Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

The Airborne Toxic Event – Wrong

Depois de Such Hot Blood, os norte americanos The Airborne Toxic Event, uma de uma banda de Los Angeles formada por Mikel Jollett (voz, guitarra, teclas), Steven Chen (guitarra, teclas), Noah Harmon (baixo, voz), Daren Taylor (bateria) e Anna Bulbrook (viola, teclas, tamborim, voz), estão de regresso aos discos com Dope Machines, o quarto trabalho da carreira do coletivo, ainda sem data de lançamento anunciada.

Wrong é o primeiro avanço divulgado de Dope Machines e, pelo sintetizador qe passeia livremente pela canção, ditando o rumo dos acontecimentos, a eletrónica terá um papel ainda mais preponderante no futuro deste coletivo. Confere...

The Airborne Toxic Event - Wrong


autor stipe07 às 13:11
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

Astronauts - Four Songs EP

Astronauts é um projeto musical encabeçado pelo londrino Dan Carney. um músico e compositor que fez carreira nos lendários Dark Captain e que divulguei recentemente por causa de Hollow Ponds o extraordinário disco de estreia desta nova vida musical de um homem que guarda no seu universo sonoro teclas, cordas e baquetas mas, acima de tudo, um tremendo bom gosto e uma capacidade ímpar para compôr canções que só poderão ser devidamente apreciadas se estivermos dispostos a fazê-lo equipados com um fato hermético que nos permita captar a simultaneamente implacável e sedutora sensação de introspeção e melancolia mitológica que elas possuem e transmitem.

Já a preparar o sucessor de Hollw Ponds, Four Songs EP acontece numa lógica de querer encerrar um capítulo extenso e intenso da vida de Carney, que se inspirou em algumas experiências traumáticas pessoais recentes para compôr esse álbum, nomeadamente uma fratura grave de uma perna que o fez sofrer bastante e o prendeu a uma cama de hospital durtante um longo período. As quatro canções deste EP são como que sobras dessa obra maior, mas não ficam a dever nada em termos qualitativos ao alinhamento do disco. Comprovam a efervescência com que Astronauts se serve do krautrock e da dream pop e ampliam ainda mais a sensação de bom gosto que experimentamos ao escutá-las, criadas por um compositor que, com um pé na folk e outro na pop e com a mente também a convergir para um certo experimentalismo, tem o comportamento típico de quem não acredita em qualquer regra na busca pela perfeição.

Only Son, o tema que abre o EP, é um fantástico instante sonoro e o último tema divulgado pelo músico que aborda diretamente a fratura do pé que o apoquentou. simultaneamente claustrufóbica e épica e fortemente melódica, é uma música inspiradora e vibrante, com arranjos deslumbrantes e que não poupa na materialização dos melhores atributos que Carney guarda na sua bagagem sonora, tornando-nos cúmplices das suas angústias e incertezas.

Lion Tamer é um pouco mais introspetiva e melancólica e conta com um dedilhar de guitarra que casa na perfeição com uns lindíssimos arranjos de metais, algo que confere à canção um clima particularmente charmoso e contemplativo. A voz em coro dá mais corpo à canção e à medida que a mesma cresce, com o aumento da distorção e do ritmo da percurssão, que replicam uma melodia repetitiva, parece que levantamos voo com ela sem qualquer receio de olhar para trás e de nos deixarmos levar pelo cariz fortemente hipnótico da mesma.

Os dois últimos temas do EP mostram um Carney ainda mais resguardado, mas a potenciar ao máximo a capacidade que possui de nos deslumbrar e, de modo algo inédito, a provar que também há uma elevada dose de sensualidade e suavidade na tonalidade das canções que interpreta. Se a planante e eterea Think On (2003) faz, um elogio sincro a Elliot Smith, um dos seus heróis, Death From The Stars é um pequeno instrumental onde acorda de uma viola se entrelaça com alguns efeitos edepois nos transporta numa viagem rumo ao revivalismo dos anos oitenta que nos traz brisas bastante aprazíveis.

Four Songs é um EP rico e arrojado, que aponta em diferentes direções sonoras, apesar de haver um estilo vincado que pode catalogar o cardápio sonoro apresentado. O trabalho tem um fio condutor óbvio, assente em alguma da melhor indie pop contemporânea, mas uma das suas particularidades é conseguir, sem fugir muito desta bitola, englobar diferentes aspetos e detalhes de outras raízes musicais, num pacote cheio de paisagens sonoras que contam histórias que a voz de Dan sabe, melhor do que ninguém, como encaixar. Espero que aprecies a sugestão...


autor stipe07 às 21:03
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

Twin Hidden – Join Hands

Twin Hidden

Divididos entre Londres e Manchester os Twin Hidden são Matthew Shribman e Sam Lea, dois amigos de infância que com dez anos já faziam música juntos, tendo-se estrado nos lançamentos em 2001 com um disco cujo rasto é desconhecido (This album is now where it belongs, at the bottom of the sea, where it will never be found).

A separação física de ambos deu-se com a entrada na universidade, quando Matthew foi estudar para Oxford e Sam para Manchester. Acabou por haver um breve hiato no grupo, mas os Twin Hidden parecem estar apostados em regressar novamente à ribalta, desde que no ano passado resolveram voltar a compôr juntos, tendo o piano como instrumento privilegiado destas novas experências sonoras conjuntas.

Join Hands, o novo single da dupla, será editado em dezembro, mas já chegou à redação de Man On The Moon, enviado pela própria banda. Pelos vistos, está a captar a atenção das pessoas certas, porque o tema está a fazer enorme furor junto da crítica especializada e basta escutar a canção para se perceber porquê. Join Hands é uma peça musical magistral, uma pop futurista com o ritmo e cadência certas, conduzida por teclas inebriantes e arranjos sintetizados verdadeiramente genuínos e criativos, capazes de nos enredar numa teia de emoções que nos prende e desarma sem apelo nem agravo. A forma como os falsetes da dupla se entrelaçam entre si, enquanto metais, bombos, cordas e teclas desfilam orgulhosas e altivas, mais parece uma parada de cor, festa e alegria, onde todos comungam o privilégio de estarem juntos, do que propriamente um agregado de sons no formato canção. Ficarei muito atento a este projeto, nomeadamente ao possível lançamento de um disco. Confere...

 


autor stipe07 às 13:29
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

The Twilight Sad – Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave

Os The Twilight Sad são uma banda de indie rock de Kilsyth, na Escócia, com onze anos de carreira e já lançaram três discos: Fourteen Autumns & Fifteen Winters (2007), Forget the Night Ahead (2009) e No One Can Ever Know (2012), trabalhos onde o post rock, com uma elevada toada punk e shoegaze esteve sempre presente, assim como o chamado krautrock que foi fazendo escola no universo sonoro alternativo desde a década de setenta. Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave é o quarto disco desta banda escocesa, um trabalho lançado esta semana pela Fat Cat Records.

Sustentados pela doce melancolia e donos de um som épico e eloquente, mas que exige dedicação, os The Twilight Sad regressam aos discos com um trabalho que vive da mistura de indie pop e indie rock com o punk e o post rock, em canções que muitas vezes crescem em emoção, arrojo e amplitude sonora, sempre de forma progressiva, algo que os arranjos e o edifício melódico de temas tão díspares como There's A Girl In The Corner ou I Could Give You All That You Don’t Want, entre outros, claramente comprovam.

There's A Girl In The Corner é, aliás, um dos grandes momentos deste álbum, um tema que encanta pelos belíssimos arranjos e que coloca de imediato a nú a zona de conforto sonora estabelecida e pregada pelos The Twilight Sad e que reside num universo algo sombrio e fortemente entalhado numa forte teia emocional amargurada, na qual se enredaram, lirica e sonoramente. Por isso, se ficarem logo convencidos com esta entrada, mais inquietos e deslumbrados se irão sentir com a dupla Last JanuaryI Could Give You All That You Don’t Want, duas canções com um ritmo difrente, mais expansivo, impulsivo e fenético e que clamam por um óbvio sentido de urgência que nos deixa no final nos limites da nossa caapcidade de sofreguidão. A partir daqui, estou certo que não se irão arrepender de conferir o restante alinhamento porque irão encontrar mais boas letras e belíssimos arranjos, assentes num baixo vibrante adornado por uma guitarra jovial e pulsante e com alguns efeitos e detalhes típicos do rock alternativo e do punk dos anos oitenta.

Com a voz de Alexander Graham a soar a uma aproximação perfeita ao universo indie encorporado no registo grave dos nova iorquinos Matt Berninger ou Paul Banks, Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave carimba o instante de maturidade plena da carreira em que este coletivo vive, que parece caminhar confortavelmente por cenários que descrevem dores pessoais e escombros sociais, com uma toada simultaneamente épica e aberta, fazendo-o demonstrarando a capacidade eclética de compôr, em simultâneo, temas com um elevado teor introspetivo (It Never Was The Same) e verdadeiros hinos de estádio (Last January).

Se para os mais distraídos, o alinhamento de Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave pode ser do que mais depressivo e angustiante ouviram nos últimos tempos, este é um disco que eu penso valer a pena ser dissecado tomando como ponto de partida outra perspetiva, mais positiva. Os The Twilight Sad quiseram ter aqui muito presente a temática do amor nas suas diferentes vertentes, mas de modo a apelar à tomada de consciência de que a existência humana não deve apenas esforçar-se por ampliar intimamente o lado negro, até porque ele será sempre uma realidade. Há aqui canções como Drown So I Can Watch ou Pills I Swallow e Sometimes I Wished I Could Fall Asleep que não deixam margem para dúvidas sobre o cariz tumultuoso das mesmas, mas poderão também servir como gritos de alerta para que nos foquemos sempre, mesmo nesses instantes, no que de melhor nos sucede, para depois se explorar devidamente e até à exaustão o usufruto das benesses com que o destino nos brinda, mesmo que as relações interpessoais nem sempre aconteçam como nos argumentos dos filmes.

O que não poderá deixar dúvidas a ninguém é que este é um compêndio de rock alternativo muito bem produzido, sem lacunas, com elevada coerência e sequencialidade, mas é sobretudo um exercício de audição individual das canções. Com ele os The Twilight Sad firmam a sua posição na classe dos artistas que basicamente só melhoram com o tempo. Espero que aprecies a sugestão...

The Twilight Sad - Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave

01. There’s A Girl In The Corner
02. Last January
03. I Could Give You All That You Don’t Want
04. It Never Was The Same
05. Drown So I Can Watch
06. In Nowheres
07. Nobody Wants To Be Here And Nobody Wants To Leave
08. Pills I Swallow
09. Leave The House
10. Sometimes I Wished I Could Fall Asleep

 


autor stipe07 às 21:41
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Terça-feira, 28 de Outubro de 2014

Yes I´m Leaving - Slow Release

Billy, Boyer e Cook são os Yes I'm Leaving, um trio australiano oriundo de Sidney e que se prepara para conquistar um lugar ao sol no universo sonoro indie com Slow Release, um disco que chegou aos escaparates a vinte e nove de setembro por intermédio da Homeless.

 A carilha insana do indie rock alternativo dos anos noventa está mais viva do que nunca e estes Yes I'm Leaving parecem exímios a remexer nessa época em que nomes como os Nirvana, Smashing Pumpkins, Soundgarden ou Pearl Jam, Offspring ou Green Day, pegaram nas guitarras e no baixo e testaram os limites das pedaleiras em canções eminentemente curtas e diretas que versavam, quase sempre, sobre os tipicos dilemas juvenis ou questões politicas e ambientais. Este trio navega um pouco em redor destes nomes distintos com Fear, por exemplo, a ser um tema cheio de detalhes típicos do grupo de Bryan "Dexter" Holland e Alchemy a chamar a si a herança mais noise de Eddie Vedder, só para citar dois exemplos concretos. Seja como for, em termos gerais, Slow Release soa a uma espécie dá vida a um som de marca e marcante que, algures entre Pavement e Smashing Pumpkins, numa espécie de encontro improvável entre Corgan e Malkmus, faz deste trio já um nome a ter em conta no último terço deste ano.

O álbum é um festim inebriante, feito com guitarras distorcidas, uma voz que ruge sem desafinar e que exala um espírito jovem e bastante beliçoso. Fica logo claro que os Yes I'm Leaving não cairam na tentação de complicar, já que ao longo do alinhamento deste trabalho não há quebras, nem momentos pouco ruidosos que os pudessem levar para territórios ponde se pudessem sentir, para já, menos cómodos. Os Yes I'm Leaving têm urgência em se mostrar e fazem-no com uma crueza avasssaladora mas, sem perder nunca o norte, nem sem se deixarem levar por experimentalismos e arranjos desnecessários. E quando, em Husk, perdem um pouco o norte, mas sem descarrilar e se desviam ligeiramente da rota, fazem-no em busca de alguns detalhes do rock mais progressivo e do próprio metal e não num sentido mais brando ou melancólico.

Há uma componente melódica particularmente assertiva em todas as canções, apesar do cariz particular da sonoridade que replicam, sendo Careless a canção que melhor explana este vertente. O baixo é mu instrumento essencial na forma como aconchega e domina as guitarras e a bateria e Salt e o fuzz visceral de Manic serão talvez os tema em que o red line é posto à prova com maior intensidade pelas cordas e simultaneamente aqueles em que o baixo tem maior destaque. A partir deste tema ficamos constantemente à espera que surja nos nossos ouvidos algo de imprevisível e inédito, na forma como as cordas são manuseadas e produzidas e, sendo um disco de guitarras, quem aprecia o baixo e a bateria irá certamente sentir-se deliciado com a quantidade de efeitos que vai descobrir neste álbum e querer replicar.

Independentemente do grau de acidez e de rudeza destes Yes I'm Leaving, Slow Release é um remate certeiro e um marco significativo na discografia atual que se inspira no período aúreo do rock alterativo norte americano, através de canções plenas de originalidade e com uma elevada bitola qualitativa e que devemos guardar com reverência para que sejam levadas para a linha da frente do nosso airplay particular quando nos apetece ouvir algo completamente distinto e único e longe da habitual limpidez sonora que geralmente nos cerca. No Bandcamp da banda podes escutar outros temas dos Yes I'm Leaving. Espero que aprecies a sugestão...

One

Puncher

Fear

Alchemy

Timer

Salt

Care Less

Manic

Funny

Secret

Husk

 


autor stipe07 às 18:34
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

Belle & Sebastian – Party Line

Belle & Sebastian - "Party Line"

Já se sabe desde setembro que os escoceses Belle & Sebastian estão de regresso aos discos com um novo álbum. Esse trabalho irá chamar-se Girls In Peacetime Want To Dance e verá a luz do dia a vinte de janeiro através da Matador Records, sendo o primeiro da banda em quatro anos, desde Write About Love.

Hoje foi divulgado o primeiro single de Girls In Peacetime Want To Dance; A canção chama-se Party Line e conduz-nos de volta ao indie pop mais orelhudo, com aquele requinte vintage que revive os gloriosos anos oitenta. Confere...


autor stipe07 às 18:25
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

Los Waves - This Is Los Waves So What?

Depois do EP Got A Feeling, a dupla lusa Los Waves, formada por José Tornada e Jorge da Fonseca e que tem dado nas vistas devido à sonoridade única e até algo inovadora, tendo em conta o panorama musical nacional, está de regresso com This Is Los Waves So What?, o longa duração de estreia da dupla, que foi produzido entre Londres (Gun Factory Studios) e Lisboa (Elephant Studios) por James Wiseman e conta com Bruno Santos no baixo. This Is Los Waves So What? tem sido escutado por cá com insistência, um trabalho sobre o qual Man On The Moon teve oportunidade de conversar com os Los Waves, como podes conferir adiante.

Recordo que os Los Waves começaram a carreira em Londres, em 2011, onde deram os primeiros concertos em salas icónicas como o Old Blue Last, Cargo e Camden Barfly e nesse mesmo ano, lançaram os primeiros EP’s Golden Maps e How Do I Know, que deram logo que falar na imprensa, tanto no Reino Unido como nos Estados Unidos. Rapidamente atravessaram o Oceano Atlântico, onde conseguiram colocar músicas em vários canais de televisão, nomeadamente a a MTV, FOX, AXN e CBS, com destaque para a participação em bandas sonoras de séries como Gossip GirlJersey Shore (com a música Golden Maps) ou Mentes Criminosas (com a música Got A Feeling).

Com distribuição por cá pela Sony Music Portugal e nos Estados Unidos e no Reino Unido a cargo da Summer Filth Records, This Is Los Waves So What? são onze canções dominadas pelo rock festivo e solarengo, mas onde a eletrónica tem também uma palavra importante a dizer, já que os sintetizadores conduzem, quase sempre, o processo melódico, de modo a replicar uma sonoridade que impressiona pelo charme vintage .

Os riffs de guitarra harmoniosos e a percurssão vincada de Hyperflowers e Modern Velvet abrem-nos uma janela imensa de luz e cor e convidam-nos a espreitar para um mundo envolvido por uma psicadelia luminosa, fortemente urbana, mística, mas igualmente descontraída e jovial, que vai estar sempre presente durante os quase quarenta minutos que dura o disco. As guitarras metálicas de Strange Kind Of Love, um dos singles já retirados de This Is Los Waves So What?, conduzem uma música que, de acordo com o press release do lançamento, fala daquele amor que faz o mundo girar, parte de uma história de amor não correspondido para nos falar de outros tipos de amor. O amor vem assim sob a forma de todas as coisas, da simplicidade que enche a alma de uma forma natural, como a luz que refracta no prisma, como os últimos raios de luz que enchem a íris numa tarde de verão, sob a influência e o calor das leis universais.

Mas This Is Los Waves So What? não fica por aqui e tem outros destaques interessantíssimos. Se em Golden Maps os Los Waves nivelam com elevada bitola qualitativa as suas experiências eletrónicas, em Still Kind Of Strange How Days Won’t Go By, o jogo de sedução que se estabelece inicialmente entre o orgão e a bateria, acaba por chamar a atenção da guitarra, que pouco depois junta-se e todos mostram como as belas orquestrações podem viver e respirar lado a lado e harmoniosamente com distorções e arranjos mais agressivos.

A busca de diferentes ambientes e a capacidade dos Los Waves em abarcar um leque aprofundado de referências fica plasmada em Your World e Jupiter Blues, dois temas do disco que merecem audição cuidada. No primeiro, os Los Waves piscam o olho descaradamente ao indie rock dançável e anguloso nova iorquino e à energia do punk que se alia com alguns laivos de eletrónica que, neste caso, casaram impecavelmente com a voz, que, já agora, ao longo do disco evidencia uma elevada elasticidade e a capacidade de reproduzir diferentes registos e dessa forma atingir um significativo plano de destaque. Quanto a Jupiter Blues, atravessa o atlântico para o lado de cá, mas até à assumida pompa sinfónica e inconfundível e que nunca descurava as mais básicas tentações pop e que fez escola no  cenário indie britânico na década de noventa, com Oasis, Spiritualized e Primal Scream a serem aqui referências óbvias. Pelo meio, os xilofones e a percurssão tribal de Got A Feeling, dão ao conjunto final mais um toque de luminosidade e cor, a canção que acabou há cerca de um ano atrás por colocar os Los Waves num merecido plano de destaque do panorama indie musical.

Em onze canções com uma sonoridade impar, em This Is Los Waves So What? é possível absorver a obra como um todo, mas entregar-se aos pequenos detalhes que preenchem o trabalho é outro resultado da mais pura satisfação, como se os Los Waves quisessem projetar inúmeras possibilidades e aventuras ao ouvinte em cada canção do alinhamento. Conforme me confessaram na entrevista que podes conferir abaixo, o grupo não consegue única e simplesmente ficar por um estilo, houve uma preocupação em não fazer algo que fosse normal e tentaram que as musicas tivessem algo de diferente que fique retido pelas boas razões. Missão cumprida! Espero que aprecies a sugestão...

Hyperflowers

Modern Velvet

Strange Kind Of Love

Golden Maps

Darling

Still Kind Of Strange How Days Won’t Go By

Your World

Got A Feeling

Jupiter Blues

How Do I Know

Belong (Sister)

Depois de vos ter entrevistado há já quase um ano devido ao EP Got A Feeling, o que mudou nos Los Waves? Ainda têm tempo para fazer skate e surfar ou a música ocupa totalmente os vossos dias?

Por acaso não fazemos surf nem andamos de skate há algum tempo, se bem que seja dito que nunca fomos nenhuns prós na coisa, este ano andámos um pouco em sines no verão, temos uns cruisers e dão para descontraír. Este processo todo do album e dos videoclips também nos tirou bastante tempo livre. O surf e o skate foram de alguma forma trocado por futebol nestes meses.

This Is Los Waves so What? parece-me um título fantástico para um disco de estreia e bastante apelativo. Sabe a uma espécie de grito de revolta, uma daquelas entradas em grande no palco em início do espetáculo, de forma tão ruidosa que desperta logo o espetador mais incauto. É isso que vocês pretendem com o vosso trabalho de estreia? Causar um forte impacto? Como esperam que seja recebida a vossa música?

Por acaso o nome foi pensado no sentido de assumir uma atitude despreocupada, o facto de o album ter tantas músicas diferentes seria um problema para a maior parte das bandas e ainda o é na industria em geral, é dificil vender um produto disperso, mas para nós não faz sentido de outra forma, não conseguimos simplesmente ficar por um estilo. E sim o título também foi pensado no sentido de causar impacto, há sempre uma preocupação em não fazer algo que fosse normal ou apenas mais uma coisa, de certa forma achamos que apesar de serem "orelhudas", tentámos que as musicas tivessem algo de diferente que fique retido pelas boas razões

Quando conversámos há um ano atrás, confessaram-me que, neste disco, pretendiam, além da indie pop com influências da new wave e do psicadelismo, explorar sonoridades mais existências e mais calmas. À medida que iam gerando This Is Los Waves So What?, preocuparam-se em experimentar e compor de acordo com as vossas preferências, ou também tiveram o foco permanentemente ligado na vertente mais comercial? No fundo, em termos de ambiente sonoro, o que idealizaram para o álbum inicialmente, correspondeu ao resultado final ou houve alterações de fundo ao longo do processo?

Fomos sempre idealizando coisas muito muito diferentes ao longo do processo, o facto de sermos ouvintes recreativos de outras bandas faz com que em muitos momentos no empolguemos e digamos alto "EIA ..epa que cena temos que ter um ambiente assim", mas claro que até chegar lá existe todo um processo de sound design que pode correr muito mal ou muito bem e normalmente nunca se consegue o que se quer, mas é durante esse processo que nascem novas coisas que acabam por ser utilizadas, penso que isso aconteceu imenso ao longo do álbum.

Temas como Hyperflowers e Strange Kind Of Love também apontam a um universo mais próximo do indie rock, o que me parece, de algum modo, inédito nos Los Waves, tendo em conta, principalmente, o conteúdo do EP Got A Feeling. Concordam com esta minha perceção?

Sim é verdade, lá está, nós ouvimos tantas coisas tão diferentes em termos de género que é normal tocar nesses pontos, neste momento sinceramente já não sabemos nós proprios onde nos inserimos, isso é mau e bom ao mesmo tempo, talvez no  segundo album façamos algo muito mais inesperado mas que para nós seja a única coisa que faça sentido.

Sempre senti uma enorme curiosidade em perceber como se processa a dinâmica no processo de criação melódica. Numa banda com vários elementos, geralmente há sempre uma espécie de regime ditatorial (no bom sentido), com um líder que domina a parte da escrita e, eventualmente, também da criação das melodias, podendo os restantes músicos intervir na escolha dos arranjos instrumentais. Como é numa dupla como a vossa? Acontece tudo naturalmente e de forma espontânea em jam sessions conjuntas, ou um de vocês domina melhor essa componente?

Nunca fizemos uma única jam session na nossa vida. Os temas são compostos por mim (Jorge) e pelo Zé, em casa, muitas vezes separadamente. Eu faço as letras e normalmente apareço com melodias de voz e sketches de acordes e a partir daí construímos a música.

Liricamente, este disco deverá ser ainda muito fruto das longas viagens que fizeram em tempos pela América do Sul e pelo Índico, presumo… No que diz respeito à escrita das letras, o que mais vos inspira? E, já agora, qual é a dinâmica da dupla nesse aspeto?

As letras aparecem de forma estranha, nunca percebi muito bem como, mas de certa forma é sempre algo que é quase inconsciente e no fim acabam por bater demasiado certo, parece coincidência. De facto todos os processos de criação artistica são estranhos neste ponto, parece que já tudo existe num mar de informação universal que está noutra dimensão e nós através de processos de semi-abstração mental conseguimos chegar a esses lugares. Mas claro que serão também fruto de experiências. Nunca escrevi sobre nada em concreto de forma consciente, ou sobre temas que nao têm directamente a ver comigo, e noto que ao longo do álbum a letras foram passando de uma temática mais holistica para algo mais relacional, emocional, urbano. Este processo acompanhou naturalmente uma viragem mais rock que fizémos a certo ponto.

This Is Los Waves So What? foi produzido por James Wiseman. Como surgiu a possibilidade de trabalhar com uma verdadeira referência? Que peso teve no produto final?

De facto é uma ajuda enorme e uma mudança desde os primeiros EP's que foram gravados num laptop em condições miseráveis, ter acesso a um estúdio e a fazer as coisas como toda a gente faz. Foi um privilégio para nós. Conhemos o James em Londres, ele faz colaborações constantes com artistas portugueses mais na onda do jazz e fado - embora ele só ouça Black Keys!

Como estão a decorrer os concertos de apresentação do disco? E onde podemos ver os Los Waves a tocar num futuro próximo?

Vamos apresentar o disco no dia 13 de Novembro no Sabotage em Lisboa , 14 de Novembro no Maus Hábitos no Porto e 15 no Texas Bar em Leiria!

 

Para terminar, outra curiosidade… Quais são as três bandas atuais que mais admiram?

Ice Age, Mando Diao, Devendra Banhart.


autor stipe07 às 21:22
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

San Cisco – Run

San Cisco - RunOs San Cisco são uma banda natural de Perth, na Austrália e formada por Jordi James (guitarra, voz e teclados), Josh Biondillo (guitarra, voz), Nick Gardner (baixo) e Scarlett Stevens (bateria). Eles acabam de divulgar Run, o primeiro single do segundo disco do grupo, que deverá sair no início do próximo ano.

Run é um tema construído sobre linhas de guitarra e um sintetizador inspirado, com uma forte componente melódica e um refrão bastante luminoso. Confere...


autor stipe07 às 18:30
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|
Domingo, 26 de Outubro de 2014

Caged Animals – The Overnight Coroner EP

Depois de Eat Their Own, um disco que divulguei há pouco mais de dois anos e, já em 2013, do sucessor, The Land Of Giants, os nova iorquinos Caged Animals, uma banda psych pop indie de Brooklyn liderada por Vincent Cacchione, lançaram nos primeiros dias do último mês de março, um EP concetual, com quatro canções que relatam instantes da vida de uma personagem chamada Ryan, um homem de vinte e três anos natural de Nova Jersey e que trabalha como guarda noturno numa morgue. A última faixa do EP é a narração da história por parte do músico.

A música de Cacchione é perfeita para funcionar como estímulo para que acreditemos sempre nos nossos desejos e na capacidade de speraão intrínseca ao ser humano, já que, com mestria, propôe-nos uma eletrónica cintilante com uma voz que única e que parece, a qualquer momento, poder vir a explodir emocionalmente, mesmo quando se refere a um ser comum, com uma profissão que não é propriamente inspiradora para a criação de odes alegóricas e luminosas, mas que permite abrir imensas portas sobre aquilo que poderá pensar e querer do mndo que o rodeia, uma mente habituada a liderar diariamente com a morte e com tudo aquilo que ela tem de triste e sombrio.

Sabendo, de antemão, a temática do EP, não é complicado deixarmo-nos envolver pela teia emocional que dele transborda, proporcionada por uma sonoridade pop com forte pendor eletrónico, alicerçada em sons sintetizados e cheios de detalhes deslumbrantes, que incubaram de um intrincado conjunto de gostos eclécticos, retro e futuristas e que vão do experimentalismo lo-fi às insinuações folk new-wave, passando pelo rock e a soporífera chillwave. É um caldeirão sonoro que no permite sentir toda a fantasia e a magia que a música de Vincent quer transmitir, mesmo que alicerçada numa estranha narrativa, profunda e carregada de psicadelia. Em suma, The Overnight Coroner é um trabalho cheio de palavras esperançosas, embrulhadas com tiques sonotos peculiares, que misturam de tudo um pouco com uma exuberância caleidoscópica, para nos dar a conhecer um mundo dos adultos através de uma retórica sonora que não eixa de se imbuir de uma ingenuidade e uma melacolia quase infantis, uma sensação dicotómica que a capa do EP tão bem ilustra. Espero que aprecies a sugestão...

Caged Animals - The Overnight Coroner

01. The Overnight Coroner Attends A Party
02. Working On The Downfall
03. The Turnaround
04. The Last One At The Party
05. The Overnight Coroner Finds What He Is Looking For


autor stipe07 às 22:43
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

Fleeting Youth Records - Blooming (A Fuzz- Fucked Compilation w. r/cassetteculture)

Uma das etiquetas mais interessantes do cenário indie norte americano é a Fleeting Youth Records, editora de Austin, no Texas, que acaba de lançar no bandcamp uma nova compilação, que inclui no alinhamento nomes tão interessantes como os VLMA, Goners, Mumblr, Assault Shaker, Plouse e Lurve, entre outros.
Disponível em ofrmato digital e cassete, esta coleção de canções está cheia de algum do melhor punk rock, carregado de fuzz, distorção e experimentalismo que se vai fazendo no cenário mais alternativo do outro lado do atlântico.
Algumas canções já foram editadas pelos respetivos autores, outras são ainda demos ou material inédito. Se gostas de punk rock sem espinhas, cheio de fuzz e de distorção na pedaleira, então esta compilação é para ti. Confere...

 


autor stipe07 às 16:14
link do post | comenta / bad talk | The Best Of... Man On The Moon...
|

eu...

Powered by...

stipe07

Em escuta...

Facebook

Twitter

Twitter

Man On The Moon - Paivense FM (99.5)

Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





posts recentes

The Airborne Toxic Event ...

Astronauts - Four Songs E...

Twin Hidden – Join Hands

The Twilight Sad – Nobody...

Yes I´m Leaving - Slow Re...

Belle & Sebastian – Party...

Los Waves - This Is Los W...

San Cisco – Run

Caged Animals – The Overn...

Fleeting Youth Records - ...

DRLNG - Icarus EP

Tashaki Miyaki – The Beau...

Allah-Las – Worship The S...

Blue Hawaii – Get Happy /...

Gut und Irmler - 500M

Panda Bear - Noah EP

Dirt Dress - Twelve Pictu...

Thurston Moore – The Best...

VLMA - Slime

Foxes In Fiction - Ontari...

X-Files

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

take a look...

Procura...

 

Visitors (since 31.05.12)

blogs SAPO

subscrever feeds