E.M.. A música chama-se Mine Smell Like Honey e já se ouve em algumas rádios. Collapse Into Now, como tenho referido por cá com alguma insistência, chega às lojas a 7 de março e inclui participações de nomes como Eddie Vedder (Pearl Jam), Patti Smith e a canadiana Peaches.

Pelas três amostras que já conheço do disco, parece-me que não vai ser um álbum fácil para quem não é fã incondicional da banda, ou seja, mais uma vez, as altas expectativas poderão sair goradas. Por cá já não consigo esconder alguma decepção; Ainda não notei grandes diferenças em relação a Accelerate, o disco da banda que menos gosto e antecessor deste Collapse Into Now. Pode ser que o resto do álbum me surpreenda...

 

 

James - Of Monsters Heroes And Men

Hey Ma é o décimo álbum de estúdio dos britânicos James, uma das minhas bandas de eleição e já lançado em Abril de 2008. Confesso que nunca dei grande atenção aos trabalhos desta banda depois do regresso deles ao activo em 2007, salvo erro. Os discos lançados pelos James na década de noventa causaram-me demasiado impacto e emoção para achar que alguma vez voltariam a ter sobre mim o mesmo efeito. Lembro-me perfeitamente que me despedi oficialmente deles com Alaskan Pipeline, música que encerra Pleased To Meet You (2002) e a última canção desta banda de Manchester que me levou à lua.

Agora, depois de ouvir Of Monsters Heroes And Men confesso que me sinto arrependido pela tal pouca atenção e com vontade de recuperar  o tempo perdido. É fantástico voltar a ouvir a voz de Tim Booth a fazer-me sentir arrepios e a obrigar-me a olhar mais uma vez para o alto, nestas últimas noites frias, mas de lua cheia, dentro do meu casulo.

 


autor stipe07 às 21:07
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011

Estreias da Semana.

Quinta-feira é dia de estreias e hoje sugiro três...

 

 

Estreia hoje em Portugal You Will Meet A Tall Dark Stranger uma nova comédia escrita e realizada por Woody Allen e que já teve estreia internacional a 23 de Setembro de 2010. Fui pesquisar e descobri que é um filme que fala sobre as paixões, ambições e ansiedades de dois casais, tendo como principais actores Antonio Banderas, Naomi Watts, Anthony Hopkins, Freida Pinta e Josh Brolin, entre outros. A vida é cheia de Som e Fúria, e, no final, isso não significa quase nada. Começa assim o 48º filme deste realizador, a citar William Shakespeare em Macbeth.

Após algumas investidas cinematográficas um pouco experimentais, ultimamente sempre com a sua diva Scarlett Johansson e que renderam boas surpresas (Match Point ou Scoop), Woody Allen retorna mais genuíno e fiel a si próprio. You Will Meet A Tall Dark Stranger, segue a fórmula que o consagrou como um dos génios do cinema. Claro que um estilo tão próprio gera fãs incondicionais e críticos com a mesma intensidade; Pelo que já percebi, caso sejas do segundo grupo, passa à frente e nem percas tempo com este filme. A principal diferença de grandes clássicos por ele dirigidos para este trabalho é que não estamos em Nova Iorque mas em Londres e, ao contrário do habitual, também não o vemos na tela.

Resumindo, para quem aprecia a obra de Woody Allen deve ser mais um filme a não perder.

 

Sinopse:

Depois de Alfie deixar Helena para perseguir a sua juventude perdida na figura de uma jovem prostituta de espírito livre chamada Charmaine, Helena abandona a racionalidade e entrega a sua vida aos conselhos patetas de uma vidente charlatã. Infeliz com o seu casamento, Sally desenvolve uma paixoneta pelo seu atraente chefe, proprietário de uma galeria de arte, Greg, enquanto Roy, um romancista que aguarda com nervosismo uma resposta ao seu último manuscrito, fica alucinado com Dia, uma mulher misteriosa que o surpreende quando este a observa pela janela.

 

 

 

Também estreia hoje Hereafter, o novo drama de Clint Eastwood, com Matt Damon, Cécile De France, Thierry Neuvic e Cyndi Mayo Davis nos principais papéis. Custa a crer, mas Clint Eastwood faz 81 anos de idade e 56 de carreira este ano. Porquê duvidar então da sua coragem para enfrentar, no cinema, o fim da vida terrena? é que este é mesmo o grande tema deste filme.

A história decorre em três locais distintos, onde três pessoas passam pela dolorosa experiência da morte; Numa idílica estância turística da Ásia, num bairro periférico de Londres e numa cidade dos Estados Unidos. De forma totalmente diferente, os personagens têm em comum capacidades psíquicas invulgares, questionam a vida, a sua condição humana e a transcendência, tendo por comum a certeza de que há algo mais, muito mais, para além da vida terrena.

Diz a crítica que com a tranquilidade e o espírito aguçado que a experiência de vida lhe deu, Eastwood empresta a este filme uma qualidade de envolvimento rara e utiliza um registo maioritariamente poético, pontuado de humor, que transforma até, inexplicavelmente, o inverosímil em credível. Em determinados momentos do filme o espectador poderá ser levado a realmente acreditar na vida para além da morte.

 

Sinopse:

Hereafter - Outra Vida conta-nos a história de três pessoas que são assombradas pela mortalidade, de diferentes formas.

George (Matt Damon) é um trabalhador da construção civil que tem uma ligação especial com a vida para além da morte. Marie (Cécile de France), uma jornalista Francesa, é vítima de uma catástrofe natural que quase a matou, o que alterou totalmente a sua realidade. E Marcus (George McLaren e Frankie McLaren), é uma criança Londrina, que quando perde o seu irmão gémeo, procura desesperadamente obter respostas.

Cada um em busca da verdade, os seus caminhos irão cruzar-se e alterar para sempre aquilo em que eles acreditam existir para além da vida.

 

 

 

E agora uma proposta mais divertida... 

 

Ao pesquisar as estreias desta semana, vi também o trailer deste filme e deve ser bastante engraçado!

Gulliver's Travel (As Viagens de Gulliver) é realizado por Rob Letterman e tem no elenco nomes como Jack Black no papel de Gulliver, Amanda Peet, Billy Connolly, Emily Blunt e Jason Segel. Nesta versão actual do conto clássico de Jonathan Swift, Gulliver é um escritor que, para impressionar a editora do jornal para o qual trabalha, aventura-se num barco com destino ao Triângulo das Bermudas. Mas a viagem, agitada por tempestades, leva-o a uma ilha, habitada por uma civilização minúscula, conhecida como Liliputianos.

Depois de um começo atribulado, o enorme Gulliver torna-se uma inspiração para os seus novos amigos e lidera-os numa vitória sobre os seus imbatíveis oponentes da ilha vizinha. Nesse combate Gulliver tem de combater um gigante mecânico, mas também as suas próprias falhas e fraquezas.

Só por curiosidade acrescento que a primeira adaptação ao cinema deste conto data de 1996 e parte das suas filmagens foram feitas em Portugal, em Lisboa, Sesimbra e Sintra.

 

tags:

autor stipe07 às 23:14
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (1) | The Best Of Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011

The Vines - Future Primitive em abril.

 

A banda australiana The Vines prepara-se para lançar o sucessor de Melodia. Aquele que será o seu quinto álbum de originais verá a luz do dia no próximo mês de abril. O disco chama-se Future Primitive e foi gravado em Paris nos estúdios Wolf & Cub, tendo ficado a produção a cargo de Chris Colonna. Já ficaria muito feliz se viesse por aí algo parecido com Winning Days!
O single de apresentação deste novo disco da banda liderada por Craig Nicholls chama-se Gimme Love. e não desaponta quem gosta da sonoridade típica dos The Vines. Confere...

 


autor stipe07 às 21:42
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

Of Monster And Men

 

A minha nova descoberta musical vem da Islândia, país que continua a proporcionar-me excelentes surpresas e momentos musicais. A banda que apresento são os Of Monster And Men e aposto que muito em breve farão furor na blogosfera e na imprensa especializada.

A banda é natural de Reykjavík, constituída por quatro músicos (Nanna Bryndís Hilmarsdóttir, Ragnar þórhallsson, Brynjar Leifsson, Arnar Rósenkranz Hilmarsson) e insere-se no género folk/indie. A informação disponível sobre eles é ainda escassa; Uma pesquisa directa nos motores de busca mais conhecidos não indica entradas directas e parece-me que não editaram ainda qualquer disco. No entanto, recentemente venceram o Festival Músiktilraunir, uma competição anual de bandas Islandesas e uma visita ao site oficial da banda dá a entender que está para ser lançado o disco de estreia.

Como disse, acho que não vai demorar muito até os Of Monster And Men captarem a atenção do resto do mundo. Ouçam Love Love Love e Little Talks e percebam porquê...

E obrigado P. Salaberth pela dica!

 

 

  

 

 

 


autor stipe07 às 22:08
link do post | comenta / bad talk | See the bad talk... (2) | The Best Of Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

3 de rajada... XI

De volta a 3 de Rajada..., deixo as minhas sugestões desta semana. Como sempre, são três músicas novas, lançadas hoje no mercado discográfico e com informação breve e pertinente para, quem queira, conhecer e tirar conclusões. Sugiro hoje Mogwai, Adele e Richard Ashcroft.

 

Os escoceses Mogwai regressam aos álbuns este ano com Hardcore Will Never Die, But You Will. O sétimo disco da carreira da banda será lançado a 14 de fevereiro e pela amostra San Pedro, o rock puro instrumental dos escoceses está aí para as curvas.

Hardcore Will Never Die, But You Will foi gravado em 2010 e produzido por Paul Savage, com quem a banda já havia trabalhado no disco Mogwai Young Team

 

 

Se 21, o novo disco da inglesa Adele, soar como o primeiro single lançado hoje, Rolling In the Deep, terá grandes hipóteses de figurar na lista dos melhores álbuns de 2011.
Vencedora já de dois Grammys - Melhor Nova Artista e Melhor Performance Vocal Pop Feminino – a cantora impressionou-me nesta música, não só pela qualidade da sua voz, mas também pelas letras, pelos arranjos musicais, pelo coro gospel, as palminhas de fundo e por outros detalhes deliciosos que fazem de Rolling In the Deep um excelente aperitivo para 21.

O sucessor de 19 (Adele baptiza os discos com a idade quando os grava) foi produzido por Rick Rubin e Paul Epworth, em estúdios de Londres e Malibu. Desde há alguns anos atrás muita gente se pergunta quem ocupará o lugar de Amy Whinehouse como grande estrela da música britânica; Adele? Duffy? A julgar por este single parece-me que a primeira.

 

O primeiro single de United Nations Of Sound, o primeiro disco a solo de Richard Ashcroft, lançado em 2010, chamou-se  Are You Ready? e já tem sucessor; Refiro-me a This Thing Called Life, canção editada hoje.

 

Outros lançamentos do dia já citados em Man On The Moon;

autor stipe07 às 22:07
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 15 de Janeiro de 2011

Sugiro VIII

 

Mais uma revisão da última matéria dada...

 

Gorillaz - Revolving Doors

 

Spoon - Rhythm and Soul

 

The Wannadies - You And Me Song

 

Sleigh Bells - Crown On The Ground

 

Sleigh Bells - Ring Ring

 

Beth Gibbons & Rustin Man - Tom The Model

 

Girl Crisis - Come As You Are

 

Kisses - Bermuda

 

How To Destroy Angels - The Space In Between

 

Broken Social Scene - Texico Bitches

 

Gruff Rhys - Shark Ridden Waters

 

Kick Up The Fire - No Fun In London

 

School Of Seven Bells - I L U

 

The Phoenix Foundation - Bleaching Sun

 

R.E.M. - Oh My Heart

 

Muse - Can't Take My Eyes Of You

 

The Joy Formidable - Austere

 

Noah And The Whale - L.I.F.E.G.O.E.S.O.N.

 

Does It Offend You, Yeah? - We Are The Dead

 

Kasabian - Underdog (Acoustic Version)

 

Party Horse - Lazer Beam


autor stipe07 às 15:24
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

Os Últimos Cruzados - Barnaby Rogerson

A Editora Civilização acaba de publicar Os Últimos Cruzados, de Barnaby Rogerson, uma narrativa histórica cujo título me suscitou imediata curiosidade e me levou a pesquisar...

Assim, descobri que o livro resulta de uma investigação abrangente e minuciosa e que se destaca de outras histórias das Cruzadas por apresentar não só a perspectiva dos Cristãos, como também a dos Muçulmanos. A narrativa percorre os 150 anos de História que abarcam o último grande conflito entre o Oriente e o Ocidente, ou seja, entre o Império Otomano e os últimos reis-Cruzados da Cristandade, nos séculos XV e XVI. O papel de Portugal e a consequente perda de independência nessas últimas Cruzadas não escapam à lupa do autor. Fica a sinopse;

 

Os Últimos Cruzados é uma narrativa extremamente rica e cativante que começa a sua viagem pela história de Portugal no início da expansão marítima, com a conquista de Ceuta. Fala da carnificina de Lepanto, das conquistas de Don Juan, da construção de uma pirâmide de caveiras espanholas por Dragut, em Jerba, da utilização de exemplares do Alcorão pelos Espanhóis para melhor acomodarem os seus cavalos nos estábulos, da vida dos escravos a bordo das galés, bem como do fabrico da pólvora e da fundição de canhões e do ouro.
Fala também do último grande conflito entre o Oriente e o Ocidente, do confronto titânico – nos séculos XV e XVI – entre o Cristianismo liderado pela casa de Habsburgo e o Império Otomano. E, embora se concentre nas grandes campanhas navais e na luta feroz pelo domínio da costa norte-africana, recria o conflito que, de certa forma, equivaleu à primeira guerra mundial. Afinal, o conflito espalhou-se pelas rotas mercantis do Atlântico, do Mar Vermelho, do Golfo Pérsico e do deserto do Sara. Havia mesmo um plano para levar a guerra até às Caraíbas. Consumiu nações e culturas, destruiu dinastias, arruinou cidades e reduziu a população das províncias. No entanto, as fronteiras por que lutou permanecem até aos dias de hoje: são linhas divisórias entre nações, línguas e religiões.

 

Barnaby Rogerson é co-editor da Eland Books e publicou alguns clássicos da literatura de viagens. Escreveu vários livros e guias, incluindo O Profeta Maomé: Uma Biografia, Cadogan Guide to Morocco e A History of North África. Também publicou colecções de literatura de viagens e poesia, como Meetings with Remarkable Muslims, Desert Air e Marrakech e The Red City. Participou ainda na elaboração do guia American Express Istambul, publicado também pela Civilização Editora (Não descobri originais em língua portuguesa para as obras com o título original).

tags:

autor stipe07 às 21:24
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011

Curtas... V

As novidades continuam a ser muitas e boas e têm surgido em catadupa; Por isso tive de voltar hoje às Curtas. Aproveito para esclarecer publicamente que o que distingue Três de Rajada das Curtas em Man On The Moon é que a primeira rubrica refere-se a singles lançados em determinado dia e as Curtas são novidades e notícias relacionadas com o mundo da música e que podem incluir lançamentos, rumores e curiosidades.

Hoje tenho uma grande notícia dos Coldplay e novidades dos Glassjaw, Alex Winston, Ladytron e Queens Of The Stone Age. Confere...  

Começo pela grande novidade do dia...

Seis anos depois do concerto no Pavilhão Atlântico, em novembro de 2005 e onde tive o privilégio de estar presente, os britânicos Coldplay estão de regresso a Portugal. Irão tocar no primeiro dia do Optimus Alive'11, no Passeio Marítimo de Algés, Oeiras, a 6 de julho.
Entretanto também já é público o nome de duas novas músicas e que farão parte do próximo disco da banda; Refiro-me a Princess Of China e Every Teardrop Is A Waterfall (muito bonito, este título... Vejamos se a música corresponde!). A banda diz que pretende que este novo disco seja o seu melhor de sempre, uma verdadeira obra de arte, conforme referiu Chris Martin em declarações que tive a oportunidade de ler no NME; We still don't think we've delivered our masterpiece, so we're still trying to do it, (...) As long as we feel like that and we're hungry… that's all that matters.

A banda tem estado a trabalhar com Brian Eno e Marcus Dravs, habituais colaboradores, neste novo disco; We were with Brian Eno for a long period just messing around. Now we're with Marcus, trying to turn that into something cohesive and under seven hours long. The worst mistake we could make, when we're the most Marmite-y of bands, would be to make a super-long thing.

  

 

Os nova-iorquinos Glassjaw anunciaram que estão prestes a lançar um EP em fevereiro e que se chamará Coloring Book, após quase 10 anos de silêncio. O último disco da banda, Workship And Tribute, data de 2002.
No Site oficial da banda é possível fazeres o download de Gold, o primeiro single deste trabalho. Também o podes ouvir aqui...
 

 

 

 

A escritora, cantora e multi-instrumentista Alex Winston, originária de Detroit prepara-se para lançar no próximo dia 7 de fevereiro um mini-álbum com seis músicas e que se chamará Sister Wife. O single de apresentação também já é conhecido; Será a música que dá nome ao disco. Charlie Hugall e o colectivo The Knocks são os responsáveis pela produção deste trabalho discográfico. Confere a tracklist de Sister Wife;
 

Locomotion

Sister Wife

Don't Care About Anything

Choice Notes
Sweet James
Fingers And Toes

 

 

 

A banda electropop Ladytron de Liverpool e que se inspirou numa música dos Roxy Music para se baptizar, planeia editar no próximo mês de março uma compilação com o nome Ladytron 00 – 10. No mesmo mês, dia 14, a banda tem planeado também o lançamento de um EP com uma selecção das melhores remisturas feitas para o single Ace Of Hz, o último sucesso da banda, lançado em novembro passado.

Os Ladytron lançaram até agora quatro álbuns de originais e que servirão de base à referida compilação e além de prepararem o lançamento do EP citado, também estão em estúdio a gravar o seu quinto disco.

 

 

Finalmente falta referir que os Queens Of The Stone Age vão reeditar o seu álbum homónimo e de estreia, que data de 1998. A nova versão remasterizada incluirá mais três músicas que o original: The Bronze, These Aren’t the Droids Your Looking For e Spiders And Vinegaroons. Convido-te a relembrares Regular John, a excelente faixa de abertura de Queens Of The Stone Age e que vincou defitivamente a sonoridade habitual e invulgar desta excelente banda californiana de hard-rock formada em 1997.

 


autor stipe07 às 23:07
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011

Curtas... IV

Desde que ando atento ao mundo da música, não me lembro de um início de ano tão intenso e tão cheio de novidades e discos prometidos ou já confirmados, obrigando-me a voltar às Curtas com alguma regularidade. Todas estas notícias deixam-me também ansioso por conhecer e ouvir a boa música que por aí vem...

A dupla The Kills, de Jamie Hince e Alison Mosshart e uma das minhas bandas preferidas, anunciou para 4 de abril o lançamento do seu novo álbum, como é normal, via Domino Records. O sucessor de Midnight Boom, de 2008, chama-se Blood Pressures e foi gravado nos Estados Unidos e misturado em Londres, Inglaterra, tendo ficado a produção a cargo do próprio Hince e de Bill Skibbe, habitual colaborador dos The Kills.
Confere o alinhamento de Blood Pressures;

Future Starts
Slow Satellite
Heart Is A Beating Drum
Nail In My Coffin
Wild Charms
DNA
Baby Says
Last Goodbye
Damned If She Do
You Don't Own The Road
Pots and Pans

 

Beth Ditto, a extravagante vocalista dos The Gossip, está prestes a lançar o seu primeiro trabalho a solo, um EP com quatro faixas intitulado De Construction. O disco terá uma versão em vinil de 12 polegadas e também será disponibilizado para download através do site de música electrónica Beatport.

Já ouvi estas quatro músicas e fiquei com a sensação que a cantora se deixou levar pelo seu lado mais electrónico, o que é natural tendo em conta que o EP foi produzido pelos Simian Mobile Disco, dupla inglesa de música electrónica, composta por James Ford e Jas Shaw. Beth Ditto poderá, com De Construction, redireccionar a sua carreira, dependendo do sucesso deste EP, até porque são cada vez mais intensos os rumores sobre o fim dos The Gossip.

Ao pesquisar esta notícia descobri que Beth já tinha colaborado com os Simian Mobile Disco quando cantou em Cruel Intentions, faixa do álbum Temporary Pleasures, de 2009, o segundo disco de originais da dupla.

Confere a tracklist do EP De Construction

  

Do You Need Someone

Goodnight Good Morning

I Wrote The Book

Open Heart Surgery 

 

Parece que a parceria entre os Wavves e os Best Coast anda a estender-se para além dos lençois! Depois de King of the Beach ter sido um dos grandes sucessos indie de 2010, Nathan Williams (aka Wavves) irá lançar brevemente Stained Glass, um single a meias com a namorada Bethany Cosentino, mais conhecida por Best Coast. Já no Natal ambos tinham feito uma música relacionada com a festividade chamada Got Something For You e que fez parte de uma compilação lançada pela Target.

 

Já em 16 de Novembro tinha anunciado AQUI que Lykke Li estaria prestes a lançar o seu segundo disco e divulguei o primeiro single, Get Some. A data de lançamento do disco está confirmada para dia 1 de Março e chamar-se-á Wounded Rhymes. Também já é conhecido o segundo single, I Follow Rivers.

 

 

 

 

E para o fim deixei o melhor...

Os britânicos Elbow, naturais de Rambstton divulgaram Lippy Kids o primeiro single do novo álbum, Build a Rocket Boys!, que chegará dia 7 de março às lojas e pela amostra, que me deslumbrou, acho que vou querer muito ter este disco! Lippy Kids é uma música bastante nostálgica, sem dúvida a mais bonita que ouvi nestes primeiros dias do ano, a primeira a levar-me à lua em 2011 e, pelos vistos, na linha da sonoridade habitual dos Elbow, uma banda à qual nunca dei a atenção que ela talvez mereça e eu deveria dar.

O sucessor de The Seldom Seen Kid (2008) teve como produtor o também teclista da banda Craig Potter. Guy Garvey, outro músico da banda, afirmou que o novo álbum tem como tema a infância e adolescência, mantém o som habitual dos Elbow, como referi acima e foi feito para ser tocado em estádios e arenas.

Fica a tracklist de Build a Rocket Boys!;

 

Lippy Kids

The Birds

With Love

Neat Little Rows

Jesus Is A Rochdale Girl

The Night Will Always Win

High Ideals

The River

Open Arms

The Birds (Reprise)

Dear Friends

 

 

 


autor stipe07 às 21:40
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

Does It Offend You Yeah? - Novo disco em breve.

 

A banda inglesa Does It Offend You, Yeah? divulgou alguns detalhes sobre o próximo álbum de estúdio, nomeadamente a playlist, o título e a data de lançamento. O álbum intitula-se Don't Say We Didn't Warn You e estará nas lojas a 14 de março, quase três anos após o lançamento de You Have Know Idea What You're Getting Yourself Into, o último disco da banda.
Don't Say We Didn't Warn You reúne gravações feitas pela num estúdio de Reading, em Inglaterra, durante 2009 e outras sessões de gravação realizadas já em 2010.

Já conheço o single de apresentação do disco desde agosto, mas aguardava pela altura certa para o divulgar. Refiro-me a We Are The Dead, a música de abertura de Don’t Say We Didn’t Warn You. E se estão à espera de um disco cheio de músicas para uma setlist ideal para ouvir num sábado à noite de diversão, como era a sonoridade habitual dos Does It Offend You, Yeah?, é melhor esperar pelas remisturas. As batidas electro de músicas como We Are Rockstars e With A Heavy Heart do último disco, foram deixadas de lado, dando espaço para um som mais melódico e indie rock. We Are The Dead sobe e desce o ritmo periodicamente e, embora comece de uma forma calma, também acrescenta no meio algumas batidas electro, mas a soar de uma forma mais metálica e menos sintetizada e artificial. Confiram...

 

Don’t Say We Didn’t Warn You terá 10 faixas; Fica a playlist:

01. We Are The Dead
02. John Hurt
03. Pull Out My Insides
04. Yeah
05. The Monkeys Are Coming
06. Wrong Time Wrong Planet
07. Wrestler
08. Wondering
09. The Knife
10. Broken Arms


autor stipe07 às 21:47
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

3 de rajada... X

De volta a 3 de Rajada..., deixo as minhas primeiras sugestões de 2011. Três músicas novas, lançadas hoje no mercado discográfico e com informação breve e pertinente para, quem queira, conhecer e tirar conclusões. Sugiro hoje The Joy Formidable, Noah And The Whale e Bruno Mars.

 

The Joy Formidable - Austere

A 4 de Dezembro de 2010 revelei AQUI os Joy Formidable, uma banda francesa mas com residência fixa em Londres e que sendo uma das minhas mais recentes descobertas musicais, deixou-me bastante empolgado. Na altura acrescentei que tinha ouvido o primeiro disco na íntegra, A Balloon Called Moaning, e que a banda resolveu reeditar algumas das músicas do mesmo, juntar outras e criar Big Roar, que vai chegar às lojas dia 24 de Janeiro no Reino Unido, a 21 de Fevereiro no resto da Europa e dia 14 de Março nos EUA.

Milhares de quilómetros e centenas de concertos depois, é lançada hoje a nova versão do single Austere e que fará parte de Big Roar. A primeira versão já aparecia em A Balloon Called Moaning.

 
 

 

Noah And The Whale - L.I.F.E.G.O.E.S.O.N.

Quem também estão de volta são os Noah And The Whale, banda que em tempos referenciei AQUI . Ganharam grande popularidade em 2008, quando lançaram o animado Peaceful, The World Lays Me Down, que fez o mundo dançar com a música 5 Years Time. Em 2009, a banda deu uma cambalhota sonora e lançou o belíssimo e sentimental The First Days of Spring, álbum que mostrou ao mundo Blue Skies, umas das músicas mais tristes do ano.

Dia 7 de Março vai sair um novo disco da banda, intitulado Last Night On Earth e já é conhecido o single de apresentação L.I.F.E.G.O.E.S.O.N.. Acho esta música encantadora, até porque tem uma sonoridade mais pop do que o tradicional folk dos Noah and The Whale. Podes carregar no play sem medo de seres feliz!

 

 

Bruno Mars - Grenade

Com uma típica voz soul, Bruno Mars cativou uma enorme legião de fãs com o single Just The Way You Are, que deu a conhecer ao mundo Doo-Wops & Hooligans o disco de estreia deste músico. Igualmente produzida pelo colectivo The Smeezingtons, Grenade é uma canção mais emocional e melosa que a antecessora e a sua nova tentativa de chegar ao topo das playlists radiofónicas.


autor stipe07 às 21:36
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|

Radiohead tocam pelo Haiti - Download Gratuito.

 

Um concerto que os Radiohead deram no dia vinte e quatro de Janeiro de 2010 em Los Angeles e ao qual fiz referência AQUI, logo no dia seguinte e que serviu para ajudar a população do Haiti assolada por um violento terramoto poucos dias antes, foi filmado por fãs e pode agora ser descarregado gratuitamente e de forma legal, com a aprovação da própria banda, AQUI
Os fãs são, contudo, convidados a fazer uma doação à Oxfam, uma das organizações internacionais que estão a trabalhar na reconstrução do Haiti.
Também encontrei no canal Youtube o concerto. Usufruam...

 


autor stipe07 às 21:20
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Sábado, 8 de Janeiro de 2011

Albert Camus - O Avesso e o Direito.

Albert Camus, escritor e filósofo, nasceu em Mondovi, na Argélia a 7 de Novembro de 1913 e faleceu subitamente em Villeblevin, França a 4 de Janeiro de 1960, num acidente de viação. Escreveu O Avesso e o Direito quando tinha 22 anos, livro que acabei há poucos dias de ler.

Em 1957 Camus obtém o Prémio Nobel da Literatura e um ano mais tarde são publicados Os Discursos da Suécia e reeditado o O Avesso e o DireitoA edição que li e que foi uma bela prenda de Natal, junta estas duas obras, ou seja, inclui também o Discurso que Camus proferiu em Dezembro de 1957, em Estocolmo, durante a cerimónia em que lhe foi entregue o prémio Nobel. É um texto que resume bem a sua concepção do ofício de escritor; Este não pode hoje pôr-se ao serviço daqueles que fazem a história; tem antes de servir aqueles que a sofrem.

Em 1959 Camus começa a redacção de O Primeiro Homem, obra que permanecerá inacabada em virtude do seu abrupto falecimento.
O Avesso e Direito é um livro pequeno, mas não é de fácil leitura o que, neste caso, funciona como um enorme elogio! Tem só cento e nove páginas, contando com vinte de prefácio. E torna-se incrível perceber como é possível que Camus tenha escrito esta obra só com vinte e dois anos. O livro contém cinco ensaios literários, onde o autor se ocupa de sua maior obsessão, o estudo da condição humana. Assim, fala sobre a solidão, a ausência de Deus, o amor, a morteo absurdo da condição humana.

O primeiro ensaio literário da obra intitula-se A Ironia. É uma reflexão sobre a morte e o abandono, onde o autor fala ao mesmo tempo da juventude e da velhice. Uma mulher velha e carente, que clama pela atenção de seus próximos, é trocada por uma sessão de cinema e um velho convive com jovens, vivendo a ilusão de que recuperará a juventude perdida com eles.

Entre o Sim e o Não é um ensaio de raízes autobiográficas no qual Camus volta à sua infância e fala sobre a necessidade da simplicidade. Entre a solidão e o passado, é necessário um desapego: Num certo grau de despojamento, nada mais leva a mais nada, nem a esperança nem o desespero parecem justos, e a vida inteira resume-se a uma imagem. Camus defende que se viva com realismo e sinceridade e se os homens tornam o mundo difícil, é nossa missão restaurar a sua simplicidade original.

Em a Morte na Alma o autor trata do tema do exílio e da solidão da viagem. Em Praga, entregue a momentos de tédio e de rotina, Camus pondera sobre o sentimento de distância e as saudades de casa. Como viver, como encontrar paz, quando tudo o que há são rostos estranhos e placas cujo significado se desconhece?

Amor pela Vida também fala sobre viagens, mas de um ponto de vista mais estético. Camus fala de esculturas, de claustros góticos, do verde da tarde e de colinas que deslizam para o mar. Há um certo amor perdido em tudo isso; o amor que habita na arte e que também se pode encontrar na natureza. Depende da disposição da alma ser capaz de encontrá-lo, desvendá-lo e alcançá-lo.

Por fim, o ensaio que dá nome à obra. O Avesso e o Direito fala sobre uma mulher que se apega de tal modo ao seu próprio túmulo que acaba por morrer aos olhos do mundo. Nada mais comum; vivemos numa sociedade de mortos que, por orgulho ou egocentrismo, são incapazes de desviar os olhos de si mesmos para contemplar a vida. A vida é curta, e é um pecado perder tempo, diz CamusO que conta é ser humano e simples. E acrescenta: Não há amor de viver sem desespero de viver. Que assim seja!


autor stipe07 às 15:29
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2011

Curtas... III

A cantora M.I.A. acaba de disponiblizar um disco gratuito na internet, chamado Vickileekx, ou seja, inspirado na Wikileaks e no seu editor Julian Assange. A colectânea tem dezoito temas e está disponível para download no site vickileekx.com.
M.I.A. assina a produção de VickiLeekx ao lado de nomes como Diplo e Switch (que juntos formam os Major Lazer) e Blaqstarr. Participam como convidados além dos nomes referidos na produção, Danja Munch, Busko, SuguArulragasm e So Japan.
Fica o alinhamento de Vickileekx e Listen Up; A sonoridade do álbum não difere muito deste exemplo...

The World
Bamboo Go

Illy Girl

Super Tight

Let Me Hump You

WWW/Meds/Feds

Steppin/Up

Go At It
Vicki Intermission

Gen-N-E-Y

Bad Girls

Dutch Dutch

Marsha / Britney

Tamil Beat Munchi

Listen Up
MudersoundsMunchi

You My Love

 

 

Damon Albarn está sempre a dar-nos novidades, quase diriamente. Desta vez terminou de compor o argumento para o filme The Boy In The Oak, que deverá ser de animação e resulta da  adaptação de um livro com o mesmo título, escrito por Jessica Albarn (na foto com Damon), sua irmã. O livro, publicado em 2010, conta a história de um miúdo que se deixou seduzir por uma árvore plantada atrás de sua casa e onde habitam algumas fadas encantadas.

Não encontrei qualquer edição ou tradução para língua portuguesa da obra, mas fiquei com alguma curiosidade e também relativamente ao filme. Já se fala do nome de Jude Law para narrador e Luke Losey, que produziu vídeos para bandas como os Orbital e Mercury Rev, também poderá estar envolvido no projecto. Vou ficar atento e voltarei certamente a este assunto!

Os Flaming Lips estão a pensar seriamente durante 2011 divulgar uma música por mês e disponibilizá-la na internet. O projecto vai começar no fim de Janeiro, quando Coyne se encontrar com o resto da banda e com o produtor de longa data Dave Fridmann, em Oklahoma; Vamos passar muito tempo a gravar em casa ou onde for. E vamos tentar lançar uma música todos os meses, e documentar a produção, quer nos leve três ou cinco dias ou uma semana, disse o vocalista à Rolling Stone. A ideia, pelo que percebi, é realizar as gravações num ambiente caseiro e documentar o processo criativo. O dilema parece estar no formato físico em que vão editar as músicas; Caixas de cereais, brinquedos elaborados pelo próprio Coyne ou o tradicional vinil são algumas das hipóteses já avançadas! Por mim iam pelos brinquedos...

Relembro que os últimos dois álbuns da banda foram ambos editados em 2009; Embryonic e uma cover completa do disco Dark Side of the Moon dos Pink Floyd. Ao fim de treze álbuns de estúdio, Coyne diz que a banda quer fazer as coisas de maneira diferente; Queremos tentar viver através da nossa música, em vez de ela ser apenas uma colecção dos últimos anos da nossa vida...

Quem também terá novo disco e já na próxima primavera são os Beastie Boys. Mike D confirmou à BBC 1 que Hot Sauce Committee Pt 2 está pronto e que levou um enorme avanço depois de Adam Yaunch ter ficado curado do cancro que sofria e que lhe foi diagnosticado em Julho de 2009. A banda também se mostra disponível para entrar em digressão e promover este disco, mas tudo dependerá da continuação da evolução favorável do estado de saúde de Yaunch.
Entretanto, Mike D também adiantou que a banda está a trabalhar numa espécie de curta-metragem, baseada no vídeo de (You Gotta) Fight For Your Right (To Party!), uma das músicas de maior sucesso dos Beastie Boys, editada em 1987. We've got a video we got to finish, a big video. "I know people don't make big videos any more but we made a big video. It's not even a video, it's a film. A cinematic, short film.


autor stipe07 às 23:07
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

The Strokes vs Foo Fighters

2011 continua a prometer ser mesmo um ano em grande! Agora são os norte-americanos The Strokes e Foo Fighters que acabam de anunciar novos discos para breve. Sendo assim, coloca-se a questão; Qual é o trabalho destas duas bandas que aguardas com maior expectativa e quem achas que vai ganhar este duelo particular no top de vendas?

 

 

Cinco anos depois do último álbum, os The Strokes anunciaram que o quinto disco de originais da banda verá a luz do dia no próximo mês de Março, antes da banda iniciar uma digressão que passará por vários festivais europeus, incluindo o nosso Super Bock Super Rock, a 16 de Julho.

O sucessor de First Impressions Of Heart foi anunciado à BBC 1 pelo baixista Nikolai Fraiture, que adiantou também já estar escolhido o primeiro single e que o disco terá dez músicas. Referiu igualmente alguns detalhes acerca da sonoridade do disco; Sonically, I feel it's the album which should have been made between [2003's] 'Room On Fire' and [2006's] 'First Impressions Of Earth', (...) the album echoes the band's classic sound. O álbum foi gravado em NY, cidade natal da banda, com o produtor Joe Chiccarelli.
Desde que lançaram First Impressions Of Heart em 2006, os quatro elementos desta banda rock dedicaram-se a projectos paralelos; O vocalista Julian Casablancas e o guitarrista Albert Hammond Jr editaram recentemente discos a solo. Em 2010, a banda reapareceu em alguns festivais, mas não apresentou qualquer canção nova.

 

 

Dave Grohl também anunciou em entrevista à BBC que os Foo Fighters estão prestes a lançar o sucessor de Echoes, Silence, Patience and Grace (2007). O disco, ainda sem título também, é esperado com alguma expectativa porque Dave já anunciou que o som é pesado, não terá baladas e foi gravado na sua garagem, sem recurso a computadores ou outro tipo de tecnologia mais avançada. O facto de não termos usado computadores tornou tudo muito simples. Está mesmo colossal, garante o norte-americano, acrescentando que também o produtor Butch Vig (o mesmo de Nevermind , dos Nirvana) está entusiasmado: Ele jura que nunca se divertiu tanto a fazer um disco na vida! E já fez muitos.

Os Foo Fighters também estarão em Portugal e igualmente em Julho, mas no Optimus Alive'11, dia 7. Tal como sucedeu com os The Strokes, alguns dos seus membros ocuparam boa parte de 2010 com outros projectos; Hawkins esteve em digressão com os seus Cocktail Riders Grohl juntou-se novamente a John Paul Jones (Led Zeppelin) e Josh Homme (Queens of the Stone Age) para o segundo álbum do projecto conjunto, os Them Crooked Vultures.

 

Fica a minha música preferida de cada uma das bandas;

The Strokes - 12:51

 

 

Foo Fighters - Walking After You 


autor stipe07 às 21:35
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

3 de rajada... IX

Entro em 2011 com duas descobertas recentes e apenas uma novidade, visto não terem havido novos lançamentos de relevo esta semana. Como sempre, são três músicas acompanhadas de informação breve e pertinente para, quem queira, conhecer e tirar conclusões. Sugiro hoje Broken Social Scene, The Phoenix Foundation e R.E.M..

 

Broken Social Scene - Texico Bitches

 

Os Broken Social Scene estiveram em Lisboa e Porto no início de Novembro passado e são uma banda canadiana formada por músicos que têm, na sua maioria, carreiras a solo ou tocam noutros projectos (Metric, Stars, Land of Talk e Valley of the Giants), podendo, em palco, chegar até aos dezanove membros; Possuem uma vasta legião de fãs de indie rock no mundo inteiro e a sua sonoridade explora diversos intrumentos como guitarras, cornetas e violinos.

Texico Bitches é o quarto single para Forgiveness Rock Record editado em 2010 na Arts & Crafts. Este single é um repto contra as petrolíferas e o vídeo mostra dois rapazes rodeados de petróleo lutando com outras pessoas que têm o rosto pintado com um emblema muito parecido com a poderosa empresa petrolífera Texaco.

 

 

 

The Phoenix Foundation - Bleaching Sun

 

Os The Phoenix Foundation são uma das minhas recentes descobertas musicais, graças a Bleaching Sun, retirado de Happy Ending, disco editado em 2008. Apesar de não ser um lançamento recente, esta música agradou-me imenso e tenho andado a pesquisar o disco, que irá merecer brevemente nova referência neste espaço. Surpresas como esta fazem-me pensar muitas vezes em quanta música boa anda por aí já editada e ainda não tive oportunidade de ouvir. Vale a pena ocupar algum tempo livre a procurar e descobrir grandes surpresas como esta!

Posso desde já adiantar que esta banda é neo-zelandesa e que há quem os compare aos The Shins ou aos Arcade Fire.

O vídeo foi gravado no lendário Cornwell Park Cricket Club em Auckland, realizado por uma dupla chamada Luke & Puck e produzido na Percentual Engineering.

 

 

R.E.M. - Oh My Heart

 

A minha banda de eleição deu ontem a conhecer mais uma música de Collapse Into Now. Chama-se Oh My Heart, a banda dedica-a a New Orleans e Michael Stipe, que está hoje de parabéns, descreve-a assim;

It's a very quiet and very meditative song dedicated to New Orleans — about New Orleans. Jacknife is great as a producer, because he saw that we were struggling with what is a very quiet song. We were standing really far away from each other in the room, and it was hard not only to actually physically hear each other, but it felt dispersed. He brought us into the middle, and instantly, of course, the song worked.

 


autor stipe07 às 22:15
link do post | comenta / bad talk | The Best Of Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Em escuta...

Facebook

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

19

26

27
28
29
30
31


posts recentes

Andrew Bird – Things Are ...

Manic Street Preachers – ...

Ladada - Coin Toss

Beverly – Careers

Craft Spells - Nausea

Slowness – How To Keep Fr...

Mark Lanegan Band – Sad L...

Zero 7 – Simple Science

The KVB – Out Of Body EP

Say Hi – Endless Wonder

The Rosebuds - Blue Eyes

Tim Bowness – Abandoned D...

Cold War Kids – All This ...

Moebius Story Leidecker -...

Blonde Redhead – Dripping

X-Files

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

Procura...

 

Visitors (since 31.05.12)

blogs SAPO

subscrever feeds